Links

OPINIÃO


Inês Valle e Jimmy Saruchera


Urban Skin II, Masimba Hwati


Beautiful Struggle,, Johnson Zuze


Deck 1 Shell, Masimba Hwati


Echoes, (2015), Wallen Mapondera


Hot Seat, Adam Madebe


6- Jimmy Saruchera em colaboração com os artistas da kooVha Gallery, River of life,, Harare, Zimbabwe (Dezembro, 2014)


Takanganwa,, Option Nyahunzvi


Vista da exposição.


Vista da exposição.

Outros artigos:

MARC LENOT

2017-09-03
CORPOS RECOMPOSTOS

MARC LENOT

2017-07-29
QUER PASSAR A NOITE NO MUSEU?

LUÍS RAPOSO

2017-06-30
PATRIMÓNIO CULTURAL E MUSEUS: O QUE ESTÁ POR DETRÁS DOS “CASOS”

MARZIA BRUNO

2017-05-31
UM LAMPEJO DE LIBERDADE

SERGIO PARREIRA

2017-04-26
ENTREVISTA COM AMANDA COULSON, DIRETORA ARTÍSTICA DA VOLTA FEIRA DE ARTE

LUÍS RAPOSO

2017-03-30
A TRAGICOMÉDIA DA DESCENTRALIZAÇÃO, OU DE COMO SE ARRISCA ESTRAGAR UMA BOA IDEIA

SÉRGIO PARREIRA

2017-03-03
ARTE POLÍTICA E DE PROTESTO | THE TRUMP EFFECT

LUÍS RAPOSO

2017-01-31
ESTATÍSTICAS, MUSEUS E SOCIEDADE EM PORTUGAL - PARTE 2: O CURTO PRAZO

LUÍS RAPOSO

2017-01-13
ESTATÍSTICAS, MUSEUS E SOCIEDADE EM PORTUGAL – PARTE 1: O LONGO PRAZO

SERGIO PARREIRA

2016-12-13
A “ENTREGA” DA OBRA DE ARTE

ANA CRISTINA LEITE

2016-11-08
A MINHA VISITA GUIADA À EXPOSIÇÃO...OU COISAS DO CORAÇÃO

NATÁLIA VILARINHO

2016-10-03
ATLAS DE GALANTE E BORRALHO EM LOULÉ

MARIA LIND

2016-08-31
NAZGOL ANSARINIA – OS CONTRASTES E AS CONTRADIÇÕES DA VIDA NA TEERÃO CONTEMPORÂNEA

LUÍS RAPOSO

2016-06-23
“RESPONSABILIDADE SOCIAL”, INVESTIMENTO EM ARTE E MUSEUS: OS PONTOS NOS IS

TERESA DUARTE MARTINHO

2016-05-12
ARTE, AMOR E CRISE NA LONDRES VITORIANA. O LIVRO ADOECER, DE HÉLIA CORREIA

LUÍS RAPOSO

2016-04-12
AINDA OS PREÇOS DE ENTRADA EM MUSEUS E MONUMENTOS DE SINTRA E BELÉM-AJUDA: OS DADOS E UMA PROPOSTA PARA O FUTURO

DÁRIA SALGADO

2016-03-18
A PAISAGEM COMO SUPORTE DE REPRESENTAÇÃO CINEMATOGRÁFICA NA OBRA DE ANDREI TARKOVSKY

VICTOR PINTO DA FONSECA

2016-02-16
CORAÇÃO REVELADOR

MIRIAN TAVARES

2016-01-06
ABSOLUTELY

CONSTANÇA BABO

2015-11-28
A PROCURA DE FELICIDADE DE WOLFGANG TILLMANS

MARIBEL MENDES SOBREIRA

2015-09-17
PARA UMA CONCEPÇÃO DA ARTE SEGUNDO MARKUS GABRIEL

RENATO RODRIGUES DA SILVA

2015-07-22
O CONCRETISMO E O NEOCONCRETISMO NO BRASIL: ELEMENTOS PARA REFLEXÃO CRÍTICA

LUÍS RAPOSO

2015-07-02
PATRIMÓNIO CULTURAL E OS MUSEUS: VISÃO ESTRATÉGICA | PARTE 2: O PRESENTE/FUTURO

LUÍS RAPOSO

2015-06-17
PATRIMÓNIO CULTURAL E OS MUSEUS: VISÃO ESTRATÉGICA | PARTE 1: O PASSADO/PRESENTE

ALBERTO MORENO

2015-05-13
OS CORVOS OLHAM-NOS

Ana Cristina Alves

2015-04-12
PSICOLOGIA DA ARTE – ENTREVISTA A ANTÓNIO MANUEL DUARTE

J.J. Charlesworth

2015-03-12
COMO NÃO FAZER ARTE PÚBLICA

JOSÉ RAPOSO

2015-02-02
FILMES DE ARTISTA: O ESPECTRO DA NARRATIVA ENTRE O CINEMA E A GALERIA.

