Links

PERSPETIVA ATUAL


Fotografia: Pedro Figueiredo


Fotografia: Pedro Figueiredo


Fotografia: Pedro Figueiredo


Fotografia: Pedro Figueiredo

Outros artigos:

2017-11-12


HELENA OSÓRIO


2017-10-09


PAULA PINTO


2017-09-05


PAULA PINTO


2017-07-26


NATÁLIA VILARINHO


2017-07-17


ANA RITO


2017-07-11


PEDRO POUSADA


2017-06-30


PEDRO POUSADA


2017-05-31


CONSTANÇA BABO


2017-04-26


MARC LENOT


2017-03-28


ALEXANDRA BALONA


2017-02-10


CONSTANÇA BABO


2017-01-06


CONSTANÇA BABO


2016-12-13


CONSTANÇA BABO


2016-11-08


ADRIANO MIXINGE


2016-10-20


ALBERTO MORENO


2016-10-07


ALBERTO MORENO


2016-08-29


NATÁLIA VILARINHO


2016-06-28


VICTOR PINTO DA FONSECA


2016-05-25


DIOGO DA CRUZ


2016-04-16


NAMALIMBA COELHO


2016-03-17


FILIPE AFONSO


2016-02-15


ANA BARROSO


2016-01-08


TAL R EM CONVERSA COM FABRICE HERGOTT


2015-11-28


MARTA RODRIGUES


2015-10-17


ANA BARROSO


2015-09-17


ALBERTO MORENO


2015-07-21


JOANA BRAGA, JOANA PESTANA E INÊS VEIGA


2015-06-20


PATRÍCIA PRIOR


2015-05-19


JOÃO CARLOS DE ALMEIDA E SILVA


2015-04-13


Natália Vilarinho


2015-03-17


Liz Vahia


2015-02-09


Lara Torres


2015-01-07


JOSÉ RAPOSO


2014-12-09


Sara Castelo Branco


2014-11-11


Natália Vilarinho


2014-10-07


Clara Gomes


2014-08-21


Paula Pinto


2014-07-15


Juliana de Moraes Monteiro


2014-06-13


Catarina Cabral


2014-05-14


Alexandra Balona


2014-04-17


Ana Barroso


2014-03-18


Filipa Coimbra


2014-01-30


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2013-12-09


SOFIA NUNES


2013-10-18


ISADORA H. PITELLA


2013-09-24


SANDRA VIEIRA JÜRGENS


2013-08-12


ISADORA H. PITELLA


2013-06-27


SOFIA NUNES


2013-06-04


MARIA JOÃO GUERREIRO


2013-05-13


ROSANA SANCIN


2013-04-02


MILENA FÉRNANDEZ


2013-03-12


FERNANDO BRUNO


2013-02-09


ARTECAPITAL


2013-01-02


ZARA SOARES


2012-12-10


ISABEL NOGUEIRA


2012-11-05


ANA SENA


2012-10-08


ZARA SOARES


2012-09-21


ZARA SOARES


2012-09-10


JOÃO LAIA


2012-08-31


ARTECAPITAL


2012-08-24


ARTECAPITAL


2012-08-06


JOÃO LAIA


2012-07-16


ROSANA SANCIN


2012-06-25


VIRGINIA TORRENTE


2012-06-14


A ART BASEL


2012-06-05


dOCUMENTA (13)


2012-04-26


PATRÍCIA ROSAS


2012-03-18


SABRINA MOURA


2012-02-02


ROSANA SANCIN


2012-01-02


PATRÍCIA TRINDADE


2011-11-02


PATRÍCIA ROSAS


2011-10-18


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-09-23


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-07-28


PATRÍCIA ROSAS


2011-06-21


SÍLVIA GUERRA


2011-05-02


CARLOS ALCOBIA


2011-04-13


SÓNIA BORGES


2011-03-21


ARTECAPITAL


2011-03-16


ARTECAPITAL


2011-02-18


MANUEL BORJA-VILLEL


2011-02-01


ARTECAPITAL


2011-01-12


ATLAS - COMO LEVAR O MUNDO ÀS COSTAS?


