Links

ARQUITETURA E DESIGN




Dear Ingo (2003)


Run Over by Car (2001)


Wallpiercing (2010)


"20 Houses for 20 Friends" (2009)


Birth of a Chair (2009)


Fruit Bowl


Fruit Bowl

Outros artigos:

2017-06-30


PASSAGENS DE SERRALVES PELO TERMINAL DE CRUZEIROS DO PORTO DE LEIXÕES


2017-05-30


EVERYTHING IN THE GARDEN IS ROSY: AS PERIFERIAS EM IMAGENS


2017-04-18


“ÁRVORE” (2002), UMA OBRA COM A AUTORIA EM SUSPENSO


2017-03-17


ÁLVARO SIZA : VISÕES DA ALHAMBRA


2017-02-14


“NÃO TOCAR”: O NOVO MUSEU DO DESIGN EM LONDRES


2017-01-17


MAXXI ROMA


2016-12-10


NOTAS SOBRE ESPAÇO E MOVIMENTO


2016-11-15


X BIAU EM SÃO PAULO: JOÃO LUÍS CARRILHO DA GRAÇA À CONVERSA COM PAULO MENDES DA ROCHA E EDUARDO SOUTO DE MOURA


2016-10-11


CENAS PARA UM NOVO PATRIMÓNIO


2016-08-31


DREAM OUT LOUD E O DESIGN SOCIAL NO STEDELIJK MUSEUM


2016-06-24


MATÉRIA-PRIMA. UM OLHAR SOBRE O ARQUIVO DE ÁLVARO SIZA


2016-05-28


NA PEGADA DE LE CORBUSIER


2016-04-29


O EFEITO BREUER – PARTE 2


2016-03-24


O EFEITO BREUER - PARTE 1


2016-02-16


GEORGE BEYLERIAN CELEBRA O DESIGN ITALIANO COM LANÇAMENTO DE “DESIGN MEMORABILIA”


2016-01-08


RESOLUÇÕES DE ANO NOVO PARA A ARQUITETURA E DESIGN EM 2016


2015-11-30


BITTE LEBN. POR FAVOR, VIVE.


2015-09-14


DOS FANTASMAS DE SERRALVES AO CLIENTE COMO ARQUITECTO


2015-08-01


“EXTRA ORDINARY” - JOVENS DESIGNERS EXPLORAM MATERIAIS, PRODUTOS E PROCESSOS


2015-06-25


PODE A TIPOGRAFIA AJUDAR-NOS A CRIAR EMPATIA COM OS OUTROS?


2015-05-20


BIJOY JAIN, STUDIO MUMBAI


2015-04-14


O FIM DA ARQUITECTURA


2015-03-12


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE II/II)


2015-02-11


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE I/II)


2015-01-11


ESPECTADOR


2014-12-09


ARQUITECTAS: ENSAIO PARA UM MANUAL REVOLUCIONÁRIO


2014-11-10


A MARCA QUE TEM O MEU NOME


2014-10-04


NEWS FROM VENICE


2014-09-08


A INCONSCIÊNCIA DE ZENO. MÁQUINAS DE SUBJECTIVIDADE NO SUPERSTUDIO*


2014-07-30


ENTREVISTA A JOSÉ ANTÓNIO PINTO


2014-06-17


ÍNDICES, LISTAGENS E DIAGRAMAS: the world is all there is the case


2014-05-15


FILME COMO ARQUITECTURA, ARQUITECTURA COMO AUTOBIOGRAFIA


2014-04-14


O MUNDO NA MÃO


2014-03-13


A CASA DA PORTA DO MAR


2014-02-13


O VERNACULAR CONTEMPORÂNEO


2014-01-07


PÓS-TRIENAL 2013 [RELAÇÕES INSTÁVEIS ENTRE EVENTOS, ARQUITECTURAS E CIDADES]


2013-11-12


UMA SUBTIL INTERFERÊNCIA: A MONTAGEM DA EXPOSIÇÃO “FERNANDO TÁVORA: MODERNIDADE PERMANENTE” EM GUIMARÃES OU UMA EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA NUMA ESCOLA EM PLENO FUNCIONAMENTO


2013-09-24


DESIGN E DELITO


2013-08-12


“NADA MUDAR PARA QUE TUDO SEJA DIFERENTE”: CONVERSA COM BEYOND ENTROPY


2013-08-11


“CHANGING NOTHING SO THAT EVERYTHING IS DIFFERENT”: CONVERSATION WITH BEYOND ENTROPY


2013-07-04


CORTA MATO. Design industrial do ponto de vista do utilizador


2013-05-20


VÍTOR FIGUEIREDO: A MISÉRIA DO SUPÉRFLUO


2013-04-02


O DESIGNER SOCIAL


2013-03-11


DRESS SEXY AT MY FUNERAL: PARA QUE SERVE A BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA?


