Links

O ESTADO DA ARTE


Daniel Buren. Exposição "Um Teatro sem Teatro". Museu Berardo.

Outros artigos:

2024-05-25


NAEL D’ALMEIDA: “UMA COISA SÓ É GRANDE SE FOR MAIOR DO QUE NÓS”
 

2024-04-23


ÁLBUM DE FAMÍLIA – UMA RECORDAÇÃO DE MARIA DA GRAÇA CARMONA E COSTA
 

2024-03-09


CAMINHOS NATURAIS DA ARTIFICIALIZAÇÃO: CUIDAR A MANIPULAÇÃO E ESMIUÇAR HÍPER OBJETOS DA BIO ARTE
 

2024-01-31


CRAGG ERECTUS
 

2023-12-27


MAC/CCB: O MUSEU DAS NOSSAS VIDAS
 

2023-11-25


'PRATICAR AS MÃOS É PRATICAR AS IDEIAS', OU O QUE É ISTO DO DESENHO? (AINDA)
 

2023-10-13


FOMOS AO MUSEU REAL DE BELAS ARTES DE ANTUÉRPIA
 

2023-09-12


VOYEURISMO MUSEOLÓGICO: UMA VISITA AO DEPOT NO MUSEU BOIJMANS VAN BEUNINGEN, EM ROTERDÃO
 

2023-08-10


TEHCHING HSIEH: HOW DO I EXPLAIN LIFE AND CHANGE IT INTO ART?
 

2023-07-10


BIENAL DE FOTOGRAFIA DO PORTO: REABILITAR A EMPATIA COMO UMA TECNOLOGIA DO OUTRO
 

2023-06-03


ARCOLISBOA, UMA FEIRA DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM PERSPETIVA
 

2023-05-02


SOBRE A FOTOGRAFIA: POIVERT E SMITH
 

2023-03-24


ARTE CONTEMPORÂNEA E INFÂNCIA
 

2023-02-16


QUAL É O CINEMA QUE MORRE COM GODARD?
 

2023-01-20


TECNOLOGIAS MILLENIALS E PÚBLICO CONTEMPORÂNEO. REFLEXÕES SOBRE A EXPOSIÇÃO 'OCUPAÇÃO XILOGRÁFICA' NO SESC BIRIGUI EM SÃO PAULO
 

2022-12-20


VENEZA E A CELEBRAÇÃO DO AMOR
 

2022-11-17


FALAR DE DESENHO: TÃO DEPRESSA SE COMEÇA, COMO ACABA, COMO VOLTA A COMEÇAR
 

2022-10-07


ARTISTA COMO MEDIADOR. PRÁTICAS HORIZONTAIS NA ARTE E EDUCAÇÃO NO BRASIL
 

2022-08-29


19 DE AGOSTO, DIA MUNDIAL DA FOTOGRAFIA
 

2022-07-31


A CULTURA NÃO ESTÁ FORA DA GUERRA, É UM CAMPO DE BATALHA
 

2022-06-30


ARTE DIGITAL E CIRCUITOS ONLINE
 

2022-05-29


MULHERES, VAMPIROS E OUTRAS CRIATURAS QUE REINAM
 

2022-04-29


EGÍDIO ÁLVARO (1937-2020). ‘LEMBRAR O FUTURO: ARQUIVO DE PERFORMANCES’
 

2022-03-27


PRATICA ARTÍSTICA TRANSDISCIPLINAR: A INVESTIGAÇÃO NAS ARTES
 

2022-02-26


OS HÁBITOS CULTURAIS
 DAS ORGANIZAÇÕES CULTURAIS PORTUGUESAS
 

2022-01-27


ESPERANÇA SIGNIFICA MAIS DO QUE OPTIMISMO
 

2021-12-26


ESCOLA DE PROCRASTINAÇÃO, UM ESTUDO
 

2021-11-26


ARTE = CAPITAL
 

2021-10-30


MARLENE DUMAS ENTRE IMPRESSIONISTAS, ROMÂNTICOS E SUMÉRIOS
 

2021-09-25


'A QUE SOA O SISTEMA QUANDO LHE DAMOS OUVIDOS'
 

