Links

OPINIÃO


Yves Klein, “Le Vide”, Galerie Iris Clert, Paris, 1958


Yves Klein, “Le Vide”, Galerie Iris Clert, Paris, 1958


Exposição Futurista Zero, Dez (0,10), Sala Malevich, 1915


Vladimir Tatlin, “Contra-Relevo”, Exposição no Museu Russo de Leninegrado, 1927


El Lissitzky, “Proun”, 1923 (reconstrução 1965)


Yves Klein, “IKB 103”, 1956. Pigmento e resina sintética sobre tecido sobre contraplacado. 78x56 cm. Colecção Berardo


Jannis Kounellis, “Dodici Cavalli Livi”, Roma, 1969


Vito Acconci, “Seedbed”, 1972


Claes Oldenburg, “The store”, 107 East 2nd Street, New York, 1961

Outros artigos:

LUÍS RAPOSO

2017-10-08
A CASA DA HISTÓRIA EUROPEIA: AFINAL A MONTANHA NÃO PARIU UM RATO, MAS QUASE

MARC LENOT

2017-09-03
CORPOS RECOMPOSTOS

MARC LENOT

2017-07-29
QUER PASSAR A NOITE NO MUSEU?

LUÍS RAPOSO

2017-06-30
PATRIMÓNIO CULTURAL E MUSEUS: O QUE ESTÁ POR DETRÁS DOS “CASOS”

MARZIA BRUNO

2017-05-31
UM LAMPEJO DE LIBERDADE

SERGIO PARREIRA

2017-04-26
ENTREVISTA COM AMANDA COULSON, DIRETORA ARTÍSTICA DA VOLTA FEIRA DE ARTE

LUÍS RAPOSO

2017-03-30
A TRAGICOMÉDIA DA DESCENTRALIZAÇÃO, OU DE COMO SE ARRISCA ESTRAGAR UMA BOA IDEIA

SÉRGIO PARREIRA

2017-03-03
ARTE POLÍTICA E DE PROTESTO | THE TRUMP EFFECT

LUÍS RAPOSO

2017-01-31
ESTATÍSTICAS, MUSEUS E SOCIEDADE EM PORTUGAL - PARTE 2: O CURTO PRAZO

LUÍS RAPOSO

2017-01-13
ESTATÍSTICAS, MUSEUS E SOCIEDADE EM PORTUGAL – PARTE 1: O LONGO PRAZO

SERGIO PARREIRA

2016-12-13
A “ENTREGA” DA OBRA DE ARTE

ANA CRISTINA LEITE

2016-11-08
A MINHA VISITA GUIADA À EXPOSIÇÃO...OU COISAS DO CORAÇÃO

NATÁLIA VILARINHO

2016-10-03
ATLAS DE GALANTE E BORRALHO EM LOULÉ

MARIA LIND

2016-08-31
NAZGOL ANSARINIA – OS CONTRASTES E AS CONTRADIÇÕES DA VIDA NA TEERÃO CONTEMPORÂNEA

LUÍS RAPOSO

2016-06-23
“RESPONSABILIDADE SOCIAL”, INVESTIMENTO EM ARTE E MUSEUS: OS PONTOS NOS IS

TERESA DUARTE MARTINHO

2016-05-12
ARTE, AMOR E CRISE NA LONDRES VITORIANA. O LIVRO ADOECER, DE HÉLIA CORREIA

LUÍS RAPOSO

2016-04-12
AINDA OS PREÇOS DE ENTRADA EM MUSEUS E MONUMENTOS DE SINTRA E BELÉM-AJUDA: OS DADOS E UMA PROPOSTA PARA O FUTURO

DÁRIA SALGADO

2016-03-18
A PAISAGEM COMO SUPORTE DE REPRESENTAÇÃO CINEMATOGRÁFICA NA OBRA DE ANDREI TARKOVSKY

VICTOR PINTO DA FONSECA

2016-02-16
CORAÇÃO REVELADOR

MIRIAN TAVARES

2016-01-06
ABSOLUTELY

CONSTANÇA BABO

2015-11-28
A PROCURA DE FELICIDADE DE WOLFGANG TILLMANS

INÊS VALLE

2015-10-31
A VERDADEIRA MUDANÇA ACABA DE COMEÇAR | UMA ENTREVISTA COM O GALERISTA ZIMBABUEANO JIMMY SARUCHERA PELA CURADORA INDEPENDENTE INÊS VALLE

