Links

PERSPETIVA ATUAL


Carla Herrera-Prats


Carla Herrera-Prats


Carla Herrera-Prats


Carla Herrera-Prats


Carlos Motta


Carlos Motta


Jan Baracz


Jan Baracz

Outros artigos:

2018-10-13


MIRIAN TAVARES


2018-09-11


JULIA FLAMINGO


2018-07-25


RUI MATOSO


2018-06-25


MARIA DE FÁTIMA LAMBERT


2018-05-25


MARIA VLACHOU


2018-04-18


BRUNO CARACOL


2018-03-08


VICTOR PINTO DA FONSECA


2018-01-26


ANA BALONA DE OLIVEIRA


2017-12-18


CONSTANÇA BABO


2017-11-12


HELENA OSÓRIO


2017-10-09


PAULA PINTO


2017-09-05


PAULA PINTO


2017-07-26


NATÁLIA VILARINHO


2017-07-17


ANA RITO


2017-07-11


PEDRO POUSADA


2017-06-30


PEDRO POUSADA


2017-05-31


CONSTANÇA BABO


2017-04-26


MARC LENOT


2017-03-28


ALEXANDRA BALONA


2017-02-10


CONSTANÇA BABO


2017-01-06


CONSTANÇA BABO


2016-12-13


CONSTANÇA BABO


2016-11-08


ADRIANO MIXINGE


2016-10-20


ALBERTO MORENO


2016-10-07


ALBERTO MORENO


2016-08-29


NATÁLIA VILARINHO


2016-06-28


VICTOR PINTO DA FONSECA


2016-05-25


DIOGO DA CRUZ


2016-04-16


NAMALIMBA COELHO


2016-03-17


FILIPE AFONSO


2016-02-15


ANA BARROSO


2016-01-08


TAL R EM CONVERSA COM FABRICE HERGOTT


2015-11-28


MARTA RODRIGUES


2015-10-17


ANA BARROSO


2015-09-17


ALBERTO MORENO


2015-07-21


JOANA BRAGA, JOANA PESTANA E INÊS VEIGA


2015-06-20


PATRÍCIA PRIOR


2015-05-19


JOÃO CARLOS DE ALMEIDA E SILVA


2015-04-13


Natália Vilarinho


2015-03-17


Liz Vahia


2015-02-09


Lara Torres


2015-01-07


JOSÉ RAPOSO


2014-12-09


Sara Castelo Branco


2014-11-11


Natália Vilarinho


2014-10-07


Clara Gomes


2014-08-21


Paula Pinto


2014-07-15


Juliana de Moraes Monteiro


2014-06-13


Catarina Cabral


2014-05-14


Alexandra Balona


2014-04-17


Ana Barroso


2014-03-18


Filipa Coimbra


2014-01-30


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2013-12-09


SOFIA NUNES


2013-10-18


ISADORA H. PITELLA


2013-09-24


SANDRA VIEIRA JÜRGENS


2013-08-12


ISADORA H. PITELLA


2013-06-27


SOFIA NUNES


2013-06-04


MARIA JOÃO GUERREIRO


2013-05-13


ROSANA SANCIN


2013-04-02


MILENA FÉRNANDEZ


2013-03-12


FERNANDO BRUNO


2013-02-09


ARTECAPITAL


2013-01-02


ZARA SOARES


2012-12-10


ISABEL NOGUEIRA


2012-11-05


ANA SENA


2012-10-08


ZARA SOARES


2012-09-21


ZARA SOARES


2012-09-10


JOÃO LAIA


2012-08-31


ARTECAPITAL


2012-08-24


ARTECAPITAL


2012-08-06


JOÃO LAIA


2012-07-16


ROSANA SANCIN


2012-06-25


VIRGINIA TORRENTE


2012-06-14


A ART BASEL


2012-06-05


dOCUMENTA (13)


