Links

ARQUITETURA E DESIGN




Imagem 1. Fotografia: Constança Babo


Imagem 2. Fotografia: Constança Babo


Imagem 3. Fotografia: Constança Babo


Imagem 4. Fotografia: Constança Babo


Imagem 5. Fotografia: Constança Babo


Imagem 6. Fotografia: Constança Babo

Outros artigos:

2017-11-15


SHAPINGSHAPE NA BIENAL DA MAIA


2017-10-14


O TEATRO CARLOS ALBERTO DIALOGA COM A CIDADE: PELA MÃO DE NUNO LACERDA LOPES


2017-09-10


“VINTE E TRÊS”. AUSÊNCIAS E APARIÇÕES NUMA MOSTRA DE JOALHARIA IBEROAMERICANA PELA PIN ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE JOALHARIA CONTEMPORÂNEA


2017-08-01


23 – JOALHARIA CONTEMPORÂNEA NA IBERO-AMÉRICA


2017-06-30


PASSAGENS DE SERRALVES PELO TERMINAL DE CRUZEIROS DO PORTO DE LEIXÕES


2017-05-30


EVERYTHING IN THE GARDEN IS ROSY: AS PERIFERIAS EM IMAGENS


2017-04-18


“ÁRVORE” (2002), UMA OBRA COM A AUTORIA EM SUSPENSO


2017-03-17


ÁLVARO SIZA : VISÕES DA ALHAMBRA


2017-02-14


“NÃO TOCAR”: O NOVO MUSEU DO DESIGN EM LONDRES


2016-12-10


NOTAS SOBRE ESPAÇO E MOVIMENTO


2016-11-15


X BIAU EM SÃO PAULO: JOÃO LUÍS CARRILHO DA GRAÇA À CONVERSA COM PAULO MENDES DA ROCHA E EDUARDO SOUTO DE MOURA


2016-10-11


CENAS PARA UM NOVO PATRIMÓNIO


2016-08-31


DREAM OUT LOUD E O DESIGN SOCIAL NO STEDELIJK MUSEUM


2016-06-24


MATÉRIA-PRIMA. UM OLHAR SOBRE O ARQUIVO DE ÁLVARO SIZA


2016-05-28


NA PEGADA DE LE CORBUSIER


2016-04-29


O EFEITO BREUER – PARTE 2


2016-03-24


O EFEITO BREUER - PARTE 1


2016-02-16


GEORGE BEYLERIAN CELEBRA O DESIGN ITALIANO COM LANÇAMENTO DE “DESIGN MEMORABILIA”


2016-01-08


RESOLUÇÕES DE ANO NOVO PARA A ARQUITETURA E DESIGN EM 2016


2015-11-30


BITTE LEBN. POR FAVOR, VIVE.


2015-10-30


A FORMA IDEAL


2015-09-14


DOS FANTASMAS DE SERRALVES AO CLIENTE COMO ARQUITECTO


2015-08-01


“EXTRA ORDINARY” - JOVENS DESIGNERS EXPLORAM MATERIAIS, PRODUTOS E PROCESSOS


2015-06-25


PODE A TIPOGRAFIA AJUDAR-NOS A CRIAR EMPATIA COM OS OUTROS?


2015-05-20


BIJOY JAIN, STUDIO MUMBAI


2015-04-14


O FIM DA ARQUITECTURA


2015-03-12


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE II/II)


2015-02-11


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE I/II)


