Links

PERSPETIVA ATUAL


Marino Auriti (1891–1980), Il Encyclopedico Palazzo del Mondo (or Enciclopedico). Kennett Square, Pennsylvania, c. 1950s. Cortesia: Col. American Folk Art Museum, NY, doação Colette Auriti


Carl Gustav Jung, The Red Book [p. 655], 1915-1959. © 2009 Foundation of the Works of C.G. Jung, Zürich. Publicado originalmente por W.W. Norton & Co., New York, 2009


Rudolf Steiner, Disegni alla lavagna, 1923. Cortesia: Rudolf Steiner Archive, Dornach, Switzerland


João Maria Gusmão + Pedro Paiva, O cavalo do profeta, 2011. Filme 16mm, cor, sem som, 2’’02’’. Cortesia: Galeria Graça Brandão, Lisboa


Ryan Trecartin, Not yet titled (Still), 2013. HD Video. Cortesia: o Artista, Andrea Rosen Gallery, New York e Regen Projects, Los Angeles


Evgenij Kozlov (E-E), Untitled (The Leningrad Album, No 204). Collection Kozlov & Fobo, Berlin


Peter Fischli and David Weiss, Suddenly This Overview, 1981-2012. Vista da instalação: Peter Fischli & David Weis: flowers & questions: a retrospective, Kunsthaus Zürich, 2007


Shinro Ohtake, Scrapbook #65, 2005 - 2010, Uwajima. Cortesia: o Artista e Take Ninagawa, Tokyo


Geta Bratescu, Metabola, 1981. Cortesia: o Artista, Ivan Gallery, Bucharest e Galerie Barbara Weiss, Berlin


Frédéric Bruly Bouabré, Connaissance du Monde - «Je suis l'oeil bleu d'une belle femme qui aimante les elus» , 1992. Cortesia: CAAC - The Pigozzi Collection. © Fréderic Bruly Bouabré


Channa Horwitz, Canon, 1987. Cortesia: o Artista e François Ghebaly Gallery. Fotografia: Robert Wedemeyer


Yervant Gianikian and Angela Ricci Lucchi, Carrousel de Jeux, 1997–2006. Video still, Betacam SP, cor, som, 43’ TBC. Cortesia: Yervant Gianikian e Angela Ricci Lucchi


Walter De Maria, Apollo’s Ecstasy, 1990. Collection Stedelijk Museum Amsterdam

Outros artigos:

