Links

PERSPETIVA ATUAL


Vista parcial da Instalação Aparato de Rui Macedo, Fundação Eugénio de Almeida, 2023-2024.


Opulento-Honorificentíssimo 2023, óleo s/contraplacado + moldura, 270x400cm


Grandioso-Oco 2023, óleo s/tela, 200x132cm (cada)


Vista parcial da Instalação Aparato de Rui Macedo, Fundação Eugénio de Almeida, 2023-2024.


Vista parcial da Instalação Aparato de Rui Macedo, Fundação Eugénio de Almeida, 2023-2024.


Vista parcial da Instalação Aparato de Rui Macedo, Fundação Eugénio de Almeida, 2023-2024.


Adorno-Fiasco 2023, óleo e resina s/tela, 80x62cm.


Fantasioso-Escasso #3 2023, óleo e resina s/tela, 73x60cm.


Vista parcial da Instalação Aparato de Rui Macedo, Fundação Eugénio de Almeida, 2023-2024.


Celebérrimo-Absurdo 2023, óleo e acrílico s/tela, 262x130cm


Pintura-de-chão 2023, acrílico e resina s/contraplacado, dimensões variáveis (instalação de 8 pinturas).


Inútil-Magnífico ou Pintura-Grelha 2023, óleo s/folha de acrílico, 61x61cm.

Outros artigos:

