Links

ARQUITETURA E DESIGN




Daniel Britton


Daniel Britton


Sam Barclay, I Wonder What It's Like to be Dyslexic. Fotografia: Sam Barclay


Sam Barclay, I Wonder What It's Like to be Dyslexic. Fotografia: Sam Barclay

Outros artigos:

2017-06-30


PASSAGENS DE SERRALVES PELO TERMINAL DE CRUZEIROS DO PORTO DE LEIXÕES


2017-05-30


EVERYTHING IN THE GARDEN IS ROSY: AS PERIFERIAS EM IMAGENS


2017-04-18


“ÁRVORE” (2002), UMA OBRA COM A AUTORIA EM SUSPENSO


2017-03-17


ÁLVARO SIZA : VISÕES DA ALHAMBRA


2017-02-14


“NÃO TOCAR”: O NOVO MUSEU DO DESIGN EM LONDRES


2017-01-17


MAXXI ROMA


2016-12-10


NOTAS SOBRE ESPAÇO E MOVIMENTO


2016-11-15


X BIAU EM SÃO PAULO: JOÃO LUÍS CARRILHO DA GRAÇA À CONVERSA COM PAULO MENDES DA ROCHA E EDUARDO SOUTO DE MOURA


2016-10-11


CENAS PARA UM NOVO PATRIMÓNIO


2016-08-31


DREAM OUT LOUD E O DESIGN SOCIAL NO STEDELIJK MUSEUM


2016-06-24


MATÉRIA-PRIMA. UM OLHAR SOBRE O ARQUIVO DE ÁLVARO SIZA


2016-05-28


NA PEGADA DE LE CORBUSIER


2016-04-29


O EFEITO BREUER – PARTE 2


2016-03-24


O EFEITO BREUER - PARTE 1


2016-02-16


GEORGE BEYLERIAN CELEBRA O DESIGN ITALIANO COM LANÇAMENTO DE “DESIGN MEMORABILIA”


2016-01-08


RESOLUÇÕES DE ANO NOVO PARA A ARQUITETURA E DESIGN EM 2016


2015-11-30


BITTE LEBN. POR FAVOR, VIVE.


2015-10-30


A FORMA IDEAL


2015-09-14


DOS FANTASMAS DE SERRALVES AO CLIENTE COMO ARQUITECTO


2015-08-01


“EXTRA ORDINARY” - JOVENS DESIGNERS EXPLORAM MATERIAIS, PRODUTOS E PROCESSOS


2015-05-20


BIJOY JAIN, STUDIO MUMBAI


2015-04-14


O FIM DA ARQUITECTURA


2015-03-12


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE II/II)


2015-02-11


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE I/II)


2015-01-11


ESPECTADOR


2014-12-09


ARQUITECTAS: ENSAIO PARA UM MANUAL REVOLUCIONÁRIO


2014-11-10


A MARCA QUE TEM O MEU NOME


2014-10-04


NEWS FROM VENICE


2014-09-08


A INCONSCIÊNCIA DE ZENO. MÁQUINAS DE SUBJECTIVIDADE NO SUPERSTUDIO*


2014-07-30


ENTREVISTA A JOSÉ ANTÓNIO PINTO


2014-06-17


ÍNDICES, LISTAGENS E DIAGRAMAS: the world is all there is the case


2014-05-15


FILME COMO ARQUITECTURA, ARQUITECTURA COMO AUTOBIOGRAFIA


2014-04-14


O MUNDO NA MÃO


2014-03-13


A CASA DA PORTA DO MAR


2014-02-13


O VERNACULAR CONTEMPORÂNEO


2014-01-07


PÓS-TRIENAL 2013 [RELAÇÕES INSTÁVEIS ENTRE EVENTOS, ARQUITECTURAS E CIDADES]


2013-11-12


UMA SUBTIL INTERFERÊNCIA: A MONTAGEM DA EXPOSIÇÃO “FERNANDO TÁVORA: MODERNIDADE PERMANENTE” EM GUIMARÃES OU UMA EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA NUMA ESCOLA EM PLENO FUNCIONAMENTO


2013-09-24


DESIGN E DELITO


2013-08-12


“NADA MUDAR PARA QUE TUDO SEJA DIFERENTE”: CONVERSA COM BEYOND ENTROPY


2013-08-11


“CHANGING NOTHING SO THAT EVERYTHING IS DIFFERENT”: CONVERSATION WITH BEYOND ENTROPY


2013-07-04


CORTA MATO. Design industrial do ponto de vista do utilizador


2013-05-20


VÍTOR FIGUEIREDO: A MISÉRIA DO SUPÉRFLUO


2013-04-02


O DESIGNER SOCIAL


2013-03-11


DRESS SEXY AT MY FUNERAL: PARA QUE SERVE A BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA?