2012-04-26


PATRÍCIA ROSAS


2012-03-18


SABRINA MOURA


2012-02-02


ROSANA SANCIN


2012-01-02


PATRÍCIA TRINDADE


2011-11-02


PATRÍCIA ROSAS


2011-10-18


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-09-23


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-07-28


PATRÍCIA ROSAS


2011-06-21


SÍLVIA GUERRA


2011-05-02


CARLOS ALCOBIA


2011-04-13


SÓNIA BORGES


2011-03-21


ARTECAPITAL


2011-03-16


ARTECAPITAL


2011-02-18


MANUEL BORJA-VILLEL


2011-02-01


ARTECAPITAL


2011-01-12


ATLAS - COMO LEVAR O MUNDO ÀS COSTAS?


2010-12-21


BRUNO LEITÃO


2010-11-29


SÍLVIA GUERRA


2010-10-26


SÍLVIA GUERRA


2010-09-30


ANDRÉ NOGUEIRA


2010-09-22


EL CULTURAL


2010-07-28


ROSANA SANCIN


2010-06-20


ART 41 BASEL


2010-05-11


ROSANA SANCIN


2010-04-15


FABIO CYPRIANO - Folha de S.Paulo


2010-03-19


ALEXANDRA BELEZA MOREIRA


2010-03-01


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-02-17


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-01-26


SUSANA MOUZINHO


2009-12-16


ROSANA SANCIN


2009-11-10


PEDRO NEVES MARQUES


2009-10-20


SÍLVIA GUERRA


2009-10-05


PEDRO NEVES MARQUES


2009-09-21


MARTA MESTRE


2009-09-13


LUÍSA SANTOS


2009-08-22


TERESA CASTRO


2009-07-24


PEDRO DOS REIS


2009-06-15


SÍLVIA GUERRA


2009-06-11


SANDRA LOURENÇO


2009-06-10


SÍLVIA GUERRA


2009-05-28


LUÍSA SANTOS


2009-05-04


SÍLVIA GUERRA


2009-04-13


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2009-03-23


PEDRO DOS REIS


2009-03-03


EMANUEL CAMEIRA


2009-02-13


SÍLVIA GUERRA


2009-01-26


ANA CARDOSO


2009-01-13


ISABEL NOGUEIRA


2008-12-16


MARTA LANÇA


2008-11-25


SÍLVIA GUERRA


2008-11-01


ANA CARDOSO


2008-10-27


SÍLVIA GUERRA


2008-10-18


SÍLVIA GUERRA


2008-09-30


ARTECAPITAL


2008-09-15


ARTECAPITAL


2008-08-31


ARTECAPITAL


2008-08-11


INÊS MOREIRA


2008-07-25


ANA CARDOSO


2008-07-07


SANDRA LOURENÇO


2008-06-25


IVO MESQUITA


2008-06-09


SÍLVIA GUERRA


2008-06-05


SÍLVIA GUERRA


2008-05-14


FILIPA RAMOS


2008-05-04


PEDRO DOS REIS


2008-04-09


ANA CARDOSO


2008-04-03


ANA CARDOSO


2008-03-12


NUNO LOURENÇO


2008-02-25


ANA CARDOSO


2008-02-12


MIGUEL CAISSOTTI


2008-02-04


DANIELA LABRA


2008-01-07


SÍLVIA GUERRA


2007-12-17


ANA CARDOSO


2007-12-02


NUNO LOURENÇO


2007-11-18


ANA CARDOSO


2007-11-17


SÍLVIA GUERRA


2007-11-14


LÍGIA AFONSO


2007-11-08


SÍLVIA GUERRA


2007-11-02


AIDA CASTRO


2007-10-25


SÍLVIA GUERRA


2007-10-20


SÍLVIA GUERRA


2007-10-01


TERESA CASTRO


2007-09-20


LÍGIA AFONSO


2007-08-30


JOANA BÉRTHOLO


2007-08-21


LÍGIA AFONSO


2007-08-06


CRISTINA CAMPOS


2007-07-15


JOANA LUCAS


2007-07-02


ANTÓNIO PRETO


2007-06-21


ANA CARDOSO


2007-06-12


TERESA CASTRO


2007-06-06


ALICE GEIRINHAS / ISABEL RIBEIRO


2007-05-22


ANA CARDOSO


2007-05-12


AIDA CASTRO


2007-04-24


SÍLVIA GUERRA


2007-04-13


ANA CARDOSO


2007-03-26


INÊS MOREIRA


2007-03-07


ANA CARDOSO


