Links

PERSPETIVA ATUAL


Pulse NYC. Vista geral


Stande da FTC gallery. Pulse NYC


Clifton Childree, “Miamuh Swamp Adventure”, 2009. Galerie, Ernst Hilger/Hilger Contemporary. Pulse NYC


Instalação na galeria 55, de Shanghai


Taylor Baldwin, “The sun never sets”, 2008. Connery Contemporary Art. Pulse NYC


Alan Rath, “Oculi II”, 2007. Bryce Wolkowitz Gallery. Pulse NYC


Markus Linnenbrink, “Wall Painting on-site”, 2009. FTC gallery. Pulse NYC


John Strutton, “Donderslag”. Domobaal. Volta Show


Fernando Mastrangelo, “Felix”, 2009. Galeria Rhys Mendes. Volta


Eugenio Merino. Galeria ADN. Volta

Outros artigos:

2017-11-12


HELENA OSÓRIO


2017-10-09


PAULA PINTO


2017-09-05


PAULA PINTO


2017-07-26


NATÁLIA VILARINHO


2017-07-17


ANA RITO


2017-07-11


PEDRO POUSADA


2017-06-30


PEDRO POUSADA


2017-05-31


CONSTANÇA BABO


2017-04-26


MARC LENOT


2017-03-28


ALEXANDRA BALONA


2017-02-10


CONSTANÇA BABO


2017-01-06


CONSTANÇA BABO


2016-12-13


CONSTANÇA BABO


2016-11-08


ADRIANO MIXINGE


2016-10-20


ALBERTO MORENO


2016-10-07


ALBERTO MORENO


2016-08-29


NATÁLIA VILARINHO


2016-06-28


VICTOR PINTO DA FONSECA


2016-05-25


DIOGO DA CRUZ


2016-04-16


NAMALIMBA COELHO


2016-03-17


FILIPE AFONSO


2016-02-15


ANA BARROSO


2016-01-08


TAL R EM CONVERSA COM FABRICE HERGOTT


2015-11-28


MARTA RODRIGUES


2015-10-17


ANA BARROSO


2015-09-17


ALBERTO MORENO


2015-07-21


JOANA BRAGA, JOANA PESTANA E INÊS VEIGA


2015-06-20


PATRÍCIA PRIOR


2015-05-19


JOÃO CARLOS DE ALMEIDA E SILVA


2015-04-13


Natália Vilarinho


2015-03-17


Liz Vahia


2015-02-09


Lara Torres


2015-01-07


JOSÉ RAPOSO


2014-12-09


Sara Castelo Branco


2014-11-11


Natália Vilarinho


2014-10-07


Clara Gomes


2014-08-21


Paula Pinto


2014-07-15


Juliana de Moraes Monteiro


2014-06-13


Catarina Cabral


2014-05-14


Alexandra Balona


2014-04-17


Ana Barroso


2014-03-18


Filipa Coimbra


2014-01-30


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2013-12-09


SOFIA NUNES


2013-10-18


ISADORA H. PITELLA


2013-09-24


SANDRA VIEIRA JÜRGENS


2013-08-12


ISADORA H. PITELLA


2013-06-27


SOFIA NUNES


2013-06-04


MARIA JOÃO GUERREIRO


2013-05-13


ROSANA SANCIN


2013-04-02


MILENA FÉRNANDEZ


2013-03-12


FERNANDO BRUNO


2013-02-09


ARTECAPITAL


2013-01-02


ZARA SOARES


2012-12-10


ISABEL NOGUEIRA


2012-11-05


ANA SENA


2012-10-08


ZARA SOARES


2012-09-21


ZARA SOARES


2012-09-10


JOÃO LAIA


2012-08-31


ARTECAPITAL


2012-08-24


ARTECAPITAL


2012-08-06


JOÃO LAIA


2012-07-16


ROSANA SANCIN


2012-06-25


VIRGINIA TORRENTE


2012-06-14


A ART BASEL


2012-06-05


dOCUMENTA (13)