2021-08-16


MULHERES ARTISTAS: O PARADOXO PORTUGUÊS
 

2021-06-29


VIVER NUMA REALIDADE PÓS-HUMANA: CIÊNCIA, ARTE E ‘OUTRAMENTOS’
 

2021-05-24


FRESTAS, UMA TRIENAL PROJETADA EM COLETIVIDADE. ENTREVISTA COM DIANE LINA E BEATRIZ LEMOS
 

2021-04-23


30 ANOS DO KW
 

2021-03-06


A QUESTÃO INDÍGENA NA ARTE. UM CAMINHO A PERCORRER
 

2021-01-30


DUAS EXPOSIÇÕES NO PORTO E MUITOS ARQUIVOS SOBRE A CIDADE
 

2020-12-29


TEORIA DE UM BIG BANG CULTURAL PÓS-CONTEMPORÂNEO - PARTE II
 

2020-11-29


11ÂȘ BIENAL DE BERLIM
 

2020-10-27


CRITICAL ZONES - OBSERVATORIES FOR EARTHLY POLITICS
 

2020-09-29


NICOLE BRENEZ - CINEMA REVISITED
 

2020-08-26


MENSAGENS REVOLUCIONÁRIAS DE UM TEMPO PERDIDO
 

2020-07-16


LIÇÕES DE MARINA ABRAMOVIC
 

2020-06-10


FRAGMENTOS DO PARAÍSO
 

2020-05-11


TEORIA DE UM BIG BANG CULTURAL PÓS-CONTEMPORÂNEO
 

2020-04-24


QUE MUSEUS DEPOIS DA PANDEMIA?
 

2020-03-24


FUCKIN’ GLOBO 2020 NAS ZONAS DE DESCONFORTO
 

2020-02-21


ELECTRIC: UMA EXPOSIÇÃO DE REALIDADE VIRTUAL NO MUSEU DE SERRALVES
 

2020-01-07


SEMANA DE ARTE DE MIAMI VIA ART BASEL MIAMI BEACH: UMA EXPERIÊNCIA MAIS OU MENOS ESTÉTICA
 

2019-11-12


36Âș PANORAMA DA ARTE BRASILEIRA
 

2019-10-06


PARAÍSO PERDIDO
 

2019-08-22


VIVER E MORRER À LUZ DAS VELAS
 

2019-07-15


NO MODELO NEGRO, O OLHAR DO ARTISTA BRANCO
 

2019-04-16


MICHAEL BIBERSTEIN: A ARTE E A ETERNIDADE!
 

2019-03-14


JOSÉ MAÇÃS DE CARVALHO – O JOGO DO INDIZÍVEL
 

2019-02-08


A IDENTIDADE ENTRE SEXO E PODER
 

2018-12-20


@MIAMIARTWEEK - O FUTURO AGENDADO NO ÉDEN DA ARTE CONTEMPORÂNEA
 

2018-11-17


EDUCAÇÃO SENTIMENTAL. A COLEÇÃO PINTO DA FONSECA
 

2018-10-09


PARTILHAMOS DA CRÍTICA À CENSURA, MAS PARTILHAMOS DA FALTA DE APOIO ÀS ARTES?
 

2018-09-06


O VIGÉSIMO ANIVERSÁRIO DA BIENAL DE BERLIM
 

2018-07-29


VISÕES DE UMA ESPANHA EXPANDIDA
 

2018-06-24


O OLHO DO FOTÓGRAFO TAMBÉM SOFRE DE CONJUNTIVITE, (UMA CONVERSA EM TORNO DO PROJECTO SPECTRUM)
 

