Links

SNAPSHOT. NO ATELIER DE...

































Outros registos:

Valter Vinagre



Andrés Galeano



João Pedro Fonseca



Pedro Proença



Tiago Baptista



António Guimarães Ferreira



João Seguro



Isabel Madureira Andrade



Fernando Marques Penteado



Virgílio Ferreira



Antonio Fiorentino



Alexandre Conefrey



Filipe Cortez



João Fonte Santa



André Sier



Rui Algarvio



Rui Calçada Bastos



Paulo Quintas



Miguel Ângelo Rocha



Miguel Palma



Miguel Bonneville



Ana Tecedeiro



João Pedro Vale e Nuno Alexandre Ferreira



João Serra



André Gomes



Pauliana Valente Pimentel



Christine Henry



Joanna Latka



Fabrizio Matos



Andrea Brandão e Daniel Barroca



Jarosław Fliciński



Pedro Gomes



Pedro Calapez



João Jacinto



Atelier Concorde



Noronha da Costa



Pedro Valdez Cardoso



João Queiroz



Pedro Pousada



Gonçalo Pena



São Trindade



Inez Teixeira



Binelde Hyrcan



Délio Jasse



Nástio Mosquito



José Pedro Cortes




ANTÓNIO JÚLIO DUARTE

LIZ VAHIA


 


O sentido de viagem, de itinerância, de mapeamento, percorre a obra de António Júlio Duarte. Uma viagem de descoberta para o fotógrafo e para o espectador, onde o lugar se revela como espaço da intimidade e as imagens são marcas dessa atenção precisa sobre a dimensão humana dos objectos e dos lugares. Há um contínuo de rostos ocultos na série de fotografias que compõem o novo livro de António Júlio Duarte. Por ocasião do lançamento este mês, fomos falar com o fotógrafo sobre o seu processo de trabalho, entre o fotografar, o editar e o mostrar. A necessidade de regressar é tão forte como a de partir.


>>>>>>


LV: Japan Drug é o teu terceiro livro e vai ser apresentado no dia 23 de Maio na STET [1]. Queres dar-nos uma antevisão do que vamos encontrar?

AJD: É um trabalho que já foi feito há bastante tempo, em 1997. Na altura fiz uma exposição e em seguida um catálogo, mas foi um trabalho que nunca tinha ficado resolvido. A exposição talvez não fosse a melhor maneira de resolver aquele corpo de trabalho. E o trabalho ficou parado estes anos todos, até que surgiu uma oportunidade, e uma vontade minha, de olhar outra vez para ele. De alguma forma pedia para ser um livro.


LV: O livro faz com que o público se relacione de modo diferente com o teu trabalho?

AJD: Eu penso sempre os trabalhos como livros, mesmo quando não são para serem um livro. O livro é a forma ideal de apresentar um trabalho. Quando faço um trabalho de edição, quando estou a editar material para fazer uma exposição, a minha maneira de trabalhar é como se estivesse a fazer um livro. É o meio por excelência para apresentar e ver fotografia.


LV: É porque há uma relação mais próxima com os trabalhos, mais íntima, arredada do espaço público?

AJD: É tudo isso. Mas isso é mais da parte de quem vê e eu já não tenho nada a ver com isso! O trabalho de edição é das partes que mais me interessa. Interessa-me tanto como fotografar.


LV: As fotografias deste livro datam de 1997, o mesmo ano do material que compôs a tua última exposição no Centro Cultural Vila Flor. [2] Nesse material que expuseste estão incluídas as provas de contacto, o que nos revela um pouco desse processo de selecção e edição de que falas e que geralmente está oculto do público.

