Links

PERSPETIVA ATUAL


TUTUGURI, de Flora Detraz. Fotografia: Sara Machado.


TUTUGURI, de Flora Detraz. Fotografia: Sara Machado.


TUTUGURI, de Flora Detraz. Fotografia: Sara Machado.


TUTUGURI, de Flora Detraz. Fotografia: Sara Machado.


Coexistimos, de Inês Campos. Fotografia: Sara Machado.


Coexistimos, de Inês Campos. Fotografia: Sara Machado.


Coexistimos, de Inês Campos. Fotografia: Sara Machado.


Coexistimos, de Inês Campos. Fotografia: Sara Machado.


Hidebehind, de Josefa Pereira. Fotografia: Maura Grimaldi


Hidebehind, de Josefa Pereira. Fotografia: Maura Grimaldi

Outros artigos:

2018-10-13


MIRIAN TAVARES


2018-09-11


JULIA FLAMINGO


2018-07-25


RUI MATOSO


2018-06-25


MARIA DE FÁTIMA LAMBERT


2018-05-25


MARIA VLACHOU


2018-03-08


VICTOR PINTO DA FONSECA


2018-01-26


ANA BALONA DE OLIVEIRA


2017-12-18


CONSTANÇA BABO


2017-11-12


HELENA OSÓRIO


2017-10-09


PAULA PINTO


2017-09-05


PAULA PINTO


2017-07-26


NATÁLIA VILARINHO


2017-07-17


ANA RITO


2017-07-11


PEDRO POUSADA


2017-06-30


PEDRO POUSADA


2017-05-31


CONSTANÇA BABO


2017-04-26


MARC LENOT


2017-03-28


ALEXANDRA BALONA


2017-02-10


CONSTANÇA BABO


2017-01-06


CONSTANÇA BABO


2016-12-13


CONSTANÇA BABO


2016-11-08


ADRIANO MIXINGE


2016-10-20


ALBERTO MORENO


2016-10-07


ALBERTO MORENO


2016-08-29


NATÁLIA VILARINHO


2016-06-28


VICTOR PINTO DA FONSECA


2016-05-25


DIOGO DA CRUZ


2016-04-16


NAMALIMBA COELHO


2016-03-17


FILIPE AFONSO


2016-02-15


ANA BARROSO


2016-01-08


TAL R EM CONVERSA COM FABRICE HERGOTT


2015-11-28


MARTA RODRIGUES


2015-10-17


ANA BARROSO


2015-09-17


ALBERTO MORENO


2015-07-21


JOANA BRAGA, JOANA PESTANA E INÊS VEIGA


2015-06-20


PATRÍCIA PRIOR


2015-05-19


JOÃO CARLOS DE ALMEIDA E SILVA


2015-04-13


Natália Vilarinho


2015-03-17


Liz Vahia


2015-02-09


Lara Torres


2015-01-07


JOSÉ RAPOSO


2014-12-09


Sara Castelo Branco


2014-11-11


Natália Vilarinho


2014-10-07


Clara Gomes


2014-08-21


Paula Pinto


2014-07-15


Juliana de Moraes Monteiro


2014-06-13


Catarina Cabral


2014-05-14


Alexandra Balona


2014-04-17


Ana Barroso


2014-03-18


Filipa Coimbra


2014-01-30


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2013-12-09


SOFIA NUNES


2013-10-18


ISADORA H. PITELLA


2013-09-24


SANDRA VIEIRA JÜRGENS


2013-08-12


ISADORA H. PITELLA


2013-06-27


SOFIA NUNES


2013-06-04


MARIA JOÃO GUERREIRO


2013-05-13


ROSANA SANCIN


2013-04-02


MILENA FÉRNANDEZ


2013-03-12


FERNANDO BRUNO


2013-02-09


ARTECAPITAL


2013-01-02


ZARA SOARES


2012-12-10


ISABEL NOGUEIRA


2012-11-05


ANA SENA


2012-10-08


ZARA SOARES


2012-09-21


ZARA SOARES


2012-09-10


JOÃO LAIA


2012-08-31


ARTECAPITAL


2012-08-24


ARTECAPITAL


2012-08-06


JOÃO LAIA


2012-07-16


ROSANA SANCIN


2012-06-25


VIRGINIA TORRENTE


2012-06-14


A ART BASEL


2012-06-05


dOCUMENTA (13)