2012-04-26


PATRÍCIA ROSAS


2012-03-18


SABRINA MOURA


2012-02-02


ROSANA SANCIN


2012-01-02


PATRÍCIA TRINDADE


2011-11-02


PATRÍCIA ROSAS


2011-10-18


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-09-23


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-07-28


PATRÍCIA ROSAS


2011-06-21


SÍLVIA GUERRA


2011-05-02


CARLOS ALCOBIA


2011-04-13


SÓNIA BORGES


2011-03-21


ARTECAPITAL


2011-03-16


ARTECAPITAL


2011-02-18


MANUEL BORJA-VILLEL


2011-02-01


ARTECAPITAL


2011-01-12


ATLAS - COMO LEVAR O MUNDO ÀS COSTAS?


2010-12-21


BRUNO LEITÃO


2010-11-29


SÍLVIA GUERRA


2010-10-26


SÍLVIA GUERRA


2010-09-30


ANDRÉ NOGUEIRA


2010-09-22


EL CULTURAL


2010-07-28


ROSANA SANCIN


2010-06-20


ART 41 BASEL


2010-05-11


ROSANA SANCIN


2010-04-15


FABIO CYPRIANO - Folha de S.Paulo


2010-03-19


ALEXANDRA BELEZA MOREIRA


2010-03-01


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-02-17


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-01-26


SUSANA MOUZINHO


2009-12-16


ROSANA SANCIN


2009-11-10


PEDRO NEVES MARQUES


2009-10-20


SÍLVIA GUERRA


2009-10-05


PEDRO NEVES MARQUES


2009-09-21


MARTA MESTRE


2009-09-13


LUÍSA SANTOS


2009-08-22


TERESA CASTRO


2009-07-24


PEDRO DOS REIS


2009-06-15


SÍLVIA GUERRA


2009-06-11


SANDRA LOURENÇO


2009-06-10


SÍLVIA GUERRA


2009-05-28


LUÍSA SANTOS


2009-05-04


SÍLVIA GUERRA


2009-04-13


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2009-03-23


PEDRO DOS REIS


2009-03-03


EMANUEL CAMEIRA


2009-02-13


SÍLVIA GUERRA


2009-01-26


ANA CARDOSO


2009-01-13


ISABEL NOGUEIRA


2008-12-16


MARTA LANÇA


2008-11-25


SÍLVIA GUERRA


2008-11-08


PEDRO DOS REIS


2008-11-01


ANA CARDOSO


2008-10-27


SÍLVIA GUERRA


2008-10-18


SÍLVIA GUERRA


2008-09-30


ARTECAPITAL


2008-09-15


ARTECAPITAL


2008-08-31


ARTECAPITAL


2008-08-11


INÊS MOREIRA


2008-07-25


ANA CARDOSO


2008-07-07


SANDRA LOURENÇO


2008-06-25


IVO MESQUITA


2008-06-09


SÍLVIA GUERRA


2008-06-05


SÍLVIA GUERRA


2008-05-14


FILIPA RAMOS


2008-05-04


PEDRO DOS REIS


2008-04-09


ANA CARDOSO


2008-04-03


ANA CARDOSO


2008-03-12


NUNO LOURENÇO


2008-02-25


ANA CARDOSO


2008-02-12


MIGUEL CAISSOTTI


2008-02-04


DANIELA LABRA


2008-01-07


SÍLVIA GUERRA


2007-12-17


ANA CARDOSO


2007-12-02


NUNO LOURENÇO


2007-11-18


ANA CARDOSO


2007-11-17


SÍLVIA GUERRA


2007-11-14


LÍGIA AFONSO


2007-11-08


SÍLVIA GUERRA


2007-11-02


AIDA CASTRO


2007-10-25


SÍLVIA GUERRA


2007-10-20


SÍLVIA GUERRA


2007-10-01


TERESA CASTRO


2007-09-20


LÍGIA AFONSO


2007-08-30


JOANA BÉRTHOLO


2007-08-21


LÍGIA AFONSO


2007-08-06


CRISTINA CAMPOS


2007-07-15


JOANA LUCAS


2007-07-02


ANTÓNIO PRETO


2007-06-21


ANA CARDOSO


2007-06-12


TERESA CASTRO


2007-06-06


ALICE GEIRINHAS / ISABEL RIBEIRO


2007-05-22


ANA CARDOSO