2013-02-08


O CONSUMIDOR EMANCIPADO


2013-01-08


SOBRE-QUALIFICAÇÃO E REBUSCO


2012-10-29


“REGIONALISM REDIVIVUS”: UM OUTRO OLHAR SOBRE UM TEMA PERSISTENTE


2012-10-08


LEVINA VALENTIM E JOAQUIM PAULO NOGUEIRA


2012-10-07


HOMENAGEM A ROBIN FIOR (1935-2012)


2012-09-08


A PROMESSA DA ARQUITECTURA. CONSIDERAÇÕES SOBRE A GERAÇÃO POR VIR


2012-07-01


ENTREVISTA | ANDRÉ TAVARES


2012-06-10


O DESIGN DA HISTÓRIA DO DESIGN


2012-05-07


O SER URBANO: UMA EXPOSIÇÃO COMO OBRA ABERTA. NO CAMINHO DOS CAMINHOS DE NUNO PORTAS


2012-04-05


UM OBJECTO DE RONAN E ERWAN BOUROULLEC


2012-03-05


DEZ ANOS DE NUDEZ


2012-02-13


ENCONTROS DE DESIGN DE LISBOA ::: DESIGN, CRISE E DEPOIS


2012-01-06


ARCHIZINES – QUAL O TAMANHO DA PEQUENÊS?


2011-12-02


STUDIO ASTOLFI


2011-11-01


TRAMA E EMOÇÃO – TRÊS DISCURSOS


2011-09-07


COMO COMPOR A CONTEMPLAÇÃO? – UMA HISTÓRIA SOBRE O PAVILHÃO TEMPORÁRIO DA SERPENTINE GALLERY E O PROCESSO CRIATIVO DE PETER ZUMTHOR


2011-07-18


EDUARDO SOUTO DE MOURA – PRITZKER 2011. UMA SISTEMATIZAÇÃO A PROPÓSITO DA VISITA DE JUHANI PALLASMAA


2011-06-03


JAHARA STUDIO


2011-05-05


FALEMOS DE 1 MILHÃO DE CASAS. NOTAS SOBRE O CONCURSO E EXPOSIÇÃO “A HOUSE IN LUANDA: PATIO AND PAVILLION”


2011-04-04


A PROPÓSITO DA CONFERÊNCIA “ARQUITECTURA [IN] ]OUT[ POLÍTICA”: UMA LEITURA DISCIPLINAR SOBRE A MEDIAÇÃO E A ESPECIFICIDADE


2011-03-09


HUGO MADUREIRA: O ARTISTA-JOALHEIRO


2011-02-07


O QUE MUDOU, O QUE NÃO MUDOU E O QUE PRECISA MUDAR


2011-01-11


nada


2010-12-02


PEQUENO ELOGIO DO ARCAICO


2010-11-02


CABRACEGA


2010-10-01


12ª BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA — “PEOPLE MEET IN ARCHITECTURE”


2010-08-02


ENTREVISTA | FILIPA GUERREIRO E TIAGO CORREIA


2010-07-09


ATYPYK PRODUCTS ARE NOT MADE IN CHINA


2010-06-03


OS PRÓXIMOS 20 ANOS. NOTAS SOBRE OS “DISCURSOS (RE)VISITADOS”


2010-05-07


OBJECTOS SEM MEDO


2010-04-01


O POTENCIAL TRANSFORMADOR DO EFÉMERO: A PROPÓSITO DO PAVILHÃO SERPENTINE EM LONDRES


2010-03-04


PEDRO + RITA = PEDRITA


2010-02-03


PARA UMA ARQUITECTURA SWISSPORT


2009-12-12


SOU FUJIMOTO


2009-11-10


THE HOME PROJECT


2009-10-01


ESTRATÉGIA PARA HABITAÇÃO EVOLUTIVA – ÍNDIA


2009-09-01


NA MANGA DE LIDIJA KOLOVRAT


2009-07-24


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR (Parte II)


2009-06-16


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR


2009-05-19


O QUE É QUE SE SEGUE?