2024-04-13


FÁTIMA LOPES CARDOSO


2024-03-04


PEDRO CABRAL SANTO


2023-12-24


MAFALDA TEIXEIRA


2023-11-21


MARC LENOT


2023-10-16


MARC LENOT


2023-09-10


INÊS FERREIRA-NORMAN


2023-08-09


DENISE MATTAR


2023-07-05


CONSTANÇA BABO


2023-06-05


MIGUEL PINTO


2023-04-28


JOÃO BORGES DA CUNHA


2023-03-22


VERONICA CORDEIRO


2023-02-20


SALOMÉ CASTRO


2023-01-12


SARA MAGNO


2022-12-04


PAULA PINTO


2022-11-03


MARC LENOT


2022-09-30


PAULA PINTO


2022-08-31


JOÃO BORGES DA CUNHA


2022-07-31


MADALENA FOLGADO


2022-06-30


INÊS FERREIRA-NORMAN


2022-05-31


MADALENA FOLGADO


2022-04-30


JOANA MENDONÇA


2022-03-27


JEANNE MERCIER


2022-02-26


PEDRO CABRAL SANTO


2022-01-30


PEDRO CABRAL SANTO


2021-12-29


PEDRO CABRAL SANTO


2021-11-22


MANUELA HARGREAVES


2021-10-28


CARLA CARBONE


2021-09-27


PEDRO CABRAL SANTO


2021-08-11


RITA ANUAR


2021-07-04


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2021-05-30


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2021-04-28


CONSTANÇA BABO


2021-03-17


VICTOR PINTO DA FONSECA


2021-02-08


MARC LENOT


2021-01-01


MANUELA HARGREAVES


2020-12-01


CARLA CARBONE


2020-10-21


BRUNO MARQUES


2020-09-16


FÁTIMA LOPES CARDOSO


2020-08-14


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2020-07-21


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2020-06-25


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2020-06-09


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2020-05-21


MANUELA HARGREAVES


2020-05-01


MANUELA HARGREAVES


2020-04-04


SUSANA GRAÇA E CARLOS PIMENTA


2020-03-02


PEDRO PORTUGAL


2020-01-21


NUNO LOURENÇO


2019-12-11


VICTOR PINTO DA FONSECA


2019-11-09


SÉRGIO PARREIRA


2019-10-09


LUÍS RAPOSO


2019-09-03


SÉRGIO PARREIRA


2019-07-30


JULIA FLAMINGO


2019-06-22


INÊS FERREIRA-NORMAN


2019-05-09


INÊS M. FERREIRA-NORMAN


2019-04-03


DONNY CORREIA


2019-02-15


JOANA CONSIGLIERI


2018-12-22


LAURA CASTRO


2018-11-22


NICOLÁS NARVÁEZ ALQUINTA


2018-10-13


MIRIAN TAVARES


2018-09-11


JULIA FLAMINGO


2018-07-25


RUI MATOSO


2018-06-25


MARIA DE FÁTIMA LAMBERT


2018-05-25


MARIA VLACHOU


2018-04-18


BRUNO CARACOL


2018-03-08


VICTOR PINTO DA FONSECA


2018-01-26


ANA BALONA DE OLIVEIRA


2017-12-18


CONSTANÇA BABO


2017-11-12


HELENA OSÓRIO


2017-10-09


PAULA PINTO


2017-09-05


PAULA PINTO


2017-07-26


NATÁLIA VILARINHO


2017-07-17


ANA RITO


2017-07-11


PEDRO POUSADA


2017-06-30


PEDRO POUSADA


2017-05-31


CONSTANÇA BABO


2017-04-26


MARC LENOT


2017-03-28


ALEXANDRA BALONA


2017-02-10


CONSTANÇA BABO


2017-01-06


CONSTANÇA BABO


2016-12-13


CONSTANÇA BABO


2016-11-08


ADRIANO MIXINGE


2016-10-20


ALBERTO MORENO


2016-10-07


ALBERTO MORENO


2016-08-29


NATÁLIA VILARINHO


2016-06-28


VICTOR PINTO DA FONSECA


2016-05-25


DIOGO DA CRUZ


2016-04-16


NAMALIMBA COELHO


2016-03-17


FILIPE AFONSO


2016-02-15


ANA BARROSO


2016-01-08


TAL R EM CONVERSA COM FABRICE HERGOTT


2015-11-28


MARTA RODRIGUES


2015-10-17


ANA BARROSO


2015-09-17


ALBERTO MORENO


2015-07-21


JOANA BRAGA, JOANA PESTANA E INÊS VEIGA


2015-06-20


PATRÍCIA PRIOR


2015-05-19


JOÃO CARLOS DE ALMEIDA E SILVA


2015-04-13


Natália Vilarinho


2015-03-17


Liz Vahia


2015-02-09


Lara Torres


2015-01-07


JOSÉ RAPOSO


2014-12-09


Sara Castelo Branco


2014-11-11


Natália Vilarinho


2014-10-07


Clara Gomes


2014-08-21


Paula Pinto


2014-07-15


Juliana de Moraes Monteiro


2014-06-13


Catarina Cabral


2014-05-14


Alexandra Balona


2014-04-17


Ana Barroso


2014-03-18


Filipa Coimbra


2014-01-30


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2013-12-09


SOFIA NUNES


2013-10-18


ISADORA H. PITELLA


2013-09-24


SANDRA VIEIRA JÜRGENS


2013-08-12


ISADORA H. PITELLA


2013-06-27


SOFIA NUNES


2013-06-04


MARIA JOÃO GUERREIRO


2013-05-13


ROSANA SANCIN


2013-04-02


MILENA FÉRNANDEZ


2013-03-12


FERNANDO BRUNO


2013-02-09


ARTECAPITAL


2013-01-02


ZARA SOARES


2012-12-10


ISABEL NOGUEIRA


2012-11-05


ANA SENA


2012-10-08


ZARA SOARES


2012-09-21


ZARA SOARES


2012-09-10


JOÃO LAIA


2012-08-31


ARTECAPITAL


2012-08-24


ARTECAPITAL


2012-08-06


JOÃO LAIA


2012-07-16


ROSANA SANCIN


2012-06-25


VIRGINIA TORRENTE


2012-06-14


A ART BASEL


2012-06-05


dOCUMENTA (13)


