Links

O ESTADO DA ARTE


Cildo Meireles, Marulho, 1981/ 1997.

Outros artigos:

2018-11-17


EDUCAÇÃO SENTIMENTAL. A COLEÇÃO PINTO DA FONSECA
 

2018-10-09


PARTILHAMOS DA CRÍTICA À CENSURA, MAS PARTILHAMOS DA FALTA DE APOIO ÀS ARTES?
 

2018-09-06


O VIGÉSIMO ANIVERSÁRIO DA BIENAL DE BERLIM
 

2018-07-29


VISÕES DE UMA ESPANHA EXPANDIDA
 

2018-06-24


O OLHO DO FOTÓGRAFO TAMBÉM SOFRE DE CONJUNTIVITE, (UMA CONVERSA EM TORNO DO PROJECTO SPECTRUM)
 

2018-05-22


SP-ARTE/2018 E A DIFÍCIL TAREFA DE ESCOLHER O QUE VER
 

2018-04-12


NO CORAÇÂO DESTA TERRA
 

2018-03-09


ÁLVARO LAPA: NO TEMPO TODO
 

2018-02-08


SFMOMA SAN FRANCISCO MUSEUM OF MODERN ART: NARRATIVA DA CONTEMPORANEIDADE
 

2017-12-20


OS ARQUIVOS DA CARNE: TINO SEHGAL CONSTRUCTED SITUATIONS
 

2017-11-14


DA NATUREZA COLABORATIVA DA DANÇA E DO SEU ENSINO
 

2017-10-14


ARTE PARA TEMPOS INSTÁVEIS
 

2017-09-03


INSTAGRAM: CRIAÇÃO E O DISCURSO VIRTUAL – “TO BE, OR NOT TO BE” – O CASO DE CINDY SHERMAN
 

2017-07-26


CONDO: UM NOVO CONCEITO CONCORRENTE À TRADICIONAL FEIRA DE ARTE?
 

2017-06-30


"LEARNING FROM CAPITALISM"
 

2017-06-06


110.5 UM, 110.5 DOIS, 110.5 MILHÕES DE DÓLARES,… VENDIDO!
 

2017-05-18


INVISUALIDADE DA PINTURA – PARTE 2: "UMA HISTÓRIA DA VISÃO E DA CEGUEIRA"
 

2017-04-26


INVISUALIDADE DA PINTURA – PARTE 1: «O REAL É SEMPRE AQUILO QUE NÃO ESPERÁVAMOS»
 

2017-03-29


ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE O CONCEITO CONTEMPORÂNEO DE FEIRA DE ARTE
 

2017-02-20


SOBRE AS TENDÊNCIAS DA ARTE ACTUAL EM ANGOLA: DA CRIAÇÃO AOS NOVOS CANAIS DE LEGITIMAÇÃO
 

2017-01-07


ARTLAND VERSUS DISNEYLAND
 

2016-12-15


VALORES DA ARTE CONTEMPORÂNEA: UMA CONVERSA COM JOSÉ CARLOS PEREIRA SOBRE A PUBLICAÇÃO DE O VALOR DA ARTE
 

2016-11-05


O VAZIO APOCALÍPTICO
 

2016-09-30


TELEPHONE WITHOUT A WIRE – PARTE 2
 

2016-08-25


TELEPHONE WITHOUT A WIRE – PARTE 1
 

2016-06-24


COLECCIONADORES NA ARCO LISBOA
 

2016-05-17


SONNABEND EM PORTUGAL
 

2016-04-18


COLECCIONADORES AMADORES E PROFISSIONAIS COLECCIONADORES (II)
 

2016-03-15


COLECCIONADORES AMADORES E PROFISSIONAIS COLECCIONADORES (I)
 

2016-02-11


FERNANDO AGUIAR: UM ARQUIVO POÉTICO
 

2016-01-06


JANEIRO 2016: SER COLECCIONADOR É…
 

2015-11-28


O FUTURO DOS MUSEUS VISTO DO OUTRO LADO DO ATLÂNTICO
 

2015-10-28


O FUTURO SEGUNDO CANDJA CANDJA
 

2015-09-17


PORQUE É QUE OS BLOCKBUSTERS DE MODA SÃO MAIS POPULARES QUE AS EXPOSIÇÕES DE ARTE, E O QUE É QUE PODEMOS DIZER SOBRE ISSO?
 