2012-04-26


PATRÍCIA ROSAS


2012-03-18


SABRINA MOURA


2012-02-02


ROSANA SANCIN


2012-01-02


PATRÍCIA TRINDADE


2011-11-02


PATRÍCIA ROSAS


2011-10-18


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-09-23


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-07-28


PATRÍCIA ROSAS


2011-06-21


SÍLVIA GUERRA


2011-05-02


CARLOS ALCOBIA


2011-04-13


SÓNIA BORGES


2011-03-21


ARTECAPITAL


2011-03-16


ARTECAPITAL


2011-02-18


MANUEL BORJA-VILLEL


2011-02-01


ARTECAPITAL


2011-01-12


ATLAS - COMO LEVAR O MUNDO ÀS COSTAS?


2010-12-21


BRUNO LEITÃO


2010-11-29


SÍLVIA GUERRA


2010-10-26


SÍLVIA GUERRA


2010-09-30


ANDRÉ NOGUEIRA


2010-09-22


EL CULTURAL


2010-07-28


ROSANA SANCIN


2010-06-20


ART 41 BASEL


2010-05-11


ROSANA SANCIN


2010-04-15


FABIO CYPRIANO - Folha de S.Paulo


2010-03-19


ALEXANDRA BELEZA MOREIRA


2010-03-01


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-02-17


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-01-26


SUSANA MOUZINHO


2009-12-16


ROSANA SANCIN


2009-11-10


PEDRO NEVES MARQUES


2009-10-20


SÍLVIA GUERRA


2009-10-05


PEDRO NEVES MARQUES


2009-09-21


MARTA MESTRE


2009-09-13


LUÍSA SANTOS


2009-08-22


TERESA CASTRO


2009-07-24


PEDRO DOS REIS


2009-06-15


SÍLVIA GUERRA


2009-06-11


SANDRA LOURENÇO


2009-06-10


SÍLVIA GUERRA


2009-05-28


LUÍSA SANTOS


2009-05-04


SÍLVIA GUERRA


2009-04-13


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2009-03-23


PEDRO DOS REIS


2009-03-03


EMANUEL CAMEIRA


2009-02-13


SÍLVIA GUERRA


2009-01-26


ANA CARDOSO


2009-01-13


ISABEL NOGUEIRA


2008-12-16


MARTA LANÇA


2008-11-25


SÍLVIA GUERRA


2008-11-08


PEDRO DOS REIS


2008-11-01


ANA CARDOSO


2008-10-27


SÍLVIA GUERRA


2008-10-18


SÍLVIA GUERRA


2008-09-30


ARTECAPITAL


2008-09-15


ARTECAPITAL


2008-08-31


ARTECAPITAL


2008-08-11


INÊS MOREIRA


2008-07-25


ANA CARDOSO


2008-07-07


SANDRA LOURENÇO


2008-06-25


IVO MESQUITA


2008-06-09


SÍLVIA GUERRA


2008-06-05


SÍLVIA GUERRA


2008-05-14


FILIPA RAMOS


2008-05-04


PEDRO DOS REIS


2008-04-09


ANA CARDOSO


2008-04-03


ANA CARDOSO


2008-03-12


NUNO LOURENÇO


2008-02-25


ANA CARDOSO


2008-02-12


MIGUEL CAISSOTTI


2008-02-04


DANIELA LABRA


2008-01-07


SÍLVIA GUERRA


2007-12-17


ANA CARDOSO


2007-12-02


NUNO LOURENÇO


2007-11-18


ANA CARDOSO


2007-11-17


SÍLVIA GUERRA


2007-11-14


LÍGIA AFONSO


2007-11-08


SÍLVIA GUERRA


2007-11-02


AIDA CASTRO


2007-10-25


SÍLVIA GUERRA


2007-10-20


SÍLVIA GUERRA


2007-10-01


TERESA CASTRO


2007-09-20


LÍGIA AFONSO


2007-08-30


JOANA BÉRTHOLO


2007-08-21


LÍGIA AFONSO


2007-08-06


CRISTINA CAMPOS


2007-07-15


JOANA LUCAS


2007-07-02


ANTÓNIO PRETO


2007-06-21


ANA CARDOSO


2007-06-12


TERESA CASTRO


2007-06-06


ALICE GEIRINHAS / ISABEL RIBEIRO


2007-05-22


ANA CARDOSO


2007-05-12


AIDA CASTRO


2007-04-24


SÍLVIA GUERRA


2007-04-13


ANA CARDOSO


2007-03-26


INÊS MOREIRA


2007-03-07


ANA CARDOSO


2007-03-01


FILIPA RAMOS


2007-02-21


SANDRA VIEIRA JURGENS


2007-01-28


TERESA CASTRO


2007-01-16


SÍLVIA GUERRA


2006-12-15


CRISTINA CAMPOS


2006-12-07


ANA CARDOSO


2006-12-04


SÍLVIA GUERRA


2006-11-28


SÍLVIA GUERRA


2006-11-13


ARTECAPITAL


2006-11-07


