Links

ARQUITETURA E DESIGN




Mesa Precious Famine, 2005. Mil talheres da linha Albi da Christofle, em aço inoxidável. © Toni Grilo


From Chandelier, 2005. Lustre em aço inoxidável e facas Albi de prata, Christofle. © Toni Grilo


From Spoons, 2005. Fruteira de colheres em prata, Christofle. © Toni Grilo


From Forks, 2005. Centro de mesa em prata, Christofle. © Toni Grilo


From Knives, 2005. Centro de mesa em prata, Christople. © Toni Grilo


From Knives, 2005. Jarra, em prata Christofle. © Toni Grilo


From Spoons, 2005. Castiçal em prata, Christofle. © Toni Grilo


Bibendum, 2009. Cadeirão em aço inoxidável, Riluc. © Toni Grilo


Bibendum, 2009. Cadeirão em aço inoxidável, Riluc. © Toni Grilo


Mousse, 2010. Mesa em aço inoxidável, Riluc. © Toni Grilo


Many Worlds, 2011. Mesa em aço inoxidável e borracha, Riluc. © Toni Grilo


Aline, 2011. Banco e cadeira em aço inoxidável, Riluc. © Toni Grilo


Marie, 2007. Candeeiros de mesa em diversos materiais (mármore, cortiça, carvalho e alumínio), Haymann. © Toni Grilo


Cutting Space, 2012. Espelho em aço polido, Haymann. © Toni Grilo


Twist, 2012. Cadeira em carvalho natural, Haymann. © Toni Grilo


Revolution, 2012. Jarra, Haymann. © Toni Grilo


Dartagnan, 2012. Cadeirão, Haymann. © Toni Grilo


El Deslumbramiento, 2010. Instalação para o Museu Automóvel de Málaga. © Toni Grilo

Outros artigos:

2017-06-30


PASSAGENS DE SERRALVES PELO TERMINAL DE CRUZEIROS DO PORTO DE LEIXÕES


2017-05-30


EVERYTHING IN THE GARDEN IS ROSY: AS PERIFERIAS EM IMAGENS


2017-04-18


“ÁRVORE” (2002), UMA OBRA COM A AUTORIA EM SUSPENSO


2017-03-17


ÁLVARO SIZA : VISÕES DA ALHAMBRA


2017-02-14


“NÃO TOCAR”: O NOVO MUSEU DO DESIGN EM LONDRES


2017-01-17


MAXXI ROMA


2016-12-10


NOTAS SOBRE ESPAÇO E MOVIMENTO


2016-11-15


X BIAU EM SÃO PAULO: JOÃO LUÍS CARRILHO DA GRAÇA À CONVERSA COM PAULO MENDES DA ROCHA E EDUARDO SOUTO DE MOURA


2016-10-11


CENAS PARA UM NOVO PATRIMÓNIO


2016-08-31


DREAM OUT LOUD E O DESIGN SOCIAL NO STEDELIJK MUSEUM


2016-06-24


MATÉRIA-PRIMA. UM OLHAR SOBRE O ARQUIVO DE ÁLVARO SIZA


2016-05-28


NA PEGADA DE LE CORBUSIER


2016-04-29


O EFEITO BREUER – PARTE 2


2016-03-24


O EFEITO BREUER - PARTE 1


2016-02-16


GEORGE BEYLERIAN CELEBRA O DESIGN ITALIANO COM LANÇAMENTO DE “DESIGN MEMORABILIA”


2016-01-08


RESOLUÇÕES DE ANO NOVO PARA A ARQUITETURA E DESIGN EM 2016


2015-11-30


BITTE LEBN. POR FAVOR, VIVE.


2015-10-30


A FORMA IDEAL


2015-09-14


DOS FANTASMAS DE SERRALVES AO CLIENTE COMO ARQUITECTO


2015-08-01


“EXTRA ORDINARY” - JOVENS DESIGNERS EXPLORAM MATERIAIS, PRODUTOS E PROCESSOS


2015-06-25


PODE A TIPOGRAFIA AJUDAR-NOS A CRIAR EMPATIA COM OS OUTROS?