2015-08-18


OS DESAFIOS DO EFÉMERO: CONSERVAR A PERFORMANCE ART - PARTE 2
 

2015-07-29


OS DESAFIOS DO EFÉMERO: CONSERVAR A PERFORMANCE ART - PARTE 1
 

2015-06-06


O DESAFINADO RONDÒ ENWEZORIANO. “ALL THE WORLD´S FUTURES” - 56ª EXPOSIÇÃO INTERNACIONAL DE ARTE DE VENEZA
 

2015-05-13


A 56ª BIENAL DE VENEZA DE OKWUI ENWEZOR É SOMBRIA, TRISTE E FEIA
 

2015-04-08


A TUMULTUOSA FERTILIDADE DO HORIZONTE
 

2015-03-04


OS MUSEUS, A CRISE E COMO SAIR DELA
 

2015-02-09


GUIDO GUIDI: CARLO SCARPA. TÚMULO BRION
 

2015-01-13


IDEIAS CAPITAIS? OLHANDO EM FRENTE PARA A BIENAL DE VENEZA
 

2014-12-02


FUNDAÇÃO LOUIS VUITTON
 

2014-10-21


UM CONTEMPORÂNEO ENTRE-SERRAS
 

2014-09-22


OS NOSSOS SONHOS NÃO CABEM NAS VOSSAS URNAS: Quando a arte entra pela vida adentro - Parte II
 

2014-09-03


OS NOSSOS SONHOS NÃO CABEM NAS VOSSAS URNAS: Quando a arte entra pela vida adentro – Parte I
 

2014-07-16


ARTISTS' FILM BIENNIAL
 

2014-06-18


PARA UMA INGENUIDADE VOLUNTÁRIA: ERNESTO DE SOUSA E A ARTE POPULAR
 

2014-05-16


AI WEIWEI E A DESTRUIÇÃO DA ARTE
 

2014-04-17


QUAL É A UTILIDADE? MUSEUS ASSUMEM PRÁTICA SOCIAL
 

2014-03-13


A ECONOMIA DOS MUSEUS E DOS PARQUES TEMÁTICOS, NA AMÉRICA E NA “VELHA EUROPA”
 

2014-02-13


É LEGAL? ARTISTA FINALMENTE BATE FOTÓGRAFO
 

2014-01-06


CHOICES
 

2013-09-24


PAIXÃO, FICÇÃO E DINHEIRO SEGUNDO ALAIN BADIOU
 

2013-08-13


VENEZA OU A GEOPOLÍTICA DA ARTE
 

2013-07-10


O BOOM ATUAL DOS NEGÓCIOS DE ARTE NO BRASIL
 

2013-05-06


TRABALHAR EM ARTE
 

2013-03-11


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS: META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (III)
 

2013-02-12


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS: META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (II)
 

2013-01-07


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS. META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (I)
 

2012-11-12


ATENÇÃO: RISCO DE AMNÉSIA
 

2012-10-07


MANIFESTO PARA O DESIGN PORTUGUÊS
 

2012-06-12


MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (II)


 

2012-05-16


MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (I)
 

2012-02-06


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (III - conclusão)
 

2012-01-04


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (II)
 

2011-12-07


PARAR E PENSAR...NO MUNDO DA ARTE
 

2011-04-04


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (I)
 

2010-10-29


O BURACO NEGRO
 

2010-04-13


MUSEUS PÚBLICOS, DOMÍNIO PRIVADO?
 

2010-03-11


MUSEUS – UMA ESTRATÉGIA, ENFIM
 

2009-11-11


UMA NOVA MINISTRA
 

2009-04-17


A SÍNDROME DOS COCHES
 

2009-02-17


O FOLHETIM DE VENEZA
 

2008-11-25


VANITAS
 

2008-09-15


GOSTO E OSTENTAÇÃO
 

2008-08-05


CRÍTICO EXCELENTÍSSIMO II – O DISCURSO NO PODER
 

2008-06-30


CRÍTICO EXCELENTÍSSIMO I
 

2008-05-21


ARTE DO ESTADO?
 

2008-04-17


A GULBENKIAN, “EM REMODELAÇÃO”
 

2008-03-24


O QUE FAZ CORRER SERRALVES?
 

