Links

ARQUITETURA E DESIGN




Charles-Édouard Jeanneret, c. 1910. Fondation Le Corbusier © F.L.C


A Acropolis, Atenas, Setembro 1911; reproduzida em Voyage d’Orient, Carnet 3, p. 123. Lápiz sobre papel. Fundação Le Corbusier © F.L.C


Celeiro em paisagem, Jura, Suiça, 15 Outubro, 1902. Lápiz e aguarela sobre papel. Fundação Le Corbusier © F.L.C


Fachada e detalhes de catedral, Siena, Itália, 1907. Lápiz, tinta e aguarela sobre papel. Fundação Le Corbusier © F.L.C


Detalhe de tabernáculo (design de Andrea Orcagna) em Orsanmichele, Florença. Lápiz e aguarela sobre papel. Fundação Le Corbusier © F.L.C


Versailles, França, 1908–1909. Tinta e aguarela sobre papel. Fundação Le Corbusier © F.L.C


Casa alemã, 1910; reproduzida em Les Voyages d’Allemagne, Carnet 2,pp. 125–126. Lápiz e aguarela sobre papel. Fundação Le Corbusier © F.L.C

Outros artigos:

2017-06-30


PASSAGENS DE SERRALVES PELO TERMINAL DE CRUZEIROS DO PORTO DE LEIXÕES


2017-05-30


EVERYTHING IN THE GARDEN IS ROSY: AS PERIFERIAS EM IMAGENS


2017-04-18


“ÁRVORE” (2002), UMA OBRA COM A AUTORIA EM SUSPENSO


2017-03-17


ÁLVARO SIZA : VISÕES DA ALHAMBRA


2017-02-14


“NÃO TOCAR”: O NOVO MUSEU DO DESIGN EM LONDRES


2017-01-17


MAXXI ROMA


2016-12-10


NOTAS SOBRE ESPAÇO E MOVIMENTO


2016-11-15


X BIAU EM SÃO PAULO: JOÃO LUÍS CARRILHO DA GRAÇA À CONVERSA COM PAULO MENDES DA ROCHA E EDUARDO SOUTO DE MOURA


2016-10-11


CENAS PARA UM NOVO PATRIMÓNIO


2016-08-31


DREAM OUT LOUD E O DESIGN SOCIAL NO STEDELIJK MUSEUM


2016-06-24


MATÉRIA-PRIMA. UM OLHAR SOBRE O ARQUIVO DE ÁLVARO SIZA


2016-04-29


O EFEITO BREUER – PARTE 2


2016-03-24


O EFEITO BREUER - PARTE 1


2016-02-16


GEORGE BEYLERIAN CELEBRA O DESIGN ITALIANO COM LANÇAMENTO DE “DESIGN MEMORABILIA”


2016-01-08


RESOLUÇÕES DE ANO NOVO PARA A ARQUITETURA E DESIGN EM 2016


2015-11-30


BITTE LEBN. POR FAVOR, VIVE.


2015-10-30


A FORMA IDEAL


2015-09-14


DOS FANTASMAS DE SERRALVES AO CLIENTE COMO ARQUITECTO


2015-08-01


“EXTRA ORDINARY” - JOVENS DESIGNERS EXPLORAM MATERIAIS, PRODUTOS E PROCESSOS


2015-06-25


PODE A TIPOGRAFIA AJUDAR-NOS A CRIAR EMPATIA COM OS OUTROS?


2015-05-20


BIJOY JAIN, STUDIO MUMBAI


2015-04-14


O FIM DA ARQUITECTURA


2015-03-12


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE II/II)


2015-02-11


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE I/II)


2015-01-11


ESPECTADOR


2014-12-09


ARQUITECTAS: ENSAIO PARA UM MANUAL REVOLUCIONÁRIO


2014-11-10


A MARCA QUE TEM O MEU NOME


2014-10-04


NEWS FROM VENICE


2014-09-08


A INCONSCIÊNCIA DE ZENO. MÁQUINAS DE SUBJECTIVIDADE NO SUPERSTUDIO*


2014-07-30


ENTREVISTA A JOSÉ ANTÓNIO PINTO


2014-06-17


ÍNDICES, LISTAGENS E DIAGRAMAS: the world is all there is the case


2014-05-15


FILME COMO ARQUITECTURA, ARQUITECTURA COMO AUTOBIOGRAFIA


2014-04-14


O MUNDO NA MÃO


2014-03-13


A CASA DA PORTA DO MAR


2014-02-13


O VERNACULAR CONTEMPORÂNEO


2014-01-07


PÓS-TRIENAL 2013 [RELAÇÕES INSTÁVEIS ENTRE EVENTOS, ARQUITECTURAS E CIDADES]


