Links

ARQUITETURA E DESIGN















Outros artigos:

2017-09-10


“VINTE E TRÊS”. AUSÊNCIAS E APARIÇÕES NUMA MOSTRA DE JOALHARIA IBEROAMERICANA PELA PIN ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE JOALHARIA CONTEMPORÂNEA


2017-08-01


23 – JOALHARIA CONTEMPORÂNEA NA IBERO-AMÉRICA


2017-06-30


PASSAGENS DE SERRALVES PELO TERMINAL DE CRUZEIROS DO PORTO DE LEIXÕES


2017-05-30


EVERYTHING IN THE GARDEN IS ROSY: AS PERIFERIAS EM IMAGENS


2017-04-18


“ÁRVORE” (2002), UMA OBRA COM A AUTORIA EM SUSPENSO


2017-03-17


ÁLVARO SIZA : VISÕES DA ALHAMBRA


2017-02-14


“NÃO TOCAR”: O NOVO MUSEU DO DESIGN EM LONDRES


2017-01-17


MAXXI ROMA


2016-12-10


NOTAS SOBRE ESPAÇO E MOVIMENTO


2016-11-15


X BIAU EM SÃO PAULO: JOÃO LUÍS CARRILHO DA GRAÇA À CONVERSA COM PAULO MENDES DA ROCHA E EDUARDO SOUTO DE MOURA


2016-10-11


CENAS PARA UM NOVO PATRIMÓNIO


2016-08-31


DREAM OUT LOUD E O DESIGN SOCIAL NO STEDELIJK MUSEUM


2016-06-24


MATÉRIA-PRIMA. UM OLHAR SOBRE O ARQUIVO DE ÁLVARO SIZA


2016-05-28


NA PEGADA DE LE CORBUSIER


2016-04-29


O EFEITO BREUER – PARTE 2


2016-03-24


O EFEITO BREUER - PARTE 1


2016-02-16


GEORGE BEYLERIAN CELEBRA O DESIGN ITALIANO COM LANÇAMENTO DE “DESIGN MEMORABILIA”


2016-01-08


RESOLUÇÕES DE ANO NOVO PARA A ARQUITETURA E DESIGN EM 2016


2015-11-30


BITTE LEBN. POR FAVOR, VIVE.


2015-10-30


A FORMA IDEAL


2015-09-14


DOS FANTASMAS DE SERRALVES AO CLIENTE COMO ARQUITECTO


2015-08-01


“EXTRA ORDINARY” - JOVENS DESIGNERS EXPLORAM MATERIAIS, PRODUTOS E PROCESSOS


2015-06-25


PODE A TIPOGRAFIA AJUDAR-NOS A CRIAR EMPATIA COM OS OUTROS?


2015-05-20


BIJOY JAIN, STUDIO MUMBAI


2015-04-14


O FIM DA ARQUITECTURA


2015-03-12


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE II/II)


2015-02-11


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE I/II)


2015-01-11


ESPECTADOR


2014-12-09


ARQUITECTAS: ENSAIO PARA UM MANUAL REVOLUCIONÁRIO


2014-11-10


A MARCA QUE TEM O MEU NOME


2014-10-04


NEWS FROM VENICE


2014-09-08


A INCONSCIÊNCIA DE ZENO. MÁQUINAS DE SUBJECTIVIDADE NO SUPERSTUDIO*


2014-07-30


ENTREVISTA A JOSÉ ANTÓNIO PINTO


2014-06-17


ÍNDICES, LISTAGENS E DIAGRAMAS: the world is all there is the case


2014-05-15


FILME COMO ARQUITECTURA, ARQUITECTURA COMO AUTOBIOGRAFIA


2014-04-14


O MUNDO NA MÃO


2014-03-13


A CASA DA PORTA DO MAR


2014-02-13


O VERNACULAR CONTEMPORÂNEO


2014-01-07


PÓS-TRIENAL 2013 [RELAÇÕES INSTÁVEIS ENTRE EVENTOS, ARQUITECTURAS E CIDADES]


2013-11-12


UMA SUBTIL INTERFERÊNCIA: A MONTAGEM DA EXPOSIÇÃO “FERNANDO TÁVORA: MODERNIDADE PERMANENTE” EM GUIMARÃES OU UMA EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA NUMA ESCOLA EM PLENO FUNCIONAMENTO


2013-09-24


DESIGN E DELITO


2013-08-12


“NADA MUDAR PARA QUE TUDO SEJA DIFERENTE”: CONVERSA COM BEYOND ENTROPY


2013-08-11


“CHANGING NOTHING SO THAT EVERYTHING IS DIFFERENT”: CONVERSATION WITH BEYOND ENTROPY


2013-07-04


CORTA MATO. Design industrial do ponto de vista do utilizador


2013-05-20


VÍTOR FIGUEIREDO: A MISÉRIA DO SUPÉRFLUO


2013-04-02


O DESIGNER SOCIAL


2013-03-11


DRESS SEXY AT MY FUNERAL: PARA QUE SERVE A BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA?


