Links

PERSPETIVA ATUAL


Vista da exposição.


Vista da exposição.


Vista da exposição.


Vista da exposição.


Vista da exposição.


Vista da exposição.


Vista da exposição.

Outros artigos:

2017-11-12


HELENA OSÓRIO


2017-10-09


PAULA PINTO


2017-09-05


PAULA PINTO


2017-07-26


NATÁLIA VILARINHO


2017-07-17


ANA RITO


2017-07-11


PEDRO POUSADA


2017-06-30


PEDRO POUSADA


2017-05-31


CONSTANÇA BABO


2017-04-26


MARC LENOT


2017-03-28


ALEXANDRA BALONA


2017-02-10


CONSTANÇA BABO


2017-01-06


CONSTANÇA BABO


2016-12-13


CONSTANÇA BABO


2016-11-08


ADRIANO MIXINGE


2016-10-20


ALBERTO MORENO


2016-10-07


ALBERTO MORENO


2016-08-29


NATÁLIA VILARINHO


2016-06-28


VICTOR PINTO DA FONSECA


2016-05-25


DIOGO DA CRUZ


2016-04-16


NAMALIMBA COELHO


2016-03-17


FILIPE AFONSO


2016-02-15


ANA BARROSO


2016-01-08


TAL R EM CONVERSA COM FABRICE HERGOTT


2015-11-28


MARTA RODRIGUES


2015-10-17


ANA BARROSO


2015-09-17


ALBERTO MORENO


2015-07-21


JOANA BRAGA, JOANA PESTANA E INÊS VEIGA


2015-06-20


PATRÍCIA PRIOR


2015-05-19


JOÃO CARLOS DE ALMEIDA E SILVA


2015-04-13


Natália Vilarinho


2015-03-17


Liz Vahia


2015-02-09


Lara Torres


2015-01-07


JOSÉ RAPOSO


2014-12-09


Sara Castelo Branco


2014-11-11


Natália Vilarinho


2014-10-07


Clara Gomes


2014-08-21


Paula Pinto


2014-07-15


Juliana de Moraes Monteiro


2014-06-13


Catarina Cabral


2014-05-14


Alexandra Balona


2014-04-17


Ana Barroso


2014-03-18


Filipa Coimbra


2014-01-30


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2013-12-09


SOFIA NUNES


2013-10-18


ISADORA H. PITELLA


2013-09-24


SANDRA VIEIRA JÜRGENS


2013-08-12


ISADORA H. PITELLA


2013-06-27


SOFIA NUNES


2013-06-04


MARIA JOÃO GUERREIRO


2013-05-13


ROSANA SANCIN


2013-04-02


MILENA FÉRNANDEZ


2013-03-12


FERNANDO BRUNO


2013-02-09


ARTECAPITAL


2013-01-02


ZARA SOARES


2012-12-10


ISABEL NOGUEIRA


2012-11-05


ANA SENA


2012-10-08


ZARA SOARES


2012-09-21


ZARA SOARES


2012-09-10


JOÃO LAIA


2012-08-31


ARTECAPITAL


2012-08-24


ARTECAPITAL


2012-08-06


JOÃO LAIA


2012-07-16


ROSANA SANCIN


2012-06-25


VIRGINIA TORRENTE


2012-06-14


A ART BASEL


2012-06-05


dOCUMENTA (13)


2012-04-26


PATRÍCIA ROSAS


2012-03-18


SABRINA MOURA


2012-02-02


ROSANA SANCIN


2012-01-02


PATRÍCIA TRINDADE


2011-11-02


PATRÍCIA ROSAS


2011-10-18


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-09-23


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-07-28


PATRÍCIA ROSAS


2011-06-21


SÍLVIA GUERRA


2011-05-02


CARLOS ALCOBIA


2011-04-13


SÓNIA BORGES


2011-03-21


ARTECAPITAL


2011-03-16


ARTECAPITAL


2011-02-18


MANUEL BORJA-VILLEL


2011-02-01


ARTECAPITAL


2011-01-12


ATLAS - COMO LEVAR O MUNDO ÀS COSTAS?


