Links

ARQUITETURA E DESIGN




Lisboa em 2013, vista da Cova do Vapor. Fotografia: Inês Moreira.


Pavilhão de Portugal, por Álvaro Siza. Entrada na primeira edição da Trienal de Arquitectura de Lisboa, 2007. Fonte:http://www.trienal.blogs.sapo.pt/


Museu dos Coches, por Paulo Mendes da Rocha. Fonte: http://www.afaconsult.com


Proposta de tour em Lisboa, por Carlos M. Guimarães, “Envisioning the future, redefining the past”, A10 magazine, n.º53, Set/Out 2013.


Edifícios e eventos na proposta de Carlos M. Guimarães, “Envisioning the future, redefining the past”, A10 magazine, n.º53, Set/Out 2013.


DNA Lisboa, por Artéria - Humanizing Architecture, Palácio Alarcão, Lisboa.


Anticlimax: a report on the metabolist dream, por Fala Atelier. Em exposição no fim-de-semana de encerramento da terceira edição da Trienal de Arquitectura de Lisboa, 2013, no Palácio Sinel de Cordes.


No espaço que separa as coisas (2013), por Catarina Botelho e Helena Inverno. Instalação no fim-de-semana de encerramento da terceira edição da Trienal de Arquitectura de Lisboa, 2013, no Palácio Sinel de Cordes. Fotografia: Inês Moreira.


Descent (2002), Catherine Yas. Vídeo em exposição no fim-de-semana de encerramento da terceira edição da Trienal de Arquitectura de Lisboa, 2013, no Palácio Sinel de Cordes. Fotografia: Inês Moreira.


Canoas (2010), Tamar Guimarães. Vídeo em exposição no fim-de-semana de encerramento da terceira edição da Trienal de Arquitectura de Lisboa, 2013, no Palácio Sinel de Cordes. Fotografia: Inês Moreira.

Outros artigos:

2017-06-30


PASSAGENS DE SERRALVES PELO TERMINAL DE CRUZEIROS DO PORTO DE LEIXÕES


2017-05-30


EVERYTHING IN THE GARDEN IS ROSY: AS PERIFERIAS EM IMAGENS


2017-04-18


“ÁRVORE” (2002), UMA OBRA COM A AUTORIA EM SUSPENSO


2017-03-17


ÁLVARO SIZA : VISÕES DA ALHAMBRA


2017-02-14


“NÃO TOCAR”: O NOVO MUSEU DO DESIGN EM LONDRES


2017-01-17


MAXXI ROMA


2016-12-10


NOTAS SOBRE ESPAÇO E MOVIMENTO


2016-11-15


X BIAU EM SÃO PAULO: JOÃO LUÍS CARRILHO DA GRAÇA À CONVERSA COM PAULO MENDES DA ROCHA E EDUARDO SOUTO DE MOURA


2016-10-11


CENAS PARA UM NOVO PATRIMÓNIO


2016-08-31


DREAM OUT LOUD E O DESIGN SOCIAL NO STEDELIJK MUSEUM


2016-06-24


MATÉRIA-PRIMA. UM OLHAR SOBRE O ARQUIVO DE ÁLVARO SIZA


2016-05-28


NA PEGADA DE LE CORBUSIER


2016-04-29


O EFEITO BREUER – PARTE 2


2016-03-24


O EFEITO BREUER - PARTE 1


2016-02-16


GEORGE BEYLERIAN CELEBRA O DESIGN ITALIANO COM LANÇAMENTO DE “DESIGN MEMORABILIA”


2016-01-08


RESOLUÇÕES DE ANO NOVO PARA A ARQUITETURA E DESIGN EM 2016


2015-11-30


BITTE LEBN. POR FAVOR, VIVE.


2015-10-30


A FORMA IDEAL


2015-09-14


DOS FANTASMAS DE SERRALVES AO CLIENTE COMO ARQUITECTO


2015-08-01


“EXTRA ORDINARY” - JOVENS DESIGNERS EXPLORAM MATERIAIS, PRODUTOS E PROCESSOS


2015-06-25


PODE A TIPOGRAFIA AJUDAR-NOS A CRIAR EMPATIA COM OS OUTROS?