2013-11-12


UMA SUBTIL INTERFERÊNCIA: A MONTAGEM DA EXPOSIÇÃO “FERNANDO TÁVORA: MODERNIDADE PERMANENTE” EM GUIMARÃES OU UMA EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA NUMA ESCOLA EM PLENO FUNCIONAMENTO


2013-09-24


DESIGN E DELITO


2013-08-12


“NADA MUDAR PARA QUE TUDO SEJA DIFERENTE”: CONVERSA COM BEYOND ENTROPY


2013-08-11


“CHANGING NOTHING SO THAT EVERYTHING IS DIFFERENT”: CONVERSATION WITH BEYOND ENTROPY


2013-07-04


CORTA MATO. Design industrial do ponto de vista do utilizador


2013-05-20


VÍTOR FIGUEIREDO: A MISÉRIA DO SUPÉRFLUO


2013-04-02


O DESIGNER SOCIAL


2013-03-11


DRESS SEXY AT MY FUNERAL: PARA QUE SERVE A BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA?


2013-02-08


O CONSUMIDOR EMANCIPADO


2013-01-08


SOBRE-QUALIFICAÇÃO E REBUSCO


2012-10-29


“REGIONALISM REDIVIVUS”: UM OUTRO OLHAR SOBRE UM TEMA PERSISTENTE


2012-10-08


LEVINA VALENTIM E JOAQUIM PAULO NOGUEIRA


2012-10-07


HOMENAGEM A ROBIN FIOR (1935-2012)


2012-09-08


A PROMESSA DA ARQUITECTURA. CONSIDERAÇÕES SOBRE A GERAÇÃO POR VIR


2012-07-01


ENTREVISTA | ANDRÉ TAVARES


2012-06-10


O DESIGN DA HISTÓRIA DO DESIGN


2012-05-07


O SER URBANO: UMA EXPOSIÇÃO COMO OBRA ABERTA. NO CAMINHO DOS CAMINHOS DE NUNO PORTAS


2012-04-05


UM OBJECTO DE RONAN E ERWAN BOUROULLEC


2012-03-05


DEZ ANOS DE NUDEZ


2012-02-13


ENCONTROS DE DESIGN DE LISBOA ::: DESIGN, CRISE E DEPOIS


2012-01-06


ARCHIZINES – QUAL O TAMANHO DA PEQUENÊS?


2011-12-02


STUDIO ASTOLFI


2011-11-01


TRAMA E EMOÇÃO – TRÊS DISCURSOS


2011-09-07


COMO COMPOR A CONTEMPLAÇÃO? – UMA HISTÓRIA SOBRE O PAVILHÃO TEMPORÁRIO DA SERPENTINE GALLERY E O PROCESSO CRIATIVO DE PETER ZUMTHOR


2011-07-18


EDUARDO SOUTO DE MOURA – PRITZKER 2011. UMA SISTEMATIZAÇÃO A PROPÓSITO DA VISITA DE JUHANI PALLASMAA


2011-06-03


JAHARA STUDIO


2011-05-05


FALEMOS DE 1 MILHÃO DE CASAS. NOTAS SOBRE O CONCURSO E EXPOSIÇÃO “A HOUSE IN LUANDA: PATIO AND PAVILLION”


2011-04-04


A PROPÓSITO DA CONFERÊNCIA “ARQUITECTURA [IN] ]OUT[ POLÍTICA”: UMA LEITURA DISCIPLINAR SOBRE A MEDIAÇÃO E A ESPECIFICIDADE


2011-03-09


HUGO MADUREIRA: O ARTISTA-JOALHEIRO


2011-02-07


O QUE MUDOU, O QUE NÃO MUDOU E O QUE PRECISA MUDAR


2011-01-11


nada


2010-12-02


PEQUENO ELOGIO DO ARCAICO


2010-11-02


CABRACEGA


2010-10-01


12ª BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA — “PEOPLE MEET IN ARCHITECTURE”