MARIBEL MENDES SOBREIRA

2015-09-17
PARA UMA CONCEPÇÃO DA ARTE SEGUNDO MARKUS GABRIEL

RENATO RODRIGUES DA SILVA

2015-07-22
O CONCRETISMO E O NEOCONCRETISMO NO BRASIL: ELEMENTOS PARA REFLEXÃO CRÍTICA

LUÍS RAPOSO

2015-07-02
PATRIMÓNIO CULTURAL E OS MUSEUS: VISÃO ESTRATÉGICA | PARTE 2: O PRESENTE/FUTURO

LUÍS RAPOSO

2015-06-17
PATRIMÓNIO CULTURAL E OS MUSEUS: VISÃO ESTRATÉGICA | PARTE 1: O PASSADO/PRESENTE

ALBERTO MORENO

2015-05-13
OS CORVOS OLHAM-NOS

Ana Cristina Alves

2015-04-12
PSICOLOGIA DA ARTE – ENTREVISTA A ANTÓNIO MANUEL DUARTE

J.J. Charlesworth

2015-03-12
COMO NÃO FAZER ARTE PÚBLICA

JOSÉ RAPOSO

2015-02-02
FILMES DE ARTISTA: O ESPECTRO DA NARRATIVA ENTRE O CINEMA E A GALERIA.

MARIA LIND

2015-01-05
UM PARQUE DE DIVERSÕES EM PARIS RELEMBRA UM CONTO DE FADAS CLÁSSICO

Martim Enes Dias

2014-12-05
O PRINCÍPIO DO FUNDAMENTO: A BIENAL DE VENEZA EM 2014

MARIA LIND

2014-11-11
O TRIUNFO DOS NERDS

Jonathan T.D. Neil

2014-10-07
A ARTE É BOA OU APENAS VALIOSA?

José Raposo

2014-09-08
RUMORES DE UMA REVOLUÇÃO: O CÓDIGO ENQUANTO MEIO.

Mike Watson

2014-08-04
Em louvor da beleza

Ana Catarino

2014-06-28
Project Herácles, quando arte e política se encontram no Parlamento Europeu

Luís Raposo

2014-05-27
Ingressos em museus e monumentos: desvario e miopia

Filipa Coimbra

2014-05-06
Tanto Mar - Arquitectura em DERIVAção | Parte 2

Filipa Coimbra

2014-04-15
Tanto Mar - Arquitectura em DERIVAção | Parte 1

Rita Xavier Monteiro

2014-02-25
O AGORA QUE É LÁ

Aimee Lin

2014-01-15
ZENG FANZHI

FILIPE PINTO

2013-12-20
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 4 de 4)

FILIPE PINTO

2013-11-28
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 3 de 4)

FILIPE PINTO

2013-10-25
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 2 de 4)

FILIPE PINTO

2013-09-16
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 1 de 4)

JULIANA MORAES

2013-08-12
O LUGAR DA ARTE: O “CASTELO”, O LABIRINTO E A SOLEIRA

JUAN CANELA

2013-07-11
PERFORMING VENICE

JOSÉ GOMES PINTO (ECATI/ULHT)

2013-05-05
ARTE E INTERACTIVIDADE

PEDRO CABRAL SANTO

2013-04-11
A IMAGEM EM MOVIMENTO NO CONTEXTO ESPECÍFICO DAS ARTES PLÁSTICAS EM PORTUGAL

MARCELO FELIX

2013-01-08
O ESPAÇO E A ORLA. 50 ANOS DE ‘OS VERDES ANOS’