2012-04-26


PATRÍCIA ROSAS


2012-03-18


SABRINA MOURA


2012-02-02


ROSANA SANCIN


2012-01-02


PATRÍCIA TRINDADE


2011-11-02


PATRÍCIA ROSAS


2011-10-18


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-09-23


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-07-28


PATRÍCIA ROSAS


2011-06-21


SÍLVIA GUERRA


2011-05-02


CARLOS ALCOBIA


2011-04-13


SÓNIA BORGES


2011-03-21


ARTECAPITAL


2011-03-16


ARTECAPITAL


2011-02-18


MANUEL BORJA-VILLEL


2011-02-01


ARTECAPITAL


2011-01-12


ATLAS - COMO LEVAR O MUNDO ÀS COSTAS?


2010-12-21


BRUNO LEITÃO


2010-11-29


SÍLVIA GUERRA


2010-10-26


SÍLVIA GUERRA


2010-09-30


ANDRÉ NOGUEIRA


2010-09-22


EL CULTURAL


2010-07-28


ROSANA SANCIN


2010-06-20


ART 41 BASEL


2010-05-11


ROSANA SANCIN


2010-04-15


FABIO CYPRIANO - Folha de S.Paulo


2010-03-19


ALEXANDRA BELEZA MOREIRA


2010-03-01


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-02-17


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-01-26


SUSANA MOUZINHO


2009-12-16


ROSANA SANCIN


2009-11-10


PEDRO NEVES MARQUES


2009-10-20


SÍLVIA GUERRA


2009-10-05


PEDRO NEVES MARQUES


2009-09-21


MARTA MESTRE


2009-09-13


LUÍSA SANTOS


2009-08-22


TERESA CASTRO


2009-07-24


PEDRO DOS REIS


2009-06-15


SÍLVIA GUERRA


2009-06-11


SANDRA LOURENÇO


2009-06-10


SÍLVIA GUERRA


2009-05-28


LUÍSA SANTOS


2009-05-04


SÍLVIA GUERRA


2009-04-13


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2009-03-23


PEDRO DOS REIS


2009-03-03


EMANUEL CAMEIRA


2009-02-13


SÍLVIA GUERRA


2009-01-26


ANA CARDOSO


2009-01-13


ISABEL NOGUEIRA


2008-12-16


MARTA LANÇA


2008-11-25


SÍLVIA GUERRA


2008-11-08


PEDRO DOS REIS


2008-11-01


ANA CARDOSO


2008-10-27


SÍLVIA GUERRA


2008-10-18


SÍLVIA GUERRA


2008-09-30


ARTECAPITAL


2008-09-15


ARTECAPITAL


2008-08-31


ARTECAPITAL


2008-08-11


INÊS MOREIRA


2008-07-25


ANA CARDOSO


2008-07-07


SANDRA LOURENÇO


2008-06-25


IVO MESQUITA


2008-06-09


SÍLVIA GUERRA


2008-06-05


SÍLVIA GUERRA


2008-05-14


FILIPA RAMOS


2008-05-04


PEDRO DOS REIS


2008-04-09


ANA CARDOSO


2008-04-03


ANA CARDOSO


2008-03-12


NUNO LOURENÇO


2008-02-25


ANA CARDOSO


2008-02-12


MIGUEL CAISSOTTI


2008-02-04


DANIELA LABRA


2008-01-07


SÍLVIA GUERRA


2007-12-17


ANA CARDOSO


2007-12-02


NUNO LOURENÇO


2007-11-18


ANA CARDOSO


2007-11-17


SÍLVIA GUERRA


2007-11-14


LÍGIA AFONSO


2007-11-08


SÍLVIA GUERRA


2007-11-02


AIDA CASTRO


2007-10-25


SÍLVIA GUERRA


2007-10-20


SÍLVIA GUERRA


2007-10-01


TERESA CASTRO


2007-09-20


LÍGIA AFONSO


2007-08-30


JOANA BÉRTHOLO


2007-08-21


LÍGIA AFONSO


2007-08-06


CRISTINA CAMPOS


2007-07-15


JOANA LUCAS


2007-07-02


ANTÓNIO PRETO


2007-06-21


ANA CARDOSO


2007-06-12


TERESA CASTRO


2007-06-06


