Links

ARQUITETURA E DESIGN




Farol dos Ventos, 100 cabos náuticos coloridos, formando uma superfície de cerca de 30 x 20m, na Serra das Talhadas, junto à Buraca da Moura. Fotografia de Nectar/Nuno Camacho ©


Encontro junto ao Farol dos Ventos. Fotografia de Nectar/Nuno Camacho ©


Moon Gate, resina de cor âmbar em aro metálico, com 2m de diâmetro. Obra suspensa a 2,5m do solo, sobre a Ribeira de Oleiros, no Lugar da Torna. Fotografia de Nectar/Nuno Camacho ©


Véu, sequência ondulada de seis chapas polidas e moldadas, colocadas a 2,4m de altura, sobre o açude da Ribeira da Sertã. Fotografia de Mariana Costa (MAG) ©


Actividades de “devolução” à comunidade. Fotografia de Nectar/Nuno Camacho ©

Outros artigos:

2020-09-19


'A REALIDADE NÃO É UM DESENCANTO'


2020-07-06


METROPOLIS, WORLD CITY & E.P.C.O.T. - AS VISÕES PARA A CIDADE PERFEITA IMAGINADAS POR GILLETTE, ANDERSEN E DISNEY


2020-06-08


DESCONFI(N)AR, O FUTURO DA ARQUITECTURA E DAS CIDADES


2020-04-13


UM PRESENTE AO FUTURO: MACAU – DIÁLOGOS SOBRE ARQUITETURA E SOCIEDADE


2020-03-01


R2/FABRICO SUSPENSO: ITINERÁRIOS DE TRABALHO


2019-12-05


PRÁTICAS PÓS-NOSTÁLGICAS / POST-NOSTALGIC KNOWINGS


2019-08-02


TEMPOS MODERNOS, CERÂMICA INDUSTRIAL PORTUGUESA ENTRE GUERRAS


2019-05-22


ATELIER FALA - ARQUITECTURA NA CASA DA CERCA


2019-01-21


VICARA: A ESTÉTICA DA NATUREZA


2018-11-06


PARTE II - FOZ VELHA E FOZ NOVA: PATRIMÓNIO CLASSIFICADO (OU NEM POR ISSO)


2018-09-28


PARTE I - PORTO ELEITO TRÊS VEZES O MELHOR DESTINO EUROPEU: PATRIMÓNIO AMEAÇADO PARA UNS, RENOVADO PARA OUTROS. PARA INGLÊS (NÃO) VER


2018-08-07


PAULO PARRA – “UMA TRAJECTÓRIA DE VIDA” NA GALERIA ROCA LISBON


2018-07-12


DEPOIS, A HISTÓRIA: GO HASEGAWA, KERSTEN GEERS, DAVID VAN SEVEREN


2018-05-29


NU LIMITE


2018-04-18


POLAROID


2018-03-18


VICO MAGISTRETTI NO DIA DO DESIGN ITALIANO


2018-02-10


GALERIA DE ARQUITETURA


2017-12-18


RHYTHM OF DISTANCES: PROPOSITIONS FOR THE REPETITION


2017-11-15


SHAPINGSHAPE NA BIENAL DA MAIA


2017-10-14


O TEATRO CARLOS ALBERTO DIALOGA COM A CIDADE: PELA MÃO DE NUNO LACERDA LOPES


2017-09-10


“VINTE E TRÊS”. AUSÊNCIAS E APARIÇÕES NUMA MOSTRA DE JOALHARIA IBEROAMERICANA PELA PIN ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE JOALHARIA CONTEMPORÂNEA


