Links

PERSPETIVA ATUAL


Xavier Boussiron e Arnaud Labelle-Rojoux, “Le miracle familier”, 2009. Detalhe. Foto: Didier Plowy La Force de l’Art 02/MCC 2009


Intervenção do arquitecto Philippe Rahm em La Force de l’Art 02. “La Géologie blanche”, 2009


Philippe Mayaux em La Force de l’Art 02. Vista da instalação, 2009. Cortesia: galerie Loevenbruck, Paris. Foto: Didier Plowy La Force de l’Art 02 / MCC 2009


Bruno Peinado, “Sans Titre, Silence is sexy, n°3/3”, 2004-2009. Cortesia galerie Loevenbruck, Paris. Foto: Didier Plowy La Force de l’Art 02/Ministère de la Culture et de la Communication 2009


Fabrice Hyber, “POF Shop”, 1999-2009. Cortesia: Fabrice Hyber e galerie Jérôme de Noirmont. Foto: Didier Plowy La Force de l’Art 02/Ministère de la Culture et de la Communication 2009


Mircea Cantor, “Arch of Triumph”, 2008. Cortesia: Mircea Cantor e galeria Yvon Lambert, Paris e Nova Iorque. Foto: Didier Plowy La Force de l’Art 02/MCC 2009


Pascal Convert, “Le temps scellé, Joseph Epstein et son fils”, 2009. Cortesia: galerie Eric Dupont, Paris. Foto: Didier Plowy La Force de l’Art 02/MCC 2009

Lacroix.Co-produção: Centre national des arts plastiques e artistas. Cortesia:Jérôme de Noirmont" data-lightbox="image-1">
Pierre et Gilles, “La Vierge et l’Enfant”, 2008-2009. Modelos: Hafsia Herzi e Loric. Vestido: Christian Lacroix.Co-produção: Centre national des arts plastiques e artistas. Cortesia:Jérôme de Noirmont

Outros artigos:

2017-11-12


HELENA OSÓRIO


2017-10-09


PAULA PINTO


2017-09-05


PAULA PINTO


2017-07-26


NATÁLIA VILARINHO


2017-07-17


ANA RITO


2017-07-11


PEDRO POUSADA


2017-06-30


PEDRO POUSADA


2017-05-31


CONSTANÇA BABO


2017-04-26


MARC LENOT


2017-03-28


ALEXANDRA BALONA


2017-02-10


CONSTANÇA BABO


2017-01-06


CONSTANÇA BABO


2016-12-13


CONSTANÇA BABO


2016-11-08


ADRIANO MIXINGE


2016-10-20


ALBERTO MORENO


2016-10-07


ALBERTO MORENO


2016-08-29


NATÁLIA VILARINHO


2016-06-28


VICTOR PINTO DA FONSECA


2016-05-25


DIOGO DA CRUZ


2016-04-16


NAMALIMBA COELHO


2016-03-17


FILIPE AFONSO


2016-02-15


ANA BARROSO


2016-01-08


TAL R EM CONVERSA COM FABRICE HERGOTT


2015-11-28


MARTA RODRIGUES


2015-10-17


ANA BARROSO


2015-09-17


ALBERTO MORENO


2015-07-21


JOANA BRAGA, JOANA PESTANA E INÊS VEIGA


2015-06-20


PATRÍCIA PRIOR


2015-05-19


JOÃO CARLOS DE ALMEIDA E SILVA


2015-04-13


Natália Vilarinho


2015-03-17


Liz Vahia


2015-02-09


Lara Torres


2015-01-07


JOSÉ RAPOSO


2014-12-09


Sara Castelo Branco


2014-11-11


Natália Vilarinho


2014-10-07


Clara Gomes


2014-08-21


Paula Pinto


2014-07-15


Juliana de Moraes Monteiro


2014-06-13


Catarina Cabral


2014-05-14


Alexandra Balona


2014-04-17


Ana Barroso


2014-03-18


Filipa Coimbra


2014-01-30


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2013-12-09


SOFIA NUNES


2013-10-18


ISADORA H. PITELLA


2013-09-24


SANDRA VIEIRA JÜRGENS


2013-08-12


ISADORA H. PITELLA


2013-06-27


SOFIA NUNES


2013-06-04


MARIA JOÃO GUERREIRO


2013-05-13


ROSANA SANCIN


2013-04-02


MILENA FÉRNANDEZ


2013-03-12


FERNANDO BRUNO


2013-02-09


ARTECAPITAL


2013-01-02


ZARA SOARES


2012-12-10


ISABEL NOGUEIRA


2012-11-05


ANA SENA


2012-10-08


ZARA SOARES


2012-09-21


ZARA SOARES


2012-09-10


JOÃO LAIA


2012-08-31


ARTECAPITAL


2012-08-24


ARTECAPITAL


2012-08-06


JOÃO LAIA


2012-07-16


ROSANA SANCIN


2012-06-25


VIRGINIA TORRENTE


2012-06-14


A ART BASEL


2012-06-05


dOCUMENTA (13)


