Links

PERSPETIVA ATUAL


Grupo EmpreZa.


Grupo EmpreZa.


Grupo EmpreZa.


Grupo EmpreZa.


Grupo EmpreZa.


Grupo EmpreZa.


Grupo EmpreZa.


Grupo EmpreZa.


Grupo EmpreZa.

Outros artigos:

2018-10-13


MIRIAN TAVARES


2018-09-11


JULIA FLAMINGO


2018-07-25


RUI MATOSO


2018-06-25


MARIA DE FÁTIMA LAMBERT


2018-05-25


MARIA VLACHOU


2018-04-18


BRUNO CARACOL


2018-03-08


VICTOR PINTO DA FONSECA


2018-01-26


ANA BALONA DE OLIVEIRA


2017-12-18


CONSTANÇA BABO


2017-11-12


HELENA OSÓRIO


2017-10-09


PAULA PINTO


2017-09-05


PAULA PINTO


2017-07-26


NATÁLIA VILARINHO


2017-07-17


ANA RITO


2017-07-11


PEDRO POUSADA


2017-06-30


PEDRO POUSADA


2017-05-31


CONSTANÇA BABO


2017-04-26


MARC LENOT


2017-03-28


ALEXANDRA BALONA


2017-02-10


CONSTANÇA BABO


2017-01-06


CONSTANÇA BABO


2016-12-13


CONSTANÇA BABO


2016-11-08


ADRIANO MIXINGE


2016-10-20


ALBERTO MORENO


2016-10-07


ALBERTO MORENO


2016-08-29


NATÁLIA VILARINHO


2016-06-28


VICTOR PINTO DA FONSECA


2016-05-25


DIOGO DA CRUZ


2016-04-16


NAMALIMBA COELHO


2016-03-17


FILIPE AFONSO


2016-02-15


ANA BARROSO


2016-01-08


TAL R EM CONVERSA COM FABRICE HERGOTT


2015-11-28


MARTA RODRIGUES


2015-10-17


ANA BARROSO


2015-09-17


ALBERTO MORENO


2015-07-21


JOANA BRAGA, JOANA PESTANA E INÊS VEIGA


2015-06-20


PATRÍCIA PRIOR


2015-05-19


JOÃO CARLOS DE ALMEIDA E SILVA


2015-04-13


Natália Vilarinho


2015-03-17


Liz Vahia


2015-02-09


Lara Torres


2015-01-07


JOSÉ RAPOSO


2014-12-09


Sara Castelo Branco


2014-11-11


Natália Vilarinho


2014-10-07


Clara Gomes


2014-08-21


Paula Pinto


2014-06-13


Catarina Cabral


2014-05-14


Alexandra Balona


2014-04-17


Ana Barroso


2014-03-18


Filipa Coimbra


2014-01-30


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2013-12-09


SOFIA NUNES


2013-10-18


ISADORA H. PITELLA


2013-09-24


SANDRA VIEIRA JÜRGENS


2013-08-12


ISADORA H. PITELLA


2013-06-27


SOFIA NUNES


2013-06-04


MARIA JOÃO GUERREIRO


2013-05-13


ROSANA SANCIN


2013-04-02


MILENA FÉRNANDEZ


2013-03-12


FERNANDO BRUNO


2013-02-09


ARTECAPITAL


2013-01-02


ZARA SOARES


2012-12-10


ISABEL NOGUEIRA


2012-11-05


ANA SENA


2012-10-08


ZARA SOARES


2012-09-21


ZARA SOARES


2012-09-10


JOÃO LAIA


2012-08-31


ARTECAPITAL


2012-08-24


ARTECAPITAL


2012-08-06


JOÃO LAIA


2012-07-16


ROSANA SANCIN


2012-06-25


VIRGINIA TORRENTE


2012-06-14


A ART BASEL


2012-06-05


dOCUMENTA (13)


2012-04-26


PATRÍCIA ROSAS


2012-03-18


SABRINA MOURA


2012-02-02


ROSANA SANCIN


2012-01-02


PATRÍCIA TRINDADE


2011-11-02


PATRÍCIA ROSAS


2011-10-18


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-09-23


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-07-28


PATRÍCIA ROSAS


2011-06-21


SÍLVIA GUERRA


2011-05-02


CARLOS ALCOBIA


2011-04-13


SÓNIA BORGES


2011-03-21


ARTECAPITAL


2011-03-16


ARTECAPITAL


2011-02-18


MANUEL BORJA-VILLEL


2011-02-01


ARTECAPITAL


2011-01-12


ATLAS - COMO LEVAR O MUNDO ÀS COSTAS?


