Links

PERSPETIVA ATUAL


Vistas da exposição Dayanita Singh: Dançando com a minha Câmara, Fundação de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto. © João Morgado


Vistas da exposição Dayanita Singh: Dançando com a minha Câmara, Fundação de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto. © João Morgado


Vistas da exposição Dayanita Singh: Dançando com a minha Câmara, Fundação de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto. © João Morgado


Vistas da exposição Dayanita Singh: Dançando com a minha Câmara, Fundação de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto. © João Morgado


Vistas da exposição Dayanita Singh: Dançando com a minha Câmara, Fundação de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto. © João Morgado

Outros artigos:

2024-07-14


MAFALDA TEIXEIRA


2024-05-30


CONSTANÇA BABO


2024-04-13


FÁTIMA LOPES CARDOSO


2024-03-04


PEDRO CABRAL SANTO


2024-01-27


NUNO LOURENÇO


2023-11-21


MARC LENOT


2023-10-16


MARC LENOT


2023-09-10


INÊS FERREIRA-NORMAN


2023-08-09


DENISE MATTAR


2023-07-05


CONSTANÇA BABO


2023-06-05


MIGUEL PINTO


2023-04-28


JOÃO BORGES DA CUNHA


2023-03-22


VERONICA CORDEIRO


2023-02-20


SALOMÉ CASTRO


2023-01-12


SARA MAGNO


2022-12-04


PAULA PINTO


2022-11-03


MARC LENOT


2022-09-30


PAULA PINTO


2022-08-31


JOÃO BORGES DA CUNHA


2022-07-31


MADALENA FOLGADO


2022-06-30


INÊS FERREIRA-NORMAN


2022-05-31


MADALENA FOLGADO


2022-04-30


JOANA MENDONÇA


2022-03-27


JEANNE MERCIER


2022-02-26


PEDRO CABRAL SANTO


2022-01-30


PEDRO CABRAL SANTO


2021-12-29


PEDRO CABRAL SANTO


2021-11-22


MANUELA HARGREAVES


2021-10-28


CARLA CARBONE


2021-09-27


PEDRO CABRAL SANTO


2021-08-11


RITA ANUAR


2021-07-04


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2021-05-30


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2021-04-28


CONSTANÇA BABO


2021-03-17


VICTOR PINTO DA FONSECA


2021-02-08


MARC LENOT


2021-01-01


MANUELA HARGREAVES


2020-12-01


CARLA CARBONE


2020-10-21


BRUNO MARQUES


2020-09-16


FÁTIMA LOPES CARDOSO


2020-08-14


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2020-07-21


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2020-06-25


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2020-06-09


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2020-05-21


MANUELA HARGREAVES


2020-05-01


MANUELA HARGREAVES


2020-04-04


SUSANA GRAÇA E CARLOS PIMENTA


2020-03-02


PEDRO PORTUGAL


2020-01-21


NUNO LOURENÇO


2019-12-11


VICTOR PINTO DA FONSECA


2019-11-09


SÉRGIO PARREIRA


2019-10-09


LUÍS RAPOSO


2019-09-03


SÉRGIO PARREIRA


2019-07-30


JULIA FLAMINGO


2019-06-22


INÊS FERREIRA-NORMAN


2019-05-09


INÊS M. FERREIRA-NORMAN


2019-04-03


DONNY CORREIA


2019-02-15


JOANA CONSIGLIERI


2018-12-22


LAURA CASTRO


2018-11-22


NICOLÁS NARVÁEZ ALQUINTA