2015-05-20


BIJOY JAIN, STUDIO MUMBAI


2015-04-14


O FIM DA ARQUITECTURA


2015-03-12


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE II/II)


2015-02-11


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE I/II)


2015-01-11


ESPECTADOR


2014-12-09


ARQUITECTAS: ENSAIO PARA UM MANUAL REVOLUCIONÁRIO


2014-11-10


A MARCA QUE TEM O MEU NOME


2014-10-04


NEWS FROM VENICE


2014-09-08


A INCONSCIÊNCIA DE ZENO. MÁQUINAS DE SUBJECTIVIDADE NO SUPERSTUDIO*


2014-07-30


ENTREVISTA A JOSÉ ANTÓNIO PINTO


2014-06-17


ÍNDICES, LISTAGENS E DIAGRAMAS: the world is all there is the case


2014-05-15


FILME COMO ARQUITECTURA, ARQUITECTURA COMO AUTOBIOGRAFIA


2014-04-14


O MUNDO NA MÃO


2014-03-13


A CASA DA PORTA DO MAR


2014-02-13


O VERNACULAR CONTEMPORÂNEO


2014-01-07


PÓS-TRIENAL 2013 [RELAÇÕES INSTÁVEIS ENTRE EVENTOS, ARQUITECTURAS E CIDADES]


2013-11-12


UMA SUBTIL INTERFERÊNCIA: A MONTAGEM DA EXPOSIÇÃO “FERNANDO TÁVORA: MODERNIDADE PERMANENTE” EM GUIMARÃES OU UMA EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA NUMA ESCOLA EM PLENO FUNCIONAMENTO


2013-09-24


DESIGN E DELITO


2013-08-12


“NADA MUDAR PARA QUE TUDO SEJA DIFERENTE”: CONVERSA COM BEYOND ENTROPY


2013-08-11


“CHANGING NOTHING SO THAT EVERYTHING IS DIFFERENT”: CONVERSATION WITH BEYOND ENTROPY


2013-07-04


CORTA MATO. Design industrial do ponto de vista do utilizador


2013-05-20


VÍTOR FIGUEIREDO: A MISÉRIA DO SUPÉRFLUO


2013-04-02


O DESIGNER SOCIAL


2013-03-11


DRESS SEXY AT MY FUNERAL: PARA QUE SERVE A BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA?


2013-02-08


O CONSUMIDOR EMANCIPADO


2013-01-08


SOBRE-QUALIFICAÇÃO E REBUSCO


2012-10-29


“REGIONALISM REDIVIVUS”: UM OUTRO OLHAR SOBRE UM TEMA PERSISTENTE


2012-10-07


HOMENAGEM A ROBIN FIOR (1935-2012)


2012-09-08


A PROMESSA DA ARQUITECTURA. CONSIDERAÇÕES SOBRE A GERAÇÃO POR VIR


2012-07-01


ENTREVISTA | ANDRÉ TAVARES


2012-06-10


O DESIGN DA HISTÓRIA DO DESIGN


2012-05-07


O SER URBANO: UMA EXPOSIÇÃO COMO OBRA ABERTA. NO CAMINHO DOS CAMINHOS DE NUNO PORTAS


2012-04-05


UM OBJECTO DE RONAN E ERWAN BOUROULLEC


2012-03-05


DEZ ANOS DE NUDEZ


2012-02-13


ENCONTROS DE DESIGN DE LISBOA ::: DESIGN, CRISE E DEPOIS


2012-01-06


ARCHIZINES – QUAL O TAMANHO DA PEQUENÊS?


2011-12-02


STUDIO ASTOLFI


2011-11-01


TRAMA E EMOÇÃO – TRÊS DISCURSOS


2011-09-07


COMO COMPOR A CONTEMPLAÇÃO? – UMA HISTÓRIA SOBRE O PAVILHÃO TEMPORÁRIO DA SERPENTINE GALLERY E O PROCESSO CRIATIVO DE PETER ZUMTHOR


2011-07-18


EDUARDO SOUTO DE MOURA – PRITZKER 2011. UMA SISTEMATIZAÇÃO A PROPÓSITO DA VISITA DE JUHANI PALLASMAA


2011-06-03


JAHARA STUDIO


2011-05-05


FALEMOS DE 1 MILHÃO DE CASAS. NOTAS SOBRE O CONCURSO E EXPOSIÇÃO “A HOUSE IN LUANDA: PATIO AND PAVILLION”


2011-04-04


A PROPÓSITO DA CONFERÊNCIA “ARQUITECTURA [IN] ]OUT[ POLÍTICA”: UMA LEITURA DISCIPLINAR SOBRE A MEDIAÇÃO E A ESPECIFICIDADE