2018-05-22


SP-ARTE/2018 E A DIFÍCIL TAREFA DE ESCOLHER O QUE VER
 

2018-04-12


NO CORAÇÂO DESTA TERRA
 

2018-03-09


ÁLVARO LAPA: NO TEMPO TODO
 

2018-02-08


SFMOMA SAN FRANCISCO MUSEUM OF MODERN ART: NARRATIVA DA CONTEMPORANEIDADE
 

2017-12-20


OS ARQUIVOS DA CARNE: TINO SEHGAL CONSTRUCTED SITUATIONS
 

2017-11-14


DA NATUREZA COLABORATIVA DA DANÇA E DO SEU ENSINO
 

2017-10-14


ARTE PARA TEMPOS INSTÁVEIS
 

2017-09-03


INSTAGRAM: CRIAÇÃO E O DISCURSO VIRTUAL – “TO BE, OR NOT TO BE” – O CASO DE CINDY SHERMAN
 

2017-07-26


CONDO: UM NOVO CONCEITO CONCORRENTE À TRADICIONAL FEIRA DE ARTE?
 

2017-06-30


"LEARNING FROM CAPITALISM"
 

2017-06-06


110.5 UM, 110.5 DOIS, 110.5 MILHÕES DE DÓLARES,
 VENDIDO!
 

2017-05-18


INVISUALIDADE DA PINTURA – PARTE 2: "UMA HISTÓRIA DA VISÃO E DA CEGUEIRA"
 

2017-04-26


INVISUALIDADE DA PINTURA – PARTE 1: «O REAL É SEMPRE AQUILO QUE NÃO ESPERÁVAMOS»
 

2017-03-29


ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE O CONCEITO CONTEMPORÂNEO DE FEIRA DE ARTE
 

2017-02-20


SOBRE AS TENDÊNCIAS DA ARTE ACTUAL EM ANGOLA: DA CRIAÇÃO AOS NOVOS CANAIS DE LEGITIMAÇÃO
 

2017-01-07


ARTLAND VERSUS DISNEYLAND
 

2016-12-15


VALORES DA ARTE CONTEMPORÂNEA: UMA CONVERSA COM JOSÉ CARLOS PEREIRA SOBRE A PUBLICAÇÃO DE O VALOR DA ARTE
 

2016-11-05


O VAZIO APOCALÍPTICO
 

2016-09-30


TELEPHONE WITHOUT A WIRE – PARTE 2
 

2016-08-25


TELEPHONE WITHOUT A WIRE – PARTE 1
 

2016-06-24


COLECCIONADORES NA ARCO LISBOA
 

2016-05-17


SONNABEND EM PORTUGAL
 

2016-04-18


COLECCIONADORES AMADORES E PROFISSIONAIS COLECCIONADORES (II)
 

2016-03-15


COLECCIONADORES AMADORES E PROFISSIONAIS COLECCIONADORES (I)
 

2016-02-11


FERNANDO AGUIAR: UM ARQUIVO POÉTICO
 

2016-01-06


JANEIRO 2016: SER COLECCIONADOR É

 

2015-11-28


O FUTURO DOS MUSEUS VISTO DO OUTRO LADO DO ATLÂNTICO
 

2015-10-28


O FUTURO SEGUNDO CANDJA CANDJA
 

2015-09-17


PORQUE É QUE OS BLOCKBUSTERS DE MODA SÃO MAIS POPULARES QUE AS EXPOSIÇÕES DE ARTE, E O QUE É QUE PODEMOS DIZER SOBRE ISSO?
 