2012-04-26


PATRÍCIA ROSAS


2012-03-18


SABRINA MOURA


2012-02-02


ROSANA SANCIN


2012-01-02


PATRÍCIA TRINDADE


2011-11-02


PATRÍCIA ROSAS


2011-10-18


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-09-23


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-07-28


PATRÍCIA ROSAS


2011-06-21


SÍLVIA GUERRA


2011-05-02


CARLOS ALCOBIA


2011-04-13


SÓNIA BORGES


2011-03-21


ARTECAPITAL


2011-03-16


ARTECAPITAL


2011-02-18


MANUEL BORJA-VILLEL


2011-02-01


ARTECAPITAL


2011-01-12


ATLAS - COMO LEVAR O MUNDO ÀS COSTAS?


2010-12-21


BRUNO LEITÃO


2010-11-29


SÍLVIA GUERRA


2010-10-26


SÍLVIA GUERRA


2010-09-30


ANDRÉ NOGUEIRA


2010-09-22


EL CULTURAL


2010-07-28


ROSANA SANCIN


2010-06-20


ART 41 BASEL


2010-05-11


ROSANA SANCIN


2010-04-15


FABIO CYPRIANO - Folha de S.Paulo


2010-03-19


ALEXANDRA BELEZA MOREIRA


2010-03-01


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-02-17


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-01-26


SUSANA MOUZINHO


2009-12-16


ROSANA SANCIN


2009-11-10


PEDRO NEVES MARQUES


2009-10-20


SÍLVIA GUERRA


2009-10-05


PEDRO NEVES MARQUES


2009-09-21


MARTA MESTRE


2009-09-13


LUÍSA SANTOS


2009-08-22


TERESA CASTRO


2009-07-24


PEDRO DOS REIS


2009-06-15


SÍLVIA GUERRA


2009-06-11


SANDRA LOURENÇO


2009-06-10


SÍLVIA GUERRA


2009-05-28


LUÍSA SANTOS


2009-05-04


SÍLVIA GUERRA


2009-04-13


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2009-03-23


PEDRO DOS REIS


2009-03-03


EMANUEL CAMEIRA


2009-02-13


SÍLVIA GUERRA


2009-01-26


ANA CARDOSO


2009-01-13


ISABEL NOGUEIRA


2008-12-16


MARTA LANÇA


2008-11-25


SÍLVIA GUERRA


2008-11-08


PEDRO DOS REIS


2008-11-01


ANA CARDOSO


2008-10-27


SÍLVIA GUERRA


2008-10-18


SÍLVIA GUERRA


2008-09-30


ARTECAPITAL


2008-09-15


ARTECAPITAL


2008-08-31


ARTECAPITAL


2008-08-11


INÊS MOREIRA


2008-07-25


ANA CARDOSO


2008-07-07


SANDRA LOURENÇO


2008-06-25


IVO MESQUITA


2008-06-09


SÍLVIA GUERRA


2008-06-05


SÍLVIA GUERRA


2008-05-14


FILIPA RAMOS


2008-05-04


PEDRO DOS REIS


2008-04-09


ANA CARDOSO


2008-04-03


ANA CARDOSO


2008-03-12


NUNO LOURENÇO


2008-02-25


ANA CARDOSO


2008-02-12


MIGUEL CAISSOTTI


2008-02-04


DANIELA LABRA


2008-01-07


SÍLVIA GUERRA


2007-12-17


ANA CARDOSO


2007-12-02


NUNO LOURENÇO


2007-11-18


ANA CARDOSO


2007-11-17


SÍLVIA GUERRA


2007-11-14


LÍGIA AFONSO


2007-11-08


SÍLVIA GUERRA


2007-11-02


AIDA CASTRO


2007-10-25


SÍLVIA GUERRA


2007-10-20


SÍLVIA GUERRA


2007-10-01


TERESA CASTRO


2007-09-20


LÍGIA AFONSO


2007-08-30


JOANA BÉRTHOLO


2007-08-21


LÍGIA AFONSO


2007-08-06


CRISTINA CAMPOS


2007-07-15


JOANA LUCAS


2007-07-02


ANTÓNIO PRETO


2007-06-21


ANA CARDOSO


2007-06-12


TERESA CASTRO


2007-06-06


ALICE GEIRINHAS / ISABEL RIBEIRO


2007-05-22


ANA CARDOSO


2007-05-12


AIDA CASTRO


2007-04-24


SÍLVIA GUERRA


2007-04-13


ANA CARDOSO


2007-03-26


INÊS MOREIRA


2007-03-07


ANA CARDOSO


2007-03-01


FILIPA RAMOS


2007-02-21


SANDRA VIEIRA JURGENS


2007-01-28


TERESA CASTRO


2007-01-16


SÍLVIA GUERRA


2006-12-15


CRISTINA CAMPOS


2006-12-07


ANA CARDOSO


2006-12-04


SÍLVIA GUERRA


2006-11-28


SÍLVIA GUERRA


2006-11-13


ARTECAPITAL


2006-11-07


ANA CARDOSO


2006-10-30


SÍLVIA GUERRA


2006-10-29


SÍLVIA GUERRA