2010-12-21


BRUNO LEITÃO


2010-11-29


SÍLVIA GUERRA


2010-10-26


SÍLVIA GUERRA


2010-09-30


ANDRÉ NOGUEIRA


2010-09-22


EL CULTURAL


2010-07-28


ROSANA SANCIN


2010-06-20


ART 41 BASEL


2010-05-11


ROSANA SANCIN


2010-04-15


FABIO CYPRIANO - Folha de S.Paulo


2010-03-19


ALEXANDRA BELEZA MOREIRA


2010-03-01


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-02-17


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-01-26


SUSANA MOUZINHO


2009-12-16


ROSANA SANCIN


2009-11-10


PEDRO NEVES MARQUES


2009-10-20


SÍLVIA GUERRA


2009-10-05


PEDRO NEVES MARQUES


2009-09-21


MARTA MESTRE


2009-09-13


LUÍSA SANTOS


2009-08-22


TERESA CASTRO


2009-07-24


PEDRO DOS REIS


2009-06-15


SÍLVIA GUERRA


2009-06-11


SANDRA LOURENÇO


2009-06-10


SÍLVIA GUERRA


2009-05-28


LUÍSA SANTOS


2009-05-04


SÍLVIA GUERRA


2009-04-13


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2009-03-23


PEDRO DOS REIS


2009-03-03


EMANUEL CAMEIRA


2009-02-13


SÍLVIA GUERRA


2009-01-26


ANA CARDOSO


2009-01-13


ISABEL NOGUEIRA


2008-12-16


MARTA LANÇA


2008-11-25


SÍLVIA GUERRA


2008-11-08


PEDRO DOS REIS


2008-11-01


ANA CARDOSO


2008-10-27


SÍLVIA GUERRA


2008-10-18


SÍLVIA GUERRA


2008-09-30


ARTECAPITAL


2008-09-15


ARTECAPITAL


2008-08-31


ARTECAPITAL


2008-08-11


INÊS MOREIRA


2008-07-25


ANA CARDOSO


2008-07-07


SANDRA LOURENÇO


2008-06-25


IVO MESQUITA


2008-06-09


SÍLVIA GUERRA


2008-06-05


SÍLVIA GUERRA


2008-05-14


FILIPA RAMOS


2008-05-04


PEDRO DOS REIS


2008-04-09


ANA CARDOSO


2008-04-03


ANA CARDOSO


2008-03-12


NUNO LOURENÇO


2008-02-25


ANA CARDOSO


2008-02-12


MIGUEL CAISSOTTI


2008-02-04


DANIELA LABRA


2008-01-07


SÍLVIA GUERRA


2007-12-17


ANA CARDOSO


2007-12-02


NUNO LOURENÇO


2007-11-18


ANA CARDOSO


2007-11-17


SÍLVIA GUERRA


2007-11-14


LÍGIA AFONSO


2007-11-08


SÍLVIA GUERRA


2007-11-02


AIDA CASTRO


2007-10-25


SÍLVIA GUERRA


2007-10-20


SÍLVIA GUERRA


2007-10-01


TERESA CASTRO


2007-09-20


LÍGIA AFONSO


2007-08-30


JOANA BÉRTHOLO


2007-08-21


LÍGIA AFONSO


2007-08-06


CRISTINA CAMPOS


2007-07-15


JOANA LUCAS


2007-07-02


ANTÓNIO PRETO


2007-06-21


ANA CARDOSO


2007-06-12


TERESA CASTRO


2007-06-06


ALICE GEIRINHAS / ISABEL RIBEIRO


2007-05-22


ANA CARDOSO


2007-05-12


AIDA CASTRO


2007-04-24


SÍLVIA GUERRA


2007-04-13


ANA CARDOSO


2007-03-26


INÊS MOREIRA


2007-03-07


ANA CARDOSO


2007-03-01


FILIPA RAMOS


2007-02-21


SANDRA VIEIRA JURGENS


2007-01-28


TERESA CASTRO


2007-01-16


SÍLVIA GUERRA


2006-12-15


CRISTINA CAMPOS


2006-12-07


ANA CARDOSO


2006-12-04


SÍLVIA GUERRA


2006-11-28


SÍLVIA GUERRA


2006-11-13


ARTECAPITAL


2006-11-07


ANA CARDOSO


2006-10-30


SÍLVIA GUERRA


2006-10-29


SÍLVIA GUERRA


2006-10-27


SÍLVIA GUERRA


2006-10-11


ANA CARDOSO


2006-09-25


TERESA CASTRO


2006-09-03


ANTÓNIO PRETO


2006-08-17


JOSÉ BÁRTOLO


2006-07-24


ANTÓNIO PRETO


2006-07-06


MIGUEL CAISSOTTI


2006-06-14


ALICE GEIRINHAS


2006-06-07


JOSÉ ROSEIRA


2006-05-24


INÊS MOREIRA


2006-05-10


AIDA E. DE CASTRO


2006-04-20


JORGE DIAS


2006-04-05


SANDRA VIEIRA JURGENS


share |

HANS ULRICH OBRIST: FÓRUM DO FUTURO



CONSTANÇA BABO

2016-12-13




