Links

ARQUITETURA E DESIGN




Adolf Loos, Turnovsky Chest of Drawers, 1902.


Não é um iPod. É o Braun T3 pocket radio, Dieter Rahms, 1958.


Jeff Koons, Dirty Jeff on Top, 1989.


David Lachapelle, da série Jesus is my homeboy, 2003.


Swatch Look Through.


Woody Allen, Sleeper (O herói do ano 2000, 1973).


Stanley Kubrick, 2001 A Space Odyssey (2001 Odisseia no Espaço, 1968).

Outros artigos:

2017-11-15


SHAPINGSHAPE NA BIENAL DA MAIA


2017-10-14


O TEATRO CARLOS ALBERTO DIALOGA COM A CIDADE: PELA MÃO DE NUNO LACERDA LOPES


2017-09-10


“VINTE E TRÊS”. AUSÊNCIAS E APARIÇÕES NUMA MOSTRA DE JOALHARIA IBEROAMERICANA PELA PIN ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE JOALHARIA CONTEMPORÂNEA


2017-08-01


23 – JOALHARIA CONTEMPORÂNEA NA IBERO-AMÉRICA


2017-06-30


PASSAGENS DE SERRALVES PELO TERMINAL DE CRUZEIROS DO PORTO DE LEIXÕES


2017-05-30


EVERYTHING IN THE GARDEN IS ROSY: AS PERIFERIAS EM IMAGENS


2017-04-18


“ÁRVORE” (2002), UMA OBRA COM A AUTORIA EM SUSPENSO


2017-03-17


ÁLVARO SIZA : VISÕES DA ALHAMBRA


2017-02-14


“NÃO TOCAR”: O NOVO MUSEU DO DESIGN EM LONDRES


2017-01-17


MAXXI ROMA


2016-12-10


NOTAS SOBRE ESPAÇO E MOVIMENTO


2016-11-15


X BIAU EM SÃO PAULO: JOÃO LUÍS CARRILHO DA GRAÇA À CONVERSA COM PAULO MENDES DA ROCHA E EDUARDO SOUTO DE MOURA


2016-10-11


CENAS PARA UM NOVO PATRIMÓNIO


2016-08-31


DREAM OUT LOUD E O DESIGN SOCIAL NO STEDELIJK MUSEUM


2016-06-24


MATÉRIA-PRIMA. UM OLHAR SOBRE O ARQUIVO DE ÁLVARO SIZA


2016-05-28


NA PEGADA DE LE CORBUSIER


2016-04-29


O EFEITO BREUER – PARTE 2


2016-03-24


O EFEITO BREUER - PARTE 1


2016-02-16


GEORGE BEYLERIAN CELEBRA O DESIGN ITALIANO COM LANÇAMENTO DE “DESIGN MEMORABILIA”


2016-01-08


RESOLUÇÕES DE ANO NOVO PARA A ARQUITETURA E DESIGN EM 2016


2015-11-30


BITTE LEBN. POR FAVOR, VIVE.


2015-10-30


A FORMA IDEAL


2015-09-14


DOS FANTASMAS DE SERRALVES AO CLIENTE COMO ARQUITECTO


2015-08-01


“EXTRA ORDINARY” - JOVENS DESIGNERS EXPLORAM MATERIAIS, PRODUTOS E PROCESSOS


2015-06-25


PODE A TIPOGRAFIA AJUDAR-NOS A CRIAR EMPATIA COM OS OUTROS?


2015-05-20


BIJOY JAIN, STUDIO MUMBAI


2015-04-14


O FIM DA ARQUITECTURA


2015-03-12


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE II/II)


2015-02-11


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE I/II)


2015-01-11


ESPECTADOR


2014-12-09


ARQUITECTAS: ENSAIO PARA UM MANUAL REVOLUCIONÁRIO


2014-11-10


A MARCA QUE TEM O MEU NOME


2014-10-04


NEWS FROM VENICE


2014-09-08


A INCONSCIÊNCIA DE ZENO. MÁQUINAS DE SUBJECTIVIDADE NO SUPERSTUDIO*


2014-07-30


ENTREVISTA A JOSÉ ANTÓNIO PINTO


2014-06-17


ÍNDICES, LISTAGENS E DIAGRAMAS: the world is all there is the case


2014-05-15


FILME COMO ARQUITECTURA, ARQUITECTURA COMO AUTOBIOGRAFIA


2014-04-14


O MUNDO NA MÃO


2014-03-13


A CASA DA PORTA DO MAR


2014-02-13


O VERNACULAR CONTEMPORÂNEO


2014-01-07


PÓS-TRIENAL 2013 [RELAÇÕES INSTÁVEIS ENTRE EVENTOS, ARQUITECTURAS E CIDADES]