2018-10-13


MIRIAN TAVARES


2018-09-11


JULIA FLAMINGO


2018-07-25


RUI MATOSO


2018-06-25


MARIA DE FÁTIMA LAMBERT


2018-05-25


MARIA VLACHOU


2018-04-18


BRUNO CARACOL


2018-03-08


VICTOR PINTO DA FONSECA


2018-01-26


ANA BALONA DE OLIVEIRA


2017-12-18


CONSTANÇA BABO


2017-11-12


HELENA OSÓRIO


2017-10-09


PAULA PINTO


2017-09-05


PAULA PINTO


2017-07-26


NATÁLIA VILARINHO


2017-07-17


ANA RITO


2017-07-11


PEDRO POUSADA


2017-06-30


PEDRO POUSADA


2017-05-31


CONSTANÇA BABO


2017-04-26


MARC LENOT


2017-03-28


ALEXANDRA BALONA


2017-02-10


CONSTANÇA BABO


2017-01-06


CONSTANÇA BABO


2016-12-13


CONSTANÇA BABO


2016-11-08


ADRIANO MIXINGE


2016-10-20


ALBERTO MORENO


2016-10-07


ALBERTO MORENO


2016-08-29


NATÁLIA VILARINHO


2016-06-28


VICTOR PINTO DA FONSECA


2016-05-25


DIOGO DA CRUZ


2016-04-16


NAMALIMBA COELHO


2016-03-17


FILIPE AFONSO


2016-02-15


ANA BARROSO


2016-01-08


TAL R EM CONVERSA COM FABRICE HERGOTT


2015-11-28


MARTA RODRIGUES


2015-10-17


ANA BARROSO


2015-09-17


ALBERTO MORENO


2015-07-21


JOANA BRAGA, JOANA PESTANA E INÊS VEIGA


2015-06-20


PATRÍCIA PRIOR


2015-05-19


JOÃO CARLOS DE ALMEIDA E SILVA


2015-04-13


Natália Vilarinho


2015-03-17


Liz Vahia


2015-02-09


Lara Torres


2015-01-07


JOSÉ RAPOSO


2014-12-09


Sara Castelo Branco


2014-11-11


Natália Vilarinho


2014-10-07


Clara Gomes


2014-08-21


Paula Pinto


2014-07-15


Juliana de Moraes Monteiro


2014-06-13


Catarina Cabral


2014-05-14


Alexandra Balona


2014-04-17


Ana Barroso


2014-03-18


Filipa Coimbra


2014-01-30


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2013-12-09


SOFIA NUNES


2013-10-18


ISADORA H. PITELLA


2013-09-24


SANDRA VIEIRA JÜRGENS


2013-08-12


ISADORA H. PITELLA


2013-06-27


SOFIA NUNES


2013-06-04


MARIA JOÃO GUERREIRO


2013-05-13


ROSANA SANCIN


2013-04-02


MILENA FÉRNANDEZ


2013-03-12


FERNANDO BRUNO


2013-02-09


ARTECAPITAL


2013-01-02


ZARA SOARES


2012-12-10


ISABEL NOGUEIRA


2012-11-05


ANA SENA


2012-10-08


ZARA SOARES


2012-09-21


ZARA SOARES


2012-09-10


JOÃO LAIA


2012-08-31


ARTECAPITAL


2012-08-24


ARTECAPITAL


2012-08-06


JOÃO LAIA


2012-07-16


ROSANA SANCIN


2012-06-25


VIRGINIA TORRENTE


2012-06-14


A ART BASEL


2012-06-05


dOCUMENTA (13)


2012-04-26


PATRÍCIA ROSAS


2012-03-18


SABRINA MOURA


2012-02-02


ROSANA SANCIN


2012-01-02


PATRÍCIA TRINDADE


2011-11-02


PATRÍCIA ROSAS


2011-10-18


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-09-23


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-07-28


PATRÍCIA ROSAS


2011-06-21


SÍLVIA GUERRA


2011-05-02


CARLOS ALCOBIA


2011-04-13


SÓNIA BORGES


2011-03-21


ARTECAPITAL


2011-03-16


ARTECAPITAL


2011-02-18


MANUEL BORJA-VILLEL


2011-02-01


ARTECAPITAL


2011-01-12


ATLAS - COMO LEVAR O MUNDO ÀS COSTAS?