MARIA LIND

2015-01-05
UM PARQUE DE DIVERSÕES EM PARIS RELEMBRA UM CONTO DE FADAS CLÁSSICO

Martim Enes Dias

2014-12-05
O PRINCÍPIO DO FUNDAMENTO: A BIENAL DE VENEZA EM 2014

MARIA LIND

2014-11-11
O TRIUNFO DOS NERDS

Jonathan T.D. Neil

2014-10-07
A ARTE É BOA OU APENAS VALIOSA?

José Raposo

2014-09-08
RUMORES DE UMA REVOLUÇÃO: O CÓDIGO ENQUANTO MEIO.

Mike Watson

2014-08-04
Em louvor da beleza

Ana Catarino

2014-06-28
Project Herácles, quando arte e política se encontram no Parlamento Europeu

Luís Raposo

2014-05-27
Ingressos em museus e monumentos: desvario e miopia

Filipa Coimbra

2014-05-06
Tanto Mar - Arquitectura em DERIVAção | Parte 2

Filipa Coimbra

2014-04-15
Tanto Mar - Arquitectura em DERIVAção | Parte 1

Rita Xavier Monteiro

2014-02-25
O AGORA QUE É LÁ

Aimee Lin

2014-01-15
ZENG FANZHI

FILIPE PINTO

2013-12-20
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 4 de 4)

FILIPE PINTO

2013-11-28
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 3 de 4)

FILIPE PINTO

2013-10-25
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 2 de 4)

FILIPE PINTO

2013-09-16
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 1 de 4)

JULIANA MORAES

2013-08-12
O LUGAR DA ARTE: O “CASTELO”, O LABIRINTO E A SOLEIRA

JUAN CANELA

2013-07-11
PERFORMING VENICE

JOSÉ GOMES PINTO (ECATI/ULHT)

2013-05-05
ARTE E INTERACTIVIDADE

PEDRO CABRAL SANTO

2013-04-11
A IMAGEM EM MOVIMENTO NO CONTEXTO ESPECÍFICO DAS ARTES PLÁSTICAS EM PORTUGAL

MARCELO FELIX

2013-01-08
O ESPAÇO E A ORLA. 50 ANOS DE ‘OS VERDES ANOS’

NUNO MATOS DUARTE

2012-12-11
SOBRE A PERTINÊNCIA DAS PRÁTICAS CONCEPTUAIS NA FOTOGRAFIA CONTEMPORÂNEA

FILIPE PINTO

2012-11-05
ASSEMBLAGE TROCKEL

MIGUEL RODRIGUES

2012-10-07
BIRD

JOSÉ BÁRTOLO

2012-09-21
CHEGOU A HORA DOS DESIGNERS

PEDRO PORTUGAL

2012-09-07
PORQUE É QUE OS ARTISTAS DIZEM MAL UNS DOS OUTROS + L’AFFAIRE VASCONCELOS

PEDRO PORTUGAL

2012-08-06
NO PRINCÍPIO ERA A VERBA

ANA SENA

2012-07-09
AS ARTES E A CRISE ECONÓMICA

MARIA BEATRIZ MARQUILHAS

2012-06-12
O DECLÍNIO DA ARTE: MORTE E TRANSFIGURAÇÃO (II)

MARIA BEATRIZ MARQUILHAS

2012-05-21
O DECLÍNIO DA ARTE: MORTE E TRANSFIGURAÇÃO (I)

JOSÉ CARLOS DUARTE

2012-03-19
A JANELA DAS POSSIBILIDADES. EM TORNO DA SÉRIE TELEVISION PORTRAITS (1986–) DE PAUL GRAHAM.

FILIPE PINTO

2012-01-16
A AUTORIDADE DO AUTOR - A PARTIR DO TRABALHO DE DORIS SALCEDO (SOBRE VAZIO, SILÊNCIO, MUDEZ)

JOSÉ CARLOS DUARTE

2011-12-07
LOUISE LAWLER. QUALQUER COISA ACERCA DO MUNDO DA ARTE, MAS NÃO RECORDO EXACTAMENTE O QUÊ.

ANANDA CARVALHO

2011-10-12
RE-CONFIGURAÇÕES NO SISTEMA DA ARTE CONTEMPORÂNEA - RELATO DA CONFERÊNCIA DE ROSALIND KRAUSS NO III SIMPÓSIO DE ARTE CONTEMPORÂNEA DO PAÇO DAS ARTES

MARIANA PESTANA

2011-09-23
ARQUITECTURA COMISSÁRIA: TODOS A BORDO # THE AUCTION ROOM

FILIPE PINTO

2011-07-27
PARA QUE SERVE A ARTE? (sobre espaço, desadequação e acesso) (2.ª parte)

FILIPE PINTO

2011-07-08
PARA QUE SERVE A ARTE? (sobre espaço, desadequação e acesso) (1ª parte)