ANA CARDOSO


2006-10-30


SÍLVIA GUERRA


2006-10-29


SÍLVIA GUERRA


2006-10-27


SÍLVIA GUERRA


2006-10-11


ANA CARDOSO


2006-09-25


TERESA CASTRO


2006-09-03


ANTÓNIO PRETO


2006-08-17


JOSÉ BÁRTOLO


2006-07-24


ANTÓNIO PRETO


2006-07-06


MIGUEL CAISSOTTI


2006-06-14


ALICE GEIRINHAS


2006-06-07


JOSÉ ROSEIRA


2006-05-24


INÊS MOREIRA


2006-05-10


AIDA E. DE CASTRO


2006-04-20


JORGE DIAS


2006-04-05


SANDRA VIEIRA JURGENS



CUMPLICIDADES



BRUNO CARACOL

2018-04-18




 

Dois eventos particulares no terreno das artes performativas cruzaram-se durante o mês de Março. O festival Cumplicidades convidou, na sua terceira edição, a coreógrafa Tânia Carvalho e o artista Abraham Hurtado a gerir a sua programação, numa proposta que ocupou 7 salas da cidade durante 7 dias com 7 propostas que se repetiam diariamente, vindas de artistas de idades e carreiras diversas. O ciclo -plex encerrou a primeira edição do Programa Avançado de Criação em Artes Performativas (PACAP) do Fórum Dança, ocupando também várias salas da cidade com as propostas desenvolvidas durante os 6 meses do programa.

Não se trata aqui de fazer um resumo destes eventos, demasiado fragmentário para poder ser justo, antes partir de 3 peças que os atravessaram para desenhar um corpo comum, interrogando-o desde a força vital que se supõe animá-lo.

Seguem-se a leitura destas peças, aparentemente sem maior relação que o tempo e lugar em que aconteceram, mas que escondem um entender do corpo como uma plataforma onde superfície e profundidade se confundem, e cuja vitalidade se revela nos pequenos movimentos. São as criaturas monstruosas que emergem das vibrações internas da voz de Flora Detraz ou que se escondem no caminhar para trás de Josefa Pereira; é o ser que surge de todas as suas variações, de uma potência que se assoma na dúvida em Inês Campos. Esboça-se então aqui a imagem de um corpo feito na relação com o desconhecido, animado por uma potência profunda e subjacente a todos os seres, construído a partir de uma posição precária e mutante.

 

TUTUGURI, de Flora Detraz

 

Há seis homens, / um para cada sol / e um sétimo homem / que é o sol / cru / vestido de negro e carne viva. / Mas este sétimo homem / é um cavalo, / um cavalo com um homem conduzindo-o. Mas é o cavalo / que é o sol / e não o homem.

 

As luzes abrem-se para Flora Détraz, sentada numa cadeira no fundo ao centro do palco, mantendo uma expressão neutra, de boca entreaberta. Uma nota grave e prolongada sai do seu corpo, entrecortada apenas pela respiração regular. A sua expressão é a de uma ventríloqua num número em que o seu corpo tomou o lugar do boneco. Do tom que a sua voz produz vão surgir harmónicos, sub-tons que se produzem pela ressonância que faz vibrar a estrutura óssea e as concavidades internas da intérprete.

Flora Détraz apresenta TUTUGURI no Festival Cumplicidades, partindo da peça de 1948 de Artaud, nomeada a partir do rito do sol dos índios Tarahumara, do México. Sobrepondo uma postura rígida aos ruídos produzidos pelo seu corpo faz dele terreno para figuras diversas, gemidos e sussurros que como ventríloqua vai fazer surgir de lugares inesperados, criando um espaço de confusão entre corpo e pessoa, voz e som, vibração e linguagem, numa demarcação cruel que vai servir para fazer o corpo falar.

