Links

OPINIÃO


A paisagem é, Fernanda Fragateiro. Paisagem Cultural de Sistelo, Arcos de Valdevez.


Abrigo, FAHR 021.3. Lanhelas, Caminha. Fotografia: Filipa Frois Almeida ©


Sulco, depA. Porta de Lamas de Mouro, Melgaço. Fotografia: Filipa Frois Almeida ©


A Torre, STILL urban design + Miguel Seabra. Castro de São Caetano, Longos Vales, Monção. Fotografia: Filipa Frois Almeida ©


Barca, Pablo Pita. Choupal de Ponte da Barca, Ponte da Barca. Fotografia: Filipa Frois Almeida ©


Pedra Sobre Rocha, André Banha. Miradouro dos Socalcos de Labrujó e Rendufe, Ponte de Lima. Fotografia: Filipa Frois Almeida ©


Ver através da árvore, Dalila Gonçalves. Caminho das Piçarras, Romarigães, Paredes de Coura. Fotografia: Filipa Frois Almeida ©


Porta-caça do Mosteiro de Sanfins, Barão-Hutter. Mosteiro de Sanfins, Valença. Fotografia: Filipa Frois Almeida ©


Janela, João Mendes Ribeiro. Miradouro da Senhora do Crasto, Deocriste, Viana do Castelo. Fotografia: Filipa Frois Almeida ©


Rasgo no Solo do Parque de Lazer do Castelinho, Gabriela Albergaria. Parque de Lazer do Castelinho, Vila Nova de Cerveira. Fotografia: Filipa Frois Almeida ©

Outros artigos:

CARLA CARBONE

2019-08-20
FERNANDO LEMOS DESIGNER

DONNY CORREIA

2019-07-18
ANA AMORIM: MAPAS MENTAIS DE UMA VIDA-OBRA

CARLA CARBONE

2019-06-02
JOÃO ONOFRE - ONCE IN A LIFETIME [REPEAT]

ISABEL COSTA

2019-03-09
CURADORIA DA MEMÓRIA: HANS ULRICH OBRIST INTERVIEW PROJECT

BEATRIZ COELHO

2018-12-22
JOSEP MAYNOU - ENTREVISTA

CONSTANÇA BABO

2018-11-17
CHRISTIAN BOLTANSKI NO FÓRUM DO FUTURO

KATY STEWART

2018-10-16
ENTRE A MEMÓRIA E O SEU APAGAMENTO: O GRANDE KILAPY DE ZÉZÉ GAMBOA E O LEGADO DO COLONIALISMO PORTUGUÊS

HELENA OSÓRIO

2018-09-13
JORGE LIMA BARRETO: CRIADOR DO CONCEITO DE MÚSICA MINIMALISTA REPETITIVA

CONSTANÇA BABO

2018-07-29
VER AS VOZES DOS ARTISTAS NO METRO DO PORTO, COM CURADORIA DE MIGUEL VON HAFE PÉREZ

JOANA CONSIGLIERI

2018-06-14
EXPANSÃO DA ARTE POR LISBOA, DUAS VISÕES DE FEIRAS DE ARTE: ARCOLISBOA E JUSTLX - FEIRAS INTERNACIONAIS DE ARTE CONTEMPORÂNEA

RUI MATOSO

2018-05-12
E AGORA, O QUE FAZEMOS COM ISTO?

HELENA OSÓRIO

2018-03-30
PARTE II - A FAMOSA RAINHA NZINGA (OU NJINGA) – TÃO AMADA, QUANTO TEMIDA E ODIADA, EM ÁFRICA E NO MUNDO

HELENA OSÓRIO

2018-02-28
PARTE I - A RAINHA NZINGA E O TRAJE NA PERSPECTIVA DE GRACINDA CANDEIAS: 21 OBRAS DOADAS AO CONSULADO-GERAL DA REPÚBLICA DE ANGOLA NO PORTO. POLÉMICAS DO SÉCULO XVII À ATUALIDADE

MARIA VLACHOU

2018-01-25
CAN WE LISTEN? (PODEMOS OUVIR?)

FERNANDA BELIZÁRIO E RITA ALCAIRE

2017-12-23
O QUE HÁ DE QUEER EM QUEERMUSEU?

ALEXANDRA JOÃO MARTINS

2017-11-11
O QUE PODE O CINEMA?