2007-05-12


AIDA CASTRO


2007-04-24


SÍLVIA GUERRA


2007-04-13


ANA CARDOSO


2007-03-26


INÊS MOREIRA


2007-03-07


ANA CARDOSO


2007-03-01


FILIPA RAMOS


2007-02-21


SANDRA VIEIRA JURGENS


2007-01-28


TERESA CASTRO


2007-01-16


SÍLVIA GUERRA


2006-12-15


CRISTINA CAMPOS


2006-12-07


ANA CARDOSO


2006-12-04


SÍLVIA GUERRA


2006-11-28


SÍLVIA GUERRA


2006-11-13


ARTECAPITAL


2006-11-07


ANA CARDOSO


2006-10-30


SÍLVIA GUERRA


2006-10-29


SÍLVIA GUERRA


2006-10-27


SÍLVIA GUERRA


2006-10-11


ANA CARDOSO


2006-09-25


TERESA CASTRO


2006-09-03


ANTÓNIO PRETO


2006-08-17


JOSÉ BÁRTOLO


2006-07-24


ANTÓNIO PRETO


2006-07-06


MIGUEL CAISSOTTI


2006-06-14


ALICE GEIRINHAS


2006-06-07


JOSÉ ROSEIRA


2006-05-24


INÊS MOREIRA


2006-05-10


AIDA E. DE CASTRO


2006-04-20


JORGE DIAS


2006-04-05


SANDRA VIEIRA JURGENS


share |

A SEMANA DAS FEIRAS EM NOVA IORQUE



PEDRO DOS REIS

2009-03-23




A primeira semana de Março cobriu a cidade de arte dando continuidade ao teste inicial realizado pela Art Dealers Association of America (ADAA), em meados de Fevereiro. O Armory, como um astro de maior dimensão, trouxe os seus satélites Volta, Pulse e Scope e uma “plutónica” (ou direi “neptúnica”) Bridge Art Fair. A sua força gravitacional atraiu a Nova Iorque não só galerias de practicamente todos os continentes do Mundo, como também coleccionadores em busca de bons negócios ainda facilitados por um dólar debilitado e uma crise económica generalizada.

Aproveitando essa presença, artistas, galerias, organizações artísticas sem fins lucrativos e alguns museus locais ajudaram a dar ritmo à “celebração” abrindo os seus estúdios, criando eventos ou mesmo feiras de arte “alternativas”, como por exemplo a Fountain Art Fair (cujo símbolo é não mais que o não menos célebre “urinol” de Duchamp). Não obstante o contexto, é também importante lembrar as ausências, nomeadamente da DiVA, a única das feiras que se dedicava quase em exclusividade à videoarte. Sinais dos tempos e provavelmente das novas tendências no que respeita aos investimentos em arte.

Na impossibilidade da omnipresença, a escolha recaiu sobre a feira principal, o Armory Show, e não sobre aquela que partilha um parentesco, devido ao facto de ser organizada pela mesma estrutura – a Volta; e ainda pela Pulse ficando a Scope também de fora. Esta perspectiva sobre as feiras não é assim total, mas parcial e poderá incorrer em erros de extrapolação, como deverá ser entendido.

De notar que apesar de serem organizações separadas, houve um esforço concertado para que os visitantes pudessem estar presentes em todas as feiras, com a existência de transportes regulares que levavam e traziam visitantes de feira em feira. No caso da Volta e do Armory Show era ainda possível comprar um bilhete combinado que dava acesso às duas feiras com uma redução no custo total.

