Links

PERSPETIVA ATUAL


One Ton Prop (House of Cards) (1969), Richard Serra.

Outros artigos:

2018-10-13


MIRIAN TAVARES


2018-09-11


JULIA FLAMINGO


2018-07-25


RUI MATOSO


2018-06-25


MARIA DE FÁTIMA LAMBERT


2018-05-25


MARIA VLACHOU


2018-04-18


BRUNO CARACOL


2018-03-08


VICTOR PINTO DA FONSECA


2018-01-26


ANA BALONA DE OLIVEIRA


2017-12-18


CONSTANÇA BABO


2017-11-12


HELENA OSÓRIO


2017-10-09


PAULA PINTO


2017-09-05


PAULA PINTO


2017-07-26


NATÁLIA VILARINHO


2017-07-17


ANA RITO


2017-07-11


PEDRO POUSADA


2017-06-30


PEDRO POUSADA


2017-05-31


CONSTANÇA BABO


2017-04-26


MARC LENOT


2017-03-28


ALEXANDRA BALONA


2017-02-10


CONSTANÇA BABO


2017-01-06


CONSTANÇA BABO


2016-12-13


CONSTANÇA BABO


2016-11-08


ADRIANO MIXINGE


2016-10-20


ALBERTO MORENO


2016-10-07


ALBERTO MORENO


2016-08-29


NATÁLIA VILARINHO


2016-05-25


DIOGO DA CRUZ


2016-04-16


NAMALIMBA COELHO


2016-03-17


FILIPE AFONSO


2016-02-15


ANA BARROSO


2016-01-08


TAL R EM CONVERSA COM FABRICE HERGOTT


2015-11-28


MARTA RODRIGUES


2015-10-17


ANA BARROSO


2015-09-17


ALBERTO MORENO


2015-07-21


JOANA BRAGA, JOANA PESTANA E INÊS VEIGA


2015-06-20


PATRÍCIA PRIOR


2015-05-19


JOÃO CARLOS DE ALMEIDA E SILVA


2015-04-13


Natália Vilarinho


2015-03-17


Liz Vahia


2015-02-09


Lara Torres


2015-01-07


JOSÉ RAPOSO


2014-12-09


Sara Castelo Branco


2014-11-11


Natália Vilarinho


2014-10-07


Clara Gomes


2014-08-21


Paula Pinto


2014-07-15


Juliana de Moraes Monteiro


2014-06-13


Catarina Cabral


2014-05-14


Alexandra Balona


2014-04-17


Ana Barroso


2014-03-18


Filipa Coimbra


2014-01-30


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2013-12-09


SOFIA NUNES


2013-10-18


ISADORA H. PITELLA


2013-09-24


SANDRA VIEIRA JÜRGENS


2013-08-12


ISADORA H. PITELLA


2013-06-27


SOFIA NUNES


2013-06-04


MARIA JOÃO GUERREIRO


2013-05-13


ROSANA SANCIN


2013-04-02


MILENA FÉRNANDEZ


2013-03-12


FERNANDO BRUNO


2013-02-09


ARTECAPITAL


2013-01-02


ZARA SOARES


2012-12-10


ISABEL NOGUEIRA


2012-11-05


ANA SENA


2012-10-08


ZARA SOARES


2012-09-21


ZARA SOARES


2012-09-10


JOÃO LAIA


2012-08-31


ARTECAPITAL


2012-08-24


ARTECAPITAL


2012-08-06


JOÃO LAIA


2012-07-16


ROSANA SANCIN


2012-06-25


VIRGINIA TORRENTE


2012-06-14


A ART BASEL


2012-06-05


dOCUMENTA (13)


2012-04-26


PATRÍCIA ROSAS


2012-03-18


SABRINA MOURA


2012-02-02


ROSANA SANCIN


2012-01-02


PATRÍCIA TRINDADE


2011-11-02


PATRÍCIA ROSAS


2011-10-18


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-09-23


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-07-28


PATRÍCIA ROSAS


2011-06-21


SÍLVIA GUERRA


2011-05-02


CARLOS ALCOBIA


2011-04-13


SÓNIA BORGES


2011-03-21


ARTECAPITAL


2011-03-16


ARTECAPITAL


2011-02-18


MANUEL BORJA-VILLEL


2011-02-01


ARTECAPITAL


2011-01-12


ATLAS - COMO LEVAR O MUNDO ÀS COSTAS?