2017-08-01


23 – JOALHARIA CONTEMPORÂNEA NA IBERO-AMÉRICA


2017-06-30


PASSAGENS DE SERRALVES PELO TERMINAL DE CRUZEIROS DO PORTO DE LEIXÕES


2017-05-30


EVERYTHING IN THE GARDEN IS ROSY: AS PERIFERIAS EM IMAGENS


2017-04-18


“ÁRVORE” (2002), UMA OBRA COM A AUTORIA EM SUSPENSO


2017-03-17


ÁLVARO SIZA : VISÕES DA ALHAMBRA


2017-02-14


“NÃO TOCAR”: O NOVO MUSEU DO DESIGN EM LONDRES


2017-01-17


MAXXI ROMA


2016-12-10


NOTAS SOBRE ESPAÇO E MOVIMENTO


2016-11-15


X BIAU EM SÃO PAULO: JOÃO LUÍS CARRILHO DA GRAÇA À CONVERSA COM PAULO MENDES DA ROCHA E EDUARDO SOUTO DE MOURA


2016-10-11


CENAS PARA UM NOVO PATRIMÓNIO


2016-08-31


DREAM OUT LOUD E O DESIGN SOCIAL NO STEDELIJK MUSEUM


2016-06-24


MATÉRIA-PRIMA. UM OLHAR SOBRE O ARQUIVO DE ÁLVARO SIZA


2016-05-28


NA PEGADA DE LE CORBUSIER


2016-04-29


O EFEITO BREUER – PARTE 2


2016-03-24


O EFEITO BREUER - PARTE 1


2016-02-16


GEORGE BEYLERIAN CELEBRA O DESIGN ITALIANO COM LANÇAMENTO DE “DESIGN MEMORABILIA”


2016-01-08


RESOLUÇÕES DE ANO NOVO PARA A ARQUITETURA E DESIGN EM 2016


2015-11-30


BITTE LEBN. POR FAVOR, VIVE.


2015-10-30


A FORMA IDEAL


2015-09-14


DOS FANTASMAS DE SERRALVES AO CLIENTE COMO ARQUITECTO


2015-08-01


“EXTRA ORDINARY” - JOVENS DESIGNERS EXPLORAM MATERIAIS, PRODUTOS E PROCESSOS


2015-06-25


PODE A TIPOGRAFIA AJUDAR-NOS A CRIAR EMPATIA COM OS OUTROS?


2015-05-20


BIJOY JAIN, STUDIO MUMBAI


2015-04-14


O FIM DA ARQUITECTURA


2015-03-12


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE II/II)


2015-02-11


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE I/II)


2015-01-11


ESPECTADOR


2014-12-09


ARQUITECTAS: ENSAIO PARA UM MANUAL REVOLUCIONÁRIO


2014-11-10


A MARCA QUE TEM O MEU NOME


2014-10-04


NEWS FROM VENICE


2014-09-08


A INCONSCIÊNCIA DE ZENO. MÁQUINAS DE SUBJECTIVIDADE NO SUPERSTUDIO*


2014-07-30


ENTREVISTA A JOSÉ ANTÓNIO PINTO


2014-06-17


ÍNDICES, LISTAGENS E DIAGRAMAS: the world is all there is the case


2014-05-15


FILME COMO ARQUITECTURA, ARQUITECTURA COMO AUTOBIOGRAFIA


2014-04-14


O MUNDO NA MÃO


2014-03-13


A CASA DA PORTA DO MAR


2014-02-13


O VERNACULAR CONTEMPORÂNEO


2014-01-07


PÓS-TRIENAL 2013 [RELAÇÕES INSTÁVEIS ENTRE EVENTOS, ARQUITECTURAS E CIDADES]


2013-11-12


UMA SUBTIL INTERFERÊNCIA: A MONTAGEM DA EXPOSIÇÃO “FERNANDO TÁVORA: MODERNIDADE PERMANENTE” EM GUIMARÃES OU UMA EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA NUMA ESCOLA EM PLENO FUNCIONAMENTO


2013-09-24


DESIGN E DELITO


2013-08-12


“NADA MUDAR PARA QUE TUDO SEJA DIFERENTE”: CONVERSA COM BEYOND ENTROPY


2013-08-11


“CHANGING NOTHING SO THAT EVERYTHING IS DIFFERENT”: CONVERSATION WITH BEYOND ENTROPY


2013-07-04


CORTA MATO. Design industrial do ponto de vista do utilizador


2013-05-20


VÍTOR FIGUEIREDO: A MISÉRIA DO SUPÉRFLUO


2013-04-02


O DESIGNER SOCIAL


2013-03-11


DRESS SEXY AT MY FUNERAL: PARA QUE SERVE A BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA?