2010-12-21


BRUNO LEITÃO


2010-11-29


SÍLVIA GUERRA


2010-10-26


SÍLVIA GUERRA


2010-09-30


ANDRÉ NOGUEIRA


2010-09-22


EL CULTURAL


2010-07-28


ROSANA SANCIN


2010-06-20


ART 41 BASEL


2010-05-11


ROSANA SANCIN


2010-04-15


FABIO CYPRIANO - Folha de S.Paulo


2010-03-19


ALEXANDRA BELEZA MOREIRA


2010-03-01


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-02-17


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-01-26


SUSANA MOUZINHO


2009-12-16


ROSANA SANCIN


2009-11-10


PEDRO NEVES MARQUES


2009-10-20


SÍLVIA GUERRA


2009-10-05


PEDRO NEVES MARQUES


2009-09-21


MARTA MESTRE


2009-09-13


LUÍSA SANTOS


2009-08-22


TERESA CASTRO


2009-07-24


PEDRO DOS REIS


2009-06-15


SÍLVIA GUERRA


2009-06-11


SANDRA LOURENÇO


2009-06-10


SÍLVIA GUERRA


2009-05-28


LUÍSA SANTOS


2009-05-04


SÍLVIA GUERRA


2009-04-13


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2009-03-23


PEDRO DOS REIS


2009-03-03


EMANUEL CAMEIRA


2009-02-13


SÍLVIA GUERRA


2009-01-26


ANA CARDOSO


2009-01-13


ISABEL NOGUEIRA


2008-12-16


MARTA LANÇA


2008-11-25


SÍLVIA GUERRA


2008-11-08


PEDRO DOS REIS


2008-11-01


ANA CARDOSO


2008-10-27


SÍLVIA GUERRA


2008-10-18


SÍLVIA GUERRA


2008-09-30


ARTECAPITAL


2008-09-15


ARTECAPITAL


2008-08-31


ARTECAPITAL


2008-08-11


INÊS MOREIRA


2008-07-25


ANA CARDOSO


2008-07-07


SANDRA LOURENÇO


2008-06-25


IVO MESQUITA


2008-06-09


SÍLVIA GUERRA


2008-06-05


SÍLVIA GUERRA


2008-05-14


FILIPA RAMOS


2008-05-04


PEDRO DOS REIS


2008-04-09


ANA CARDOSO


2008-04-03


ANA CARDOSO


2008-03-12


NUNO LOURENÇO


2008-02-25


ANA CARDOSO


2008-02-12


MIGUEL CAISSOTTI


2008-02-04


DANIELA LABRA


2008-01-07


SÍLVIA GUERRA


2007-12-17


ANA CARDOSO


2007-12-02


NUNO LOURENÇO


2007-11-18


ANA CARDOSO


2007-11-17


SÍLVIA GUERRA


2007-11-14


LÍGIA AFONSO


2007-11-08


SÍLVIA GUERRA


2007-11-02


AIDA CASTRO


2007-10-25


SÍLVIA GUERRA


2007-10-20


SÍLVIA GUERRA


2007-10-01


TERESA CASTRO


2007-09-20


LÍGIA AFONSO


2007-08-30


JOANA BÉRTHOLO


2007-08-21


LÍGIA AFONSO


2007-08-06


CRISTINA CAMPOS


2007-07-15


JOANA LUCAS


2007-07-02


ANTÓNIO PRETO


2007-06-21


ANA CARDOSO


2007-06-12


TERESA CASTRO


2007-06-06


ALICE GEIRINHAS / ISABEL RIBEIRO


2007-05-22


ANA CARDOSO


2007-05-12


AIDA CASTRO


2007-04-24


SÍLVIA GUERRA


2007-04-13


ANA CARDOSO


2007-03-26


INÊS MOREIRA


2007-03-07


ANA CARDOSO


2007-03-01


FILIPA RAMOS


2007-02-21


SANDRA VIEIRA JURGENS


2007-01-28


TERESA CASTRO


2007-01-16


SÍLVIA GUERRA


2006-12-15


CRISTINA CAMPOS


2006-12-07


ANA CARDOSO


2006-12-04


SÍLVIA GUERRA


2006-11-28


SÍLVIA GUERRA


2006-11-13


ARTECAPITAL


2006-11-07


ANA CARDOSO


2006-10-30


SÍLVIA GUERRA


2006-10-29


SÍLVIA GUERRA


2006-10-27


SÍLVIA GUERRA


2006-10-11


ANA CARDOSO


2006-09-25


TERESA CASTRO


2006-09-03


ANTÓNIO PRETO


2006-08-17


JOSÉ BÁRTOLO


2006-07-24


ANTÓNIO PRETO