2010-12-21


BRUNO LEITÃO


2010-11-29


SÍLVIA GUERRA


2010-10-26


SÍLVIA GUERRA


2010-09-30


ANDRÉ NOGUEIRA


2010-09-22


EL CULTURAL


2010-07-28


ROSANA SANCIN


2010-06-20


ART 41 BASEL


2010-05-11


ROSANA SANCIN


2010-04-15


FABIO CYPRIANO - Folha de S.Paulo


2010-03-19


ALEXANDRA BELEZA MOREIRA


2010-03-01


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-02-17


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-01-26


SUSANA MOUZINHO


2009-12-16


ROSANA SANCIN


2009-11-10


PEDRO NEVES MARQUES


2009-10-20


SÍLVIA GUERRA


2009-10-05


PEDRO NEVES MARQUES


2009-09-21


MARTA MESTRE


2009-09-13


LUÍSA SANTOS


2009-08-22


TERESA CASTRO


2009-07-24


PEDRO DOS REIS


2009-06-15


SÍLVIA GUERRA


2009-06-11


SANDRA LOURENÇO


2009-06-10


SÍLVIA GUERRA


2009-05-28


LUÍSA SANTOS


2009-05-04


SÍLVIA GUERRA


2009-04-13


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2009-03-23


PEDRO DOS REIS


2009-03-03


EMANUEL CAMEIRA


2009-02-13


SÍLVIA GUERRA


2009-01-26


ANA CARDOSO


2009-01-13


ISABEL NOGUEIRA


2008-12-16


MARTA LANÇA


2008-11-25


SÍLVIA GUERRA


2008-11-08


PEDRO DOS REIS


2008-11-01


ANA CARDOSO


2008-10-27


SÍLVIA GUERRA


2008-10-18


SÍLVIA GUERRA


2008-09-30


ARTECAPITAL


2008-09-15


ARTECAPITAL


2008-08-31


ARTECAPITAL


2008-08-11


INÊS MOREIRA


2008-07-25


ANA CARDOSO


2008-07-07


SANDRA LOURENÇO


2008-06-25


IVO MESQUITA


2008-06-09


SÍLVIA GUERRA


2008-06-05


SÍLVIA GUERRA


2008-05-14


FILIPA RAMOS


2008-05-04


PEDRO DOS REIS


2008-04-09


ANA CARDOSO


2008-04-03


ANA CARDOSO


2008-03-12


NUNO LOURENÇO


2008-02-25


ANA CARDOSO


2008-02-12


MIGUEL CAISSOTTI


2008-02-04


DANIELA LABRA


2008-01-07


SÍLVIA GUERRA


2007-12-17


ANA CARDOSO


2007-12-02


NUNO LOURENÇO


2007-11-18


ANA CARDOSO


2007-11-17


SÍLVIA GUERRA


2007-11-14


LÍGIA AFONSO


2007-11-08


SÍLVIA GUERRA


2007-11-02


AIDA CASTRO


2007-10-25


SÍLVIA GUERRA


2007-10-20


SÍLVIA GUERRA


2007-10-01


TERESA CASTRO


2007-09-20


LÍGIA AFONSO


2007-08-30


JOANA BÉRTHOLO


2007-08-21


LÍGIA AFONSO


2007-08-06


CRISTINA CAMPOS


2007-07-15


JOANA LUCAS


2007-07-02


ANTÓNIO PRETO


2007-06-21


ANA CARDOSO


2007-06-12


TERESA CASTRO


2007-06-06


ALICE GEIRINHAS / ISABEL RIBEIRO


2007-05-22


ANA CARDOSO


2007-05-12


AIDA CASTRO


2007-04-24


SÍLVIA GUERRA


2007-04-13


ANA CARDOSO


2007-03-26


INÊS MOREIRA


2007-03-07


ANA CARDOSO


2007-03-01


FILIPA RAMOS


2007-02-21


SANDRA VIEIRA JURGENS


2007-01-28


TERESA CASTRO


2007-01-16


SÍLVIA GUERRA


2006-12-15


CRISTINA CAMPOS


2006-12-07


ANA CARDOSO


2006-12-04


SÍLVIA GUERRA


2006-11-28


SÍLVIA GUERRA


2006-11-13


ARTECAPITAL


2006-11-07


ANA CARDOSO


2006-10-30


SÍLVIA GUERRA


2006-10-29


SÍLVIA GUERRA


2006-10-27


SÍLVIA GUERRA


2006-10-11


ANA CARDOSO


2006-09-25


TERESA CASTRO


2006-09-03


ANTÓNIO PRETO


2006-08-17


JOSÉ BÁRTOLO


2006-07-24


ANTÓNIO PRETO


2006-07-06


MIGUEL CAISSOTTI


2006-06-14


ALICE GEIRINHAS


2006-06-07


JOSÉ ROSEIRA


2006-05-24


INÊS MOREIRA


2006-05-10