2015-01-11


ESPECTADOR


2014-12-09


ARQUITECTAS: ENSAIO PARA UM MANUAL REVOLUCIONÁRIO


2014-11-10


A MARCA QUE TEM O MEU NOME


2014-10-04


NEWS FROM VENICE


2014-09-08


A INCONSCIÊNCIA DE ZENO. MÁQUINAS DE SUBJECTIVIDADE NO SUPERSTUDIO*


2014-07-30


ENTREVISTA A JOSÉ ANTÓNIO PINTO


2014-06-17


ÍNDICES, LISTAGENS E DIAGRAMAS: the world is all there is the case


2014-05-15


FILME COMO ARQUITECTURA, ARQUITECTURA COMO AUTOBIOGRAFIA


2014-04-14


O MUNDO NA MÃO


2014-03-13


A CASA DA PORTA DO MAR


2014-02-13


O VERNACULAR CONTEMPORÂNEO


2014-01-07


PÓS-TRIENAL 2013 [RELAÇÕES INSTÁVEIS ENTRE EVENTOS, ARQUITECTURAS E CIDADES]


2013-11-12


UMA SUBTIL INTERFERÊNCIA: A MONTAGEM DA EXPOSIÇÃO “FERNANDO TÁVORA: MODERNIDADE PERMANENTE” EM GUIMARÃES OU UMA EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA NUMA ESCOLA EM PLENO FUNCIONAMENTO


2013-09-24


DESIGN E DELITO


2013-08-12


“NADA MUDAR PARA QUE TUDO SEJA DIFERENTE”: CONVERSA COM BEYOND ENTROPY


2013-08-11


“CHANGING NOTHING SO THAT EVERYTHING IS DIFFERENT”: CONVERSATION WITH BEYOND ENTROPY


2013-07-04


CORTA MATO. Design industrial do ponto de vista do utilizador


2013-05-20


VÍTOR FIGUEIREDO: A MISÉRIA DO SUPÉRFLUO


2013-04-02


O DESIGNER SOCIAL


2013-03-11


DRESS SEXY AT MY FUNERAL: PARA QUE SERVE A BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA?


2013-02-08


O CONSUMIDOR EMANCIPADO


2013-01-08


SOBRE-QUALIFICAÇÃO E REBUSCO


2012-10-29


“REGIONALISM REDIVIVUS”: UM OUTRO OLHAR SOBRE UM TEMA PERSISTENTE


2012-10-08


LEVINA VALENTIM E JOAQUIM PAULO NOGUEIRA


2012-10-07


HOMENAGEM A ROBIN FIOR (1935-2012)


2012-09-08


A PROMESSA DA ARQUITECTURA. CONSIDERAÇÕES SOBRE A GERAÇÃO POR VIR


2012-07-01


ENTREVISTA | ANDRÉ TAVARES


2012-06-10


O DESIGN DA HISTÓRIA DO DESIGN


2012-05-07


O SER URBANO: UMA EXPOSIÇÃO COMO OBRA ABERTA. NO CAMINHO DOS CAMINHOS DE NUNO PORTAS


2012-04-05


UM OBJECTO DE RONAN E ERWAN BOUROULLEC


2012-03-05


DEZ ANOS DE NUDEZ


2012-02-13


ENCONTROS DE DESIGN DE LISBOA ::: DESIGN, CRISE E DEPOIS


2012-01-06


ARCHIZINES – QUAL O TAMANHO DA PEQUENÊS?


2011-12-02


STUDIO ASTOLFI


2011-11-01


TRAMA E EMOÇÃO – TRÊS DISCURSOS


2011-09-07


COMO COMPOR A CONTEMPLAÇÃO? – UMA HISTÓRIA SOBRE O PAVILHÃO TEMPORÁRIO DA SERPENTINE GALLERY E O PROCESSO CRIATIVO DE PETER ZUMTHOR


2011-07-18


EDUARDO SOUTO DE MOURA – PRITZKER 2011. UMA SISTEMATIZAÇÃO A PROPÓSITO DA VISITA DE JUHANI PALLASMAA


2011-06-03


JAHARA STUDIO


2011-05-05


FALEMOS DE 1 MILHÃO DE CASAS. NOTAS SOBRE O CONCURSO E EXPOSIÇÃO “A HOUSE IN LUANDA: PATIO AND PAVILLION”


