Links

ARQUITETURA E DESIGN




My Dreams of Levitation, primeiro trabalho do artista/arquitecto SEAN GRIFFITHS. Instalação no ROOMARTSPACE, Londres, 9 Dez a 24 Jan.


My Dreams of Levitation, primeiro trabalho do artista/arquitecto SEAN GRIFFITHS. Instalação no ROOMARTSPACE, Londres, 9 Dez a 24 Jan.


My Dreams of Levitation, primeiro trabalho do artista/arquitecto SEAN GRIFFITHS. Instalação no ROOMARTSPACE, Londres, 9 Dez a 24 Jan.


My Dreams of Levitation, primeiro trabalho do artista/arquitecto SEAN GRIFFITHS. Instalação no ROOMARTSPACE, Londres, 9 Dez a 24 Jan.

Outros artigos:

2017-09-10


“VINTE E TRÊS”. AUSÊNCIAS E APARIÇÕES NUMA MOSTRA DE JOALHARIA IBEROAMERICANA PELA PIN ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE JOALHARIA CONTEMPORÂNEA


2017-08-01


23 – JOALHARIA CONTEMPORÂNEA NA IBERO-AMÉRICA


2017-06-30


PASSAGENS DE SERRALVES PELO TERMINAL DE CRUZEIROS DO PORTO DE LEIXÕES


2017-05-30


EVERYTHING IN THE GARDEN IS ROSY: AS PERIFERIAS EM IMAGENS


2017-04-18


“ÁRVORE” (2002), UMA OBRA COM A AUTORIA EM SUSPENSO


2017-03-17


ÁLVARO SIZA : VISÕES DA ALHAMBRA


2017-02-14


“NÃO TOCAR”: O NOVO MUSEU DO DESIGN EM LONDRES


2017-01-17


MAXXI ROMA


2016-12-10


NOTAS SOBRE ESPAÇO E MOVIMENTO


2016-11-15


X BIAU EM SÃO PAULO: JOÃO LUÍS CARRILHO DA GRAÇA À CONVERSA COM PAULO MENDES DA ROCHA E EDUARDO SOUTO DE MOURA


2016-10-11


CENAS PARA UM NOVO PATRIMÓNIO


2016-08-31


DREAM OUT LOUD E O DESIGN SOCIAL NO STEDELIJK MUSEUM


2016-06-24


MATÉRIA-PRIMA. UM OLHAR SOBRE O ARQUIVO DE ÁLVARO SIZA


2016-05-28


NA PEGADA DE LE CORBUSIER


2016-04-29


O EFEITO BREUER – PARTE 2


2016-03-24


O EFEITO BREUER - PARTE 1


2016-02-16


GEORGE BEYLERIAN CELEBRA O DESIGN ITALIANO COM LANÇAMENTO DE “DESIGN MEMORABILIA”


2016-01-08


RESOLUÇÕES DE ANO NOVO PARA A ARQUITETURA E DESIGN EM 2016


2015-11-30


BITTE LEBN. POR FAVOR, VIVE.


2015-10-30


A FORMA IDEAL


2015-09-14


DOS FANTASMAS DE SERRALVES AO CLIENTE COMO ARQUITECTO


2015-08-01


“EXTRA ORDINARY” - JOVENS DESIGNERS EXPLORAM MATERIAIS, PRODUTOS E PROCESSOS


2015-06-25


PODE A TIPOGRAFIA AJUDAR-NOS A CRIAR EMPATIA COM OS OUTROS?


2015-05-20


BIJOY JAIN, STUDIO MUMBAI


2015-03-12


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE II/II)


2015-02-11


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE I/II)


2015-01-11


ESPECTADOR


2014-12-09


ARQUITECTAS: ENSAIO PARA UM MANUAL REVOLUCIONÁRIO


2014-11-10


A MARCA QUE TEM O MEU NOME


2014-10-04


NEWS FROM VENICE


2014-09-08


A INCONSCIÊNCIA DE ZENO. MÁQUINAS DE SUBJECTIVIDADE NO SUPERSTUDIO*


2014-07-30


ENTREVISTA A JOSÉ ANTÓNIO PINTO


2014-06-17


ÍNDICES, LISTAGENS E DIAGRAMAS: the world is all there is the case


2014-05-15


FILME COMO ARQUITECTURA, ARQUITECTURA COMO AUTOBIOGRAFIA


2014-04-14


O MUNDO NA MÃO


2014-03-13


A CASA DA PORTA DO MAR


2014-02-13


O VERNACULAR CONTEMPORÂNEO


2014-01-07


PÓS-TRIENAL 2013 [RELAÇÕES INSTÁVEIS ENTRE EVENTOS, ARQUITECTURAS E CIDADES]


