Links

O ESTADO DA ARTE


Capa do livro, com Julie Cockburn, The Meteorologist, 2014, fotografia encontrada bordada, jacto de tinta, 25.3×20.4cm (p. 151).


Carmen Winant, My Birth, 2018, instalação de cerca de 2000 documentos encontrados e impressões fotográficas com fita adesiva, dimensões variáveis, p. 50-51.


Kali Spitzer, Eloise Spitzer, 2015, ferrotipo com colódio húmido, 25.4×20.3cm, p. 110.


Marina Font, Untitled, 2015, série Dark Continents, impressão a pigmento sobre tela, gesso, napperon e fios montados em painel de madeira, 47.5×35.6×3.8cm, p. 153.


Douglas Mandry, Plaine-morte-210421_020, série Monuments, 2020-21, fotograma em papel Kodak com pinhole de gelo, 50.7×40.6cm, p. 266.


Samin Ahmadzadeh, 10 000 Faces II, 2017, fotografias entrançadas à mão em contraplacado de bétula envernizado, 18.5×24.8×1.8cm, p. 138.


Capa do livro, com Valérie Jouve, Sans titre (Les Personnages avec Andréa Keen), 1984, C-print, 100x130cm.

Outros artigos:

2024-05-25


NAEL D’ALMEIDA: “UMA COISA SÓ É GRANDE SE FOR MAIOR DO QUE NÓS”
 

2024-04-23


ÁLBUM DE FAMÍLIA – UMA RECORDAÇÃO DE MARIA DA GRAÇA CARMONA E COSTA
 

2024-03-09


CAMINHOS NATURAIS DA ARTIFICIALIZAÇÃO: CUIDAR A MANIPULAÇÃO E ESMIUÇAR HÍPER OBJETOS DA BIO ARTE
 

2024-01-31


CRAGG ERECTUS
 

2023-12-27


MAC/CCB: O MUSEU DAS NOSSAS VIDAS
 

2023-11-25


'PRATICAR AS MÃOS É PRATICAR AS IDEIAS', OU O QUE É ISTO DO DESENHO? (AINDA)
 

2023-10-13


FOMOS AO MUSEU REAL DE BELAS ARTES DE ANTUÉRPIA
 

2023-09-12


VOYEURISMO MUSEOLÓGICO: UMA VISITA AO DEPOT NO MUSEU BOIJMANS VAN BEUNINGEN, EM ROTERDÃO
 

2023-08-10


TEHCHING HSIEH: HOW DO I EXPLAIN LIFE AND CHANGE IT INTO ART?
 

2023-07-10


BIENAL DE FOTOGRAFIA DO PORTO: REABILITAR A EMPATIA COMO UMA TECNOLOGIA DO OUTRO
 

2023-06-03


ARCOLISBOA, UMA FEIRA DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM PERSPETIVA
 

2023-05-02


SOBRE A FOTOGRAFIA: POIVERT E SMITH
 

2023-03-24


ARTE CONTEMPORÂNEA E INFÂNCIA
 

2023-02-16


QUAL É O CINEMA QUE MORRE COM GODARD?
 

2023-01-20


TECNOLOGIAS MILLENIALS E PÚBLICO CONTEMPORÂNEO. REFLEXÕES SOBRE A EXPOSIÇÃO 'OCUPAÇÃO XILOGRÁFICA' NO SESC BIRIGUI EM SÃO PAULO
 

