Links

OPINIÃO


Fotografia: Jana Gellinck


Keynote speech, Eric Corijn. Fotografia: ApitzSabrina no Twitter.


Sessão City of Arrival. Fotografia: Jana Gellinck


Sessão Meanwhile in the Countryside: Come over for a cup of tea and a biscuit and share what matters to you. Fotografia: Encounters Arts


Sessão Arts and Civic Movements. Fotografia: Jana Gellinck

Outros artigos:

CONSTANÇA BABO

2018-07-29
VER AS VOZES DOS ARTISTAS NO METRO DO PORTO, COM CURADORIA DE MIGUEL VON HAFE PÉREZ

JOANA CONSIGLIERI

2018-06-14
EXPANSÃO DA ARTE POR LISBOA, DUAS VISÕES DE FEIRAS DE ARTE: ARCOLISBOA E JUSTLX - FEIRAS INTERNACIONAIS DE ARTE CONTEMPORÂNEA

RUI MATOSO

2018-05-12
E AGORA, O QUE FAZEMOS COM ISTO?

HELENA OSÓRIO

2018-03-30
PARTE II - A FAMOSA RAINHA NZINGA (OU NJINGA) – TÃO AMADA, QUANTO TEMIDA E ODIADA, EM ÁFRICA E NO MUNDO

HELENA OSÓRIO

2018-02-28
PARTE I - A RAINHA NZINGA E O TRAJE NA PERSPECTIVA DE GRACINDA CANDEIAS: 21 OBRAS DOADAS AO CONSULADO-GERAL DA REPÚBLICA DE ANGOLA NO PORTO. POLÉMICAS DO SÉCULO XVII À ATUALIDADE

FERNANDA BELIZÁRIO E RITA ALCAIRE

2017-12-23
O QUE HÁ DE QUEER EM QUEERMUSEU?

ALEXANDRA JOÃO MARTINS

2017-11-11
O QUE PODE O CINEMA?

LUÍS RAPOSO

2017-10-08
A CASA DA HISTÓRIA EUROPEIA: AFINAL A MONTANHA NÃO PARIU UM RATO, MAS QUASE

MARC LENOT

2017-09-03
CORPOS RECOMPOSTOS

MARC LENOT

2017-07-29
QUER PASSAR A NOITE NO MUSEU?

LUÍS RAPOSO

2017-06-30
PATRIMÓNIO CULTURAL E MUSEUS: O QUE ESTÁ POR DETRÁS DOS “CASOS”

MARZIA BRUNO

2017-05-31
UM LAMPEJO DE LIBERDADE

SERGIO PARREIRA

2017-04-26
ENTREVISTA COM AMANDA COULSON, DIRETORA ARTÍSTICA DA VOLTA FEIRA DE ARTE

LUÍS RAPOSO

2017-03-30
A TRAGICOMÉDIA DA DESCENTRALIZAÇÃO, OU DE COMO SE ARRISCA ESTRAGAR UMA BOA IDEIA

SÉRGIO PARREIRA

2017-03-03
ARTE POLÍTICA E DE PROTESTO | THE TRUMP EFFECT

LUÍS RAPOSO

2017-01-31
ESTATÍSTICAS, MUSEUS E SOCIEDADE EM PORTUGAL - PARTE 2: O CURTO PRAZO

LUÍS RAPOSO

2017-01-13
ESTATÍSTICAS, MUSEUS E SOCIEDADE EM PORTUGAL – PARTE 1: O LONGO PRAZO

SERGIO PARREIRA

2016-12-13
A “ENTREGA” DA OBRA DE ARTE

ANA CRISTINA LEITE

2016-11-08
A MINHA VISITA GUIADA À EXPOSIÇÃO...OU COISAS DO CORAÇÃO

NATÁLIA VILARINHO

2016-10-03
ATLAS DE GALANTE E BORRALHO EM LOULÉ

MARIA LIND

2016-08-31
NAZGOL ANSARINIA – OS CONTRASTES E AS CONTRADIÇÕES DA VIDA NA TEERÃO CONTEMPORÂNEA

LUÍS RAPOSO

2016-06-23
“RESPONSABILIDADE SOCIAL”, INVESTIMENTO EM ARTE E MUSEUS: OS PONTOS NOS IS

TERESA DUARTE MARTINHO

2016-05-12
ARTE, AMOR E CRISE NA LONDRES VITORIANA. O LIVRO ADOECER, DE HÉLIA CORREIA

LUÍS RAPOSO

2016-04-12
AINDA OS PREÇOS DE ENTRADA EM MUSEUS E MONUMENTOS DE SINTRA E BELÉM-AJUDA: OS DADOS E UMA PROPOSTA PARA O FUTURO