2013-02-08


O CONSUMIDOR EMANCIPADO


2013-01-08


SOBRE-QUALIFICAÇÃO E REBUSCO


2012-10-29


“REGIONALISM REDIVIVUS”: UM OUTRO OLHAR SOBRE UM TEMA PERSISTENTE


2012-10-08


LEVINA VALENTIM E JOAQUIM PAULO NOGUEIRA


2012-10-07


HOMENAGEM A ROBIN FIOR (1935-2012)


2012-09-08


A PROMESSA DA ARQUITECTURA. CONSIDERAÇÕES SOBRE A GERAÇÃO POR VIR


2012-07-01


ENTREVISTA | ANDRÉ TAVARES


2012-06-10


O DESIGN DA HISTÓRIA DO DESIGN


2012-05-07


O SER URBANO: UMA EXPOSIÇÃO COMO OBRA ABERTA. NO CAMINHO DOS CAMINHOS DE NUNO PORTAS


2012-04-05


UM OBJECTO DE RONAN E ERWAN BOUROULLEC


2012-03-05


DEZ ANOS DE NUDEZ


2012-02-13


ENCONTROS DE DESIGN DE LISBOA ::: DESIGN, CRISE E DEPOIS


2012-01-06


ARCHIZINES – QUAL O TAMANHO DA PEQUENÊS?


2011-12-02


STUDIO ASTOLFI


2011-11-01


TRAMA E EMOÇÃO – TRÊS DISCURSOS


2011-09-07


COMO COMPOR A CONTEMPLAÇÃO? – UMA HISTÓRIA SOBRE O PAVILHÃO TEMPORÁRIO DA SERPENTINE GALLERY E O PROCESSO CRIATIVO DE PETER ZUMTHOR


2011-07-18


EDUARDO SOUTO DE MOURA – PRITZKER 2011. UMA SISTEMATIZAÇÃO A PROPÓSITO DA VISITA DE JUHANI PALLASMAA


2011-06-03


JAHARA STUDIO


2011-05-05


FALEMOS DE 1 MILHÃO DE CASAS. NOTAS SOBRE O CONCURSO E EXPOSIÇÃO “A HOUSE IN LUANDA: PATIO AND PAVILLION”


2011-04-04


A PROPÓSITO DA CONFERÊNCIA “ARQUITECTURA [IN] ]OUT[ POLÍTICA”: UMA LEITURA DISCIPLINAR SOBRE A MEDIAÇÃO E A ESPECIFICIDADE


2011-03-09


HUGO MADUREIRA: O ARTISTA-JOALHEIRO


2011-02-07


O QUE MUDOU, O QUE NÃO MUDOU E O QUE PRECISA MUDAR


2011-01-11


nada


2010-12-02


PEQUENO ELOGIO DO ARCAICO


2010-11-02


CABRACEGA


2010-10-01


12ª BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA — “PEOPLE MEET IN ARCHITECTURE”


2010-08-02


ENTREVISTA | FILIPA GUERREIRO E TIAGO CORREIA


2010-07-09


ATYPYK PRODUCTS ARE NOT MADE IN CHINA


2010-06-03


OS PRÓXIMOS 20 ANOS. NOTAS SOBRE OS “DISCURSOS (RE)VISITADOS”


2010-05-07


OBJECTOS SEM MEDO


2010-04-01


O POTENCIAL TRANSFORMADOR DO EFÉMERO: A PROPÓSITO DO PAVILHÃO SERPENTINE EM LONDRES


2010-03-04


PEDRO + RITA = PEDRITA


2010-02-03


PARA UMA ARQUITECTURA SWISSPORT


2009-12-12


SOU FUJIMOTO


2009-11-10


THE HOME PROJECT


2009-10-01


ESTRATÉGIA PARA HABITAÇÃO EVOLUTIVA – ÍNDIA


2009-09-01


NA MANGA DE LIDIJA KOLOVRAT


2009-07-24


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR (Parte II)


2009-06-16


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR


2009-05-19


O QUE É QUE SE SEGUE?