2022-12-20


VENEZA E A CELEBRAÇÃO DO AMOR
 

2022-11-17


FALAR DE DESENHO: TÃO DEPRESSA SE COMEÇA, COMO ACABA, COMO VOLTA A COMEÇAR
 

2022-10-07


ARTISTA COMO MEDIADOR. PRÁTICAS HORIZONTAIS NA ARTE E EDUCAÇÃO NO BRASIL
 

2022-08-29


19 DE AGOSTO, DIA MUNDIAL DA FOTOGRAFIA
 

2022-07-31


A CULTURA NÃO ESTÁ FORA DA GUERRA, É UM CAMPO DE BATALHA
 

2022-06-30


ARTE DIGITAL E CIRCUITOS ONLINE
 

2022-05-29


MULHERES, VAMPIROS E OUTRAS CRIATURAS QUE REINAM
 

2022-04-29


EGÍDIO ÁLVARO (1937-2020). ‘LEMBRAR O FUTURO: ARQUIVO DE PERFORMANCES’
 

2022-03-27


PRATICA ARTÍSTICA TRANSDISCIPLINAR: A INVESTIGAÇÃO NAS ARTES
 

2022-02-26


OS HÁBITOS CULTURAIS… DAS ORGANIZAÇÕES CULTURAIS PORTUGUESAS
 

2022-01-27


ESPERANÇA SIGNIFICA MAIS DO QUE OPTIMISMO
 

2021-12-26


ESCOLA DE PROCRASTINAÇÃO, UM ESTUDO
 

2021-11-26


ARTE = CAPITAL
 

2021-10-30


MARLENE DUMAS ENTRE IMPRESSIONISTAS, ROMÂNTICOS E SUMÉRIOS
 

2021-09-25


'A QUE SOA O SISTEMA QUANDO LHE DAMOS OUVIDOS'
 

2021-08-16


MULHERES ARTISTAS: O PARADOXO PORTUGUÊS
 

2021-06-29


VIVER NUMA REALIDADE PÓS-HUMANA: CIÊNCIA, ARTE E ‘OUTRAMENTOS’
 

2021-05-24


FRESTAS, UMA TRIENAL PROJETADA EM COLETIVIDADE. ENTREVISTA COM DIANE LINA E BEATRIZ LEMOS
 

2021-04-23


30 ANOS DO KW
 

2021-03-06


A QUESTÃO INDÍGENA NA ARTE. UM CAMINHO A PERCORRER
 

2021-01-30


DUAS EXPOSIÇÕES NO PORTO E MUITOS ARQUIVOS SOBRE A CIDADE
 

2020-12-29


TEORIA DE UM BIG BANG CULTURAL PÓS-CONTEMPORÂNEO - PARTE II
 

2020-11-29


11ª BIENAL DE BERLIM
 

2020-10-27


CRITICAL ZONES - OBSERVATORIES FOR EARTHLY POLITICS
 

2020-09-29


NICOLE BRENEZ - CINEMA REVISITED
 

2020-08-26


MENSAGENS REVOLUCIONÁRIAS DE UM TEMPO PERDIDO
 

2020-07-16


LIÇÕES DE MARINA ABRAMOVIC
 

2020-06-10


FRAGMENTOS DO PARAÍSO
 

2020-05-11


TEORIA DE UM BIG BANG CULTURAL PÓS-CONTEMPORÂNEO
 

2020-04-24


QUE MUSEUS DEPOIS DA PANDEMIA?
 

2020-03-24


FUCKIN’ GLOBO 2020 NAS ZONAS DE DESCONFORTO
 

2020-02-21


ELECTRIC: UMA EXPOSIÇÃO DE REALIDADE VIRTUAL NO MUSEU DE SERRALVES
 

2020-01-07


SEMANA DE ARTE DE MIAMI VIA ART BASEL MIAMI BEACH: UMA EXPERIÊNCIA MAIS OU MENOS ESTÉTICA
 

2019-11-12


36º PANORAMA DA ARTE BRASILEIRA
 

2019-10-06


PARAÍSO PERDIDO
 

2019-08-22


VIVER E MORRER À LUZ DAS VELAS
 

2019-07-15


NO MODELO NEGRO, O OLHAR DO ARTISTA BRANCO
 

2019-04-16


MICHAEL BIBERSTEIN: A ARTE E A ETERNIDADE!
 

