Links

PERSPETIVA ATUAL


Pedro Neves Marques, Where to sit at a dinner table?, 2012-13. Still.


Pedro Neves Marques, Where to sit at a dinner table?, 2012-13. Still.


Pedro Neves Marques, Where to sit at a dinner table?, 2012-13. Still.


Pedro Neves Marques, Where to sit at a dinner table?, 2012-13. Still.

Outros artigos:

2018-10-13


MIRIAN TAVARES


2018-09-11


JULIA FLAMINGO


2018-07-25


RUI MATOSO


2018-06-25


MARIA DE FÁTIMA LAMBERT


2018-05-25


MARIA VLACHOU


2018-04-18


BRUNO CARACOL


2018-03-08


VICTOR PINTO DA FONSECA


2018-01-26


ANA BALONA DE OLIVEIRA


2017-12-18


CONSTANÇA BABO


2017-11-12


HELENA OSÓRIO


2017-10-09


PAULA PINTO


2017-09-05


PAULA PINTO


2017-07-26


NATÁLIA VILARINHO


2017-07-17


ANA RITO


2017-07-11


PEDRO POUSADA


2017-06-30


PEDRO POUSADA


2017-05-31


CONSTANÇA BABO


2017-04-26


MARC LENOT


2017-03-28


ALEXANDRA BALONA


2017-02-10


CONSTANÇA BABO


2017-01-06


CONSTANÇA BABO


2016-12-13


CONSTANÇA BABO


2016-11-08


ADRIANO MIXINGE


2016-10-20


ALBERTO MORENO


2016-10-07


ALBERTO MORENO


2016-08-29


NATÁLIA VILARINHO


2016-06-28


VICTOR PINTO DA FONSECA


2016-05-25


DIOGO DA CRUZ


2016-04-16


NAMALIMBA COELHO


2016-03-17


FILIPE AFONSO


2016-02-15


ANA BARROSO


2016-01-08


TAL R EM CONVERSA COM FABRICE HERGOTT


2015-11-28


MARTA RODRIGUES


2015-10-17


ANA BARROSO


2015-09-17


ALBERTO MORENO


2015-07-21


JOANA BRAGA, JOANA PESTANA E INÊS VEIGA


2015-06-20


PATRÍCIA PRIOR


2015-05-19


JOÃO CARLOS DE ALMEIDA E SILVA


2015-04-13


Natália Vilarinho


2015-03-17


Liz Vahia


2015-02-09


Lara Torres


2015-01-07


JOSÉ RAPOSO


2014-12-09


Sara Castelo Branco


2014-11-11


Natália Vilarinho


2014-10-07


Clara Gomes


2014-08-21


Paula Pinto


2014-07-15


Juliana de Moraes Monteiro


2014-06-13


Catarina Cabral


2014-05-14


Alexandra Balona


2014-04-17


Ana Barroso


2014-03-18


Filipa Coimbra


2014-01-30


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2013-10-18


ISADORA H. PITELLA


2013-09-24


SANDRA VIEIRA JÜRGENS


2013-08-12


ISADORA H. PITELLA


2013-06-27


SOFIA NUNES


2013-06-04


MARIA JOÃO GUERREIRO


2013-05-13


ROSANA SANCIN


2013-04-02


MILENA FÉRNANDEZ


2013-03-12


FERNANDO BRUNO


2013-02-09


ARTECAPITAL


2013-01-02


ZARA SOARES


2012-12-10


ISABEL NOGUEIRA


2012-11-05


ANA SENA


2012-10-08


ZARA SOARES


2012-09-21


ZARA SOARES


2012-09-10


JOÃO LAIA


2012-08-31


ARTECAPITAL


2012-08-24


ARTECAPITAL


2012-08-06


JOÃO LAIA


2012-07-16


ROSANA SANCIN


2012-06-25


VIRGINIA TORRENTE


2012-06-14


A ART BASEL


2012-06-05


dOCUMENTA (13)


2012-04-26


PATRÍCIA ROSAS


2012-03-18


SABRINA MOURA


2012-02-02


ROSANA SANCIN


2012-01-02


PATRÍCIA TRINDADE


2011-11-02


PATRÍCIA ROSAS


2011-10-18


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-09-23


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-07-28


PATRÍCIA ROSAS


2011-06-21


SÍLVIA GUERRA


2011-05-02


CARLOS ALCOBIA


2011-04-13


SÓNIA BORGES


2011-03-21


ARTECAPITAL


2011-03-16


ARTECAPITAL


2011-02-18


MANUEL BORJA-VILLEL


2011-02-01


ARTECAPITAL


2011-01-12


ATLAS - COMO LEVAR O MUNDO ÀS COSTAS?