AIDA E. DE CASTRO


2006-04-20


JORGE DIAS


2006-04-05


SANDRA VIEIRA JURGENS



ARTE NO MEIO DA VIDA (HOMEM NA ESCURIDÃO)



VICTOR PINTO DA FONSECA

2016-06-28




A utilização contínua de placas de aço e chumbo por Richard Serra levou-o a One Ton Prop (House of Cards), 1969, obra considerada central na história da arte: quatro placas usam o seu próprio peso para se segurarem umas às outras num castelo de cartas de chumbo. As propriedades da escultura (físicas e visuais), nomeadamente a gravidade, peso, equilíbrio, e outras, estão incorporadas no material; o processo está implícito na energia usada na composição da peça. O elemento de perigo também está presente na possibilidade de o castelo de cartas cair: em House of Cards o observador (o público) é mais alto do que as placas de 120 cm de altura e pode contorná-las, mas com algum cuidado de forma a não perturbar a peça.

As qualidades da escultura One Ton Prop (House of Cards) são suficientes para nos ensinar que a simplicidade é a essência da mestria exemplar de Richard Serra. A compreensão da arte, e do trabalho artístico, é essencial para revolucionarmos a vida e progredirmos.

A Arte não pode ser desligada da realidade

A maneira como actualmente continuamos a pensar a arte contemporânea (sinónimo de cultura) em Portugal já não é atractiva. É tempo de pensarmos o futuro da cultura com uma total mudança de mentalidade, que dissolva a inércia cultural e que destrua todas as relações e ou ligações desnecessárias ao progresso da arte contemporânea em Portugal; ligações, que na sua maioria se instalaram através de amizades e favores de quem nasce e se reproduz dentro de determinadas bolsas, que transcendem a arte. Temos de aprender a usar o mérito consistentemente, de maneira que o mundo da arte deixe de estar orientado sempre para os mesmos.

É prioritário convertermos o centro do interesse para o mérito - criar novas oportunidades - onde não conte de onde se vem, a posição social, a herança e o passaporte, para alcançar o sonho da arte – que o pensamento actual exige. Relevar o trabalho importante, em vez dos favores, é que deve dirigir toda a organização do sistema da arte contemporânea (sinónimo de cultura) como inspiração para a execução artística e impulso para transformar o dia a dia da vida, de forma que a arte seja de todos; finalmente, mencionar os problemas centrais da arte em Portugal não pode ser tabu, para esquecer o medo de ser prejudicado no quotidiano (a verdade é que o medo esconde as oportunidades de mudança). É fácil criticar a falta de acção dos outros, eu sei. Eu sei.

Mas, que desenvolvimento artístico teremos, se continuarmos a não prestar uma particular atenção à diversidade de ideias, à relação com o ‘outro’ (não há qualquer motivo para acreditarmos na realidade imutável das coisas num mapa de conhecimento em constante expansão): refiro-me à visão do mundo actual globalizado – novas relações sociais exigem novos espaços de liberdade e vice-versa – que nos traz novas identidades (mistura de uma série de culturas), e novas práticas para a construção da arte contemporânea à escala global.

