Links

O ESTADO DA ARTE


Paula Rego, "Mulher Cão", 1994

Outros artigos:

2018-11-17


EDUCAÇÃO SENTIMENTAL. A COLEÇÃO PINTO DA FONSECA
 

2018-10-09


PARTILHAMOS DA CRÍTICA À CENSURA, MAS PARTILHAMOS DA FALTA DE APOIO ÀS ARTES?
 

2018-09-06


O VIGÉSIMO ANIVERSÁRIO DA BIENAL DE BERLIM
 

2018-07-29


VISÕES DE UMA ESPANHA EXPANDIDA
 

2018-06-24


O OLHO DO FOTÓGRAFO TAMBÉM SOFRE DE CONJUNTIVITE, (UMA CONVERSA EM TORNO DO PROJECTO SPECTRUM)
 

2018-05-22


SP-ARTE/2018 E A DIFÍCIL TAREFA DE ESCOLHER O QUE VER
 

2018-04-12


NO CORAÇÂO DESTA TERRA
 

2018-03-09


ÁLVARO LAPA: NO TEMPO TODO
 

2018-02-08


SFMOMA SAN FRANCISCO MUSEUM OF MODERN ART: NARRATIVA DA CONTEMPORANEIDADE
 

2017-12-20


OS ARQUIVOS DA CARNE: TINO SEHGAL CONSTRUCTED SITUATIONS
 

2017-11-14


DA NATUREZA COLABORATIVA DA DANÇA E DO SEU ENSINO
 

2017-10-14


ARTE PARA TEMPOS INSTÁVEIS
 

2017-09-03


INSTAGRAM: CRIAÇÃO E O DISCURSO VIRTUAL – “TO BE, OR NOT TO BE” – O CASO DE CINDY SHERMAN
 

2017-07-26


CONDO: UM NOVO CONCEITO CONCORRENTE À TRADICIONAL FEIRA DE ARTE?
 

2017-06-30


"LEARNING FROM CAPITALISM"
 

2017-06-06


110.5 UM, 110.5 DOIS, 110.5 MILHÕES DE DÓLARES,… VENDIDO!
 

2017-05-18


INVISUALIDADE DA PINTURA – PARTE 2: "UMA HISTÓRIA DA VISÃO E DA CEGUEIRA"
 

2017-04-26


INVISUALIDADE DA PINTURA – PARTE 1: «O REAL É SEMPRE AQUILO QUE NÃO ESPERÁVAMOS»
 

2017-03-29


ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE O CONCEITO CONTEMPORÂNEO DE FEIRA DE ARTE
 

2017-02-20


SOBRE AS TENDÊNCIAS DA ARTE ACTUAL EM ANGOLA: DA CRIAÇÃO AOS NOVOS CANAIS DE LEGITIMAÇÃO
 

2017-01-07


ARTLAND VERSUS DISNEYLAND
 

2016-12-15


VALORES DA ARTE CONTEMPORÂNEA: UMA CONVERSA COM JOSÉ CARLOS PEREIRA SOBRE A PUBLICAÇÃO DE O VALOR DA ARTE
 

2016-11-05


O VAZIO APOCALÍPTICO
 

2016-09-30


TELEPHONE WITHOUT A WIRE – PARTE 2
 

2016-08-25


TELEPHONE WITHOUT A WIRE – PARTE 1
 

2016-06-24


COLECCIONADORES NA ARCO LISBOA
 

2016-05-17


SONNABEND EM PORTUGAL
 

2016-04-18


COLECCIONADORES AMADORES E PROFISSIONAIS COLECCIONADORES (II)
 

2016-03-15


COLECCIONADORES AMADORES E PROFISSIONAIS COLECCIONADORES (I)
 

2016-02-11


FERNANDO AGUIAR: UM ARQUIVO POÉTICO
 

2016-01-06


JANEIRO 2016: SER COLECCIONADOR É…
 

2015-11-28


O FUTURO DOS MUSEUS VISTO DO OUTRO LADO DO ATLÂNTICO
 

2015-10-28


O FUTURO SEGUNDO CANDJA CANDJA
 

2015-09-17


PORQUE É QUE OS BLOCKBUSTERS DE MODA SÃO MAIS POPULARES QUE AS EXPOSIÇÕES DE ARTE, E O QUE É QUE PODEMOS DIZER SOBRE ISSO?
 