2013-11-12


UMA SUBTIL INTERFERÊNCIA: A MONTAGEM DA EXPOSIÇÃO “FERNANDO TÁVORA: MODERNIDADE PERMANENTE” EM GUIMARÃES OU UMA EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA NUMA ESCOLA EM PLENO FUNCIONAMENTO


2013-08-12


“NADA MUDAR PARA QUE TUDO SEJA DIFERENTE”: CONVERSA COM BEYOND ENTROPY


2013-08-11


“CHANGING NOTHING SO THAT EVERYTHING IS DIFFERENT”: CONVERSATION WITH BEYOND ENTROPY


2013-07-04


CORTA MATO. Design industrial do ponto de vista do utilizador


2013-05-20


VÍTOR FIGUEIREDO: A MISÉRIA DO SUPÉRFLUO


2013-04-02


O DESIGNER SOCIAL


2013-03-11


DRESS SEXY AT MY FUNERAL: PARA QUE SERVE A BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA?


2013-02-08


O CONSUMIDOR EMANCIPADO


2013-01-08


SOBRE-QUALIFICAÇÃO E REBUSCO


2012-10-29


“REGIONALISM REDIVIVUS”: UM OUTRO OLHAR SOBRE UM TEMA PERSISTENTE


2012-10-08


LEVINA VALENTIM E JOAQUIM PAULO NOGUEIRA


2012-10-07


HOMENAGEM A ROBIN FIOR (1935-2012)


2012-09-08


A PROMESSA DA ARQUITECTURA. CONSIDERAÇÕES SOBRE A GERAÇÃO POR VIR


2012-07-01


ENTREVISTA | ANDRÉ TAVARES


2012-06-10


O DESIGN DA HISTÓRIA DO DESIGN


2012-05-07


O SER URBANO: UMA EXPOSIÇÃO COMO OBRA ABERTA. NO CAMINHO DOS CAMINHOS DE NUNO PORTAS


2012-04-05


UM OBJECTO DE RONAN E ERWAN BOUROULLEC


2012-03-05


DEZ ANOS DE NUDEZ


2012-02-13


ENCONTROS DE DESIGN DE LISBOA ::: DESIGN, CRISE E DEPOIS


2012-01-06


ARCHIZINES – QUAL O TAMANHO DA PEQUENÊS?


2011-12-02


STUDIO ASTOLFI


2011-11-01


TRAMA E EMOÇÃO – TRÊS DISCURSOS


2011-09-07


COMO COMPOR A CONTEMPLAÇÃO? – UMA HISTÓRIA SOBRE O PAVILHÃO TEMPORÁRIO DA SERPENTINE GALLERY E O PROCESSO CRIATIVO DE PETER ZUMTHOR


2011-07-18


EDUARDO SOUTO DE MOURA – PRITZKER 2011. UMA SISTEMATIZAÇÃO A PROPÓSITO DA VISITA DE JUHANI PALLASMAA


2011-06-03


JAHARA STUDIO


2011-05-05


FALEMOS DE 1 MILHÃO DE CASAS. NOTAS SOBRE O CONCURSO E EXPOSIÇÃO “A HOUSE IN LUANDA: PATIO AND PAVILLION”


2011-04-04


A PROPÓSITO DA CONFERÊNCIA “ARQUITECTURA [IN] ]OUT[ POLÍTICA”: UMA LEITURA DISCIPLINAR SOBRE A MEDIAÇÃO E A ESPECIFICIDADE


2011-03-09


HUGO MADUREIRA: O ARTISTA-JOALHEIRO


2011-02-07


O QUE MUDOU, O QUE NÃO MUDOU E O QUE PRECISA MUDAR


2011-01-11


nada


2010-12-02


PEQUENO ELOGIO DO ARCAICO


2010-11-02


CABRACEGA


2010-10-01


12ª BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA — “PEOPLE MEET IN ARCHITECTURE”


2010-08-02


ENTREVISTA | FILIPA GUERREIRO E TIAGO CORREIA


2010-07-09


ATYPYK PRODUCTS ARE NOT MADE IN CHINA


2010-06-03


OS PRÓXIMOS 20 ANOS. NOTAS SOBRE OS “DISCURSOS (RE)VISITADOS”


2010-05-07


OBJECTOS SEM MEDO


2010-04-01


O POTENCIAL TRANSFORMADOR DO EFÉMERO: A PROPÓSITO DO PAVILHÃO SERPENTINE EM LONDRES


2010-03-04


PEDRO + RITA = PEDRITA


2010-02-03


PARA UMA ARQUITECTURA SWISSPORT


2009-12-12


SOU FUJIMOTO


2009-11-10


THE HOME PROJECT


2009-10-01


ESTRATÉGIA PARA HABITAÇÃO EVOLUTIVA – ÍNDIA


2009-09-01


NA MANGA DE LIDIJA KOLOVRAT


2009-07-24


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR (Parte II)


2009-06-16


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR


2009-05-19


O QUE É QUE SE SEGUE?