2017-09-05


PAULA PINTO


2017-07-26


NATÁLIA VILARINHO


2017-07-17


ANA RITO


2017-07-11


PEDRO POUSADA


2017-06-30


PEDRO POUSADA


2017-05-31


CONSTANÇA BABO


2017-04-26


MARC LENOT


2017-03-28


ALEXANDRA BALONA


2017-02-10


CONSTANÇA BABO


2017-01-06


CONSTANÇA BABO


2016-12-13


CONSTANÇA BABO


2016-11-08


ADRIANO MIXINGE


2016-10-20


ALBERTO MORENO


2016-10-07


ALBERTO MORENO


2016-08-29


NATÁLIA VILARINHO


2016-06-28


VICTOR PINTO DA FONSECA


2016-05-25


DIOGO DA CRUZ


2016-04-16


NAMALIMBA COELHO


2016-03-17


FILIPE AFONSO


2016-02-15


ANA BARROSO


2016-01-08


TAL R EM CONVERSA COM FABRICE HERGOTT


2015-11-28


MARTA RODRIGUES


2015-10-17


ANA BARROSO


2015-09-17


ALBERTO MORENO


2015-07-21


JOANA BRAGA, JOANA PESTANA E INÊS VEIGA


2015-06-20


PATRÍCIA PRIOR


2015-05-19


JOÃO CARLOS DE ALMEIDA E SILVA


2015-04-13


Natália Vilarinho


2015-03-17


Liz Vahia


2015-02-09


Lara Torres


2015-01-07


JOSÉ RAPOSO


2014-12-09


Sara Castelo Branco


2014-11-11


Natália Vilarinho


2014-10-07


Clara Gomes


2014-08-21


Paula Pinto


2014-07-15


Juliana de Moraes Monteiro


2014-06-13


Catarina Cabral


2014-05-14


Alexandra Balona


2014-04-17


Ana Barroso


2014-03-18


Filipa Coimbra


2014-01-30


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2013-12-09


SOFIA NUNES


2013-10-18


ISADORA H. PITELLA


2013-09-24


SANDRA VIEIRA JÜRGENS


2013-08-12


ISADORA H. PITELLA


2013-06-27


SOFIA NUNES


2013-06-04


MARIA JOÃO GUERREIRO


2013-05-13


ROSANA SANCIN


2013-04-02


MILENA FÉRNANDEZ


2013-03-12


FERNANDO BRUNO


2013-02-09


ARTECAPITAL


2013-01-02


ZARA SOARES


2012-12-10


ISABEL NOGUEIRA


2012-11-05


ANA SENA


2012-10-08


ZARA SOARES


2012-09-21


ZARA SOARES


2012-09-10


JOÃO LAIA


2012-08-31


ARTECAPITAL


2012-08-24


ARTECAPITAL


2012-08-06


JOÃO LAIA


2012-07-16


ROSANA SANCIN


2012-06-25


VIRGINIA TORRENTE


2012-06-14


A ART BASEL


2012-06-05


dOCUMENTA (13)


2012-04-26


PATRÍCIA ROSAS


2012-03-18


SABRINA MOURA


2012-02-02


ROSANA SANCIN


2012-01-02


PATRÍCIA TRINDADE


2011-11-02


PATRÍCIA ROSAS


2011-10-18


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-09-23


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-07-28


PATRÍCIA ROSAS


2011-06-21


SÍLVIA GUERRA


2011-05-02


CARLOS ALCOBIA


2011-04-13


SÓNIA BORGES


2011-03-21


ARTECAPITAL


2011-03-16


ARTECAPITAL


2011-02-18


MANUEL BORJA-VILLEL


2011-02-01


ARTECAPITAL


2011-01-12


ATLAS - COMO LEVAR O MUNDO ÀS COSTAS?