2009-04-17


À MESA COM SAM BARON


2009-03-24


HISTÓRIAS DE UMA MALA


2009-02-18


NOTAS SOBRE PROJECTOS, ESPAÇOS, VIVÊNCIAS


2009-01-26


OUTONO ESCALDANTE OU LAPSO CRÍTICO? 90 DIAS DE DEBATE DE IDEIAS NA ARQUITECTURA PORTUENSE


2009-01-16


APRENDER COM A PASTELARIA SEMI-INDUSTRIAL PORTUGUESA OU PORQUE É QUE SÓ HÁ UMA RECEITA NO LIVRO FABRICO PRÓPRIO


2008-11-20


ÁLVARO SIZA E O BRASIL


2008-10-21


A FORMA BONITA – PETER ZUMTHOR EM LISBOA


2008-09-18


“DELIRIOUS NEW YORK” EXPLICADO ÀS CRIANÇAS


2008-08-15


A ROOM WITH A VIEW


2008-07-16


DEBATER CRIATIVAMENTE A CIDADE: A EXPERIÊNCIA PORTO REDUX


2008-06-17


FOTOGRAFIA DE ARQUITECTURA, DEFEITO E FEITIO


2008-05-14


A PROPÓSITO DA DEMOLIÇÃO DO ROBIN HOOD GARDENS


2008-04-08


INTERFACES URBANOS: O CASO DE MACAU


2008-03-01


AS CORES DA COR


2008-02-02


Notas sobre a produção arquitectónica portuguesa e sua cartografia na Architectural Association


2008-01-03


TARZANS OF THE MEDIA JUNGLE


2007-12-04


MÚSICA INTERIOR


2007-11-04


O CIRURGIÃO INGLÊS


2007-10-02


NÓS E OS CARROS


2007-09-01


Considerações sobre Tempo e Limite na produção e recepção da Arquitectura


2007-08-01


A SUBLIMAÇÃO DA CONTEMPORANEIDADE


2007-07-01


UMA MITOLOGIA DE CARNE E OSSO


2007-06-01


O LUGAR COMO ARMADILHA


2007-05-02


ESPAÇOS DE FILMAR


2007-04-02


ARTES DO ESPAÇO: ARQUITECTURA/CENOGRAFIA


2007-03-01


TERRAIN VAGUE – Notas de Investigação para uma Identidade


2007-02-02


ERRARE HUMANUM EST…


2007-01-02


QUANDO A CIDADE É TELA PARA ARTE CONTEMPORÂNEA


2006-12-02


ARQUITECTURA: ESPAÇO E RITUAL


2006-11-02


IN SUSTENTÁVEL ( I )


2006-10-01


VISÕES DO FUTURO - AS NOVAS CIDADES ASIÁTICAS


2006-09-03


NOTAS SOLTAS SOBRE ARQUITECTURA E TECNOLOGIA


2006-07-30


O BANAL E A ARQUITECTURA


2006-07-01


NOVAS MORFOLOGIAS NO PORTO INDUSTRIAL DE LISBOA


2006-06-02


SOBRE O ESPAÇO DE REPRESENTAÇÃO MODERNO


2006-04-27


MODOS DE “VER” O ESPAÇO - A PROPÓSITO DE MONTAGENS FOTOGRÁFICAS


share |

A FORMA IDEAL

STEVE WATSON


 

Quando o designer RON GILAD se mudou de Tel Aviv para Nova York em 2001, sentiu-se como um extraterrestre; não conseguia encontrar bem as palavras em inglês para expressar a visualidade-trocadilho dos seus pensamentos. Felizmente, os objetos que ele cria falam a sua própria língua - um idioma que atravessa a " linha gorda e deliciosa entre o abstrato e o funcional", como a sua biografia profissional explica.

Onze anos depois, Gilad ainda se sente como um extraterrestre em Nova York, apanhado não tanto entre o hebraico e o inglês, ou entre a linguagem verbal e a visual, como entre o mundo da arte e o mundo do design. Ainda assim, teve a sorte de ser reconhecido por ambos, e o seu trabalho encontrou o seu caminho para as coleções do Museu de Arte Moderna e do Museu Metropolitano de Arte de Nova York, e ganhou uma pequena, informal exposição, em 2006, no Cooper-Hewitt, National Design Museum da cidade. Apesar da muito desacreditada descida da arte em "mero" bom design, ainda há alguns locais preciosos que significativamente acomodam tanto a arte como o design. Assim, não é de surpreender que, embora o seu trabalho tenha aparecido com algum grau de frequência em lojas, só em 2012 sai este que é o primeiro artigo sobre Gilad numa revista americana de arte.