2010-08-02


ENTREVISTA | FILIPA GUERREIRO E TIAGO CORREIA


2010-07-09


ATYPYK PRODUCTS ARE NOT MADE IN CHINA


2010-06-03


OS PRÓXIMOS 20 ANOS. NOTAS SOBRE OS “DISCURSOS (RE)VISITADOS”


2010-05-07


OBJECTOS SEM MEDO


2010-04-01


O POTENCIAL TRANSFORMADOR DO EFÉMERO: A PROPÓSITO DO PAVILHÃO SERPENTINE EM LONDRES


2010-03-04


PEDRO + RITA = PEDRITA


2010-02-03


PARA UMA ARQUITECTURA SWISSPORT


2009-12-12


SOU FUJIMOTO


2009-11-10


THE HOME PROJECT


2009-10-01


ESTRATÉGIA PARA HABITAÇÃO EVOLUTIVA – ÍNDIA


2009-09-01


NA MANGA DE LIDIJA KOLOVRAT


2009-07-24


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR (Parte II)


2009-06-16


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR


2009-05-19


O QUE É QUE SE SEGUE?


2009-04-17


À MESA COM SAM BARON


2009-03-24


HISTÓRIAS DE UMA MALA


2009-02-18


NOTAS SOBRE PROJECTOS, ESPAÇOS, VIVÊNCIAS


2009-01-26


OUTONO ESCALDANTE OU LAPSO CRÍTICO? 90 DIAS DE DEBATE DE IDEIAS NA ARQUITECTURA PORTUENSE


2009-01-16


APRENDER COM A PASTELARIA SEMI-INDUSTRIAL PORTUGUESA OU PORQUE É QUE SÓ HÁ UMA RECEITA NO LIVRO FABRICO PRÓPRIO


2008-11-20


ÁLVARO SIZA E O BRASIL


2008-10-21


A FORMA BONITA – PETER ZUMTHOR EM LISBOA


2008-09-18


“DELIRIOUS NEW YORK” EXPLICADO ÀS CRIANÇAS


2008-08-15


A ROOM WITH A VIEW


2008-07-16


DEBATER CRIATIVAMENTE A CIDADE: A EXPERIÊNCIA PORTO REDUX


2008-06-17


FOTOGRAFIA DE ARQUITECTURA, DEFEITO E FEITIO


2008-05-14


A PROPÓSITO DA DEMOLIÇÃO DO ROBIN HOOD GARDENS


2008-04-08


INTERFACES URBANOS: O CASO DE MACAU


2008-03-01


AS CORES DA COR


2008-02-02


Notas sobre a produção arquitectónica portuguesa e sua cartografia na Architectural Association


2008-01-03


TARZANS OF THE MEDIA JUNGLE


2007-12-04


MÚSICA INTERIOR


2007-11-04


O CIRURGIÃO INGLÊS


2007-10-02


NÓS E OS CARROS


2007-09-01


Considerações sobre Tempo e Limite na produção e recepção da Arquitectura


2007-08-01


A SUBLIMAÇÃO DA CONTEMPORANEIDADE


2007-07-01


UMA MITOLOGIA DE CARNE E OSSO


2007-06-01


O LUGAR COMO ARMADILHA


2007-05-02


ESPAÇOS DE FILMAR


2007-04-02


ARTES DO ESPAÇO: ARQUITECTURA/CENOGRAFIA


2007-03-01


TERRAIN VAGUE – Notas de Investigação para uma Identidade


2007-02-02


ERRARE HUMANUM EST…


2007-01-02


QUANDO A CIDADE É TELA PARA ARTE CONTEMPORÂNEA


2006-12-02


ARQUITECTURA: ESPAÇO E RITUAL


2006-11-02


IN SUSTENTÁVEL ( I )