2015-08-18


OS DESAFIOS DO EFÉMERO: CONSERVAR A PERFORMANCE ART - PARTE 2
 

2015-07-29


OS DESAFIOS DO EFÉMERO: CONSERVAR A PERFORMANCE ART - PARTE 1
 

2015-06-06


O DESAFINADO RONDÒ ENWEZORIANO. “ALL THE WORLDÂŽS FUTURES” - 56ÂȘ EXPOSIÇÃO INTERNACIONAL DE ARTE DE VENEZA
 

2015-05-13


A 56ÂȘ BIENAL DE VENEZA DE OKWUI ENWEZOR É SOMBRIA, TRISTE E FEIA
 

2015-04-08


A TUMULTUOSA FERTILIDADE DO HORIZONTE
 

2015-03-04


OS MUSEUS, A CRISE E COMO SAIR DELA
 

2015-02-09


GUIDO GUIDI: CARLO SCARPA. TÚMULO BRION
 

2015-01-13


IDEIAS CAPITAIS? OLHANDO EM FRENTE PARA A BIENAL DE VENEZA
 

2014-12-02


FUNDAÇÃO LOUIS VUITTON
 

2014-10-21


UM CONTEMPORÂNEO ENTRE-SERRAS
 

2014-09-22


OS NOSSOS SONHOS NÃO CABEM NAS VOSSAS URNAS: Quando a arte entra pela vida adentro - Parte II
 

2014-09-03


OS NOSSOS SONHOS NÃO CABEM NAS VOSSAS URNAS: Quando a arte entra pela vida adentro – Parte I
 

2014-07-16


ARTISTS' FILM BIENNIAL
 

2014-06-18


PARA UMA INGENUIDADE VOLUNTÁRIA: ERNESTO DE SOUSA E A ARTE POPULAR
 

2014-05-16


AI WEIWEI E A DESTRUIÇÃO DA ARTE
 

2014-04-17


QUAL É A UTILIDADE? MUSEUS ASSUMEM PRÁTICA SOCIAL
 

2014-03-13


A ECONOMIA DOS MUSEUS E DOS PARQUES TEMÁTICOS, NA AMÉRICA E NA “VELHA EUROPA”
 

2014-02-13


É LEGAL? ARTISTA FINALMENTE BATE FOTÓGRAFO
 

2014-01-06


CHOICES
 

2013-09-24


PAIXÃO, FICÇÃO E DINHEIRO SEGUNDO ALAIN BADIOU
 

2013-08-13


VENEZA OU A GEOPOLÍTICA DA ARTE
 

2013-07-10


O BOOM ATUAL DOS NEGÓCIOS DE ARTE NO BRASIL
 

2013-05-06


TRABALHAR EM ARTE
 

2013-03-11


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS: META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (III)
 

2013-02-12


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS: META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (II)
 

2013-01-07


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS. META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (I)
 

2012-11-12


ATENÇÃO: RISCO DE AMNÉSIA
 

2012-10-07


MANIFESTO PARA O DESIGN PORTUGUÊS
 

2012-06-12


MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (II)


 

2012-05-16


MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (I)
 

2012-02-06


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (III - conclusĂŁo)
 

2012-01-04


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (II)
 

2011-12-07


PARAR E PENSAR...NO MUNDO DA ARTE
 

2011-04-04


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (I)
 

2010-10-29


O BURACO NEGRO
 

2010-04-13


MUSEUS PÚBLICOS, DOMÍNIO PRIVADO?
 

2010-03-11


MUSEUS – UMA ESTRATÉGIA, ENFIM
 

2009-11-11


UMA NOVA MINISTRA
 

2009-04-17


A SÍNDROME DOS COCHES
 

2009-02-17


O FOLHETIM DE VENEZA
 

2008-11-25


VANITAS
 

2008-09-15


GOSTO E OSTENTAÇÃO
 

2008-08-05


CRÍTICO EXCELENTÍSSIMO II – O DISCURSO NO PODER
 

2008-06-30


CRÍTICO EXCELENTÍSSIMO I
 

2008-05-21


ARTE DO ESTADO?
 

2008-04-17


A GULBENKIAN, “EM REMODELAÇÃO”
 

2008-03-24


O QUE FAZ CORRER SERRALVES?
 