2013-11-12


UMA SUBTIL INTERFERÊNCIA: A MONTAGEM DA EXPOSIÇÃO “FERNANDO TÁVORA: MODERNIDADE PERMANENTE” EM GUIMARÃES OU UMA EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA NUMA ESCOLA EM PLENO FUNCIONAMENTO


2013-09-24


DESIGN E DELITO


2013-08-12


“NADA MUDAR PARA QUE TUDO SEJA DIFERENTE”: CONVERSA COM BEYOND ENTROPY


2013-08-11


“CHANGING NOTHING SO THAT EVERYTHING IS DIFFERENT”: CONVERSATION WITH BEYOND ENTROPY


2013-07-04


CORTA MATO. Design industrial do ponto de vista do utilizador


2013-05-20


VÍTOR FIGUEIREDO: A MISÉRIA DO SUPÉRFLUO


2013-04-02


O DESIGNER SOCIAL


2013-03-11


DRESS SEXY AT MY FUNERAL: PARA QUE SERVE A BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA?


2013-02-08


O CONSUMIDOR EMANCIPADO


2013-01-08


SOBRE-QUALIFICAÇÃO E REBUSCO


2012-10-29


“REGIONALISM REDIVIVUS”: UM OUTRO OLHAR SOBRE UM TEMA PERSISTENTE


2012-10-08


LEVINA VALENTIM E JOAQUIM PAULO NOGUEIRA


2012-10-07


HOMENAGEM A ROBIN FIOR (1935-2012)


2012-09-08


A PROMESSA DA ARQUITECTURA. CONSIDERAÇÕES SOBRE A GERAÇÃO POR VIR


2012-07-01


ENTREVISTA | ANDRÉ TAVARES


2012-06-10


O DESIGN DA HISTÓRIA DO DESIGN


2012-05-07


O SER URBANO: UMA EXPOSIÇÃO COMO OBRA ABERTA. NO CAMINHO DOS CAMINHOS DE NUNO PORTAS


2012-04-05


UM OBJECTO DE RONAN E ERWAN BOUROULLEC


2012-03-05


DEZ ANOS DE NUDEZ


2012-02-13


ENCONTROS DE DESIGN DE LISBOA ::: DESIGN, CRISE E DEPOIS


2012-01-06


ARCHIZINES – QUAL O TAMANHO DA PEQUENÊS?


2011-12-02


STUDIO ASTOLFI


2011-11-01


TRAMA E EMOÇÃO – TRÊS DISCURSOS


2011-09-07


COMO COMPOR A CONTEMPLAÇÃO? – UMA HISTÓRIA SOBRE O PAVILHÃO TEMPORÁRIO DA SERPENTINE GALLERY E O PROCESSO CRIATIVO DE PETER ZUMTHOR


2011-07-18


EDUARDO SOUTO DE MOURA – PRITZKER 2011. UMA SISTEMATIZAÇÃO A PROPÓSITO DA VISITA DE JUHANI PALLASMAA


2011-06-03


JAHARA STUDIO


2011-05-05


FALEMOS DE 1 MILHÃO DE CASAS. NOTAS SOBRE O CONCURSO E EXPOSIÇÃO “A HOUSE IN LUANDA: PATIO AND PAVILLION”


2011-04-04


A PROPÓSITO DA CONFERÊNCIA “ARQUITECTURA [IN] ]OUT[ POLÍTICA”: UMA LEITURA DISCIPLINAR SOBRE A MEDIAÇÃO E A ESPECIFICIDADE


2011-03-09


HUGO MADUREIRA: O ARTISTA-JOALHEIRO


2011-02-07


O QUE MUDOU, O QUE NÃO MUDOU E O QUE PRECISA MUDAR


2011-01-11


nada


2010-12-02


PEQUENO ELOGIO DO ARCAICO


2010-11-02


CABRACEGA


2010-10-01


12ª BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA — “PEOPLE MEET IN ARCHITECTURE”


2010-08-02


ENTREVISTA | FILIPA GUERREIRO E TIAGO CORREIA


2010-07-09


ATYPYK PRODUCTS ARE NOT MADE IN CHINA


2010-06-03


OS PRÓXIMOS 20 ANOS. NOTAS SOBRE OS “DISCURSOS (RE)VISITADOS”