2015-05-20


BIJOY JAIN, STUDIO MUMBAI


2015-04-14


O FIM DA ARQUITECTURA


2015-03-12


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE II/II)


2015-02-11


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE I/II)


2015-01-11


ESPECTADOR


2014-12-09


ARQUITECTAS: ENSAIO PARA UM MANUAL REVOLUCIONÁRIO


2014-11-10


A MARCA QUE TEM O MEU NOME


2014-10-04


NEWS FROM VENICE


2014-09-08


A INCONSCIÊNCIA DE ZENO. MÁQUINAS DE SUBJECTIVIDADE NO SUPERSTUDIO*


2014-07-30


ENTREVISTA A JOSÉ ANTÓNIO PINTO


2014-06-17


ÍNDICES, LISTAGENS E DIAGRAMAS: the world is all there is the case


2014-05-15


FILME COMO ARQUITECTURA, ARQUITECTURA COMO AUTOBIOGRAFIA


2014-04-14


O MUNDO NA MÃO


2014-03-13


A CASA DA PORTA DO MAR


2014-02-13


O VERNACULAR CONTEMPORÂNEO


2013-11-12


UMA SUBTIL INTERFERÊNCIA: A MONTAGEM DA EXPOSIÇÃO “FERNANDO TÁVORA: MODERNIDADE PERMANENTE” EM GUIMARÃES OU UMA EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA NUMA ESCOLA EM PLENO FUNCIONAMENTO


2013-09-24


DESIGN E DELITO


2013-08-12


“NADA MUDAR PARA QUE TUDO SEJA DIFERENTE”: CONVERSA COM BEYOND ENTROPY


2013-08-11


“CHANGING NOTHING SO THAT EVERYTHING IS DIFFERENT”: CONVERSATION WITH BEYOND ENTROPY


2013-07-04


CORTA MATO. Design industrial do ponto de vista do utilizador


2013-05-20


VÍTOR FIGUEIREDO: A MISÉRIA DO SUPÉRFLUO


2013-04-02


O DESIGNER SOCIAL


2013-03-11


DRESS SEXY AT MY FUNERAL: PARA QUE SERVE A BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA?


2013-02-08


O CONSUMIDOR EMANCIPADO


2013-01-08


SOBRE-QUALIFICAÇÃO E REBUSCO


2012-10-29


“REGIONALISM REDIVIVUS”: UM OUTRO OLHAR SOBRE UM TEMA PERSISTENTE


2012-10-08


LEVINA VALENTIM E JOAQUIM PAULO NOGUEIRA


2012-10-07


HOMENAGEM A ROBIN FIOR (1935-2012)


2012-09-08


A PROMESSA DA ARQUITECTURA. CONSIDERAÇÕES SOBRE A GERAÇÃO POR VIR


2012-07-01


ENTREVISTA | ANDRÉ TAVARES


2012-06-10


O DESIGN DA HISTÓRIA DO DESIGN


2012-05-07


O SER URBANO: UMA EXPOSIÇÃO COMO OBRA ABERTA. NO CAMINHO DOS CAMINHOS DE NUNO PORTAS


2012-04-05


UM OBJECTO DE RONAN E ERWAN BOUROULLEC


2012-03-05


DEZ ANOS DE NUDEZ


2012-02-13


ENCONTROS DE DESIGN DE LISBOA ::: DESIGN, CRISE E DEPOIS


2012-01-06


ARCHIZINES – QUAL O TAMANHO DA PEQUENÊS?


2011-12-02


STUDIO ASTOLFI


2011-11-01


TRAMA E EMOÇÃO – TRÊS DISCURSOS


2011-09-07


COMO COMPOR A CONTEMPLAÇÃO? – UMA HISTÓRIA SOBRE O PAVILHÃO TEMPORÁRIO DA SERPENTINE GALLERY E O PROCESSO CRIATIVO DE PETER ZUMTHOR


2011-07-18


EDUARDO SOUTO DE MOURA – PRITZKER 2011. UMA SISTEMATIZAÇÃO A PROPÓSITO DA VISITA DE JUHANI PALLASMAA


2011-06-03


JAHARA STUDIO


2011-05-05


FALEMOS DE 1 MILHÃO DE CASAS. NOTAS SOBRE O CONCURSO E EXPOSIÇÃO “A HOUSE IN LUANDA: PATIO AND PAVILLION”


2011-04-04


A PROPÓSITO DA CONFERÊNCIA “ARQUITECTURA [IN] ]OUT[ POLÍTICA”: UMA LEITURA DISCIPLINAR SOBRE A MEDIAÇÃO E A ESPECIFICIDADE


