Links

O ESTADO DA ARTE


Nathalie Djurberg & Hans Berg, It Will End in Stars (2018)


Nathalie Djurberg & Hans Berg, It Will End in Stars (2018)


Olafur Eliasson, Rainbow (2017)

Outros artigos:

2020-05-11


TEORIA DE UM BIG BANG CULTURAL PÓS-CONTEMPORÂNEO
 

2020-04-24


QUE MUSEUS DEPOIS DA PANDEMIA?
 

2020-03-24


FUCKIN’ GLOBO 2020 NAS ZONAS DE DESCONFORTO
 

2020-02-21


ELECTRIC: UMA EXPOSIÇÃO DE REALIDADE VIRTUAL NO MUSEU DE SERRALVES
 

2020-01-07


SEMANA DE ARTE DE MIAMI VIA ART BASEL MIAMI BEACH: UMA EXPERIÊNCIA MAIS OU MENOS ESTÉTICA
 

2019-11-12


36º PANORAMA DA ARTE BRASILEIRA
 

2019-10-06


PARAÍSO PERDIDO
 

2019-08-22


VIVER E MORRER À LUZ DAS VELAS
 

2019-07-15


NO MODELO NEGRO, O OLHAR DO ARTISTA BRANCO
 

2019-04-16


MICHAEL BIBERSTEIN: A ARTE E A ETERNIDADE!
 

2019-03-14


JOSÉ MAÇÃS DE CARVALHO – O JOGO DO INDIZÍVEL
 

2019-02-08


A IDENTIDADE ENTRE SEXO E PODER
 

2018-12-20


@MIAMIARTWEEK - O FUTURO AGENDADO NO ÉDEN DA ARTE CONTEMPORÂNEA
 

2018-11-17


EDUCAÇÃO SENTIMENTAL. A COLEÇÃO PINTO DA FONSECA
 

2018-10-09


PARTILHAMOS DA CRÍTICA À CENSURA, MAS PARTILHAMOS DA FALTA DE APOIO ÀS ARTES?
 

2018-09-06


O VIGÉSIMO ANIVERSÁRIO DA BIENAL DE BERLIM
 

2018-07-29


VISÕES DE UMA ESPANHA EXPANDIDA
 

2018-06-24


O OLHO DO FOTÓGRAFO TAMBÉM SOFRE DE CONJUNTIVITE, (UMA CONVERSA EM TORNO DO PROJECTO SPECTRUM)
 

2018-05-22


SP-ARTE/2018 E A DIFÍCIL TAREFA DE ESCOLHER O QUE VER
 

2018-04-12


NO CORAÇÂO DESTA TERRA
 

2018-03-09


ÁLVARO LAPA: NO TEMPO TODO
 

2018-02-08


SFMOMA SAN FRANCISCO MUSEUM OF MODERN ART: NARRATIVA DA CONTEMPORANEIDADE
 

2017-12-20


OS ARQUIVOS DA CARNE: TINO SEHGAL CONSTRUCTED SITUATIONS
 

2017-11-14


DA NATUREZA COLABORATIVA DA DANÇA E DO SEU ENSINO
 

2017-10-14


ARTE PARA TEMPOS INSTÁVEIS
 

2017-09-03


INSTAGRAM: CRIAÇÃO E O DISCURSO VIRTUAL – “TO BE, OR NOT TO BE” – O CASO DE CINDY SHERMAN
 

2017-07-26


CONDO: UM NOVO CONCEITO CONCORRENTE À TRADICIONAL FEIRA DE ARTE?
 

2017-06-30


"LEARNING FROM CAPITALISM"
 

2017-06-06


110.5 UM, 110.5 DOIS, 110.5 MILHÕES DE DÓLARES,… VENDIDO!
 

2017-05-18


INVISUALIDADE DA PINTURA – PARTE 2: "UMA HISTÓRIA DA VISÃO E DA CEGUEIRA"
 

2017-04-26


INVISUALIDADE DA PINTURA – PARTE 1: «O REAL É SEMPRE AQUILO QUE NÃO ESPERÁVAMOS»
 

2017-03-29


ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE O CONCEITO CONTEMPORÂNEO DE FEIRA DE ARTE
 

2017-02-20


SOBRE AS TENDÊNCIAS DA ARTE ACTUAL EM ANGOLA: DA CRIAÇÃO AOS NOVOS CANAIS DE LEGITIMAÇÃO
 

2017-01-07


ARTLAND VERSUS DISNEYLAND
 

2016-12-15


VALORES DA ARTE CONTEMPORÂNEA: UMA CONVERSA COM JOSÉ CARLOS PEREIRA SOBRE A PUBLICAÇÃO DE O VALOR DA ARTE
 

2016-11-05


O VAZIO APOCALÍPTICO
 

2016-09-30


TELEPHONE WITHOUT A WIRE – PARTE 2
 

2016-08-25


TELEPHONE WITHOUT A WIRE – PARTE 1
 

2016-06-24


COLECCIONADORES NA ARCO LISBOA
 

2016-05-17


SONNABEND EM PORTUGAL
 

2016-04-18


COLECCIONADORES AMADORES E PROFISSIONAIS COLECCIONADORES (II)
 