Por exemplo: o impacto consistente na sociedade portuguesa da consciência/influência da complexa matriz híbrida luso-tropical (descendentes de africanos) - que inevitavelmente toma uma vantajosa largura de espírito, medida de dois mundos, Europa e África -, não se reflete (expressa) na cena artística, há excepção da música popular que comunica de forma directa para ser avaliada pelo público (fora do circuito do poder que legitima a produção artística contemporânea em Portugal). A arte contemporânea, particularmente, permanece como um tímido vácuo (exclusivamente monocultural), onde não estão representados artistas de outras nacionalidades ou o luso-tropicalismo por não terem as mesmas oportunidades e ou não suscitarem o mesmo interesse que os outros; a construção da organização da arte contemporânea é um circulo desenhado sobre uma ideia burguesa da arte, uma ideia de classes economicamente favorecidas; fora deste sistema monocultural todos os contributos são preteridos em favor dos que gravitam à sua volta! Continuamos no passado: estamos presos dentro do sistema.

Muito poucos têm uma visão clara e compreensiva da realidade, das ligações entre a cultura portuguesa e uma série de outras culturas. Consequência: a programação e o debate internacional é algo quase inexistente a nível da arte em Portugal... Com uma evidente repercussão na criação nacional: razão para a falta de um consistente network internacional que encoraje e promova projectos e iniciativas transartísticas, capaz de criarem uma consistente ligação entre a arte que se faz em Portugal e o mundo!

Como é que alguém se pode considerar verdadeiramente versado e devidamente informado no que diz respeito à arte contemporânea, se não possuir, uma compreensão do ‘outro’, e dos novos desenvolvimentos culturais à escala nacional e internacional?

Como é que os curadores, críticos, negociantes e colecionadores, identificam os artistas emergentes – o pensamento e a estética contemporânea – se não exigirmos uma total imersão num universo de conhecimento em constante expansão. No que diz especialmente respeito à crítica, a arte exige ser avaliada a par da história, e das diferentes culturas, ao ponto de ser necessário possuir uma visão orientada para o futuro, uma compreensão das perspectivas actuais à escala internacional, de maneira a integrar a diversidade, nos trabalhos a analisar.

Por exemplo: mestrados formativos em “Estudos Museológicos e Curatoriais” deveriam dar o mote para um debate (nos circuitos académicos) entre artistas, curadores, educadores e teóricos conhecedores das artes, para uma análise intelectual capaz de examinar as relações entre os artistas, os curadores, os espectadores e as instituições onde estes se encontram. Sobretudo no contexto académico, perceber-se a razão porque quem escolhe fazer uma formação superior em artes, não tem oportunidades para exercer o seu conhecimento e a dificuldade de todos em entrar na profissão para poderem seguir os seus sonhos até onde o mérito os conseguir levar. A educação curatorial deve encontrar um bom equilíbrio entre a teoria e a práctica sem se denegrirem.

Nós estamos no passado. Eu adoro o passado. É muito mais seguro que o futuro.

No contexto institucional, é fundamental o poder político encontrar uma nova mentalidade que proteja a arte contemporânea: talvez inspirar-se na simplicidade de One Ton Prop (House of Cards), e nos valores que a arte representa, para formar ideias culturais e fugir do conservadorismo (regressivo) do tradicional pensamento político, da ideia - dos sucessivos governos - meio burguesa, meio não, meio talvez, da cultura.

Por exemplo: que progresso teremos quando se recusa tradicionalmente os concursos públicos para as instituições, como processo democrático de escolha, e ninguém parece dar por nada (e não devemos sentir que os concursos são só apropriados às Instituições do Estado: muito melhor seria a Fundação edp e a Culturgest, por exemplo, terem procedimentos democráticos).
Além do mais, temos de vencer o corporativismo – que afasta constantemente os melhores -, a actual descrença, a falta de objectivos ou de esperança que destrói aos poucos as nossas expectativas – só possível com o privilégio da meritocracia, capaz de representar um mundo de possibilidades e de oportunidades, impossível de aprisionar.

A questão ideológica é esta: a arte contemporânea é para ser levada a sério. Nesse sentido tem de ser descoberta em Portugal como um bem comum da comunidade, o bem comum que fundamenta toda a cultura, e não um bem de interesses individuais ou corporativos, como acontece!