2009-04-17


À MESA COM SAM BARON


2009-03-24


HISTÓRIAS DE UMA MALA


2009-02-18


NOTAS SOBRE PROJECTOS, ESPAÇOS, VIVÊNCIAS


2009-01-26


OUTONO ESCALDANTE OU LAPSO CRÍTICO? 90 DIAS DE DEBATE DE IDEIAS NA ARQUITECTURA PORTUENSE


2009-01-16


APRENDER COM A PASTELARIA SEMI-INDUSTRIAL PORTUGUESA OU PORQUE É QUE SÓ HÁ UMA RECEITA NO LIVRO FABRICO PRÓPRIO


2008-11-20


ÁLVARO SIZA E O BRASIL


2008-10-21


A FORMA BONITA – PETER ZUMTHOR EM LISBOA


2008-09-18


“DELIRIOUS NEW YORK” EXPLICADO ÀS CRIANÇAS


2008-08-15


A ROOM WITH A VIEW


2008-07-16


DEBATER CRIATIVAMENTE A CIDADE: A EXPERIÊNCIA PORTO REDUX


2008-06-17


FOTOGRAFIA DE ARQUITECTURA, DEFEITO E FEITIO


2008-05-14


A PROPÓSITO DA DEMOLIÇÃO DO ROBIN HOOD GARDENS


2008-04-08


INTERFACES URBANOS: O CASO DE MACAU


2008-03-01


AS CORES DA COR


2008-02-02


Notas sobre a produção arquitectónica portuguesa e sua cartografia na Architectural Association


2008-01-03


TARZANS OF THE MEDIA JUNGLE


2007-12-04


MÚSICA INTERIOR


2007-11-04


O CIRURGIÃO INGLÊS


2007-10-02


NÓS E OS CARROS


2007-09-01


Considerações sobre Tempo e Limite na produção e recepção da Arquitectura


2007-08-01


A SUBLIMAÇÃO DA CONTEMPORANEIDADE


2007-07-01


UMA MITOLOGIA DE CARNE E OSSO


2007-06-01


O LUGAR COMO ARMADILHA


2007-05-02


ESPAÇOS DE FILMAR


2007-04-02


ARTES DO ESPAÇO: ARQUITECTURA/CENOGRAFIA


2007-03-01


TERRAIN VAGUE – Notas de Investigação para uma Identidade


2007-02-02


ERRARE HUMANUM EST…


2007-01-02


QUANDO A CIDADE É TELA PARA ARTE CONTEMPORÂNEA


2006-12-02


ARQUITECTURA: ESPAÇO E RITUAL


2006-11-02


IN SUSTENTÁVEL ( I )


2006-10-01


VISÕES DO FUTURO - AS NOVAS CIDADES ASIÁTICAS


2006-09-03


NOTAS SOLTAS SOBRE ARQUITECTURA E TECNOLOGIA


2006-07-30


O BANAL E A ARQUITECTURA


2006-07-01


NOVAS MORFOLOGIAS NO PORTO INDUSTRIAL DE LISBOA


2006-06-02


SOBRE O ESPAÇO DE REPRESENTAÇÃO MODERNO


2006-04-27


MODOS DE “VER” O ESPAÇO - A PROPÓSITO DE MONTAGENS FOTOGRÁFICAS


share |

DESIGN E DELITO

ANTÓNIO COXITO


Há já cem anos que Adolf Loos, num visionário golpe moralista, nos levou a considerar o ornamento um delito [1]. Hoje, conscientemente ou não, quando optamos por soluções sóbrias citamos Loos.

O discurso loosiano foi apropriado pelos Modernistas das formas puras, por Humphrey Boggart do fato cinzento e por Dieter Rams do wenig, aber besser [2]. O seu horizonte é nothing is more. Mas por detrás da sua capa monocromática e dos seus argumentos funcionalistas, a não-ornamentação tornou-se num formalismo por excelência. O novo ornamento passou a ser a cor plana, o melhor design passou a ser o não-design e a replicação de modelos, característica das anteriores épocas ornamentais, manteve-se, agora com a sua intrínseca monotonia: um alçado cego, uma alheta.