O Museu de Arte Contemporânea de Serralves aproxima-se de 2017 deixando o registo de um último ano marcado por conferências e conversas com algumas das maiores personalidades da esfera artística a nível nacional e internacional. A instituição manifesta o seu compromisso com a promoção da arte contemporânea e dá mais um passo no caminho para o avanço e conhecimento da arte e da cultura no nosso país.


A proposta foi lançada para pensar toda a esfera da arte contemporânea, desde a sua produção nas mais variadas formas, à sua exposição, curadoria e colecionismo, e suas relações com a atualidade. O auditório e a biblioteca do museu tornaram-se palcos de ocasiões inéditas, algumas que se destacam, aqui, pela possibilidade de representarem esta forte programação.


>>>


Dia 3 de Novembro, no âmbito de mais um notável Fórum do Futuro organizado pela Câmara Municipal do Porto, o auditório do Museu de Arte Contemporânea de Serralves recebeu alguém que, como a diretora do museu Suzanne Cotter introduziu, é tanto curador quanto pensador: Hans Ulrich Obrist.


Obrist, curador, crítico e historiador reconhecido internacionalmente, é autor de mais de 300 exposições e detém um dos mais importantes arquivos da nossa época, com registos de trabalhos de artistas, projetos e entrevistas. Trabalha nas grandes capitais da cultura e colabora com as maiores instituições de arte do mundo. Com o objetivo de conhecer o meio cultural e artístico, em jovem desafiou-se a visitar 30 cidades em 30 dias, experiência que, certamente, contribuiu para se tornar a grande personalidade que hoje conhecemos.


Convidado a falar sobre curadoria, em formato de conferência, Hans Ulrich Obrist começa por explicar que entende esse métier, ultimamente tão explorado, como simplesmente cuidar, organizar e relacionar coleções e objetos. Contudo, o que nos apresentou ultrapassa largamente essa simples noção. Com uma capacidade invulgar de conduzir o discurso de modo informativo e dinâmico, ao mesmo tempo apresentando e desvendando grande parte do seu curriculum de exposições realizadas, o curador permitiu-nos entrar no seu mundo e na sua forma de pensar, para compreendermos o que o cativa e move.


Através do trabalho de Hans Obrist, verifica-se como, tanto ou mais importante que os objetos artísticos, são os seus contextos de produção e exposição. Tal como, habitualmente, se identificam os fatores determinantes no trabalho de cada artista, bem como as particularidades dos objetos artísticos que produz, o mesmo deve ser feito em relação aos locais expositivos, quer eles sejam instituições ou espaços mais privados. De um mesmo modo, o tempo é um factor determinante no desenvolvimento das obras e das suas exposições, podendo ser compreendido como um hiper-objets, ocupando uma posição central em todo o projeto expositivo. Consecutivamente, no momento de conceção de uma exposição, a atualidade deve ser pensada, pois, muitas vezes, é ela que desperta e influencia os artistas, definindo o seu ponto de partida ou até constituindo a temática de toda a criação. Este processo, que torna cada projeto expositivo singular e, em certa medida, irrepetível, aproxima o exercício da curadoria ao da própria prática artística, ainda que esta ideia seja, frequentemente, posta em causa e até mesmo rejeitada.