2011-03-09


HUGO MADUREIRA: O ARTISTA-JOALHEIRO


2011-02-07


O QUE MUDOU, O QUE NÃO MUDOU E O QUE PRECISA MUDAR


2011-01-11


nada


2010-12-02


PEQUENO ELOGIO DO ARCAICO


2010-11-02


CABRACEGA


2010-10-01


12ª BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA — “PEOPLE MEET IN ARCHITECTURE”


2010-08-02


ENTREVISTA | FILIPA GUERREIRO E TIAGO CORREIA


2010-07-09


ATYPYK PRODUCTS ARE NOT MADE IN CHINA


2010-06-03


OS PRÓXIMOS 20 ANOS. NOTAS SOBRE OS “DISCURSOS (RE)VISITADOS”


2010-05-07


OBJECTOS SEM MEDO


2010-04-01


O POTENCIAL TRANSFORMADOR DO EFÉMERO: A PROPÓSITO DO PAVILHÃO SERPENTINE EM LONDRES


2010-03-04


PEDRO + RITA = PEDRITA


2010-02-03


PARA UMA ARQUITECTURA SWISSPORT


2009-12-12


SOU FUJIMOTO


2009-11-10


THE HOME PROJECT


2009-10-01


ESTRATÉGIA PARA HABITAÇÃO EVOLUTIVA – ÍNDIA


2009-09-01


NA MANGA DE LIDIJA KOLOVRAT


2009-07-24


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR (Parte II)


2009-06-16


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR


2009-05-19


O QUE É QUE SE SEGUE?


2009-04-17


À MESA COM SAM BARON


2009-03-24


HISTÓRIAS DE UMA MALA


2009-02-18


NOTAS SOBRE PROJECTOS, ESPAÇOS, VIVÊNCIAS


2009-01-26


OUTONO ESCALDANTE OU LAPSO CRÍTICO? 90 DIAS DE DEBATE DE IDEIAS NA ARQUITECTURA PORTUENSE


2009-01-16


APRENDER COM A PASTELARIA SEMI-INDUSTRIAL PORTUGUESA OU PORQUE É QUE SÓ HÁ UMA RECEITA NO LIVRO FABRICO PRÓPRIO


2008-11-20


ÁLVARO SIZA E O BRASIL


2008-10-21


A FORMA BONITA – PETER ZUMTHOR EM LISBOA


2008-09-18


“DELIRIOUS NEW YORK” EXPLICADO ÀS CRIANÇAS


2008-08-15


A ROOM WITH A VIEW


2008-07-16


DEBATER CRIATIVAMENTE A CIDADE: A EXPERIÊNCIA PORTO REDUX


2008-06-17


FOTOGRAFIA DE ARQUITECTURA, DEFEITO E FEITIO


2008-05-14


A PROPÓSITO DA DEMOLIÇÃO DO ROBIN HOOD GARDENS


2008-04-08


INTERFACES URBANOS: O CASO DE MACAU


2008-03-01


AS CORES DA COR


2008-02-02


Notas sobre a produção arquitectónica portuguesa e sua cartografia na Architectural Association


2008-01-03


TARZANS OF THE MEDIA JUNGLE


2007-12-04


MÚSICA INTERIOR


2007-11-04


O CIRURGIÃO INGLÊS


2007-10-02


NÓS E OS CARROS


2007-09-01


Considerações sobre Tempo e Limite na produção e recepção da Arquitectura


2007-08-01


A SUBLIMAÇÃO DA CONTEMPORANEIDADE


2007-07-01


UMA MITOLOGIA DE CARNE E OSSO


2007-06-01


O LUGAR COMO ARMADILHA


2007-05-02


ESPAÇOS DE FILMAR


2007-04-02


ARTES DO ESPAÇO: ARQUITECTURA/CENOGRAFIA


2007-03-01


TERRAIN VAGUE – Notas de Investigação para uma Identidade


2007-02-02


ERRARE HUMANUM EST…


2007-01-02


QUANDO A CIDADE É TELA PARA ARTE CONTEMPORÂNEA


2006-12-02


ARQUITECTURA: ESPAÇO E RITUAL


2006-11-02


IN SUSTENTÁVEL ( I )