2011-04-04


A PROPÓSITO DA CONFERÊNCIA “ARQUITECTURA [IN] ]OUT[ POLÍTICA”: UMA LEITURA DISCIPLINAR SOBRE A MEDIAÇÃO E A ESPECIFICIDADE


2011-03-09


HUGO MADUREIRA: O ARTISTA-JOALHEIRO


2011-02-07


O QUE MUDOU, O QUE NÃO MUDOU E O QUE PRECISA MUDAR


2011-01-11


nada


2010-12-02


PEQUENO ELOGIO DO ARCAICO


2010-11-02


CABRACEGA


2010-10-01


12ª BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA — “PEOPLE MEET IN ARCHITECTURE”


2010-08-02


ENTREVISTA | FILIPA GUERREIRO E TIAGO CORREIA


2010-07-09


ATYPYK PRODUCTS ARE NOT MADE IN CHINA


2010-06-03


OS PRÓXIMOS 20 ANOS. NOTAS SOBRE OS “DISCURSOS (RE)VISITADOS”


2010-05-07


OBJECTOS SEM MEDO


2010-04-01


O POTENCIAL TRANSFORMADOR DO EFÉMERO: A PROPÓSITO DO PAVILHÃO SERPENTINE EM LONDRES


2010-03-04


PEDRO + RITA = PEDRITA


2010-02-03


PARA UMA ARQUITECTURA SWISSPORT


2009-12-12


SOU FUJIMOTO


2009-11-10


THE HOME PROJECT


2009-10-01


ESTRATÉGIA PARA HABITAÇÃO EVOLUTIVA – ÍNDIA


2009-09-01


NA MANGA DE LIDIJA KOLOVRAT


2009-07-24


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR (Parte II)


2009-06-16


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR


2009-05-19


O QUE É QUE SE SEGUE?


2009-04-17


À MESA COM SAM BARON


2009-03-24


HISTÓRIAS DE UMA MALA


2009-02-18


NOTAS SOBRE PROJECTOS, ESPAÇOS, VIVÊNCIAS


2009-01-26


OUTONO ESCALDANTE OU LAPSO CRÍTICO? 90 DIAS DE DEBATE DE IDEIAS NA ARQUITECTURA PORTUENSE


2009-01-16


APRENDER COM A PASTELARIA SEMI-INDUSTRIAL PORTUGUESA OU PORQUE É QUE SÓ HÁ UMA RECEITA NO LIVRO FABRICO PRÓPRIO


2008-11-20


ÁLVARO SIZA E O BRASIL


2008-10-21


A FORMA BONITA – PETER ZUMTHOR EM LISBOA


2008-09-18


“DELIRIOUS NEW YORK” EXPLICADO ÀS CRIANÇAS


2008-08-15


A ROOM WITH A VIEW


2008-07-16


DEBATER CRIATIVAMENTE A CIDADE: A EXPERIÊNCIA PORTO REDUX


2008-06-17


FOTOGRAFIA DE ARQUITECTURA, DEFEITO E FEITIO


2008-05-14


A PROPÓSITO DA DEMOLIÇÃO DO ROBIN HOOD GARDENS


2008-04-08


INTERFACES URBANOS: O CASO DE MACAU


2008-03-01


AS CORES DA COR


2008-02-02


Notas sobre a produção arquitectónica portuguesa e sua cartografia na Architectural Association


2008-01-03


TARZANS OF THE MEDIA JUNGLE


2007-12-04


MÚSICA INTERIOR


2007-11-04


O CIRURGIÃO INGLÊS


2007-10-02


NÓS E OS CARROS


2007-09-01


Considerações sobre Tempo e Limite na produção e recepção da Arquitectura


2007-08-01


A SUBLIMAÇÃO DA CONTEMPORANEIDADE


2007-07-01


UMA MITOLOGIA DE CARNE E OSSO


2007-06-01


O LUGAR COMO ARMADILHA


2007-05-02


ESPAÇOS DE FILMAR


2007-04-02


ARTES DO ESPAÇO: ARQUITECTURA/CENOGRAFIA


2007-03-01


TERRAIN VAGUE – Notas de Investigação para uma Identidade


2007-02-02


ERRARE HUMANUM EST…


2007-01-02


QUANDO A CIDADE É TELA PARA ARTE CONTEMPORÂNEA


2006-12-02


ARQUITECTURA: ESPAÇO E RITUAL


2006-11-02


IN SUSTENTÁVEL ( I )


