Links

O ESTADO DA ARTE


Fachada MAM-SP. Fotografia Karina Bacci.


Vista da exposição. Fotografia Karina Bacci.


Vista da exposição: Gê Viana. Fotografia Karina Bacci.


Vista da exposição: Dalton Paula. Fotografia Karina Bacci.


Vista da exposição: Dalton Paula. Fotografia Karina Bacci.


Vista da exposição: Randolpho Lamonier. Fotografia Karina Bacci.


Vista da exposição. Fotografia Karina Bacci.


Rosa Luz. Fotografia Divulgação.


Vista da exposição. Fotografia Karina Bacci.

Outros artigos:

2019-11-12


36º PANORAMA DA ARTE BRASILEIRA
 

2019-10-06


PARAÍSO PERDIDO
 

2019-08-22


VIVER E MORRER À LUZ DAS VELAS
 

2019-07-15


NO MODELO NEGRO, O OLHAR DO ARTISTA BRANCO
 

2019-04-16


MICHAEL BIBERSTEIN: A ARTE E A ETERNIDADE!
 

2019-03-14


JOSÉ MAÇÃS DE CARVALHO – O JOGO DO INDIZÍVEL
 

2019-02-08


A IDENTIDADE ENTRE SEXO E PODER
 

2018-12-20


@MIAMIARTWEEK - O FUTURO AGENDADO NO ÉDEN DA ARTE CONTEMPORÂNEA
 

2018-11-17


EDUCAÇÃO SENTIMENTAL. A COLEÇÃO PINTO DA FONSECA
 

2018-10-09


PARTILHAMOS DA CRÍTICA À CENSURA, MAS PARTILHAMOS DA FALTA DE APOIO ÀS ARTES?
 

2018-09-06


O VIGÉSIMO ANIVERSÁRIO DA BIENAL DE BERLIM
 

2018-07-29


VISÕES DE UMA ESPANHA EXPANDIDA
 

2018-06-24


O OLHO DO FOTÓGRAFO TAMBÉM SOFRE DE CONJUNTIVITE, (UMA CONVERSA EM TORNO DO PROJECTO SPECTRUM)
 

2018-05-22


SP-ARTE/2018 E A DIFÍCIL TAREFA DE ESCOLHER O QUE VER
 

2018-04-12


NO CORAÇÂO DESTA TERRA
 

2018-03-09


ÁLVARO LAPA: NO TEMPO TODO
 

2018-02-08


SFMOMA SAN FRANCISCO MUSEUM OF MODERN ART: NARRATIVA DA CONTEMPORANEIDADE
 

2017-12-20


OS ARQUIVOS DA CARNE: TINO SEHGAL CONSTRUCTED SITUATIONS
 

2017-11-14


DA NATUREZA COLABORATIVA DA DANÇA E DO SEU ENSINO
 

2017-10-14


ARTE PARA TEMPOS INSTÁVEIS
 

2017-09-03


INSTAGRAM: CRIAÇÃO E O DISCURSO VIRTUAL – “TO BE, OR NOT TO BE” – O CASO DE CINDY SHERMAN
 

2017-07-26


CONDO: UM NOVO CONCEITO CONCORRENTE À TRADICIONAL FEIRA DE ARTE?
 

2017-06-30


"LEARNING FROM CAPITALISM"
 

2017-06-06


110.5 UM, 110.5 DOIS, 110.5 MILHÕES DE DÓLARES,… VENDIDO!
 

2017-05-18


INVISUALIDADE DA PINTURA – PARTE 2: "UMA HISTÓRIA DA VISÃO E DA CEGUEIRA"
 

2017-04-26


INVISUALIDADE DA PINTURA – PARTE 1: «O REAL É SEMPRE AQUILO QUE NÃO ESPERÁVAMOS»
 

2017-03-29


ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE O CONCEITO CONTEMPORÂNEO DE FEIRA DE ARTE
 

2017-02-20


SOBRE AS TENDÊNCIAS DA ARTE ACTUAL EM ANGOLA: DA CRIAÇÃO AOS NOVOS CANAIS DE LEGITIMAÇÃO
 

2017-01-07


ARTLAND VERSUS DISNEYLAND
 

2016-12-15


VALORES DA ARTE CONTEMPORÂNEA: UMA CONVERSA COM JOSÉ CARLOS PEREIRA SOBRE A PUBLICAÇÃO DE O VALOR DA ARTE
 

2016-11-05


O VAZIO APOCALÍPTICO
 

2016-09-30


TELEPHONE WITHOUT A WIRE – PARTE 2
 

2016-08-25


TELEPHONE WITHOUT A WIRE – PARTE 1
 

2016-06-24


COLECCIONADORES NA ARCO LISBOA
 

2016-05-17


SONNABEND EM PORTUGAL
 

2016-04-18


COLECCIONADORES AMADORES E PROFISSIONAIS COLECCIONADORES (II)
 