2010-12-21


BRUNO LEITÃO


2010-11-29


SÍLVIA GUERRA


2010-10-26


SÍLVIA GUERRA


2010-09-30


ANDRÉ NOGUEIRA


2010-09-22


EL CULTURAL


2010-07-28


ROSANA SANCIN


2010-06-20


ART 41 BASEL


2010-05-11


ROSANA SANCIN


2010-04-15


FABIO CYPRIANO - Folha de S.Paulo


2010-03-19


ALEXANDRA BELEZA MOREIRA


2010-03-01


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-02-17


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-01-26


SUSANA MOUZINHO


2009-12-16


ROSANA SANCIN


2009-11-10


PEDRO NEVES MARQUES


2009-10-20


SÍLVIA GUERRA


2009-10-05


PEDRO NEVES MARQUES


2009-09-21


MARTA MESTRE


2009-09-13


LUÍSA SANTOS


2009-08-22


TERESA CASTRO


2009-07-24


PEDRO DOS REIS


2009-06-15


SÍLVIA GUERRA


2009-06-11


SANDRA LOURENÇO


2009-06-10


SÍLVIA GUERRA


2009-05-28


LUÍSA SANTOS


2009-05-04


SÍLVIA GUERRA


2009-04-13


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2009-03-23


PEDRO DOS REIS


2009-03-03


EMANUEL CAMEIRA


2009-02-13


SÍLVIA GUERRA


2009-01-26


ANA CARDOSO


2009-01-13


ISABEL NOGUEIRA


2008-12-16


MARTA LANÇA


2008-11-25


SÍLVIA GUERRA


2008-11-08


PEDRO DOS REIS


2008-11-01


ANA CARDOSO


2008-10-27


SÍLVIA GUERRA


2008-10-18


SÍLVIA GUERRA


2008-09-30


ARTECAPITAL


2008-09-15


ARTECAPITAL


2008-08-31


ARTECAPITAL


2008-08-11


INÊS MOREIRA


2008-07-25


ANA CARDOSO


2008-07-07


SANDRA LOURENÇO


2008-06-25


IVO MESQUITA


2008-06-09


SÍLVIA GUERRA


2008-06-05


SÍLVIA GUERRA


2008-05-14


FILIPA RAMOS


2008-05-04


PEDRO DOS REIS


2008-04-09


ANA CARDOSO


2008-04-03


ANA CARDOSO


2008-03-12


NUNO LOURENÇO


2008-02-25


ANA CARDOSO


2008-02-12


MIGUEL CAISSOTTI


2008-02-04


DANIELA LABRA


2008-01-07


SÍLVIA GUERRA


2007-12-17


ANA CARDOSO


2007-12-02


NUNO LOURENÇO


2007-11-18


ANA CARDOSO


2007-11-17


SÍLVIA GUERRA


2007-11-14


LÍGIA AFONSO


2007-11-08


SÍLVIA GUERRA


2007-11-02


AIDA CASTRO


2007-10-25


SÍLVIA GUERRA


2007-10-20


SÍLVIA GUERRA


2007-10-01


TERESA CASTRO


2007-09-20


LÍGIA AFONSO


2007-08-30


JOANA BÉRTHOLO


2007-08-21


LÍGIA AFONSO


2007-08-06


CRISTINA CAMPOS


2007-07-15


JOANA LUCAS


2007-07-02


ANTÓNIO PRETO


2007-06-21


ANA CARDOSO


2007-06-12


TERESA CASTRO


2007-06-06


ALICE GEIRINHAS / ISABEL RIBEIRO


2007-05-22


ANA CARDOSO


2007-05-12


AIDA CASTRO


2007-04-24


SÍLVIA GUERRA


2007-04-13


ANA CARDOSO


2007-03-26


INÊS MOREIRA


2007-03-07


ANA CARDOSO


2007-03-01


FILIPA RAMOS


2007-02-21


SANDRA VIEIRA JURGENS


2007-01-28


TERESA CASTRO


2007-01-16


SÍLVIA GUERRA


2006-12-15


CRISTINA CAMPOS


2006-12-07


ANA CARDOSO


2006-12-04


SÍLVIA GUERRA


2006-11-28


SÍLVIA GUERRA


2006-11-13


ARTECAPITAL


2006-11-07


ANA CARDOSO


2006-10-30


SÍLVIA GUERRA


2006-10-29


SÍLVIA GUERRA


2006-10-27


SÍLVIA GUERRA


2006-10-11


ANA CARDOSO


2006-09-25


TERESA CASTRO


2006-09-03


ANTÓNIO PRETO


2006-08-17


JOSÉ BÁRTOLO


2006-07-24


ANTÓNIO PRETO


2006-07-06


MIGUEL CAISSOTTI


2006-06-14


ALICE GEIRINHAS


2006-06-07


JOSÉ ROSEIRA


2006-05-24


INÊS MOREIRA


2006-05-10


AIDA E. DE CASTRO


2006-04-05


SANDRA VIEIRA JURGENS



DAYANITA SINGH: DANÇANDO COM A MINHA CÂMARA



MAFALDA TEIXEIRA

2023-12-24




 