2007-03-01


FILIPA RAMOS


2007-02-21


SANDRA VIEIRA JURGENS


2007-01-28


TERESA CASTRO


2007-01-16


SÍLVIA GUERRA


2006-12-15


CRISTINA CAMPOS


2006-12-07


ANA CARDOSO


2006-12-04


SÍLVIA GUERRA


2006-11-28


SÍLVIA GUERRA


2006-11-13


ARTECAPITAL


2006-11-07


ANA CARDOSO


2006-10-30


SÍLVIA GUERRA


2006-10-29


SÍLVIA GUERRA


2006-10-27


SÍLVIA GUERRA


2006-10-11


ANA CARDOSO


2006-09-25


TERESA CASTRO


2006-09-03


ANTÓNIO PRETO


2006-08-17


JOSÉ BÁRTOLO


2006-07-24


ANTÓNIO PRETO


2006-07-06


MIGUEL CAISSOTTI


2006-06-14


ALICE GEIRINHAS


2006-06-07


JOSÉ ROSEIRA


2006-05-24


INÊS MOREIRA


2006-05-10


AIDA E. DE CASTRO


2006-04-20


JORGE DIAS


2006-04-05


SANDRA VIEIRA JURGENS



NOVA IORQUE: ART IN GENERAL



PEDRO DOS REIS

2008-11-08




CARLA HERRERA-PRATS – Prep Materials
27 SET – 13 DEZ 2008

>>A burocracia técnica, enquanto geradora de igualdade


São raros os trabalhos que nos fazem reflectir sobre a verdadeira essência daquilo que chamamos democracia, ou de pensarmos até o que significaria não vivermos dentro dessa forma de organização política. Herrera-Prats dá a conhecer neste seu trabalho, a origem dos SAT – os testes que são o pesadelos de todos os norte-americanos que desejam entrar na vida universitária. A artista baseou o seu trabalho na investigação dentro dos arquivos das empresas que se destacaram no desenvolvimento do SAT, tais como a IBM, ETS (Educational Test Service) e o Measurement Research Center.

A exposição é assim composta por várias fotografias, um desenho, uma projecção e uma brochura, com ilustrações feitas por si e baseadas em muitas das fotografias, que estão presentes no espaço expositivo.

As fotografias seleccionadas dão uma visão cronológica do sistema, com detalhes subtis; variando entre a monumentalidade dos primeiros protótipos – quando um bom computador ou sistema de informação tinha obrigatoriamente de ocupar uma sala ou um edifício; a uma ideia de que o sistema iria ser a solução para acabar com a descriminação sexual - mostrando várias imagens (quase como propaganda), em que a mulher ou usa ou faz mesmo parte do sistema de avaliação(como operadora); ou ainda a imagens que mostram alguns elementos do sistema, que hoje podemos considerar obsoletos, dadas as dimensões e o tipo de componentes utilizados (imagens de peças mais mecânicas, do que electrónicas e ainda com amplificadores a válvulas).

Existe ainda um desenho na parede, que lembra que a investigação no desevolvimento do SAT deu tambem origem a outros progressos técnicos, como os sistemas de voto electrónico (trazendo à memoria os vários problemas que ocorreram com este equipamento, durante as últimas eleições presidenciais americanas) ou equipamento de digitalização de documentos (scanners).

Herrera-Prats mostra ainda vários slides que vão sendo projectados e que contêm amostras de testes, que criativamente revelam mensagens subliminares (feitos a partir de selecções fictícias nos boletins dos testes).