NUNO MATOS DUARTE

2012-12-11
SOBRE A PERTINÊNCIA DAS PRÁTICAS CONCEPTUAIS NA FOTOGRAFIA CONTEMPORÂNEA

FILIPE PINTO

2012-11-05
ASSEMBLAGE TROCKEL

MIGUEL RODRIGUES

2012-10-07
BIRD

JOSÉ BÁRTOLO

2012-09-21
CHEGOU A HORA DOS DESIGNERS

PEDRO PORTUGAL

2012-09-07
PORQUE É QUE OS ARTISTAS DIZEM MAL UNS DOS OUTROS + L’AFFAIRE VASCONCELOS

PEDRO PORTUGAL

2012-08-06
NO PRINCÍPIO ERA A VERBA

ANA SENA

2012-07-09
AS ARTES E A CRISE ECONÓMICA

MARIA BEATRIZ MARQUILHAS

2012-06-12
O DECLÍNIO DA ARTE: MORTE E TRANSFIGURAÇÃO (II)

MARIA BEATRIZ MARQUILHAS

2012-05-21
O DECLÍNIO DA ARTE: MORTE E TRANSFIGURAÇÃO (I)

JOSÉ CARLOS DUARTE

2012-03-19
A JANELA DAS POSSIBILIDADES. EM TORNO DA SÉRIE TELEVISION PORTRAITS (1986–) DE PAUL GRAHAM.

FILIPE PINTO

2012-01-16
A AUTORIDADE DO AUTOR - A PARTIR DO TRABALHO DE DORIS SALCEDO (SOBRE VAZIO, SILÊNCIO, MUDEZ)

JOSÉ CARLOS DUARTE

2011-12-07
LOUISE LAWLER. QUALQUER COISA ACERCA DO MUNDO DA ARTE, MAS NÃO RECORDO EXACTAMENTE O QUÊ.

ANANDA CARVALHO

2011-10-12
RE-CONFIGURAÇÕES NO SISTEMA DA ARTE CONTEMPORÂNEA - RELATO DA CONFERÊNCIA DE ROSALIND KRAUSS NO III SIMPÓSIO DE ARTE CONTEMPORÂNEA DO PAÇO DAS ARTES

MARIANA PESTANA

2011-09-23
ARQUITECTURA COMISSÁRIA: TODOS A BORDO # THE AUCTION ROOM

FILIPE PINTO

2011-07-27
PARA QUE SERVE A ARTE? (sobre espaço, desadequação e acesso) (2.ª parte)

FILIPE PINTO

2011-07-08
PARA QUE SERVE A ARTE? (sobre espaço, desadequação e acesso) (1ª parte)

ROSANA SANCIN

2011-06-14
54ª BIENAL DE VENEZA: ILLUMInations

SOFIA NUNES

2011-05-17
GEDI SIBONY

SOFIA NUNES

2011-04-18
A AUTONOMIA IMPRÓPRIA DA ARTE EM JACQUES RANCIÈRE

PATRÍCIA REIS

2011-03-09
IMAGE IN SCIENCE AND ART

BÁRBARA VALENTINA

2011-02-01
WALTER BENJAMIN. O LUGAR POLÍTICO DA ARTE

UM LIVRO DE NELSON BRISSAC

2011-01-12
PAISAGENS CRÍTICAS

FILIPE PINTO

2010-11-25
TRINTA NOTAS PARA UMA APROXIMAÇÃO A JACQUES RANCIÈRE

PAULA JANUÁRIO

2010-11-08
NÃO SÓ ALGUNS SÃO CHAMADOS MAS TODA A GENTE

SHAHEEN MERALI

2010-10-13
O INFINITO PROBLEMA DO GOSTO

PEDRO PORTUGAL

2010-09-22
ARTE PÚBLICA: UM VÍCIO PRIVADO

FILIPE PINTO

2010-06-09
A PROPÓSITO DE LA CIENAGA DE LUCRECIA MARTEL (Sobre Tempo, Solidão e Cinema)

TERESA CASTRO

2010-04-30
MARK LEWIS E A MORTE DO CINEMA

FILIPE PINTO

2010-03-08
PARA UMA CRÍTICA DA INTERRUPÇÃO

SUSANA MOUZINHO

2010-02-15
DAVID CLAERBOUT. PERSISTÊNCIA DO TEMPO

SOFIA NUNES

2010-01-13
O CASO DE JOS DE GRUYTER E HARALD THYS

ISABEL NOGUEIRA

2009-10-26
ANOS 70 – ATRAVESSAR FRONTEIRAS

LUÍSA SANTOS

2009-09-21
OS PRÉMIOS E A ASSINATURA INDEX:

CAROLINA RITO

2009-08-22
A NATUREZA DO CONTEXTO

LÍGIA AFONSO

2009-08-03
DE QUEM FALAMOS QUANDO FALAMOS DE VENEZA?