ROSANA SANCIN

2011-06-14
54ª BIENAL DE VENEZA: ILLUMInations

SOFIA NUNES

2011-05-17
GEDI SIBONY

SOFIA NUNES

2011-04-18
A AUTONOMIA IMPRÓPRIA DA ARTE EM JACQUES RANCIÈRE

PATRÍCIA REIS

2011-03-09
IMAGE IN SCIENCE AND ART

BÁRBARA VALENTINA

2011-02-01
WALTER BENJAMIN. O LUGAR POLÍTICO DA ARTE

UM LIVRO DE NELSON BRISSAC

2011-01-12
PAISAGENS CRÍTICAS

FILIPE PINTO

2010-11-25
TRINTA NOTAS PARA UMA APROXIMAÇÃO A JACQUES RANCIÈRE

PAULA JANUÁRIO

2010-11-08
NÃO SÓ ALGUNS SÃO CHAMADOS MAS TODA A GENTE

SHAHEEN MERALI

2010-10-13
O INFINITO PROBLEMA DO GOSTO

PEDRO PORTUGAL

2010-09-22
ARTE PÚBLICA: UM VÍCIO PRIVADO

FILIPE PINTO

2010-06-09
A PROPÓSITO DE LA CIENAGA DE LUCRECIA MARTEL (Sobre Tempo, Solidão e Cinema)

TERESA CASTRO

2010-04-30
MARK LEWIS E A MORTE DO CINEMA

FILIPE PINTO

2010-03-08
PARA UMA CRÍTICA DA INTERRUPÇÃO

SUSANA MOUZINHO

2010-02-15
DAVID CLAERBOUT. PERSISTÊNCIA DO TEMPO

SOFIA NUNES

2010-01-13
O CASO DE JOS DE GRUYTER E HARALD THYS

ISABEL NOGUEIRA

2009-10-26
ANOS 70 – ATRAVESSAR FRONTEIRAS

LUÍSA SANTOS

2009-09-21
OS PRÉMIOS E A ASSINATURA INDEX:

CAROLINA RITO

2009-08-22
A NATUREZA DO CONTEXTO

LÍGIA AFONSO

2009-08-03
DE QUEM FALAMOS QUANDO FALAMOS DE VENEZA?

LUÍSA SANTOS

2009-07-10
A PROPÓSITO DO OBJECTO FOTOGRÁFICO

LUÍSA SANTOS

2009-06-24
O LIVRO COMO MEIO

EMANUEL CAMEIRA

2009-05-31
LA SPÉCIALISATION DE LA SENSIBILITÉ À L’ ÉTAT DE MATIÈRE PREMIÈRE EN SENSIBILITÉ PICTURALE STABILISÉE

ROSANA SANCIN

2009-05-23
RE.ACT FEMINISM_Liubliana

IVO MESQUITA E ANA PAULA COHEN

2009-05-03
RELATÓRIO DA CURADORIA DA 28ª BIENAL DE SÃO PAULO

EMANUEL CAMEIRA

2009-04-15
DE QUE FALAMOS QUANDO FALAMOS DE TEHCHING HSIEH? *

MARTA MESTRE

2009-03-24
ARTE CONTEMPORÂNEA NOS CAMARÕES

MARTA TRAQUINO

2009-03-04
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA III_A ARTE COMO UM ESTADO DE ENCONTRO

PEDRO DOS REIS

2009-02-18
O “ANO DO BOI” – PREVISÕES E REFLEXÕES NO CONTEXTO ARTÍSTICO

MARTA TRAQUINO

2009-02-02
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA II_DO ESPAÇO AO LUGAR: FLUXUS

PEDRO PORTUGAL

2009-01-08
PORQUÊ CONSTRUIR NOVAS ESCOLAS DE ARTE?

MARTA TRAQUINO

2008-12-18
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA I

SANDRA LOURENÇO

2008-12-02
HONG KONG A DÉJÀ DISPARU?

PEDRO DOS REIS

2008-10-31
ARTE POLÍTICA E TELEPRESENÇA

PEDRO DOS REIS

2008-10-15
A ARTE NA ERA DA TECNOLOGIA MÓVEL

SUSANA POMBA

2008-09-30
SOMOS TODOS RAVERS

COLECTIVO

2008-09-01
O NADA COMO TEMA PARA REFLEXÃO

PEDRO PORTUGAL

2008-08-04
BI DA CULTURA. Ou, que farei com esta cultura?

