Links

OPINIÃO


Vista da instalação APQhome – MAAT. Fotografia: Ana Perez-Quiroga


Vista da instalação APQhome – MAAT. Fotografia: Ana Perez-Quiroga


Vista da instalação APQhome – MAAT. Fotografia: Ana Perez-Quiroga


CARLOS GARAICOA. Yo nunca he sido surrealista hasta el día de hoy (2017)


Vista da instalação APQhome – MAAT. Fotografia: Ana Perez-Quiroga


Ana Pérez-Quiroga, Couverts Swissair, 32 €, 2014


Ana Pérez-Quiroga, odeio ser gorda, come-me por favor! n. 2, 2002


Ana Pérez-Quiroga, The Walking Women, 2010


Ana Pérez-Quiroga, After A Pilha de cores, 2010

Outros artigos:

LUÍS RAPOSO

2017-06-30
PATRIMÓNIO CULTURAL E MUSEUS: O QUE ESTÁ POR DETRÁS DOS “CASOS”

MARZIA BRUNO

2017-05-31
UM LAMPEJO DE LIBERDADE

SERGIO PARREIRA

2017-04-26
ENTREVISTA COM AMANDA COULSON, DIRETORA ARTÍSTICA DA VOLTA FEIRA DE ARTE

LUÍS RAPOSO

2017-03-30
A TRAGICOMÉDIA DA DESCENTRALIZAÇÃO, OU DE COMO SE ARRISCA ESTRAGAR UMA BOA IDEIA

SÉRGIO PARREIRA

2017-03-03
ARTE POLÍTICA E DE PROTESTO | THE TRUMP EFFECT

LUÍS RAPOSO

2017-01-31
ESTATÍSTICAS, MUSEUS E SOCIEDADE EM PORTUGAL - PARTE 2: O CURTO PRAZO

LUÍS RAPOSO

2017-01-13
ESTATÍSTICAS, MUSEUS E SOCIEDADE EM PORTUGAL – PARTE 1: O LONGO PRAZO

SERGIO PARREIRA

2016-12-13
A “ENTREGA” DA OBRA DE ARTE

ANA CRISTINA LEITE

2016-11-08
A MINHA VISITA GUIADA À EXPOSIÇÃO...OU COISAS DO CORAÇÃO

NATÁLIA VILARINHO

2016-10-03
ATLAS DE GALANTE E BORRALHO EM LOULÉ

MARIA LIND

2016-08-31
NAZGOL ANSARINIA – OS CONTRASTES E AS CONTRADIÇÕES DA VIDA NA TEERÃO CONTEMPORÂNEA

LUÍS RAPOSO

2016-06-23
“RESPONSABILIDADE SOCIAL”, INVESTIMENTO EM ARTE E MUSEUS: OS PONTOS NOS IS

TERESA DUARTE MARTINHO

2016-05-12
ARTE, AMOR E CRISE NA LONDRES VITORIANA. O LIVRO ADOECER, DE HÉLIA CORREIA

LUÍS RAPOSO

2016-04-12
AINDA OS PREÇOS DE ENTRADA EM MUSEUS E MONUMENTOS DE SINTRA E BELÉM-AJUDA: OS DADOS E UMA PROPOSTA PARA O FUTURO

DÁRIA SALGADO

2016-03-18
A PAISAGEM COMO SUPORTE DE REPRESENTAÇÃO CINEMATOGRÁFICA NA OBRA DE ANDREI TARKOVSKY

VICTOR PINTO DA FONSECA

2016-02-16
CORAÇÃO REVELADOR

MIRIAN TAVARES

2016-01-06
ABSOLUTELY

CONSTANÇA BABO

2015-11-28
A PROCURA DE FELICIDADE DE WOLFGANG TILLMANS

INÊS VALLE

2015-10-31
A VERDADEIRA MUDANÇA ACABA DE COMEÇAR | UMA ENTREVISTA COM O GALERISTA ZIMBABUEANO JIMMY SARUCHERA PELA CURADORA INDEPENDENTE INÊS VALLE