2019-03-14


JOSÉ MAÇÃS DE CARVALHO – O JOGO DO INDIZÍVEL
 

2019-02-08


A IDENTIDADE ENTRE SEXO E PODER
 

2018-12-20


@MIAMIARTWEEK - O FUTURO AGENDADO NO ÉDEN DA ARTE CONTEMPORÂNEA
 

2018-11-17


EDUCAÇÃO SENTIMENTAL. A COLEÇÃO PINTO DA FONSECA
 

2018-10-09


PARTILHAMOS DA CRÍTICA À CENSURA, MAS PARTILHAMOS DA FALTA DE APOIO ÀS ARTES?
 

2018-09-06


O VIGÉSIMO ANIVERSÁRIO DA BIENAL DE BERLIM
 

2018-07-29


VISÕES DE UMA ESPANHA EXPANDIDA
 

2018-06-24


O OLHO DO FOTÓGRAFO TAMBÉM SOFRE DE CONJUNTIVITE, (UMA CONVERSA EM TORNO DO PROJECTO SPECTRUM)
 

2018-05-22


SP-ARTE/2018 E A DIFÍCIL TAREFA DE ESCOLHER O QUE VER
 

2018-04-12


NO CORAÇÂO DESTA TERRA
 

2018-03-09


ÁLVARO LAPA: NO TEMPO TODO
 

2018-02-08


SFMOMA SAN FRANCISCO MUSEUM OF MODERN ART: NARRATIVA DA CONTEMPORANEIDADE
 

2017-12-20


OS ARQUIVOS DA CARNE: TINO SEHGAL CONSTRUCTED SITUATIONS
 

2017-11-14


DA NATUREZA COLABORATIVA DA DANÇA E DO SEU ENSINO
 

2017-10-14


ARTE PARA TEMPOS INSTÁVEIS
 

2017-09-03


INSTAGRAM: CRIAÇÃO E O DISCURSO VIRTUAL – “TO BE, OR NOT TO BE” – O CASO DE CINDY SHERMAN
 

2017-07-26


CONDO: UM NOVO CONCEITO CONCORRENTE À TRADICIONAL FEIRA DE ARTE?
 

2017-06-30


"LEARNING FROM CAPITALISM"
 

2017-06-06


110.5 UM, 110.5 DOIS, 110.5 MILHÕES DE DÓLARES,… VENDIDO!
 

2017-05-18


INVISUALIDADE DA PINTURA – PARTE 2: "UMA HISTÓRIA DA VISÃO E DA CEGUEIRA"
 

2017-04-26


INVISUALIDADE DA PINTURA – PARTE 1: «O REAL É SEMPRE AQUILO QUE NÃO ESPERÁVAMOS»
 

2017-03-29


ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE O CONCEITO CONTEMPORÂNEO DE FEIRA DE ARTE
 

2017-02-20


SOBRE AS TENDÊNCIAS DA ARTE ACTUAL EM ANGOLA: DA CRIAÇÃO AOS NOVOS CANAIS DE LEGITIMAÇÃO
 

2017-01-07


ARTLAND VERSUS DISNEYLAND
 

2016-12-15


VALORES DA ARTE CONTEMPORÂNEA: UMA CONVERSA COM JOSÉ CARLOS PEREIRA SOBRE A PUBLICAÇÃO DE O VALOR DA ARTE
 

2016-11-05


O VAZIO APOCALÍPTICO
 

2016-09-30


TELEPHONE WITHOUT A WIRE – PARTE 2
 

2016-08-25


TELEPHONE WITHOUT A WIRE – PARTE 1
 

2016-06-24


COLECCIONADORES NA ARCO LISBOA
 

2016-05-17


SONNABEND EM PORTUGAL
 

2016-04-18


COLECCIONADORES AMADORES E PROFISSIONAIS COLECCIONADORES (II)
 