2006-10-01


VISÕES DO FUTURO - AS NOVAS CIDADES ASIÁTICAS


2006-09-03


NOTAS SOLTAS SOBRE ARQUITECTURA E TECNOLOGIA


2006-07-30


O BANAL E A ARQUITECTURA


2006-07-01


NOVAS MORFOLOGIAS NO PORTO INDUSTRIAL DE LISBOA


2006-06-02


SOBRE O ESPAÇO DE REPRESENTAÇÃO MODERNO


2006-04-27


MODOS DE “VER” O ESPAÇO - A PROPÓSITO DE MONTAGENS FOTOGRÁFICAS


share |

MAXXI ROMA

CONSTANÇA BABO


 

A arquitetura do MAXXI - Museu Nacional da Arte do Séc. XXI - é tão valiosa quanto as obras de arte que abriga. Ao visitá-lo, a experiência estética é impulsionada não só pelos objetos artísticos que nele se encontram expostos, como pelos espaços e suas ligações. O projeto é de Zaha Hadid, arquiteta anglo-iraquiana que, de entre os 273 participantes, foi a vencedora do concurso lançado, em 1998, pelo Ministério da Herança Cultural de Roma. Tal deveu-se, sem dúvida, à capacidade da arquiteta em conceber um edifício que, tendo como ponto de partida a antiga fábrica que ocupava o terreno, se apresenta de acordo com o que arte contemporânea é: uma inequívoca articulação entre o belo e o conceptual, o visual e o físico, numa singularidade de traços e formas que, em conjunto, convidam à vivência do espaço e à sua descoberta.

Contam-se 360 degraus ao longo de toda a estrutura labiríntica, na qual, percorrendo e apreendendo o espaço, se torna clara a complexidade da criação de Zaha Hadid. A particularidade de toda a estrutura é ainda impulsionada pela inserção de alguns outros elementos, tais como a obra de Anish Kapoor (img.3), no rés-do-chão, intitulada Widow e concebida em 2004 propositadamente para esta área. A interação deste objeto de grande dimensão com o espaço envolvente aumenta o impacto no espetador e, como é explicado no texto que apresenta a obra, provoca uma experiência visual, espacial e física, sendo isso mesmo, na verdade, o que ocorre por todo o museu.

O branco, o preto e o vermelho são as cores que ocupam a área central e de entrada no edifício, distribuindo-se pelo espaço em formas geométricas que se cruzam e articulam num design afirmativo e cativante. O metálico e o vidro também predominam na construção do museu, sendo que as zonas mais neutras e despojadas se encontram reservadas às exposições de arte, estas divididas entre uma coleção permanente e várias temporárias.

Perante tal dimensão e magnitude do edifício faz sentido que a temática que, permanentemente, ocupa a galeria 4, no primeiro andar, seja dedicada à Arquitetura e arte em diálogo. Explora-se aí a geometria em paralelo com a abstração, o volume vs. a síntese, a estratificação e a fragmentação, a medida em confronto com o corpo e a ideia do conjunto em relação à do detalhe. Discutem-se elementos que, apesar de aparentemente opostos, nem sempre se contrariam e, pelo contrário, suportam-se e complementam-se, juntos compondo as edificações que decoram o nosso mundo. A exposição mostra projetos, desde os esboços e maquetes a fotografias e vídeos dos espaços, entre os quais se encontram grandes construções, tais como a estrutura que albergou os Jogos Olímpicos de 1960, da autoria de Pier Luigi Nervi, o Novo Centro de Congressos de Roma, de 2016, de Massimiliano e Doriana Fuksas, ou, naturalmente, o próprio projeto do MAXXI. No total contam-se 30 trabalhos de arte e 21 projetos de arquitetura, ambos da autoria de grandes nomes do séc. XX da área do design e das artes. A leitura destas obras e o contacto com elas é, sem dúvida, dinamizado pelas superfícies que, suspensas no tecto na forma de complexas grelhas, em ligação com toda a área circundante, suscitam o envolvimento e ação do público, proporcionando uma experiência ativa.