Fotógrafa, book maker e artista offset – numa alusão à técnica de impressão mais utilizada no domínio da edição – Dayanita Singh (1961) tem desenvolvido, nos últimos quarenta anos, um corpo de trabalho que desafia a convencional abordagem à fotografia, medium que lhe ofereceu um caminho de liberdade com o qual determina as regras da sua vida e se liberta das convenções sociais. Esbatendo os limites entre livro – publicação – exposição, e questionando como pode o livro ser um museu e um museu pode ser um livro, a exposição Dançando com a minha câmara assume-se enquanto retrospetiva e a mais importante mostra dedicada à artista até à data. Comissariada por Stephanie Rosenthal, organizada pela Gropius Bau, em colaboração com o Museu Villa Stuck e o MUDAM – Musée d´Art Moderne Grand-Duc Jean, o Museu de Arte Contemporânea de Serralves, no Porto, é a última paragem da exposição e segundo a artista o melhor final por estar neste edifício, um tributo da arquitetura do Porto. Sinto que foi feita para este museu [1].

Entendendo a fotografia como uma matéria-prima, a partir da qual diversas expressões podem ser libertadas, Singh apresenta-nos as suas imagens numa infinidade de formas, desde museus móveis a livros-objetos, permitindo ao público participar ativamente de cada experiência e evento fotográfico. Avessa à ideia de ter a sua obra fossilizada num museu ou galeria, Singh pretende que as suas imagens possam ser movimentadas e ajustadas aos espaços que as recebem, motivo pelo qual no início da década de 2010, passou a incorporá-las em estruturas móveis de madeira, foto-arquiteturas, através das quais explora inúmeras possibilidades narrativas por meio de montagem e justaposição. Designadas de museus, as estruturas podem assumir diversas configurações, sendo exploradas, percorridas e dançadas pelo público que tem a oportunidade de as vivenciar e de estabelecer diferentes conexões.

 

A ideia dos museus é muito importante para mim porque sentia que a fotografia ficava fossilizada atras de vidros e pendurada nas paredes, por isso quis criar uma arquitetura especial para a fotografia. Eu não gostava do modo como o meu trabalho era exibido nos museus e como não podia mudar a arquitetura, porque não sou uma artista de instalações ou de performances, decidi fazê-lo à minha maneira [2].

 