2013-02-08


O CONSUMIDOR EMANCIPADO


2013-01-08


SOBRE-QUALIFICAÇÃO E REBUSCO


2012-10-29


“REGIONALISM REDIVIVUS”: UM OUTRO OLHAR SOBRE UM TEMA PERSISTENTE


2012-10-08


LEVINA VALENTIM E JOAQUIM PAULO NOGUEIRA


2012-10-07


HOMENAGEM A ROBIN FIOR (1935-2012)


2012-09-08


A PROMESSA DA ARQUITECTURA. CONSIDERAÇÕES SOBRE A GERAÇÃO POR VIR


2012-07-01


ENTREVISTA | ANDRÉ TAVARES


2012-06-10


O DESIGN DA HISTÓRIA DO DESIGN


2012-05-07


O SER URBANO: UMA EXPOSIÇÃO COMO OBRA ABERTA. NO CAMINHO DOS CAMINHOS DE NUNO PORTAS


2012-04-05


UM OBJECTO DE RONAN E ERWAN BOUROULLEC


2012-03-05


DEZ ANOS DE NUDEZ


2012-02-13


ENCONTROS DE DESIGN DE LISBOA ::: DESIGN, CRISE E DEPOIS


2012-01-06


ARCHIZINES – QUAL O TAMANHO DA PEQUENÊS?


2011-12-02


STUDIO ASTOLFI


2011-11-01


TRAMA E EMOÇÃO – TRÊS DISCURSOS


2011-09-07


COMO COMPOR A CONTEMPLAÇÃO? – UMA HISTÓRIA SOBRE O PAVILHÃO TEMPORÁRIO DA SERPENTINE GALLERY E O PROCESSO CRIATIVO DE PETER ZUMTHOR


2011-07-18


EDUARDO SOUTO DE MOURA – PRITZKER 2011. UMA SISTEMATIZAÇÃO A PROPÓSITO DA VISITA DE JUHANI PALLASMAA


2011-06-03


JAHARA STUDIO


2011-05-05


FALEMOS DE 1 MILHÃO DE CASAS. NOTAS SOBRE O CONCURSO E EXPOSIÇÃO “A HOUSE IN LUANDA: PATIO AND PAVILLION”


2011-04-04


A PROPÓSITO DA CONFERÊNCIA “ARQUITECTURA [IN] ]OUT[ POLÍTICA”: UMA LEITURA DISCIPLINAR SOBRE A MEDIAÇÃO E A ESPECIFICIDADE


2011-03-09


HUGO MADUREIRA: O ARTISTA-JOALHEIRO


2011-02-07


O QUE MUDOU, O QUE NÃO MUDOU E O QUE PRECISA MUDAR


2011-01-11


nada


2010-12-02


PEQUENO ELOGIO DO ARCAICO


2010-11-02


CABRACEGA


2010-10-01


12ª BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA — “PEOPLE MEET IN ARCHITECTURE”


2010-08-02


ENTREVISTA | FILIPA GUERREIRO E TIAGO CORREIA


2010-07-09


ATYPYK PRODUCTS ARE NOT MADE IN CHINA


2010-06-03


OS PRÓXIMOS 20 ANOS. NOTAS SOBRE OS “DISCURSOS (RE)VISITADOS”


2010-05-07


OBJECTOS SEM MEDO


2010-04-01


O POTENCIAL TRANSFORMADOR DO EFÉMERO: A PROPÓSITO DO PAVILHÃO SERPENTINE EM LONDRES


2010-03-04


PEDRO + RITA = PEDRITA


2010-02-03


PARA UMA ARQUITECTURA SWISSPORT


2009-12-12


SOU FUJIMOTO


2009-11-10


THE HOME PROJECT


2009-10-01


ESTRATÉGIA PARA HABITAÇÃO EVOLUTIVA – ÍNDIA


2009-09-01


NA MANGA DE LIDIJA KOLOVRAT


2009-07-24


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR (Parte II)


2009-06-16


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR


2009-05-19


O QUE É QUE SE SEGUE?