Gilad não tem um "look" autoral. Em cada projeto ele reinventa a roda, por assim dizer (mas tenha cuidado com o que deseja). Talvez o seu projecto mais conhecido, produzido sob a sua antiga marca, Designfenzider, é o candeeiro pendente “Dear Ingo” (2003), sendo exemplar do que é a sua abordagem, que é a de interrogar a própria essência do objeto funcional sob investigação, e em seguida, derrubar e esclarecer alguns dos seus aspectos fundamentais e previamente despercebidos - ou das nossas expectativas para ele. O que é um candelabro? Gilad perguntou. É uma luminária feita de muitas lâmpadas individuais que pende do tecto. Com a luz Ingo (uma homenagem ao designer industrial alemão Ingo Maurer), que oscila em fios como uma aranha, ele literaliza essa realização simples: Este acessório é nada mais do que um anel de aço ao qual o designer afixou cerca de dezasseis candeeiros basculantes do tipo que adornam cada secretária de dormitório na América. Voilà, um lustre ajustável. Outro sucesso inicial foram os seus vasos “Run Over By Car” (2001), cada um deles um objeto único produzido em massa. Gilad pegou em cilindros de metal fabricados industrialmente, cortou uma fenda em cada um perto do topo e, em seguida, colocou-os no caminho de um automóvel; o objeto único esmagado que resultou foi então pintado; a fenda, depois de ter sido rasgada num orifício maior, seria agora a abertura do vaso.

Com o tempo, o repensar de Gilad do objeto levaria a uma maior abstração, e deslocou-se livremente das formas mais fluidas, irregulares ou derivadas do acaso, para formas contundentemente geométricas. Consideremos uma das duas obras na coleção do Met. “Plataform + border = Fruit Bowl” (Part 1) (2000) liga oito pontos com doze linhas de bronze em torno de uma laje quadrada autónoma de madeira de faia para sugerir um poliedro rectangular dentro do qual se pode armazenar frutas - um rígido hiperbólico, mesmo contraditório, refazer da tigela. Os seus mais recentes Wallpiercings, de 2010 (na colecção do MoMA e produzidos pela empresa de luzes Flos), dotam-se da tecnologia LED para elegantemente transcender o problema mundano dos apliques. Estes painéis montados verticalmente filtram a dura luminescência do LED através de tubos de alumínio que são expressivamente entrelaçados, sugerindo uma escultura de luz abastracta, de beleza rara e etérea mais do que uma solução prática de iluminação.

Por vezes, Gilad parece ter-se afastado inteiramente da função, em direcção à linha, ao símbolo, ou até mesmo à forma platónica. Um projecto recente, “20 Houses for 20 Friends” (2009), praticamente assenta na sua inutilidade. As “20 Casas” – desenhos de linha essencialmente esquemáticos em três dimensões destas formas arquitectónicas fundamentais – foram aumentados e exibidos como arte pública (sob o título “The Neighborhood”) na Universidade de Milão e no Parque Gorky em Moscovo em 2011. “Eu não sou um verdadeiro designer”, gaba-se. “Eu não me preocupo em criar produtos ou resolver problemas funcionais.” Em meados de Abril de 2012, durante a Feira de Mobiliário de Milão, Gilad teve uma mostra individual na Dilmos Gallery, com peças em exposição em cinco outros locais. A exposição, intitulada “The Line, the Arch, the Circle & the Square” (“os elementos básicos com os quais o nosso mundo é construído”, nota o designer), é o autêntico Ron Gilad: só a formas básicas – mas, claro, processadas através do seu rigorosamente analítico e incansavelmente lúdico cérebro. Esta exposição pode ser pensada como um “bloco de desenho em três dimensões” (termo do designer) no qual Gilad isola, escrutina e reconfigura esses elementos rudimentares, refazendo-os.

O seu “Birth of a Chair” (2009), põe o quadrado numa sequência de permutações a três dimensões, mostrando como uma cadeira evolui. O alinhamento destes 20 objectos de prata pintados de preto (o maior dos quais tem apenas alguns centímetros) resulta num trabalho colectivo que tem cerca de 1 metro e parece animado, como uma progressão de Eadweard Muybridge. Em várias peças novas, uma linha transforma-se num arco. O arco totalmente formado é criado em mármore ou vidro – ou como uma peça de bagagem. Ostensivamente, esta peça é a mais funcional. Até nos podemos sentar no seu “Glass Tube Bench” (2012), mesmo sem conforto, podendo chegar a deslizar.

Nascido de uma mente lúdica não reprimida, o caderno de desenhos de Gilad joga com essas formas platónicas, imaginando como elas se sonham a si próprias.
[versão portuguesa do original inglês]

 

 

Steve Watson


:::

Este artigo foi originalmente publicado na revista Artforum.