2010-12-21


BRUNO LEITÃO


2010-11-29


SÍLVIA GUERRA


2010-10-26


SÍLVIA GUERRA


2010-09-30


ANDRÉ NOGUEIRA


2010-09-22


EL CULTURAL


2010-07-28


ROSANA SANCIN


2010-06-20


ART 41 BASEL


2010-05-11


ROSANA SANCIN


2010-04-15


FABIO CYPRIANO - Folha de S.Paulo


2010-03-19


ALEXANDRA BELEZA MOREIRA


2010-03-01


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-02-17


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-01-26


SUSANA MOUZINHO


2009-12-16


ROSANA SANCIN


2009-11-10


PEDRO NEVES MARQUES


2009-10-20


SÍLVIA GUERRA


2009-10-05


PEDRO NEVES MARQUES


2009-09-21


MARTA MESTRE


2009-09-13


LUÍSA SANTOS


2009-08-22


TERESA CASTRO


2009-07-24


PEDRO DOS REIS


2009-06-15


SÍLVIA GUERRA


2009-06-11


SANDRA LOURENÇO


2009-06-10


SÍLVIA GUERRA


2009-05-28


LUÍSA SANTOS


2009-05-04


SÍLVIA GUERRA


2009-04-13


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2009-03-23


PEDRO DOS REIS


2009-03-03


EMANUEL CAMEIRA


2009-02-13


SÍLVIA GUERRA


2009-01-26


ANA CARDOSO


2009-01-13


ISABEL NOGUEIRA


2008-12-16


MARTA LANÇA


2008-11-25


SÍLVIA GUERRA


2008-11-08


PEDRO DOS REIS


2008-11-01


ANA CARDOSO


2008-10-27


SÍLVIA GUERRA


2008-10-18


SÍLVIA GUERRA


2008-09-30


ARTECAPITAL


2008-09-15


ARTECAPITAL


2008-08-31


ARTECAPITAL


2008-08-11


INÊS MOREIRA


2008-07-25


ANA CARDOSO


2008-07-07


SANDRA LOURENÇO


2008-06-25


IVO MESQUITA


2008-06-09


SÍLVIA GUERRA


2008-06-05


SÍLVIA GUERRA


2008-05-14


FILIPA RAMOS


2008-05-04


PEDRO DOS REIS


2008-04-09


ANA CARDOSO


2008-04-03


ANA CARDOSO


2008-03-12


NUNO LOURENÇO


2008-02-25


ANA CARDOSO


2008-02-12


MIGUEL CAISSOTTI


2008-02-04


DANIELA LABRA


2008-01-07


SÍLVIA GUERRA


2007-12-17


ANA CARDOSO


2007-12-02


NUNO LOURENÇO


2007-11-18


ANA CARDOSO


2007-11-17


SÍLVIA GUERRA


2007-11-14


LÍGIA AFONSO


2007-11-08


SÍLVIA GUERRA


2007-11-02


AIDA CASTRO


2007-10-25


SÍLVIA GUERRA


2007-10-20


SÍLVIA GUERRA


2007-10-01


TERESA CASTRO


2007-09-20


LÍGIA AFONSO


2007-08-30


JOANA BÉRTHOLO


2007-08-21


LÍGIA AFONSO


2007-08-06


CRISTINA CAMPOS


2007-07-15


JOANA LUCAS


2007-07-02


ANTÓNIO PRETO


2007-06-21


ANA CARDOSO


2007-06-12


TERESA CASTRO


2007-06-06


ALICE GEIRINHAS / ISABEL RIBEIRO


2007-05-22


ANA CARDOSO


2007-05-12


AIDA CASTRO


2007-04-24


SÍLVIA GUERRA


2007-04-13


ANA CARDOSO


2007-03-26


INÊS MOREIRA


2007-03-07


ANA CARDOSO


2007-03-01


FILIPA RAMOS


2007-02-21


SANDRA VIEIRA JURGENS


2007-01-28


TERESA CASTRO


2007-01-16


SÍLVIA GUERRA


2006-12-15


CRISTINA CAMPOS


2006-12-07


ANA CARDOSO


2006-12-04


SÍLVIA GUERRA


2006-11-28


SÍLVIA GUERRA


2006-11-13


ARTECAPITAL


2006-11-07


ANA CARDOSO


2006-10-30


SÍLVIA GUERRA


2006-10-29


SÍLVIA GUERRA


2006-10-27


SÍLVIA GUERRA


2006-10-11


ANA CARDOSO


2006-09-25


TERESA CASTRO


2006-09-03


ANTÓNIO PRETO


2006-08-17


JOSÉ BÁRTOLO


2006-07-24


ANTÓNIO PRETO


2006-07-06


MIGUEL CAISSOTTI


2006-06-14


ALICE GEIRINHAS


2006-06-07


JOSÉ ROSEIRA


2006-05-24


INÊS MOREIRA


2006-05-10


AIDA E. DE CASTRO


2006-04-20


JORGE DIAS


2006-04-05


SANDRA VIEIRA JURGENS



COMER E PODER: UM ARTIGO SOBRE ‘WHERE TO SIT AT A DINNER TABLE?’ DE PEDRO NEVES MARQUES



SOFIA NUNES

2013-12-09





“O homem não é um animal
Mas é irracional”
Martinho da Vila em Verdade Verdadeira, 1975