DÁRIA SALGADO

2016-03-18
A PAISAGEM COMO SUPORTE DE REPRESENTAÇÃO CINEMATOGRÁFICA NA OBRA DE ANDREI TARKOVSKY

VICTOR PINTO DA FONSECA

2016-02-16
CORAÇÃO REVELADOR

MIRIAN TAVARES

2016-01-06
ABSOLUTELY

CONSTANÇA BABO

2015-11-28
A PROCURA DE FELICIDADE DE WOLFGANG TILLMANS

INÊS VALLE

2015-10-31
A VERDADEIRA MUDANÇA ACABA DE COMEÇAR | UMA ENTREVISTA COM O GALERISTA ZIMBABUEANO JIMMY SARUCHERA PELA CURADORA INDEPENDENTE INÊS VALLE

MARIBEL MENDES SOBREIRA

2015-09-17
PARA UMA CONCEPÇÃO DA ARTE SEGUNDO MARKUS GABRIEL

RENATO RODRIGUES DA SILVA

2015-07-22
O CONCRETISMO E O NEOCONCRETISMO NO BRASIL: ELEMENTOS PARA REFLEXÃO CRÍTICA

LUÍS RAPOSO

2015-07-02
PATRIMÓNIO CULTURAL E OS MUSEUS: VISÃO ESTRATÉGICA | PARTE 2: O PRESENTE/FUTURO

LUÍS RAPOSO

2015-06-17
PATRIMÓNIO CULTURAL E OS MUSEUS: VISÃO ESTRATÉGICA | PARTE 1: O PASSADO/PRESENTE

ALBERTO MORENO

2015-05-13
OS CORVOS OLHAM-NOS

Ana Cristina Alves

2015-04-12
PSICOLOGIA DA ARTE – ENTREVISTA A ANTÓNIO MANUEL DUARTE

J.J. Charlesworth

2015-03-12
COMO NÃO FAZER ARTE PÚBLICA

JOSÉ RAPOSO

2015-02-02
FILMES DE ARTISTA: O ESPECTRO DA NARRATIVA ENTRE O CINEMA E A GALERIA.

MARIA LIND

2015-01-05
UM PARQUE DE DIVERSÕES EM PARIS RELEMBRA UM CONTO DE FADAS CLÁSSICO

Martim Enes Dias

2014-12-05
O PRINCÍPIO DO FUNDAMENTO: A BIENAL DE VENEZA EM 2014

MARIA LIND

2014-11-11
O TRIUNFO DOS NERDS

Jonathan T.D. Neil

2014-10-07
A ARTE É BOA OU APENAS VALIOSA?

José Raposo

2014-09-08
RUMORES DE UMA REVOLUÇÃO: O CÓDIGO ENQUANTO MEIO.

Mike Watson

2014-08-04
Em louvor da beleza

Ana Catarino

2014-06-28
Project Herácles, quando arte e política se encontram no Parlamento Europeu

Luís Raposo

2014-05-27
Ingressos em museus e monumentos: desvario e miopia

Filipa Coimbra

2014-05-06
Tanto Mar - Arquitectura em DERIVAção | Parte 2

Filipa Coimbra

2014-04-15
Tanto Mar - Arquitectura em DERIVAção | Parte 1

Rita Xavier Monteiro

2014-02-25
O AGORA QUE É LÁ

Aimee Lin

2014-01-15
ZENG FANZHI

FILIPE PINTO

2013-12-20
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 4 de 4)

FILIPE PINTO

2013-11-28
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 3 de 4)

FILIPE PINTO

2013-10-25
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 2 de 4)

FILIPE PINTO

2013-09-16
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 1 de 4)

JULIANA MORAES

2013-08-12
O LUGAR DA ARTE: O “CASTELO”, O LABIRINTO E A SOLEIRA

JUAN CANELA

2013-07-11
PERFORMING VENICE

JOSÉ GOMES PINTO (ECATI/ULHT)