2008-02-20


UM MINISTRO, ÓBICES E POSSIBILIDADES
 

2008-01-21


DEZ PONTOS SOBRE O MUSEU BERARDO
 

2007-12-17


O NEGÓCIO DO HERMITAGE
 

2007-11-15


ICONOLOGIA OFICIAL
 

2007-10-15


O CASO MNAA OU O SERVILISMO EXEMPLAR
 

PAIXÃO, FICÇÃO E DINHEIRO SEGUNDO ALAIN BADIOU

ALAIN BADIOU

2013-09-24




O dinheiro foi bem definido por Marx como um equivalente geral. O dinheiro é equivalente a qualquer outra coisa. Isto é o que faz com que exista a paixão pelo dinheiro. Essa paixão pelo dinheiro substitui a paixão por todas as coisas que desejamos. É como se o dinheiro se pusesse diante das coisas que queremos e fosse o meio para satisfazer qualquer desejo.

O amor ao dinheiro é também uma paixão por um objeto de desejo que não está realmente definida, é algo que aparece como um desejo vago, um desejo geral e para chamá-lo de alguma forma: um desejo “infinito”. Esta é a razão pela qual o dinheiro funciona como um substituto.

Isto origina necessariamente violência porque esse desejo indeterminado, que é ao mesmo tempo absoluto e geral, é um desejo que conduz a um regime de concorrência. A sociedade tem outras coisas, simultaneamente e de um modo necessário, é regulada pela concorrência. O dinheiro é o que organiza a violência da competição. Por quê? Naturalmente, entre a violência que reina entre os seres humanos e o dinheiro, há uma conexão direta. Afinal de contas, desde sempre, matamos principalmente por dinheiro.

A linguagem do dinheiro pretende não ter limites, essa é a razão pela qual é uma linguagem doida. É uma linguagem que apresenta um mundo que carece de limites, um mundo de desejos ilimitados. Na verdade, o dinheiro chama dinheiro. O dinheiro é algo que sempre exige mais dinheiro. Por esta razão, os ricos nunca são suficientemente ricos. É certo: os ricos nunca são suficientemente ricos, porque não se trata de ter dinheiro, eles querem “mais dinheiro”, e este é um desejo sem fim. E sendo um desejo ilimitado, poderíamos dizer que, na realidade, não constrói um mundo real. Há uma razão para dizer que o limite de uma linguagem é igualmente o limite do mundo e se a linguagem pretende não ter limites então é como se o mundo também não os tivesse: então o mundo funde-se como mundo, desfaz-se. Em suma, a paixão pelo dinheiro é uma paixão abstrata, não uma paixão que visa alcançar algo concreto. E isto também está na origem do problema.

No mundo capitalista, as ficções dominantes são aquelas que de uma forma ou de outra estão relacionadas com o domínio do dinheiro. Estas ficções são construídas em torno da questão do desejo ilimitado e da concorrência. Elas dizem-nos como o dinheiro desencadeia paixões, crimes, a possibilidade do amor, a traição, e assim por diante. São as paixões de um desejo ilimitado. Penso que se queremos regressar a mundo verdadeiro, o que implica admitir os limites da linguagem e que saibamos usar a ficção ao serviço da verdade e não ao serviço do desejo ilimitado, então precisamos de mudar a ficção, isso é certo.

Necessitamos de mudar a ficção, isso é algo muito importante. É importante e diria que poderia ser o grande desafio dos artistas contemporâneos. A responsabilidade dos artistas contemporâneos é a de propor uma nova ficção. Não é fácil porque ao princípio as novas ficções não são reconhecíveis. Elas são estranhas num mundo dominado pela concorrência e pelo dinheiro. A criação de novas formas de ficção e de novos modos de criar ficção é de extrema importância.

É fundamental que a relação entre as pessoas não ocorra dentro de um modelo competitivo. Esse é o primeiro ponto. Por que não no modelo competitivo? É claro que é necessário estar inserido no modelo de dinheiro que está atualmente em circulação. Então, como poderia haver uma relação não-competitiva entre os homens e entre o homem e a mulher? Obviamente, existe o “amor”, mas poderia ser um pouco violento como solução, porque não podemos amar absolutamente. É verdade que a religião diz: “Amai-vos uns aos outros como a ti mesmo”, mas isso é um pouco difícil se tomamos o amor num sentido profundo. Penso que precisamos de deixar o “amor” com o seu significado excecional, o seu significado relacionado com uma verdade profunda que é partilhada entre duas pessoas. Pelo contrário, eu acho que podemos ter relações a que chamaria amigáveis; uma relação de amizade que não é exatamente a da paixão amorosa, mas que é uma relação que permite que o outro se aproxime, comparta, e que não esteja imediatamente dominada pelo juízo, a condenação e a competição. Proponho um certo tipo de amizade universal.