ALICE GEIRINHAS / ISABEL RIBEIRO


2007-05-22


ANA CARDOSO


2007-05-12


AIDA CASTRO


2007-04-24


SÍLVIA GUERRA


2007-04-13


ANA CARDOSO


2007-03-26


INÊS MOREIRA


2007-03-07


ANA CARDOSO


2007-03-01


FILIPA RAMOS


2007-02-21


SANDRA VIEIRA JURGENS


2007-01-28


TERESA CASTRO


2007-01-16


SÍLVIA GUERRA


2006-12-15


CRISTINA CAMPOS


2006-12-07


ANA CARDOSO


2006-12-04


SÍLVIA GUERRA


2006-11-28


SÍLVIA GUERRA


2006-11-13


ARTECAPITAL


2006-11-07


ANA CARDOSO


2006-10-30


SÍLVIA GUERRA


2006-10-29


SÍLVIA GUERRA


2006-10-27


SÍLVIA GUERRA


2006-10-11


ANA CARDOSO


2006-09-25


TERESA CASTRO


2006-09-03


ANTÓNIO PRETO


2006-08-17


JOSÉ BÁRTOLO


2006-07-24


ANTÓNIO PRETO


2006-07-06


MIGUEL CAISSOTTI


2006-06-14


ALICE GEIRINHAS


2006-06-07


JOSÉ ROSEIRA


2006-05-24


INÊS MOREIRA


2006-05-10


AIDA E. DE CASTRO


2006-04-05


SANDRA VIEIRA JURGENS



O OMNITALENTO DE RUI MACEDO OU A VISÃO DE UM ARTISTA TRANSTEMPORAL



NUNO LOURENÇO

2024-01-27




 

A exposição “Aparato” do pintor eborense Rui Macedo é uma das mais recentes ilustrações sobre a obsessão do ofício da pintura da qual Gerhard Richter se refere nas suas notas de 1973, em The Daily Practice of Painting: “uma vez obcecados, somos levados em última instância ao ponto de acreditar que podemos mudar os seres humanos através da pintura."  [1] Por isto, esta exposição, patente no Centro de Arte e Cultura da Fundação Eugénio de Almeida até 7 de abril do próximo ano, arrisca-se a ser considerada a melhor de 2023 para quem acredite que a pintura como meio artístico ainda tem uma palavra preponderante a dizer no curso da contemporaneidade.

Nestas obras, todas elas terminadas este ano, Macedo lançou-se num trabalho de minúcia quase monástico unindo um grande rigor técnico à transmissão do zeitgeist contemporâneo. Tal empenho desembocou num conjunto de trabalhos representativos de um conhecimento transtemporal ao ressuscitar os temas-mortos da pintura antiga para a realidade virtual segundo a perspetiva de um futuro enigmático. O elogio às suas capacidades não é exagerado quando se pode com o seu trabalho refletir ao mesmo tempo e em larga escala sobre a encenação, a pintura como ofício, a diversidade da natureza ou sobre o belo, isto pelo lado da história antiga; e sobre o fragmento, o tratamento da obra de arte como mercadoria, o acesso à contemplação como produto de elite até ao seu quase desaparecimento na idade da plena virtualidade de 2023, isto pelo lado da história atual. E não é menos impressionante que tenha conseguido transformar qualquer sensação de destruição, quebra, divisão, obstáculo e ilusão em perfeitas imagens harmoniosas. Em suma, Rui Macedo interpela a pintura e a história da pintura a partir da sua condição contemporânea, como é, assim, apresentado pelo curador desta exposição José Alberto Ferreira.