Mas é o cavalo / que é o sol / e não o homem”. A crueldade de Artaud refere-se a uma violência que não é comprazimento gratuito, mas condição inevitável do ser vivo no mundo, uma que nos exige a presença absoluta, um ancorar cruel da acção nas condições materiais da nossa existência. É uma presença centrada na decomposição da linguagem e do gesto, revelando no seu interior, a partir dos meios que lhe dão forma, uma vitalidade que se propaga como a peste, desviando os corpos das suas funções.

Flora levanta-se numa interjeição / interrogação dirigida ao público, “Oui?”, interjeição repetida, num corpo que agora se move com ela. Ainda neste terreno de uma estranha a si mesma, as mãos percorrem o corpo como se lhe fossem alheias, encontrando no movimento uma outra linguagem que vai manter no limite. Da vibração das suas cordas vocais surge um gemido infantil, trazendo o ruído para a fronteira de uma vitalidade primordial que com o tempo vai transformar a máscara neutra num esgar intenso, abandonando o público ao som da “Viagem de Inverno” de Schubert. É a intensidade dramática o campo a dissecar, quando regressa, vai ser pelo gesto que vai decompôr o tom grave da canção, agora na voz de Flora, segmentada e repetida sobre um movimento gradualmente acelerado, levado ao limite físico, aplicando sobre a carga emotiva da lied de Schubert a mesma decomposição exercida sobre a vibração do corpo da ventríloqua.

O Festival Cumplicidades aconteceu entre os dias 10 e 16 de Março, entre a biblioteca de Marvila, o espaço Alkantara, o CAL - Primeiros Sintomas, a Rua das Gaivotas 6, o Teatro da Trindade, o Teatro Ibérico e o Negócio da Zé dos Bois, em 7 apresentações consecutivas de Bruno Senune, Inês Campos, Flora Détraz, Vasco Diogo, Vitalina Sousa, Miguel Pereira e Aurora Pinho, convidadas pela coreógrafa Tânia Carvalho e acompanhadas pelas apresentações do Projecto Internacional, encontro de artistas mediterrânicos programado pelo coreógrafo Abraham Hurtado.

Flora Détraz formou-se em dança no conservatório em Paris, e no Centre Chorégraphique National de Rillieux-la-Pape, dirigido por Maguy Marin, tendo trabalhado com Meredith Monk, Loic Touzé, Meg Stuart, entre outros. Participou do ciclo de pesquisa coreográfica PEPCC, no Fórum Dança, administrado por Vera Mantero e Lia Rodrigues. Como intérprete, trabalhou com os coreógrafos Marlene Monteiro Freitas, Miguel Pereira e Laurent Cebe. Participa do programa Urban Heat desenvolvido pela FIT - Festivais em Transição (2016-2018).

 

Coexistimos, de Inês Campos

 

“Don’t Look Now”, são as palavras escritas a giz sobre a ardósia preta de uma pequena mesa, iluminada por um foco diagonal ao palco. Sobre ela, Inês Campos vai colocando e retirando animais de plástico, girafas, zebras, elefantes verdes, às vezes em grupo, às vezes solitários. No fundo, uma voz recita excertos de palestras de Alan Watts, em torno a uma concepção dramática do universo, o descrever do mundo como um palco onde a divindade é um mobilizador interno de todos os seres, por oposição a uma concepção mecânica, de um mundo artefacto construído por uma divindade transcendente. Neste mundo-palco as personagens são a contingência da sua máscara, o modo como este actor divino se deixa absorver pelos detalhes quotidianos de cada um. O movimento dramático interno a um pequeno animal não é substancialmente diferente ao de um ser humano, embora cada um, imerso na sua personagem, ordene o mundo a partir do seu ponto de vista, numa espécie de diplomacia vital, no posicionar de cada ser a partir da sua relação com os outros.

Coexistimos faz-se da construção comum dos seres, de uma potência vital que nos anima a todos a partir das circunstâncias concretas das nossas vidas. O palco onde Inês Campos nos introduz é o desta imersão total da potência nos detalhes do mundo, numa transformação constante que não vai senão reafirmar essa potência. Na peça que apresentou no espaço Alkantara durante o Festival Cumplicidades este comum que subjaz à coexistência vai afirmar-se desde uma transformação constante.