Assim, para Hans Ulrich Obrist, o envolvimento da cidade onde a exposição assenta, desempenha um papel crucial na natureza de todo o projeto, sendo necessária uma séria consciência dos seus acontecimentos, características e carências. Nesse mesmo âmbito, o curador, mesmo começando com um coletivo de artistas, já convidou outros, locais, a participarem e integrarem determinada exposição, o que a torna esta mais característica e lhe atribuí um novo sentido e significado.


Obrist procura também repetir esta particular singularidade em alguns projetos fixos, sendo exemplo disso as Serpentine Summer Pavilion Series. O projeto, inaugurado em 2000, em Londres, apresenta, a cada ano, uma atualizada programação, numa totalmente nova wing, ou seja, um novo pavilhão. Este é concebido por um arquiteto estrangeiro, criteriosamente selecionado entre aqueles que ainda não tiveram a oportunidade de desenvolver trabalho no Reino Unido. Caso disso e que se pode destacar, é o edifício inaugural da autoria da arquiteta anglo-iraquiana Zaha Hadid, um dos únicos dois que não é temporário.


Hans Obrist, através da realização de exposições dinâmicas, mutáveis e em distintos locais, propicia o desenvolvimento de relações, contactos e ligações entre pessoas, práticas e criações artísticas. Tal como Suzanne Cotter o apresentou, o curador tem uma capacidade sui generis de unir pessoas e ideias, algo que torna a sua ação e trabalho tão singulares e valiosos. Também com o objetivo de propiciar ligações, através da comunicação, o mais recente objeto de trabalho e pesquisa do curador é a escrita. Sabe-se que esta funciona, desde sempre, como veículo de troca de ideias, motivações e conteúdos culturais, algo visível, por exemplo, nas cartas entre artistas, como é o conhecido caso de Lygia Clark e Hélio Oiticica. Contudo, mesmo detendo uma inegável força, a escrita manual é, cada vez mais e continuamente, subvalorizada. Na sessão de conferência em Serralves, o curador contou que, em conversa com Umberto Eco, identificou o fenómeno do desaparecimento progressivo da escrita como um dos resultados da atual era digital, habitada por uma sociedade em rede que parece privilegiar as conversas online às interações físicas e reais. Tal conduz a uma generalização e globalização dos objetos e do mundo, situação que Han Ulrich Obrist compreende como, motivo e, simultaneamente, consequência da perda de individualidade de cada sujeito e cultura.


Como proposta crítica a esta sua preocupação, Hans Obrist abriu, há três anos, uma conta no Instagram, onde insere o manual no mundo digital. Fá-lo através da publicação de fotografias de fragmentos de escrita, notas ou apenas vestígios de artistas e personalidades da esfera da arte com quem se encontra e reúne. Para além disso, o seu instagram project é uma exposição online que tem a particularidade de permanecer continuamente ativa e disponível a ser visitada, livre da efemeridade dos habituais modelos expositivos.


Deste modo, a globalização e as suas redes têm vindo, recentemente, a constituir objetos de pensamento, reflexão e criação artística. Hans Obrist observa, também, como, paralelamente, em reação a esses mesmos fenómenos, alguns grupos sociais desenvolvem uma desconfiança no meio envolvente e distanciam-se, excluindo-se da restante sociedade. O curador considera que nos devemos debruçar e inferir sobre estes temas e discutir tais problemáticas e outras pertinentes da contemporaneidade, procurando causar um sólido impacto. Nesse sentido, Obrist desenvolve as suas exposições através de pintura, escultura, instalações, performances, coreografias ou, até, da poesia, a única arte que acredita ainda não estar industrializada. Assim, a sua curadoria avança pela atualidade e pelo seu reflexo na produção artística, de artista em artista, de ideia em ideia. E, tal como Suzanne Cotter referiu no inicio da sessão, do mesmo modo que Hans Ulrich Obrist segue a arte, nós seguimo-lo a ele.


 

Constança Babo