2006-10-01


VISÕES DO FUTURO - AS NOVAS CIDADES ASIÁTICAS


2006-09-03


NOTAS SOLTAS SOBRE ARQUITECTURA E TECNOLOGIA


2006-07-30


O BANAL E A ARQUITECTURA


2006-07-01


NOVAS MORFOLOGIAS NO PORTO INDUSTRIAL DE LISBOA


2006-06-02


SOBRE O ESPAÇO DE REPRESENTAÇÃO MODERNO


2006-04-27


MODOS DE “VER” O ESPAÇO - A PROPÓSITO DE MONTAGENS FOTOGRÁFICAS


share |

LEVINA VALENTIM E JOAQUIM PAULO NOGUEIRA

UM OBJETO DE TONI GRILO


Minimalismo versus Barroco, simplicidade das formas versus complexidade dos processos, alma e intuição, assim é o trabalho de Toni Grilo, trinta e três anos e uma carreira já desenhada. Convidámos Joaquim Paulo Nogueira, dramaturgo, jornalista e estudioso de teatro, para divagar em torno da mesa Precious Famine do designer português.


Entre Paris e Lisboa

Trinta e três anos, um ar de menino e um sorriso afável. Encontramo-nos no Jardim da Estrela às quatro da tarde, no meio da frescura das árvores. “Não gosto de entrevistas.” “Não te vou entrevistar”, digo eu. “Venho apenas recolher material para fazer o texto.” Bebemos um café e o ambiente desanuvia-se.

Filho de pais portugueses radicados em França, Toni Grilo nasceu em Nancy, em 1979, e cresceu em Toulouse. Aos 15 anos sai de casa para estudar, primeiro em Toulouse, depois em Blois e, finalmente, em Paris. Não gostou muito de estudar: “A verdadeira escola é depois”. Mas formou-se em Design de Mobiliário e Arquitetura na prestigiada École Supérieure Boulle. A meio do curso, vem estagiar a Lisboa e fica impressionado com o meio, radicalmente diferente do parisiense, que é “sem alma”.

“Em Lisboa, tens liberdade e tempo para criar e, depois, as pessoas gostam ou não gostam. Em França, tudo é intelectualizado, tudo tem que ser justificado e criticado.” Por isso, em 2001, deixa a Cidade Luz e vem para Lisboa.

A convite de Marco Sousa Santos, integra durante um ano a equipa da Proto Design. Após a extinção da Proto, fica como assistente de Marco e passa, depois, para a feira de design In’nova, na Feira Internacional de Lisboa, onde desenha exposições e organiza workshops com designers e escolas de todo o mundo. Entre os muitos convidados para estes workshops, estão os franceses Radi Designers [1]. Toni leva-os à Marinha Grande, onde ficam impressionados com a organização. E, naturalmente, com o trabalho de Toni Grilo. Robert Stadler convida-o a integrar o coletivo. Foi o regresso a Paris, um regresso com curta duração.

De volta a Lisboa, no ano seguinte, cria com Elder Monteiro a agência Objection, que trabalha sobretudo em cenografia, interiores e publicidade. As peças de design não eram, portanto, o centro da atividade. Mas Toni estava feliz e tudo funcionava bem, com um entendimento perfeito entre os dois designers. Chefiam projetos alternadamente. Ora um, ora outro assume a direção dos trabalhos.


Alma e intuição

Talvez por fome de matéria, em 2005, Toni Grilo compra uma máquina de soldar e desata a soldar tudo o que lhe aparece pela frente. Os objetos juntam-se e, curiosamente, fazem sentido. Nas suas mãos surgem novas formas e uma coleção na qual os objetos resultam da união de objetos pré-existentes, transformando de forma inusitada a sua função. Faz a exposição Dysfunction, na loja Ana Salgueiro, ao Chiado. Nesta exposição mostra uma mesa feita de talheres, copos com dois pés, uma jarra feita com 30 pés de copos, um candeeiro feito de abajures, uma fruteira feita de colheres e um centro de mesa feito de garfos.