Sucedem-se os quadros em que Inês incorpora diferentes personagens e expressões. As transições são rápidas, com uma figura a interromper a outra. Num destes quadros, ouvimos o som de crianças a brincar, com a intérprete a tentar preencher este som de movimento, jogando ao ritmo dos ruídos que preenchem a sala. No fim do quadro cai no chão, fica o som de um enxame de insectos. Mais á frente, dois retroprojetores artesanais ampliam na parede de fundo a imagem de uma tira longa desenhada, que Inês vai desenrolando com ajuda de uma assistente, linhas curvas que atravessam os dois quadros de luz enquanto ouvimos a voz de António Campos, o pai da intérprete numa reflexão em torno à ilusão de continuidade do sujeito. Tudo isto é pessoal, íntimo, este suceder de formas breves trata de revelar essa intimidade que atravessa o acessório, o truque que faz com que a dado momento um pano levite comandado por umas luvas fluorescentes, que se vai desvelar finalmente na trança que serenamente vai enrolar enquanto encara o público no quadro final. Mesmo a esta trança Inês vai acrescentar uma extensão, entrelaçando os seus cabelos nos outros acrescentados, lembrando-nos que nunca é só ela, tampouco negando este momento íntimo, mas expandindo-o no jogo do artifício.

 

Hidebehind, de Josefa Pereira

 

O Hidebehind está sempre atrás de alguma coisa. Por mais voltas que desse um homem, sempre o tinha por trás e por isso ninguém chegou a vê-lo, embora tenha matado e devorado muitos lenhadores.

 

Há poucos anos atrás em algumas feiras do interior podíamos encontrar uma construção circular com alguns metros de altura, feita de madeira e rodeada no alto por um palanque para onde na hora do espectáculo o público subia. Dentro do “Poço da Morte” acrobatas de motocicleta usavam a força centrífuga para desafiar a gravidade, acelerando as suas motas em círculos cada vez mais velozes, estonteantes para o público que os seguia com o olhar, até que suspensos a alguns metros do solo, na estabilidade improvável de um chão vertical, chegava o momento de se entregarem às manobras acrobáticas.

Quando entramos na sala estúdio do CCB, Josefa Pereira caminha já de costas num passo firme e regular, descrevendo um círculo no centro da roda de cadeiras onde se sentam os espectadores, com a metade posterior do seu corpo nu pintada com um pigmento rosa fluorescente. Lentamente a sua postura vai-se transformando, primeiro a sua mão direita que se dobra tensionada para trás, logo as duas mãos que se fecham e que se erguem, dobrando os braços. O passo sempre firme e regular, de costas e em círculo, produz uma suspensão semelhante à da acrobata do “Poço da Morte”, uma outra estabilidade, precária e perigosa, que carrega de intensidade aquilo que nela acontece.

Aqui o equilíbrio precário revela a tensão entre o corpo de Josefa e a criatura rosa pintada na metade posterior do seu corpo. Este Hidebehind, monstro que se esconde atrás das coisas é também Curupira, criatura lendária que habita as florestas brasileiras e que se distingue por ter os pés virados para trás, de maneira a deixar um rasto invertido e a confundir os caçadores. Tal como a criatura de Borges, Curupiras são conhecidas por atacar quem se adentra na floresta, enganando-os, desviando-os do caminho e reclamando as suas vidas para a floresta.

 

 

Em Hidebehind Josefa Pereira desenha no corpo a superfície do desconhecido, um plano rosa que a divide em duas e que a move em círculos, sugerindo uma outra ordem para o corpo em cada mudança de postura, revelando uma monstruosidade que já não é simples jogo de palavras de criaturas imaginárias, mas o traçar de uma fronteira e de uma direcção mobilizadora.

Um lobo é sempre matilha. Trata-se então de por meio de gestos simples, de movimentos coordenados, procurar outros em si, de trazer o discurso das profundezas para a superfície da pele e de lhe dar uma coloração luminosa. De alguma maneira trata-se de inverter essa vontade colonizadora de trazer luz aos movimentos obscuros do ser, avançando para trás, de “dorso exposto descoberto à natureza selvagem”, como o círculo de lobos que Elias Canetti usa para descrever o agregar colectivo pela orla da matilha reunida em volta do fogo, onde cada posição é simultaneamente central e periférica, e que trata portanto de uma mobilidade e precariedade constantes.