LUÍS RAPOSO

2017-10-08
A CASA DA HISTÓRIA EUROPEIA: AFINAL A MONTANHA NÃO PARIU UM RATO, MAS QUASE

MARC LENOT

2017-09-03
CORPOS RECOMPOSTOS

MARC LENOT

2017-07-29
QUER PASSAR A NOITE NO MUSEU?

LUÍS RAPOSO

2017-06-30
PATRIMÓNIO CULTURAL E MUSEUS: O QUE ESTÁ POR DETRÁS DOS “CASOS”

MARZIA BRUNO

2017-05-31
UM LAMPEJO DE LIBERDADE

SERGIO PARREIRA

2017-04-26
ENTREVISTA COM AMANDA COULSON, DIRETORA ARTÍSTICA DA VOLTA FEIRA DE ARTE

LUÍS RAPOSO

2017-03-30
A TRAGICOMÉDIA DA DESCENTRALIZAÇÃO, OU DE COMO SE ARRISCA ESTRAGAR UMA BOA IDEIA

SÉRGIO PARREIRA

2017-03-03
ARTE POLÍTICA E DE PROTESTO | THE TRUMP EFFECT

LUÍS RAPOSO

2017-01-31
ESTATÍSTICAS, MUSEUS E SOCIEDADE EM PORTUGAL - PARTE 2: O CURTO PRAZO

LUÍS RAPOSO

2017-01-13
ESTATÍSTICAS, MUSEUS E SOCIEDADE EM PORTUGAL – PARTE 1: O LONGO PRAZO

SERGIO PARREIRA

2016-12-13
A “ENTREGA” DA OBRA DE ARTE

ANA CRISTINA LEITE

2016-11-08
A MINHA VISITA GUIADA À EXPOSIÇÃO...OU COISAS DO CORAÇÃO

NATÁLIA VILARINHO

2016-10-03
ATLAS DE GALANTE E BORRALHO EM LOULÉ

MARIA LIND

2016-08-31
NAZGOL ANSARINIA – OS CONTRASTES E AS CONTRADIÇÕES DA VIDA NA TEERÃO CONTEMPORÂNEA

LUÍS RAPOSO

2016-06-23
“RESPONSABILIDADE SOCIAL”, INVESTIMENTO EM ARTE E MUSEUS: OS PONTOS NOS IS

TERESA DUARTE MARTINHO

2016-05-12
ARTE, AMOR E CRISE NA LONDRES VITORIANA. O LIVRO ADOECER, DE HÉLIA CORREIA

LUÍS RAPOSO

2016-04-12
AINDA OS PREÇOS DE ENTRADA EM MUSEUS E MONUMENTOS DE SINTRA E BELÉM-AJUDA: OS DADOS E UMA PROPOSTA PARA O FUTURO

DÁRIA SALGADO

2016-03-18
A PAISAGEM COMO SUPORTE DE REPRESENTAÇÃO CINEMATOGRÁFICA NA OBRA DE ANDREI TARKOVSKY

VICTOR PINTO DA FONSECA

2016-02-16
CORAÇÃO REVELADOR

MIRIAN TAVARES

2016-01-06
ABSOLUTELY

CONSTANÇA BABO

2015-11-28
A PROCURA DE FELICIDADE DE WOLFGANG TILLMANS

INÊS VALLE

2015-10-31
A VERDADEIRA MUDANÇA ACABA DE COMEÇAR | UMA ENTREVISTA COM O GALERISTA ZIMBABUEANO JIMMY SARUCHERA PELA CURADORA INDEPENDENTE INÊS VALLE

MARIBEL MENDES SOBREIRA

2015-09-17
PARA UMA CONCEPÇÃO DA ARTE SEGUNDO MARKUS GABRIEL

RENATO RODRIGUES DA SILVA

2015-07-22
O CONCRETISMO E O NEOCONCRETISMO NO BRASIL: ELEMENTOS PARA REFLEXÃO CRÍTICA

LUÍS RAPOSO

2015-07-02
PATRIMÓNIO CULTURAL E OS MUSEUS: VISÃO ESTRATÉGICA | PARTE 2: O PRESENTE/FUTURO

LUÍS RAPOSO

2015-06-17
PATRIMÓNIO CULTURAL E OS MUSEUS: VISÃO ESTRATÉGICA | PARTE 1: O PASSADO/PRESENTE

ALBERTO MORENO

2015-05-13
OS CORVOS OLHAM-NOS

Ana Cristina Alves

2015-04-12
PSICOLOGIA DA ARTE – ENTREVISTA A ANTÓNIO MANUEL DUARTE

J.J. Charlesworth

2015-03-12
COMO NÃO FAZER ARTE PÚBLICA

JOSÉ RAPOSO

2015-02-02
FILMES DE ARTISTA: O ESPECTRO DA NARRATIVA ENTRE O CINEMA E A GALERIA.