Apesar do esforço impressionante em meios técnicos, científicos e humanos na criação e manutenção deste sistema, a artista desvela o carácter obsoleto do mesmo sistema pondo em causa a validade deste na manutenção dos princípios democraticos de educação e igualdade.



CARLOS MOTTA – The Good Life
27 SET – 15 DEZ 2008

>>A subjectividade organizada, enquanto ferramenta crítica


Passando quase despercebido, o trabalho de Carlos Motta na Art In General esconde-se por detras de um terminal de computador. Uma presença discreta, que contrasta com a riqueza de informação e do conceito por detrás do seu projecto.

Interessado em escutar e dar voz às opiniões pessoais de cidadãos anónimos, Motta entrevistou, entre 2005 e 2008, vários habitantes de cidades de países da América Latina, de forma a entender as suas percepções sobre a influência dos EUA nos processos de democratização latino-americanos.

Motta usa assim um processo de trabalho que se cruza entre o jornalismo directo, e os trabalhos do documentarista e o do sociólogo. As perguntas são dirigidas de forma directa aos seus entrevistados estando registadas, seguindo um métodologia científica. A interface web justifica-se então, pela grande facilidade de acesso a esta informação: as vídeo-entrevistas não estão classificadas - demonstrando que não quer influenciar a leitura do seu trabalho. Assim, Motta oferece a possibilidade de selecção das entrevistas, de acordo com escalões de idades, cidade/país de origem e ocupação. Este tipo de selecção é importante, também para que o espectador entenda os diferentes pontos de vista, dependentes do nível de educação e idade e não assista a uma visão unilateral, de geração ou escalão social.

Ao mesmo tempo Motta revela uma preocupação que parece ir para além das perguntas que realizou. Prende-se sobretudo com a situação político-económica – normalmente bastante débil, normalmente traduzida pelo eufemismo de Terceiro-Mundo e que se revela através da pobreza, baixas taxas de escolaridade, emprego, protecção social e dependência desses países face à ajuda exerna (sobretudo dos EUA).

As origens são sobretudo de raíz neo-colonialista, mas Motta acaba por direccionar a questão para as razões do insucesso das tentativas de democratização nesse conjunto de países, durante o período da Guerra Fria, em que os EUA apoiaram muitos golpes de estado e ditaduras, que serviam melhor os seus interesses na região, na altura.

O trabalho torna-se assim numa ferramenta político-social crítica, que organiza um discurso colectivo assente na subjectividade das respostas de cada um dos seus interlocutores; apelando, por outro lado, à necessidade de questionar a situação desses países, pelas vozes da sua população anónima.

O trabalho encontra-se disponível, na sua totalidade, em: www.la-buena-vida.info



JAN BARACZ – Reality Cinema/Live Video
27 SET – 13 DEZ 2008

>>O filme chamado quotidiano


A sala poderia ser a de um pequeno auditório com cadeiras confortáveis. Apetece estar. Na tela passam imagens familiares – bastante familiares. Já estive nesta tela. Provavelmente, quando me dirigi ao espaço desta sala.

Numa atitude “voyeurista”, Jan Baracz retira-nos do quotidiano instalando-nos confortavelmente num cenário intimista, para de seguida nos voltar a colocar em contacto com esse mesmo quotidiano, desta vez reprocessado.

As questões começam a surgir, quando nos apercebemos que fora do espaço da loja, onde criou a instalação, outras câmeras, em outros edifícios, estão dirigidas aos transeuntes – que passam sem se aperceber que estão a ser filmados. Esperamos que quem esteja por detrás daquelas câmeras, também esteja tão bem instalado, como se está ali, naquela sala.

No entanto, Baracz não se limita a mostrar a visão óptica capturada pelas três cameras, que vão mudando a imagem periodicamente. O espectador presente assiste exactamente a um espectáculo – a vida urbana, que se desenrola fora da loja.