2013-05-05
ARTE E INTERACTIVIDADE

PEDRO CABRAL SANTO

2013-04-11
A IMAGEM EM MOVIMENTO NO CONTEXTO ESPECÍFICO DAS ARTES PLÁSTICAS EM PORTUGAL

MARCELO FELIX

2013-01-08
O ESPAÇO E A ORLA. 50 ANOS DE ‘OS VERDES ANOS’

NUNO MATOS DUARTE

2012-12-11
SOBRE A PERTINÊNCIA DAS PRÁTICAS CONCEPTUAIS NA FOTOGRAFIA CONTEMPORÂNEA

FILIPE PINTO

2012-11-05
ASSEMBLAGE TROCKEL

MIGUEL RODRIGUES

2012-10-07
BIRD

JOSÉ BÁRTOLO

2012-09-21
CHEGOU A HORA DOS DESIGNERS

PEDRO PORTUGAL

2012-09-07
PORQUE É QUE OS ARTISTAS DIZEM MAL UNS DOS OUTROS + L’AFFAIRE VASCONCELOS

PEDRO PORTUGAL

2012-08-06
NO PRINCÍPIO ERA A VERBA

ANA SENA

2012-07-09
AS ARTES E A CRISE ECONÓMICA

MARIA BEATRIZ MARQUILHAS

2012-06-12
O DECLÍNIO DA ARTE: MORTE E TRANSFIGURAÇÃO (II)

MARIA BEATRIZ MARQUILHAS

2012-05-21
O DECLÍNIO DA ARTE: MORTE E TRANSFIGURAÇÃO (I)

JOSÉ CARLOS DUARTE

2012-03-19
A JANELA DAS POSSIBILIDADES. EM TORNO DA SÉRIE TELEVISION PORTRAITS (1986–) DE PAUL GRAHAM.

FILIPE PINTO

2012-01-16
A AUTORIDADE DO AUTOR - A PARTIR DO TRABALHO DE DORIS SALCEDO (SOBRE VAZIO, SILÊNCIO, MUDEZ)

JOSÉ CARLOS DUARTE

2011-12-07
LOUISE LAWLER. QUALQUER COISA ACERCA DO MUNDO DA ARTE, MAS NÃO RECORDO EXACTAMENTE O QUÊ.

ANANDA CARVALHO

2011-10-12
RE-CONFIGURAÇÕES NO SISTEMA DA ARTE CONTEMPORÂNEA - RELATO DA CONFERÊNCIA DE ROSALIND KRAUSS NO III SIMPÓSIO DE ARTE CONTEMPORÂNEA DO PAÇO DAS ARTES

MARIANA PESTANA

2011-09-23
ARQUITECTURA COMISSÁRIA: TODOS A BORDO # THE AUCTION ROOM

FILIPE PINTO

2011-07-27
PARA QUE SERVE A ARTE? (sobre espaço, desadequação e acesso) (2.ª parte)

FILIPE PINTO

2011-07-08
PARA QUE SERVE A ARTE? (sobre espaço, desadequação e acesso) (1ª parte)

ROSANA SANCIN

2011-06-14
54ª BIENAL DE VENEZA: ILLUMInations

SOFIA NUNES

2011-05-17
GEDI SIBONY

SOFIA NUNES

2011-04-18
A AUTONOMIA IMPRÓPRIA DA ARTE EM JACQUES RANCIÈRE

PATRÍCIA REIS

2011-03-09
IMAGE IN SCIENCE AND ART

BÁRBARA VALENTINA

2011-02-01
WALTER BENJAMIN. O LUGAR POLÍTICO DA ARTE

UM LIVRO DE NELSON BRISSAC

2011-01-12
PAISAGENS CRÍTICAS

FILIPE PINTO

2010-11-25
TRINTA NOTAS PARA UMA APROXIMAÇÃO A JACQUES RANCIÈRE

PAULA JANUÁRIO

2010-11-08
NÃO SÓ ALGUNS SÃO CHAMADOS MAS TODA A GENTE

SHAHEEN MERALI

2010-10-13
O INFINITO PROBLEMA DO GOSTO

PEDRO PORTUGAL

2010-09-22
ARTE PÚBLICA: UM VÍCIO PRIVADO

FILIPE PINTO

2010-06-09
A PROPÓSITO DE LA CIENAGA DE LUCRECIA MARTEL (Sobre Tempo, Solidão e Cinema)