PAULO REIS

2008-07-16
V BIENAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE | PARTILHAR TERRITÓRIOS

PEDRO DOS REIS

2008-06-18
LISBOA – CULTURE FOR LIFE

PEDRO PORTUGAL

2008-05-16
SOBRE A ARTICIDADE (ou os artistas dentro da cidade)

JOSÉ MANUEL BÁRTOLO

2008-05-05
O QUE PODEM AS IDEIAS? REFLEXÕES SOBRE OS PERSONAL VIEWS

PAULA TAVARES

2008-04-22
BREVE CARTOGRAFIA DAS CORRENTES DESCONSTRUTIVISTAS FEMINISTAS

PEDRO DOS REIS

2008-04-04
IOWA: UMA SELECÇÃO IMPROVÁVEL, NUM LUGAR INVULGAR

CATARINA ROSENDO

2008-03-31
ROGÉRIO RIBEIRO (1930-2008): O PINTOR QUE ABRIU AO TEXTO

JOANA LUCAS

2008-02-18
RUY DUARTE DE CARVALHO: pela miscigenação das artes

DANIELA LABRA

2008-01-16
O MEIO DA ARTE NO BRASIL: um Lugar Nenhum em Algum Lugar

LÍGIA AFONSO

2007-12-24
SÃO PAULO JÁ ESTÁ A ARDER?

JOSÉ LUIS BREA

2007-12-05
A TAREFA DA CRÍTICA (EM SETE TESES)

SÍLVIA GUERRA

2007-11-11
ARTE IBÉRICA OU O SÍNDROME DO COLECCIONADOR LOCAL

SANDRA VIEIRA JURGENS

2007-11-01
10ª BIENAL DE ISTAMBUL

TERESA CASTRO

2007-10-16
PARA ALÉM DE PARIS

MARCELO FELIX

2007-09-20
TRANSNATURAL. Da Vida dos Impérios, da Vida das Imagens

LÍGIA AFONSO

2007-09-04
skulptur projekte münster 07

JOSÉ BÁRTOLO

2007-08-20
100 POSTERS PARA UM SÉCULO

SOFIA PONTE

2007-08-02
SOBRE UM ESTADO DE TRANSIÇÃO

INÊS MOREIRA

2007-07-02
GATHERING: REECONTRAR MODOS DE ENCONTRO

FILIPA RAMOS

2007-06-14
A Arte, a Guerra e a Subjectividade – um passeio pelos Giardini e Arsenal na 52ª BIENAL DE VENEZA

SÍLVIA GUERRA

2007-06-01
MAC/VAL: Zones de Productivités Concertées. # 3 Entreprises singulières

NUNO CRESPO

2007-05-02
SEXO, SANGUE E MORTE

HELENA BARRANHA

2007-04-17
O edifício como “BLOCKBUSTER”. O protagonismo da arquitectura nos museus de arte contemporânea

RUI PEDRO FONSECA

2007-04-03
A ARTE NO MERCADO – SEUS DISCURSOS COMO UTOPIA

ALBERTO GUERREIRO

2007-03-16
Gestão de Museus em Portugal [2]

ANTÓNIO PRETO

2007-02-28
ENTRE O SPLEEN MODERNO E A CRISE DA MODERNIDADE

ALBERTO GUERREIRO

2007-02-15
Gestão de Museus em Portugal [1]

JOSÉ BÁRTOLO

2007-01-29
CULTURA DIGITAL E CRIAÇÃO ARTÍSTICA

MARCELO FELIX

2007-01-16
O TEMPO DE UM ÍCONE CINEMATOGRÁFICO

PEDRO PORTUGAL

2007-01-03
Artória - ARS LONGA VITA BREVIS

ANTÓNIO PRETO

2006-12-15
CORRESPONDÊNCIAS: Aproximações contemporâneas a uma “iconologia do intervalo”

ROGER MEINTJES

2006-11-16
MANUTENÇÃO DE MEMÓRIA: Alguns pensamentos sobre Memória Pública – Berlim, Lajedos e Lisboa.

LUÍSA ESPECIAL

2006-11-03
PARA UMA GEOSOFIA DAS EXPOSIÇÕES GLOBAIS. Contra o safari cultural

ANTÓNIO PRETO

2006-10-18
AS IMAGENS DO QUOTIDIANO OU DE COMO O REALISMO É UMA FRAUDE

JOSÉ BÁRTOLO

2006-10-01
O ESTADO DO DESIGN. Reflexões sobre teoria do design em Portugal

JOSÉ MAÇÃS DE CARVALHO

2006-09-18
IMAGENS DA FOTOGRAFIA

INÊS MOREIRA

2006-09-04
ELLIPSE FOUNDATION - NOTAS SOBRE O ART CENTRE

MARCELO FELIX

2006-08-17
BAS JAN ADER, TRINTA ANOS SOBRE O ÚLTIMO TRAJECTO

JORGE DIAS

2006-08-01
UM PERCURSO POR SEGUIR

SÍLVIA GUERRA

2006-07-14
A MOLDURA DO CINEASTA

AIDA CASTRO

2006-06-30
BIO-MUSEU: UMA CONDIÇÃO, NO MÍNIMO, TRIPLOMÓRFICA

COLECTIVO*

2006-06-14
NEM TUDO SÃO ROSEIRAS

LÍGIA AFONSO

2006-05-17
VICTOR PALLA (1922 - 2006)