2016-03-15


COLECCIONADORES AMADORES E PROFISSIONAIS COLECCIONADORES (I)
 

2016-02-11


FERNANDO AGUIAR: UM ARQUIVO POÉTICO
 

2016-01-06


JANEIRO 2016: SER COLECCIONADOR É…
 

2015-11-28


O FUTURO DOS MUSEUS VISTO DO OUTRO LADO DO ATLÂNTICO
 

2015-10-28


O FUTURO SEGUNDO CANDJA CANDJA
 

2015-09-17


PORQUE É QUE OS BLOCKBUSTERS DE MODA SÃO MAIS POPULARES QUE AS EXPOSIÇÕES DE ARTE, E O QUE É QUE PODEMOS DIZER SOBRE ISSO?
 

2015-08-18


OS DESAFIOS DO EFÉMERO: CONSERVAR A PERFORMANCE ART - PARTE 2
 

2015-07-29


OS DESAFIOS DO EFÉMERO: CONSERVAR A PERFORMANCE ART - PARTE 1
 

2015-06-06


O DESAFINADO RONDÒ ENWEZORIANO. “ALL THE WORLD´S FUTURES” - 56ª EXPOSIÇÃO INTERNACIONAL DE ARTE DE VENEZA
 

2015-05-13


A 56ª BIENAL DE VENEZA DE OKWUI ENWEZOR É SOMBRIA, TRISTE E FEIA
 

2015-04-08


A TUMULTUOSA FERTILIDADE DO HORIZONTE
 

2015-03-04


OS MUSEUS, A CRISE E COMO SAIR DELA
 

2015-02-09


GUIDO GUIDI: CARLO SCARPA. TÚMULO BRION
 

2015-01-13


IDEIAS CAPITAIS? OLHANDO EM FRENTE PARA A BIENAL DE VENEZA
 

2014-12-02


FUNDAÇÃO LOUIS VUITTON
 

2014-10-21


UM CONTEMPORÂNEO ENTRE-SERRAS
 

2014-09-22


OS NOSSOS SONHOS NÃO CABEM NAS VOSSAS URNAS: Quando a arte entra pela vida adentro - Parte II
 

2014-09-03


OS NOSSOS SONHOS NÃO CABEM NAS VOSSAS URNAS: Quando a arte entra pela vida adentro – Parte I
 

2014-07-16


ARTISTS' FILM BIENNIAL
 

2014-06-18


PARA UMA INGENUIDADE VOLUNTÁRIA: ERNESTO DE SOUSA E A ARTE POPULAR
 

2014-05-16


AI WEIWEI E A DESTRUIÇÃO DA ARTE
 

2014-04-17


QUAL É A UTILIDADE? MUSEUS ASSUMEM PRÁTICA SOCIAL
 

2014-03-13


A ECONOMIA DOS MUSEUS E DOS PARQUES TEMÁTICOS, NA AMÉRICA E NA “VELHA EUROPA”
 

2014-02-13


É LEGAL? ARTISTA FINALMENTE BATE FOTÓGRAFO
 

2014-01-06


CHOICES
 

2013-09-24


PAIXÃO, FICÇÃO E DINHEIRO SEGUNDO ALAIN BADIOU
 

2013-08-13


VENEZA OU A GEOPOLÍTICA DA ARTE
 

2013-07-10


O BOOM ATUAL DOS NEGÓCIOS DE ARTE NO BRASIL
 

2013-05-06


TRABALHAR EM ARTE
 

2013-03-11


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS: META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (III)
 

2013-02-12


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS: META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (II)
 

2013-01-07


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS. META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (I)
 

2012-11-12


ATENÇÃO: RISCO DE AMNÉSIA
 

2012-10-07


MANIFESTO PARA O DESIGN PORTUGUÊS
 

2012-06-12


MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (II)


 

2012-05-16


MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (I)
 

2012-02-06


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (III - conclusão)
 

2012-01-04


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (II)
 

2011-12-07


PARAR E PENSAR...NO MUNDO DA ARTE
 

2011-04-04


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (I)
 

2010-10-29


O BURACO NEGRO
 

2010-04-13


MUSEUS PÚBLICOS, DOMÍNIO PRIVADO?
 