LUÍSA SANTOS

2009-07-10
A PROPÓSITO DO OBJECTO FOTOGRÁFICO

LUÍSA SANTOS

2009-06-24
O LIVRO COMO MEIO

ROSANA SANCIN

2009-05-23
RE.ACT FEMINISM_Liubliana

IVO MESQUITA E ANA PAULA COHEN

2009-05-03
RELATÓRIO DA CURADORIA DA 28ª BIENAL DE SÃO PAULO

EMANUEL CAMEIRA

2009-04-15
DE QUE FALAMOS QUANDO FALAMOS DE TEHCHING HSIEH? *

MARTA MESTRE

2009-03-24
ARTE CONTEMPORÂNEA NOS CAMARÕES

MARTA TRAQUINO

2009-03-04
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA III_A ARTE COMO UM ESTADO DE ENCONTRO

PEDRO DOS REIS

2009-02-18
O “ANO DO BOI” – PREVISÕES E REFLEXÕES NO CONTEXTO ARTÍSTICO

MARTA TRAQUINO

2009-02-02
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA II_DO ESPAÇO AO LUGAR: FLUXUS

PEDRO PORTUGAL

2009-01-08
PORQUÊ CONSTRUIR NOVAS ESCOLAS DE ARTE?

MARTA TRAQUINO

2008-12-18
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA I

SANDRA LOURENÇO

2008-12-02
HONG KONG A DÉJÀ DISPARU?

PEDRO DOS REIS

2008-10-31
ARTE POLÍTICA E TELEPRESENÇA

PEDRO DOS REIS

2008-10-15
A ARTE NA ERA DA TECNOLOGIA MÓVEL

SUSANA POMBA

2008-09-30
SOMOS TODOS RAVERS

COLECTIVO

2008-09-01
O NADA COMO TEMA PARA REFLEXÃO

PEDRO PORTUGAL

2008-08-04
BI DA CULTURA. Ou, que farei com esta cultura?

PAULO REIS

2008-07-16
V BIENAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE | PARTILHAR TERRITÓRIOS

PEDRO DOS REIS

2008-06-18
LISBOA – CULTURE FOR LIFE

PEDRO PORTUGAL

2008-05-16
SOBRE A ARTICIDADE (ou os artistas dentro da cidade)

JOSÉ MANUEL BÁRTOLO

2008-05-05
O QUE PODEM AS IDEIAS? REFLEXÕES SOBRE OS PERSONAL VIEWS

PAULA TAVARES

2008-04-22
BREVE CARTOGRAFIA DAS CORRENTES DESCONSTRUTIVISTAS FEMINISTAS

PEDRO DOS REIS

2008-04-04
IOWA: UMA SELECÇÃO IMPROVÁVEL, NUM LUGAR INVULGAR

CATARINA ROSENDO

2008-03-31
ROGÉRIO RIBEIRO (1930-2008): O PINTOR QUE ABRIU AO TEXTO

JOANA LUCAS

2008-02-18
RUY DUARTE DE CARVALHO: pela miscigenação das artes

DANIELA LABRA

2008-01-16
O MEIO DA ARTE NO BRASIL: um Lugar Nenhum em Algum Lugar

LÍGIA AFONSO

2007-12-24
SÃO PAULO JÁ ESTÁ A ARDER?

JOSÉ LUIS BREA

2007-12-05
A TAREFA DA CRÍTICA (EM SETE TESES)

SÍLVIA GUERRA

2007-11-11
ARTE IBÉRICA OU O SÍNDROME DO COLECCIONADOR LOCAL

SANDRA VIEIRA JURGENS

2007-11-01
10ª BIENAL DE ISTAMBUL

TERESA CASTRO

2007-10-16
PARA ALÉM DE PARIS

MARCELO FELIX

2007-09-20
TRANSNATURAL. Da Vida dos Impérios, da Vida das Imagens

LÍGIA AFONSO

2007-09-04
skulptur projekte münster 07

JOSÉ BÁRTOLO

2007-08-20
100 POSTERS PARA UM SÉCULO

SOFIA PONTE

2007-08-02
SOBRE UM ESTADO DE TRANSIÇÃO

INÊS MOREIRA

2007-07-02
GATHERING: REECONTRAR MODOS DE ENCONTRO

FILIPA RAMOS

2007-06-14
A Arte, a Guerra e a Subjectividade – um passeio pelos Giardini e Arsenal na 52ª BIENAL DE VENEZA