TERESA CASTRO

2010-04-30
MARK LEWIS E A MORTE DO CINEMA

FILIPE PINTO

2010-03-08
PARA UMA CRÍTICA DA INTERRUPÇÃO

SUSANA MOUZINHO

2010-02-15
DAVID CLAERBOUT. PERSISTÊNCIA DO TEMPO

SOFIA NUNES

2010-01-13
O CASO DE JOS DE GRUYTER E HARALD THYS

ISABEL NOGUEIRA

2009-10-26
ANOS 70 – ATRAVESSAR FRONTEIRAS

LUÍSA SANTOS

2009-09-21
OS PRÉMIOS E A ASSINATURA INDEX:

CAROLINA RITO

2009-08-22
A NATUREZA DO CONTEXTO

LÍGIA AFONSO

2009-08-03
DE QUEM FALAMOS QUANDO FALAMOS DE VENEZA?

LUÍSA SANTOS

2009-07-10
A PROPÓSITO DO OBJECTO FOTOGRÁFICO

LUÍSA SANTOS

2009-06-24
O LIVRO COMO MEIO

EMANUEL CAMEIRA

2009-05-31
LA SPÉCIALISATION DE LA SENSIBILITÉ À L’ ÉTAT DE MATIÈRE PREMIÈRE EN SENSIBILITÉ PICTURALE STABILISÉE

ROSANA SANCIN

2009-05-23
RE.ACT FEMINISM_Liubliana

IVO MESQUITA E ANA PAULA COHEN

2009-05-03
RELATÓRIO DA CURADORIA DA 28ª BIENAL DE SÃO PAULO

EMANUEL CAMEIRA

2009-04-15
DE QUE FALAMOS QUANDO FALAMOS DE TEHCHING HSIEH? *

MARTA MESTRE

2009-03-24
ARTE CONTEMPORÂNEA NOS CAMARÕES

MARTA TRAQUINO

2009-03-04
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA III_A ARTE COMO UM ESTADO DE ENCONTRO

PEDRO DOS REIS

2009-02-18
O “ANO DO BOI” – PREVISÕES E REFLEXÕES NO CONTEXTO ARTÍSTICO

MARTA TRAQUINO

2009-02-02
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA II_DO ESPAÇO AO LUGAR: FLUXUS

PEDRO PORTUGAL

2009-01-08
PORQUÊ CONSTRUIR NOVAS ESCOLAS DE ARTE?

MARTA TRAQUINO

2008-12-18
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA I

SANDRA LOURENÇO

2008-12-02
HONG KONG A DÉJÀ DISPARU?

PEDRO DOS REIS

2008-10-31
ARTE POLÍTICA E TELEPRESENÇA

PEDRO DOS REIS

2008-10-15
A ARTE NA ERA DA TECNOLOGIA MÓVEL

SUSANA POMBA

2008-09-30
SOMOS TODOS RAVERS

COLECTIVO

2008-09-01
O NADA COMO TEMA PARA REFLEXÃO

PEDRO PORTUGAL

2008-08-04
BI DA CULTURA. Ou, que farei com esta cultura?

PAULO REIS

2008-07-16
V BIENAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE | PARTILHAR TERRITÓRIOS

PEDRO DOS REIS

2008-06-18
LISBOA – CULTURE FOR LIFE

PEDRO PORTUGAL

2008-05-16
SOBRE A ARTICIDADE (ou os artistas dentro da cidade)

JOSÉ MANUEL BÁRTOLO

2008-05-05
O QUE PODEM AS IDEIAS? REFLEXÕES SOBRE OS PERSONAL VIEWS

PAULA TAVARES

2008-04-22
BREVE CARTOGRAFIA DAS CORRENTES DESCONSTRUTIVISTAS FEMINISTAS

PEDRO DOS REIS

2008-04-04
IOWA: UMA SELECÇÃO IMPROVÁVEL, NUM LUGAR INVULGAR

CATARINA ROSENDO

2008-03-31
ROGÉRIO RIBEIRO (1930-2008): O PINTOR QUE ABRIU AO TEXTO

JOANA LUCAS

2008-02-18
RUY DUARTE DE CARVALHO: pela miscigenação das artes

DANIELA LABRA

2008-01-16
O MEIO DA ARTE NO BRASIL: um Lugar Nenhum em Algum Lugar

LÍGIA AFONSO

2007-12-24
SÃO PAULO JÁ ESTÁ A ARDER?