Na generalidade, a opinião que o visitante poderia ter das feiras era bastante positivo. Sentiu-se que houve muito trabalho de todas as partes envolvidas e que apesar de pairar a sombra da crise, vivia-se um clima até bastante descontraído e que procurava responder às necessidades dos coleccionadores ou que encorajava a compra por parte de novos compradores. Como acontece na maioria destes eventos, havia arte para todos os gostos e carteiras; existia “boa” arte e arte “menos boa”, mas sentia-se a presença da generosidade que normalmente se faz notar mais no estúdio onde o artista produz, do que nas feiras que são espaços mais comerciais. Saliento que o esquema de organização do espaço expositivo destes recintos, como é de conhecimento geral, não é o mais propício para se mostrar arte. A feira é principalmente uma plataforma de negócio e como tal, nem sempre existem as condições mínimas para uma boa apresentação das obras. Não existe a devida separação entre trabalhos e não são contemplados outros detalhes, que à partida parecem irrelevantes, caso da iluminação das obras.

Fazendo uma média dos géneros de arte presentes, que pode não ser precisa, a pintura e o desenho - com tamanhos bem mais tímidos do que seria de esperar - foram as principais estrelas da Pulse, que este ano montou a sua estrutura no Pier 40, na margem do rio Hudson. Notou-se alguma escassez na exibição de obras em vídeo (embora existissem algumas, o número era muito restrito) e mais estranhamente de trabalhos em fotografia, que estavam muitas vezes camuflados, escapando à multidão que acorreu à Pulse durante o fim-de-semana. De notar as fotografias de Frank Breuer, que estavam ironicamente “escondidas” por detrás de uma coluna, no stande da galeria FTC, de Berlim (ironicamente, devido ao seu trabalho “Poles”). Os trabalhos fotográficos presentes também demonstraram algum do desgaste da fotografia contemporânea que, nos últimos tempos, tem sofrido com o uso de fórmulas de composição de imagem já antes comprovadas: o retrato, alguma manipulação e encenação; e resultados variáveis entre o interessante e o “aborrecido”.

Apesar deste tipo de “acidentes”, a Pulse foi talvez a feira que de entre as duas escolhas realizadas (comparando com a Volta, portanto) pareceu ter uma organização verdadeiramente preocupada em satisfazer as necessidades básicas dos seus participantes. Apresentou instalações comissariadas no espaço da feira, atribuiu um prémio que visava distinguir um artista entre os muitos representados pelas diversas galerias participantes na feira; e criou um espaço privilegiado para os galeristas e coleccionadores chamado “Collector’s Lounge”, onde se poderia tratar de negócios com mais privacidade ou descansar muito simplesmente. Os visitantes também não foram esquecidos tendo sido criada uma cafetaria e uma área onde poderiam restabelecer energias.

De entre as várias obras que se encontravam distribuídas pelo espaço, destaca-se “The sun never sets”, de Taylor Baldwin – um painel de cerca de 900 imagens pesquisadas no Flickr e que retratam o pôr-do-sol. A importância da Web na criação de obras de arte contemporânea notou-se também no trabalho do artista mexicano Emilio Chapela, na galeria EDS, que apresentava três trabalhos usando diferentes estratégias de apresentação, mas tendo como foco o uso da Internet enquanto ferramenta assumida de trabalho. Um deles era uma enciclopédia organizada de acordo com palavras que pesquisou na rede e em que cada volume continha justamente imagens encontradas no Google, que respondiam à pesquisa de cada palavra; outro trabalho procurava demonstrar a fragilidade do software de tradução presente em alguns motores de busca, como o Yahoo e o Google, através da tradução de uma determinada expressão para uma língua e de novo para a de origem – o resultado raramente coincidia com a expressão original demonstrando assim os frequentes “lost in translations” dessas aplicações. Demonstrando ainda a fragilidade da Web enquanto criadora da nova consciência colectiva, Chapela realizou uma busca na Wikipedia, procurando a definição de cadeira, e compilou paralelamente modelos de cadeiras que contrariavam a definição proposta pela enciclopédia “online”.