2010-05-07


OBJECTOS SEM MEDO


2010-04-01


O POTENCIAL TRANSFORMADOR DO EFÉMERO: A PROPÓSITO DO PAVILHÃO SERPENTINE EM LONDRES


2010-03-04


PEDRO + RITA = PEDRITA


2010-02-03


PARA UMA ARQUITECTURA SWISSPORT


2009-12-12


SOU FUJIMOTO


2009-11-10


THE HOME PROJECT


2009-10-01


ESTRATÉGIA PARA HABITAÇÃO EVOLUTIVA – ÍNDIA


2009-09-01


NA MANGA DE LIDIJA KOLOVRAT


2009-07-24


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR (Parte II)


2009-06-16


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR


2009-05-19


O QUE É QUE SE SEGUE?


2009-04-17


À MESA COM SAM BARON


2009-03-24


HISTÓRIAS DE UMA MALA


2009-02-18


NOTAS SOBRE PROJECTOS, ESPAÇOS, VIVÊNCIAS


2009-01-26


OUTONO ESCALDANTE OU LAPSO CRÍTICO? 90 DIAS DE DEBATE DE IDEIAS NA ARQUITECTURA PORTUENSE


2009-01-16


APRENDER COM A PASTELARIA SEMI-INDUSTRIAL PORTUGUESA OU PORQUE É QUE SÓ HÁ UMA RECEITA NO LIVRO FABRICO PRÓPRIO


2008-11-20


ÁLVARO SIZA E O BRASIL


2008-10-21


A FORMA BONITA – PETER ZUMTHOR EM LISBOA


2008-09-18


“DELIRIOUS NEW YORK” EXPLICADO ÀS CRIANÇAS


2008-08-15


A ROOM WITH A VIEW


2008-07-16


DEBATER CRIATIVAMENTE A CIDADE: A EXPERIÊNCIA PORTO REDUX


2008-06-17


FOTOGRAFIA DE ARQUITECTURA, DEFEITO E FEITIO


2008-05-14


A PROPÓSITO DA DEMOLIÇÃO DO ROBIN HOOD GARDENS


2008-04-08


INTERFACES URBANOS: O CASO DE MACAU


2008-03-01


AS CORES DA COR


2008-02-02


Notas sobre a produção arquitectónica portuguesa e sua cartografia na Architectural Association


2008-01-03


TARZANS OF THE MEDIA JUNGLE


2007-12-04


MÚSICA INTERIOR


2007-11-04


O CIRURGIÃO INGLÊS


2007-10-02


NÓS E OS CARROS


2007-09-01


Considerações sobre Tempo e Limite na produção e recepção da Arquitectura


2007-08-01


A SUBLIMAÇÃO DA CONTEMPORANEIDADE


2007-07-01


UMA MITOLOGIA DE CARNE E OSSO


2007-06-01


O LUGAR COMO ARMADILHA


2007-05-02


ESPAÇOS DE FILMAR


2007-04-02


ARTES DO ESPAÇO: ARQUITECTURA/CENOGRAFIA


2007-03-01


TERRAIN VAGUE – Notas de Investigação para uma Identidade


2007-02-02


ERRARE HUMANUM EST…


2007-01-02


QUANDO A CIDADE É TELA PARA ARTE CONTEMPORÂNEA


2006-12-02


ARQUITECTURA: ESPAÇO E RITUAL


2006-11-02


IN SUSTENTÁVEL ( I )


2006-10-01


VISÕES DO FUTURO - AS NOVAS CIDADES ASIÁTICAS


2006-09-03


NOTAS SOLTAS SOBRE ARQUITECTURA E TECNOLOGIA


2006-07-30


O BANAL E A ARQUITECTURA


2006-07-01


NOVAS MORFOLOGIAS NO PORTO INDUSTRIAL DE LISBOA


2006-06-02


SOBRE O ESPAÇO DE REPRESENTAÇÃO MODERNO


2006-04-27


MODOS DE “VER” O ESPAÇO - A PROPÓSITO DE MONTAGENS FOTOGRÁFICAS


share |

O FIM DA ARQUITECTURA

SAM JACOB


 

 

Uma moldura de porta está pendura desde o tecto numa sala dilapidada. Os seus pilares de madeira balançam como as pernas de uma vítima de suicídio. A cena é um pouco estranha e não tanto deprimente. É o mesmo sentimento de domesticity-gone-wrong, quando faz uma cena de crime.