2010-12-21


BRUNO LEITÃO


2010-11-29


SÍLVIA GUERRA


2010-10-26


SÍLVIA GUERRA


2010-09-30


ANDRÉ NOGUEIRA


2010-09-22


EL CULTURAL


2010-07-28


ROSANA SANCIN


2010-06-20


ART 41 BASEL


2010-05-11


ROSANA SANCIN


2010-04-15


FABIO CYPRIANO - Folha de S.Paulo


2010-03-19


ALEXANDRA BELEZA MOREIRA


2010-03-01


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-02-17


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-01-26


SUSANA MOUZINHO


2009-12-16


ROSANA SANCIN


2009-11-10


PEDRO NEVES MARQUES


2009-10-20


SÍLVIA GUERRA


2009-10-05


PEDRO NEVES MARQUES


2009-09-21


MARTA MESTRE


2009-09-13


LUÍSA SANTOS


2009-08-22


TERESA CASTRO


2009-07-24


PEDRO DOS REIS


2009-06-15


SÍLVIA GUERRA


2009-06-11


SANDRA LOURENÇO


2009-06-10


SÍLVIA GUERRA


2009-05-28


LUÍSA SANTOS


2009-05-04


SÍLVIA GUERRA


2009-04-13


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2009-03-23


PEDRO DOS REIS


2009-03-03


EMANUEL CAMEIRA


2009-02-13


SÍLVIA GUERRA


2009-01-26


ANA CARDOSO


2009-01-13


ISABEL NOGUEIRA


2008-12-16


MARTA LANÇA


2008-11-25


SÍLVIA GUERRA


2008-11-08


PEDRO DOS REIS


2008-11-01


ANA CARDOSO


2008-10-27


SÍLVIA GUERRA


2008-10-18


SÍLVIA GUERRA


2008-09-30


ARTECAPITAL


2008-09-15


ARTECAPITAL


2008-08-31


ARTECAPITAL


2008-08-11


INÊS MOREIRA


2008-07-25


ANA CARDOSO


2008-07-07


SANDRA LOURENÇO


2008-06-25


IVO MESQUITA


2008-06-09


SÍLVIA GUERRA


2008-06-05


SÍLVIA GUERRA


2008-05-14


FILIPA RAMOS


2008-05-04


PEDRO DOS REIS


2008-04-09


ANA CARDOSO


2008-04-03


ANA CARDOSO


2008-03-12


NUNO LOURENÇO


2008-02-25


ANA CARDOSO


2008-02-12


MIGUEL CAISSOTTI


2008-02-04


DANIELA LABRA


2008-01-07


SÍLVIA GUERRA


2007-12-17


ANA CARDOSO


2007-12-02


NUNO LOURENÇO


2007-11-18


ANA CARDOSO


2007-11-17


SÍLVIA GUERRA


2007-11-14


LÍGIA AFONSO


2007-11-08


SÍLVIA GUERRA


2007-11-02


AIDA CASTRO


2007-10-25


SÍLVIA GUERRA


2007-10-20


SÍLVIA GUERRA


2007-10-01


TERESA CASTRO


2007-09-20


LÍGIA AFONSO


2007-08-30


JOANA BÉRTHOLO


2007-08-21


LÍGIA AFONSO


2007-08-06


CRISTINA CAMPOS


2007-07-15


JOANA LUCAS


2007-07-02


ANTÓNIO PRETO


2007-06-21


ANA CARDOSO


2007-06-12


TERESA CASTRO


2007-06-06


ALICE GEIRINHAS / ISABEL RIBEIRO


2007-05-22


ANA CARDOSO


2007-05-12


AIDA CASTRO


2007-04-24


SÍLVIA GUERRA


2007-04-13


ANA CARDOSO


2007-03-26


INÊS MOREIRA


2007-03-07


ANA CARDOSO


2007-03-01


FILIPA RAMOS


2007-02-21


SANDRA VIEIRA JURGENS


2007-01-28


TERESA CASTRO


2007-01-16


SÍLVIA GUERRA


2006-12-15


CRISTINA CAMPOS


2006-12-07


ANA CARDOSO


2006-12-04


SÍLVIA GUERRA


2006-11-28


SÍLVIA GUERRA


2006-11-13


ARTECAPITAL


2006-11-07


ANA CARDOSO


2006-10-30


SÍLVIA GUERRA


2006-10-29


SÍLVIA GUERRA


2006-10-27


SÍLVIA GUERRA


2006-10-11


ANA CARDOSO


2006-09-25


TERESA CASTRO


2006-09-03


ANTÓNIO PRETO


2006-08-17


JOSÉ BÁRTOLO


2006-07-24


ANTÓNIO PRETO


2006-07-06


MIGUEL CAISSOTTI


2006-06-14


ALICE GEIRINHAS


2006-06-07


JOSÉ ROSEIRA


2006-05-24


INÊS MOREIRA


2006-05-10


AIDA E. DE CASTRO


2006-04-20


JORGE DIAS


2006-04-05


SANDRA VIEIRA JURGENS


share |

55. BIENNALE DI VENEZIA. IL PALAZZO ENCICLOPEDICO



SOFIA NUNES

2013-06-27








De tempos em tempos, no mundo da arte contemporânea, surgem exposições de grande formato que perspetivam a curadoria como um campo de reflexão resultante de uma investigação profunda que determina, explora e complexifica um problema preciso, despoletado pelos próprios objetos apresentados, ao mesmo tempo que reinventa a sua prática.


A exposição central da 55ª Bienal de Veneza, O Palácio Enciclopédico, comissariada por Massimiliano Gioni (Busto Arsizio, 1973) é uma dessas exposições, sendo portanto exímia e muito estimulante do ponto de vista curatorial. O seu ponto de partida é uma maquete de um museu imaginário concebida por Marino Auriti, um artista autodidata, em 1955. Nesse enorme museu, que dá título à bienal, mas que nunca saiu de projeto, caberiam todos os saberes do mundo e conquistas da humanidade, desde a roda, ao satélite, passando pelos artefactos e as vanguardas artísticas. Um sonho que Auriti partilhou, nas palavras do curador, com “muitos outros artistas, escritores, cientistas e profetas auto-proclamados que tentaram em vão, construir uma imagem do mundo que captasse a sua infinita variedade e riqueza.” Recuperar esta utopia requer, porém, que a olhemos a partir das condições históricas atuais e extrair certas consequências, como Gioni o faz. Assim, se hoje o sonho pelo saber universal e o acesso a toda a história parecem ter-se atualizado à luz da cultura da hiperconetividade e da profusão de imagens e informação via google/facebook, nunca, por outro lado, a capacidade de inventar novas imagens nos pareceu tão parca e, simultaneamente, urgente.