2010-03-11


MUSEUS – UMA ESTRATÉGIA, ENFIM
 

2009-11-11


UMA NOVA MINISTRA
 

2009-04-17


A SÍNDROME DOS COCHES
 

2009-02-17


O FOLHETIM DE VENEZA
 

2008-11-25


VANITAS
 

2008-09-15


GOSTO E OSTENTAÇÃO
 

2008-08-05


CRÍTICO EXCELENTÍSSIMO II – O DISCURSO NO PODER
 

2008-06-30


CRÍTICO EXCELENTÍSSIMO I
 

2008-05-21


ARTE DO ESTADO?
 

2008-04-17


A GULBENKIAN, “EM REMODELAÇÃO”
 

2008-03-24


O QUE FAZ CORRER SERRALVES?
 

2008-02-20


UM MINISTRO, ÓBICES E POSSIBILIDADES
 

2008-01-21


DEZ PONTOS SOBRE O MUSEU BERARDO
 

2007-12-17


O NEGÓCIO DO HERMITAGE
 

2007-11-15


ICONOLOGIA OFICIAL
 

2007-10-15


O CASO MNAA OU O SERVILISMO EXEMPLAR
 

SOBRE A FOTOGRAFIA: POIVERT E SMITH

MARC LENOT

2023-05-02




 

 

O livro Contre-culture dans la photographie contemporaine [Contracultura na fotografia contemporânea] de Michel Poivert (Textual, 2022, 304 páginas,180 imagens de página inteira, recebido em assessoria de imprensa) é bem vindo porque vem aclarar uma corrente fotográfica que, se já existia anteriormente, só foi trazida à luz há uma dúzia de anos, graças a festivais (o de fotografia experimental em Barcelona, o da imagem tangível em Paris), feiras (A ppr oche, Offscreen), exposições (no V&A, no MAM, no ICP, GESTE, no Folkwang, no CPIF) e livros (Lyle Rexer, Yannick Vigouroux, Diarmuid Costello, Geoffrey Batchen e este vosso autor), para citar apenas alguns. Esta corrente, nascida depois da advento do omnipresente digital, compreende abordagens variadas, como podemos ver na diversidade referenciada acima, que Michel Poivert reagrupou sob a égide da contracultura, da heterodoxia, da resistência ao modelo dominante, ao progresso imposto. Quando a fotografia não é apenas uma imagem, mas é também um objecto material (como irá mostrar uma exposição na BnF em outubro de 2023), quando vai contra a iconografia preponderante, então ela é também questão de emancipação, de ética, de ecosofia. A breve introdução, intitulada “Um pouco mais que uma imagem”, esboça um quadro geral desta paisagem; é seguida de sete capítulos temáticos, cujas fronteiras são por vezes fluídas; teríamos gostado de ter na introdução um “caminho de ferro” a introduzir esses sete capítulos.

O primeiro capítulo, “a fotografia reciclada”, trata da recuperação de fotografias existentes, do revelar de imagens vernaculares, da recolha e da reutilização, contracorrente do escoamento fastidioso de imagens que já Rimbaud denunciava em 1871. Entre os 22 fotógrafos deste capítulo encontramos Isabelle Le Minh ou documentação céline duval. Também uma composição da americana Carmen Winant com numerosas fotos recortadas de corpos e fragmentos de corpos femininos reunidos numa fotomontagem exuberante. Uma ligeira irritação deste primeiro capítulo: a ordem das reproduções não segue a ordem do texto, é preciso navegar à vista ou recorrer constantemente ao índice, e um artista cuja obra é descrita no texto não está no caderno de imagens, enquanto que dois estão lá sem estarem no texto, o que não facilita a leitura.