Brigite Fitoussi, diretora artística da Christofle [2], de visita a Lisboa por ocasião da experimentadesign desse ano, fica impressionada e convida o designer a criar uma coleção de peças em prata para a marca francesa. Desafia-o a fazer o mesmo tipo de uso da cutelaria com os objetos da marca, a fim de criar uma coleção de prestígio, destinada ao público do luxo. O designer vai visitar duas fábricas da Christofle e o seu museu. Fica impressionado, por um lado, com o altíssimo nível tecnológico e, por outro, no museu, com a presença de objetos de grandes nomes do design mundial. Antes de desenvolver o projeto, interroga o cliente, a fim de entender e alcançar os fundamentos daquilo que virá a ser o objeto. O que é a Christofle? A sua história, os seus produtos? Qual foi o seu percurso? Onde está agora? Das respostas a estas perguntas surgem os objetos. Não é bem um processo de inspiração, é um fluir de racionalidade, polvilhado com, cá está, outra vez, alma e intuição. E é, também, um processo muito rápido, com imagens a formarem-se na sua cabeça ao ritmo das respostas.
Nascem então, a mesa Precious Famine, feita com mil talheres em aço inoxidável d¬a coleção Albi da Christofle — uma das mais antigas e mais vendidas de sempre pela marca —, o lustre From Chandelier, feito com facas de prata sobre aros de aço inoxidável, a fruteira From Spoons, feita de colheres em prata, os centros de mesa From Forks e From Knives, a jarra From Knives e o castiçal From Spoons.

O objetivo final da coleção From é renovar a imagem da Christofle, daí o uso dos seus talheres tradicionais na criação de peças surpreendentes. Para Toni Grilo, a mesa Precious Famine era uma peça “óbvia: espalham-se os talheres e a mesa surge”. Mas trata-se de uma muito peça complexa a nível técnico, sem qualquer suporte estrutural e que exigiu muitos testes. Os talheres são cruzados em triângulo e, no interior, há talheres a criar as curvas. Já o candeeiro From Chandelier, surgiu porque o designer queria que as pessoas ficassem debaixo de uma das peças. Com o seu imponente metro e vinte de diâmetro, constituído por quatro anéis em aço onde as facas em prata assentam e uma lâmpada exatamente no meio, é muito menos óbvio e extremamente agressivo. “Há quem evite passar por baixo dele.”

As restantes peças são baseadas no que a Christofle já fazia: jarras, centros de mesa, fruteiras, castiçais. Coisas simples. O designer acha piada partir de uma complicação — como peças tão orgânicas quanto os talheres Albi — e chegar no final a um resultado muito simples.

A coleção é mostrada em Paris, na exposição From, e torna-se um enorme sucesso. De repente, um designer jovem e desconhecido, ainda por cima vindo de um país tão periférico quanto Portugal, passa a estar no centro das atenções. Dezenas e dezenas de turistas japoneses param diante das vitrinas da Christofle e fotografam compulsivamente. A exposição vai percorrer o mundo: Nova Iorque, Milão, Mónaco, Londres, Lisboa, Atenas, Vilnius, Munique, Dubai, Moscovo... Toni Grilo é então contactado por diversas marcas de luxo e percebe que quando se trabalha para uma, não se pode trabalhar para outras.

Catarina Vilar, na revista Directarts, #2, de agosto, pergunta-lhe em entrevista se a Torre Eiffel teve influência no seu trabalho com metais. Toni Grilo responde que viveu em Paris durante anos e nunca subiu à Torre Eiffel. Mas que talvez seja mais bonito admirá-la de um ponto estratégico da cidade do que ver a cidade de lá. Eu insisto na pergunta. “Não, não teve”, diz o designer.

Para o autor, o grande efeito que o sucesso da coleção teve sobre o seu trabalho foi o facto de o passarem a considerar um designer de metais. Foi por isso que lhe apeteceu desenvolver mais peças de mobiliário, usar também outros materiais.


Paixão pela matéria

Em 2007, sai da Objection. Foi, a seu ver, uma pequena transição, pois continua a fazer stands e cenografia. No ano seguinte inicia atividade a solo e abre um estúdio em nome próprio, especializado em design de equipamento e em direção artística. Tem um pequeno caderno onde desenha em miniatura as suas ideias. Trabalha sempre para clientes, raramente fazendo uma peça para si. “É muito importante sabermos para quem estamos a vender”, diz. E assim faz, com marcas como a Adico, a Publicform, a Corque ou a Riluc.