2006-07-06


MIGUEL CAISSOTTI


2006-06-14


ALICE GEIRINHAS


2006-06-07


JOSÉ ROSEIRA


2006-05-24


INÊS MOREIRA


2006-05-10


AIDA E. DE CASTRO


2006-04-20


JORGE DIAS


2006-04-05


SANDRA VIEIRA JURGENS



GRUPO EMPREZA E A MORADA INFERNAL DA ARTE



JULIANA DE MORAES MONTEIRO

2014-07-15




A palavra empresa, por mais que tenha sua conotação relacionada ao mundo econômico, também guarda o sentido de aventura e empreendimento. Umas das acepções do termo que aparece no dicionário é o de “ação árdua e difícil que se comete com arrojo”.

Para quem conhece a longa trajetória do Grupo EmpreZa, coletivo de Goiânia, a exposição que ocupa duas salas do Museu de Arte do Rio é uma excelente oportunidade para acompanhar a arriscada aventura desse grupo fundado há 13 anos e as ações árduas e difíceis empreendidas por eles no campo da performance, fruto de um intenso exercício de pesquisa e elaboração.

A exposição Eu como você, que traz já no título a marca da relevância do corpo no trabalho do coletivo, se apresenta como uma das raras vezes em que se pode conferir as performances e a pesquisa do EmpreZA no Rio de Janeiro. Além da exposição fixa nas salas, Eu como você conta ainda com serões performáticos e uma área que funciona como uma ampliação do espaço de constituição da obra, onde o visitante pode se integrar e participar do trabalho do grupo, intitulada Sua vez.

Ao transitar pela primeira sala de exposições vemos os registros das performances – em fotografia e video - e alguns objetos materiais dispostos ao longo da sala, evocando alguns dos mais significativos trabalhos do grupo, como a bacia com pedras ensanguentadas de Vila Rica.

Além do evidente traço do grupo, no que se refere ao uso da expressão do corpo como linguagem artística, o que vem à tona durante a exposição é a confirmação de que o EmpreZa é um conjunto coeso, na qual as singularidades de cada indivíduo cede lugar à unicidade do coletivo.

Para o EmpreZa, o coletivo não é só uma forma de aglutinar semelhanças, mas sobretudo de subsumir as diferenças em favor de uma totalidade orgânica, na qual desaparece a assinatura da figura centralizadora do artista e vem à tona uma forma de exercício artístico que já não pertence a um ou a outro, mas a um comum, amalgamado sob a identidade do coletivo.

Uma das chaves para pensar essa característica é o uniforme usado pelos emprezários e emprezárias durante as performances. O uniforme é essa estranha particularidade que retira a singularidade das pessoas e as lança em uma espécie de massa amorfa. Como símbolo do apagamento das individualidades, disponível dentro de uma lógica de mercado, dentro da qual a empresa poderia ser pensada como signo, o uniforme é aqui reapropriado pelo coletivo como uma marca que, assim como evoca a dissolução da persona individualista do artista, também nos lembra ao mesmo tempo que a arte nada mais é do uma atividade entre outras, retirando o modo como as práticas artísticas foram pensadas até a arte moderna.