MARIBEL MENDES SOBREIRA

2015-09-17
PARA UMA CONCEPÇÃO DA ARTE SEGUNDO MARKUS GABRIEL

RENATO RODRIGUES DA SILVA

2015-07-22
O CONCRETISMO E O NEOCONCRETISMO NO BRASIL: ELEMENTOS PARA REFLEXÃO CRÍTICA

LUÍS RAPOSO

2015-07-02
PATRIMÓNIO CULTURAL E OS MUSEUS: VISÃO ESTRATÉGICA | PARTE 2: O PRESENTE/FUTURO

LUÍS RAPOSO

2015-06-17
PATRIMÓNIO CULTURAL E OS MUSEUS: VISÃO ESTRATÉGICA | PARTE 1: O PASSADO/PRESENTE

ALBERTO MORENO

2015-05-13
OS CORVOS OLHAM-NOS

Ana Cristina Alves

2015-04-12
PSICOLOGIA DA ARTE – ENTREVISTA A ANTÓNIO MANUEL DUARTE

J.J. Charlesworth

2015-03-12
COMO NÃO FAZER ARTE PÚBLICA

JOSÉ RAPOSO

2015-02-02
FILMES DE ARTISTA: O ESPECTRO DA NARRATIVA ENTRE O CINEMA E A GALERIA.

MARIA LIND

2015-01-05
UM PARQUE DE DIVERSÕES EM PARIS RELEMBRA UM CONTO DE FADAS CLÁSSICO

Martim Enes Dias

2014-12-05
O PRINCÍPIO DO FUNDAMENTO: A BIENAL DE VENEZA EM 2014

MARIA LIND

2014-11-11
O TRIUNFO DOS NERDS

Jonathan T.D. Neil

2014-10-07
A ARTE É BOA OU APENAS VALIOSA?

José Raposo

2014-09-08
RUMORES DE UMA REVOLUÇÃO: O CÓDIGO ENQUANTO MEIO.

Mike Watson

2014-08-04
Em louvor da beleza

Ana Catarino

2014-06-28
Project Herácles, quando arte e política se encontram no Parlamento Europeu

Luís Raposo

2014-05-27
Ingressos em museus e monumentos: desvario e miopia

Filipa Coimbra

2014-05-06
Tanto Mar - Arquitectura em DERIVAção | Parte 2

Filipa Coimbra

2014-04-15
Tanto Mar - Arquitectura em DERIVAção | Parte 1

Rita Xavier Monteiro

2014-02-25
O AGORA QUE É LÁ

Aimee Lin

2014-01-15
ZENG FANZHI

FILIPE PINTO

2013-12-20
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 4 de 4)

FILIPE PINTO

2013-11-28
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 3 de 4)

FILIPE PINTO

2013-10-25
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 2 de 4)

FILIPE PINTO

2013-09-16
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 1 de 4)

JULIANA MORAES

2013-08-12
O LUGAR DA ARTE: O “CASTELO”, O LABIRINTO E A SOLEIRA

JUAN CANELA

2013-07-11
PERFORMING VENICE

JOSÉ GOMES PINTO (ECATI/ULHT)

2013-05-05
ARTE E INTERACTIVIDADE

PEDRO CABRAL SANTO

2013-04-11
A IMAGEM EM MOVIMENTO NO CONTEXTO ESPECÍFICO DAS ARTES PLÁSTICAS EM PORTUGAL

MARCELO FELIX

2013-01-08
O ESPAÇO E A ORLA. 50 ANOS DE ‘OS VERDES ANOS’

NUNO MATOS DUARTE

2012-12-11
SOBRE A PERTINÊNCIA DAS PRÁTICAS CONCEPTUAIS NA FOTOGRAFIA CONTEMPORÂNEA

FILIPE PINTO

2012-11-05
ASSEMBLAGE TROCKEL

MIGUEL RODRIGUES

2012-10-07
BIRD

JOSÉ BÁRTOLO

2012-09-21
CHEGOU A HORA DOS DESIGNERS

PEDRO PORTUGAL

2012-09-07
PORQUE É QUE OS ARTISTAS DIZEM MAL UNS DOS OUTROS + L’AFFAIRE VASCONCELOS

PEDRO PORTUGAL

2012-08-06
NO PRINCÍPIO ERA A VERBA

ANA SENA

2012-07-09
AS ARTES E A CRISE ECONÓMICA

MARIA BEATRIZ MARQUILHAS

2012-06-12
O DECLÍNIO DA ARTE: MORTE E TRANSFIGURAÇÃO (II)

MARIA BEATRIZ MARQUILHAS

2012-05-21
O DECLÍNIO DA ARTE: MORTE E TRANSFIGURAÇÃO (I)

JOSÉ CARLOS DUARTE

2012-03-19
A JANELA DAS POSSIBILIDADES. EM TORNO DA SÉRIE TELEVISION PORTRAITS (1986–) DE PAUL GRAHAM.