2006-10-27


SÍLVIA GUERRA


2006-10-11


ANA CARDOSO


2006-09-25


TERESA CASTRO


2006-09-03


ANTÓNIO PRETO


2006-08-17


JOSÉ BÁRTOLO


2006-07-24


ANTÓNIO PRETO


2006-07-06


MIGUEL CAISSOTTI


2006-06-14


ALICE GEIRINHAS


2006-06-07


JOSÉ ROSEIRA


2006-05-24


INÊS MOREIRA


2006-05-10


AIDA E. DE CASTRO


2006-04-20


JORGE DIAS


2006-04-05


SANDRA VIEIRA JURGENS


share |

LA FORCE DE L’ART 02



SÍLVIA GUERRA

2009-05-04




“Le réel est tabou – on ne viendra pas à bout” (O real é tabu, não chegaremos ao fim)
Philippe Mayaux, “Les Agitateurs”, 2008


“L’art contemporain? – à priori, je n’en comprends rien; mais comme je suis curieuse et je ne supporte pas les choses qui m’échapent, bien je vais vous pousser la porte et on verra bien... “
Julie Depardieu, actriz, no filme publicitário produzido para La Force de l’Art 02.



La Force de l’Art 02

Inaugurou a segunda edição da trienal de arte contemporânea de Paris mais conhecida por La Force de l’Art. Um evento que se traduz numa exposição colectiva de artistas residentes em França e que produz manifestações satélites em instituições culturais e turísticas da cidade luz. Criada por iniciativa pública (Ministério da Cultura e das Comunicações) este investimento numa seleccionada vitrina de luxo da criatividade nacional assume nesta segunda edição uma grandiosidade inesperada. Ano em que 60.000 pessoas perderam o emprego em França e a crise económica internacional começa a revelar os seus efeitos reais.


Após uma primeira edição em que a partilha entre artes visuais, design e artes performativas fora feita por 15 comissários diferentes e onde era patente o ecletismo dos media utilizados, nesta segunda edição o MCC optou por uma partilha curatorial mais restrita, com três comissários convidados, Jean-Louis Froment, Jean-Yves Jouannais, Didier Ottinger e o arquitecto Philippe Rahm. Uma diferente metodologia na exposição dos artistas participantes foi também adoptada. Estes encontram-se divididos em: artistas “residentes” (aqueles que se encontram na exposição colectiva no Grand Palais; artistas “visitantes” (que se encontram noutros locais da cidade) e artistas “convidados” que participam a título esporádico, em diálogo com as obras propostas.



Em que se traduz esta edição de La Force de l’Art de 2009?

Quando me aproximo da cúpula de vidro mais imponente de Paris encontro grandes outdoors que anunciam o evento com a sigla - LFDA. É notória a simpatia que os nossos amigos gauleses nutrem por siglas. Existem siglas para tudo: desde o anacrónico BCNG (Bon Chic, Bon Genre, que definiu uma geração de camisa branca, com Bernard-Henry Lévy como apóstolo nos anos 80), ao SDF (a terrível designação para os sem-abrigo – Sans Domicile Fixe), já para não falar do “símbolo do luxo associado à criação” o grupo LVMH (Louis Vuitton Moet Henessy).


A expressão - La Force de l’Art - provém do homónimo livro de Jean Luc-Chalumeau reeditado em 2006 que realça o florescimento da arte contemporânea em França (poderíamos dizer que se existem artistas oficiais também existem os seus apologistas teóricos). Em 2006, o executivo francês protagonizado por Dominique de Villepin, concedeu diversos privilégios fiscais às galerias francesas bem como a todos os mecenas privados que investissem nesta área. Este ano as honras couberam a Christine Albanel, Ministra da Cultura de Nicolas Sarkozy.