JOSÉ LUIS BREA

2007-12-05
A TAREFA DA CRÍTICA (EM SETE TESES)

SÍLVIA GUERRA

2007-11-11
ARTE IBÉRICA OU O SÍNDROME DO COLECCIONADOR LOCAL

SANDRA VIEIRA JURGENS

2007-11-01
10ª BIENAL DE ISTAMBUL

TERESA CASTRO

2007-10-16
PARA ALÉM DE PARIS

MARCELO FELIX

2007-09-20
TRANSNATURAL. Da Vida dos Impérios, da Vida das Imagens

LÍGIA AFONSO

2007-09-04
skulptur projekte münster 07

JOSÉ BÁRTOLO

2007-08-20
100 POSTERS PARA UM SÉCULO

SOFIA PONTE

2007-08-02
SOBRE UM ESTADO DE TRANSIÇÃO

INÊS MOREIRA

2007-07-02
GATHERING: REECONTRAR MODOS DE ENCONTRO

FILIPA RAMOS

2007-06-14
A Arte, a Guerra e a Subjectividade – um passeio pelos Giardini e Arsenal na 52ª BIENAL DE VENEZA

SÍLVIA GUERRA

2007-06-01
MAC/VAL: Zones de Productivités Concertées. # 3 Entreprises singulières

NUNO CRESPO

2007-05-02
SEXO, SANGUE E MORTE

HELENA BARRANHA

2007-04-17
O edifício como “BLOCKBUSTER”. O protagonismo da arquitectura nos museus de arte contemporânea

RUI PEDRO FONSECA

2007-04-03
A ARTE NO MERCADO – SEUS DISCURSOS COMO UTOPIA

ALBERTO GUERREIRO

2007-03-16
Gestão de Museus em Portugal [2]

ANTÓNIO PRETO

2007-02-28
ENTRE O SPLEEN MODERNO E A CRISE DA MODERNIDADE

ALBERTO GUERREIRO

2007-02-15
Gestão de Museus em Portugal [1]

JOSÉ BÁRTOLO

2007-01-29
CULTURA DIGITAL E CRIAÇÃO ARTÍSTICA

MARCELO FELIX

2007-01-16
O TEMPO DE UM ÍCONE CINEMATOGRÁFICO

PEDRO PORTUGAL

2007-01-03
Artória - ARS LONGA VITA BREVIS

ANTÓNIO PRETO

2006-12-15
CORRESPONDÊNCIAS: Aproximações contemporâneas a uma “iconologia do intervalo”

ROGER MEINTJES

2006-11-16
MANUTENÇÃO DE MEMÓRIA: Alguns pensamentos sobre Memória Pública – Berlim, Lajedos e Lisboa.

LUÍSA ESPECIAL

2006-11-03
PARA UMA GEOSOFIA DAS EXPOSIÇÕES GLOBAIS. Contra o safari cultural

ANTÓNIO PRETO

2006-10-18
AS IMAGENS DO QUOTIDIANO OU DE COMO O REALISMO É UMA FRAUDE

JOSÉ BÁRTOLO

2006-10-01
O ESTADO DO DESIGN. Reflexões sobre teoria do design em Portugal

JOSÉ MAÇÃS DE CARVALHO

2006-09-18
IMAGENS DA FOTOGRAFIA

INÊS MOREIRA

2006-09-04
ELLIPSE FOUNDATION - NOTAS SOBRE O ART CENTRE

MARCELO FELIX

2006-08-17
BAS JAN ADER, TRINTA ANOS SOBRE O ÚLTIMO TRAJECTO

JORGE DIAS

2006-08-01
UM PERCURSO POR SEGUIR

SÍLVIA GUERRA

2006-07-14
A MOLDURA DO CINEASTA

AIDA CASTRO

2006-06-30
BIO-MUSEU: UMA CONDIÇÃO, NO MÍNIMO, TRIPLOMÓRFICA

COLECTIVO*

2006-06-14
NEM TUDO SÃO ROSEIRAS

LÍGIA AFONSO

2006-05-17
VICTOR PALLA (1922 - 2006)

JOÃO SILVÉRIO

2006-04-12
VIENA, 22 a 26 de Março de 2006


CAN WE LISTEN? (PODEMOS OUVIR?)