SÍLVIA GUERRA

2007-06-01
MAC/VAL: Zones de Productivités Concertées. # 3 Entreprises singulières

NUNO CRESPO

2007-05-02
SEXO, SANGUE E MORTE

HELENA BARRANHA

2007-04-17
O edifício como “BLOCKBUSTER”. O protagonismo da arquitectura nos museus de arte contemporânea

RUI PEDRO FONSECA

2007-04-03
A ARTE NO MERCADO – SEUS DISCURSOS COMO UTOPIA

ALBERTO GUERREIRO

2007-03-16
Gestão de Museus em Portugal [2]

ANTÓNIO PRETO

2007-02-28
ENTRE O SPLEEN MODERNO E A CRISE DA MODERNIDADE

ALBERTO GUERREIRO

2007-02-15
Gestão de Museus em Portugal [1]

JOSÉ BÁRTOLO

2007-01-29
CULTURA DIGITAL E CRIAÇÃO ARTÍSTICA

MARCELO FELIX

2007-01-16
O TEMPO DE UM ÍCONE CINEMATOGRÁFICO

PEDRO PORTUGAL

2007-01-03
Artória - ARS LONGA VITA BREVIS

ANTÓNIO PRETO

2006-12-15
CORRESPONDÊNCIAS: Aproximações contemporâneas a uma “iconologia do intervalo”

ROGER MEINTJES

2006-11-16
MANUTENÇÃO DE MEMÓRIA: Alguns pensamentos sobre Memória Pública – Berlim, Lajedos e Lisboa.

LUÍSA ESPECIAL

2006-11-03
PARA UMA GEOSOFIA DAS EXPOSIÇÕES GLOBAIS. Contra o safari cultural

ANTÓNIO PRETO

2006-10-18
AS IMAGENS DO QUOTIDIANO OU DE COMO O REALISMO É UMA FRAUDE

JOSÉ BÁRTOLO

2006-10-01
O ESTADO DO DESIGN. Reflexões sobre teoria do design em Portugal

JOSÉ MAÇÃS DE CARVALHO

2006-09-18
IMAGENS DA FOTOGRAFIA

INÊS MOREIRA

2006-09-04
ELLIPSE FOUNDATION - NOTAS SOBRE O ART CENTRE

MARCELO FELIX

2006-08-17
BAS JAN ADER, TRINTA ANOS SOBRE O ÚLTIMO TRAJECTO

JORGE DIAS

2006-08-01
UM PERCURSO POR SEGUIR

SÍLVIA GUERRA

2006-07-14
A MOLDURA DO CINEASTA

AIDA CASTRO

2006-06-30
BIO-MUSEU: UMA CONDIÇÃO, NO MÍNIMO, TRIPLOMÓRFICA

COLECTIVO*

2006-06-14
NEM TUDO SÃO ROSEIRAS

LÍGIA AFONSO

2006-05-17
VICTOR PALLA (1922 - 2006)

JOÃO SILVÉRIO

2006-04-12
VIENA, 22 a 26 de Março de 2006

share |

LA SPÉCIALISATION DE LA SENSIBILITÉ À L’ ÉTAT DE MATIÈRE PREMIÈRE EN SENSIBILITÉ PICTURALE STABILISÉE



EMANUEL CAMEIRA

2009-05-31




Não por acaso é preciso dizer azul em vez de dizer pantera (1). Lembro esse exercício espiritual de Cesariny, como me surpreendeu, e revejo-o em metáfora de duplo sentido, simbólico pois claro, mas na alçada de uma linguagem que também serviu para abrir caminhos. Haverá mesmo na viagem que fiz por Klein um interesse além dessa mística do monocromo (2), igualmente sensível a outra marca do artista, o seu modo de expor. De resto, até começando por reter o exemplo de um inspirador Courbet, no que o Pavillon du réalisme (1855) teve de moderno e visionário acto de consciência e intervenção, para depois chegar ao sentido de não somente fazer a obra como de perceber que o modo de a expor altera o nosso olhar sobre ela e, portanto, o seu objectivo.