MARIA LIND

2015-01-05
UM PARQUE DE DIVERSÕES EM PARIS RELEMBRA UM CONTO DE FADAS CLÁSSICO

Martim Enes Dias

2014-12-05
O PRINCÍPIO DO FUNDAMENTO: A BIENAL DE VENEZA EM 2014

MARIA LIND

2014-11-11
O TRIUNFO DOS NERDS

Jonathan T.D. Neil

2014-10-07
A ARTE É BOA OU APENAS VALIOSA?

José Raposo

2014-09-08
RUMORES DE UMA REVOLUÇÃO: O CÓDIGO ENQUANTO MEIO.

Mike Watson

2014-08-04
Em louvor da beleza

Ana Catarino

2014-06-28
Project Herácles, quando arte e política se encontram no Parlamento Europeu

Luís Raposo

2014-05-27
Ingressos em museus e monumentos: desvario e miopia

Filipa Coimbra

2014-05-06
Tanto Mar - Arquitectura em DERIVAção | Parte 2

Filipa Coimbra

2014-04-15
Tanto Mar - Arquitectura em DERIVAção | Parte 1

Rita Xavier Monteiro

2014-02-25
O AGORA QUE É LÁ

Aimee Lin

2014-01-15
ZENG FANZHI

FILIPE PINTO

2013-12-20
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 4 de 4)

FILIPE PINTO

2013-11-28
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 3 de 4)

FILIPE PINTO

2013-10-25
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 2 de 4)

FILIPE PINTO

2013-09-16
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 1 de 4)

JULIANA MORAES

2013-08-12
O LUGAR DA ARTE: O “CASTELO”, O LABIRINTO E A SOLEIRA

JUAN CANELA

2013-07-11
PERFORMING VENICE

JOSÉ GOMES PINTO (ECATI/ULHT)

2013-05-05
ARTE E INTERACTIVIDADE

PEDRO CABRAL SANTO

2013-04-11
A IMAGEM EM MOVIMENTO NO CONTEXTO ESPECÍFICO DAS ARTES PLÁSTICAS EM PORTUGAL

MARCELO FELIX

2013-01-08
O ESPAÇO E A ORLA. 50 ANOS DE ‘OS VERDES ANOS’

NUNO MATOS DUARTE

2012-12-11
SOBRE A PERTINÊNCIA DAS PRÁTICAS CONCEPTUAIS NA FOTOGRAFIA CONTEMPORÂNEA

FILIPE PINTO

2012-11-05
ASSEMBLAGE TROCKEL

MIGUEL RODRIGUES

2012-10-07
BIRD

JOSÉ BÁRTOLO

2012-09-21
CHEGOU A HORA DOS DESIGNERS

PEDRO PORTUGAL

2012-09-07
PORQUE É QUE OS ARTISTAS DIZEM MAL UNS DOS OUTROS + L’AFFAIRE VASCONCELOS

PEDRO PORTUGAL

2012-08-06
NO PRINCÍPIO ERA A VERBA

ANA SENA

2012-07-09
AS ARTES E A CRISE ECONÓMICA

MARIA BEATRIZ MARQUILHAS

2012-06-12
O DECLÍNIO DA ARTE: MORTE E TRANSFIGURAÇÃO (II)

MARIA BEATRIZ MARQUILHAS

2012-05-21
O DECLÍNIO DA ARTE: MORTE E TRANSFIGURAÇÃO (I)

JOSÉ CARLOS DUARTE

2012-03-19
A JANELA DAS POSSIBILIDADES. EM TORNO DA SÉRIE TELEVISION PORTRAITS (1986–) DE PAUL GRAHAM.

FILIPE PINTO

2012-01-16
A AUTORIDADE DO AUTOR - A PARTIR DO TRABALHO DE DORIS SALCEDO (SOBRE VAZIO, SILÊNCIO, MUDEZ)

JOSÉ CARLOS DUARTE

2011-12-07
LOUISE LAWLER. QUALQUER COISA ACERCA DO MUNDO DA ARTE, MAS NÃO RECORDO EXACTAMENTE O QUÊ.