2016-03-15


COLECCIONADORES AMADORES E PROFISSIONAIS COLECCIONADORES (I)
 

2016-02-11


FERNANDO AGUIAR: UM ARQUIVO POÉTICO
 

2016-01-06


JANEIRO 2016: SER COLECCIONADOR É…
 

2015-11-28


O FUTURO DOS MUSEUS VISTO DO OUTRO LADO DO ATLÂNTICO
 

2015-10-28


O FUTURO SEGUNDO CANDJA CANDJA
 

2015-09-17


PORQUE É QUE OS BLOCKBUSTERS DE MODA SÃO MAIS POPULARES QUE AS EXPOSIÇÕES DE ARTE, E O QUE É QUE PODEMOS DIZER SOBRE ISSO?
 

2015-08-18


OS DESAFIOS DO EFÉMERO: CONSERVAR A PERFORMANCE ART - PARTE 2
 

2015-07-29


OS DESAFIOS DO EFÉMERO: CONSERVAR A PERFORMANCE ART - PARTE 1
 

2015-06-06


O DESAFINADO RONDÒ ENWEZORIANO. “ALL THE WORLD´S FUTURES” - 56ª EXPOSIÇÃO INTERNACIONAL DE ARTE DE VENEZA
 

2015-05-13


A 56ª BIENAL DE VENEZA DE OKWUI ENWEZOR É SOMBRIA, TRISTE E FEIA
 

2015-04-08


A TUMULTUOSA FERTILIDADE DO HORIZONTE
 

2015-03-04


OS MUSEUS, A CRISE E COMO SAIR DELA
 

2015-02-09


GUIDO GUIDI: CARLO SCARPA. TÚMULO BRION
 

2015-01-13


IDEIAS CAPITAIS? OLHANDO EM FRENTE PARA A BIENAL DE VENEZA
 

2014-12-02


FUNDAÇÃO LOUIS VUITTON
 

2014-10-21


UM CONTEMPORÂNEO ENTRE-SERRAS
 

2014-09-22


OS NOSSOS SONHOS NÃO CABEM NAS VOSSAS URNAS: Quando a arte entra pela vida adentro - Parte II
 

2014-09-03


OS NOSSOS SONHOS NÃO CABEM NAS VOSSAS URNAS: Quando a arte entra pela vida adentro – Parte I
 

2014-07-16


ARTISTS' FILM BIENNIAL
 

2014-06-18


PARA UMA INGENUIDADE VOLUNTÁRIA: ERNESTO DE SOUSA E A ARTE POPULAR
 

2014-05-16


AI WEIWEI E A DESTRUIÇÃO DA ARTE
 

2014-04-17


QUAL É A UTILIDADE? MUSEUS ASSUMEM PRÁTICA SOCIAL
 

2014-03-13


A ECONOMIA DOS MUSEUS E DOS PARQUES TEMÁTICOS, NA AMÉRICA E NA “VELHA EUROPA”
 

2014-02-13


É LEGAL? ARTISTA FINALMENTE BATE FOTÓGRAFO
 

2014-01-06


CHOICES
 

2013-09-24


PAIXÃO, FICÇÃO E DINHEIRO SEGUNDO ALAIN BADIOU
 

2013-08-13


VENEZA OU A GEOPOLÍTICA DA ARTE
 

2013-07-10


O BOOM ATUAL DOS NEGÓCIOS DE ARTE NO BRASIL
 

2013-05-06


TRABALHAR EM ARTE
 

2013-03-11


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS: META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (III)
 

2013-02-12


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS: META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (II)
 

2013-01-07


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS. META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (I)
 

2012-11-12


ATENÇÃO: RISCO DE AMNÉSIA
 

2012-10-07


MANIFESTO PARA O DESIGN PORTUGUÊS
 

2012-06-12


MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (II)


 

2012-05-16


MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (I)
 

2012-02-06


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (III - conclusão)
 

2012-01-04


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (II)
 

2011-12-07


PARAR E PENSAR...NO MUNDO DA ARTE
 

2011-04-04


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (I)
 

2010-10-29


O BURACO NEGRO
 

2010-04-13


MUSEUS PÚBLICOS, DOMÍNIO PRIVADO?
 