No Grand Palais

Uma “Geologia Branca” é a primeira imagem que temos ao entrar no espaço gigantesco do Grand Palais, as obras estão escondidas atrás de uma cenografia de um alvor que cega e que segundo as palavras do seu criador, Philippe Rahm, se adapta à dimensão das obras, criando-lhes um habitat dentro do espaço.


A primeira obra com que me deparo são os “ Les Agitateurs” (2008) de Philippe Mayaux, uma série de mãos mecânicas que agitam slogans tais como : “Allez vous faire encadrer” (Emoldurem-se vós mesmos), “Non, à la dictature des cellules” (Não, à ditadura das células!); “L’Humanité fait-elle l’unanimité?” (A Humanidade faz a unanimidade?), entre outras. Fico surpreendida por este arrojo político do artista numa manifestação de cunho institucional, tão diferente dos seus famosos cogumelos alucinogéneos. Porém a reivindicação fica por aí, as obras são todas monumentais e a atmosfera branca por onde caminhamos faz-nos sentir num enorme parque de diversões, apropriado para menores de 5 anos de idade.


Encontramos a esfera espelhada gigante de Bruno Peinado (“Sans Titre, Silence is sexy, n°3/3”, 2004-2009), o “POF Shop” (1999 – 2009) de Patrice Hyber, onde cada objecto da vida diária é mutante, como um carro com duas frentes, uma bola de futebol rectangular, o Arco do Triunfo dourado de Mircea Cantor, a revisitação da griffe de Fontana a verde e com 10 metros de altura de Virginie Yassef, um enorme contentor industrial em forma de instalação, um mundo em que esculturas, tags e vídeo fazem parte de um Modern Circus (2009) de Fabien Verschaere, que como explica uma “mediadora cultural” a um visitante: “Tem que ter em conta que este artista é anão”.


Podemos ver também o cubo negro gigante que por minutos faz pensar na Caba não realizada por Gregor Schneider em Veneza, “The Outland” (2009) de Fabien Giraud e Raphaël Siboni, um enorme simulador fechado, uma das raras boas surpresas na forma de instalação sonora e visual, onde o equilíbrio entre os dois sentidos é conseguido. Resta um destaque à obra poética de Pascal Convert, “Le temps scellé, Joseph Epstein et son fils” (2009) em que uma cristalização do tempo aparece como o único lugar de repouso na histriónica exposição colectiva. Uma escultura catre onde pai e filho parecem sobreviver religiosamente como os mortos de Pompeia num mundo em hecatombe. Pascal Convert trabalha sobre a memória colectiva, aqui sob o nome de Joseph Epstein, herói da resistência judaica na Segunda Guerra Mundial que parece encerrar na sua imagem o que os glaciares contarão da nossa presença na terra.


Esta epopeia monumental tem o seu ponto culminante na obra do artista chinês Wang Du, “International Kebab”, uma torre de 3 andares em andaimes de construção que domina toda a exposição. No centro desta torre uma montanha de imagens da China contemporânea (fotografadas pelo autor) rodopia num espeto gigantesco tal como a carne nos Kebabs, e o público é convidado a cortar com enormes facas de cozinha os ângulos desta pilha centrífuga de informação invisível. Uma obra pobre em conteúdo, tanto visual como conceptual, em que é permitido ao público, principiante na aventura da arte contemporânea, um prazer, que não chega a ser sádico. O gesto é ridículo já que a acção de cortar os ângulos dos cartazes, onde as fotografias estão ampliadas, não permite vê-las pois são centenas e estão comprimidas. A ideia de dar uma “facada na informação” fica assim sem efeito.



Pela cidade

Temos Pierre et Gilles na Igreja de Saint Eustasche e Anette Messager no Palais de la Découverte. Bertrand Lavier diverte-se a transformar o relógio suiço da Torre Eifel, num jogo de luzes inesperado, e Orlan expõe uma “pièce de résistence”, apresenta-se como alien, uma escultura em cera no Museu Grévin, sendo esta a cereja em cima do bolo!


Como poderemos acreditar neste esforço voluntário do governo francês em democratizar o acesso à arte contemporânea, empregando dezenas de “mediadores culturais” (guias de exposição gratuitos) e comissariando obras com uma tal escala que após a desmontagem da exposição cabe perguntar: Onde poderão ficar armazenadas?


Arte que deveria ser aquilo que pressente o futuro e as suas mutações de forma inteligente e que, aqui mesmo, quando protagonizada por artistas com um percurso interessante, não passa, salvo raras excepções, de um divertido jogo de volumes num enorme Luna Park.

Serão as palavras colocadas na boca da actriz Julie Depardieu as que se passeiam na cabeça do executivo francês?


Sílvia Guerra
Paris




La Force de l’Art 02
GRAND PALAIS, Paris
24 de Abril a 1 de Junho 2009