ANANDA CARVALHO

2011-10-12
RE-CONFIGURAÇÕES NO SISTEMA DA ARTE CONTEMPORÂNEA - RELATO DA CONFERÊNCIA DE ROSALIND KRAUSS NO III SIMPÓSIO DE ARTE CONTEMPORÂNEA DO PAÇO DAS ARTES

MARIANA PESTANA

2011-09-23
ARQUITECTURA COMISSÁRIA: TODOS A BORDO # THE AUCTION ROOM

FILIPE PINTO

2011-07-27
PARA QUE SERVE A ARTE? (sobre espaço, desadequação e acesso) (2.ª parte)

FILIPE PINTO

2011-07-08
PARA QUE SERVE A ARTE? (sobre espaço, desadequação e acesso) (1ª parte)

ROSANA SANCIN

2011-06-14
54ª BIENAL DE VENEZA: ILLUMInations

SOFIA NUNES

2011-05-17
GEDI SIBONY

SOFIA NUNES

2011-04-18
A AUTONOMIA IMPRÓPRIA DA ARTE EM JACQUES RANCIÈRE

PATRÍCIA REIS

2011-03-09
IMAGE IN SCIENCE AND ART

BÁRBARA VALENTINA

2011-02-01
WALTER BENJAMIN. O LUGAR POLÍTICO DA ARTE

UM LIVRO DE NELSON BRISSAC

2011-01-12
PAISAGENS CRÍTICAS

FILIPE PINTO

2010-11-25
TRINTA NOTAS PARA UMA APROXIMAÇÃO A JACQUES RANCIÈRE

PAULA JANUÁRIO

2010-11-08
NÃO SÓ ALGUNS SÃO CHAMADOS MAS TODA A GENTE

SHAHEEN MERALI

2010-10-13
O INFINITO PROBLEMA DO GOSTO

PEDRO PORTUGAL

2010-09-22
ARTE PÚBLICA: UM VÍCIO PRIVADO

FILIPE PINTO

2010-06-09
A PROPÓSITO DE LA CIENAGA DE LUCRECIA MARTEL (Sobre Tempo, Solidão e Cinema)

TERESA CASTRO

2010-04-30
MARK LEWIS E A MORTE DO CINEMA

FILIPE PINTO

2010-03-08
PARA UMA CRÍTICA DA INTERRUPÇÃO

SUSANA MOUZINHO

2010-02-15
DAVID CLAERBOUT. PERSISTÊNCIA DO TEMPO

SOFIA NUNES

2010-01-13
O CASO DE JOS DE GRUYTER E HARALD THYS

ISABEL NOGUEIRA

2009-10-26
ANOS 70 – ATRAVESSAR FRONTEIRAS

LUÍSA SANTOS

2009-09-21
OS PRÉMIOS E A ASSINATURA INDEX:

CAROLINA RITO

2009-08-22
A NATUREZA DO CONTEXTO

LÍGIA AFONSO

2009-08-03
DE QUEM FALAMOS QUANDO FALAMOS DE VENEZA?

LUÍSA SANTOS

2009-07-10
A PROPÓSITO DO OBJECTO FOTOGRÁFICO

LUÍSA SANTOS

2009-06-24
O LIVRO COMO MEIO

EMANUEL CAMEIRA

2009-05-31
LA SPÉCIALISATION DE LA SENSIBILITÉ À L’ ÉTAT DE MATIÈRE PREMIÈRE EN SENSIBILITÉ PICTURALE STABILISÉE

ROSANA SANCIN

2009-05-23
RE.ACT FEMINISM_Liubliana

IVO MESQUITA E ANA PAULA COHEN

2009-05-03
RELATÓRIO DA CURADORIA DA 28ª BIENAL DE SÃO PAULO

EMANUEL CAMEIRA

2009-04-15
DE QUE FALAMOS QUANDO FALAMOS DE TEHCHING HSIEH? *

MARTA MESTRE

2009-03-24
ARTE CONTEMPORÂNEA NOS CAMARÕES

MARTA TRAQUINO

2009-03-04
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA III_A ARTE COMO UM ESTADO DE ENCONTRO

PEDRO DOS REIS

2009-02-18
O “ANO DO BOI” – PREVISÕES E REFLEXÕES NO CONTEXTO ARTÍSTICO

MARTA TRAQUINO

2009-02-02
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA II_DO ESPAÇO AO LUGAR: FLUXUS

PEDRO PORTUGAL

2009-01-08
PORQUÊ CONSTRUIR NOVAS ESCOLAS DE ARTE?

MARTA TRAQUINO

2008-12-18
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA I

SANDRA LOURENÇO

2008-12-02
HONG KONG A DÉJÀ DISPARU?