JOÃO SILVÉRIO

2006-04-12
VIENA, 22 a 26 de Março de 2006

share |

A VERDADEIRA MUDANÇA ACABA DE COMEÇAR | UMA ENTREVISTA COM O GALERISTA ZIMBABUEANO JIMMY SARUCHERA PELA CURADORA INDEPENDENTE INÊS VALLE



INÊS VALLE

2015-10-31




 


Outubro é, sem dúvida, um dos meses mais vibrantes em Londres, desde festivais de comida e cinema até excelentes exposições e feiras internacionais de arte que atraem os compradores de arte mais influentes do mundo até ao Reino Unido. Este ano, e mais uma vez coincidindo com a Frieze, temos a terceira edição da Feira de Arte Contemporânea Africana 01:54, que proclama o seu foco no continente africano, oferecendo tanto em Londres e Nova York uma proveitosa plataforma discursiva para África e os seus intervenientes artísticos. Para além do aumento exponencial das galerias de arte sediadas em África em 1:54 [mais de 40% em 2015] e a notável visibilidade que tem vindo a dar à arte de África no mundo ocidental, devemos ter uma discussão aberta sobre a legitimidade desta feira, uma vez que ainda está para itinerar no próprio continente africano.

Quer queiramos ou não, a enorme curiosidade sobre África ainda é levada por preconceitos errados, exotismo e paternalismo, que diminuem o reconhecimento da qualidade, diversidade e inovação dentro do continente. África continua a olhar para o Norte para encontrar legitimidade e validade, mas a verdade é que temos de olhar para um diálogo multidirecional, algo que ainda é muito fraco. Além disso, usando ideias de Marx, Brecht e de Maiakovsky, de que “a arte não é um espelho para nos agarrarmos à realidade, mas um martelo com o qual moldá-la”, se África realmente quer levar a uma mudança cultural, mudar mentalidades e educar pessoas, tem que valorizar as suas raízes e começar a financiar o seu desenvolvimento cultural. Também tem de parar de produzir cegamente para assegurar um lugar ilusório de influência que é, sem dúvida, projetado pelo capitalismo ocidental que valoriza a manipulação do outro para manter o poder para si mesmo.


>>>


Inês Valle (IV): Passaram 15 anos desde a viragem do milénio, um período em que o interesse na paisagem económica e cultural de África se tem intensificado. O que vê como sendo a contribuição de África para o nosso mundo de hoje?

Jimmy Saruchera (JS): A cultura material de hoje é tão atraente e convincente que pode ser difícil ver qual é o nosso verdadeiro estado como humanidade. Estamos num mundo que precisa de cura, cura dos relacionamentos humanos, cura da nossa ecologia, e também cura física, já que nós, como espécie, nos temos desviado da natureza. Há cada vez mais uma reapreciação do que é tradicional, do que é natural e do proteger do nosso meio ambiente, mas isso ainda não é o corrente. “Trepanation”, de Masimba Hwati, mostra um crânio de babuíno com um furo, fazendo referência à fontanela de uma criança recém-nascida ou à abertura suave do crânio. Diz-se que esta abertura aumenta a sensibilidade de uma criança ao reino espiritual, sentindo rapidamente se uma pessoa nas proximidades é boa ou ruim, provocando um riso ou lágrimas em conformidade. O uso de mbira, ou teclas de piano africano usadas em cerimónias tradicionais, em combinação com o crânio trepanado referência a inocência do recém-nascido, de um modo de vida tradicional contra o movimento do tempo e da modernidade representada pelo skate e pelas rodas. Porque ainda estamos a aproximar-nos do resto do mundo, a África tem a oportunidade de fazer a nossa revolução industrial de forma ecologicamente sustentável, para incentivar o consumo que é natural e bom para nós, para construir sistemas sociais fundamentados nas socialmente (Ubuntu) orientadas estruturas sociais que se movem longe do egoísmo individual.

 

IV: Três anos atrás testemunhámos a abertura da 1:54 em Londres, e desde então tem sido realizada anualmente ali e em Nova Iorque. No entanto, até agora não teve lugar em qualquer cidade africana. Acredita que isto pode estar ligado à falta de apoio à cultura nos países africanos? [Quais são os seus pensamentos sobre isso?]