2008-02-20


UM MINISTRO, ÓBICES E POSSIBILIDADES
 

2008-01-21


DEZ PONTOS SOBRE O MUSEU BERARDO
 

2007-12-17


O NEGÓCIO DO HERMITAGE
 

2007-11-15


ICONOLOGIA OFICIAL
 

2007-10-15


O CASO MNAA OU O SERVILISMO EXEMPLAR
 

DEZ PONTOS SOBRE O MUSEU BERARDO

AUGUSTO M. SEABRA

2008-01-21




O Museu Colecção Berardo surgiu ao fim de um longo processo, envolto em polĂ©mica, atĂ© de raros contornos institucionais, patentes nas reservas manifestadas pelo Presidente da RepĂșblica ao Decreto-Lei nÂș164/2006 de 9 de Agosto, que instituiu a Fundação de Arte Moderna e ContemporĂąnea – Colecção Berardo, e clamorosamente prosseguida, no dia seguinte Ă  inauguração, pelo confronto entre o presidente do CCB, AntĂłnio Mega Ferreira, e o investidor e coleccionador – isto para alĂ©m de todas as polĂ©micas que as intervençÔes de Berardo no campo artĂ­stico suscitaram, e possam continuar a suscitar.

Creio que entretanto, mais de seis meses passados sobre a abertura pĂșblica, e manifestada tambĂ©m uma polĂ­tica de exposiçÔes temporĂĄrias, se impĂ”e um outro tipo de reflexĂŁo, elencando, e de algum modo considerando com relativa autonomia o que sĂŁo as questĂ”es estruturais e as circunstanciais – sabendo-se ainda como as indecisĂ”es e demoras das polĂ­ticas culturais pĂșblicas em Portugal acabam muitas vezes por imbricar umas questĂ”es nas outras.

É mais do que evidente que nĂŁo existia no paĂ­s um museu de arte moderna e contemporĂąnea com um acervo em exposição pĂșblica minimamente representativo, jĂĄ que outra Ă© a manifesta e importante vocação de Serralves, e sĂŁo por demais conhecidas as diversas indefiniçÔes e limitaçÔes do Museu do Chiado. Igualmente, e para alĂ©m dos compromissos directos que cabem ao Estado e que nĂŁo devem ser esquecidos, Ă© sabido que importantes museus pĂșblicos tĂȘm origem em colecçÔes privadas. Portanto, primeiro ponto, nĂŁo havendo em Portugal outra colecção como a de Berardo, um acordo entre aquele e o Estado era de todo o interesse pĂșblico.

Sabe-se como, após repetidos adiamentos, o processo concreto de negociação foi desencadeado sob a ameaça da colecção sair do país, e como nessas condiçÔes, e na conhecida incapacidade política actual do Ministério da Cultura, os termos do acordo não foram devidamente acautelados, nomeadamente no tocante à renegociação dentro de dez anos. Esse é o segundo ponto, a ser devidamente retido, mas que também não anula o primeiro.

É igualmente sabido como a concreta instalação no CCB de facto amputou aquela estrutura pĂșblica de uma valia estruturante e criou uma difĂ­cil – e conflituosa, como se comprovou – co-existĂȘncia entre as duas diferentes fundaçÔes, terceiro ponto. Acresce ainda a nĂŁo pouco problemĂĄtica questĂŁo, quarto ponto, de discutir se na rede de valias culturais na malha urbana aquela era de facto a melhor localização, o que de resto implica tantos aspectos, desde o projecto “BelĂ©m Redescoberta”, promovido pelos ministĂ©rios da Cultura e da Economia (e que Ă© outra achega Ă  crescente presença dos ditames do MinistĂ©rio da Economia e Inovação na ĂĄrea da cultura), Ă  relação entre os pĂłlos oriental e ocidental da cidade, que por si sĂł implica um debate com outros desenvolvimentos.
Passando entĂŁo ao concreto do Museu Colecção Berardo, com todas as irregularidades que resultam de uma polĂ­tica de aquisiçÔes rĂĄpida e, portanto, sujeita a vĂĄrias flutuaçÔes do mercado, os percursos expositivos entretanto patentes mostram nĂșcleos ainda muito inconsistentes, mas tambĂ©m, o do minimalismo e, sobretudo, o da pop arte, outros de incontestĂĄvel relevo – quinto ponto.

Estes serĂŁo os pontos estruturais. Consideremos agora alguns passĂ­veis de serem considerados circunstanciais, ainda que sem dĂșvida pesem tambĂ©m numa mais concreta ponderação dos outros.