2013-02-08


O CONSUMIDOR EMANCIPADO


2013-01-08


SOBRE-QUALIFICAÇÃO E REBUSCO


2012-10-29


“REGIONALISM REDIVIVUS”: UM OUTRO OLHAR SOBRE UM TEMA PERSISTENTE


2012-10-08


LEVINA VALENTIM E JOAQUIM PAULO NOGUEIRA


2012-10-07


HOMENAGEM A ROBIN FIOR (1935-2012)


2012-09-08


A PROMESSA DA ARQUITECTURA. CONSIDERAÇÕES SOBRE A GERAÇÃO POR VIR


2012-07-01


ENTREVISTA | ANDRÉ TAVARES


2012-06-10


O DESIGN DA HISTÓRIA DO DESIGN


2012-05-07


O SER URBANO: UMA EXPOSIÇÃO COMO OBRA ABERTA. NO CAMINHO DOS CAMINHOS DE NUNO PORTAS


2012-04-05


UM OBJECTO DE RONAN E ERWAN BOUROULLEC


2012-03-05


DEZ ANOS DE NUDEZ


2012-02-13


ENCONTROS DE DESIGN DE LISBOA ::: DESIGN, CRISE E DEPOIS


2012-01-06


ARCHIZINES – QUAL O TAMANHO DA PEQUENÊS?


2011-12-02


STUDIO ASTOLFI


2011-11-01


TRAMA E EMOÇÃO – TRÊS DISCURSOS


2011-09-07


COMO COMPOR A CONTEMPLAÇÃO? – UMA HISTÓRIA SOBRE O PAVILHÃO TEMPORÁRIO DA SERPENTINE GALLERY E O PROCESSO CRIATIVO DE PETER ZUMTHOR


2011-07-18


EDUARDO SOUTO DE MOURA – PRITZKER 2011. UMA SISTEMATIZAÇÃO A PROPÓSITO DA VISITA DE JUHANI PALLASMAA


2011-06-03


JAHARA STUDIO


2011-05-05


FALEMOS DE 1 MILHÃO DE CASAS. NOTAS SOBRE O CONCURSO E EXPOSIÇÃO “A HOUSE IN LUANDA: PATIO AND PAVILLION”


2011-04-04


A PROPÓSITO DA CONFERÊNCIA “ARQUITECTURA [IN] ]OUT[ POLÍTICA”: UMA LEITURA DISCIPLINAR SOBRE A MEDIAÇÃO E A ESPECIFICIDADE


2011-03-09


HUGO MADUREIRA: O ARTISTA-JOALHEIRO


2011-02-07


O QUE MUDOU, O QUE NÃO MUDOU E O QUE PRECISA MUDAR


2011-01-11


nada


2010-12-02


PEQUENO ELOGIO DO ARCAICO


2010-11-02


CABRACEGA


2010-10-01


12ª BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA — “PEOPLE MEET IN ARCHITECTURE”


2010-08-02


ENTREVISTA | FILIPA GUERREIRO E TIAGO CORREIA


2010-07-09


ATYPYK PRODUCTS ARE NOT MADE IN CHINA


2010-06-03


OS PRÓXIMOS 20 ANOS. NOTAS SOBRE OS “DISCURSOS (RE)VISITADOS”


2010-05-07


OBJECTOS SEM MEDO


2010-04-01


O POTENCIAL TRANSFORMADOR DO EFÉMERO: A PROPÓSITO DO PAVILHÃO SERPENTINE EM LONDRES


2010-03-04


PEDRO + RITA = PEDRITA


2010-02-03


PARA UMA ARQUITECTURA SWISSPORT


2009-12-12


SOU FUJIMOTO


2009-11-10


THE HOME PROJECT


2009-10-01


ESTRATÉGIA PARA HABITAÇÃO EVOLUTIVA – ÍNDIA


2009-09-01


NA MANGA DE LIDIJA KOLOVRAT


2009-07-24


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR (Parte II)


2009-06-16


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR


2009-05-19


O QUE É QUE SE SEGUE?


2009-04-17


À MESA COM SAM BARON


2009-03-24


HISTÓRIAS DE UMA MALA


2009-02-18


NOTAS SOBRE PROJECTOS, ESPAÇOS, VIVÊNCIAS


2009-01-26


OUTONO ESCALDANTE OU LAPSO CRÍTICO? 90 DIAS DE DEBATE DE IDEIAS NA ARQUITECTURA PORTUENSE


2009-01-16


APRENDER COM A PASTELARIA SEMI-INDUSTRIAL PORTUGUESA OU PORQUE É QUE SÓ HÁ UMA RECEITA NO LIVRO FABRICO PRÓPRIO


2008-11-20


ÁLVARO SIZA E O BRASIL


2008-10-21


A FORMA BONITA – PETER ZUMTHOR EM LISBOA


2008-09-18


“DELIRIOUS NEW YORK” EXPLICADO ÀS CRIANÇAS


2008-08-15


A ROOM WITH A VIEW


2008-07-16


DEBATER CRIATIVAMENTE A CIDADE: A EXPERIÊNCIA PORTO REDUX


2008-06-17


FOTOGRAFIA DE ARQUITECTURA, DEFEITO E FEITIO


2008-05-14


A PROPÓSITO DA DEMOLIÇÃO DO ROBIN HOOD GARDENS


2008-04-08


INTERFACES URBANOS: O CASO DE MACAU


2008-03-01


AS CORES DA COR


2008-02-02


Notas sobre a produção arquitectónica portuguesa e sua cartografia na Architectural Association