2010-03-11


MUSEUS – UMA ESTRATÉGIA, ENFIM
 

2009-11-11


UMA NOVA MINISTRA
 

2009-04-17


A SÍNDROME DOS COCHES
 

2009-02-17


O FOLHETIM DE VENEZA
 

2008-11-25


VANITAS
 

2008-09-15


GOSTO E OSTENTAÇÃO
 

2008-08-05


CRÍTICO EXCELENTÍSSIMO II – O DISCURSO NO PODER
 

2008-06-30


CRÍTICO EXCELENTÍSSIMO I
 

2008-05-21


ARTE DO ESTADO?
 

2008-04-17


A GULBENKIAN, “EM REMODELAÇÃO”
 

2008-03-24


O QUE FAZ CORRER SERRALVES?
 

2008-02-20


UM MINISTRO, ÓBICES E POSSIBILIDADES
 

2008-01-21


DEZ PONTOS SOBRE O MUSEU BERARDO
 

2007-12-17


O NEGÓCIO DO HERMITAGE
 

2007-11-15


ICONOLOGIA OFICIAL
 

2007-10-15


O CASO MNAA OU O SERVILISMO EXEMPLAR
 

36º PANORAMA DA ARTE BRASILEIRA

HENRIQUE MENEZES

2019-11-12




 

 

 


É a partir do Brasil e empregando a primeira pessoa (contrário ao cânone esperado) que dou início à minha contribuição para a Artecapital. A exposição que aqui comento – o Panorama da Arte Brasileira, em sua edição de 2019 – tem como proposição curatorial a ideia de sertão: em nosso imaginário, o termo evoca uma região precisa, árida, estigmatizada por adversidades climáticas, historicamente testemunha de conflitos sociais e povoada por indivíduos marcados, há gerações, tanto por vicissitudes próprias da geografia bem como impostas pelos intentos do poder econômico e político.

Minha tarefa já impõe, de antemão, o desafio de guiar um leitor estrangeiro através dessa mostra que nasce de uma simbologia carregada de negativos vícios nacionais. Nesse percurso, revela-se uma dupla complexidade: a visita à exposição bienal patente no Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM) é reveladora pois não apenas sugere a desconstrução linguística do conceito sertão (e a consequente reconstrução de seus sentidos) mas também apresenta uma produção contemporânea realizada fora dos circuitos institucionais e mercadológicos estabelecidos. É essa infiltração que torna o 36o Panorama da Arte Brasileira ricamente exótico mesmo a olhares íntimos à arte cá produzida.

A etimologia de sertão é incerta e remete a distintas origens: na língua portuguesa, há registros de sua existência desde o século XV, acompanhando os primeiros colonizadores que trouxeram consigo o termo, empregando-o para designar o território vasto e interior, todo aquele que não podia ser percebido da costa. Avançando ao início do século XX, sertão passou a referir-se, sobretudo, à região Nordeste de clima semiárido, ilustrada por sua vegetação de caatinga em oposição ao litoral. Reforça-se o projeto de um sítio seco, primitivo, forjando-se a condição de submissão e atraso – imagens que até hoje seguem vivas na cultura brasileira.

Ao ampliar a semântica cristalizada, o Panorama apresenta o sertão como um modo de pensar e de agir, ao que a curadora Júlia Rebouças nomeia arte-sertão: paira uma atmosfera de experimentação e resistência – dois termos centrais para a compreensão das decisões que levaram à lista dos 29 artistas e colectivos reunidos na mostra. O êxito primeiro do comissariado é a fuga de escolhas fáceis que levariam à preponderância de artistas já notórios: percebe-se, ao contrário, a amálgama de nomes emergentes na cena nacional – a exemplo de Ana Vaz, Mabe Bethônico, Paul Setúbal – com produções contemporâneas oriundas de cidades da Bahia e do Piauí, do extremo sul do país ao interior do Pernambuco, do Distrito Federal ao norte do Pará.