MARIA VLACHOU

2018-01-25




 
IETM – International Network for Contemporary Performing Arts é uma rede com mais de 500 membros institucionais e individuais que, de acordo com a sua missão, defende o valor das artes e da cultura num mundo em constante mudança, que trabalha para dar aos profissionais das artes performativas acesso ao conhecimento e a ligações internacionais e que procura tornar este meio mais inclusivo e diverso. Organiza dois encontros plenários anuais, sendo que o último, em que tivémos a oportunidade de participar, se realizou em Bruxelas, nos dias 23 a 26 de Novembro 2017.

Can we talk? Art in the Age of Populism foi o título muito estimulante deste encontro, que convidava a reflectir sobre questões actuais e urgentes: O que é o populismo? Uma ameaça à democracia ou a sua última esperança? É mau por natureza ou será o disfarce com o qual emerge? O sector das artes pode fazer algo para resistir à histeria populista e à polarização que esta provoca? E nós, como profissionais e como cidadãos, podemos fazer rebentar a bolha em que ficámos presos e envolver-nos mais com os nossos co-cidadãos?

Erik Corijn, professor de Geografia Social e Cultural na Vrije Universiteit Brussel e keynote speaker, abriu o encontro com um discurso claro e cativante, que criou uma boa base para as questões que seriam discutidas nos dias seguintes. Considera que o populismo é um sintoma da crise da democracia representativa e afirmou que, na forma como se apresenta, nada tem a ver com o “popular”. Os que falam em nome do “povo”, em nome dos que ficaram esquecidos e marginalizados pelas elites e que não têm voz, pertencem eles próprios a elites e raramente a estratos sociais mais populares. Apresentam ainda uma visão bastante autoritária de representatividade (são o líder, o führer, o pai da nação).

A seguir, Korijn fez-nos pensar sobre “as pessoas”: Quem é “o povo” que legitima o poder? Quem faz parte, quem é membro, quem é cidadão? Olhou para a história europeia e assinalou a diferença entre a república que resultou da revolução francesa, onde para se ser cidadão bastava aceitar os valores dessa república; e os estados-nações na Europa do século XIX, onde o pertencer ao ethnos (nação) não era o resultado de uma livre escolha ou de um contrato social, mas sim, da existência de laços comuns (uma história, uma identidade, uma língua, uma alma colectiva, um modo de vida, uma cultura particular). Assim, a nacionalidade torna-se na base da cidadania e tem um formato cultural. Existe uma narrativa comum representada na política, na educação, na cultura. É graças a essa narrativa que alguns populistas falam em nome das “pessoas” sem sequer lhes perguntar.

Corijn assinalou que, equanto o mercado, a economia e as finanças se tornaram globais, a democracia, a cultura e a representação permaneceram nacionais. Os governos passaram a regular a sociedade em função da competição global, em vez de regularem a economia em função de objectivos sociais. Os parlamentos submeteram-se aos governos e os governos às novas teorias de gestão pública que regulam políticas nacionais sem haver discussão política. Trata-se de um declínio do controlo democrático que, na opinião de Corijn, se torna ainda mais acentuado nas cidades - mais híbridas, mais mistas - que fogem ao “molde” da nação. As cidades, para serem representadas, precisam de mais consultoria, mais participação, mais co-produção; precisam de uma democracia participativa.

A democracia, diz Corijn, precisa de um demos (povo), mas continua a ser dominada pelo ethnos (nação). Enquanto a pertença a este último requer uma identidade comum, no mundo urbanisado precisamos de aprender a viver com base na diferença. O modelo de construir sociedades com base na integração numa estabelecida comunidade nacional não funciona aqui. As cidades têm múltiplas comunidades a serem integradas numa sociedade.

Corijn concluiu dizendo que nas cidades temos que repensar o lugar da cultura num contexto extremamente diverso. As artes, o sector artístico e os artistas assumem um posição central na reconstrução de uma visão colectiva, de uma nova narrativa inclusiva, de uma democracia reinventada. Isto porque os media, a educação e outras formas de socialização, as instituições para a reprodução socio-cultural, trabalham ainda com base em velhos modelos. A remodelação do imaginário, propor formas de imaginação e expressão simbólica, é precisamente a profissão dos artistas. A arte e a pesquisa científica estão no coração da sociedade do conhecimento.