FILIPE PINTO

2012-01-16
A AUTORIDADE DO AUTOR - A PARTIR DO TRABALHO DE DORIS SALCEDO (SOBRE VAZIO, SILÊNCIO, MUDEZ)

JOSÉ CARLOS DUARTE

2011-12-07
LOUISE LAWLER. QUALQUER COISA ACERCA DO MUNDO DA ARTE, MAS NÃO RECORDO EXACTAMENTE O QUÊ.

ANANDA CARVALHO

2011-10-12
RE-CONFIGURAÇÕES NO SISTEMA DA ARTE CONTEMPORÂNEA - RELATO DA CONFERÊNCIA DE ROSALIND KRAUSS NO III SIMPÓSIO DE ARTE CONTEMPORÂNEA DO PAÇO DAS ARTES

MARIANA PESTANA

2011-09-23
ARQUITECTURA COMISSÁRIA: TODOS A BORDO # THE AUCTION ROOM

FILIPE PINTO

2011-07-27
PARA QUE SERVE A ARTE? (sobre espaço, desadequação e acesso) (2.ª parte)

FILIPE PINTO

2011-07-08
PARA QUE SERVE A ARTE? (sobre espaço, desadequação e acesso) (1ª parte)

ROSANA SANCIN

2011-06-14
54ª BIENAL DE VENEZA: ILLUMInations

SOFIA NUNES

2011-05-17
GEDI SIBONY

SOFIA NUNES

2011-04-18
A AUTONOMIA IMPRÓPRIA DA ARTE EM JACQUES RANCIÈRE

PATRÍCIA REIS

2011-03-09
IMAGE IN SCIENCE AND ART

BÁRBARA VALENTINA

2011-02-01
WALTER BENJAMIN. O LUGAR POLÍTICO DA ARTE

UM LIVRO DE NELSON BRISSAC

2011-01-12
PAISAGENS CRÍTICAS

FILIPE PINTO

2010-11-25
TRINTA NOTAS PARA UMA APROXIMAÇÃO A JACQUES RANCIÈRE

PAULA JANUÁRIO

2010-11-08
NÃO SÓ ALGUNS SÃO CHAMADOS MAS TODA A GENTE

SHAHEEN MERALI

2010-10-13
O INFINITO PROBLEMA DO GOSTO

PEDRO PORTUGAL

2010-09-22
ARTE PÚBLICA: UM VÍCIO PRIVADO

FILIPE PINTO

2010-06-09
A PROPÓSITO DE LA CIENAGA DE LUCRECIA MARTEL (Sobre Tempo, Solidão e Cinema)

TERESA CASTRO

2010-04-30
MARK LEWIS E A MORTE DO CINEMA

FILIPE PINTO

2010-03-08
PARA UMA CRÍTICA DA INTERRUPÇÃO

SUSANA MOUZINHO

2010-02-15
DAVID CLAERBOUT. PERSISTÊNCIA DO TEMPO

SOFIA NUNES

2010-01-13
O CASO DE JOS DE GRUYTER E HARALD THYS

ISABEL NOGUEIRA

2009-10-26
ANOS 70 – ATRAVESSAR FRONTEIRAS

LUÍSA SANTOS

2009-09-21
OS PRÉMIOS E A ASSINATURA INDEX:

CAROLINA RITO

2009-08-22
A NATUREZA DO CONTEXTO

LÍGIA AFONSO

2009-08-03
DE QUEM FALAMOS QUANDO FALAMOS DE VENEZA?