2010-12-21


BRUNO LEITÃO


2010-11-29


SÍLVIA GUERRA


2010-10-26


SÍLVIA GUERRA


2010-09-30


ANDRÉ NOGUEIRA


2010-09-22


EL CULTURAL


2010-07-28


ROSANA SANCIN


2010-06-20


ART 41 BASEL


2010-05-11


ROSANA SANCIN


2010-04-15


FABIO CYPRIANO - Folha de S.Paulo


2010-03-19


ALEXANDRA BELEZA MOREIRA


2010-03-01


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-02-17


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-01-26


SUSANA MOUZINHO


2009-12-16


ROSANA SANCIN


2009-11-10


PEDRO NEVES MARQUES


2009-10-20


SÍLVIA GUERRA


2009-10-05


PEDRO NEVES MARQUES


2009-09-21


MARTA MESTRE


2009-09-13


LUÍSA SANTOS


2009-08-22


TERESA CASTRO


2009-07-24


PEDRO DOS REIS


2009-06-15


SÍLVIA GUERRA


2009-06-11


SANDRA LOURENÇO


2009-06-10


SÍLVIA GUERRA


2009-05-28


LUÍSA SANTOS


2009-05-04


SÍLVIA GUERRA


2009-04-13


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2009-03-23


PEDRO DOS REIS


2009-03-03


EMANUEL CAMEIRA


2009-02-13


SÍLVIA GUERRA


2009-01-26


ANA CARDOSO


2009-01-13


ISABEL NOGUEIRA


2008-12-16


MARTA LANÇA


2008-11-25


SÍLVIA GUERRA


2008-11-08


PEDRO DOS REIS


2008-11-01


ANA CARDOSO


2008-10-27


SÍLVIA GUERRA


2008-10-18


SÍLVIA GUERRA


2008-09-30


ARTECAPITAL


2008-09-15


ARTECAPITAL


2008-08-31


ARTECAPITAL


2008-08-11


INÊS MOREIRA


2008-07-25


ANA CARDOSO


2008-07-07


SANDRA LOURENÇO


2008-06-25


IVO MESQUITA


2008-06-09


SÍLVIA GUERRA


2008-06-05


SÍLVIA GUERRA


2008-05-14


FILIPA RAMOS


2008-05-04


PEDRO DOS REIS


2008-04-09


ANA CARDOSO


2008-04-03


ANA CARDOSO


2008-03-12


NUNO LOURENÇO


2008-02-25


ANA CARDOSO


2008-02-12


MIGUEL CAISSOTTI


2008-02-04


DANIELA LABRA


2008-01-07


SÍLVIA GUERRA


2007-12-17


ANA CARDOSO


2007-12-02


NUNO LOURENÇO


2007-11-18


ANA CARDOSO


2007-11-17


SÍLVIA GUERRA


2007-11-14


LÍGIA AFONSO


2007-11-08


SÍLVIA GUERRA


2007-11-02


AIDA CASTRO


2007-10-25


SÍLVIA GUERRA


2007-10-20


SÍLVIA GUERRA


2007-10-01


TERESA CASTRO


2007-09-20


LÍGIA AFONSO


2007-08-30


JOANA BÉRTHOLO


2007-08-21


LÍGIA AFONSO


2007-08-06


CRISTINA CAMPOS


2007-07-15


JOANA LUCAS


2007-07-02


ANTÓNIO PRETO


2007-06-21


ANA CARDOSO


2007-06-12


TERESA CASTRO


2007-06-06


ALICE GEIRINHAS / ISABEL RIBEIRO


2007-05-22


ANA CARDOSO


2007-05-12


AIDA CASTRO


2007-04-24


SÍLVIA GUERRA


2007-04-13


ANA CARDOSO


2007-03-26


INÊS MOREIRA


2007-03-07


ANA CARDOSO


2007-03-01


FILIPA RAMOS


2007-02-21


SANDRA VIEIRA JURGENS


2007-01-28


TERESA CASTRO


2007-01-16


SÍLVIA GUERRA


2006-12-15


CRISTINA CAMPOS


2006-12-07


ANA CARDOSO


2006-12-04


SÍLVIA GUERRA


2006-11-28


SÍLVIA GUERRA


2006-11-13


ARTECAPITAL


2006-11-07


ANA CARDOSO


2006-10-30


SÍLVIA GUERRA


2006-10-29


SÍLVIA GUERRA


2006-10-27


SÍLVIA GUERRA


2006-10-11


ANA CARDOSO


2006-09-25


TERESA CASTRO


2006-09-03


ANTÓNIO PRETO


2006-08-17


JOSÉ BÁRTOLO


2006-07-24


ANTÓNIO PRETO


2006-07-06


MIGUEL CAISSOTTI


2006-06-14


ALICE GEIRINHAS


2006-06-07


JOSÉ ROSEIRA


2006-05-24


INÊS MOREIRA


2006-05-10


AIDA E. DE CASTRO


2006-04-20


JORGE DIAS


2006-04-05


SANDRA VIEIRA JURGENS


share |

WATCHED! SURVEILLANCE, ART & PHOTOGRAPHY: A VIGILÂNCIA QUESTIONADA PELA ARTE NO C/O BERLIN



CONSTANÇA BABO

2017-05-31




 


 