Extravasando agora o quadro deste Museu, diga-se que em 2007 houve em Portugal duas exposiçÔes de excepcional importĂąncia, de resto ainda patentes: “Robert Rauschenberg Travelling 70’- 76’” em Serralves (atĂ© 30-03) e “Um Teatro sem Teatro” que veio do MACBA, Museu de Arte ContemporĂąnea de Barcelona, para o Museu Berardo (atĂ© 17-02). Na situação semi-perifĂ©rica de Portugal, semi-perifĂ©rica tambĂ©m no circuito internacional das exposiçÔes, hĂĄ que assinalar uma tal conjunção, pois que as polĂ­ticas expositivas da arte contemporĂąnea nĂŁo podem ser reduzidas Ă  disponibilização pĂșblica dos acervos. Este aspecto, deveras importante, tem pois de ser ponderado em relação concretamente ao Museu Berardo, tanto mais que uma das dĂșvidas maiores que se colocou ao seu enxerto no CCB foi o da ocupação logĂ­stica de uma plataforma de exposiçÔes temporĂĄrias.

Cabe pois assinalar, sexto ponto, que uma das mais importantes exposiçÔes internacionais do ano (escolhida mesmo como a melhor do ano no blog “Lunettes Rouges” do “Le Monde” - http://lunettesrouges.blog.lemonde.fr/2008/01/01/), veio logo depois para Lisboa. Ora, independentemente de uma consideração da exposição em si mesma, parece-me evidente, jĂĄ que sou em especial sensĂ­vel Ă  proposta geral e a alguns aspectos particulares de “Um Teatro sem Teatro”, que hĂĄ matĂ©rias e referĂȘncias do maior relevo que sĂŁo atrofiadas num espaço expositivo de relativa exiguidade – sĂ©timo ponto, o da capacidade de acolhimento, que todavia desde logo implica o quarto, da implantação do Museu no espaço do CCB.

Para todos os efeitos, a real evidĂȘncia da inscrição internacional do Museu prende-se tambĂ©m com as competĂȘncias do director, Jean-François Chougnet, certamente um valor seguro – oitavo ponto.
É matĂ©ria de especulação – mesmo que seja difĂ­cil arredĂĄ-la de algumas ponderaçÔes – saber se, face Ă  acentuada hiper-presidencialização do CCB com Mega Ferreira, nĂŁo serĂĄ mesmo preferĂ­vel ter alguĂ©m com uma reconhecida competĂȘncia especĂ­fica a dirigir uma entidade expositiva e museolĂłgica, e isso nĂŁo desmente de qualquer maneira o terceiro ponto, de um equipamento pĂșblico polivalente ter sido amputado.

O que tambĂ©m nĂŁo deixa de se verificar, quer com outra exposição jĂĄ apresentada, “Caminhos ExcĂȘntricos” (infeliz amostragem de artistas da Europa Central, oscilando entre a retĂłrica usual das “identidades” e o compromisso polĂ­tico-diplomĂĄtico) quer com a programação anunciada para o novo ano, Ă© que, nono ponto, se a amputação estrutural ocorreu, vĂĄrias das funçÔes que eram do Centro de ExposiçÔes do CCB serĂŁo de facto preenchidas pelo novo Museu, atĂ© em aspectos menos interessantes, o que tambĂ©m nĂŁo deve ser alheado da reflexĂŁo.

Enfim, nĂŁo creio que, dĂ©cimo ponto, possa ser desconsiderada a adesĂŁo pĂșblica que o Museu tem suscitado, pesem ainda os equĂ­vocos inerentes Ă  “gratuitidade”, ou seja, que o primeiro ponto, o da constituição de uma entidade pĂșblica a partir da Colecção Berardo, estĂĄ confirmado na capacidade de “publicamente disponibilizar” – o que Ă© um dado fulcral Ă s polĂ­ticas da cultura.
Nada disto faz esquecer os termos da negociação, mas a apreciação do Museu Berardo deve também ser autonomizada das susceptibilidades que suscita a pessoa concreta do investidor.