PEDRO DOS REIS

2008-10-31
ARTE POLÍTICA E TELEPRESENÇA

PEDRO DOS REIS

2008-10-15
A ARTE NA ERA DA TECNOLOGIA MÓVEL

SUSANA POMBA

2008-09-30
SOMOS TODOS RAVERS

COLECTIVO

2008-09-01
O NADA COMO TEMA PARA REFLEXÃO

PEDRO PORTUGAL

2008-08-04
BI DA CULTURA. Ou, que farei com esta cultura?

PAULO REIS

2008-07-16
V BIENAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE | PARTILHAR TERRITÓRIOS

PEDRO DOS REIS

2008-06-18
LISBOA – CULTURE FOR LIFE

PEDRO PORTUGAL

2008-05-16
SOBRE A ARTICIDADE (ou os artistas dentro da cidade)

JOSÉ MANUEL BÁRTOLO

2008-05-05
O QUE PODEM AS IDEIAS? REFLEXÕES SOBRE OS PERSONAL VIEWS

PAULA TAVARES

2008-04-22
BREVE CARTOGRAFIA DAS CORRENTES DESCONSTRUTIVISTAS FEMINISTAS

PEDRO DOS REIS

2008-04-04
IOWA: UMA SELECÇÃO IMPROVÁVEL, NUM LUGAR INVULGAR

CATARINA ROSENDO

2008-03-31
ROGÉRIO RIBEIRO (1930-2008): O PINTOR QUE ABRIU AO TEXTO

JOANA LUCAS

2008-02-18
RUY DUARTE DE CARVALHO: pela miscigenação das artes

DANIELA LABRA

2008-01-16
O MEIO DA ARTE NO BRASIL: um Lugar Nenhum em Algum Lugar

LÍGIA AFONSO

2007-12-24
SÃO PAULO JÁ ESTÁ A ARDER?

JOSÉ LUIS BREA

2007-12-05
A TAREFA DA CRÍTICA (EM SETE TESES)

SÍLVIA GUERRA

2007-11-11
ARTE IBÉRICA OU O SÍNDROME DO COLECCIONADOR LOCAL

SANDRA VIEIRA JURGENS

2007-11-01
10ª BIENAL DE ISTAMBUL

TERESA CASTRO

2007-10-16
PARA ALÉM DE PARIS

MARCELO FELIX

2007-09-20
TRANSNATURAL. Da Vida dos Impérios, da Vida das Imagens

LÍGIA AFONSO

2007-09-04
skulptur projekte münster 07

JOSÉ BÁRTOLO

2007-08-20
100 POSTERS PARA UM SÉCULO

SOFIA PONTE

2007-08-02
SOBRE UM ESTADO DE TRANSIÇÃO

INÊS MOREIRA

2007-07-02
GATHERING: REECONTRAR MODOS DE ENCONTRO

FILIPA RAMOS

2007-06-14
A Arte, a Guerra e a Subjectividade – um passeio pelos Giardini e Arsenal na 52ª BIENAL DE VENEZA

SÍLVIA GUERRA

2007-06-01
MAC/VAL: Zones de Productivités Concertées. # 3 Entreprises singulières

NUNO CRESPO

2007-05-02
SEXO, SANGUE E MORTE

HELENA BARRANHA

2007-04-17
O edifício como “BLOCKBUSTER”. O protagonismo da arquitectura nos museus de arte contemporânea

RUI PEDRO FONSECA

2007-04-03
A ARTE NO MERCADO – SEUS DISCURSOS COMO UTOPIA

ALBERTO GUERREIRO

2007-03-16
Gestão de Museus em Portugal [2]

ANTÓNIO PRETO

2007-02-28
ENTRE O SPLEEN MODERNO E A CRISE DA MODERNIDADE

ALBERTO GUERREIRO

2007-02-15
Gestão de Museus em Portugal [1]

JOSÉ BÁRTOLO

2007-01-29
CULTURA DIGITAL E CRIAÇÃO ARTÍSTICA

MARCELO FELIX

2007-01-16
O TEMPO DE UM ÍCONE CINEMATOGRÁFICO

PEDRO PORTUGAL

2007-01-03
Artória - ARS LONGA VITA BREVIS

ANTÓNIO PRETO

2006-12-15
CORRESPONDÊNCIAS: Aproximações contemporâneas a uma “iconologia do intervalo”

ROGER MEINTJES

2006-11-16
MANUTENÇÃO DE MEMÓRIA: Alguns pensamentos sobre Memória Pública – Berlim, Lajedos e Lisboa.