LUÍSA SANTOS

2009-07-10
A PROPÓSITO DO OBJECTO FOTOGRÁFICO

LUÍSA SANTOS

2009-06-24
O LIVRO COMO MEIO

EMANUEL CAMEIRA

2009-05-31
LA SPÉCIALISATION DE LA SENSIBILITÉ À L’ ÉTAT DE MATIÈRE PREMIÈRE EN SENSIBILITÉ PICTURALE STABILISÉE

ROSANA SANCIN

2009-05-23
RE.ACT FEMINISM_Liubliana

IVO MESQUITA E ANA PAULA COHEN

2009-05-03
RELATÓRIO DA CURADORIA DA 28ª BIENAL DE SÃO PAULO

EMANUEL CAMEIRA

2009-04-15
DE QUE FALAMOS QUANDO FALAMOS DE TEHCHING HSIEH? *

MARTA MESTRE

2009-03-24
ARTE CONTEMPORÂNEA NOS CAMARÕES

MARTA TRAQUINO

2009-03-04
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA III_A ARTE COMO UM ESTADO DE ENCONTRO

PEDRO DOS REIS

2009-02-18
O “ANO DO BOI” – PREVISÕES E REFLEXÕES NO CONTEXTO ARTÍSTICO

MARTA TRAQUINO

2009-02-02
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA II_DO ESPAÇO AO LUGAR: FLUXUS

PEDRO PORTUGAL

2009-01-08
PORQUÊ CONSTRUIR NOVAS ESCOLAS DE ARTE?

MARTA TRAQUINO

2008-12-18
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA I

SANDRA LOURENÇO

2008-12-02
HONG KONG A DÉJÀ DISPARU?

PEDRO DOS REIS

2008-10-31
ARTE POLÍTICA E TELEPRESENÇA

PEDRO DOS REIS

2008-10-15
A ARTE NA ERA DA TECNOLOGIA MÓVEL

SUSANA POMBA

2008-09-30
SOMOS TODOS RAVERS

COLECTIVO

2008-09-01
O NADA COMO TEMA PARA REFLEXÃO

PEDRO PORTUGAL

2008-08-04
BI DA CULTURA. Ou, que farei com esta cultura?

PAULO REIS

2008-07-16
V BIENAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE | PARTILHAR TERRITÓRIOS

PEDRO DOS REIS

2008-06-18
LISBOA – CULTURE FOR LIFE

PEDRO PORTUGAL

2008-05-16
SOBRE A ARTICIDADE (ou os artistas dentro da cidade)

JOSÉ MANUEL BÁRTOLO

2008-05-05
O QUE PODEM AS IDEIAS? REFLEXÕES SOBRE OS PERSONAL VIEWS

PAULA TAVARES

2008-04-22
BREVE CARTOGRAFIA DAS CORRENTES DESCONSTRUTIVISTAS FEMINISTAS

PEDRO DOS REIS

2008-04-04
IOWA: UMA SELECÇÃO IMPROVÁVEL, NUM LUGAR INVULGAR

CATARINA ROSENDO

2008-03-31
ROGÉRIO RIBEIRO (1930-2008): O PINTOR QUE ABRIU AO TEXTO

JOANA LUCAS

2008-02-18
RUY DUARTE DE CARVALHO: pela miscigenação das artes

DANIELA LABRA

2008-01-16
O MEIO DA ARTE NO BRASIL: um Lugar Nenhum em Algum Lugar

LÍGIA AFONSO

2007-12-24
SÃO PAULO JÁ ESTÁ A ARDER?

JOSÉ LUIS BREA

2007-12-05
A TAREFA DA CRÍTICA (EM SETE TESES)

SÍLVIA GUERRA

2007-11-11
ARTE IBÉRICA OU O SÍNDROME DO COLECCIONADOR LOCAL

SANDRA VIEIRA JURGENS

2007-11-01
10ª BIENAL DE ISTAMBUL

TERESA CASTRO

2007-10-16
PARA ALÉM DE PARIS

MARCELO FELIX

2007-09-20
TRANSNATURAL. Da Vida dos Impérios, da Vida das Imagens

LÍGIA AFONSO

2007-09-04
skulptur projekte münster 07

JOSÉ BÁRTOLO

2007-08-20
100 POSTERS PARA UM SÉCULO

SOFIA PONTE

2007-08-02
SOBRE UM ESTADO DE TRANSIÇÃO

INÊS MOREIRA

2007-07-02
GATHERING: REECONTRAR MODOS DE ENCONTRO

FILIPA RAMOS

2007-06-14
A Arte, a Guerra e a Subjectividade – um passeio pelos Giardini e Arsenal na 52ª BIENAL DE VENEZA

SÍLVIA GUERRA

2007-06-01
MAC/VAL: Zones de Productivités Concertées. # 3 Entreprises singulières

