Links

PERSPETIVA ATUAL


Samuel Beckett durante um ensaio de “À espera de Godot”,1961. © Fotografia de Roger Pic. © Département des Arts du Spectacle, BNF.


Samuel Beckett durante a realização de “Film”, Nova Iorque, 1964. © I.C. Rapoport.


Poema manuscrito de Samuel Beckett. © The Beckett International Foundation, Reading University Library.


Fotograma de “Film”, 1966. © Centre Pompidou, Paris, 2007. © The Estate of Samuel Beckett.


Bruce Nauman, “Slow Angle Walk (Beckett’s Walk)”, 1968. © Centre Pompidou, Paris, 2007.


Bram Van Velde, “Sem título”, 1973. Fotograma de Film, 1966. © Colecção Particular.


Cláudio Parmiggiani, “Polvere”, 1998. Seda sobre acrílico sobre madeira. Colecção FRAC Bourgone. Dom do artista.

Outros artigos:

2017-11-12


HELENA OSÓRIO


2017-10-09


PAULA PINTO


2017-09-05


PAULA PINTO


2017-07-26


NATÁLIA VILARINHO


2017-07-17


ANA RITO


2017-07-11


PEDRO POUSADA


2017-06-30


PEDRO POUSADA


2017-05-31


CONSTANÇA BABO


2017-04-26


MARC LENOT


2017-03-28


ALEXANDRA BALONA


2017-02-10


CONSTANÇA BABO


2017-01-06


CONSTANÇA BABO


2016-12-13


CONSTANÇA BABO


2016-11-08


ADRIANO MIXINGE


2016-10-20


ALBERTO MORENO


2016-10-07


ALBERTO MORENO


2016-08-29


NATÁLIA VILARINHO


2016-06-28


VICTOR PINTO DA FONSECA


2016-05-25


DIOGO DA CRUZ


2016-04-16


NAMALIMBA COELHO


2016-03-17


FILIPE AFONSO


2016-02-15


ANA BARROSO


2016-01-08


TAL R EM CONVERSA COM FABRICE HERGOTT


2015-11-28


MARTA RODRIGUES


2015-10-17


ANA BARROSO


2015-09-17


ALBERTO MORENO


2015-07-21


JOANA BRAGA, JOANA PESTANA E INÊS VEIGA


2015-06-20


PATRÍCIA PRIOR


2015-05-19


JOÃO CARLOS DE ALMEIDA E SILVA


2015-04-13


Natália Vilarinho


2015-03-17


Liz Vahia


2015-02-09


Lara Torres


2015-01-07


JOSÉ RAPOSO


2014-12-09


Sara Castelo Branco


2014-11-11


Natália Vilarinho


2014-10-07


Clara Gomes


2014-08-21


Paula Pinto


2014-07-15


Juliana de Moraes Monteiro


2014-06-13


Catarina Cabral


2014-05-14


Alexandra Balona


2014-04-17


Ana Barroso


2014-03-18


Filipa Coimbra


2014-01-30


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2013-12-09


SOFIA NUNES


2013-10-18


ISADORA H. PITELLA


2013-09-24


SANDRA VIEIRA JÜRGENS


2013-08-12


ISADORA H. PITELLA


2013-06-27


SOFIA NUNES


2013-06-04


MARIA JOÃO GUERREIRO


2013-05-13


ROSANA SANCIN


2013-04-02


MILENA FÉRNANDEZ


2013-03-12


FERNANDO BRUNO


2013-02-09


ARTECAPITAL


2013-01-02


ZARA SOARES


2012-12-10


ISABEL NOGUEIRA


2012-11-05


ANA SENA


2012-10-08


ZARA SOARES


2012-09-21


ZARA SOARES


2012-09-10


JOÃO LAIA


2012-08-31


ARTECAPITAL


2012-08-24


ARTECAPITAL


2012-08-06


JOÃO LAIA


2012-07-16


ROSANA SANCIN


2012-06-25


VIRGINIA TORRENTE


2012-06-14


A ART BASEL


2012-06-05


dOCUMENTA (13)


2012-04-26


PATRÍCIA ROSAS


2012-03-18


SABRINA MOURA


2012-02-02


ROSANA SANCIN


2012-01-02


PATRÍCIA TRINDADE


2011-11-02


PATRÍCIA ROSAS


2011-10-18


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-09-23


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-07-28


PATRÍCIA ROSAS


2011-06-21


SÍLVIA GUERRA


2011-05-02


CARLOS ALCOBIA


2011-04-13


SÓNIA BORGES


2011-03-21


ARTECAPITAL


2011-03-16


ARTECAPITAL


2011-02-18


MANUEL BORJA-VILLEL


2011-02-01


ARTECAPITAL


2011-01-12


ATLAS - COMO LEVAR O MUNDO ÀS COSTAS?