2011-03-09


HUGO MADUREIRA: O ARTISTA-JOALHEIRO


2011-02-07


O QUE MUDOU, O QUE NÃO MUDOU E O QUE PRECISA MUDAR


2011-01-11


nada


2010-12-02


PEQUENO ELOGIO DO ARCAICO


2010-11-02


CABRACEGA


2010-10-01


12ª BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA — “PEOPLE MEET IN ARCHITECTURE”


2010-08-02


ENTREVISTA | FILIPA GUERREIRO E TIAGO CORREIA


2010-07-09


ATYPYK PRODUCTS ARE NOT MADE IN CHINA


2010-06-03


OS PRÓXIMOS 20 ANOS. NOTAS SOBRE OS “DISCURSOS (RE)VISITADOS”


2010-05-07


OBJECTOS SEM MEDO


2010-04-01


O POTENCIAL TRANSFORMADOR DO EFÉMERO: A PROPÓSITO DO PAVILHÃO SERPENTINE EM LONDRES


2010-03-04


PEDRO + RITA = PEDRITA


2010-02-03


PARA UMA ARQUITECTURA SWISSPORT


2009-12-12


SOU FUJIMOTO


2009-11-10


THE HOME PROJECT


2009-10-01


ESTRATÉGIA PARA HABITAÇÃO EVOLUTIVA – ÍNDIA


2009-09-01


NA MANGA DE LIDIJA KOLOVRAT


2009-07-24


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR (Parte II)


2009-06-16


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR


2009-05-19


O QUE É QUE SE SEGUE?


2009-04-17


À MESA COM SAM BARON


2009-03-24


HISTÓRIAS DE UMA MALA


2009-02-18


NOTAS SOBRE PROJECTOS, ESPAÇOS, VIVÊNCIAS


2009-01-26


OUTONO ESCALDANTE OU LAPSO CRÍTICO? 90 DIAS DE DEBATE DE IDEIAS NA ARQUITECTURA PORTUENSE


2009-01-16


APRENDER COM A PASTELARIA SEMI-INDUSTRIAL PORTUGUESA OU PORQUE É QUE SÓ HÁ UMA RECEITA NO LIVRO FABRICO PRÓPRIO


2008-11-20


ÁLVARO SIZA E O BRASIL


2008-10-21


A FORMA BONITA – PETER ZUMTHOR EM LISBOA


2008-09-18


“DELIRIOUS NEW YORK” EXPLICADO ÀS CRIANÇAS


2008-08-15


A ROOM WITH A VIEW


2008-07-16


DEBATER CRIATIVAMENTE A CIDADE: A EXPERIÊNCIA PORTO REDUX


2008-06-17


FOTOGRAFIA DE ARQUITECTURA, DEFEITO E FEITIO


2008-05-14


A PROPÓSITO DA DEMOLIÇÃO DO ROBIN HOOD GARDENS


2008-04-08


INTERFACES URBANOS: O CASO DE MACAU


2008-03-01


AS CORES DA COR


2008-02-02


Notas sobre a produção arquitectónica portuguesa e sua cartografia na Architectural Association


2008-01-03


TARZANS OF THE MEDIA JUNGLE


2007-12-04


MÚSICA INTERIOR


2007-11-04


O CIRURGIÃO INGLÊS


2007-10-02


NÓS E OS CARROS


2007-09-01


Considerações sobre Tempo e Limite na produção e recepção da Arquitectura


2007-08-01


A SUBLIMAÇÃO DA CONTEMPORANEIDADE


2007-07-01


UMA MITOLOGIA DE CARNE E OSSO


2007-06-01


O LUGAR COMO ARMADILHA


2007-05-02


ESPAÇOS DE FILMAR


2007-04-02


ARTES DO ESPAÇO: ARQUITECTURA/CENOGRAFIA


2007-03-01


TERRAIN VAGUE – Notas de Investigação para uma Identidade


2007-02-02


ERRARE HUMANUM EST…


2007-01-02


QUANDO A CIDADE É TELA PARA ARTE CONTEMPORÂNEA


2006-12-02


ARQUITECTURA: ESPAÇO E RITUAL


2006-11-02


IN SUSTENTÁVEL ( I )


2006-10-01


VISÕES DO FUTURO - AS NOVAS CIDADES ASIÁTICAS


2006-09-03


NOTAS SOLTAS SOBRE ARQUITECTURA E TECNOLOGIA


2006-07-30


O BANAL E A ARQUITECTURA


2006-07-01


NOVAS MORFOLOGIAS NO PORTO INDUSTRIAL DE LISBOA


2006-06-02


SOBRE O ESPAÇO DE REPRESENTAÇÃO MODERNO


2006-04-27


MODOS DE “VER” O ESPAÇO - A PROPÓSITO DE MONTAGENS FOTOGRÁFICAS


share |

PÓS-TRIENAL 2013 [RELAÇÕES INSTÁVEIS ENTRE EVENTOS, ARQUITECTURAS E CIDADES]