NUNO CRESPO

2007-05-02
SEXO, SANGUE E MORTE

HELENA BARRANHA

2007-04-17
O edifício como “BLOCKBUSTER”. O protagonismo da arquitectura nos museus de arte contemporânea

RUI PEDRO FONSECA

2007-04-03
A ARTE NO MERCADO – SEUS DISCURSOS COMO UTOPIA

ALBERTO GUERREIRO

2007-03-16
Gestão de Museus em Portugal [2]

ANTÓNIO PRETO

2007-02-28
ENTRE O SPLEEN MODERNO E A CRISE DA MODERNIDADE

ALBERTO GUERREIRO

2007-02-15
Gestão de Museus em Portugal [1]

JOSÉ BÁRTOLO

2007-01-29
CULTURA DIGITAL E CRIAÇÃO ARTÍSTICA

MARCELO FELIX

2007-01-16
O TEMPO DE UM ÍCONE CINEMATOGRÁFICO

PEDRO PORTUGAL

2007-01-03
Artória - ARS LONGA VITA BREVIS

ANTÓNIO PRETO

2006-12-15
CORRESPONDÊNCIAS: Aproximações contemporâneas a uma “iconologia do intervalo”

ROGER MEINTJES

2006-11-16
MANUTENÇÃO DE MEMÓRIA: Alguns pensamentos sobre Memória Pública – Berlim, Lajedos e Lisboa.

LUÍSA ESPECIAL

2006-11-03
PARA UMA GEOSOFIA DAS EXPOSIÇÕES GLOBAIS. Contra o safari cultural

ANTÓNIO PRETO

2006-10-18
AS IMAGENS DO QUOTIDIANO OU DE COMO O REALISMO É UMA FRAUDE

JOSÉ BÁRTOLO

2006-10-01
O ESTADO DO DESIGN. Reflexões sobre teoria do design em Portugal

JOSÉ MAÇÃS DE CARVALHO

2006-09-18
IMAGENS DA FOTOGRAFIA

INÊS MOREIRA

2006-09-04
ELLIPSE FOUNDATION - NOTAS SOBRE O ART CENTRE

MARCELO FELIX

2006-08-17
BAS JAN ADER, TRINTA ANOS SOBRE O ÚLTIMO TRAJECTO

JORGE DIAS

2006-08-01
UM PERCURSO POR SEGUIR

SÍLVIA GUERRA

2006-07-14
A MOLDURA DO CINEASTA

AIDA CASTRO

2006-06-30
BIO-MUSEU: UMA CONDIÇÃO, NO MÍNIMO, TRIPLOMÓRFICA

COLECTIVO*

2006-06-14
NEM TUDO SÃO ROSEIRAS

LÍGIA AFONSO

2006-05-17
VICTOR PALLA (1922 - 2006)

JOÃO SILVÉRIO

2006-04-12
VIENA, 22 a 26 de Março de 2006

share |

QUER PASSAR A NOITE NO MUSEU?



MARC LENOT

2017-07-29




 

 

Não se trata simplesmente de relaxar diante de um vídeo, ou dormir num hotel cheio de obras de arte, mas de realmente passar uma noite ou duas numa cama de verdade num verdadeiro museu. Experiência rara: o Palais de Tokyo propô-la, mas num contentor no telhado (e a um preço exorbitante), o visitante número 10 000 000 do Rijksmuseum foi convidado a passar a noite diante dos Rembrandt e, há 30 anos, Jean Dethier, preparando para o Beaubourg uma exposição sobre o design dos quartos de hotel, queria transformar o Centro Pompidou num hotel onde poderíamos passar a noite, dormindo na própria exposição (a segurança vetou a acção). Não é uma questão (na minha idade...) de um incrustação clandestina à Ben-Ner no IKEA ou à Lazar Kunstmann no Panteão. Se não é raro comer e beber nos museus (e também com Patrick Van Caeckenbergh na Maison Rouge ou com Rirkrit Tiravanija um pouco por todo o lado, ou, por vezes, para arrecadar dinheiro de clientes ricos), passar a noite no museu é muito mais raro. Acabei de dormir duas noites no interior do Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia, em Lisboa (Belém), antiga fábrica transformada em um museu há 11 anos (é nesta parte que se dorme) e cuja extensão, arquitectonicamente impressionante, foi recentemente inaugurada.