2009-04-17


À MESA COM SAM BARON


2009-03-24


HISTÓRIAS DE UMA MALA


2009-02-18


NOTAS SOBRE PROJECTOS, ESPAÇOS, VIVÊNCIAS


2009-01-26


OUTONO ESCALDANTE OU LAPSO CRÍTICO? 90 DIAS DE DEBATE DE IDEIAS NA ARQUITECTURA PORTUENSE


2009-01-16


APRENDER COM A PASTELARIA SEMI-INDUSTRIAL PORTUGUESA OU PORQUE É QUE SÓ HÁ UMA RECEITA NO LIVRO FABRICO PRÓPRIO


2008-11-20


ÁLVARO SIZA E O BRASIL


2008-10-21


A FORMA BONITA – PETER ZUMTHOR EM LISBOA


2008-09-18


“DELIRIOUS NEW YORK” EXPLICADO ÀS CRIANÇAS


2008-08-15


A ROOM WITH A VIEW


2008-07-16


DEBATER CRIATIVAMENTE A CIDADE: A EXPERIÊNCIA PORTO REDUX


2008-06-17


FOTOGRAFIA DE ARQUITECTURA, DEFEITO E FEITIO


2008-05-14


A PROPÓSITO DA DEMOLIÇÃO DO ROBIN HOOD GARDENS


2008-04-08


INTERFACES URBANOS: O CASO DE MACAU


2008-03-01


AS CORES DA COR


2008-02-02


Notas sobre a produção arquitectónica portuguesa e sua cartografia na Architectural Association


2008-01-03


TARZANS OF THE MEDIA JUNGLE


2007-12-04


MÚSICA INTERIOR


2007-11-04


O CIRURGIÃO INGLÊS


2007-10-02


NÓS E OS CARROS


2007-09-01


Considerações sobre Tempo e Limite na produção e recepção da Arquitectura


2007-08-01


A SUBLIMAÇÃO DA CONTEMPORANEIDADE


2007-07-01


UMA MITOLOGIA DE CARNE E OSSO


2007-06-01


O LUGAR COMO ARMADILHA


2007-05-02


ESPAÇOS DE FILMAR


2007-04-02


ARTES DO ESPAÇO: ARQUITECTURA/CENOGRAFIA


2007-03-01


TERRAIN VAGUE – Notas de Investigação para uma Identidade


2007-02-02


ERRARE HUMANUM EST…


2007-01-02


QUANDO A CIDADE É TELA PARA ARTE CONTEMPORÂNEA


2006-12-02


ARQUITECTURA: ESPAÇO E RITUAL


2006-11-02


IN SUSTENTÁVEL ( I )


2006-10-01


VISÕES DO FUTURO - AS NOVAS CIDADES ASIÁTICAS


2006-09-03


NOTAS SOLTAS SOBRE ARQUITECTURA E TECNOLOGIA


2006-07-30


O BANAL E A ARQUITECTURA


2006-07-01


NOVAS MORFOLOGIAS NO PORTO INDUSTRIAL DE LISBOA


2006-06-02


SOBRE O ESPAÇO DE REPRESENTAÇÃO MODERNO


2006-04-27


MODOS DE “VER” O ESPAÇO - A PROPÓSITO DE MONTAGENS FOTOGRÁFICAS



FORA DA CIDADE. ARTE E LUGAR

LAURA CASTRO


 

 

As três intervenções permanentes de arte contemporânea na paisagem, instaladas neste ano de 2020, no distrito de Castelo Branco, pertencem a um dos poucos projectos artísticos em territórios rurais e localidades de pequena dimensão que têm vindo a ser promovidos em Portugal, onde estas iniciativas têm ainda pouca expressão. Adquirem por vezes, como neste caso aconteceu, nomes vinculados ao território e ao património regional. Rota da Cortiçada evoca a exploração da cortiça, uma das actividades económicas importantes da área.