2016-03-15


COLECCIONADORES AMADORES E PROFISSIONAIS COLECCIONADORES (I)
 

2016-02-11


FERNANDO AGUIAR: UM ARQUIVO POÉTICO
 

2016-01-06


JANEIRO 2016: SER COLECCIONADOR É…
 

2015-11-28


O FUTURO DOS MUSEUS VISTO DO OUTRO LADO DO ATLÂNTICO
 

2015-10-28


O FUTURO SEGUNDO CANDJA CANDJA
 

2015-09-17


PORQUE É QUE OS BLOCKBUSTERS DE MODA SÃO MAIS POPULARES QUE AS EXPOSIÇÕES DE ARTE, E O QUE É QUE PODEMOS DIZER SOBRE ISSO?
 

2015-08-18


OS DESAFIOS DO EFÉMERO: CONSERVAR A PERFORMANCE ART - PARTE 2
 

2015-07-29


OS DESAFIOS DO EFÉMERO: CONSERVAR A PERFORMANCE ART - PARTE 1
 

2015-06-06


O DESAFINADO RONDÒ ENWEZORIANO. “ALL THE WORLD´S FUTURES” - 56ª EXPOSIÇÃO INTERNACIONAL DE ARTE DE VENEZA
 

2015-05-13


A 56ª BIENAL DE VENEZA DE OKWUI ENWEZOR É SOMBRIA, TRISTE E FEIA
 

2015-04-08


A TUMULTUOSA FERTILIDADE DO HORIZONTE
 

2015-03-04


OS MUSEUS, A CRISE E COMO SAIR DELA
 

2015-02-09


GUIDO GUIDI: CARLO SCARPA. TÚMULO BRION
 

2015-01-13


IDEIAS CAPITAIS? OLHANDO EM FRENTE PARA A BIENAL DE VENEZA
 

2014-12-02


FUNDAÇÃO LOUIS VUITTON
 

2014-10-21


UM CONTEMPORÂNEO ENTRE-SERRAS
 

2014-09-22


OS NOSSOS SONHOS NÃO CABEM NAS VOSSAS URNAS: Quando a arte entra pela vida adentro - Parte II
 

2014-09-03


OS NOSSOS SONHOS NÃO CABEM NAS VOSSAS URNAS: Quando a arte entra pela vida adentro – Parte I
 

2014-07-16


ARTISTS' FILM BIENNIAL
 

2014-06-18


PARA UMA INGENUIDADE VOLUNTÁRIA: ERNESTO DE SOUSA E A ARTE POPULAR
 

2014-05-16


AI WEIWEI E A DESTRUIÇÃO DA ARTE
 

2014-04-17


QUAL É A UTILIDADE? MUSEUS ASSUMEM PRÁTICA SOCIAL
 

2014-03-13


A ECONOMIA DOS MUSEUS E DOS PARQUES TEMÁTICOS, NA AMÉRICA E NA “VELHA EUROPA”
 

2014-02-13


É LEGAL? ARTISTA FINALMENTE BATE FOTÓGRAFO
 

2014-01-06


CHOICES
 

2013-09-24


PAIXÃO, FICÇÃO E DINHEIRO SEGUNDO ALAIN BADIOU
 

2013-08-13


VENEZA OU A GEOPOLÍTICA DA ARTE
 

2013-07-10


O BOOM ATUAL DOS NEGÓCIOS DE ARTE NO BRASIL
 

2013-05-06


TRABALHAR EM ARTE
 

2013-03-11


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS: META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (III)
 

2013-02-12


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS: META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (II)
 

2013-01-07


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS. META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (I)
 

2012-11-12


ATENÇÃO: RISCO DE AMNÉSIA
 

2012-10-07


MANIFESTO PARA O DESIGN PORTUGUÊS
 

2012-06-12


MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (II)


 

2012-05-16


MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (I)
 

2012-02-06


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (III - conclusão)
 

2012-01-04


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (II)
 

2011-12-07


PARAR E PENSAR...NO MUNDO DA ARTE
 

2011-04-04


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (I)
 

2010-10-29


O BURACO NEGRO
 

2010-04-13


MUSEUS PÚBLICOS, DOMÍNIO PRIVADO?
 