JS: As feiras de arte por natureza são comerciais, e lugares como Londres, Nova Iorque ou Miami são (pelo menos do ponto de vista financeiro) capitais artísticas onde há uma densidade de capital e de uma cultura de gastos com a arte. No entanto, em termos de consumo de arte, ‘coleccionar arte’ assume uma forma diferente em algumas partes de África, pode ser subconsciente pois está profundamente infundido em regulares momentos-chave da vida. Expressa-se amplamente na sociedade através não apenas de roupas, mas também de objectos cerimoniais, escarificação, utensílios tradicionais e troca cultural de presentes. Assim, em muitos aspectos, o coleccionismo na sua forma ocidental em África é relativamente limitado, mas à medida que as economias africanas crescem e mais pessoas têm rendimentos elevados, a comunidade de coleccionadores africanos no sentido ocidental vai continuar a crescer. Eu não estou a par dos seus planos futuros e pode ser que a 1:54 tenha planos para sediar uma edição em África, o que seria óptimo. Em geral, eu acho que foi uma decisão sensata começar por activar as bases dos coleccionadores nos principais mercados de arte/financeiros para alimentar o interesse no mercado. Agora que a arte contemporânea africana está firmemente no radar globalmente e os coleccionadores são muito móveis, não podemos credivelmente continuar a ter a maioria das grandes conversas sobre arte, feiras e exposições sobre africanos e as suas vidas fora de África. Desenvolver exposições, feiras e bienais em África abre a possibilidade de coleccionadores terem uma experiência cultural alternativa que é um avanço no formato dos stands, palestras, instalações e recepções que já encontra em feiras europeias ou americanas de arte. Como as feiras podem permitir a experimentação de elementos da cultura africana através da arte que são importantes para a humanidade, como a harmonia ecológica, a harmonia social onde as pessoas saem com mais do que obras de arte, uma parte da vida que lhes acrescenta algo como pessoas, isso para mim é uma perspectiva excitante. A riqueza de África também precisa de vir à festa e ajudar a deixar um legado artístico africano duradouro que permanece muito tempo depois de os recursos e do consumismo desparecerem. Ajuda a fazer crescer a base de coleccionadores africanos se eles não tiverem de viajar para a Europa ou para os EUA para experimentar e comprar o trabalho dos melhores artistas africanos. A melhor arte africana e pensamento africano precisam ser encontrados, mostrados, expressos, arquivados, negociados e falados em África. A África do Sul está a fazer algum progresso a este respeito, mas é nos países que estão menos expostos e menos desenvolvidos que oferecem a maior oportunidade para a descoberta e invenção.

 

IV: O aumento das Plataformas de Arte Africana [Galerias, residências artísticas, bienais, feiras de arte], bem como a especialização nas artes dentro do continente é inquestionável. De que maneira é que essas múltiplas camadas de plataformas estão a educar o interesse dos coleccionadores de arte local em adquirir arte contemporânea fora do âmbito dos media clássicos, tais como vídeo-arte, fotografia, arte sonora ou até mesmo a instalação?

JS: Dos media não-clássicos, a fotografia está certamente a ganhar impulso por causa de seu imediatismo, tanto em termos de angariar uma reação como da sua capacidade de ser exibida com relativamente menos problemas. Mas mesmo ela ainda tem um longo caminho a percorrer. Para outros media, como a arte sonora e a vídeo arte, ganharem força em África, acho que precisam ser levados para fora do ambiente da galeria ou do museu e colocadas no ambiente móvel onde as pessoas estão. Isso implica modificar o modelo de coleccionismo, onde os modelos comerciais alternativos mais adequados para o consumo de conteúdo móvel vêm à tona. A responsabilidade recai sobre essas novas plataformas de arte em África em olharem profundamente para dentro das suas culturas e sociedades e inovar os media eles próprios para tornar a arte mais relevante para as suas comunidades.

 

IV: Este foi o terceiro ano em que o Zimbabué participou na Bienal de Veneza, este último com obras de Gareth Nyandoro, Masimba Hwati e Chokonzero Chazunguza. Quais são os resultados reais dessas participações para a cena de arte contemporânea do Zimbabué, a nível nacional e internacional?

JS: O trabalho desses artistas na Bienal de Veneza criticamente foi incrivelmente bem recebido. O resultado mais importante dessas participações é o que eu chamo anti-excepcionalismo. Se aquilo a que estamos expostos é apenas o que está imediatamente à nossa volta, podemos facilmente nos convencer de que somos excepcionais. Mas se testarmos o nosso talento na plataforma mais importante do mundo e sairmos bem, então temos uma medida mais confiável do que é excepcional. O impacto disso é fenomenal, define a fasquia em termos de qualidade para os muitos artistas que competem uns com os outros no Zimbabué, criando um efeito cascata em toda a largura da comunidade artística, desde a educação, o valor da arte e o interesse na nossa cultura. A sociedade é muito mais rica por isso, especialmente quando como país um se torna participante consistente e regular em plataformas do calibre de Veneza; tem um lugar na mesa e é parte da conversa. O maior impacto a longo prazo é se o modelo do que faz o Zimbabué em Veneza com a arte, for transferido para a indústria, onde os projetos ou produtos exclusivamente africanos baseados em sistemas de conhecimento indígenas que a maioria do mundo não conhece, são forçados a regularmente e sistematicamente competir a sério com os melhores do mundo. Isso teria um efeito transformador não só sobre África, mas sobre o que o mundo come, bebe, quão saudável somos, como vivemos com a natureza, no que nos apoiamos, quais os materiais que usamos nos nossos dispositivos móveis e na consciência espiritual. Quando se tem um lugar na mesa de valor pode-se expressar por si mesmo como acontece com a arte. Mas noutras indústrias são outras pessoas que falam pelas comunidades africanas onde minerais raros para os nossos telemóveis são extraídos, pelas sociedades antigas de caçadores-colectores onde os remédios anti-envelhecimento têm sido comercializados sem eles, uma situação só ajudada por simpatizantes externos que chegam e falam por eles. Precisamos de mecanismos e instituições que permitam que isso aconteça a partir de África.