LUÍSA ESPECIAL

2006-11-03
PARA UMA GEOSOFIA DAS EXPOSIÇÕES GLOBAIS. Contra o safari cultural

ANTÓNIO PRETO

2006-10-18
AS IMAGENS DO QUOTIDIANO OU DE COMO O REALISMO É UMA FRAUDE

JOSÉ BÁRTOLO

2006-10-01
O ESTADO DO DESIGN. Reflexões sobre teoria do design em Portugal

JOSÉ MAÇÃS DE CARVALHO

2006-09-18
IMAGENS DA FOTOGRAFIA

INÊS MOREIRA

2006-09-04
ELLIPSE FOUNDATION - NOTAS SOBRE O ART CENTRE

MARCELO FELIX

2006-08-17
BAS JAN ADER, TRINTA ANOS SOBRE O ÚLTIMO TRAJECTO

JORGE DIAS

2006-08-01
UM PERCURSO POR SEGUIR

SÍLVIA GUERRA

2006-07-14
A MOLDURA DO CINEASTA

AIDA CASTRO

2006-06-30
BIO-MUSEU: UMA CONDIÇÃO, NO MÍNIMO, TRIPLOMÓRFICA

COLECTIVO*

2006-06-14
NEM TUDO SÃO ROSEIRAS

LÍGIA AFONSO

2006-05-17
VICTOR PALLA (1922 - 2006)

JOÃO SILVÉRIO

2006-04-12
VIENA, 22 a 26 de Março de 2006


FORA DA CIDADE. ARTE E ARQUITECTURA E LUGAR



LAURA CASTRO

2019-04-16




 

Diante do projecto Desencaminharte, definido como arte aplicada ao lugar, foi impossível não recordar as marcações pré-históricas e os vestígios arqueológicos na paisagem que Lucy Lippard tão bem comparou com os gestos da arte contemporânea, num dos seus livros [1]. Através da palavra overlay, que inscreve no respectivo título, Lippard chamou a atenção para a sobreposição de estratos: o do tempo humano sobre o tempo geológico; o da acção humana sobre a natureza; o da religiosidade cristã sobre o paganismo e o dos actos do cobrir e da fertilidade, implícitos em qualquer relação do homem com o território. A referência era inevitável diante das interferências entre arte, arquitectura e lugar que aquele projecto envolve, ou seja, diante da paisagem polissémica que nele se constrói.

Ao adoptar o lema de arte aplicada ao lugar, os mentores do projecto parecem ter-se afastado estrategicamente do dogmatismo site-specific e, em vez disso, aproximaram-se de todas as declinações associadas às práticas in situ, formuladas como site adjusted, site oriented, site conditioned/determined, site dominant [2].

Com um título herdado da primeira edição, ocorrida em 2017, mas num formato completamente diferente, foi recentemente apresentado o projecto Desencaminharte’18 – Arte Aplicada ao Lugar, na Casa das Artes de Arcos de Valdevez, um dos municípios que integram a Comunidade Intermunicipal do Alto Minho. A partir de Abril, ficaram disponíveis as dez intervenções na paisagem, cuja instalação decorreu entre Novembro de 2018 e 30 de Março de 2019.

No texto de apresentação do livro [3], que contém extensa documentação sobre cada intervenção e sobre cada lugar, o projecto é definido como assente numa combinação entre novas referências culturais de arte pública em territórios de baixa densidade e a valorização e reinterpretação, nesse contexto, das marcas identitárias do património cultural e natural do Alto Minho. Representa, por isso, um desvio no sentido de uma descentralização da criação artística nacional, mas também de uma valorização cultural e turística das periferias naturais e rurais.

Da vasta equipa [4] responsável pela concepção e pela produção desta edição fazem parte arquitectos e artistas que implementaram as propostas de Fernanda Fragateiro, Dalila Gonçalves, André Banha, João Mendes Ribeiro, Gabriela Albergaria e dos ateliers FAHR 021.3, depA, STILL urban design + Miguel Seabra, Pablo Pita e Barão-Hutter. Adivinha-se a complexidade metodológica e operacional do projecto, na intersecção entre o interesse dos municípios em intervenções permanentes e até de sentido funcional, a linha curadorial que visava “leitores de paisagem” e a resposta de cada autor, na sua interpretação de um lugar pré-determinado pelos municípios com o acordo dos programadores. A complexidade foi igualmente a da gestão do projecto, com a exigência de estudos prévios para cada intervenção, a sua aprovação por um número considerável de entidades e tutelas do território, e a produção de peças tipológica e materialmente muito diversas que requisitaram, tanto a colaboração de fábricas como a de artesãos locais.