As possibilidades que nos são proporcionadas pelas mais recentes tecnologias e novos média apresentam cada vez mais potencialidades e consequências. A barreira entre o espaço privado e o espaço público tem vindo a diluir-se e, como resultado, invadimos a vida dos outros e somos igualmente invadidos. Sendo esta uma questão importante e revelando-se problemática, é importante pensá-la e discuti-la, inclusivamente através da expressão artística. Com efeito, a relação entre este assunto e a arte contemporânea é intrínseca, visto que os média influenciam diretamente a criação, funcionando como tema, objeto e, por vezes simultaneamente, como material para a produção artística. Ora, o C/O Berlin selecionou obras que apresentavam diferentes perspetivas e abordagens desta questão, assinadas por 20 artistas internacionais.


O espaço expositivo da C/O Foundation mostra, desde 2000, uma sólida programação, destacada internacionalmente e assume-se como uma plataforma para a exposição da fotografia e dos media visuais, através de artistas tanto reconhecidos e estabelecidos como emergentes. Com o objetivo de dar a conhecer a cultura visual mais atual a um diversificado público, o C/O foi concebido pelo fotógrafo Stephan Erfurt, o designer Marc Naroska e o arquiteto Ingo Pott. A galeria estabeleceu-se no edifício America Haus, anteriormente uma livraria e sala de cinema também utilizadas como estrutura para encontros culturais americanos com exposições de alguns dos seus mais icónicos artistas, como Robert Rauschenberg, Frank Lloyd Wright e Lyonel Feininger, este último também com nacionalidade alemã.


Assim, com um passado simbólico e anunciando uma visão direcionada para o futuro, o C/O é um dos locais a visitar em Berlim, com exposições conceptual e formalmente contemporâneas, como é o caso desta última.


Destacada e aconselhada pela revista Elephant (nº30, primavera 2017) por ser uma "exposição coletiva que explora um assunto extremamente relevante do séc. XXI, sobre o qual sabemos muito mas pouco fazemos", a exposição com o título Watched! Surveillance, Art & Photography trabalhou a problemática da vigilância predominantemente através da arte dos média.


A partir de tal objeto de estudo, tão discutido e complexo, surgem múltiplas formas e imagens que o problematizam diretamente ou que se estendem ao que o rodeia e envolve. Como exemplo de uma obra que, de modo evidente, aborda as formas de vigilância, pode referir-se um grande painel apresentado na primeira sala da exposição. Com o título WeiweiCam (img.4), apresenta-se um projeto de auto-vigilância assinado pelo artista chinês Ai WeiWei, que teve como ponto de partida e impulso de criação a sua captura pelas autoridades chinesas no aeroporto de Pequim, resultando em 81 dias de prisão. Quando libertado, ficou proibido de sair do país e da sua residência, na qual ficou sob o controlo ininterrupto de 15 câmaras de vigilância. Durante esse tempo, a sua intimidade e o seu espaço privado foram totalmente invadidos e, como resposta, Ai WeiWei instalou outras quatro câmaras, ligadas à internet em livestream, exibindo publicamente a sua circunstância. Esta sua manifestação durou 46 horas, momento em que as autoridades ordenaram o fecho da página online. Após ter-se exilado escapado da China, WeiWei veio para a Alemanha para explorar a sua experiência artisticamente.