São vários os desafios, que este artista coloca ao visitante. A loja vista de fora apela ao espectáculo “voyeur” assemelhando-se às lojas espalhadas pela cidade, com filmes para adultos ou peep-shows anunciando vídeos ao vivo (Live Video). Baracz desafia também o espectador com a banda sonora composta por Toshio Kajiwara. A banda sonora vai variando no tema – épico, aventura, terror, drama, “suspense”, comédia, ajudando a completar a sua intenção de promoção de uma visão diferente sobre o real.

A rua passa então a ser um filme urbano, contínuo, que em qualquer momento apresenta um novo desafio alimentando o interior daquele espaço: os táxis que passam, os transeuntes, cargas e descargas de camiões ficam sob o olhar atento e vigilante das câmeras de Baracz e das outras câmeras instaladas nos outros edifícios – retratando uma visão da vigilância e de cooperacao passiva da população urbana amplamente banalizada nos nossos dias. Por outro lado, espera-se que aconteça alguma coisa na estreita e mal iluminada rua adjacente, mas apenas vemos algumas pessoas com sacos de compras de Chinatown. O filme não tem início, nem fim – é contínuo e quebrado apenas pelo ritmo das imagens capturadas, e pela banda sonora.

Durante a exibição desta instalação, Baracz questiona justamente o papel da música na percepção do quotidiano tendo convidado, para além de Kajiwara, outros artistas a criar som para a sua instalação. E na medida em que trabalham o som em tempo real, o resultado é a transformação da instalação numa performance. Desta forma, Baracz relembra os primórdios do cinema, quando ainda era mudo, e em que o ritmo das imagens projectadas era acompanhado ou mesmo criado por músicos que davam a expressão às cenas – sendo também o início do próprio conceito de banda sonora.

Saindo da instalação, de encontro ao “filme”, muda a nossa percepção sobre a vida naquela rua. Deveremos fazer uma pose qualquer? Manter uma atitude cinematográfica? Ou apenas mantermos-nos anónimos e confundirmos-nos no cenário do quotidiano?


Pedro dos Reis



ART IN GENERAL
79 Walker Street
New York, NY 10013


LINKS
www.artingeneral.org
www.la-buena-vida.info/

Tadalafil tab prescription generic viagra no best viagra medicine in india http://www.socgeografialisboa.pt/levitra-uk-side-effects/ cialis levitra viagra, how buy to propecia viagra costco price for at.
Buy canada cialis 20mg levitra vardenafil prices propecia cvs http://www.socgeografialisboa.pt/buy-tadalafil-canada/ tadalafil online, tadalafil online generic levitra there generic a is for.
Generic cheap levitra online propecia pharmacy levitra plus sildenafil 100mg dapoxetine 60mg, per pill cost levitra for cheap viagra buy.
The over viagra boots counter online generic buy tadalafil cialis vs viagra strength cialis vs viagra onset of action citrate sildenafil cream viagra ed pills otc best drugs for ed, from to canada order how viagra cialis cost 20mg.
Viagra uk cheapest online tadalafil price best for viagra vs viagra generic cialis vs viagra when to take pill price levitra purchase ed pills otc online ed meds, buy viagra online without generic prescription a cialis.
Purchase sildenafil cheap levitra vardenafil cialis vs viagra mayo clinic cialis vs viagra vs cheapest prices viagra buy ed meds erectile dysfunction pills online, does cost much cialis how in canada mg 5 tab cialis.
Tadalafil 5 mg price of where viagra stores buy in to for men viagra cream http://www.socgeografialisboa.pt/cheapest-tadalafil-online-uk/ cost of tadalafil, 5mg effects vardenafil mg 100 citrate sildenafil.
Tablets tadalafil 10mg vardenafil uk drugs tadalafil 20 mg http://www.socgeografialisboa.pt/buy-viagra-in-canada/ next day delivery on viagra, viagra womens to where buy for 20mg vardenafil generic.
Online india buy viagra generic tadalafil 10mg cost sildenafil http://www.socgeografialisboa.pt/generic-cialis-tadalafil-120-tabs/ where to buy tadalafil, sandoz cialis levitra online viagra.