Neste sentido, esta é uma exposição que considera aquela contradição para reativar a importância da esfera da imaginação, perscrutando os lugares da imagem na relação com a experiência do mundo. Gioni, prefere, por isso, considerar a imagem como uma noção elástica e pluriforme, que tanto pode ser trabalhada do ponto de vista bidimensional, tridimensional ou corporal, por artistas profissionais, autodidatas e não artistas (mas artistas dentro da exposição). Paralelamente, opta por uma narrativa de corte histórico sincrónico que abrange o século XX e primeiras décadas do XXI, onde diferentes gerações de artistas dialogam entre si e a problemática central surge tratada de modo prismático. Como tal, as múltiplas cosmologias pessoais que se vão sucedendo ao longo da exposição, vão também conferindo diferentes ordens discursivas à imagem.


A exposição abre, não por acaso, com o Livro Vermelho, 1914-30 de Carl Gustav Jung, um manuscrito iluminado que reúne um conjunto de interpretações das suas visões e fantasias mais profundas. Assente na técnica da “imaginação ativa”, o manuscrito constituiria um exemplo de como o “inconsciente individual”, imprescindível à sua teoria da individuação, se manifestava em imagens, narrativas ou simbólicas, e como através destas, o homem podia aceder à totalidade da psique. Ora a atenção dada aos sonhos, intuições, visões e alucinações é, assim, levantada para de seguida assumir centralidade junto da maioria dos trabalhos apresentados no Pavilhão Central, que somam também outros interesses ligados, concretamente, à tentativa de compreensão de fenómenos imperceptíveis e estranhos ao conhecimento [1].


Entre esses trabalhos, encontramos os esquemas a giz sobre cartolina negra, feitos por Rudolf Steiner durante as aulas que deu nos anos 1920, dedicadas ao estudo da Antroposofia e à interpretação do mundo através de experiências espirituais e místicas de base científica. A coleção de pedras raras de Roger Caillois, cujos padrões variados e a riqueza cromática permitiram-lhe, com base no seu modelo de “ciência diagonal”, traçar analogias semânticas entre o mundo mineral e o mundo animado e meditar sobre os fluxos de energia em toda a matéria. As aguarelas coloridas de 1938 de Aleister Crowley, mago e ocultista que visitou Fernando Pessoa em 1930, pautadas por uma linguagem de influência art deco e simbolismos diversos impulsionados pelas práticas do ocultismo, budismo e consumo de alucinogénios. Ou os desenhos geométricos de Emma Kunz, iniciados em 1939, no contexto das suas sessões terapêuticas, que apontam para o poder paliativo da imagem fundado numa ideia de consciência superior que apreenderia as forças invisíveis do mundo visualmente perceptível. Já em João Maria Gusmão e Pedro Paiva, representados numa grande sala do Arsenal com várias projeções de filmes 16mm (2007-2013), algumas destas preocupações reaparecem desviadas pelo pensamento ficcional da “abissologia” que ambos engendram, jogando sistemas de devires paradoxais contra sistemas de crença (racionalista ou mística) [2].