2009-04-17


À MESA COM SAM BARON


2009-03-24


HISTÓRIAS DE UMA MALA


2009-02-18


NOTAS SOBRE PROJECTOS, ESPAÇOS, VIVÊNCIAS


2009-01-26


OUTONO ESCALDANTE OU LAPSO CRÍTICO? 90 DIAS DE DEBATE DE IDEIAS NA ARQUITECTURA PORTUENSE


2009-01-16


APRENDER COM A PASTELARIA SEMI-INDUSTRIAL PORTUGUESA OU PORQUE É QUE SÓ HÁ UMA RECEITA NO LIVRO FABRICO PRÓPRIO


2008-11-20


ÁLVARO SIZA E O BRASIL


2008-10-21


A FORMA BONITA – PETER ZUMTHOR EM LISBOA


2008-09-18


“DELIRIOUS NEW YORK” EXPLICADO ÀS CRIANÇAS


2008-08-15


A ROOM WITH A VIEW


2008-07-16


DEBATER CRIATIVAMENTE A CIDADE: A EXPERIÊNCIA PORTO REDUX


2008-06-17


FOTOGRAFIA DE ARQUITECTURA, DEFEITO E FEITIO


2008-05-14


A PROPÓSITO DA DEMOLIÇÃO DO ROBIN HOOD GARDENS


2008-04-08


INTERFACES URBANOS: O CASO DE MACAU


2008-03-01


AS CORES DA COR


2008-02-02


Notas sobre a produção arquitectónica portuguesa e sua cartografia na Architectural Association


2008-01-03


TARZANS OF THE MEDIA JUNGLE


2007-12-04


MÚSICA INTERIOR


2007-11-04


O CIRURGIÃO INGLÊS


2007-10-02


NÓS E OS CARROS


2007-09-01


Considerações sobre Tempo e Limite na produção e recepção da Arquitectura


2007-08-01


A SUBLIMAÇÃO DA CONTEMPORANEIDADE


2007-07-01


UMA MITOLOGIA DE CARNE E OSSO


2007-06-01


O LUGAR COMO ARMADILHA


2007-05-02


ESPAÇOS DE FILMAR


2007-04-02


ARTES DO ESPAÇO: ARQUITECTURA/CENOGRAFIA


2007-03-01


TERRAIN VAGUE – Notas de Investigação para uma Identidade


2007-02-02


ERRARE HUMANUM EST…


2007-01-02


QUANDO A CIDADE É TELA PARA ARTE CONTEMPORÂNEA


2006-12-02


ARQUITECTURA: ESPAÇO E RITUAL


2006-11-02


IN SUSTENTÁVEL ( I )


2006-10-01


VISÕES DO FUTURO - AS NOVAS CIDADES ASIÁTICAS


2006-09-03


NOTAS SOLTAS SOBRE ARQUITECTURA E TECNOLOGIA


2006-07-30


O BANAL E A ARQUITECTURA


2006-07-01


NOVAS MORFOLOGIAS NO PORTO INDUSTRIAL DE LISBOA


2006-06-02


SOBRE O ESPAÇO DE REPRESENTAÇÃO MODERNO


2006-04-27


MODOS DE “VER” O ESPAÇO - A PROPÓSITO DE MONTAGENS FOTOGRÁFICAS


share |

PODE A TIPOGRAFIA AJUDAR-NOS A CRIAR EMPATIA COM OS OUTROS?

LIZ STINSON


 

 

Não há problema se está a ter dificuldade em ler as palavras nesta imagem [na lateral]. É suposto ter dificuldade a lê-las.

O que está a ver é Helvetica, ou pelo menos, parte da Helvetica. Daniel Britton, designer gráfico de Londres, quer que se sinta frustrado. Quer que vá descobrindo as palavras lentamente, que tropece nelas, coce a cabeça confuso. Quer que sinta o que é ser disléxico.

Britton desenhou este tipo de letra para aumentar a consciência desta condição, que lhe foi diagnosticada no final do ensino secundário. Para criar esta fonte escolheu uma sans serif simples que poderia alterar facilmente. Subtraiu cerca de 40% - "as características chave" - de cada letra à mão. A barra transversal do A, por exemplo, e quase metade do O. "Já não é tipografia", disse. "Torna-se uma forma." Organizadas em ordem alfabética, as letras são facilmente analisadas. Dispostas em frases, a leitura torna-se absolutamente enlouquecedora.

Já vimos isto antes, com um efeito similar. Há um par de anos atrás, Sam Barclay, outro designer gráfico britânico disléxico, explorou o mesmo conceito no seu livro “I Wonder What It’s Like To Be Dyslexic”. Ele também cortou algumas palavras pela metade, escreveu outras com erros ortográficos ou imprimiu-as estrategicamente sobre a dobra. Foi um tiro certeiro no público: a sua campanha na Kickstarter [plataforma para financiamento de projectos criativos] arrecadou mais de £ 55.000 (87.000 dólares).