Integra a primeira exposição do meu antigo colega Sean Griffiths (My Dreams of Levitation, 2014, Room Artspace, London), com quem eu partilho uma longa história como co-director do escritório de arquitectura (e outras coisas) FAT. Durante os 20 anos da prática do FAT, o estúdio mutou desde as suas origens – típico modo de meados de 1990 - de uma práctica interdisciplinar próspera na fronteira obscura entre arte e arquitetura, para algo que se aproxima ao mainstream arquitectónico. Fechamos o escritório no ano passado, saindo em alta ao comissariar o pavilhão britânico na Bienal de Arquitetura de Veneza e projectar uma casa com Grayson Perry.

Afinal a nossa aposta inicial sobre uma prática de arte/arquitectura estava exactamente certa e ao mesmo tempo totalmente errada. Certa, no sentido de que a arquitetura, design e arte têm, em certas circunstâncias, uma fusão. Esta reuniu alianças de artistas, arquitectos, engenheiros e autarcas para produzir um novo tipo de práctica: do tipo que cria coisas enormes e espetaculares que se executam numa escala urbana. Coisas como Cloud Gate (2006) de Anish Kapoor, em Chicago no Millennium Park, ou o londrino Garden Bridge proposto pelo Heatherwick Studio.

Junto a isto, poderíamos apoiar o tipo de arquitectura que sai dos estúdios como aqueles liderados por Zaha Hadid e Frank Gehry. São projetos para cidades que disputam a pole position. Poderíamos considerá-las como uma forma esvaziada de prática que alijou quaisquer reclamações a preocupações disciplinares mais amplas na busca de espectáculo global.

Mas enquanto este tipo excepcional de projecto surgiu, o resto do mundo arquitectónico ficou pequeno, como Norma Desmond poderia ter dito. Isto para dizer, a aversão ao risco da arquitetura tornou-se tão endémica que não é de admirar muita da nova construção ser anémica e repetitiva, a ponto de um escritório de arquitetura se tornar o pior lugar para se pensar sobre arquitetura.

Esta separação extrema entre espectáculo cintilante e pulverização de mediocridade deixa o trabalho real - de dar identidade aos lugares, e de criação que preencha cenários sociais, em realizar compromissos e significativas proposições urbanas – infelizmente vazio.

A parte preponderante da instalação de Griffiths é um offset tridimensional de um quarto construído dentro da mesma sala. Os adereços usuais de rodapé, moldura de janela e cornija foram cortados e soltos das paredes que normalmente os ancoram, e invés flutuam no espaço. Estas faixas tradicionais de madeira domesticada foram montadas como um wireframe, modelo avariado, formando uma dupla exposição espacial da sala.

As aberturas de porta tornam-se congestionadas por múltiplas molduras de porta que passam pelas suas aberturas, as janelas tornam-se ofuscadas por outras versões de si mesmas suspensas em frente. Através do seu corredor offset, o espaço da sala que normalmente permanece como fundo para a vida que acontece dentro dele torna-se visível e legível. Ele torna-se um tipo muito unheimlich de semi-desconexão, onde o espaço doméstico comum é assombrado por um fantasma de si mesmo.

É a instalação de Griffiths uma nota de suicídio arquitectónica? Está ele a pronunciar como morto o cadáver da arquitectura à chegada?

Existem muitas referências aqui. Existem sombras das intervenções arquitecturais de Gordon Matta-Clark, de Dan Graham e as suas estranhas complexidades internalizadas no espaço. Existem momentos de arquitectura também: de Frank Gehry experiências iniciais de sawn-and-nailgunned Home Depot, de Peter Eisenman o método indexical e de Venturi e Scott Brown a ’casa fantasma’ de Franklin Court.

Talvez a morte não seja uma coisa má. Ao morrer, poderia a arquitectura reencarnar como arte? Poderia o arquitecto renascer como um artista imaginando um novo tipo de práctica? Talvez, Griffiths diz-nos, seja mais fácil fazer arquitectura, abordando-a pela arte. Talvez, liberto do jugo do profissionalismo, algo mais arquitectónico possa emergir. Talvez seja necessário matar o que se ama.

Isso é arte sobre a ideia de arquitectura, e no seu interior são sugestões de como tornar-se um ex-arquitecto pode ser um modo de definir um novo papel na criação de espaço e cidades, e como a profissionalização pode ser o caminho para a arquitectura obter o seu verdadeiro encanto de volta.
[tradução portuguesa do original inglês]

 


Sam Jacob
Crítico da revista Art Review e colaborador de outras publicações.

 


::::

 

Este artigo foi originalmente publicado na ArtReview, Março 2015.