Neste momento em que tudo está visitável, clarifica-se melhor a genealogia em que se inscreve o projecto. Mais remotamente, poderíamos evocar a land art e a environmental art, vindas dos anos 60 e 70 do século passado, os parques de escultura ao ar livre, desenvolvidos a partir dos meados desse século, e os circuitos de arte na paisagem, particularmente numerosos a partir do final da década de 70. (Para não falar das propostas de ressonância modernista, como as grandes estruturas em bronze criadas por Henry Moore para os espaços rurais de Inglaterra, polidas pelos animais e rebanhos em deslocação nessas áreas). Em termos de afinidades mais recentes, poderíamos mencionar as instalações artísticas no mundo não urbano, seja o da periferia, o das pequenas comunidades, o do território agrícola, o dos espaços florestais, o das auto-estradas ou o das grandes estruturas industriais, como barragens, centrais de produção de energia ou grandes complexos fabris desactivados. É que, nem a land art com as implantações em espaços inóspitos, nem as caminhadas de Richard Long ou de Hamish Fulton, terão quebrado definitivamente o que parece ser a condição essencialmente urbana do fenómeno artístico. Tema a merecer debate lançado, aliás, pelo próprio Fulton quando afirma: The art object is for urban people, came out of an urban society and is viewed in an urban setting […] [5]

Para seguir este itinerário que percorre os concelhos de Arcos de Valdevez, Caminha, Melgaço, Monção, Paredes de Coura, Ponte da Barca, Ponte de Lima, Valença, Viana do Castelo e Vila Nova de Cerveira, serão necessários pelo menos dois dias, durante os quais a procura das propostas artísticas corresponde à descoberta da paisagem e do património natural, cultural arquitectónico e imaterial.

Da condição de simples visitantes de galerias e museus, transformamo-nos em caminheiros, peregrinos de olhar ambulatório, protagonistas de uma experiência visual, acústica, háptica. Esta condição nómada tem vindo a impor-se em diferentes práticas, de que o teatro dá excelentes exemplos, obrigando o público a percorrer um itinerário ao longo do qual se cumpre o espectáculo, o mesmo é dizer, a vida. Foram os artistas que transformaram em arte a caminhada e a peregrinação religiosa em manifestação estética. Mas são os espectadores que adoptam a caminhada, experiência insubstituível e intransmissível, como forma privilegiada de aceder ao campo estético e artístico. Por isso, e se é certo que vivemos no século do espectador, ao walking artist sucede o walking spectator.

Começo por referir a mais narrativa e declaradamente funcional das intervenções, a do atelier Barão Hutter (Ivo Barão e Peter Hutter) que revisita uma oferenda ritual aos frades do Mosteiro de Sanfins e cria uma série de artefactos destinados à confecção dos animais oferecidos. A peça, no seu conjunto, pode ser activada pela recuperação simbólica dessa tradição e pelo seu carácter gregário.

O abrir do solo e a exploração da morfologia do lugar estão no centro de duas intervenções com resultados bem diferentes: um rasgo ameno e um sulco violento. Gabriela Albergaria optou por um rasgo no solo de um parque, em Cerveira, revestiu-o de pedras de granito de assentamento artesanal, gerando um espaço híbrido, entre a passagem e o convite a sentar e a contemplar. Os depA optaram, primeiro, pela abertura de um sulco profundo que nos introduz literalmente na terra e, depois, pela erecção de dois elementos verticais que nos atraem depois de regressarmos à superfície. A intervenção, às portas do Gerês, aspira ao domínio do meio, mediante a artificialidade do material e a imposição formal e, ao fazê-lo, enfrenta a força e o poder da natureza.

A forma escultórica de André Banha, pedra sobre rocha, nasceu da vontade de marcar um lugar, num gesto de poder e autoridade que define a relação do sujeito com o meio. No entanto, o volume estranho e impositivo pode-se penetrar e habitar e, nesta funcionalidade, reconcilia-se com os traços antropológicas do lugar e recorda estruturas associadas às deslocações de rebanhos e pastores.