2015-08-18


OS DESAFIOS DO EFÉMERO: CONSERVAR A PERFORMANCE ART - PARTE 2
 

2015-07-29


OS DESAFIOS DO EFÉMERO: CONSERVAR A PERFORMANCE ART - PARTE 1
 

2015-06-06


O DESAFINADO RONDÒ ENWEZORIANO. “ALL THE WORLD´S FUTURES” - 56ª EXPOSIÇÃO INTERNACIONAL DE ARTE DE VENEZA
 

2015-05-13


A 56ª BIENAL DE VENEZA DE OKWUI ENWEZOR É SOMBRIA, TRISTE E FEIA
 

2015-04-08


A TUMULTUOSA FERTILIDADE DO HORIZONTE
 

2015-03-04


OS MUSEUS, A CRISE E COMO SAIR DELA
 

2015-02-09


GUIDO GUIDI: CARLO SCARPA. TÚMULO BRION
 

2015-01-13


IDEIAS CAPITAIS? OLHANDO EM FRENTE PARA A BIENAL DE VENEZA
 

2014-12-02


FUNDAÇÃO LOUIS VUITTON
 

2014-10-21


UM CONTEMPORÂNEO ENTRE-SERRAS
 

2014-09-22


OS NOSSOS SONHOS NÃO CABEM NAS VOSSAS URNAS: Quando a arte entra pela vida adentro - Parte II
 

2014-09-03


OS NOSSOS SONHOS NÃO CABEM NAS VOSSAS URNAS: Quando a arte entra pela vida adentro – Parte I
 

2014-07-16


ARTISTS' FILM BIENNIAL
 

2014-06-18


PARA UMA INGENUIDADE VOLUNTÁRIA: ERNESTO DE SOUSA E A ARTE POPULAR
 

2014-05-16


AI WEIWEI E A DESTRUIÇÃO DA ARTE
 

2014-04-17


QUAL É A UTILIDADE? MUSEUS ASSUMEM PRÁTICA SOCIAL
 

2014-03-13


A ECONOMIA DOS MUSEUS E DOS PARQUES TEMÁTICOS, NA AMÉRICA E NA “VELHA EUROPA”
 

2014-02-13


É LEGAL? ARTISTA FINALMENTE BATE FOTÓGRAFO
 

2014-01-06


CHOICES
 

2013-09-24


PAIXÃO, FICÇÃO E DINHEIRO SEGUNDO ALAIN BADIOU
 

2013-08-13


VENEZA OU A GEOPOLÍTICA DA ARTE
 

2013-07-10


O BOOM ATUAL DOS NEGÓCIOS DE ARTE NO BRASIL
 

2013-05-06


TRABALHAR EM ARTE
 

2013-03-11


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS: META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (III)
 

2013-02-12


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS: META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (II)
 

2013-01-07


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS. META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (I)
 

2012-11-12


ATENÇÃO: RISCO DE AMNÉSIA
 

2012-10-07


MANIFESTO PARA O DESIGN PORTUGUÊS
 

2012-06-12


MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (II)


 

2012-05-16


MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (I)
 

2012-02-06


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (III - conclusão)
 

2012-01-04


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (II)
 

2011-12-07


PARAR E PENSAR...NO MUNDO DA ARTE
 

2011-04-04


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (I)
 

2010-10-29


O BURACO NEGRO
 

2010-04-13


MUSEUS PÚBLICOS, DOMÍNIO PRIVADO?
 

2010-03-11


MUSEUS – UMA ESTRATÉGIA, ENFIM
 

2009-11-11


UMA NOVA MINISTRA
 

2009-04-17


A SÍNDROME DOS COCHES
 

2009-02-17


O FOLHETIM DE VENEZA
 

2008-11-25


VANITAS
 

2008-09-15


GOSTO E OSTENTAÇÃO
 

2008-08-05


CRÍTICO EXCELENTÍSSIMO II – O DISCURSO NO PODER
 

2008-06-30


CRÍTICO EXCELENTÍSSIMO I
 

2008-05-21


ARTE DO ESTADO?
 

2008-04-17


A GULBENKIAN, “EM REMODELAÇÃO”
 

2008-03-24


O QUE FAZ CORRER SERRALVES?
 

2008-02-20


UM MINISTRO, ÓBICES E POSSIBILIDADES
 

2008-01-21


DEZ PONTOS SOBRE O MUSEU BERARDO
 

2007-12-17


O NEGÓCIO DO HERMITAGE
 

2007-11-15


ICONOLOGIA OFICIAL
 

2007-10-15


O CASO MNAA OU O SERVILISMO EXEMPLAR
 

MUSEUS PÚBLICOS, DOMÍNIO PRIVADO?