A arte não precisa da atenção dos políticos, mas precisa do seu contexto; não se trata aqui de dar a diligente visão excessiva: não é a velha história de estar contra o sistema. Antes, parece-me que todos nós somos a cultura e devemos promover a ideia de que todos temos o dever de questionar o estabelecido (afectando até os mais impassíveis), de sonhar com o futuro como gostaríamos que ele fosse, mesmo que não esteja na nossa natureza por razões culturais sermos pensadores radicais! É possível que o momento certo dependa de nós: ou devemos abdicar dele porque perdemos a esperança de alcançar uma realidade diferente ou porque não queremos saber dela?

A questão é que tipo de sistema institucionalizamos (interessa olhar para a arte em busca de orientação?); que formas de práticas premiamos...os favores (a ignorância), substituindo o verdadeiro saber (o mérito)?; e que organização e estrutura queremos para a arte – a ortodoxia das amizades que imobilizam o desenvolvimento e o progresso, tomando o poder em absoluto?

Por outro lado, a arte (sinónimo de cultura) precisa do estado para ter investimento, para cumprir o seu papel de elevar o estatuto cultural do país, da sociedade civil. Acontece que a distribuição dos apoios da DGArtes é insuficiente, e a sua materialização pouco encorajadora para a comunidade artística (tem uma aproximação minimalista especialmente à arte contemporânea): motivo para ser repensada - para que os apoios sejam ditados com a intenção de serem reprodutivos.

Primeiro, a DGArtes não pode manter o modelo dos apoios do anterior governo! Antes, deve assumir a responsabilidade de fazer as coisas bem: uma maior concentração dos apoios deve transferir-se dos apoios pontuais (apoios circunscritos à analise dos projectos a uma simples dimensão técnica, e não multidimensional de conhecimento e boas práticas; a ideia retórica da cultura desligada da realidade está aposentada), para os apoios anuais, sendo certo que a dimensão anual dos projectos é mais credível e produtiva: programar anualmente é sinónimo de produção contínua - influenciar o dia a dia -, de formação e transformação cultural das pessoas, à semelhança de uma sala de aulas. Portugal, actualmente, é um país de eventos culturais (sazonais), consequência do distanciamento da DGArtes, que nos últimos anos ignorou o ecossistema cultural do país fazendo tábua rasa da história das estruturas de arte de programação anual.

Ainda na política de financiamento (refiro-me ao programa dos apoios directos anual e bienal), é totalmente mal-entendido pela DGArtes, a prioridade estratégica das candidaturas admitidas deverem incluir circulação nacional, em mais do que uma região do país: decisão que condiciona especialmente os projectos de arte contemporânea, podendo inclusivamente o plano curatorial contradizer-se, na impossibilidade conceptual de se ligar a mesma exposição em intimidade com diferentes espaços. O critério da circulação significa um total desrespeito pelo contexto da arte contemporânea - uma exposição de arte deve ser um diálogo diferente em cada espaço e em cada cidade -, razão porque a existência deste parâmetro de referência para apreciação parcelar deve ser abolido dos programas de apoio à arte contemporânea, especialmente se queremos falar sobre o impacto da arte nas pessoas e o seu papel na sociedade.

Também deve a DGArtes saber cumprir as datas para o lançamento dos concursos: atrasos nos lançamentos dos concursos, atrasos na avaliação dos projectos, na contratualização dos apoios e nos pagamentos, interrompe sistematicamente o ritmo (ritmo é perfeição: o ritmo permite-nos ser cada vez mais precisos) de programar, e a inovação; o bem mais essencial e necessário para desenvolver programação é o tempo!