A empreitada do grupo move-se na direção de um saber que aquele universo é fruto de um trabalho intenso de pesquisa e exercício, de um método que incorpora o fracasso, os desvios e acidentes no seu próprio percurso, sempre pronto a recomeçar, suspender e se reconfigurar a partir das demandas de cada artista.

Por sua vez, é o espectador da exposição que, lançado em meio à estranheza das performances como Maleducação ou Sopa de letrinhas, se sente acolhido a refletir sobre o estatuto das suas próprias ações, porque vê naquele corpo uniformizado a face tenebrosa de si mesmo. Como explica a introdução da exposição, no emblema antropofágico canibalista do “eu como você” se pode entrar, às avessas, no domínio do reconhecimento e da identificação expresso pelo “você como eu”.

Assim, o Grupo EmpreZa, por meio de suas ações transgressoras, opera o tensionamento dos campos do estranho e do familiar. Se aceitarmos o convite que a arte contemporânea nos remete, podemos enxergar na simplicidade daqueles gestos – que por muitas vezes se resumem a dar tapas na cara um do outro (Sua vez) ou comer o cabelo um do outro (Antropofagia) – a banalidade do nosso próprio cotidiano, sempre permeado por sintomas, repetições, atos inexplicáveis para os quais não encontramos significação. Nas performances do grupo, nos damos conta de que o encontro com a obra de arte não é o deparar-se com o que já somos – você como eu – , e sim um impulso que nos move para o que precisamos ser.

Em uma das paredes de Sua vez chama atenção a frase escrita ao lado da porta de entrada: “Tente apagar um trauma”. A sentença talvez nos lembre que essa estranheza nos é constitutiva e que, além disso, só chegamos a nos assumir como sujeitos onde fixamos as faltas, as lacunas e os vazios, aquilo que não se encontra em nós mesmos.

A arte do grupo EmpreZa provoca um embate com aquilo que está fora de nós mesmos, joga com a alteridade, por meio da qual nos re-conhecemos e nos des-conhecemos. Eu como você é esse endereçamento a sairmos para fora de si, tomando como postura política a potência de dar lugar ao outro.

Esta transmissão oferecida pela arte do nosso tempo é de ordem mínima, perpetrada através de pequenos gestos - que são desde sempre gestos políticos- e que se desdobram para além da esfera artística, afinal são os corpos viventes que estão inseridos nas práticas do risco, da dor, e do contato sem tréguas com a realidade. A vida, “esse centro frágil e turbulento que as formas não alcançam”[1], talvez seja a matéria de onde a arte do Grupo EmpreZa emana para com ela romper com a linguagem.

A sentença “Tente apagar um trauma” nos convida a constatar que é impossível nos livrar de nossas próprias feridas, senão transformando-as em outra coisa. A arte é essa possibilidade aberta para que nos tornemos senhores do que ainda não somos, de que nos apossemos de nossos próprios traumas não para esquecê-los e negá-los, mas para transfigurá-los em algo positivo.

Sendo assim, os atos performáticos do Grupo Empreza, entendidos em seus pormenores, apontam para uma possibilidade artística afinada com o mundo contemporâneo, no qual as fronteiras entre arte e vida se dissolvem e as obras de arte não produzem mais calmaria e identificação, mas nos perturbam e nos angustiam.

A arte contemporânea é essa morada infernal na qual não é mais Deus quem habita os detalhes, frase de Aby Warburg distorcida pelo Grupo Empreza, que a retoma nas paredes da sala Sua vez reescrevendo-a como “o diabo mora nos detalhes”, nos lembrando que a característica da arte que nos fornecia o medida do mundo e nos reconciliava com nossa existência talvez nada tenha mais a dizer para o nosso tempo.