2006-10-01


VISÕES DO FUTURO - AS NOVAS CIDADES ASIÁTICAS


2006-09-03


NOTAS SOLTAS SOBRE ARQUITECTURA E TECNOLOGIA


2006-07-30


O BANAL E A ARQUITECTURA


2006-07-01


NOVAS MORFOLOGIAS NO PORTO INDUSTRIAL DE LISBOA


2006-06-02


SOBRE O ESPAÇO DE REPRESENTAÇÃO MODERNO


2006-04-27


MODOS DE “VER” O ESPAÇO - A PROPÓSITO DE MONTAGENS FOTOGRÁFICAS


share |

NA PEGADA DE LE CORBUSIER

JACOB BRILLHART


 
Para Jacob Brillhart, o desenho é uma maneira de ver. Acabado de se licenciar da School of Architecture da Universidade de Columbia, Brillhart decidiu que iria seguir a tradição consagrada pelo tempo de fazer uma viagem de desenho. Mais tarde, chamando-a de "uma lenta Grand Tour para um jovem inquieto arquiteto", partiu com os seus cadernos, lápis e aquarelas. Ao longo do caminho ficou fascinado com o que viria a chamar de "o primeiro tempo misterioso de desenvolvimento intelectual de Le Corbusier e mais especificamente os seus primeiros cadernos." Essa curiosidade inicial transformou-se numa busca em seguir o mestre quando este viajou através da Turquia, Grécia, Itália, Espanha, França, Holanda, Bélgica e Alemanha - tanto como uma homenagem e como uma maneira de ver o que Le Corbusier viu e aprender com ele. O seguinte excerto vem de Voyage Le Corbusier: Drawing on the Road (W. W. Norton), novo livro de Brillhart sobre as próprias Grand Tours de Le Corbusier e os desenhos que daí resultaram.

Beth Dunlop

 

>>>

 

Extractos de Voyage Le Corbusier: Desenhando na Estrada, de Jacob Brillhart


Le Corbusier [CHARLES ÉDOUARD JEANNERET] foi um arquiteto profundamente radical e progressista, um futurista que estava igualmente e fundamentalmente enraizado na história e na tradição. Era intensamente curioso, viajando constantemente, desenhando, pintando e escrevendo, tudo como forma de se tornar um melhor projectista. Como resultado, encontrou formas intelectuais para ligar as suas bases históricas com o que aprendeu dos seus contemporâneos. Evoluiu de desenhar a natureza para a cópia da pintura italiana do século XIV, para a liderança do movimento Purista que grandemente influenciou a pintura e a arquitetura francesa no início da década 1920. A todo o tempo fazia conexões entre a natureza, a arte, a cultura e a arquitetura que eventualmente lhe deu uma base para pensar sobre o design.

 

Para aprender com a pesquisa criativa de Le Corbusier e ver como ele evoluiu como arquiteto, é preciso entender onde começou. Nunca frequentou uma universidade ou se inscreveu formalmente numa escola de arquitetura. A sua formação em arquitectura foi principalmente autoimposta e foi fortemente influenciada pelos ensinamentos de seu tutor do ensino secundário Charles L'Eplattenier, que lhe ensinou os fundamentos do desenho e das artes decorativas na École d’Art na sua cidade natal de La Chaux- de-Fonds, na Suíça.

 

Após completar os estudos na escola secundária em 1907, L'Eplattenier encorajou Jeanneret a deixar para trás as paisagens rurais e a ampliar a sua visão do mundo fazendo uma viagem formal de desenho através do norte da Itália. Esta pedagogia de aprender a desenhar e aprender através da experiência foi provavelmente influenciada pela longa tradição do Grand Tour, um rito de passagem para aristocratas europeus. A ideia de viagem era considerada necessária para a expansão da mente e para a compreensão do mundo. Arquitetos, escritores e pintores apoderaram-se da ideia, tomando um itinerário modelo pela Europa para ver monumentos, antiguidades, pinturas, paisagens pitorescas e antigas cidades.

 

A experiência incutiu em Jeanneret um enorme desejo de ver e compreender outras culturas e lugares através da arquitetura e do espaço urbano que lhes dá forma. Na Itália expressou o seu primeiro verdadeiro interesse pelo ambiente construído, estudando principalmente detalhes arquitetónicos e elementos de construção.

 

Pouco depois do seu regresso, partiu novamente para Viena, Paris e Alemanha, ficando cada vez mais interessado nas paisagens citadinas e no desenho urbano. Periodicamente, regressou a casa para reactar com L'Eplattenier. Durante as suas viagens, o caderno de esboços surgiu como a principal ferramenta de Jeanneret para registar e aprender, e o desenho tornou-se para ele um meio essencial e necessário do treino em arquitectura. Entre 1902 e 1911 produziu centenas de desenhos, explorando uma ampla gama de assuntos, bem como meios e métodos de registo.

 

Com cada viagem ganhou uma visão mais ampla. À medida que os seus interesses mudavam e se ampliavam, o mesmo se passava com o seu processo de documentar o que via. Ao seu repertório de desenhos em perspectiva de paisagens, maravilhosamente detalhados em aguarela, acrescentou esboços analíticos que capturavam o núcleo das formas espaciais e se tornaram num meio rápido de anotação visual. Durante todo este tempo frequentemente regressou a assuntos antigos e conhecidos para estudá-los através de diferentes perspectivas, a fim de "ver".