O caso da sua ligação à Riluc, fábrica de aços inoxidáveis de Santo Tirso, originariamente a trabalhar no ramo automóvel, é paradigmático. Toni é contactado pela empresa, que se encontra em reestruturação e pretende lançar-se no mercado internacional. Cria uma coleção de peças em aço inoxidável, coroada pela impactante cadeira Bibendum, de 2009, composta de grossos tubos e inspirada na célebre mascote da Michelin. A peça, de edição limitada, é distribuída pela galeria Tools, em Paris. A mesa Mousse, de 2010, a cadeira Many Worlds, a cadeira e o banco Aline, todos de 2011, são peças desenhadas para a Riluc que lhe permitiram o prazer de trabalhar metal, particularmente se ele é polido e brilhante, de modo a refletir o ambiente envolvente. Atualmente, a Riluc exporta cerca de 90% da sua produção e está bem divulgada internacionalmente.

Em junho de 2011, aparece-lhe David Haymann, que procurava um designer e diretor artístico, com o propósito de criar uma nova marca. Falam imenso ao telefone e Toni convida-o a vir a Portugal. O objetivo de Haymann é lançar a marca em janeiro de 2012. Normalmente, o processo de criação de uma marca demora dois, três anos, mas Toni Grilo aceita o desafio. Vão para o Porto e visitam cinco fábricas — o designer acompanha sempre a produção. “Numa fábrica sou uma criança. Gosto de ver como o artesão domina o material.”

E começa o processo de criação, com o pressuposto de haver o mínimo de desenho possível e o máximo de matéria. Em janeiro, é lançada a marca Haymann, com 22 peças. Nada de extraordinário para um designer que cria, em média, cinco objetos por mês e cerca de quarenta em 2011. São peças intemporais, nada de tendência. Desta coleção fazem parte os candeeiros Marie, uma série de cinco modelos, nos quais a forma se mantém e os materiais mudam: mármore de Carrara, alumínio polido, cortiça preta, carvalho claro e carvalho escuro. Ou os espelhos Cutting Space, de linhas extraordinariamente simples, mas que redimensionam os espaços onde são colocados. E ainda, a belíssima Twist Lounge Chair, em carvalho maciço. A Haymann está a ser atentamente seguida pela imprensa e conseguiu distribuidores em França que só aceitam grandes marcas.

Versatilidade camaleónica e uma incrível capacidade de adaptação aos diferentes clientes e projetos caracterizam o trabalho deste designer, capaz de ser conceptual ou funcional, consoante trabalha para uma galeria ou para uma fábrica. “Para mim, um objeto tem que ser óbvio, independente. Quando é necessário discurso para justificar a sua existência, necessariamente há algo de errado ou de inacabado nele”, diz na Directarts.

O seu trabalho está espalhado pelo mundo, com presença em coleções públicas e privadas. É representado pelas galerias Caroline Pagès, em Lisboa, Show Me, em Braga, e Tools, em Paris. Está presente no MADE — Museu de Artesanato e Design de Évora e no Museu Automóvel de Málaga, em Espanha. Foi este ano nomeado para o prémio Designer’s Days Enterprise Designer, os Óscares do design francês.

E Toni Grilo, na sua simplicidade desarmante, continua o seu caminho, deixando que as suas dúvidas lhe tragam as respostas.

::::

NOTAS

[1] Os Radi Designers nasceram em 1992, em Paris. À data da sua fundação eram cinco, sendo o grupo atualmente composto por Robert Stadler, Laurent Massaloux e Olivier Sidet. Florence Doléac e Claudio Colucci, constituintes do grupo inicial, exercem a sua atividade independentemente do grupo. Trabalhavam em cenografia e em criação de espaço, design industrial e na criação de séries limitadas de objetos, tendo alcançado uma considerável projeção mundial. Paralelamente à atividade coletiva, cada membro do grupo sempre exerceu atividade individual. Para mais informação, consultar www.radidesigners.com

[2] A Christofle é uma empresa fundada em 1830 pelo joalheiro francês Charles Christofle e mundialmente conhecida pelos seus artigos de mesa: talheres em prata, pratos de porcelana e copos de cristal, presentes nos mais requintados e luxuosos estabelecimentos e lares do mundo. Devido à qualidade dos seus produtos, a Christofle tornou-se fornecedora da corte francesa em 1855. Símbolo de luxo e de elegância, graças ao uso da prata como matéria-prima e às capacidades criativas dos seus designers, afirmou-se como marca de prestígio em todo o mundo e passou a ser fornecedora das principais cortes europeias. A marca está representada em 126 países, tem 75 lojas e três fábricas, para além de um museu. Estilistas como Lacroix ou Christian Dior, designers como Karim Rashid, Andrée Putman ou Ora Ito, assinam, atualmente, produtos Christofle.