AUGUSTO M. SEABRA

2010-04-13




Os museus são por definição e História instituições de interesse público, abertos à comunidade, aos visitantes. Esse é desde logo o princípio dos museus de domínio público, no sentido de estarem na dependência do Estado central ou da administração local ou regional, como em certos países, por exemplo em Espanha, onde o florescimento de museus de arte contemporânea se deve em grande parte às instituições autonómicas, regionais.

Há museus adquiridos pelo Estado a um coleccionador, ou família de coleccionadores como ainda em Espanha é o caso do Thyssen-Bornemisza, que espelham um gosto particular mas são do domínio público. Há museus privados, muitos nos Estados Unidos; há a Saatchi Gallery em Londres, as importantes colecções dos dois grandes magnatas franceses Bernard Arnault, detentor nomeadamente do grupo de luxo LVMT (Louis Vuitton - Moet Hennessy), com uma fundação a abrir no centro de Paris este ano, com projecto de Frank Gehry, e François Pinault, do grupo Printemps-La Redoute, com o museu na Île Seguin, nos arredores de Paris, e com o Palazzo Grassi e a Punta della Dogana em Veneza, o primeiro e o último com projectos de Tadao Ando, estes sendo privados também no sentido em que fortemente influem nos mercados e por essa via na valoração de certos artistas, o que por sua vez não deixa de ter repercussões na procura por outros museus, públicos. Há em Portugal o caso do Museu Gulbenkian, que patenteia o gosto de um coleccionador, a Fundação tendo outros espaços expositivos, do Serviço de Belas-Artes e o Centro de Arte Moderna, fundação essa privada mas com os estatutos aprovados pelo governo de então, por Salazar, convém recordar.

E há os museus de parceria pública-privada. Existe em Portugal a Fundação e o Museu de Serralves, sempre apontado, e justamente, como caso de excelência dessa parceria. Além da capacidade de atrair capitais privados (ser mecenas de Serralves é prestigiante, uma marca de status) e da beleza do espaço em si, o sucesso de Serralves, que aliás tem de ser questionado, funda-se também no facto de, com sucessivos presidentes do Conselho de Administração (João Marques Pinto, Teresa Gouveia, António Gomes de Pinho e agora Luís Braga da Cruz), os directores do Museu, Vicente Todolí e João Fernandes, terem gozado de plena autonomia de programação.

E existem outros dois casos, bem mais controversos, O Museu Berardo e agora a Casa das Histórias Paula Rego. Muito foi já devidamente escrito sobre a falta de acautelamento dos interesses públicos no caso da Fundação do Museu de Arte Moderna e Contemporânea da Colecção Berardo, desde logo pelo Presidente da República, que exprimiu as suas reservas quando da promulgação do respectivo decreto-lei. A instalação do Museu, sem dúvida importante pelo seu acervo, amputou um grande equipamento cultural interdisciplinar, o Centro Cultural de Belém, do seu Centro de Exposições, que era imprescindível, e o acordo vigora apenas por 10 anos, ao fim dos quais, em caso de renovação, haverá uma nova avaliação da colecção, a qual, note-se, é reveladora mais de uma política de aquisições do que estritamente do gosto de um coleccionador. Importa ainda salientar outro dado, que tem sido pouco referido: a gratuitidade das entradas.

A gratuitidade é uma das mais prementes questões da cultura contemporânea. Há uma jovem geração, adita à internet, para a qual a gratuidade, a cópia, é a prática corrente, com evidentes prejuízos para os criadores e intermediários culturais, o que se traduz, portanto, a todos os títulos numa desvalorização da cultura.
È certo que pode dizer que nos seus fundamentos e História os museus foram constituídos para permitirem o livre e gratuito acesso da comunidade aos bens artísticos. No mais emblemático caso, e no museu que conta maior número de visitantes, o Louvre, a sua fundação em 1791 pela Assembleia Revolucionária, visava o acesso do “povo” a obras que até então eram propriedade da realeza e da nobreza, só nos anos 20 do século passado a entrada se tendo tornado paga. Medidas recentes de introdução da gratuidade em museus e instituições culturais da Grã-Bretanha e da França têm suscitado vivas controvérsias, e se muitos aplaudem outros fazem notar que não se trata de uma panaceia, e que o importante é a sensibilização, não a entrada livre. Em Portugal, a ministra da Cultura, Gabriela Canavilhas, anuncia agora (Expresso de 10-04-10), que “Queremos encontrar mecanismos que nos permitam abrir os museus com entradas livres em certos dias da semana. Serão pequenos passos que, quem sabe com o apoio da iniciativa privada e no final da legislatura, nos possibilitem ter entradas gratuitas, por exemplo para os residentes em Portugal”. Trata-se de uma declaração de intenções, apesar de tudo cautelosa, que tem um grande ponto de interrogação, na actual conjuntura de crise económica, no “apoio da iniciativa privada” e respeitante apenas a “residentes em Portugal”, a tal colectividade ou comunidade nacional.