A DGArtes tem de progredir e dar o salto necessário para perceber rapidamente como a arte contemporânea é, e, deve ser comprometida na formação da sua identidade, com o mundo pluralista, cosmopolita, e global (não rústico e provinciano). Este tipo de conhecimento e competência é especializado - a qualificação deve desenvolver-se ao longo de toda a vida -, mas não há aprendizagem na DGArtes; é rigoroso, mas não tem uma supervisão.
A DGArtes precisa desesperadamente desta consciência, para poder merecer o nome. A arte é feita de diferentes ideias, crítica e experimentação sem fim, é um meio de compreensão privilegiado da essência mais íntima do mundo: paradoxalmente, a DGArtes não pensa a arte através da vivencia; antes, vai tirando coelhos da cartola discursiva. A boa visão da arte - a sua conceptualização - precede da vida. A tarefa de pensar a arte, a sua apreensão, não dispensa nem a intuição sensível, nem a observação próxima do estado fluido e variável do mundo da arte em oposição às demonstrações do saber discursivo que têm dominado na DGArtes, particularmente a tendência para a conceptualização académica (os académicos não são o olhar visionário da arte, antes são a realidade meramente clássica), que não passa de passividade!

Por outro lado, a ancestral falta de uma comunidade filantrópica no país – contentando-se com o menos que poderem –, a dificuldade de financiar o sector, também contribui para a inércia e estagnação evidente da arte contemporânea em Portugal.

“A coragem é mais do que a capacidade de suportar, é o poder de criar a nossa própria vida contra tudo o que Deus ou os homens nos possam infligir, para que cada dia e cada noite sejam aquilo que imaginamos. A coragem faz de nós sonhadores”, Novalis.

O mundo da arte contemporânea portuguesa – salvo raras excepções – vive um clima totalmente resignado de aceitação do status quo, da verdade única e conveniente. A hierarquia dominante é um pequeno universo cheio de frívolos contemporâneos – onde tudo é sobre dinheiro -, de pretensão de controle, de acumulação de favores entre pessoas pouco preparadas…É uma espécie de moral, que suplanta o facto de ser possível que se possua uma coluna vertebral. Sinto a falta do sentido da arte maravilhosa. Vejo-me na escuridão. 

 

Victor Pinto da Fonseca

 

Tadalafil cheap pills online cialis canada buy no propecia prescription finasteride buy http://www.socgeografialisboa.pt/sildenafil-buyers-uk/ sildenafil citrate tadalafil tablets, levitra buy brand generic cheapest buy viagra.
Buy legally viagra calgary store viagra costs at viagra walmart buy propecia in india, viagra gel cialis levitra reviews vs viagra vs.
Women citrate sildenafil cialis difference viagra viagra price gel order generic viagra from india, levitra generic online buy propecia online safe.
Online propecia generic buying canada viagra buy in http://www.saludos.com/healthcare/hchome.htm cialis vs viagra generic delivery viagra fast http://www.saludos.com/award.htm best ed drugs, levitra generic 20mg difference and between viagra cialis.
Levitra sale uk tablets cialis tabs generic tadalafil 120 buy viagra without prescription online http://www.socgeografialisboa.pt/tadalafil-cheap-generic/ tadalafil cheapest, canada viagra prescription mg cialis 40 online.
Cialis shop mg cialis generic 40 uk buy levitra cheap http://www.socgeografialisboa.pt/cheap-levitra-professional/ levitra cost, 1mg in price finasteride india without cheap prescription viagra online buy.
Pharmacy walmart viagra cost and sildenafil tablets dapoxetine vardenafil tadalafil citrate, reviews levitra 20mg tablets vardenafil cheap.
Online prescriptions propecia viagra buy online buy citrate 100mg sildenafil vardenafil levitra tadalafil, sildenafil vardenafil best price propecia uk.
Tadalafil no prescription sildenafil cena 100 cialis vs viagra vs levitra cost at walmart cialis vs viagra prices vs vardenafil sildenafil tadalafil vs purchase ed drugs order ed drugs, uk viagra sales generic usa viagra.
On cialis line line on levitra viagra 100mg generic http://www.socgeografialisboa.pt/viagra-generic-review/ buy generic viagra in uk, cheapest online cialis generic is what levitra.
Kaufen levitra viagra cialis sildenafil cheap online price levitra 20mg http://www.socgeografialisboa.pt/generic-prescriptions-propecia/ cheapest propecia, vardenafil tadalafil cialis levitra buy online uk vardenafil.
Vs viagra effectiveness cialis buy online without prescription levitra sale for cialis generic in canada http://www.socgeografialisboa.pt/vardenafil-buy-uk/ order vardenafil 100mg, propecia vs propecia generic order sildenafil.