A exposição começa com uma composição de uma visão pouco comum: a do topo de umas escadas em caracol, chamada “Grandioso-Oco” que ao se inspirar possivelmente nos interiores da pintura holandesa do séc. XVII, joga com a mistura de uma sensação física e outra emocional. A intensidade da luz natural vinda do exterior sugere uma enorme vontade de avanço que choca, em sentido contrário, com a escuridão sinistra da descida, qual vertigem para o abismo! A representação é a de uma verdadeira imagem dramática sem intervenientes humanos por isso merecedora de um título em cartela como qualquer pintura seiscentista. Mas, neste caso, a cartela foi pintada sem qualquer texto, porque nenhuma palava poderá exprimir a totalidade da composição. Ao lado desta temos o primeiro sufoco contemporâneo: a mesma tela é repetida, mas, revestida na maior parte da sua superfície por fita grossa, daquela que é usada nas obras públicas. O desconforto produzido é evidente nesta simbiose entre a representação clássica de contraste claro-escuro e da sugestão da obra de arte como mercadoria.

Este elemento da fita – nas restantes obras é castanha - aparece em quase todos os trabalhos da exposição. Por vezes anuncia-se discreta numa só tira, outras vezes numa tela quase completamente coberta, entre a ameaça de um artigo inacessível à garantia de um produto viável em termos comerciais como sugere a obra “Volubilíssimo-Requintado #3”. Esta última torna-se particularmente paradigmática no que respeita ao acesso à arte, diga-se, ao acesso à arte do belo e do sublime. Não estamos mais perante um objeto para gozo de alguém com poder, nem de uma pequena minoria letrada como tivemos até ao séc. XIX. Assume-se antes como um produto comercial, mas, cujas massas de hoje apenas poderão ter acesso através de pequenos fragmentos da composição total, como um troço de um fundo de paisagem idílica que apenas podemos desfrutar como migalha de um todo contemplativo. Rui Macedo parece-nos chamar a atenção não mais para a obra de arte que perdeu a sua aura, se reproduziu e se vendeu como uma mercadoria de massas pronta a ser rentabilizada, na senda do pensamento de Walter Benjamin. Esse fenómeno já faz parte do passado. Agora é apenas um fragmento da própria contemplação que pode ser adquirido, em maior ou menor tamanho, segundo o poder aquisitivo da bolsa de cada um. A questão é que estas fitas castanhas, umas verdadeiras e outras pintadas, nos vedam a todos a composição total das peças, porque efetivamente a arte já morreu. O que podemos hoje adquirir é apenas uma ideia de arte concebida numa sociedade reduzida ao fetichismo total. Resta-nos ver um pequeno pedaço da ideia de uma obra de arte, porque, há que pagar um valor para desvendar e desfrutar do que ela outrora fora. E é esta ideia que nos lança numa outra fase da contemporaneidade que tem de ser estudada, tenha o artista criado esta imagem deliberadamente na mesma linha de pensamento ou não.

 

Rui Macedo, Espalhafato-Insignificante #1, 2023. Óleo s/tela, 90x108cm.
 

 

A exposição recupera também o tema das naturezas-mortas que podemos apreciar na pintura holandesa do séc. XVII, com Floris van Dijck ou Willem Kalf e, claro, na pintura portuguesa do mesmo século pela mão de Josefa d´Óbidos, por exemplo. Porém, a abordagem é distinta, no que respeita aos elementos, ao volume e à composição em geral. Enquanto, vemos riqueza numa natureza-morta muito frugal do séc. XVII, as naturezas-mortas de Rui Macedo representam um caleidoscópio de vários frutos e legumes num ambiente de superabundância como Baudrillard caraterizou a sociedade capitalista. Enquanto, o volume dos elementos das naturezas-mortas do séc. XVII, nos apelam aos sentidos como manifestação do divino, próprio da mentalidade barroca, nesta exposição o efeito é reduzido ao efeito de papel de parede como o vemos no ecrã do computador, o que nos apela a uma atividade mais mental do que sensorial. E enquanto, a composição barroca integrava vários elementos num diálogo compositivo-dramático, como pratos, jarros ou toalhas contra uma parede sóbria, estas naturezas-mortas não dialogam com outros objetos encontrando-se fragmentadas na própria moldura. Não falam do todo. Falam das partes, falam de divisão.