A Pulse mostrou-se uma feira diversificada onde jovens artistas conviviam com artistas já consagrados (como Vik Muniz); galerias já implantadas (“Pulse exhibitors”) surgiram ao lado de galerias mais recentes (“Impulse exhibitors”) e não faltou igualmente a presença de organizações sem fins lucrativos, com destaque para o BAM, que representava alguns trabalhos em fotografia de Chuck Close e da ACRIA (uma fundação que reverte a favor da investigação da cura do vírus da SIDA), com trabalhos de vários artistas - entre outros, de artistas como Jenny Holzer, Cristopher Wool, Mitch Epstein, Robert Longo e Lou Reed - que poderiam ter preços acessíveis para a grande maioria dos visitantes.

A abordagem da organização da Volta dava a entender a procura de um público mais selecto. Contrariamente à outra feira citada, a Pulse, o seu espaço estava situado num andar de um prédio da rua 34, em frente ao Empire State Building.
O número de galerias aceite foi ligeiramente menor e se a natureza desta feira facilitava o trabalho dos galeristas, que apenas tinham de expor um projecto de artista, não existia porém a hipótese de diversificar o risco. A Volta apresentou então esse factor de desafio para o artista e para o galerista que exigia com certeza um trabalho de colaboração que garantisse o sucesso. Apesar disso, a diferença de qualidade dos projectos era notória não se entendendo certas presenças, o que leva a desconfiar do processo de selecção e da sua suposta exclusividade. Tirando algumas excepções, a qualidade geral dos projectos era bastante boa e a diversidade ajudou a criar um ritmo que permitia algum repouso na visita.

A pintura e o desenho voltaram a ter um lugar de destaque entre os outros meios, embora a presença da fotografia fosse agora mais forte. As instalações tinham também maior qualidade. Destaco a galeria Rhys Mendes, com uma instalação que procurava retratar a condição do agricultor colombiano no tráfico de cocaína – uma estátua branca de um camponês sobre a imagem de uma Colômbia composta por pedaços de espelhos ligados como se fossem parte de um puzzle. Destacam-se também as pinturas de Ian Davis, na galeria Leslie Tonkonow, que criavam cenários imaginários envolvendo ambientes e arquitecturas que pareciam saídas de um videojogo. Igualmente interessante era o “Tuvaluan Project” do artista Tim Davies, presente no stande da australiana Breenspace – uma composição narrativa des-sincronizada que traça uma colisão entre este país em vias de ser submergido e os filmes do género “exploitation” de canibalismo, que misturam o diário de viagem e imagens chocantes, numa composição “cliché”. Para além destes destaques, outros trabalhos mereciam alguma atenção, caso do projecto do artista David Kramer, na galeria Aeroplastics, de Bruxelas; o projecto de Sandra Gamarra, na galeria Leme, de São Paulo, o projecto de Regina José Galindo, na galeria Prometeo, de Milão; e ainda o projecto de Patrick Cierpka, na galeria Jarmuschek + Partner, de Berlim.

As feiras são um espaço de trocas e de apresentação de tendências actuais, mas para quem gosta de apreciar arte ficam um pouco aquém das expectativas. É um modelo que visa essencialmente o sucesso financeiro das organizações que as criam, e supõe um grande desafio para os galeristas, para os artistas e mesmo para os compradores, que por vezes podem não vislumbrar o verdadeiro potencial dos trabalhos em exposição. Porém, independentemente do resultado comercial, o desafio foi ganho e há uma demonstração de que continua a haver muito trabalho que deve ser apreciado e apoiado. Para o ano haverá mais e fica a promessa de maior foco na feira principal – o Armory Show.


Pedro dos Reis
Nova Iorque