O desejo da artista para que as pessoas se movam entre as imagens, se curvem ou afastem delas como uma escultura, experienciando-as com o próprio corpo, alia-se à ideia de fluxo e à perceção da exposição enquanto organismo vivo e em constante mudança, quer reorganizando a arquitetura dos espaços expositivos, quer alterando as relações de vizinhança entre determinadas imagens. Ultrapassando os limites da fotografia e apresentando-nos um retrato comovente da sociedade indiana, a exposição Dançando com a minha câmara dá-nos a conhecer não só as instalações fotográficas de grande escala da artista, bem como o uso do formato livro, parte essencial da sua produção criativa: Quero ter a liberdade como artista de mostrar o meu trabalho na vossa casa, no parque, no comboio, num livro (…). A este propósito destaquemos expostos na parede, inseridos em estruturas de madeira, os híbridos livros-objeto que compõem Suitcase Museum (2015). A obra, revela-nos quarenta e quatro exemplares de um mesmo livro, apresentando cada exemplar - na capa e contracapa - duas das oitenta e oito fotografias que o compõem, e que combinadas de forma aleatória permitem que a narrativa e a sua interpretação, bem como as ligações entre as imagens, se alterem. Próximas, no chão, duas malas de viagem em couro onde a artista guarda e transporta as quarenta e quatro molduras e um catálogo, completam Suitcase Museum, reafirmando a itinerância da obra e conceitos de acessibilidade, mobilidade e mutabilidade de um museu que se traduz em livro. A importância dos jogos de ocultação/desocultação; frente/verso; presença/ausências e a criação de novas conexões entre as imagens, são uma constante ao longo da exposição atingindo o seu auge nos museus que, funcionando simultaneamente como expositores e arquivos, podem ser abertos, fechados, movidos ou reorganizados. Considerado pela artista a mãe de todos os museus, que potencialmente poderia conter todos os outros, Museum of Chance (2013) reúne 163 gravuras relativas a temas díspares como dança, música, cinema, locais de trabalho e espaços de convivência, bem como pessoas que a artista conheceu. Constituído por duas estruturas em teca de grande escala, que como biombos se abrem em diferentes direções criando vários padrões de visão e movimento, Museum of Chance apresenta imagens e textos de ambos os lados, sendo-nos possível observar no seu interior caixas em compartimentos de arrumação nas quais a coleção é armazenada, numa obra em constante fluxo e movimento. Na mesma sala, do lado oposto, dois museus de sistema retangular – File Museum (2012) e Little Ladies Museum 1961-present – parecem unir-se como peças de um puzzle, revelando-nos os seus lados exteriores móveis e abertos que, como capas de um livro, podemos redesenhar infinitamente. Ode aos arquivos, lugares de histórias e segredos com um perfume que Saramago definiu metade rosa e metade crisântemos, File Museum é simultaneamente um elogio ao papel e ao seu desaparecimento na era digital. Confrontando-nos com a solidão e o caos nos labirintos de arquivos burocráticos da Índia, as imagens revelam cenas semelhantes: espaços interiores cujas estantes nos atraem para o ponto onde a escuridão as cerca, ou onde mais prateleiras bloqueiam o nosso olhar. Arquivos, sacos, baús e caixas disputam o espaço; cadeiras vazias são sitiadas pelas pilhas de documentos que as rodeiam; às vezes, o chão é tomado por torres de papel. Distinto, embora considerado museu irmão do anterior e com o qual partilha conexões ocultas, Little Ladies Museum combina fotografias da artista e dos seus irmãos, captadas pela mãe de Singh, bem como retratos da fotógrafa sobre jovens e mulheres em diversas fases da vida. Museu de figuras femininas, reconhecemos neste labirinto atemporal, imagens icónicas de Singh - a da menina que se aninha na cama ou a da fotógrafa deitada no colo de Mona Ahmed - que se multiplicam e materializam noutros museus ao longo da exposição. Na parede em frente e em diálogo com Files Museum, Time Measures (2015) é, segundo a artista, um trabalho sobre o tempo e o culminar de anos e anos que passei em diferentes arquivos [3]. As trinta e quatro imagens, captadas de uma perspetiva aérea, revelam-nos maços de documentos embrulhados por tecidos de cor vermelha, cujas diferentes manchas e padrões - entre o vermelho, o beije e o branco - provocadas pela exposição solar, indiciam a passagem do tempo e onde cada nó, como um retrato, nos diz algo sobre o estado de espírito de quem o amarrou.

Conceitos de arquivo e memória, desaparecimento e extinção atingem o seu pleno na série de 2021-22, Painted Photos em exibição na segunda sala dedicada à exposição. Assemelhando-se a pinturas, as provas fotográficas em pigmento de arquivo e tinta de esmalte sobre alumínio, apresentam espaços interiores vazios, labirintos de arquivos e prateleiras abandonadas, cuja sensação de espectralidade é acentuada pelo exercício formal da artista ao anular cores e contrastes, reduzindo as imagens à sua essência. A mesma sugestão de ausência e vazio acompanha-nos em Museum of Shedding (2016), museu que fiz para mim para própria e onde iria viver, espaço arquitetónico que evoca um interior doméstico, constituído por simples elementos de madeira: uma mesa, uma cama, bancos, duas unidades de arrumação. Para além do mobiliário, o museu aloja fotografias a preto e branco de diversos espaços habitacionais em imagens inquietantes e austeras, despojadas de presença humana. A importância da arquitetura no corpo de trabalho de Dayanita materializa-se nas restantes obras apresentadas no segundo espaço dedicado à exposição, a este propósito destacamos Architectural Montages (2019-21), composições que unem pelo menos duas imagens diferente, duas arquiteturas, duas temporalidades e geografias. Cortando e sobrepondo as fotografias manualmente, sem recorrer a Photoshop, Singh constrói qual arquiteta - mediante ilusões óticas - afinidades entre arquiteturas e realidades concretas - espaços utópicos como aqueles que justapõem o pavilhão de Barcelona de Mies Van Der Rohe e um quarto de banho da casa de Serralves, ou uma biblioteca do século XXI a um templo de Kioto do século VII. Numa pequena sala, contígua ao segundo espaço expositivo, destaque para a série fotográfica Blue Book, cujo azul intenso acentua a áurea melancólica das paisagens urbanas e zonas industriais ao anoitecer, desprovidas de presença humana.