2010-03-11


MUSEUS – UMA ESTRATÉGIA, ENFIM
 

2009-11-11


UMA NOVA MINISTRA
 

2009-04-17


A SÍNDROME DOS COCHES
 

2009-02-17


O FOLHETIM DE VENEZA
 

2008-11-25


VANITAS
 

2008-09-15


GOSTO E OSTENTAÇÃO
 

2008-08-05


CRÍTICO EXCELENTÍSSIMO II – O DISCURSO NO PODER
 

2008-06-30


CRÍTICO EXCELENTÍSSIMO I
 

2008-05-21


ARTE DO ESTADO?
 

2008-04-17


A GULBENKIAN, “EM REMODELAÇÃO”
 

2008-03-24


O QUE FAZ CORRER SERRALVES?
 

2008-02-20


UM MINISTRO, ÓBICES E POSSIBILIDADES
 

2008-01-21


DEZ PONTOS SOBRE O MUSEU BERARDO
 

2007-12-17


O NEGÓCIO DO HERMITAGE
 

2007-11-15


ICONOLOGIA OFICIAL
 

2007-10-15


O CASO MNAA OU O SERVILISMO EXEMPLAR
 

ELECTRIC: UMA EXPOSIÇÃO DE REALIDADE VIRTUAL NO MUSEU DE SERRALVES

CONSTANÇA BABO

2020-02-21




 

 

Atualmente, assiste-se a uma nova revolução, a tecnológica, que consiste no terceiro grande momento industrial. Define-se por várias categorias que, sendo recentes e particularmente inovadoras, se encontram em contínua exploração e experimentação. Dessas, destacam-se a realidade virtual, o próprio universo do virtual bem como o do digital e o do online, todos eles caracterizando-se como velozes, transitórios, mutáveis, intangíveis e elétricos.

Ora, é precisamente a partir da última qualidade que se apresenta a mais recente exposição inaugurada no Museu de Arte Contemporânea de Serralves, Electric. Passível de ser visitada desde o dia 25 de janeiro até 24 de maio, a sua condição espácio-temporal transcende essas datas, sendo, aliás, dúbia, difícil de identificar e situar. A mostra foi comissariada por Daniel Birnbaum, reconhecido crítico de arte e diretor do Moderna Museet de Estocolmo e a sua projeção e instalação técnicas ficaram ao cargo da organização que o próprio dirige, a Acute Art.

A Acute Art tem vindo a desenvolver dispositivos e aplicações de realidade virtual com o intuito de servirem enquanto meios e ferramentas de produção artística. Assim, permitem aos artistas alargar as suas expressões e práticas a outros domínios, novos e inovadores. Exemplos disso são os dois artistas internacionalmente reconhecidos e já familiares ao público mais assíduo de Serralves, Anish Kapoor e Olafur Eliasson, cujas criações se expandem, pela primeira vez, para este campo do digital.

Com efeito, ambos são conhecidos pelas suas construções particularmente físicas, estruturalmente complexas e de grandes dimensões que se instalam com imponência nos espaços, ocupando-os e transformando-os. Contrariamente, as novas obras surgem sob a forma de justaposições ou sobreposições de lugares e situações virtuais à galeria expositiva. Por outras palavras, os projetos que agora se expõem no museu inauguram e desenvolvem realidades e dimensões paralelas às reais.

Aos dois artistas junta-se a dupla Nathalie Djurberg & Hans Berg, assim se compondo um diversificado e interessante conjunto de trabalhos no primeiro piso do Museu de Serralves. Sobre cada uma das obras poder-se-ia incorrer numa descrição das suas narrativas e dos seus cenários, mas, ao invés, escolhe-se deixá-los a eles e às suas formas, figuras e criaturas, exclusivamente à vivência do espectador. O que se considera importante anunciar é a experiência fornecida. Não se trata, com efeito, de uma visita ou de um percurso expositivo pois o nível da sua envolvência é outro, superior.

No centro de uma sala em penumbra, sete cadeiras equipadas apresentam cinco realidades distintas, acionadas pela colocação dos respetivos óculos. Assim se retira e isola o espectador do que o circunda, convidando-o a ingressar em universos profundamente imersivos, inteiramente projetados pelos artistas. Propõem-se jornadas virtuais que se tornam quase reais. Apresentadas com mais ou menos ação, com cor ou em escala de cinzas, com motivos naturais ou puramente geométricos, têm, enquanto denominadores comuns, a possibilidade de adoptar uma visão de 360 graus e obter respostas tecnológicas ao movimento que se exerce.