 

Rui Macedo, Vazio-Aparatoso, 2023. Óleo e resina s/contraplacado, 59x40cm.
 

 

O omnitalento de Rui Macedo não se fica por aqui. A obra “Vazio-Aparatoso”, é talvez a mais ousada das propostas do artista, pela sua subtileza e capacidade laboral. A obra corresponde ao difícil enunciado de tentar representar nos dias de hoje o sublime em pintura. Tendo em conta o que o filósofo Marc Jimenez considerou como sublime – disforme, caótico, conflito das nossas faculdades, no seu livro “O que é a estética?” -, esta composição onde a resina que representa um vidro partido sobre um fundo azul transparente, sem mais nada, é, na verdade, uma obra plena concebida a partir de elementos mínimos, por isso, tão perfeita, tão excelsa, justamente tão sublime. Ela tem paradoxalmente tudo e nada: tem moldura, passe-partout, um fundo sóbrio de várias matizes azuis-esverdeadas, sombras, reflexos, a simulação da transparência e ao mesmo tempo um vazio de conteúdo onde nada é representado. Porém, tudo foi pensado como uma análise laboratorial.

“Celebérrimo-absurdo” é uma obra-símbolo daquilo em que nos metemos como humanidade. Estamos num hipnótico labirinto emoldurado, que não importa a estrutura quadrangular em que caímos, o abismo será sempre certo, uma eterna queda livre. Onde quer que caíamos, a saída aponta para o interminável simulacro. Não parece ser este o enigma do séc. XXI caraterizado por um conjunto de formas rígidas que se espelham ad infinitum fazendo-nos perder o norte? Há muito que caímos na armadilha do excesso do qual vai ser muito difícil sair. Mas, não menos angustiantes são as placas espalhadas pelo chão, chamadas de “Inutilidade-Magnífica”, cuja amálgama de resina e acrílico lembram magnificamente as nossas memórias contemporâneas: amorfas, indefinidas, meros resquícios derretidos pelo tempo.

Rui Macedo lança-nos ainda uma última provocação. Andamos tão iludidos, em relação a tudo, a nós mesmos, ao que desejamos e ao que devemos ser, que não sabemos mais distinguir uma coisa, de outra coisa que se assemelhe. Pobres de nós! Pobre de mim, que se não lesse todas as legendas, me quedaria na ilusão ótica - qual trompe l´oeil contemporâneo - de que os ventiladores do museu seriam três na parede da direita e não dois. O terceiro é, afinal, um óleo sobre acrílico chamado “Inútil-Magnifico”. O terceiro não é, e eu talvez também já não seja o que penso ser...porque, a pintura que me reflete, representa a minha mudança como ser humano.

 

 

Nuno Lourenço
Nuno Lourenço tem combinado nos últimos anos teoria e prática artística, investigando e colhendo os resultados do cruzamento da história e da crítica de arte com a realização de pequenos projetos de criação artística a título individual. Daí a formação em ambas as áreas: Licenciatura em História de Arte, FCSH, Universidade Nova de Lisboa; Mestrado em História de Arte Contemporânea, Universiteit van Amsterdam; Licenciatura Professor de Artes Visuais, Amsterdamse Hogeschool van de Kunsten e Mestrado em Práticas Artísticas em Artes Visuais, Universidade de Évora. Atualmente é doutorando em História de Arte pela Universidade de Évora.

 


:::

 

Notas

 

[1] Tradução livre.