2010-12-21


BRUNO LEITÃO


2010-11-29


SÍLVIA GUERRA


2010-10-26


SÍLVIA GUERRA


2010-09-30


ANDRÉ NOGUEIRA


2010-09-22


EL CULTURAL


2010-07-28


ROSANA SANCIN


2010-06-20


ART 41 BASEL


2010-05-11


ROSANA SANCIN


2010-04-15


FABIO CYPRIANO - Folha de S.Paulo


2010-03-19


ALEXANDRA BELEZA MOREIRA


2010-03-01


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-02-17


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-01-26


SUSANA MOUZINHO


2009-12-16


ROSANA SANCIN


2009-11-10


PEDRO NEVES MARQUES


2009-10-20


SÍLVIA GUERRA


2009-10-05


PEDRO NEVES MARQUES


2009-09-21


MARTA MESTRE


2009-09-13


LUÍSA SANTOS


2009-08-22


TERESA CASTRO


2009-07-24


PEDRO DOS REIS


2009-06-15


SÍLVIA GUERRA


2009-06-11


SANDRA LOURENÇO


2009-06-10


SÍLVIA GUERRA


2009-05-28


LUÍSA SANTOS


2009-05-04


SÍLVIA GUERRA


2009-04-13


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2009-03-23


PEDRO DOS REIS


2009-03-03


EMANUEL CAMEIRA


2009-02-13


SÍLVIA GUERRA


2009-01-26


ANA CARDOSO


2009-01-13


ISABEL NOGUEIRA


2008-12-16


MARTA LANÇA


2008-11-25


SÍLVIA GUERRA


2008-11-08


PEDRO DOS REIS


2008-11-01


ANA CARDOSO


2008-10-27


SÍLVIA GUERRA


2008-10-18


SÍLVIA GUERRA


2008-09-30


ARTECAPITAL


2008-09-15


ARTECAPITAL


2008-08-31


ARTECAPITAL


2008-08-11


INÊS MOREIRA


2008-07-25


ANA CARDOSO


2008-07-07


SANDRA LOURENÇO


2008-06-25


IVO MESQUITA


2008-06-09


SÍLVIA GUERRA


2008-06-05


SÍLVIA GUERRA


2008-05-14


FILIPA RAMOS


2008-05-04


PEDRO DOS REIS


2008-04-09


ANA CARDOSO


2008-04-03


ANA CARDOSO


2008-03-12


NUNO LOURENÇO


2008-02-25


ANA CARDOSO


2008-02-12


MIGUEL CAISSOTTI


2008-02-04


DANIELA LABRA


2008-01-07


SÍLVIA GUERRA


2007-12-17


ANA CARDOSO


2007-12-02


NUNO LOURENÇO


2007-11-18


ANA CARDOSO


2007-11-17


SÍLVIA GUERRA


2007-11-14


LÍGIA AFONSO


2007-11-08


SÍLVIA GUERRA


2007-11-02


AIDA CASTRO


2007-10-25


SÍLVIA GUERRA


2007-10-20


SÍLVIA GUERRA


2007-10-01


TERESA CASTRO


2007-09-20


LÍGIA AFONSO


2007-08-30


JOANA BÉRTHOLO


2007-08-21


LÍGIA AFONSO


2007-08-06


CRISTINA CAMPOS


2007-07-15


JOANA LUCAS


2007-07-02


ANTÓNIO PRETO


2007-06-21


ANA CARDOSO


2007-06-12


TERESA CASTRO


2007-06-06


ALICE GEIRINHAS / ISABEL RIBEIRO


2007-05-22


ANA CARDOSO


2007-05-12


AIDA CASTRO


2007-04-24


SÍLVIA GUERRA


2007-04-13


ANA CARDOSO


2007-03-26


INÊS MOREIRA


2007-03-07


ANA CARDOSO


2007-03-01


FILIPA RAMOS


2007-02-21


SANDRA VIEIRA JURGENS


2007-01-28


TERESA CASTRO


2007-01-16


SÍLVIA GUERRA


2006-12-15


CRISTINA CAMPOS


2006-12-07


ANA CARDOSO


2006-12-04


SÍLVIA GUERRA


2006-11-28


SÍLVIA GUERRA


2006-11-13


ARTECAPITAL


2006-11-07


ANA CARDOSO


2006-10-30


SÍLVIA GUERRA


2006-10-29


SÍLVIA GUERRA


2006-10-27


SÍLVIA GUERRA


2006-10-11


ANA CARDOSO


2006-09-25


TERESA CASTRO


2006-09-03


ANTÓNIO PRETO


2006-08-17


JOSÉ BÁRTOLO


2006-07-24


ANTÓNIO PRETO


2006-07-06


MIGUEL CAISSOTTI


2006-06-14


ALICE GEIRINHAS


2006-06-07


JOSÉ ROSEIRA


2006-05-24


INÊS MOREIRA


2006-05-10


AIDA E. DE CASTRO


2006-04-20


JORGE DIAS


2006-04-05


SANDRA VIEIRA JURGENS


share |

SAMUEL BECKETT



TERESA CASTRO

2007-06-12




Ever tried? Ever failed? No matter. Try Again. Fail again. Fail better..
Samuel Beckett, Worstward Ho!