::::

Link
www.tonigrilo.com



:::: & ::::




Joaquim Paulo Nogueira / Mesa Precious Famine:
Enquanto aguardo que Precious Famine seja uma mesa dentro de mim


Começo por olhar a mesa de Toni Grilo, que não conhecia, eu não conheço nada, o próprio design, desconheço-o, fui há pouco tempo introduzido nele, no seu ofício, na sua missão, no seu devir, por uma professora de design que me disse apontando a paisagem urbana onde estávamos,
estás a ver os prédios, a rua, os carros?
e eu claro que sim, como podia não ver, estamos na cidade, há prédios, a rua, os carros,
pois eu não vejo nada disso, insistiu.
Ela via linhas, uma confluência de linhas, de espirais, de movimentos em quebra, em desequilíbrio, pontos de fuga, danças ocultas em torno de um lugar em permanente desequilíbrio.
Fico horas nisso, acrescentou. Quando o meu olhar chega ao prédio, à rua, aos carros, aos objetos eles mesmos, já vai atrasado, ou demasiadamente adiantado, para o significado, para o referente, para a significação.

É assim também que me coloco diante desta Precious Famine, a que chamarei Fome Preciosa, de Toni Grilo. À partida, o trabalho que ele realiza nas criações a partir de peças do faqueiro Albi da Christofle parece inscrever-se numa operação de desfuncionalização dos objetos. Digo-o sem grande convicção. Trabalho numa expressão artística, o teatro, onde a desfuncionalização dos objetos foi, entre nós, corrente muito em uso nos anos 70 e 80, principalmente no trabalho de criadores dedicados aos públicos mais jovens, e não me parece que essa ideia possa iluminar a compreensão do trabalho criativo deste designer.

Pelo que me apercebo, ao olhar este conjunto de criações, o que as dinamiza não será apenas uma expropriação de uma função original para lhe fazer sobrepor uma outra, mas também uma reutilização e reconversão da matéria de determinados objetos para com ela construir novos objetos. Ou seja, e é isso o que me parece mais interpelativo neste trabalho, é que ele não me parece tanto um trabalho sobre a função, mais um labor sobre a matéria e sobre a memória como elementos constitutivos daquilo que a coisa é. Ou pode ser.

É verdade que tudo isto tem também uma face muito cosmopolita, como convém ao paradigma do luxo, do raro, do ostensivo, do redundante e do superlativo, que surge associado ao marketing, que tem ajudado a instituir o design como uma arte em expansão no nosso mundo: um dos faqueiros mais emblemáticos da Christofle, uma conceituada marca parisiense, é utilizado para criações de autor de um designer em franca ascensão. O toque de Midas está dado, e isso, no mercado da arte, vale muito, cria muitos generosos entusiasmos.

Acresce que, para mim que vim para as artes performativas num tempo em que o culto dominante era o da pobreza, do mínimo, até do anti-mercado, tudo isto me provoca uma estranheza parideira para o pensamento. Vejo uma tensão quase absoluta no objeto de design. Não consigo pensá-lo de outra forma. Parece-me que a sua emancipação como objeto artístico decorre também da forma como a sua possibilidade interpelativa, questionadora, desafiante convive com uma humildade funcional. Humildade funcional que incorpora numa criação uma dimensão performativa.

Esta ideia da performatividade é-me muito cara. Precious Famine, a mesa que Toni Grilo criou com o faqueiro de luxo da Christofle, é um objeto artístico não só porque me instiga o pensamento sobre o que uma mesa é, ou pode ser, nas nossas vidas, e é esse jogo dos possíveis que faz a arte, mas porque depois da sua existência glamorosa por importantes exposições de design pode vir a terminar os seus dias tranquilamente servindo de apoio para a leitura de jornais durante o café da manhã de uma qualquer vida excêntrica ou milionária. É como se um objeto de design não fosse apenas a plasticidade inerente à materialidade que o configura, fosse também o design das vidas e dos espaços que o utilizam (e que se transformam nesse uso).