Isto é o que propõe a artista portuguesa Ana Perez-Quiroga (até 9 de Outubro): Neste projeto, ela convida artistas, curadores, críticos a dormir lá, em intercâmbio com ela e com os visitantes, e em seguida, a narrar a sua experiência. Em primeiro lugar, não é irrelevante que a reserva se faça através do Airbnb (onde o alojamento é classificado como uma cabana), quando sabemos a maneira como o espírito e o charme de Lisboa está a murchar sob o afluxo de turistas e quando vemos bairros inteiros (como Alfama) ocupados essencialmente pelos alojamentos turísticos e quase vazios de habitantes indígenas, que já não conseguem aí se alojar. Assim, no nível inferior do museu, onde era a sala das cinzas (e onde vemos ainda no solo os trilhos para os carrinhos), um jardim/praia e uma casa. A areia da praia é na verdade cortiça, as paredes declinam 14 tons de azul para o mar e o céu, podemos preguiçar em cadeiras de praia e assistir aos vídeos da artista. A casa é bastante confortável e agradável; os móveis foram concebidos pela artista, e tudo, absolutamente tudo está à venda, carimbado APQHome: são então os objetos de arte, que merecem portanto um multiplicador de preço elevado: o garfo a 25€ e o pequeno aspirador a 350€. Eu vejo isto não como uma maneira fácil de ganhar dinheiro à custa dos tansos, mas uma denúncia subtil dos mecanismos financeiros do mundo da arte, muito na linhagem de R. Mutt.

E o que fazemos durante dois dias no interior do museu? Não somos prisioneiros, podemos sair e passear ao longo do Tejo ao sol, visitar outras exposições às horas de abertura (meio dia-20h), ler, escrever, enviar mensagens (eu encontrava-me no momento da divulgação da tentativa de artwashing com a suposta Bienal do Mediterrâneo), mas sobretudo conversei com os visitantes, com aqueles que pareciam interessados no projeto; de memória, portugueses, norte-americanos, canadianos, mexicanos, um colombiano, italianos, franceses, uma suíça, espanhóis, escoceses, ingleses, holandeses. Algumas memórias, entre outras:
- S & N com seu bebé de 5 semanas, curioso e fascinado pelo néon azul
- Os comissários de uma exposição anterior da artista
- dois jovens estudantes escoceses a quem ofereci cervejas
- H & V com quem falei de Nápoles
- duas adoráveis crianças travessas que, quando me virei, escreveram palavrões no livro de visitas
- uma arquitecta grega a viver na Austrália, que achou que aquela era a melhor exposição o MAAT e que me pergunta "já que tudo está à venda, por que não você também?"
- um inglês da região de Newcastle que pára diante dos enormes pilares de metal e muito emocionado, me disse que trabalhou na fábrica de aço de onde eles vieram, hoje fechada
- uma das mediadoras do MAAT, mais curiosa e menos tímida do que os seus companheiros (página 68), com os quais falámos de Miroslav Tichy
- e um grupo de escoteiros ...

E à noite? Bem à noite saio para jantar, posso dormir, sem ser despertado pela luz do dia (isso fez-me falta). Teria gostado de vaguear pelas salas do Museu no meio das outras exposições:
- quebrar a parede da Fernanda Fragateiro
- muscular-me nas maquinarias inacessíveis do Igor Jesus
- percorrer a relva sintética do Carlos Garraicoa (acima)
- ou mover as mesas da Ana Cardoso e perturbar a ordem permutação (na minha opinião, a melhor peça desta exposição colectiva)
mas eu obviamente não podia fazer nada disso ... (e em outros shows, eu concordo muito com este arquiteto grego).
Duas informações complementares:
- pode ir lá à festa no dia 8 de setembro
- ou almoçar lá a 7 de outubro.

Que ensinamentos a tirar? Primeiro, que o paradigma de Ana Pérez-Quiroga sobre a porosidade da fronteira entre público e privado, entre íntimo e exposto, sobre os quais todo o seu trabalho é baseado, funciona perfeitamente: Eu estou em "minha casa", mas não importa quem pode entrar, sentar-se numa cadeira ou testar a cama. Certamente estes são visitantes de museu em princípio bem comportados, e é apenas entre o meio dia e as 20 horas, mas mesmo assim eu ainda sinto uma certa forma de embaraço, de ligeiro desagrado (e evito coçar o nariz ). É uma forma de alteração do quotidiano, de transmutação. Depois, o facto de não estar lá nem artista, nem mediador, nem visitante, leva-me a refletir sobre o meu lugar, e portanto sobre o que é um museu e como o percebemos. Finalmente, isso questiona também o papel da própria artista, para quem esta é uma obra de arte total, mas que, uma vez que ela me acolheu no primeiro dia desapareceu em seguida: ela criou um dispositivo e, em seguida, deixa-o correr, um pouco, a meu ver, na linha do que Franco Vaccari fez em Veneza em 1972 (e noutros lugares...)