É do século XX, e logo no âmbito das vanguardas russas, a progressiva valorização do sítio onde a obra se encontra. O entendimento de um contexto expositivo transfigurador identifica-se por exemplo na carga sagrada, ritualista e transcendente do espaço suprematista de Malevich, onde o vazio e a tela conhecem idêntica importância, ou dá-se a ver tanto nas configurações que chão, tecto e parede adquirem nas salas construtivistas de Tatlin quanto na conotação cenográfica do “Proun” de El Lissitzky. Reconhecendo isto, muita da acção dos próprios movimentos artísticos, conseguem-se pistas de leitura das mudanças desde aí sofridas pelos espaços expositivos. Consciente destas remissões deu-se o meu encontro com o acontecimento “Le Vide”, do francês Yves Klein (1928-1962), ocorrido precisamente no dia do seu trigésimo aniversário, a 28 de Abril de 1958, na Galerie Iris Clert, Paris. Eis bem outro caso icónico, questionando à época formas ditas clássicas de exposição.


Supondo que a exposição justapõe sempre evento e lugar, e aqui me debruço sobre essa concepção moderna que, desde o século XVIII, torna os objectos artísticos alvo de uma apresentação publicamente orientada, cabe afirmar que é pelo respectivo display das obras que se constroem e alargam os seus sentidos, estruturando-se as experiências dos espectadores que as vêem. Mas frente à autoridade simbólica de um contexto que reclama da arte tudo aquilo que mostra, efeito de museu cunhado na reflexão de Svetlana Alpers (3) e aliás herdeiro dos vários tipos de questionamento dirigidos por certos artistas à exposição enquanto meio. Foi assim com Duchamp, com um carismático urinol “Fonte” (1917) a servir de impulso para interrogar o estatuto do que é arte e sob que condições. Atitude quer dadaísta quer surrealista, demarcando-se da neutralidade e transparência próprias da exposição. Impõe-se recordar a I Exposição Internacional do Surrealismo (1938), ocorrida na Galerie des Beaux-Arts, Paris, já não mera mostra de quadros pendurados. Falar de fantasiosas salas, iluminadas por braseiras e archotes, da instalação que Dalí levou ao pátio, interpelando os visitantes antes de entrarem na galeria, ou da ampla gruta criada por Duchamp, de cujo tecto pendiam 1200 sacos de carvão e em que o solo se revestia de folhas mortas, misturando rosas e nenúfares, significa colocar a ênfase num cenário nada alheio ou exterior às obras. À consciência da composição espacial incrementada pelos surrealistas podem contrapor-se os trabalhos minimais e conceptuais das décadas de 60 e 70, favorecendo esse local etéreo, idealmente modernista (de paredes brancas, chão direito...) que ainda hoje constitui a ideologia dominante dos espaços expositivos.


Ora, por intermédio de uma obra de especulação metafísica, menos flagrante nos parceiros do Nouveau Réalisme, fica a relevância de la spécialisation de la sensibilité à l’état de matière première en sensibilité picturale stabilisée. Ou “Le Vide”, como se prefira. Espaço «vazio» onde a obra existe sem qualquer tipo de convencional matéria, apenas em função do pensamento autoral de Klein. Comecemos então junto dele, desse movimento que, em 1960, Pierre Restany classificara dos novos realistas, espécie de paralelo europeu da «Pop-Art», buscando outro método de comunicação e percepção do sensível. Klein terá elegido o céu (e o mar), e numa pintura como “IKB 103” (1956), revestida de uma densa camada de cor, o International Klein Blue, prefigura-se uma qualidade Zen que instala simultaneamente na tela o vazio e a representação de um ilimitado espaço, infinitamente rico. O sentimento quase religioso transmitido num impenetrável e concentrado azul ou no contraste cromático dos derradeiros “Retratos Relevo” encontra formulação afim no significado simbólico de “Le Vide”. Desafiando a habitual lógica de construção do espaço expositivo, era a fruir de uma imaterialidade emoldurada que esse ritual incitava.