O discurso de Eric Corijn foi muito estimulante, apesar de apresentar algumas fragilidades, que se tornaram mais evidentes na altura das perguntas e respostas. Questões como as condições de representação dos cidadãos que não são “homens – brancos – heterossexuais – sem incapacidades – instruidos” (como Corijn) ou a segurança das “cidades-demos” que se querem independentes dos “estados-ethnos”, ficaram sem resposta. Há ainda muito em que pensar, mas o discurso de Corijn foi uma excelente forma de dar início a três dias de intensa reflexão.

A super-diversidade das cidades foi o tema de uma sessão específica neste encontro, chamada City of Arrival, que teve como ponto de partida a própria cidade de Bruxelas. Dirk Geldof, autor do livro Superdiversity in the heart of Europe (2016), falou do conceito da “superdiversidade”, que vai além da multiculturalidade. Hoje, a maioria dos residentes em muitas das grandes cidades europeias é de origem estrangeira. No entanto, a característica mais relevante desta superdiversidade é a sua “lenta e muitas vezes contestada” normalização, algo que se reflecte no facto de vários contextos permanecerem muito “brancos”, inclusivamente o mundo da cultura e das artes, tornando-se num assunto que deverá ser visto como um assunto de gestão central em organizações como museus e teatros. A discussão que se gerou tocou em pontos essenciais. Ao mesmo tempo que algumas pessoas reclamavam pela falta de espaço e representatividade na administração das organizações culturais (sugerindo que o financiamento público fosse cortado àquelas entidades que não procuram garantir estes requisitos e que os administradores brancos fossem afastados para deixar espaço para outros), outras defendiam que não poderá haver avanços com acções punitivas, que deveremos considerar a partilha do espaço e a colaboração e que deveremos preocupar-nos igualmente com a não exclusão dos brancos, reconhecendo que a mudança provoca medo em pessoas que, até agora, se sentiam seguras e mostrando-nos sensíveis a este facto.

Numa outra sessão, chamada Meanwhile in the Countryside, fomos transportados do mundo das cidades para o campo. A sinopse citava o arquitecto Rem Koolhaas que disse que não se pode entender a cidade sem se entender o campo. O campo está a atravessar uma profunda transformação e considera-se que as populações que residem fora dos centros urbanos são mais susceptíveis aos discursos populistas. Será porque sentem que não são ouvidas, que são invisíveis? Será porque 90% do financiamento para a cultura é investido nas cidades, enquanto 40% da população europeia reside no campo? Houve algumas referências nesta sessão que nos pareceram muito relevantes: primeiro, falou-se da re-orientação do financiamento da Cultura na Inglaterra, através do Arts Council, para a criação cultural e artística desenvolvida com os cidadãos e fora dos grandes centros urbanos e das organizações culturais mainstream (ao mesmo tempo que se publicava o estudo do King’s College London Towards Cultural Democracy: promoting cultural capabilities for everyone). A segunda referência que nos pareceu muito relevante é que ao campo não falta Cultura, não se trata apenas de “levar coisas para lá”. É preciso procurar saber quem é que vive em determinado território, ouvir activamente, conhecer as histórias dessas pessoas e apresentar “mais histórias locais para palcos locais”. É preciso ainda não seguir apenas as expectativas (“Não nos dês o que queremos. Dá-nos o que não somos capazes de imaginar”, exclamou o habitante de uma aldeia dinamarquesa à artista Lene Noer). Falou-se ainda da responsabilidade dos artistas para com as comunidades com as quais trabalham e da importância da permanências nesses territórios por períodos de 3 a 5 anos, para lidar também com os impactos do trabalho que está a ser desenvolvido.