Desde cedo que aprendemos as funcionalidades de uma mesa. À mesa comemos e à mesa trabalhamos. Mas desde cedo integrámos também que o ato de sentar à mesa importa e comporta, por sua vez, dinâmicas de poder. O lugar que ocupamos, por exemplo, ao jantar, corresponde invariavelmente a uma posição no seio de um sistema complexo de relações. Ora vem esta observação a propósito do filme mais recente de Pedro Neves Marques (Lisboa, 1984), Where to sit at a dinner table?, 2012-13, realizado no Brasil e Portugal e exibido publicamente na sala grande do cinema São Jorge, pelo festival Doclisboa, nos passados dias 27 e 29 de Outubro. Não que o artista se detenha a escrutinar os mecanismos de manutenção dos jogos de força à volta de uma mesa de jantar, mas porque o par comer e poder lhe serve de metáfora para construir um conto, tão inesperado quanto problematizador.

Para tal, Pedro Neves Marques recorre a um género cinematográfico preciso e em plena conformidade com a polissemia daquele par metafórico, i.e o filme ensaio [1], ou não fora este um género historicamente votado, desde as vanguardas do século XX ao presente, à apropriação de materiais heterogéneos e à análise crítica. Where to sit at a dinner table? consiste então num filme de 29 minutos desenvolvidos em 16 planos feitos a partir de sequências originais e de diferentes elementos apropriados, provenientes de geografias, tempos e campos disciplinares muito diversos. Todos estes materiais, sujeitos a um trabalho de montagem exímio, entram portanto numa relação caleidoscópica que reclama de nós um olhar extremamente atento. Assim, o efeito de estranhamento daquela articulação vai dando lugar a uma narrativa, contada em várias vozes (femininas e masculinas) e em bilingue (português-inglês), sobre ecologia e antropofagia.

Após citar o 38º verso do Manifesto Antropofágico de Oswald de Andrade [2] e de nos mostrar uma tapeçaria do desenho O Combate dos Animais de Albert Eckhout ao som de “Verdade Verdadeira” de Martinho da Vila, o filme avança com uma reflexão centrada nos termos de ecossistema e das energéticas (a partir de escritos de A. Tansley, E. e H. Odum e D. Worster) e, por conseguinte, na crença de que estes abririam a possibilidade de um novo modelo de vida baseado no princípio da homeostase. Uma cosmologia que assegurasse, por um lado, a coexistência igualitária entre os diferentes corpos da natureza e sua ligação ao ambiente e respetivas fontes energéticas num todo holístico, onde a singularidade do metabolismo de cada entidade e sua participação/competência individual no funcionamento do próprio sistema fosse respeitada, e, por outro lado, uma economia autorreguladora entre produtores e consumidores dependente de uma troca material equilibrada, donde a energia seria a nova moeda de troca e a medida de quantificação de riqueza. Energia para alimentar o sistema e ser consumida.

Porém, como o filme interroga, esta visão acabou por transformar a ecologia numa ciência orientada para a mais-valia económica, devolvendo-lhe modelos de gestão assente em lógicas de hiper-performatividade, competitividade e investimento, plenamente compatíveis, portanto, com as leis do mercado neoliberal e com o processo de burocratização administrativa do mundo, onde a experiência se reduz a estatísticas e a gráficos. Deste modo, o desejo de um sistema ecológico autorregulador, estável, igualitário e participativo confrontou-se, a montante, com o seu reverso, i.e., com a sua inevitável desregulação, onde quem se safa é aquele que consegue comer, tal como a tapeçaria, usada no genérico, nos parecia sugerir.