A vigilância surge a vários níveis e com diferentes consequências e impactos a nível sociológico. No caso de Ai WeiWei, tratou-se de uma ação forçada, sobre a qual o próprio não teve qualquer espécie de controlo, cenário que nos choca e que repudiamos. Contudo, outras formas de invasão de privacidade têm vindo a multiplicar-se e são frequentemente esquecidas e não compreendidas como atos de vigilância. Sem consciência, tornamo-nos voyeurs e vigilantes daqueles que nos rodeiam. Neste quadro, incluem-se os realityshows que predominam na televisão, continuação do fenómeno bigbrother, já tão habituais e banais, normalizando a observação da vida alheia. Em acréscimo, hoje temos um facilitado acesso a dispositivos e programas de vigilância, como o google street view utilizado pelo artista Mishka Henner na sua obra No man´s land (img.5).


Ao mesmo tempo, torna-se cada vez mais habitual uma partilha online, constante da atividade diária, através das redes sociais, ocorrendo aí uma nítida perda de privacidade e aumento da exposição social. Esse caso pode, inclusivamente, ser analisado a outro nível e compreendido como motor de alteração comportamental dos atores sociais, principalmente das mais jovens gerações. A construção da própria identidade é um processo susceptível a sofrer alterações de acordo com a constante observação do outro e sobrexposição de si, sendo esta última, quando lançada na rede, tendencialmente fabricada.


Também explorando a questão da identidade, por outro ponto de vista e através de um método de vigilância, expuseram-se outras obras na segunda sala, caso da intitulada de Spirit is a bone (img.6), de Adam Broomberg e Oliver Chanarin. Sob a forma de uma série de retratos que, num primeiro olhar, parecem idênticos, é apresentada uma repetição de imagens semelhantes que compõem uma obra de grande escala. Provocando um imediato forte impacto visual, quando analisadas, verificam-se as distinções entre as figuras brancas que, colocadas sobre fundo negro, assemelham-se a modelos de máscaras. Na verdade, tratam-se de resultados obtidos por um novo instrumento desenvolvido na Rússia que, através de quatro câmaras de vigilância, concebe um retrato em 3D de qualquer individuo sem necessitar da sua cooperação.


Paralelamente a estes trabalhos imagéticos, apresentaram-se outros que surpreenderam por estimularem os restantes sentidos do espetador. Caso disso são os headphones (img.7) que, quando instalados e pendurados do tecto, reproduzem conversas de escutas telefónicas, convidando o espetador a experienciar o lugar do vigilante e tornar-se participante na obra.


É de notar que grande parte da experiência estética que foi proporcionada ao longo da exposição adveio da envolvência construída em redor dos trabalhos. Estes surgiam um após o outro, bem distintos entre si, cada um com uma particular forma e abordagem para suscitar no público a questão em causa e o pensamento e reflexão sobre esta. Com uma sombra predominante sombra e algumas luzes mais fortes a incidir sobre as obras, desenhou-se um cenário muito particular, onde o olhar e a atenção eram guiados ao longo de todo o percurso.


Terminada dia 23 de abril, a exposição, acompanhada pela exibição de seis filmes apresentados pelo Verzio International Human Rights Documentary Film Festival, foi uma das inseridas na atual investigação da Hasselblad Foundation, em torno deste tão atual e complexo tema da vigilância. Esta em causa resultou da colaboração entre essa instituição, o C/O e o Museu da Fotografia de Berlim.


A necessidade de trabalhar temas desta ordem é, sem dúvida, crescente e são estas iniciativas na esfera da arte que valorizam e consolidam o papel da criação artística na sociedade e no futuro.


 


 


 


Constança Babo