Se essas são questões genéricas, em que os prós e contras têm de ser devidamente ponderados, de todo diferente é a gratuitidade do Museu Berardo. O acesso livre começou por ser estabelecido para o período subsequente à inauguração em 25-06-07, estendeu-se depois até ao final desse ano, e foi prolongado depois indefinidamente, aliás numa “concorrência desleal” com as outras instituições museológicas. E sobretudo tem que ser assinalado que se tratou de uma decisão majestática do próprio Berardo, posição afinal de vanitas também, como se o museu continuasse a ser do seu domínio privado.

O recente afastamento de Dalila Rodrigues da Casa das Histórias Paula Rego em Cascais, cargo para o qual tinha sido convidada pela própria pintora, revela outro caso em que os interesses públicos não foram devidamente acautelados. É facto do maior relevo que Paula Rego, que a si própria se define como “artista londrina”, tenha decidido que a sua obra de gravura, bem como um importante espólio de desenhos, uma cedência de um conjunto de pinturas por 10 anos, e ainda obras do seu falecido marido Victor Willing, ficassem expostas num local da sua infância. Não obsta isso a que outra vez a contratualização estatutária tenha sido errada, não acautelando devidamente o interesse público e o investimento da Câmara Municipal de Cascais, que fez erguer o museu, um projecto de Souto Moura, e se responsabiliza pelas despesas de funcionamento.

Por desentendimentos que tenha havido entre Paula Rego e Dalila Rodrigues, e houve-os certamente, a situação tornou-se crítica com a entrada em cena do galerista da pintora, John Erle-Drax. Paula Rego tem certamente uma relação com a Marlborough Gallery muito profunda, mas é inaceitável a confusão de papéis que faz entrar um representante dessa galeria, Francesco Rossi, no Conselho de Administração, juntamente com dois representantes da artista, a sua advogada Maria João Liberal, que preside, e a sua filha Carolina Willing, e outros tantos em representação da câmara, Sofia Galvão e a directora municipal de cultura Ana Clara Justino. Mais: a directora, agora Helena de Freitas, não goza de autonomia face à administração e pode apenas “propor” um plano de actividades.

Pelo maior relevo que tenha o facto de haver um museu Paula Rego em Cascais, ele é pago com dinheiros públicos, contrapartidas do jogo no Estoril, mas em qualquer caso dinheiros públicos, pelo que é inaceitável que seja afinal outro domínio privado, com a participação decisiva de uma entidade comercial como a Marlborough Gallery.



Augusto M. Seabra
www.letradeforma.blogs.sapo.pt
Vardenafil levitra buy buy tadalafil tadalafil citrate sildenafil tablets cost of vardenafil, vs cialis viagra vs levitra sildenafil found where.
Propecia sexual effects side cialis women for http://www.saludos.com/healthcare/hchome.htm cialis vs viagra comparison viagra france online http://www.saludos.com/award.htm best ed meds, viagra difference sildenafil pills cheap cialis for sale.
Buy india tadalafil propecia cheap levitra no online pharmacy prescription buy cialis no prescription uk, cialis become will when generic propecia cheap.
India 40 mg tadalafil tadalafil gel em usa a viagra doctor prescription without http://www.socgeografialisboa.pt/buy-cheap-cialis-online-australia/ cheap cialis tadalafil, citrate tablets in india sildenafil vardenafil order 100mg.
Cialis generic professional comparison cost cialis viagra levitra cialis for trial free how much does tadalafil cost, costco tadalafil sildenafil mg cost 20.
Generic cialis india sildenafil citrate cheap uk viagra online france buy propecia generic finasteride, free trial cialis online viagra buy usa.
10mg online cialis generic free shipping viagra citrate sildenafil viagra ou levitra, vs tadalafil vardenafil sildenafil vs canada viagra buy from.
Levitra tablets can the germany in counter over viagra you buy canada buy sildenafil http://www.socgeografialisboa.pt/levitra-uk-nhs/ levitra tablets online, 10mg tablets tadalafil from tadalafil india cialis mt.
Generic online buy propecia online viagra canada generic levitra uk prescription http://www.socgeografialisboa.pt/buy-levitra-without-rx/ buy uk levitra amex, buy propecia uk india tadalafil 10mg.
Levitra cialis and compare cheap 10mg tadalafil mg tadalafil 40 india buy propecia us, cheap cialis generico levitra.