A partir daqui Neves Marques estabelece uma correspondência imprevisível com a antropofagia brasileira, através das leituras dos antropólogos Eduardo Viveiros de Castro e Manuela Carneiro da Cunha. Ao descentrar-se da barra nós/eles (europeus/ameríndios), o artista apresenta o encontro com o outro de forma simétrica, dando conta das diferentes perspetivas em jogo, passando, de seguida, a perscrutar as especificidades e paradoxos da alteridade subjacente aos rituais antropofágicos. Assim, se os ameríndios, como o caso particular dos tupi, transformaram a sua identidade ao ingerirem a alheia, recusando um processo de imposição identitária, próprio ao imperialismo europeu, os processos de alteridade envolvidos não ficaram, todavia, a salvo de leis e desigualdades (“o matador não podia comer a sua vítima”), pelo que também aqui consumo equivale a poder e exclusão, ecoando a devoração (forçada ou desejada) das teorias ecológicas pelo capitalismo neoliberal e sua reorganização.

À medida que o texto do filme intercala os dois níveis de reflexão (ecologia e antropofagia), a narrativa vai sendo também construída do ponto de vista visual e sonoro. A composição visual parte de pormenores de naturezas-mortas tropicais de Eckhout e gráficos de linguagem abstrata e serial, onde cada elemento (pictórico ou gráfico) surge individualizado e integrado nos conjuntos a que pertencem. Posteriormente, enquanto os gráficos se sobrepõem, com efeito blink, a objetos etnográficos da população índia da região Oiapoque, Brasil, traduzindo (fantasmaticamente) os seus usos e funções, a câmara volta-se para outras pinturas do pintor/botânico holandês, onde, por exemplo, uma dança tupi filmada em close-up adquire um sentido de agressividade monstruosa. Entretanto, o curso destas imagens é interrompido, de modo constante, por imagens de livros do século XVI microfilmados com gravuras alusivas à relação entre Homem e Natureza, a episódios de colonização europeia e às práticas de antropofagia. A estas fontes, junta-se, ao longo do filme, uma banda sonora composta pelo cruzamento de referências musicais que ajuda a intensificar o desenvolvimento da narrativa, a saber, A Rainbow in Curved Air do músico minimalista Terry Riley e uma composição inspirada na música folclore indígena do Estado do Maranhão e Amazónia.

Where to sit at a dinner table? resulta assim numa experiência multissensorial e de aguda atualidade perante um momento exasperante em que já todas as formas de subjetividade e processos de diferenciação, face aos modelos dominantes de organização da vida em sociedade, parecem ser imediatamente absorvidos pela lei do capital senão mesmo complacentes com a sua performatividade aberta, não-coerciva e desregulada que tudo digere, sem proibições, para continuar a excluir.


Sofia Nunes


Notas

[1]
Termo introduzido na teoria do cinema por Hans Richter no artigo “The Essay Film, a New Art of Documentary Film”, publicado no jornal suíço Baseler Nationalzeitung, em Abril de 1940.

[2]
“Não tivemos especulação. Mas tínhamos adivinhação. Tínhamos Política que é a ciência da distribuição. E um sistema social-planetário.”

Nota complementar: No próximo verão, Pedro Neves Marques editará uma grande antologia política sobre e a partir da antropofagia brasileira, pela Archive Books, Berlim.
Buy viagra bulk cream viagra 40mg online cialis http://www.socgeografialisboa.pt/sildenafil-100mg-side-effects/ sildenafil in canada, online uk cheapest propecia order viagra internet.
Levitra how buy to viagra legally buy for sale online cialis http://www.socgeografialisboa.pt/buy-generic-levitra-cheap/ levitra walmart, cheap propecia india levitra.
Vardenafil ou tadalafil tablets online citrate sildenafil india http://www.saludos.com/healthcare/hchome.htm cialis vs viagra dosage comparison from can i canada viagra buy http://www.saludos.com/award.htm buy ed meds, 5mg generic online cialis 20mg kaufen cialis.
Mg 50 sildenafil online levitra generic cheap india tablets cialis 20mg http://www.socgeografialisboa.pt/sildenafil-100mg-side-effects/ buying sildenafil, tadalafil 20mg without prescription tablets citrate sildenafil online buy india.
Uk viagra store buy in cheap levitra online sildenafil india women citrate vardenafil drugs uk, jelly cialis atlanta in viagra buy.
Vardenafil tablets cheap buy line levitra http://www.saludos.com/healthcare/hchome.htm cialis vs viagra amazon levitra 40mg http://www.saludos.com/award.htm cheap ed pills, usa propecia cheap walgreens of at levitra cost.