Com efeito, a arquitetura engenhosa e arrojada de Hadid possibilitou uma visita muito singular a todas as exposições que se realizem no museu, como é o caso das atuais temporárias, uma de fotografia representativa de Itália e uma projeção imagética da artista paquistanesa Shahzia Sikander. Também na mostra do Prémio MAXXI 2016, na galeria 3, verifica-se um estratégico uso do edifício e uma forte interação com este através de obras site specifics, grandes instalações muito singulares que habitam o espaço e se alimentam dele, como se verifica claramente na obra de Riccardo Arena (img.5), que parece romper e nascer do chão. Composta, composta por vários elementos brancos e pretos, a peça parte do pensamento do cosmism, um movimento filosófico que, na Rússia do séc. XIX, teorizou a capacidade do homem dominar as forças naturais. Intitulada Orient 1, diverge esteticamente de uma outra, dourada, que se exibe apenas a uns metros de distância, da autoria do grupo de artistas Zapruder. Com o nome de Zeus Machine (img.6), o grande objeto é, na verdade, o espaço de projeção de um vídeo que procura refletir sobre a sociedade moderna através da conjugação do místico e da realidade política de diferentes tempos e espaços.

Paralelamente a estas obras altamente contemporâneas, através da No.2 de Mark Rothko e da Scratches on the Earth de Mohsen Vaziri Moghaddam, dá-se a primeira impressão do que será a grande exposição já anunciada para março de 2017. A grande coleção do Museu de Arte Contemporânea do Teerão será aqui exposta, o que constituirá um momento imperdível para contemplar e conhecer algumas das maiores criações artísticas já alguma vez realizadas. Contribuirá, também, para reforçar a importância do MAXXI que, desde 2010, se destaca por relacionar a arte mais atual com as grandes produções que compõem a história da arte.

Por se encontrar em Roma, avassaladora capital de arte conhecida como museu aberto, origem de enorme produção artística e raiz da história da arte, este edifício e projeto tão contemporâneos e igualmente inovadores, surgem como um imenso contraste com a carga histórica local e provocam um desafio ao pensamento cultural e artístico.

MAXXI apresenta-se, assim, como a primeira instituição nacional italiana dedicada à criatividade contemporânea. É gerido por uma Fundação, dirigida por Giovanna Melandri e criada, em 2009, pelo Ministério da Herança e Atividades Culturais de Roma. Hou Hanru é, desde 2013, o diretor artístico do museu, havendo uma subdivisão entre a secção do MAXXI Arquitetura, ao cargo de Margherita Guccione, e do MAXXI Arte, da responsabilidade de Bartolomeo Pietromarchi. Pode ainda referir-se uma extensa programação de atividades e eventos que variam desde conversas, conferências, workshops e performances, numa pluralidade e diversidade de atividades que promovem, precisamente, o desenvolvimento criativo da arte contemporânea. Esta programação é acompanhada de um paralelo e contínuo trabalho de nível estético, apoiado pelo centro de pesquisa e biblioteca que, simultaneamente, contribuem para a ligação com o público e possibilitam a oportunidade de pontuais participações deste.

Assim, vivendo em Roma ou apenas visitando a cidade, é importante descobrir este espaço de crescimento artístico, onde o visual e o conceptual se unem na criação de algo maior.

 

Constança Babo