Os dois capítulos seguintes tratam de técnicas antigas e de processos antigos, primeiro de pinhole, de fotografia povera, de lomografia, de fotograma, depois de cianótipo, de calótipo, de ambrotipo, de colódio, de goma bicromatada, etc. Os artistas que voltam assim às fontes da fotografia não são necessariamente nostálgicos, antes procuram uma autenticidade, uma materialidade que a modernidade não permite mais. 43 artistas nestes dois capítulos, de Alison Rossiter a Driss Aroussi e de Matthew Brandt a Vittoria Gerardi. Aqui ao lado uma ferrotipia com colódio húmido da canadiana meio autóctone meio-judia Kali Spitzer, que escolheu utilizar a técnica dos retratos de índios americanos do século XIX, como uma reparação para o olhar colonial ainda praticado sobre eles.

Os dois capítulos seguintes estão interessados na materialidade aumentada do objecto fotográfico: primeiro a manufactura, as intervenções sobre a fotografia com bordado (como a capa do livro com Julie Cockburn), costura, tecelagem (aqui na imagem pela iraniana de Londres Samin Ahmadzadeh), perfuração, pregos, desenho ou escrita; depois a amplificação, o escultórico da fotografia impressa sobre metal, sobre vidro, sobre mármore, sobre porcelana, ou descolada e recolada, que lhe confere relevo, uma terceira dimensão. 37 artistas, de Carolle Bénitah a Joana Choumali e de Dune Varela a Sylvie Bonnot. Aqui ao lado, uma fotografia adornada com um napperon que cobre os genitais em forma de útero da argentina a viver nos Estados Unidos da América Marina Font, que explora o continente negro da sexualidade feminina esforçando-se em traduzir as suas próprias pulsões inconscientes.

Os dois últimos capítulos têm a ver com a ciência: as "fábulas ecosóficas" onde a fotografia se conjuga com a expedição científica, a geologia, a botânica, a natureza, a caminhada, depois o imaginário de novos mundos, as utopias de mundos possíveis, sejam elas ligadas à verdadeira ciência ou ao contrário aos mitos, ao sagrado. 35 fotógrafos, de Dove Allouche a Raphaël Dallaporta e de Lionel Bayol-Thémines a Stéphanie Solinas. Aqui ao lado, um fotograma do suíço Douglas Mandry, que introduz na sua câmara pinhole blocos de gelo provenientes dos glaciares, que interagem quimicamente com o papel fotossensível: como um grito de alarme sobre o aquecimento global e o derretimento dos glaciares.

Sem que haja realmente uma conclusão, o último capítulo termina com estas palavras “uma imensa respiração utópica – uma libertação do imaginário”. É um livro fervilhante sobre esta nova vertente da criação fotográfica, um livro poético e comprometido. Mas não é um livro académico: nem lista exposições, nem biografias dos artistas, nem (o que mais lamentamos) bibliografia. Michel Poivert cita muito pouco obras de referência: Lyle Rexer brevemente, Günther Anders, Ivan Illich, mal Vilém Flusser, como desvio de uma precisão semântica, ainda que seja um dos que melhor teorizou esta abordagem contra-cultural, esta resistência ao modelo dominante, e que a "libertação do imaginário" de Poivert responda à frase fundamental do livro de Flusser: "esta filosofia [da fotografia] é necessária porque é a única forma de revolução que ainda se nos encontra aberta”. Não terei o pedantismo de listar todos os autores que poderiam ter sido citados aqui, o que teria aberto mais o campo de reflexão ao leitor, mas não era esse o propósito. Outra pequena reprimenda: se os 126 fotógrafos aqui apresentados exibem uma impecável paridade M/F (air du temps obriga), há apenas um terço entre eles que não são franceses (ou da cena francesa), poderíamos ter esperado mais abertura internacional. Muitas descobertas para mim (é o caso de todas as reproduções que coloquei aqui), mas em contrapartida, pouco de grandes nomes (Oscar Muñoz, Bernard Plossu, Pierre Cordier sem imagens) e, portanto, ausências um pouco surpreendentes (mas, novamente, nenhuma lista pedante). Contudo, apesar de algumas reprovações, é um livro apaixonante.