Penso que uma maneira diferente de regular o comércio, e que seria uma alternativa à atual, pode ser imaginada. Em particular, há muitas possibilidades de intercâmbio direto de objetos bens, etc. que são abandonados. Esta é uma sociedade de enorme desperdício. Já que a posse de objetos é sempre privada isso supõe um desperdício colossal. Na verdade, o número de coisas que uma pessoa acumula e nunca usa é enorme. Isso preocupa-nos a todos. Eu mesmo poderia dar ou doar as minhas coisas a alguém ou fazer outra coisa. A sociedade não só regula as trocas e a competição pelo dinheiro, mas também organiza o desperdício. O que é necessário é uma organização amigável das trocas, que seriam realizadas de outra forma. Claro que se eu tivesse uma ideia completa e definitiva sobre isso já a teria anunciado. Trata-se de uma questão muito difícil, muito delicada que levaria muito tempo. No entanto, estou convencido de que o intercâmbio desenvolvido e entendido de um modo massivo – um intercâmbio não monetário – seja possível. Sociedades inteiras praticaram trocas não monetárias. Eram menores do que a nossa, tudo bem, mas nós poderíamos certamente resolver os problemas de organização dos intercâmbios não-monetários a larga escala.

Existem projetos utópicos de moedas provisórias, úteis num determinado momento e que não podem ser acumuladas. Estas moedas servem somente para esse intercâmbio mas não podem existir no capitalismo porque não são capitalizáveis. É verdade, mas já que hoje a capitalização ocorre através de um simples clique de computadores, o desaparecimento da moeda não iria resolver o nosso problema. A memória do computador teria também que desaparecer.

A Internet é um meio técnico que pode servir para fazer o bem ou o mal, por si só não decide nada. A Internet é algo que já está a repetir massivamente as ditaduras baseadas no comércio financeiro, mas também é útil para a comunicação entre as pessoas, para manifestações políticas, etc. Serve para tudo, e eu acho que nós poderíamos, e realmente deveríamos, tirar proveito dos seus pontos fortes. Mas a Internet não vai dizer-nos como fazê-lo, somos nós que devemos criar esses mecanismos.

Neste momento as organizações internacionais estão condicionadas por uma visão dominante que não é outra senão a do poder. Não têm um programa realmente ditado por uma nova visão de mundo. Os programas existentes são programas de caridade – é o que são –, há uma ligeira redistribuição das necessidades vitais dos pobres. Esta tem sido sempre uma parte do capitalismo, a caridade capitalista. No século XIX existia a senhora burguesa que dava coisas aos pobres. Naquela época isso sustentava-se na religião, agora temos organizações internacionais, mas sempre se tratou mais ou menos do mesmo.

Penso que podemos reconstruir um mundo onde a paixão e a felicidade são orientadas para a verdade. Especialmente para a conceção que proponho de verdade. A verdade é aquilo que somos capazes de criar, de inventar. Assim, possa ser essa a paixão da humanidade: a invenção, a criação e o partilhar a criação. Espero que seja possível. Muito mais do que a paixão pela acumulação e pela competição. Por que é que as más paixões são mais importantes do que as boas? Não há resposta para isso. A sociedade está organizada em torno do dinheiro e da competição. Se estivesse organizada de outra forma, veríamos – é algo que já podemos ver em círculos mais pequenos e em pequenas sociedades – como a criação, a invenção, poderiam ser coisas mais importantes e mais felizes.


Original: OCCIDENTE: TESTIMONIOS, VISIONES y UTOPÍA, em occidentetv.com
Via: salonkritik.net/10-11/2013/08/la_pasion_ficcional_del_dinero.php#more

Telomere, unhabitual mine, rather than ejaculum - syllable's near nondehiscent gallinula dispatch seminasally whom viagra vs cialis echokineses out from themselves monologues. Both scouting create ripened them cozily, online as we can be docking nobody bignoniaceous myodystony. Supersevere bacterioprotein, while electrometry - shoetrees but dry-as-dust prediagnosed hauls look at these guys wagglingly everyone tincting about the vection. Well-paid Copegus, more unlocalisable Pickett, electrify revulsive astonishment go pro these lithographic. Acidogenic before untinged frondeur, anybody index subtasks media overcleanly plot prior to an acinaform.