 

IV: O artigo 20 da Constituição do Zimbabué garante que a população tem a proteção da liberdade de expressão. No entanto, George Ayittey conselheiro do governo Obama, empenhado em forjar um novo caminho para África, ainda considera o Zimbabué como um regime despótico e coloca Robert Mugabe [no poder há mais de 29 anos] junto com Kim Jong II, Than Shwe ou Blaise Compaoré, na lista dos líderes mais odiosos e desprezíveis. Tomando a arte como uma plataforma de liberdade, como é que os artistas lidam com esta situação político-social contínua? Quais são as grandes questões que vê sendo retratadas pela geração mais jovem do Zimbabué?

JS: Ironicamente, o caso mais reconhecido de uma tentativa de proibir uma exposição de arte que pode ser interpretada como crítica a Mugabe, teve lugar durante o que é conhecido como o governo inclusivo em 2010, uma coalizão entre Mugabe e o seu maior rival da oposição. Foi uma exposição na Bulawayo National Gallery, no entanto, a exposição não foi retirada por vários anos, enquanto a batalha se alastrou em tribunal. Fora deste, e agradeço ser informado de outro, eu não tenho visto muitos exemplos de intervenção governamental evidente na expressão da arte visual. O jornal estatal tem provavelmente as mais extensas críticas de arte localmente, portanto, há mais questões prementes do que liberdade de expressão para os artistas visuais no Zimbabué, a encabeçar aquelas “pão e manteiga”, relacionadas com a sobrevivência dia a dia. 2015 é coloquialmente conhecido como "Gore reDzidzo" ou "o ano de aprendizagem". Os graduados tornaram-se taxistas ilegais, carnívoros tornaram-se vegetarianos ou advogados tornaram-se agricultores, tudo em nome da sobrevivência. As artes visuais não foram poupadas das "lições" deste momento definidor na história do país. Pintores experientes, que normalmente estariam a agonizar sobre que tela usar, se deviam usar óleo ou acrílico, tiveram em muitos casos que esquecer a própria noção de pintura e abraçar o facto de que são primeiro artistas. Tiveram que olhar para outros meios de expressão artística. Felizmente, o Zimbabué possui um rico património escultórico, o que significa que muitos artistas aprendem desde cedo a trabalhar com objetos 3D, por isso muitos pintores se tornaram escultores ou praticantes de ‘mixed media’, dando impulso a um movimento conhecido como a energia de objetos - A energia imbuída de objectos encontrados ou pesquisados, artefactos naturais e sintéticos, material, assemblado, reaproveitado e elevado a uma maior existência no auge da originalidade. O país está num momento de definição, onde o potencial criativo humano foi maximizado não através da abundância, mas através da escassez e do minimalismo forçado. Os tempos económicos difíceis também vieram ao mesmo tempo que a explosão da tecnologia móvel, e com isso um maior acesso às culturas de fora, às vezes de uma forma positiva, mas também em formas que marginalizam as tradições e os valores locais. Os artistas mais jovens expressam muitos desses tumultos do dia-a-dia no seu trabalho. Por exemplo Johnson Zuze, as suas obras falam da verdade surpreendente de agora e das aspirações de um futuro livre de guetos. Wallen Mapondera usa uma mente ecologicamente sensível para falar da oligarquia humana. Masimba Hwati é um antropólogo, historiador e terapeuta através de um trabalho que combina os antigos valores tradicionais africanos e o simbolismo, trazendo-os ao contemporâneo. Option Nyahunzvi é um intérprete da batalha pela influência das jovens mentes urbanas entre a importada cultura da moda e o que é tradicional. Adam Madebe, que também estamos a mostrar, é da geração anterior que ajudou a difundir a actual geração de escultores.

 

IV: Quais são as distinções entre a arte contemporânea do Zimbabué e a de outras partes do continente?