Seduzidos pelo som da música, seguimos ao encontro de Mona Ahmed (1935-2017), cujo impressionante retrato em vídeo nos hipnotiza e desarma. Como um sonho, o breve momento entre dormir e acordar, Mona and Myself (2013) é, segundo Singh, o culminar de 30 anos a fotografar a artista transgénero e através do qual conseguiu fazer justiça à sua singularidade [4]. Mais do que um vídeo ou fotografia, a obra é um retrato a p/b de Mona que se torna na música que ouve ao longo da imagem estática em movimento e em loop, o primeiro moving still da artista. Figura central na sua obra, que se manifesta numa presença constante no corpo de trabalho da artista, destaquemos a sua celebração, na sala que lhe é dedicada no último espaço expositivo, com a série Mona Montages (2021). Compreendendo 23 fotomontagens de imagens de Mona cortadas manualmente e combinadas com outras obras de Singh, como Privacy (1992–2002), Masterji (1993/2021) e File Room (2008–2011), ou inserindo-a em filmes e espetáculos, como na cena de dança com Saroj Kahn, observamo-la à medida que ouvimos a sua própria voz recitando um poema urdo no vídeo Mona Shayari (2013-2021).

Na última galeria dedicada à exposição, e em consonância com o título da mesma, a obra Museum of Dance (Mother Loves to Dance) (2021), apresenta-se-nos como uma homenagem à dança e a Mona. Ocupando um lugar de destaque no eixo central do museu, observamos Mona a dançar para a câmara, tanto sozinha quanto acompanhada, numa obra que nos fala da importância do movimento e da sua captação. A semelhança da dança, a música é igualmente celebrada no último núcleo expositivo em obras como Museum of Tanpura (2021); Zakir Hussuin: A Photo Essay (1986); e Musician’s Bus (2021).

A importância do livro para Singh, enquanto exposição e museu portátil, encerra o percurso expositivo com as obras Sent a Letter Museum (2008/2021) e Museum Bhavan (2017). A primeira - projeto autobiográfico da artista - revela-nos, em vitrinas na parede, diários visuais por diferentes cidades indianas; a segunda apresenta-nos nove livros miniaturas em formato acordeão, cada um dedicado a um museu, concretizando-se o desejo da artista em tornar a sua obra acessível a todos, alterando a economia da arte e encontrando novas formas de disseminação da fotografia [5]. Dançando com a minha câmara conclui reafirmando a fácil capacidade de circulação dos livros em atingir um público amplo - no tempo e no espaço – e em criar de uma experiência tátil e particular, pois como nos diz a artista: As exposições vêm e vão, mas o livro fica para sempre.

 

 

 

Mafalda Teixeira
Mestre em História de Arte, Património e Cultura Visual pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto, estagiou e trabalhou no departamento de Exposições Temporárias do Museu d’Art Contemporani de Barcelona. Durante o mestrado realiza um estágio curricular na área de produção da Galeria Municipal do Porto. Atualmente dedica-se à investigação no âmbito da História da Arte Moderna e Contemporânea, e à publicação de artigos científicos.

 

:::

 

Notas

[1] Cit. da intervenção da artista durante a visita de imprensa à exposição no dia 16 de novembro de 2023.
[2] Idem.
[3] Dancing with my Camera: Exhibition Walkthrough with Dayanita Singh and Stephanie Rosenthal.
[4] Cit. da intervenção da artista durante a visita de imprensa no dia 16 de novembro de 2023.
[5] A vontade de atribuir um caráter performativo aos nove livros de Museum Bhavan, concretiza-se em My life as a Musem, dois coletes de nove bolsos desenhados pela artista, que ao serem adquiridos e usados pelos visitantes tornam-se museus portáteis.