Solitária mas múltipla, sempre num passo regular, firme, o seu corpo vai-se torcendo, trazendo em contorção parte da criatura para a sua frente, explorando brevemente uma outra fronteira desde os dedos que abrem o mais que podem os seus lábios, revelando a sua mandíbula e um outro rosa, o do interior da sua boca. Mais tarde, de costas recurvadas, as luzes apagam-se, deixando somente uma luz negra que vai dar uma autonomia quase final à criatura rosada, agora suspensa sobre a escuridão. Mas esta autonomia vai ser interrompida por uma luz rosada, reunindo as duas superfícies e apagando a criatura na Josefa, para noutro movimento retomar a iluminação inicial e regressar ao início do ciclo, ao caminhar firme e regular, à mão que se contorce, aos braços que se erguem, fazendo sobressair no brilho do suor, na intensidade da respiração e nas fendas que se abrem na tinta rosa pequenos sinais do que aconteceu.

Josefa Pereira é performer e coreógrafa. Vive e trabalha em São Paulo e acaba de concluir sua primeira temporada em Lisboa, período em que se dedicou à finalização de "Hidebehind" no contexto do Programa Avançado de Criação em Artes Performativas (PACAP) promovido Forum Dança com curadoria de Patrícia Portela. Dedica-se à criação autoral desde a graduação em Comunicação das Artes do Corpo (PUC-SP), em torno de interesses como coletividade, presença e gestualidade tendo o corpo campo de tensionamento estético e político. Sua trajetória é marcada pela colaboração com diversos artistas, em cias de dança e nos coletivos Núcleo de Garagem e Ghawazee Coletivo de Ação, marcando uma das bases de seu interesse artísticos que é a produção e atuação artística em modelos de comunidade. Em 2017 criou "Égua" junto de Patrícia Bergantin, com quem também organiza "Contágio", modo de operar em dança que promove processos coletivos em torno da dança. Ambos projetos propiciam agora a formação da plataforma "Tectônica" que tem como base a articulação e fortalecimento para seus diversos interesses artísticos.

O ciclo -plex ocupou durante o mês de Março a Rua das Gaivotas 6, a Galeria Monumental, a sala de ensaio do CCB, o espaço Alkantara, o reservatório da Patriarcal, a galeria ZDB e o Negócio, com apresentações de projectos desenvolvidos durante a primeira edição do PACAP, desenvolvida entre Setembro de 2017 e Fevereiro de 2018 e conduzida por Patrícia Portela.

 

 

Bruno Caracol

 

O o levitra cialis viagra cialis generic levitra soft viagra generic http://www.socgeografialisboa.pt/buy-propecia-finasteride-no-prescription/ finasteride prescription online, tadalafil mg dosage 40 generic there is levitra a.
Cheap 100mg viagra cheapest propecia buy levitra 10 generic mg vardenafil hydrochloride, sildenafil buy online for sildenafil women.
In cialis india propecia prices canada cialis to australia how get in http://www.socgeografialisboa.pt/viagra-soft-flavored-sildenafil-100mg/ sildenafil citrate gel india, reviews tadalafil mg tablets 20 tabs generic tadalafil cialis 120.
Mejor viagra es vs cialis cual buy professional viagra cialis vs viagra potency cialis vs viagra vs levitra side effects australian viagra buy ed pills online over the counter best pills for ed, how to buy levitra buy viagra walmart online.
In australia cialis purchase tadalafil walmart viagra buy bulk http://www.socgeografialisboa.pt/vardenafil-levitra-buy-online/ levitra vs cialis better, jelly ebay viagra india pills viagra.
Sildenafil no 100mg prescription price viagra uk online viagra canada http://www.socgeografialisboa.pt/buy-viagra-gel/ cheapest viagra substitute sildenafil, cost viagra canada cialis 40mg.
Cialis vicodin viagra india day cialis tablets one a generic approved fda propecia http://www.socgeografialisboa.pt/propecia-pharmacy/ propecia 5mg online, cheapest uk sildenafil viagra online generic sales.
Tadalafil canada uk levitra online http://www.saludos.com/healthcare/hchome.htm cialis vs viagra vs levitra cost with online cialis paypal buy http://www.saludos.com/award.htm best erectile dysfunction pills, cialis gel where can cialis i without buy a prescription.
Price discount cialis price women for viagra generic softtab cialis http://www.socgeografialisboa.pt/vardenafil-levitra-buy-online/ levitra in india, cheap citrate sildenafil buy in cheap uk viagra buy where to.