Nesta edição que traz os mais claros contornos políticos de seus últimos 10 anos (precedida por temas como uma reflexão sobre a arquitetura ou uma ode aos minerais), somam-se obras concebidas a partir de memórias de luta, resgates de feridas históricas e conjecturas sobre um futuro consciente das identidades até então veladas. Dos 29 artistas convidados para a mostra, 22 deles nasceram nos anos 1980 e 1990: uma geração que agora chega ao MAM trazendo referências revigoradas, ao espelho do desenvolvimento social nas primeiras décadas do século XXI no país. O catálogo acurado que acompanha a exposição elenca textos fundadores da cultura sertão, como Guimarães Rosa e Euclides da Cunha (Grande Sertão: Veredas e Os Sertões, respectivamente). Todavia, são as vozes outrora caladas que dão o tom: vemos uma geração que lê Viveiros de Castro e Conceição Evaristo, Grada Kilomba (que apenas em 2019 é lançada em Portugal e no Brasil) bem como Virginie Despentes.

Abrindo a mostra, Gê Viana (n. 1986) apresenta uma fotoperformance instalativa na qual encena um capelobo – personagem mítico, mistura de homem com animal –, figura que alude à origem e à identidade nacional: o ponto de partida é a pergunta da artista à sua avó sobre a presença de indígenas na família. A resposta rememora violências não consentidas, rastros da miscigenação que marca a genealogia do país.

Dalton Paula (n. 1982), igualmente revisitando episódios históricos, agora envolvendo o corpo negro, expõe a obra Bamburrô (2019), composta por mais de quarentas bateias – ferramentas arredondadas utilizadas nos garimpos de ouro com a função de separar o metal nobre da terra. Após serem reunidos pelo artista, esses artefatos recebem pinturas recobertas por folhas de ouro ilustrando instrumentos musicais: se a memória mater do objeto é o trabalho penoso, a transmutação em música está longe de remeter ao lúdico: faz-nos refletir sobre a relação entre o ouro-e-a-escória, o que persiste e o desejo de desfazer-se – seja em relação à diáspora africana, aos corpos avizinhados à marginalidade ou aos crimes ambientais derivados do ainda ativo extrativismo. Randolpho Lamonier (n. 1988) evoca memórias mais recentes em “A casa de dois andares sonhada por minha mãe no início dos anos 90” (2019), obra têxtil de grande formato, suspensa no espaço expositivo, composta por retalhos e bordados formando a frase que nomeia o trabalho: a estética naïf amplia a tocante mensagem de otimismo fracassado de Randolpho (ou do Brasil?).

A obra de Rosa Luz (n. 1995), projeção de um videoclipe interpretado pela artista, traz um rap versando sobre raça, classe e gênero – a identidade transsexual de Rosa reverbera em trechos como //pois tentaram me calar, mas no jogo sei lutar// e //a nossa existência tá pra além da tua TV//. As histórias de travestis e pessoas não binárias é igualmente o tema dos trabalhos de Vulcanica Pokaropa (n. 1993): Desaquenda ( 2016-19, disponível online) é uma sequência de entrevistas com profissionais transgêneros sobre teatro e performance, política, vida e arte.

O 36o Panorama evolui como um cortejo, ritmado, em uma profusão de rostos, tipos, cores e timbres. A mostra tem seu ponto baixo no desenho museográfico truncado, na profusão de plintos e paredes temporárias, mas que em nada reduz a grandiosidade (e urgência) do já citado modo de pensar e de agir sertão. Evitando megalomanias de grandes eventos do gênero, marca também a paridade numérica entre homens e mulheres, negros e brancos, além de incluir dois coletivos indígenas e duas artistas transgênero. Em uma edição histórica, situa-se nessa fratura que leva da ilustração à ação, do ato narrativo ao gesto protesto.

 

 

 

Henrique Menezes
(Porto Alegre, Brasil, 1987) é curador independente, membro do Comitê de Curadoria do Museu de Arte Contemporânea MACRS. É pós-graduado em Estudos Curatoriais pela Universidade de Lisboa e atuou como Curador Assistente na Fundação Iberê Camargo (2018-2019).

 

 

 

:::

 

 

36º PANORAMA DA ARTE BRASILEIRA - COLECTIVA
Museu de Arte Moderna, São Paulo, Brasil
17 AGO - 15 NOV 2019