Os textos distorcidos não são na realidade a maneira como os dois designers vêem as palavras. Britton diz que a dislexia não é sobre como ele visualiza informação, é sobre como ele a processa. De facto, pesquisas recentes têm mostrado que a dislexia não é uma questão de deficiência visual, mas antes um obstáculo no processo de converter a palavra escrita em sons. Por outras palavras, a dislexia não é afectada pela tipografia, embora imensos designers tenham criado fontes que tentam atenuar os efeitos da doença, acrescentando peso na parte inferior das letras, ou enfatizando as serifas, os pequenos traços no final das letras. O que Britton e Barclay estão a fazer é diferente. Estão a tentar levar as pessoas a sentir os efeitos do que é ter dislexia.

Por outras palavras, estão a usar a tipografia para criar empatia.

 

Como é que o faz sentir esta fonte?

Poderia argumentar que os projectos de Britton e de Barclay inspiram empatia da mesma maneira que o pode fazer uma obra de arte - como artefacto visual que melhora a nossa compreensão de uma condição. Mas levantam uma questão interessante: Pode uma fonte inspirar empatia, ou qualquer emoção nesse sentido, naqueles que a lêem? As pesquisas em torno do impacto emocional da tipografia tentaram sempre medir respostas subjetivas. Psicólogos, curiosos em saber como um tipo de letra faz as pessoas se sentirem, muitas vezes fazem perguntas como: A Comic Sans faz-te sentir a) feliz b) triste c) enfurecido?

Em 2012, o realizador Errol Morris conduziu uma experiência intrigante que considerou esta questão. Morris queria saber se a forma de certas fontes tinha um impacto sobre o que nós acreditamos ser verdadeiro ou falso. Poderia o uso de uma tipografia particular tornar algo mais credível? Pode ler mais sobre a sua experiência aqui, mas resumindo, Morris chegou à conclusão que a Baskerville era a mais "confiável" das fontes que testou (também analisou a Georgia, Computer Modern, Helvetica, Comic Sans e Trebuchet). Porquê? Isso é a parte complicada. Não há nenhuma evidência científica de que a Baskerville é mais credível - só o facto de que tendemos a associar a sua aparência serifada formal com meios respeitáveis, enquanto que a forma borbulhante da Comic Sans é associada a conteúdos menos sérios.

Até agora não houve nenhuma evidência científica a sugerir porque é que um tipo de letra faz as pessoas se sentirem de uma certa maneira. Alessia Nicotra quer mudar isso. Nicotra é uma neurofisiologista no Charing Cross Hospital, em Londres, e professora no Imperial College, onde começou a estudar o impacto emocional da tipografia. Ela pretende usar máquinas de ressonância magnética para medir a forma como o cérebro reage a certas fontes. Uma compreensão objetiva de como a tipografia é processada pelo cérebro poderia ajudar a conhecer todo o tipo de coisas, incluindo uma melhor compreensão da dislexia. "Não acho que trocar uma fonte por outra fonte irá ajudar as pessoas com dislexia se é um distúrbio fonológico", diz, explicando que esta desordem afecta a capacidade de uma pessoa produzir sons necessários ao discurso. "Mas se talvez tivermos mais informações sobre as diferenças emocionais que uma fonte pode gerar em relação a outra, então há uma maior probabilidade de podermos oferecer um pouco mais de ajuda."

Podemos imaginar o tipo de aplicações que estes refinados dados poderiam trazer. A mais óbvia é no marketing. Designers gráficos já usam truques visuais para nos vender coisas; pensem só se eles pudessem optimizar a eficácia do design até ao detalhe da tipografia. Por exemplo, o uso pela Shake Shack da Galaxie Cassiopeia faz sentir desejo ou fome, ou qualquer tipo de afinidade em relação à marca? Os seus executivos e Paula Scher (a designer por trás o logotipo da cadeia de hambúrgueres) certamente esperam que sim, mas não há nenhuma maneira concreta de saber. A mensagem tem estado sempre intrinsecamente ligada à nossa percepção emocional da tipografia. O trabalho de Nicotra poderia separar os dois.

Claro que existem outros benefícios para este tipo de investigações além da venda de hambúrgueres. A fonte de Britton, sem dúvida, faz sentir alguma coisa, mas isso deve-se também ao facto de ter sido acompanhada por uma explicação do que o designer estava a tentar fazer. Imaginem um tipo de letra que poderia inspirar empatia intrinsecamente baseada na suavidade do vértice de uma letra ou no aumento ou diminuição do espaço negativo nos caracteres. Não é possível ainda – os tipógrafos vão continuar a criar letras baseadas na intuição, gosto e clareza - mas certamente é uma ideia extravagante.
[tradução portuguesa da versão original inglesa]

 


Liz Stinson
Jornalista sediada em Brooklyn, colaboradora da secção de Design da revista Wired.

 


:::

Este artigo foi originalmente publicado na revista Wired, a 18 de Junho, 2015.