A Torre de Sofia Pera (STILL urban design) e Miguel Seabra incorpora igualmente a vontade de marcação ostensiva da paisagem, através de uma forma arquetipal e de uma matéria bruta. A peça é, simultaneamente, evocação do campo arqueológico que se situa nas proximidades, da ocupação ancestral do território pelas comunidades humanas e observatório do mundo em redor. Uma outra forma de apelar à observação inscreve-se na proposta de João Mendes Ribeiro com a criação de dois bancos instalados no muro de um miradouro em Deocriste, Viana do Castelo. Num diálogo respeitador do património arquitectónico, os bancos metálicos não ferem o muro de granito nem o miradouro, sendo acompanhados por versos de um poema de Sophia de Mello Breyner escritos na guarda metálica pré-existente. Tudo enfatiza o acto de mirar o horizonte. Mas o diálogo incluiu também uma reivindicação: lembrando o que seria o acabamento correcto do muro, nele se inscrevem instruções técnicas sobre a sua caiação. Assim o dispositivo criado é poético e político.

Na margem do rio Minho, pontuada por pequenas construções onde os pescadores guardam as artes de pesca, junto a embarcações e aos suportes onde consertam as redes, a dupla de arquitectos FAHR 021.3, instalou um Abrigo. Nele permanecemos e nele descobrimos a citação e a reinterpretação daquelas estruturas. O abrigo contém essa subtileza que nos dá a entender que sempre ali esteve ou que algo naquele o lugar o esperava.

Dalila Gonçalves actualiza uma memória de infância, a dos jogos do esconder atrás das árvores, e a experiência do caminho de Santiago que já percorrera e que reconheceu no lugar que lhe foi atribuído. Opta por abrir uma árvore em pranchas e construir uma barreira transparente porque as tábuas, reforçadas por elementos metálicos na base, estão ligeiramente afastadas entre si. O resultado é um dispositivo de descoberta, sinalética do caminho, elemento protector que gera sombra sobre uma pedra onde o caminheiro pode descansar. É de uma natureza bem distinta, a parede curva, metálica e opaca, que a dupla Pablo Pita (arquitectos Pablo Rebelo e Pedro Pita) ergueu em Ponte da Barca. O gesto foi radical porque o lugar exigia um sistema que isolasse o utilizador/observador, que reenquadrasse a paisagem e encenasse a imaginação.

A reclamação da paisagem insinua-se na proposta de Fernanda Fragateiro que ergueu seis bandeiras com frases de escritores e teóricos, eminentemente políticas, pese embora o teor poético de algumas. A bandeira é um marcador de paisagem para ver ao longe, um signo político, um elemento que imediatamente remete para uma notícia que se espalha. Gosto de pensar na sua intervenção como uma síntese do próprio projecto porque ela obriga a uma deslocação que há-de unir os seis pontos do território onde as seis bandeiras foram instaladas, mas, principalmente, porque integra a dimensão conceptual de definir o que a paisagem é.

Em síntese: poderia refazer várias vezes o comentário ao trabalho de cada autor porque, na verdade, todos vivem de significados contextuais e relacionais, no sentido literal (e rigoroso) das palavras, possuem um valor de uso e admitem uma pluralidade de perspectivas de leitura. Mas, por mais voltas que desse ao texto, a conclusão seria, possivelmente, a mesma: espectacularidade mínima, monumentalidade zero, retórica nenhuma. Uma vontade de enraizamento parece ter pairado sobre todos os agentes envolvidos no projecto, para benefício de quantos que caminham à sua procura.

Para saber mais sobre o projecto: www.desencaminharte.altominho.pt

 


Laura Castro

 

 


:::

 


Notas

[1] LIPPARD, Lucy (ed.) – Overlay: Contemporary Art and the Art of Prehistory. New York: The New Press, 1983.
[2] Ver sistematização em CASTRO, Laura - Exposições de Arte Contemporânea na Paisagem. Antecedentes, práticas actuais e problemática. Porto: Fundação Engº António de Almeida, 2012.
[3] Desencaminharte’18. Arte Aplicada ao Lugar. S.l.: Comunidade Intermunicipal do Alto Minho, 2019. Coordenação editorial de Hodos. Textos de Walter Hugo Mãe, Laura Castro, Mariana Pestana, documentário fotográfico de Filipa Frois Almeida.
[4] Coordenação geral: FAHR (Filipa Frois Almeida e Hugo Reis) & AF (Andreia Faria). Programação e gestão de projetos: HODOS (FAHR; depA – Carlos Azevedo, João Crisóstomo, Luís Sobral; Still Urban Design – Sofia Pera Fernandes). Produção: Andreia Faria.
[5] Hamish Fulton. A Conversation with Hamish Fulton at Domaine de Kerguehennec by Thomas A. Clarck. Bignan: Domaine de Kerguehennec, 1989, p. 3.