INÊS MOREIRA




Trienal

Os grandes eventos culturais internacionais requerem balanços de estratégia, formato, ou mesmo frequência, para manterem a sua relevância. Por definição, uma trienal repete-se a cada três anos, tem usualmente a duração de um trimestre e apoia-se em exposições em pólos centrais, tal como na Trienal de Lisboa, ou na Trienal de Oslo. Há porém variações, casos de bienais/trienais que propõem programações mais curtas no tempo e intensas na quantidade, como o Festival de Arquitectura de Londres - caso que passou em 2013 de bienal a evento anual. Existem, também, modos de programação trienal/bienal por ciclo, isto é, vários pequenos eventos que podem ser preparatórios do evento seguinte (encontros, workshops, think tanks), ou mais vocacionados para “manter” o público, distribuem-se ao longo do período de “quebra”, ano e meio a dois anos, culminando então num momento de maior amplitude pública, como é o exemplo da Trienal de Praga.

Há modelos de programação mais espaçados no tempo, como a grande exposição da Documenta de Kassel, a cada 5 anos, ou a mostra ao ar livre do Skulptur Projekt de Munster, a cada 10 anos. Ambos os modelos ambicionam ser marcos de referência cultural internacional para as décadas posteriores, e são-no. A questão da permanência do espaço expositivo, como nas paradigmáticas Bienais de Veneza e de São Paulo, tem relevo: aí grandes exposições marcam as temáticas bienais (Arsenalle, Giardinni, ou o Pavilhão Ciccillo Matarazzo) - acompanhadas em Veneza por pavilhões das nações - facilitando a mobilidade dos públicos (e a logística de produção) e garantindo uma continuidade no tempo.

Com regularidade fixada e já 9 anos de existência, cabe à Trienal de Lisboa amadurecer diversos aspectos, isto é, reflectir e aprender das suas experiências. Nas suas 3 edições adoptou/oscilou entre versões diversas tanto nos conteúdos, como na forma, nos locais de apresentação, como na ideia e relação com o público. Sintetizo as duas edições mais diversas: 2007 e 2013. A Trienal, no Verão de 2007, iniciando com o modelo “grande exposição internacional”, com secções/pavilhões de representações nacionais no recinto do Pavilhão de Portugal, e mostras de grandes intervenções arquitectónicas e urbanísticas, no envolvimento dos investidores, autarquias e mesmo universidades, começou por apostar nos grandes nomes internacionais (e nacionais), reflexo de uma visão da arquitectura como prática de projecto, orientada para a concepção e edificação de obras de autor/referência.

Nos “antípodas”, a Trienal de 2013 apostou num concurso internacional para curador geral, tendo seleccionado uma jovem equipa com uma visão crítica da noção de “Arquitectura”, apostando numa programação dispersa em vários pontos da cidade, incluindo o espaço público, apostando no carácter efémero dos espaços relacionais, envolvendo o público em acções/workshops/eventos, e abrindo vários open calls para integrar no programa, e prémios a projectos auto-propostos. O recente conceito curatorial levou à negação de qualquer noção de representação (registo, documento, modelo), refutando a apresentação de obras/edifícios construídos, bem como não incluindo os “grandes autores” de referência. Também o seu orçamento, muito inferior aos anteriores e fruto da “crise”, é um factor de diferenciação. Assim, em 2013, a Trienal trouxe formatos e modalidades “não expositivas” e mais “experienciais”, favorecendo instalações efémeras em espaços a ser apropriados.

Antagónicas a vários níveis, as edições de 2007 e 2013 apontam em direcções opostas [1]: se pensarmos na ideia de Arquitectura, na
relação com a cidade, seu centro e margens, no tipo de espaços e de agentes culturais envolvidos, nos modos de relação/interpolação do público, no seu calendário, nos tipos de produção cultural, e mesmo no tipo de público e especialistas que se sente atraído e representado. Tendo-se arriscado e experimentado, será de retirar conclusões e agora construir um outro modelo, mais informado.