AJD: Quando me convidaram a ideia que me propuseram foi a de fazer uma retrospectiva, mas achei que não fazia muito sentido. Decidi então pegar no trabalho feito no Japão numa tentativa de resolver esse trabalho no seu todo. O trabalho não divergia muito da primeira exposição feita em 1999, havia apenas uma mudança de escala, mas mais do que querer mostrar as fotografias, queria mostrar o método, aquilo que não se mostra, o que se faz durante o processo de escolha. Talvez hoje, se tivesse que refazer a exposição de Guimarães, expunha apenas as provas de contacto. As provas de contacto são um bocado como a tua mente funciona, como trabalha, como passa de uma fotografia para a outra, como se vai de um sítio para outro.


LV: Havia um confronto entre o que se mostra e o que ficou por mostrar. Foi ali também que viste a possibilidade de organizar o livro?

AJD: Como estava nesse processo de olhar para o trabalho que tinha feito, decidi tornar esse processo público. O ideal teria sido o livro aparecer em simultâneo com as provas de contacto, para confrontar uma escolha minha com uma outra possível escolha, mostrando assim um processo completamente aberto.


LV: Voltar a esse material do Japão é voltar novamente ao Oriente, um motivo persistente no teu trabalho?

AJD: Cada pessoa tem um território em que trabalha, um tema ou seja lá o que for. Eu não tenho propriamente temas de trabalho, mas o Oriente é um território onde me sinto bem. Estou sempre a voltar ao Oriente, mas não sei se volto lá para fotografar, faz parte da minha vida como outras coisas fazem parte.


LV: A tua relação com os espaços, quer sejam interiores ou exteriores, tem sempre qualquer coisa de etnografia pessoal. Há um atentar nos detalhes, um mapeamento das coisas.

AJD: Fotografar é sempre mapear qualquer coisa, uma situação, um sítio, um espaço que pode ser um quarto de hotel, uma rua, um bairro qualquer... E eu gosto de mapear de maneiras diferentes, o pequeno pormenor é tão importante como um olhar geral, abrangente. Fotografar é a maneira como reajo.


LV: Fotografar é uma forma de fazeres sentido sobre um lugar?

AJD: É uma das formas de me relacionar com um lugar. No fundo, a pergunta é ‘porque é que fotografo aquilo que fotografo?’.


LV: Por trás das tuas fotografias há uma relação pessoal com aquele momento e aquele lugar, com aquele objecto, que por mais que tentemos arranjar uma história, vai ser sempre o teu momento escondido e misterioso. Há um certo mistério nas tuas fotografias, concordas?

AJD: Acho que tem que haver. Eu não quero convencer as pessoas de nada, nem arranjar nenhuma justificação. É melhor nem saber. E gosto que as minhas fotografias sejam um espaço para os outros projectarem aquilo que quiserem, que as pessoas se possam apropriar delas e vejam ali o que quiserem.


LV: Tens uma série que se chama “Peepshow”, onde estão algumas destas imagens. Achas que este nome revela o espírito do teu trabalho? A ideia de uma coisa que se olha atentamente, num momento preciso e durante um espaço de tempo, e que está isolada das outras coisas.

AJD: A intensidade com que se olha é muito importante nesta série.


LV: Tens algum sítio que consideres o teu atelier, ou seja, um espaço onde te sintas bem a trabalhar?

AJD: Eu trabalho na rua e o meu espaço de ‘atelier’, por assim dizer, é o espaço onde faço a edição, onde posso pôr as coisas na parede e ordená-las. Pode ser em qualquer lado, basta uma parede branca grande. Sobretudo, o atelier é um espaço de arquivo, um espaço privado para os filmes, as provas de contacto. Normalmente edito em casa, na cozinha. É o melhor sítio porque acordo, faço um café e tenho aquele primeiro olhar sobre as imagens, que ainda é um olhar pouco consciente. E é a altura em que edito melhor, quando não estou completamente acordado. É o momento em que as escolhas são mais espontâneas.

 


>>>>>>

Notas

[1] STET – livros e fotografias: http://stet-livros-fotografias.com/

[2] Japão 1997, exposição no Centro Cultural Vila Flor, Guimarães, de 21 de Setembro a 22 de Dezembro de 2013.