Não terá sido por acaso que tantas e tantas vezes a minha cabeça me levou até à abordagem fenomenológica, pedindo-lhe ajuda para pensar na dupla disponibilidade existencial destes garfos, facas e colheres em inox do faqueiro Albi nesta Fome Preciosa. Eles são em simultâneo a matéria, o inox e a função. À partida, parece que a função aprisiona o objeto, que nada o poderá libertar. Uma faca é uma faca, apenas uma faca, não existe para além da sua função de tal modo esta é a sua essência. O objeto não foi beneficiado nem usufrui de todo aquele depositário político humanista que nos foi inculcando a ideia de que deveríamos olhar a pessoa – principalmente aquelas que exercem funções sociais mais marcadas, como médicos, polícias, juízes, professores – para além da sua função. Está ainda por criar, nalgum recanto exótico da intensa proliferação da ideologia pelo mundo em que vivemos, um movimento político que liberte os objetos da função que os institui como objetos.

Uma faca não é apenas uma faca, uma colher não é apenas uma colher, um garfo não é apenas um garfo. Então o que é? Só a experiência estética nos pode ajudar a responder a essa questão. Olhem, a um mesmo tempo, comigo, esta Fome Preciosa. Os garfos, as colheres, as facas, são garfos, colheres e facas, não há como negá-lo. E enquanto objetos do nosso quotidiano reagrupados numa criação artística ajudam a contaminar a nossa ideia de quotidiano com uma dimensão estética. Mas são também um novo composto de inox, um aglomerado de aço inoxidável que, em conjunto, forma uma ideia de mesa (uma certa ideia muito tradicional de mesa de apoio, quatro pés e um tampo). Um novo composto de inox que tem a memória de ter sido em tempos, facas, garfos e colheres. Não somos apenas nós que temos essa memória. É a matéria, aquele material inoxidável que se lembra, como se fosse uma cicatriz, uma marca de que não se liberta, de que foi, em tempos, outra coisa.

Deixo-vos neste cruzamento, a memória que este aço inoxidável tem de ser outra coisa, um faqueiro de luxo da Christofle. É um lugar fascinante para cada um de nós poder seguir sozinho nessa viagem interpelativa por aquilo que um objeto é, pode ser. Sobre o que é ser ou não ser livre. É esta Fome Preciosa que liberta os garfos, os talheres e as colheres de serem apenas isso, garfos, talheres e colheres de um faqueiro de luxo, ou é a memória que este novo inox tem da sua existência passada nas coleções da Christofle que o liberta de ser apenas uma mesa? O que é a liberdade e como é que ela se relaciona com a memória?

Olho esta mesa pela última vez. Já me despedi de vós, já tentei desfazer-me de toda aquela tralha ideológica que me impede de pensar verdadeiramente nas coisas, lanço um derradeiro olhar a esta Fome Preciosa. Apercebo-me de que não me consigo desfazer da primeira ideia que tive quando a vi digitalizada e que foi a de um lugar depois do apocalipse. Vejo em primeiro lugar destroços, despojos de guerra. Corpos numa vala comum. Sou instantaneamente transportado para os campos de concentração alemães durante a Segunda Guerra Mundial. O amontoado cinzento, metalizado transporta-me, sei lá porquê, para o Blade Runner, para uma paisagem de ninguém, de nenhures. Os dentes dos garfos convocam-me imagens de corpos famélicos, esqueléticos. Quando chego a esta imagem o título adquire uma dimensão provocadora que, penso, pouco terá a ver com as intenções do seu criador, mas que me entusiasma enquanto aventura estética: uma mesa de milhares de euros, um faqueiro de luxo da Christofle e, no expoente milionário da Cidade Luz, uma mesa que me transporta para um cenário apocalíptico, entre o holocausto nazi e as paisagens desertas de Blade Runner.

::::

Joaquim Paulo Nogueira

Dramaturgo, é bolseiro de doutoramento na FCT para uma investigação sobre escrita teatral portuguesa na primeira década do milénio e faz parte do projeto de stand up, Cientistas de Pé. Trabalha desde 1996 na Fundação INATEL. Formado em Ciências da Comunicação, fez trabalho de jornalismo e divulgação teatral na revista O Ator, no DN Jovem, na revista Tempo Livre e colabora desde final de 2009 no site Rua de Baixo. Fez parte da direção da Associação Portuguesa de Argumentistas e Dramaturgos.