Arquitectura(s)

Arquitectura é uma designação genérica e dificilmente pode espelhar a pluralidade (e disparidade) de problemáticas e posicionamentos hoje em discussão no espectro da “disciplina”. Esta designação lata facilita a relação com o exterior, com público e clientes; pela força dos media, a expressão mais dominante da Arquitectura junto da sociedade é aquela mais icónica, desligada dos problemas concretos das cidades e das comunidades - tal como o novo Museu dos Coches – cujo relevo social, cultural e, mesmo económico para a sociedade e a população é, como neste caso, questionável.

É minha convicção que, pensando em eventos sobre Arquitectura, deveríamos referir “Arquitecturas”, no plural, na sua diversidade e seus antagonismos. Não o referindo, podemos, contudo, pensar esse plural: das questões do património (profundamente europeu), aos conceitos espaciais e práticas sociais (mais jovens, discursivas e com componentes mais artísticas), às técnicas e processos construtivos (tema transversal e com grande expressão nos EUA), ao virtuosismo formal potenciado por sistemas económicos em crescimento (hoje do Médio Oriente à Ásia), às questões da sustentabilidade e da energia (de relevo nas zonas pós-industriais e nas zonas em desenvolvimento), a tantas outras problemáticas.

A par da fragmentação de problemáticas e temáticas da(s) Arquitectura(s), também as condições das práticas profissionais dos arquitectos se têm desmultiplicado, alterando-se os seus centros. Das migrações para destinos mais abastados, às profundas contingências trazidas pela crise financeira, à transformação da noção de atelier/carreira, isto é, da sociologia à pragmática, as “Arquitecturas” alteraram-se.

Neste contexto, um evento especializado em cultura da Arquitectura merece cuidada afinação, pois as questões com maior relevo social e cultural são aquelas em que a Arquitectura problematiza e responde às grandes problemáticas culturais do mundo contemporâneo, isto é, aquelas que consideram a Arquitectura além do projecto/produto/proposta mas que a vêem, sobretudo, enquanto uma proposta social, política e económica. Assim, programar eventos culturais de Arquitectura(s) deveria considerar uma apresentação dos seus vários sub-campos, apresentado-os ao público através de conceitos curatoriais que comuniquem e problematizem a sociedade, e não apenas as questões de linguagem, de composição ou de autorias.

Assim, em 2016, a Trienal de Arquitectura(s) necessitará pensar como considera a pluralidade de problemáticas, linguagens, realidades, e práticas contemporâneas a nível internacional, não podendo ignorar a forte alteração da realidade da arquitectura portuguesa nos últimos anos. (ver nota abaixo sobre outros artigos que escrevi sobre a Trienal onde se debate a questão portuguesa [2]).


Lisboa

Como deve a programação de um evento cíclico, e disciplinar, cruzar-se com a realidade específica do lugar que o promove/acolhe? Como evento genérico e global que privilegia a apresentação/representação “internacional”, ou, pelo contrário, privilegiando o “nacional”, divulgando-o? Claramente que existem possibilidades mistas. Porém, e ainda mais complexo, como se poderia articular um evento com a cidade que o promove/acolhe, se esta for entendida além de um receptáculo pontual de actividades culturais?

Olhando o mapa publicado em Setembro de 2013 na revista A10, ilustrando um artigo [3] de Carlos M. Guimarães, encontramos os três níveis que estamos a tentar analisar e que, parece-me, não foram ainda suficientemente explorados em Lisboa: apresenta-se a cidade de Lisboa através de alguma programação da Trienal, de alguns edifícios recentes com Arquitectura à qual recomendam uma visita, convidando ainda a deslocação aos seus limites (Almada, Cascais). Esta integração da programação cultural, com o potencial da arquitectura existente (próxima ou um pouco mais distante) e, diria mesmo, com outros eventos congéneres (por exemplo, a Experimenta Design) mereceria vir a ser explorada no futuro.

Até que ponto pode um evento cultural efémero manter a sua própria ambição e autonomia interferindo também no conhecimento da realidade local? Decorrem em Lisboa interessantes estratégias de cruzamento entre relevo arquitectónico, reocupação e programação cultural, casos em curso nalguns projectos para espaços camarários. A cidade de Lisboa, como capital histórica, sofre de excesso de património degradado, devoluto ou sub-aproveitado, facto posto em evidência na recente proposta de venda pela Câmara Municipal dos Palácios Pancas Palha, Palácio Monte Real e Palácio de Xabregas [4]. Porém, a cidade tem explorado um cruzamento entre programação cultural e património, confiando em intervenções discretas de arquitectura que permitem o uso dos seus espaços. São exemplos o Palácio do Marquês de Pombal, onde se instalou o Carpe Diem Arte e Pesquisa [5]; o Palácio Sinel de Cordes, onde a própria Trienal de Lisboa é parte de um conjunto de futuras actividades criativas, a par de residências e de co-work; ou o Palácio Alarcão, num projecto denominado DNA Lisboa [6], onde o Teatro Praga e outros grupos se instalarão.