A última sessão em que tivemos a oportunidade de participar chamava-se Arts and Civic Movements. Apesar de uma introdução algo incompreensível na sinopse da sessão (“Hoje os artistas perderam a vontade de questionar o mundo como outsiders”), que gerou alguma discussão, o que se tornou rapidamente evidente é que muitos artistas e colectivos pretendem participar activamente nas discussões que estão a ter lugar na sociedade, pretendem intervir e tentar influenciar o rumo dos acontecimentos. De acordo com Nick Millet, director artístico da organização Elapse em França, o acto de questionar, que é a essência das artes, inicia logo efeitos políticos na sociedade. Thomas Edder, da LAFT Berlin, acrescentou que as artes questionam rotinas e se o público se envolve neste questionamento, abre-se um espaço para a mudança. Durante a discussão, tornou-se evidente que não se espera que as artes possam combater o populismo. No entanto, podem fornecer alguma energia para uma maior participação no debate crítico. A questão do financiamento, e das limitações que implica (também no que diz respeito à auto-censura) foi amplamente discutida nesta sessão, assim como a necessidade dos artistas e dos profissionais da cultura em geral saírem da bolha em que têm vivido confortavelmente todo este tempo, aparentemente desligados do mundo e, por isso, apanhados do surpresa com recentes desenvolvimentos políticos na Europa e nos EUA. Sugeriu-se a leitura da entrevista de Adam Curtis, cineasta e produtor da BBC, intitulada Is the Artworld Responsible for Trump?

A sessão Meanwhile in the Countryside tinha começado com um pequeno vídeo com o filósofo John Berger, que falava do acto de ouvir. Ouvir, dizia Berger, parece ser uma condição passiva, mas é um acto. Muitos discursos e o posicionamento de várias pessoas nos debates foram marcados pela necessidade de classificar pessoas e acções como “de direita” ou “de esquerda”. Esta classificação tem várias extensões: estúpidos ou inteligentes; xenófobos ou tolerantes; no fundo, bons ou maus. É algo que resulta, muitas vezes, num “desligar” da escuta activa e intensifica a polarização que se verifica hoje em muitas sociedades. Como profissionais da cultura, é para isso que queremos contribuir? Ficámos, por isso, a pensar se a questão essencial neste momento, mais do que se somos capazes de falar (Can we talk?), não será se somos capazes de ouvir (Can we listen?).

Pensamos que a falta de empatia é um dado muito preocupante na nossa vida em comum - em sociedade -, na cidade e no campo. A Cultura deveria reflectir sobre o como poderá contribuir para a criação de espaços mais empáticos, que possam garantir um diálogo aberto, por mais que desconfortável. Tendo como base a intenção honesta de todos os participantes em reflectir sobre a vida em comum, os espaços culturais podem ser lugares onde as pessoas possam falar e ser ouvidas. Devemos tomar consciência de que o acto de ouvir poderá ser o que realmente constitui activismo ou, melhor, um ponto de partida para o activismo. A referência feita por alguns participantes no encontro do IETM à bolha em que nos habituámos a viver confortavelmente, ao reconhecimento do medo que uma grande parte da população sente em relação às transformações que estão a ter lugar na sociedade, foram para nós um sinal de que uma parte do sector cultural (artistas e gestores) começa a ouvir.

 

 

Maria Vlachou
Participou no encontro do IETM como Directora Executiva da Acesso Cultura, com o apoio da Direcção-Geral das Artes. É consultora em Gestão e Comunicação Cultural e autora do blog Musing on Culture (e do livro homónimo), onde escreve sobre cultura, gestão e comunicação cultural, públicos, acesso. Gestora da página de Facebook Museum texts / Textos em Museus e co-gestora do blog Museums and Migration. Foi Directora de Comunicação do São Luiz Teatro Municipal (2006-2012) e Responsável de Comunicação do Pavilhão do Conhecimento – Ciência Viva (2001-2006). Foi consultora do Museu Arpad Szenes – Vieira da Silva e da Comissão Cultural da Marinha. Colaborou com os programas Descobrir e Próximo Futuro da Fundação Calouste Gulbenkian. Fellow e membro do ISPA – International Society for the Performing Arts (2018); Alumna do DeVos Institute of Arts Management at the Kennedy Center for the Performing Arts (Washington, 2011-2013); Mestre em Museologia pela University College London (1994); Licenciada em História e Arqueologia (Universidade de Ioannina, Grécia, 1992).

 

:::

 

Recursos disponibilizados pelo IETM:
- Resumo do encontro 
- Vídeo e transcrição do keynote speech de Erik Corijn Art in the Age of Populism
- Resumo da sessão City of arrival
- Resumo da sessão Meanwhile in the countryside 
- Resumo da sessão Art and Civic Movements