Até a modernidade, víamos nosso olhar devolvido pela obra de arte, víamos nessa janela para o mundo a fonte do nosso apaziguamento e da nossa tranquilidade. Por outro lado, a arte contemporânea desdobra nosso olhar na distância para nos fazer sair de nós mesmos. Nesse sair para fora de si, nos lançamos diante do abismo e experenciamos a total perda de garantias que a arte nos oferecia. Estar à deriva diante do abismo é a autêntica experiência contemporânea. Ao participar do trabalho do Grupo nos vemos diante dessa experiência autêntica, que nos lança em um lugar limítrofe e não nos deixa sair ilesos.

E se for realmente verdade que só a partir da casa em chamas é que conseguimos ver o projeto arquitetônico fundamental, devemos nos aventurar em meio ao fogo e ao perigo ara olhar bem de perto a face aterradora da arte do nosso tempo. Mas, como nos lembra Heidegger dos versos de Hölderlin: “ ora, onde mora o perigo/ é lá que também cresce/ o que salva”[2].


Colectivo EmpreZa: Aishá Kanda, Babidu, Helô Sanvoy, João Angelini, Marcela Campos, Paul Setubal, Paulo Veiga Jordão, Rafael Abdala, Rava e Thiago Lemos.

Obras na exposição: Impenetrabilidade; Jóias; Mar e Eros; Sopa de Letrinhas; Sua vez; Antropofagia; Com Oriente; Réquiem da vaca; Endemias cotidianas; Carma Ideológico; Impenetráveis; Exercício de Paisagem; Paisagens destiladas; Cheia de graça; Itauçu; Porque eu quis; Sangue bom; Maleducação; Tríptico.



Juliana de Moraes Monteiro


:::

Notas

[1] ARTAUD, Antonin. O teatro e seu duplo. Trad. Teixeira Coelho. São Paulo: Martins Fontes, 2006, p. 8.
[2] HEIDEGGER, Martin. Ensaios e Conferências. Tradução de Emanuel Carneiro Leão, Gilvan Fogel, Márcia Sá Cavalcante Schuback. Petrópolis, RJ: Vozes, 2001, p. 31.


:::

Bibliografia

ARTAUD, Antonin. O teatro e seu duplo. Trad. Teixeira Coelho. São Paulo: Martins Fontes, 2006

HEIDEGGER, Martin. Ensaios e Conferências. Tradução de Emanuel Carneiro Leão, Gilvan Fogel, Márcia Sá Cavalcante Schuback. Petrópolis, RJ: Vozes, 2001
Levitra free the sildenafil counter uk over cialis vs viagra canada cialis vs viagra dosage propecia 5mg online ed pills online over the counter cheap ed drugs, sales uk viagra to where citrate buy sildenafil.
Cialis safe online price best viagra 100mg http://www.saludos.com/healthcare/hchome.htm viagra vs cialis generic buy finasteride propecia http://www.saludos.com/award.htm purchase ed pills, online tadalafil 5mg indiano viagra.
Costco propecia generic cialis cheapest vardenafil generic sildenafil 25 mg kaufen, cialis tadalafil online generic professional cialis generic.
Levitra reviews 20mg propecia canada prices prescription viagra cialis dosage side effects, drugs ed cheap sildenafil tabletten.
Online in usa cialis buy viagra uk order sale viagra http://www.socgeografialisboa.pt/viagra-generic-vs-brand/ viagra for sale, levitra cialis viagra free shipping no viagra samples.
Indian without sildenafil prescription viagra comparison cheap cialis price tadalafil 20 mg http://www.socgeografialisboa.pt/cheap-levitra-online-no-prescription/ order levitra canada, viagra cialis dose comparison vs citrate sildenafil cheapest.
Viagra generica boots propecia no citrate sildenafil prescription what countries sell viagra over the counter, levitra discount paypal sildenafil.
Viagra pharmacy in boots viagra buy cheap cialis interactions http://www.socgeografialisboa.pt/buy-levitra-vardenafil-usa/ vardenafil tablets 20mg, cialis cost 20mg buy online viagra tablets.
Canada tadalafil buy online online india levitra sale for 100mg citrate sildenafil levitra oder viagra, cialis buy zealand new to tadalafil ebay.