O livro de Olga Smith, Contemporary Photography in France. Between Theory and Practice [Fotografia Contemporânea em França. Entre a Teoria e a Prática (Leuven University Press, 232 páginas, 11 fotos P&B no texto, 28 fotos coloridas num caderno, bibliografia de 18 páginas) é destinado a um público anglófono para compensar o fraco número de livros em inglês sobre este assunto. Ao contrário de um livro traduzido, este é um ponto de vista original, de uma estrangeira que conhece bem a França e que oferece uma perspectiva um pouco diferente, mais ampla e menos enraizada, algo distanciada em relação ao “génio francês”. Mas o interesse deste livro vai bem mais para lá de uma simples apresentação mais ou menos temática do panorama da fotografia francesa contemporânea, que pode ser muito seca; com efeito, de maneira apaixonante, a autora tece ligações entre escrita e fotografia, entre filosofia e arte. Os três primeiros capítulos adoptam o mesmo formato: um momento (os anos 1970, os anos1980 e o período 1990-2020), um escritor (Barthes, Baudrillard, Rancière), um conceito abrangente (a subjetividade, os objectos, o compromisso) e os trabalhos dos fotógrafos desse período. Pode ser pesado e artificial, mas é apaixonante e é a parte mais inovadora do livro. Certamente aprendemos poucas coisas sobre Barthes, muito conhecido, mas os capítulos com Baudrillard e Rancière não só apresentam textos menos conhecidos desses autores (que seria bom editar numa colectânea), mas oferecem também uma análise profunda e inteligente. Este diálogo entre filosofia e fotografia é a qualidade principal deste livro para quem conhece já um pouco da cena francesa. A contrapartida é que há pouca questão sobre outros autores além desses três, e que, por exemplo, toda a rica pesquisa francesa sobre fotografia e psicanálise (Tisseron, Barreau, Gagnebin, Kofman) é remetida ao silêncio. Alguns dos fotógrafos são analisados em detalhe de maneira aprofundada; os textos sobre Depardon e o jovem Boltanski em particular são muito interessantes. Sobre outros fotógrafos (como Bourouissa) poderíamos desejar um olhar mais crítico. A maioria dos fotógrafos estão já bem estabelecidos, não vamos fazer descobertas aqui (a mais nova, creio eu, é Noémie Goudal, que tem 38 anos); muito poucas coisas sobre a fotografia experimental e a contracultura explorada aqui acima. O quarto capítulo não segue o mesmo padrão, prende-se com a fotografia de paisagem, com efeito um elemento importante da fotografia francesa; oferece uma visão transversal bastante completa e liga este assunto à crise ecológica. Mas estamos um pouco surpresos pela quebra de ritmo e de abordagem após os 3 primeiros capítulos. A conclusão esforça-se inteligentemente por uma história não nacionalista da fotografia.

 

[Nota deontológica: livro recebido das edições da Universidade de Leuven em agradecimento ao meu papel como revisor deste livro antes da publicação.]

 

 

 

Marc Lenot
É desde 2005 autor do blog Lunettes Rouges, publicado pelo jornal Le Monde. Em 2009 obteve o grau de Mestre com uma dissertação sobre o fotógrafo checo Miroslav Tichý, e em 2016 doutorou-se pela Universidade de Paris com uma tese sobre fotografia experimental contemporânea. Membro da AICA, venceu em 2014 o Prémio de Crítica de Arte AICA França, pela sua apresentação do trabalho da artista franco-equatoriana Estefanía Peñafiel Loaiza.