Links

SNAPSHOT. NO ATELIER DE...















Outros registos:

Virgílio Ferreira



Antonio Fiorentino



Filipe Cortez



João Fonte Santa



André Sier



Rui Algarvio



Rui Calçada Bastos



Paulo Quintas



Miguel Ângelo Rocha



Miguel Palma



Miguel Bonneville



Ana Tecedeiro



João Pedro Vale e Nuno Alexandre Ferreira



João Serra



André Gomes



Pauliana Valente Pimentel



Christine Henry



Joanna Latka



Fabrizio Matos



Andrea Brandão e Daniel Barroca



Jarosław Fliciński



Pedro Gomes



Pedro Calapez



João Jacinto



Atelier Concorde



Noronha da Costa



Pedro Valdez Cardoso



João Queiroz



Pedro Pousada



Gonçalo Pena



São Trindade



Inez Teixeira



Binelde Hyrcan



António Júlio Duarte



Délio Jasse



Nástio Mosquito



José Pedro Cortes



share |

ALEXANDRE CONEFREY

LIZ VAHIA


 

 

Tendo como ponto de partida a exposição que está patente neste momento na Galeria Belo-Galsterer, intitulada "Peso", a Artecapital conversou com o artista Alexandre Conefrey sobre o seu processo de trabalho, sobre técnicas e espaços.

 

Por Liz Vahia

 

>>>

 

LV: Na Galeria Belo-Galsterer está patente neste momento uma série de desenhos sob o título “Peso”. Na folha de sala podemos ler que estes derivam de uma fotografia de nuvens vistas do espaço que depois foi convertida em pequenas esculturas e seguidamente em desenhos. Nesta cadeia de transformações, de fotografia a escultura a desenho, este último é então o mais afastado de uma ideia de representação?

AC: O processo de desenvolvimento deste trabalho começou com a procura de imagens e processos de representação e classificação das nuvens, que passou pela pesquisa de imagens de satélite, fotografias, filmes, etc. Senti depois necessidade de as materializar em papier maché e de as agrupar como se de naturezas mortas se tratassem, para depois as poder desenhar. A escala dos desenhos foi naturalmente aumentando ...


LV: O título “Peso” é uma alusão a essa materialidade ausente? Ou é uma referência ao facto do desenho ter “agarrado” essas formações etéreas? É um “peso das coisas sem peso”?

AC: O titulo surgiu-me já no final da feitura desta série quando já estava a trabalhar nos desenhos de grande formato. A proximidade fisica com eles, pois no atelier não tenho muito espaço de recuo, fez-me sentir esse "peso".


LV: Vemos nesta exposição trabalhos de grande formato. Tem isto a ver com o tema?

AC: Acho que já está respondido na primeira pergunta.


LV: Vimos não há muito tempo um conjunto de trabalhos em gravura na exposição The Pit: Dois Abismos - um poço fitando o céu, no então Museu da Electricidade. É uma técnica que está a suscitar novamente interesse no meio artístico. Para o Alexandre, o que é que ela lhe permite explorar?

AC: A gravura acompanha-me desde sempre. Nos anos 80 comprei uma pequena prensa e comecei a fazer linogravura. Depois, no Royal College trabalhei em litografia. Em Portugal a gravura ainda é vista apenas como uma forma de reprodução e não como uma técnica/técnicas. Mas felizmente, isso está lentamente a mudar. Tive a felicidade de encontrar um gravador - Hugo Amorim/Meel Press - que me possibilitou a feitura dessa série.


LV: Quer seja um trabalho geométrico ou figurativo, a minúcia é uma característica do trabalho do Alexandre. Como é o seu ritmo e a vivência do espaço de trabalho?

AC: Fisicamente caótica! Mentalmente organizada. Gestualmente orgásmica.