Nisso de pintar de branco todo o interior da exígua Galerie Iris Clert, retirando-lhe o mobiliário, inclusive o telefone, de as janelas pintadas a azul ultramarino impedirem que da rua se visse o que lá dentro acontecia, e bebiam-se cocktails que tinham a particularidade de tingir de azul a urina dos visitantes, acaba chamando-se o espectador a completar, a participar (n)a obra, devendo-se frisar a dependência que esta carrega do meio circundante.


À vernissage de “Le Vide” acorreram cerca de 3000 pessoas, pese embora nada vendo. Vitrinas vazias ou imagens ocultas que provocantemente o artista garantia decorrerem do seu processo mental, isso a fim de, passados os guardas e as cortinas azuis da entrada, mergulhar os visitantes num ambiente de inusitada dimensão, solene, imaculado, silencioso, repleto de sombras, de possibilidades. De sensibilidade estética, habilitada a influenciar os estados perceptivos, corporais e emocionais, do espectador - a verdade é que a obra repousava na relação sensorial que com ele estabelecia tanto quanto na intelectualização dessa relação.


Importa acrescentar duas particularidades constitutivas desta exposição de autor. O dispositivo de controlo do público, organizado em pequenos grupos, com Klein a insistir numa visita bastante breve, de dois a três minutos, temidas que eram manifestações iconoclastas associadas à frustração de quem eventualmente considerasse pouco autêntica ou fraudulenta a instalação-performance (coube à polícia local, no exterior, dispersar a multidão), e a duração da mesma, ultrapassando os oito dias inicialmente previstos, decisão justificada pela enorme afluência de gente ao n.º 3 da Rue des Beaux-Arts.


Nestes termos, pois, de atracção, recusa visceral ou espanto perante a desmaterialização da obra numa singular atmosfera pictórica sobrepõem-se espaço expositivo (menos parede que conceito) e objecto em exposição. Nota-se o primado da ideia, próximo de um conceptualismo avant la lettre. E que, precedendo Jannis Kounellis (“Dodici Cavalli Livi”, 1969) ou Vito Acconci (“Seedbed”, 1972), as coisas não se expõem, acontecem. Dissecar “Le Vide” presta-se então a mobilizar uma das várias elucubrações de Daniel Buren acerca da doutrina porventura totalitária, idealista e abstracta do cubo branco: so the questioning work has an obligation to employ all possible means, including subversion, to reveal the false discretion of these depersonalized architectures and to make them emerge from their false neutrality (4). Desde que comparada à nova-iorquina “The Store” de Claes Oldenburg (1961), criticando o espaço da galeria segundo uma perspectiva pop, o gesto de Klein, mais elitista e poético, exacerba os tiques do white cube. Não sem o abalar, porque inclusivamente intervindo nos elementos arquitectónicos exteriores, as janelas, a fachada, os libertou de uma neutralidade característica. A incumbência da configuração de um espaço leva Klein, o prestidigitador, a coincidir com essa invenção cara ao século passado, de que o artista é o próprio curador e a exposição uma obra de arte.


Emanuel Cameira



NOTAS

(1) Cesariny, Mário, Manual de Prestidigitação, Lisboa, Assírio e Alvim, 1981, p. 140.

(2) De Duve, Thierry, “Yves Klein ou le marchand mort”, in Cousus de fil d’or – Beuys, Warhol, Klein, Duchamp, Dijon, Art édition, 1990, p. 57.

(3) Alpers, Svetlana, “The museum as a way of seeing”, in Karp, Ivan e Lavine, Steven D. (eds.), Exhibiting cultures, Washington DC, Smithsonian Institution Press, 1991, p. 26.

(4) Buren, Daniel (1975), “Fonction de l’architecture: notes sur le travail par rapport aux lieux où il s’inscrit, prises entre 1967 et 1975 et don’t certaines sont spécialement récapitulées ici”, in Greenberg, Reesa, Ferguson, Bruce W. e Nairne, Sandy, Thinking about exhibitions, London / New York, Routledge, 1996, p. 318.