À medida que avançamos no Arsenal, as investigações em torno da imagem direcionam-se progressivamente para a questão do digital, do excesso de informação que povoa o quotidiano e para a indagação de formas de conhecimento e experiência organizadas pelas novas tecnologias. A este respeito salientam-se os vídeos: The Trick Brain, 2012 de Ed Atkins, uma filmagem da coleção pessoal de André Breton que estabelece uma analogia entre a imagem digital/código e a ideia de morte associável à ideia de coleção. Kempinski, 2007 de Neïl Beloufa, onde o presente é tido pelos intérpretes como um tempo preenchido de virtualidades tangíveis: a telepatia, carros com voz, viagens às estrelas num segundo. Das Hole, 2010 de Jos De Gruyter e Harald Thys, uma conversa interpretada por três manequins que ironiza a aceitação e incorporação imediatas do digital tanto na vida como na arte. Grosse Fatigue, 2013 de Camille Henrot, que apresenta a subjetividade enquanto terreno inimigo dos diferentes sistemas arquivísticos inventados pelo homem através de uma narrativa assente em texto/poesia lido em voz off e interfaces gráficos de utilização informática. E os vídeos e cenários, 2013 de Ryan Trecartin que investigam os processos identitários marcados pela indefinição de géneros e pelo registo compulsivo do corpo em vídeo, a par da sua exposição histérica e quase desesperada.


Mas Gioni amplia também as possibilidades da imaginação a outros domínios, sendo possível pensarmos a produção de imagens associada ao desejo e fantasias sexuais (Sarah Lucas, Evgenij Kozlov, Kohei Yoshiyuki ou Robert Crumb); à representação (Fischli & Weiss, Tacita Dean, Shinro Ohtake ou Laurent Montaron); à identidade (Geta Bratescu, Eva Kotátková ou Victor Alimpiev); à invenção de novos sistemas de linguagem (Fréderic Bruly Bouabré, Channa Horwitz, Steve McQueen, Tino Sehgal ou Xul Solar); à colonização e mercantilização da própria imaginação (Danh Vo ou Harun Farocki); e ao corpo, relação que alcança, por ventura, o melhor momento com Cindy Sherman. Convidada para comissariar um projeto dentro do Arsenal, Sherman apropria-se do problema geral da exposição para interrogar as representações e percepções anatómicas, reunindo trabalhos de artistas e materiais encontrados, voltados, por exemplo, para as funções internas do corpo humano (Paul McCarthy), as memórias assustadoras de infância (Robert Gober), os usos da fotografia como técnica de visualização de sonhos e obsessões (coleção de fotografias de estúdio tiradas por Norbert Ghisoland entre 1918-39) ou a instrumentalização dos comportamentos por via dos brinquedos e bonecas (Yervant Gianikian e Angela Ricci Lucchi).


A escolha de Apollo’s Ecstasy, de 1990, de Walter de Maria, que encerra a exposição é também bastante curiosa, já que falamos de uma instalação de grande rigor matemático, mas cuja forma admite a rutura da polarização clássica entre os vetores apolíneos e dionisíacos. Um aspeto que de resto ecoa a mecânica da criação de imagens que o curador persegue e sustenta ao longo da bienal, salvaguardando a liberdade de imaginar como reduto da subjetividade.


Se a exposição tem o mérito de resgatar a questão da imaginação, um pouco esquecida pelas desconstruções à antropologia filosófica, e de repensá-la sob o presente com sentido crítico, ela denota porém certas fragilidades que se prendem com o entendimento da imagem que veicula. Para Gioni importa compreender a imagem enquanto imagem gerida no interior da mente, ou seja, como “imagem interior”, citando Hans Belting. Sabemos que o desacordo face às posições estruturalistas e da “nova” história da arte, levaram Belting a desenvolver uma teorização antropológica da imagem fundada numa relação triádica entre imagem-medium-corpo, onde a imagem se oferece já não como signo mas como anterioridade: entidade interior e abstrata, fruto dos sonhos, visões e memória do homem, que aguarda por um suporte/corpo para se presentificar e, em última instância, testemunhar, junto de quem a percepciona, a sua condição de invisibilidade e ausência. Este é o movimento que aliás espreita o próprio pictograma de divulgação da bienal: de dentro de uma cabeça de homem saem várias setas amarelas grandes para o exterior e de fora surgem pequenas setas azuis que apontam para o interior daquela. Um movimento demasiado antropocêntrico e metafísico, parece, para interpelar as forças da imaginação e da produção de imagens fora de uma orla mítica, pelo que, corre o perigo de as remitificar também.



Sofia Nunes




Notas

[1] Algo que tem ressurgido em força na produção artística atual, sobretudo desde 2010.

[2] João Maria Gusmão e Pedro Paiva são os únicos portugueses representados na exposição central da bienal.