Este projeto é totalmente emblemático da abordagem da artista entre o público e o privado. Assim, organizou todo um projeto artístico à volta do seu apartamento, com uma catalogação sistemática de todos os objetos que estão aí presentes, e a possibilidade de partilhar a sua refeição ou o sítio onde vive, e de comprar qualquer ou quase todas as suas propriedades. O apartamento não é composto de zonas tradicionalmente privadas (quarto, casa de banho) e zonas públicas (sala), tudo se mistura. O seu sentido de intimidade não se baseia nas suas possessões (nem mesmo no seu corpo), mas nos seus sentimentos, nos seus pensamentos: o seu pudor protege as suas afeições, não a sua nudez. Noutras instalações do seu “Breviário do Quotidiano”, os objetos roubados aqui e ali em locais públicos, colheres de café, pacotes de açúcar, auscultadores distribuídos em aviões, etc., são exibidos em vitrines de museu, numerados, catalogados, documentados: aquilo que todos nós já fizemos num momento ou outro, e do qual não nos orgulhamos, é mostrado aqui, confessado, tornado público (enquanto que o furto de objectos de arte permanece impune, das métopas do Parthenon às Bodas de Caná).

Essa abolição da distância entre a sua vida privada e a sua postura de artista encontra-se em muitas das suas obras. Vi, no Museu do Chiado, uma instalação onde, sobre uma parede coberta de vermelho, evocando um interior burguês tradicional, ela dispôs 35 pratos em porcelana, todos decorados com uma imagem sua (impressa sobre a porcelana como o são os retratos dos defuntos sobre as pedras tumulares), nua sobre uma mesa, exposta como uma mercadoria, um objeto a consumir (o desejo que a arquitecta grega encontrou no MAAT), com, sobre o rebordo do prato, em quatro línguas, a frase "Eu odeio ser gorda, come-me por favor" ("I hate being fat, eat me please"). Essa contestação do lar burguês, essa intrusão de uma sexualidade quase pornográfica, essa injunção no conformismo estético da insignificância, este apelo ambíguo à consumo tanto alimentar como sexual, contribuem para a afirmação de um discurso político e feminista que, sob uma cobertura de ironia, é de uma violência radical.

Outro exemplo das suas transgressões entre público e privado: aquando da Exposição Universal de Shanghai, as autoridades desaconselharam os habitantes de sair para a rua de pijama, como tinham o costume de fazer. O pijama usado em público é visto como um sinal transgressivo, não só uma negligência pouco elegante, mas também uma revelação incongruente da intimidade da cama (sono e sexo) aos olhos de todos. A artista passeou portanto pelas ruas de Shanghai, num centro comercial e no Consulado de Portugal, na companhia de uma mulher chinesa, ambas vestidas de pijama. Esta performance perturbadora, independentemente da sua dimensão histórica (o pijama seria uma invenção portuguesa adotada pelos chineses no século XVIII), é também um questionamento do papel das mulheres no espaço público.

Sob uma aparência ligeira, Ana Pérez-Quiroga tem de facto um discurso feminista muito assertivo, em torno do estereótipo da dona de casa, da assimilação do íntimo e do feminino, e da dificuldade cultural das mulheres terem uma presença pública. Assim, as suas numerosas peças em tecido colorido (este em torno da bandeira, este com a sua economia participativa, ou ainda este, e todos aqueles que adornam as paredes e tecto da cabana do MAAT) não são puramente decorativos: eles atestam a passagem do artesanato à arte (com, como exemplo, Anni Albers), e da maneira como este passatempo feminino foi capaz de se afirmar como arte em si mesmo. Em suma, em todo o seu trabalho, sistematização e ironia são ferramentas para ter um discurso muito político e crítico.

 

Marc Lenot