 

Giuliano Gresleri, historiador da arquitetura e autor de “Les Voyages d'Allemagne: Carnets” e “Voyage d'Orient: Carnets” (que incluem reproduções de cadernos de Jeanneret durante as suas viagens à Alemanha e ao Oriente), disse: "O que distinguiu a viagem de Jeanneret dos de seus contemporâneos da École e da tradição do Grand Tour foi precisamente a sua consciência de 'ser capaz de começar de novo.’ Uma e outra vez, esta noção destaca-se nas páginas dos seus cadernos. As notas, os esboços e as medições nunca foram fins em si mesmos, nem eles eram uma parte da cultura da viagem. Eles deixaram de ser um diário e tornaram-se um projeto.”

 

Em 1911 Jeanneret concluiu a pedra angular de sua educação informal, uma segunda viagem de desenho que Le Corbusier eventualmente cunhou como a sua "Viagem ao Oriente" (na verdade, o título de um livro de ensaios e cartas que ele escreveu durante as suas viagens lá, publicado em 1966) . Por esta altura, ele estava interessado em entender mais do que apenas os monumentos: ele olhou para a arquitetura e para cultura diária. Tinha dominado a arte do desenho através da prática diária de observar e registar o que via. Através deste exercício rigoroso de aprender a ver, tinha desenvolvido um vasto kit de ferramentas de assuntos, formas de autoria, convenções do desenho (artísticas e arquitectónicas) e meios. Mais importante ainda, através do desenho veio a compreender as persistências na arquitetura - cor, forma, luz, sombra, estrutura, composição, massa, superfície, contexto, proporção e materiais. Quando chegou à Grécia (na metade do seu Viagem ao Oriente), Jeanneret não só proclamou que se iria tornar num arquiteto, mas que estava a trabalhar em direção a uma posição teórica sobre o projeto em torno do qual ele poderia viver e trabalhar ....

 

No final, no entanto, a viagem de desenho foi a educação de Jeanneret e o seu rito de passagem. Presentes nos seus cadernos de esboços estão meios extremamente abrangentes de exploração e descoberta visual. Apesar de nunca ter tido uma educação formal em arquitetura, a sua intensa curiosidade para entender o mundo através do desenho e da pintura e da escrita é o que fez dele um arquiteto tão dinâmico, de quem ainda podemos aprender hoje. As lições que aprendeu formaram a base da sua visão geral e forneceram o conteúdo para o seu posterior texto seminal, “Vers une Architecture”. Também o prepararam para se tornar em Le Corbusier.

 

Espera-se que a maioria dos arquitetos em formação saiam para desenhar edifícios. Jeanneret, no entanto, era curioso acerca de tudo. Enquanto o seu foco principal variava de viagem para viagem, desenhou flora, fauna, pessoas, objetos, arte, padrões e móveis, bem como paisagens, vistas de cidade, espaço interior e urbano, fachadas, detalhes arquitetónicos e de construção, monumentos e arquitetura quotidiana. No entanto, cada período de tempo pode ser amplamente definido por interesses distintos e temas de estudo. Quando aprendia a desenhar em La Chaux-de-Fonds, examinava principalmente o mundo natural, desenhando paisagens, flora e fauna, geometrias e padrões relacionados com as artes decorativas. Durante a sua primeira viagem formal de desenho, a Itália, continuou a explorar as artes decorativas desenhando a superfície e o ornamento dos componentes da construção - principalmente objetos ao invés de lugares.

 

Quando chegou a Viena e a Paris, o seu interesse deslocou-se para os interiores, para o urbanismo medieval e para as vistas urbanas como paisagens. Na Alemanha estudou praças públicas, espaços urbanos e os edifícios emblemáticos que os sustentavam. Até ao momento em que partiu para a sua Viagem ao Oriente, havia ampliado a sua atenção para a cultura e para os espaços urbanos de toda a cidade, como se estivesse a vê-los a partir de três mil metros acima. No entanto, as suas curiosidades de juventude permaneciam: desenhou casas de camponeses, pessoas, comida, cerâmicas simples, plantas, animais, insetos e móveis. [versão portuguesa do original inglês publicado na revista Modern Mag, 18 Abril, 2016]