No outro extremo, quando o ornamento sobrevém é considerado kitsch. Ali se encontram flores de plástico, com a chancela da Unidade Infinita ou roubadas no cemitério, estatuetas de Jeff Koons em poses eróticas com Cicciolina ou as fotografias profusamente coloridas, provocatórias e superficiais de David Lachapelle. Este kitsch foi delineado por Milan Kundera em L’ insoutenable légèreté de l’être (A insustentável leveza do ser, 1984). Segundo ele, o Vaticano considera que Jesus Cristo amava, Jesus Cristo comia, mas Jesus Cristo não defecava. Este é um paradigma da ornamentação kitsch: passear alegremente sem olhar aquilo que se pisa.

Pelo meio, houve caminhos do design e da arquitetura que foram contextuais da tecnologia, desde o betão ao automóvel. Se, em determinada altura datada, proliferaram equipamentos com um invólucro transparente, de modo a que se pudesse ver o seu mecanismo, como que num gesto de sinceridade, na era digital essa inteligibilidade encontra-se encriptada em bits, tornando esta solução num strip-tease de série B. A inteligibilidade do funcionamento passou então a debruçar-se sobre a sua navegação e não sobre o seu mecanismo. Aqui, a ergonomia refere-se aos dedos e aos olhos, prescindindo do resto do corpo. Através dos olhos imergimos num espaço virtual, esse sim com novos âmbitos para o design.

A redução daquele design ao botão ON/OFF é ilustrada com ironia existencial por Woody Allen em Sleeper (O herói do ano 2000, 1973): basta premir um botão e tudo o que desejamos se realiza. Por outras palavras, a desalienação do homem sobre o seu potencial e sobre o seu destino. Uma espécie de anestesia autoinfligida para a qual recordo as últimas páginas do diário do capitão Scott na sua trágica conquista do Polo Sul: já com o corpo em hipotermia, com o lápis atado à luva com um cordel, descreveu a sua morte por congelamento como algo de extremamente agradável; o anestesiamento causado pelo frio provoca alucinações, tal como a navegação em modo automático. Procederá a épica batalha entre o homem e a máquina, representada num outro filme de culto, 2001 A Space Odyssey (2001 Odisseia no Espaço, 1968) de Stanley Kubrick, curiosamente com um prognóstico para o ano seguinte ao da versão portuguesa de Sleeper, apesar de ter sido realizado antes do filme de Woody Allen. Esta batalha está a ser vencida por HAL, para estranho regozijo dos humanos.

A sobriedade loosiana releva de uma consciência da excessiva leveza humana quando colocada nas asas da máquina comodista ocidental pós-revolução industrial. Isso é positivo! Mas não quer dizer que a sua replicação esteja imbuída desta consciência.

Num tempo de multiplicidade de canais de informação, veiculando uma multiplicidade de correntes, através de uma multiplicidade de ferramentas de sedução, é comum sentirmo-nos seduzidos por deus e pelo diabo sem nos darmos conta dessa contradição. Por exemplo, referindo-nos aos “grandes autores da literatura do século XX”, não é inaudito ouvir-se dissertar sobre Ernest Hemingway (1899-1961) e a seguir, mantendo a chama, sobre Scott Fitzgerald (1896-1940). Isso revela, não leviandade literária, mas uma falta de definição de si próprio (apesar de, em Portugal, poder ainda significar subalternidade literária, por serem ambos “grandes autores da literatura do século XX”). Trata-se de não saber se se deseja ser um partisan dando a vida por uma causa humanitária se um dandy fútil entre Paris e Nova Iorque. Alegar que essa dúvida é humana revela a mesma dúvida: é uma defesa que engendra dentro de si o argumento, portanto sem base. Se estes dois autores chegaram a ser grandes amigos (único assunto, trivial, que poderia unir uma dissertação que incluísse ambos), a amizade não deixa de os opor eticamente. A boa literatura deve ser submetida ao crivo da ideologia.

A questão então torna-se, não na opção por ornamentar ou despojar mas na autenticidade dessa opção.

Aquilo que Loos mais criticava não era a existência de ornamento mas a sua reprodução mimética. No fundo, criticava a falta de autonomia do desenho perante qualquer discurso, fosse ele o discurso da moda, o da tradição ou o da academia. Pelos vistos, apenas conseguiu elevar-se acima do geist da sua época, porque o seu propósito era um novo moralismo, sempre novo, todas as épocas.


António Coxito



Notas

[1] Adolf Loos, Ornamento e delito, 1908.
[2] Menos mas melhor.