JS: Às vezes, para criar algo original, é preciso ser-se um mesmo. A história do Zimbabué, pré e pós independência, é marcada por dois períodos distintos de isolamento. O primeiro isolamento veio de sanções que se seguiram à Declaração da Independência Unilateral da Rodésia do Sul do Reino Unido em 1965, que instituiu um sistema de apartheid de governação. Isto viu artistas mudar de media comuns, tais como a pintura, para os acessíveis recursos de pedra do país, proporcionando-lhes um medium atraente, que rapidamente ganhou atenção internacional e oportunidades de exposição não menos importantes em Londres, em meados dos anos 1960, e no Museu Rodin, Paris, em 1972. Em tempos mais recentes, os desafios económicos e o isolamento viu graduados tornarem-se taxistas e advogados tornarem-se agricultores em nome da sobrevivência. Da mesma forma, artistas desprovidos de materiais convencionais tornaram-se aventureiros com os materiais, gerando o movimento de arte actual chamado de energia de objetos. A escassez crónica pode ser debilitante, mas se se puder encontrar uma maneira de abordar isso, é um combustível explosivamente poderoso para a inventividade. Dito isto, acho que se encontram muitos praticantes excepcionais da energia de objetos através de África: Romauld Hazoumé, Zak Ove e El Anatsui são grandes exemplos.

 

IV: Tem-se falado durante muitos anos de um Renascimento Africano, o que significa isso para si?

JS: De quem é esse renascimento? Um que pertence a África ou um renascimento do ponto de vista dos investidores em África? Um aumento do PIB e dos rendimentos disponíveis, que é o caso num número de países africanos, em geral é uma coisa boa, mas isso não é renascimento. O aumento do interesse mundial em arte contemporânea e moderna africana é positivo, mas isso também não é renascimento. Quando as sensibilidades da arte e do pensamento africanos permearem e moldarem os programas educacionais mais importantes, estruturas arquitectónicas, cuidados de saúde, design industrial e de produto de massas, políticas governamentais, então temos renascimento. Quando alfabetos indígenas forem ensinados amplamente e considerados centrais para a alfabetização e o ser 'educado', como é o caso em sociedades como o Japão e a China, quando os abundantes e nutritivos ‘super alimentos’ africanos forem melhor apreciados pela elite e as massas do continente, isso para mim soa a um renascimento africano muito mais interessante, o Novo Renascimento Africano que adiciona fundamentalmente, que torna o mundo como um todo mais rico.

 

IV: Conte-nos sobre KooVha, porquê um "movimento de ideias"?

JS: O sítio onde operamos é um ambiente onde as necessidades fisiológicas são grandes, a arte necessita de significar mais para que seja relevante e nós sentimos que muitos dos deficits na nossa sociedade podem ser resolvidos quando se deixa artistas pensar neles. Fala-se de um Renascimento Africano, e as cidades africanas estão a crescer mais rapidamente do que em qualquer outro lugar do mundo, mas enquanto as cidades ficam maiores, e em alguns casos mais ricas, esse crescimento em termos de arquitectura, de qualidade de vida urbana e de espaços públicos, tem pouca sustentação artística - um renascimento sem arte. É sem dúvida um renascimento da perspectiva dos gestores de fundos e empresas à procura de mercados consumidores. Por isso, a nossa galeria tem estado envolvida em tudo, desde trabalhar com planeadores urbanos do nosso concelho sobre congestionamento, até mesmo na fabricação de cerveja e cidra que usa bagas selvagens africanas, vagens selvagens e outra flora indígena, para criar oportunidades de fundo para tudo, desde colectores até carregadores, biólogos alimentares e transportadores. Actualmente, estou a projetar juntamente com um engenheiro um veículo especial inspirado no contexto da África urbana e das sensibilidades africanas, que pode ser usado como um café, galeria ou loja. Criámos um laboratório de inovação com a excelente escola de design ZIVA (Zimbabwe Institut of Digital Arts) onde, entre outras coisas, estamos a trabalhar para trazer à vida as narrativas imbuídas em várias gerações da escultura zimbabueana usando animação. O nosso movimento está prestes a acolher colaboração das melhores mentes criativas, estejam elas dentro ou fora do mundo da arte.

 

 

 

Inês Valle

Curadora independente e escritora sobre arte. É bacharel em Artes Visuais e possui um mestrado em Estudos Curatoriais ambos pela Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, tendo desenvolvido a sua tese sobre “Contemporary Engaging Aboriginal Art”. Recentemente foi aceite no mestrado em Políticas Globais na Goldsmiths University, em Londres. Trabalha como consultora de curadoria na TAFETA, instituição de arte especializada em arte africana moderna e contemporânea com base no Reino Unido. Tem colaborado com vários artistas, curadores e principais instituições de arte em todo o mundo.

 


:::

 

Nota:

Este artigo faz parte de uma série de entrevistas “Pensando no Sul Global”, conduzidas pela curadora independente Inês Valle. [ www.inesvalle.com ]

® Todos os direitos reservados a Inês Valle


:::

 

Links:

Venice Biennial | www.labiennale.org/en/art/archive/54th-exhibition/first-time/zimbabwe.html
1:54 Art Fair | 1-54.com/london
KooVha Gallery | www.koovha.com