Três intervenções inauguram a Rota, assinadas pelo colectivo MAG (Sofia Marques de Aguiar, Marta Aguiar e Mariana Costa), colectivo recente, formado no Porto, que apenas nos últimos anos desenvolve projectos conjuntos, e que revela a participação crescente de arquitectos nas propostas de arte pública e de arte na paisagem. Este colectivo recorre ao nome do arquitecto e urbanista Manuel Marques de Aguiar (1927-2015) que desenvolveu uma prática atenta à negociação e à apropriação social como componentes do projecto que levassem ao sentido de pertença. O Museu de Serralves dedicou-lhe uma exposição em 2018.

A concepção das três intervenções parte de uma observação e de um estudo cuidado do território, da sua morfologia, das suas particularidades geológicas e geográficas, dos modos de ocupação humana e da função dos lugares, como lugares de percurso ou de estar, de transição ou de consolidação, de limite estável ou de fronteira instável. Não é gratuita esta referência ao território porque o projecto é enquadrado pela parceria intermunicipal do Programa de Revitalização do Pinhal Interior - Programa de Desenvolvimento Cultural do Território, no distrito de Castelo Branco.

A Rota de intervenções artísticas – três inauguradas nos últimos dias de Julho e primeiro de Agosto – é parte de um projecto mais vasto que inclui oficinas, concertos, um concurso, actividades no Centro Ciência Viva de Proença-a-Nova e que levará trabalhos à Exposição “Terras do Fogo” do Festival de Outono, em Serralves. Este ano apenas parte do programa será implementado e outras duas intervenções artísticas da Rota, já projectadas e com localização identificada, serão instaladas em 2021. O programa, apoiado pela DGArtes, é definido como “um festival de experiências artísticas na paisagem […] de promoção e dinamização da coesão social”. Enquanto as obras de arte foram concebidas e produzidas pelo colectivo MAG, os conteúdos dos eventos e da divulgação são definidos por MAG em estreita colaboração com os municípios, as associações e as instituições regionais que os implementam. O diálogo com diferentes interlocutores explica as sucessivas deslocações e estadias da artista e das duas arquitectas de MAG ao território do projecto.

Do ponto de vista da metodologia, esta presença regular, sem configurar uma residência, foi fundamental. No que toca à relação com as comunidades, estes projectos oscilam entre o alheamento, o conhecimento e a cumplicidade, com a respectiva gradação de interesses e expectativas. A primeira possibilidade, do alheamento, é mais conservadora e estável, mas mais arriscada do ponto de vista da recepção social dos objectos criados. A Rota da Cortiçada orientou-se pela segunda, do conhecimento, através de contactos com as populações, de pesquisas do património – lendas, festas, gastronomia, profissões – e dos modos de sentir os lugares – crenças, medos e imaginações.

As propostas têm carácter objectual, o que deixa antever uma manutenção exigente e a necessidade da monitorização do comportamento de cada obra. Dos estudos de caso conhecidos, sabemos que este acompanhamento é eficaz se envolver a população local, o que deve acontecer preferencialmente a montante, quando estão em preparação os projectos e quando conseguem mobilizar contributos externos. Ainda que não tenha existido qualquer colaboração directa na fase projectual, as autoras afirmam que procuraram objectos estéticos movidos pelos estímulos do meio e que recusaram indícios de qualquer personalidade artística ou idiossincrasias.

Foi reunida documentação criteriosa e exaustiva sobre as intervenções. Há memórias descritivas, especificações técnicas de montagem, registos fotográficos e vídeo, mas também conversas e entrevistas a habitantes, negociação com associações e municípios. Por outro lado, no período que antecedeu e coincidiu com a instalação dos trabalhos, tiveram lugar conversas online, transmitidas em streaming, com testemunhos, impressões e memórias. Outros profissionais foram chamados a pronunciar-se sobre o projecto em entrevistas disponíveis online.