Quanto já se disse sobre Samuel Beckett? As suas palavras deixaram uma marca indelével na memória do mundo e o seu rosto aquilino confunde-se com o rosto do século XX. As comemorações do seu centenário, organizadas pelo governo irlandês no ano passado, incluiram uma miríade de acontecimentos, entre as quais diversas exposições na Irlanda e no estrangeiro. Um ano depois, e na sequência do enorme sucesso das mostras sobre Roland Barthes (2002-2003) e Jean Cocteau (2003-2004), foi a vez do Departamento de Desenvolvimento Cultural do Centre Pompidou lhe dedicar uma grande e excelente exposição.

\"Samuel Beckett\" venceu todos os desafios. Um geral, o de saber como expor, num espaço museológico vocacionado para atrair as multidões, o trabalho de um escritor. E outro particular, o de saber expor, sobretudo, o trabalho singular e difícil de um autor como Beckett. Reunindo não só documentos pessoais – entre os quais os maravilhosos cadernos manuscritos do poeta-dramaturgo -, mas também documentos audiovisuais e peças de diferentes artistas que de uma forma ou outra fazem alusão ao universo “beckettiano”, a proposta inteligente e cuidada do Centre Pompidou revelou-se fiel tanto ao homem como à obra.

Como em “À espera de Godot”, o percurso em oito etapas claramente lexicais da exposição começou com a “Voz” (“Voix”). Uma voz que lê, em francês e em inglês (evocando assim o bilinguismo de Beckett), poemas e textos breves do escritor. As palavras constituíram a matéria-prima da exposição e, ao fundo do corredor inaugural, a boca de “Not I” (“peça em um acto para uma boca”) deu um corpo fragmentado ao texto torrencial do autor. Seguiam-se os “Vestígios” (“Restes”). A par de uma série de manuscritos de Beckett, diversas obras de artistas contemporâneos (entre os quais Pierre Alechinsky, Jasper Johns, Mona Hatoum, Paul McCarthy, Brunce Nauman Giuseppe Penone, etc.) constituíram o eco visual da torrente de palavras “beckettiana”. Por seu lado, “Cenas” (“Scénes”) era um espaço inteiramente dedicado à produção dramatúrgica do autor. Reunindo fotografias de palco e adereços cenográficos, bem como registos audiovisuais de algumas encenações famosas de peças de Beckett (em francês, inglês e alemão), a sala formou um verdadeiro arquivo, prolongado e complementado pela versão autobiográfica da secção “Coisa” (“Truc”) (1). Ilustrada por fotografias e outros documentos pessoais, “Coisa” apresentou ainda uma das várias obras especialmente criadas para a exposição, um documentário que reúne testemunhos de escritores, artistas e leitores de Beckett sobre o autor.

“Olho” (“Oeil”) concentra-se em torno do único filme escrito por Samuel Beckett: “Film”. Realizado em 1964 por Alain Schneider, sob a supervisão estreita de Beckett, a curta-metragem muda “Film” (30 minutos) tem como protagonista um Buster Keaton envelhecido, cujo personagem fantasmagórico procura subtrair-se a todos os olhares. O argumento de Beckett explora uma das teses principais do filósofo irlandês George Berkeley (1685-1753), o “esse est percipi” (“ser é ser percepcionado”). Ainda nesta secção, enriquecida por diversos excertos de filmes, uma obra do canadiano Stan Douglas, “Vídeo” (2006-2007), realizada na periferia de Paris, revisitou o universo de “Film” e associa-o a esse outro mundo delirante que é o do “Processo” de Orson Welles. Já a secção “Cubo” (“Cube”) apresentou em projecção “Quad”, uma das várias obras de Beckett concebidas para a televisão nos anos oitenta. O espaço esteve dedicado ao aspecto formal das obras do autor, nomeadamente a sua geometrização do espaço, seja ele gráfico ou audiovisual. O confronto com as peças minimalistas de Sol LeWitt, Richard Serra ou mesmo Bruce Nauman veio lançar uma luz inesperada sobre este aspecto da obra de Beckett.

Finalmente, a secção “Bram” explorou os textos de Beckett sobre o pintor holandês Bram van Velde. “Escuro” (“Noir”) encerrou, com a penumbra e na penumbra, o percurso da exposição. Algumas clareiras de luz (e de som) convidavam o visitante a sentar-se e a escutar o murmurar hipnótico de alguns dos textos mais tardios do escritor: “Mal vu mal dit , “Worstward Ho\", \"Pour en finir encore\", etc. E como se não bastasse, para concluir em beleza a exploração de uma vida e de uma obra singulares, e graças a um arquivo sonoro raro e inédito em França, a voz do próprio Samuel Beckett lia-nos “Lessness”: “Figment dawn dispeller of figments and the other called dusk”...


Teresa Castro


NOTAS
(1) A secção faz alusão a um comentário de Beckett : «Ce truc qu’on appele ma vie » (« Essa coisa a que se chama a minha vida »).