Sendo a arquitectura, o urbanismo, o paisagismo, disciplinas com potencial de intervenção e transformação da realidade, poderá um evento cultural ser uma ferramenta de transformação da percepção dessa mesma realidade? Os concursos de ideias, as encomendas de estudos e as consultas públicas são auscultações de propostas concretas para problemas específicos e têm sido exploradas em diversos eventos, como em Lisboa já se fez. Concretizá-los é praticamente impossível e servem sobretudo como consciencialização para problemas. Mas poderá a reflexão curatorial em volta da Arquitectura, a par de políticas de programação cultural (em arquitectura e noutras áreas) transformar a leitura de uma cidade? Eventos de escala maior, como as Capitais Europeias da Cultura, exploram o cruzamento entre política cultural e política de cidade. Pelo relevo social, económico e político que têm a arquitectura, ou o urbanismo, poderão também influenciar leituras, percepções, e eventualmente, decisões. Esta questão mereceria ser explorada.

Para concluir, deixo algumas questões que, embora simples, me parecem ser de fundo, e que partilho: deverá a Trienal de Lisboa ser um espaço de experimentação e de diálogo internacional, ou deverá ser uma ferramenta de afirmação da arquitectura portuguesa? Como se seleccionará a equipa curatorial das próximas edições: por concurso, como em 2013, ou regressando ao convite directo? Que formatos/modelos de programação se pretendem afirmar: um conjunto de pavilhões, grandes exposições, ou um modelo de festival? Que estratégias de relação com o público especializado e os públicos generalista/turístico serão activadas: um público participativo/propositivo, um observador/visitante passivo? A amplitude de experiências na sua curta vida merecem que seja iniciado um balanço e questionamento, se retirem conclusões e afinem estratégias para que, com base nestas experiências, se possam perspectivar os próximos três, seis e, se possível, os seguintes anos.





(O presente texto completa as minhas reflexões anteriormente escritas em artigos publicados em Outubro e Dezembro de 2013 na revista urbanista.org #2, com o título: ‘Post-something’ – actions and voices of a generation under 35: the Lisbon Architecture Triennale 2013 — http://www.urbanista.org/issues/local-eyes/features/post-something-actions-and-voices-of-a-generation-under-35-the-lisbon-architecture-triennale-2013; e na revista arq.a n.º110, com o título: Exegese da Trienal 2013 — http://www.revarqa.com/content/1/1366/conetividade-jovem-corpo-arquitetos/.)


::::

[a autora escreve de acordo com a antiga ortografia]

::::

Inês Moreira
(Porto, 1977) Arquitecta, investigadora e curadora. Em 2013 completou o seu Doutoramento no Goldsmiths College, University of London. Entre 2010-12 dirigiu os projectos Edifícios & Vestígios e Devir Menor para Guimarães 2012 Capital Europeia da Cultura, foi co-curadora da exposição Materiality nos Estaleiros Navais de Gdansk (Polónia), dos eventos públicos do Evento 2009 - Bienal de Arte Pública de Bordeaux em 2009 e desenhou diversas cenografias para outros autores e instituições. Actualmente, está a comissariar dois projectos europeus e uma exposição em França sobre “Construtores Insaciáveis”. +info: www.petitcabanon.org.

::::

NOTAS

[1] Ver artigo: http://www.revarqa.com/content/1/1366/conetividade-jovem-corpo-arquitetos/
[2] Ver artigo: http://www.revarqa.com/content/1/1366/conetividade-jovem-corpo-arquitetos/
[3] Carlos M. Guimarães, “Envisioning the future, redefining the past”, A10 magazine, n.º53, Set/Out 2013, pp.58-60.
[4] Ver notícia: http://www.tvl.pt/2013/12/14/a-camara-municipal-de-lisboa-quer-vender-tres-palacios-por-55-milhoes-de-euros/
[5] Ver website: http://www.carpediemartepesquisa.com/
[6] Ver ficha de projecto: http://www.arteria.pt/portfolio/dna-lisboa_36.html