A difícil escolha da localização das obras, feita em colaboração com as autoridades locais, considerou as particularidades paisagísticas, a força da história ou as narrativas ancestrais de mitificação dos lugares. Recaiu sobre Oleiros (no Lugar da Torna, na Ribeira de Oleiros), Proença-a-Nova (no lugar da Buraca da Moura, na Serra das Talhadas) e Sertã (no Parque da Carvalha). As obras intitulam-se Moon Gate (Oleiros), Véu (Sertã) e Farol dos Ventos (Proença-a-Nova) e optam por soluções de contraste, seja pelos materiais utilizados, seja pela cor dominante, seja pela forma. Não há qualquer tentativa de diluir as intervenções no quadro paisagístico ou de acentuar subtilmente o que lá existia, pelo contrário, inscrevem no existente uma marca poderosa. Introduzem novas sinalizações que, ao atraírem o olhar sobre si próprias, convidam a olhar a envolvente. Em caso algum, as obras cedem à vivência do bosque nas margens da ribeira de Oleiros, à robustez da ponte filipina da Sertã ou à imponência da Serra das Talhadas, não se subjugam à paisagem, confrontam-na, de igual para igual.

A visibilidade das três intervenções emerge das aproximações permitidas e dos afastamentos exigidos pelo território. Todas, ou não fosse natural o seu contexto, são alteradas sob os efeitos da luz, duas produzem reflexos e espelhamentos, opacidades e transparências e, por isso, são descobertas e redescobertas, vistas e reconstruídas a cada olhar. Há certamente a incorporação de dados locais, que repesco das memórias descritivas: a cor âmbar de Moon Gate e os elementos ferrosos das rochas; a superfície metálica de Véu e a superfície da água, fonte de reflexos; a rotação dos cabos coloridos de Farol dos Ventos e o movimento das aves da montanha.

Termos como reapropriação do território pela comunidade, humanização ou reversão da desertificação surgem nas memórias descritivas e geram um paralelismo entre este projecto e outros processos de utilização da arte como veículo de reabilitação territorial e comunitária.

De forma simplificada, podemos dizer que a presença de obras de arte em espaços ao ar livre se filia em dois eixos fundamentais de desenvolvimento. O primeiro, associado à dimensão humanista que via na contemplação e na proximidade da arte uma possibilidade de recuperação emocional e social. No espaço urbano, em parques e na paisagem, a arte foi entendida como manifestação de confiança na humanidade e contributo para um mundo mais justo e livre. O segundo, associado à dinâmica de reclamação do território movida pelas questões ambientais. Um e outro apelam a usos instrumentais da arte: no primeiro, a escultura pública serve um modelo humanizado de organização do espaço; no segundo, a arte ocupa áreas negligenciadas e excluídas do ordenamento funcional do território.

É seguramente a marca humana implicada na arte que, em tempos de pós-humanismo, continua a justificar estas recorrências de regeneração, sempre que fenómenos de diversa ordem alteram o equilíbrio estabelecido. O pretexto imediato para as obras da Rota da Cortiçada e as actividades do festival que as enquadra foi a vaga de incêndios que ocorreu em 2017. As três obras do Pinhal Interior não sugerem qualquer hierarquia ou superioridade face à paisagem e, ainda que a provoquem, tornam-se parte dela. Será a intervenção artística um contributo para repor equilíbrios humanos e territoriais? A incógnita persiste e são projectos como estes que a alimentam.

 

 

Laura Castro
Professora na Escola das Artes da Universidade Católica Portuguesa. Investigadora e do Centro de Investigação em Ciência e Tecnologia das Artes da mesma Escola. Entre o início da década de 90 e 2006 trabalhou no sector cultural. Escreve sobre arte moderna e contemporânea; museologia; arte, natureza e paisagem; arte pública.
É membro da APHA (Associação Portuguesa de Historiadores de Arte) e da AICA (Associação Internacional de Críticos de Arte), e presidente da direcção do Círculo de Cultura Teatral / Teatro Experimental do Porto.