As experiências que aqui se proporcionam são, sem dúvida, singulares, inovadoras e inebriantes. Como tal, a transição entre elas faz-se com ininterruptos entusiasmo e surpresa, o que se mantém e é, inclusivamente, exacerbado por um objeto que aguarda pela sua ativação, no jardim do museu. Este último não só dá continuidade à dinâmica de elevada percepção visual como ainda a conjuga e relaciona com a dimensão física, do corpo e da ação.

Através do download de uma aplicação para smartphone, disponível no local, estabelece-se contacto com a obra. Um cubo de gelo, ou a sua simulação, situa-se algures entre os universos virtual e real, na medida em que habita no primeiro, mas transita para o segundo ao revelar-se no olhar do seu utilizador, relacionando-se com ele em tempo real e assim se inscrevendo no seu (nosso) mundo. O objeto é, pois, reativo à movimentação do espectador, ou seja, à deslocação do dispositivo móvel e à alteração do ponto de vista adoptado.

Projetado com tecnologia de realidade aumentada, é dinâmico e particularmente bem conseguido, convidando assim a uma experiência interativa e relacional que se quer demorada e singular. O tempo, o modo de comunicar com a obra, o nível de participação e a proximidade que se estabelecem são, pois, determinados por cada espectador, o que permite o desenvolvimento de uma experiência individual, inédita e irrepetível. Instala-se, assim, enquanto um evento efémero, algo cada vez mais recorrente com os novos média digitais, cuja exposição consiste em situações ou ocasiões, mais do que simples mostras.

A obra, que a sua autora Koo Jeong A intitula de densisty (2019), questiona o papel de quem o experiencia, propondo-lhe um lugar central e decisivo no processo artístico, o de utilizador-receptor ou de ator e participante. Trata-se, efetivamente, de uma arte que, mais do que qualquer outra, somente ganha vida e se concretiza nas mãos de quem a recebe. Problematiza, ainda, o próprio conceito de objeto artístico, conferindo-lhe novas possibilidades. De facto, a constituição e a manifestação destas obras coloca-as numa dinâmica que não é exatamente real nem plenamente imaginária. Movem-se entre esferas de existência, exposição e leitura, assim contribuindo para a sua compreensão enquanto imateriais e sugerindo uma desmaterialização da arte, conceito desenvolvido por alguns teóricos, como McLuhan e Lippard. Propõem-se novas modalidades criativas, produtivas, expositivas e receptivas que, sendo tão fascinantes quanto problemáticas, alteram as condições e os quadros de referência do contexto artístico.

Com efeito, a arte tem vindo continua e progressivamente a representar e a refletir a atual era digital. Testemunha-se, aliás, uma viragem tecnológica da arte, particularmente nítida na própria tecnicidade das obras. De igual modo, a pluralidade mediática tem-se revelado uma das principais características das novas criações. Os objetos constroem-se através de vários média, como, por exemplo, instalações audiovisuais que incorporam e cruzam imagem, som, luz, produções 3D, entre vários. Tais técnicas são, por sua vez, suportadas e reproduzidas através de outros elementos digitais, formando, assim, verdadeiras obras multimédia.

Estas formas de arte, sendo cada vez mais híbridas, multifacetadas e fragmentadas, tanto quanto o mundo e o homem contemporâneos, evidenciam-se das demais. Compreendem-se, habitualmente, enquanto new media art. Convém, porém, ressalvar que o caráter de novidade que as pauta não as circunscreve aos mais jovens artistas. Pelo contrário, verifica-se que os novos materiais e técnicas de produção são particularmente atrativos e curiosos para quem tem criado e construído arte a partir de outros meios, mais ou menos tradicionais, mas sobretudo não tão tecnológicos. Simultaneamente, os artistas mais consagrados revelam-se como fortes contributos para a validação e a afirmação dos novos média na esfera da arte. Assim o fazem, precisamente, os que dão corpo à atual exposição.

O projeto expositivo Electric foi inaugurado em maio de 2019, na feira Frieze de Nova Iorque. Agora, o Museu de Arte Contemporânea de Serralves incumbe-se deste desafio, posicionando-se num lugar de protagonismo no desenvolvimento artístico, a nível nacional e internacional. A instituição afirma, deste modo, a sua contemporaneidade. Ser contemporâneo é, pois, ser verdadeiramente coevo do seu tempo e, hoje, nada o simboliza melhor do que ser-se tecnológico, digital e, em suma, elétrico.

 

 

Constança Babo
Doutoranda em Arte dos Média na Universidade Lusófona do Porto e bolseira da FCT, tendo como área de investigação o objeto artístico dos novos média e os seus modelos expositivos. É mestre em Estudos Artísticos - Teoria e Crítica de Arte pela Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto e licenciada em Artes Visuais - Fotografia pela Escola Superior Artística do Porto. Tem publicado artigos científicos e textos críticos de arte.