2008-01-03


TARZANS OF THE MEDIA JUNGLE


2007-12-04


MÚSICA INTERIOR


2007-11-04


O CIRURGIÃO INGLÊS


2007-10-02


NÓS E OS CARROS


2007-09-01


Considerações sobre Tempo e Limite na produção e recepção da Arquitectura


2007-08-01


A SUBLIMAÇÃO DA CONTEMPORANEIDADE


2007-07-01


UMA MITOLOGIA DE CARNE E OSSO


2007-06-01


O LUGAR COMO ARMADILHA


2007-05-02


ESPAÇOS DE FILMAR


2007-04-02


ARTES DO ESPAÇO: ARQUITECTURA/CENOGRAFIA


2007-03-01


TERRAIN VAGUE – Notas de Investigação para uma Identidade


2007-02-02


ERRARE HUMANUM EST…


2007-01-02


QUANDO A CIDADE É TELA PARA ARTE CONTEMPORÂNEA


2006-12-02


ARQUITECTURA: ESPAÇO E RITUAL


2006-11-02


IN SUSTENTÁVEL ( I )


2006-10-01


VISÕES DO FUTURO - AS NOVAS CIDADES ASIÁTICAS


2006-09-03


NOTAS SOLTAS SOBRE ARQUITECTURA E TECNOLOGIA


2006-07-30


O BANAL E A ARQUITECTURA


2006-07-01


NOVAS MORFOLOGIAS NO PORTO INDUSTRIAL DE LISBOA


2006-06-02


SOBRE O ESPAÇO DE REPRESENTAÇÃO MODERNO


2006-04-27


MODOS DE “VER” O ESPAÇO - A PROPÓSITO DE MONTAGENS FOTOGRÁFICAS


share |

O TEATRO CARLOS ALBERTO DIALOGA COM A CIDADE: PELA MÃO DE NUNO LACERDA LOPES

CONSTANÇA BABO


 


Este ano comemoram-se os 120 anos do Teatro Carlos Alberto - TeCA que, em 2003, foi adquirido pelo Teatro Nacional São João - TNSJ, o grande teatro da cidade do Porto situado na zona da Batalha. Nesse mesmo ano, o edifício foi objeto de profunda renovação e intenso restauro que alteraram a sua estrutura, a qual, nas últimas décadas, estava utilizada unicamente para exibição cinematográfica.

Este ano, o aniversário do TeCA é festejado com o lançamento de uma notável programação, correspondente ao primeiro quadrimestre da temporada 2017/2018 do grupo do TNSJ, do qual também faz parte o Mosteiro São Bento da Vitória. Acrescenta-se, no interior do TeCA, uma exposição de cartazes de espetáculos passados, intitulada Teatro de Rua (img.5), que celebra a ocasião através de uma década de criações gráficas. Como o teatro anuncia na sua página online, recuperou do arquivo trabalhos dos designers João Faria, Joana Monteiro e Dobra (João Guedes e André Cruz), imagens que dialogaram com a cidade e com o público.

É também numa lógica de diálogo que o TeCA se relaciona com o exterior que o circunda. Para tal, desde a entrada principal que abre-se um espaço e um foyer pouco estruturado que avançam numa continuidade formal até à sala de espetáculos, dotada de um piso escuro que parece prolongar e trazer para dentro o passeio da Rua das Oliveiras.

Quando o teatro foi primeiramente concebido, esta rua era um dos percursos até à porta de entrada da cidade, na antiga muralha Fernandina, área onde hoje encontramos a Torre dos Clérigos. Assim, tratando-se de uma zona de trânsito e fluxo constante de pessoas, foi uma escolha estratégica conceber, aí, um teatro para o povo. De acordo com a época, esse desafio materializou-se num teatro circo, bem distinto da forma de teatro italiano à qual corresponde a casa-mãe do TNSJ. Pensado para todos, o TeCA apresentava uma forma despretensiosa, semelhante a uma arena com assentos em redor. Mas, à medida que as técnicas de construção se desenvolveram e a atividade teatral também, acompanhada por um crescente público, tornou-se crucial um crescimento da infraestrutura, conseguido a partir de uma espécie de sobreposição de layers.

Ora, foi precisamente a esse singular método que o arquiteto Carlos Nuno Lacerda Lopes deu continuidade, quando destacado para fazer as obras de reestruturação do teatro. Interpretando o edifício, identificou uma espécie de caos organizado no qual este assentava, o que decidiu manter, preservando, assim, a memória e a história do teatro. Sendo que, enquanto arquiteto, a sua primeira preocupação foi como responder às crescentes necessidades através dos limites espaciais que lhe eram impostos, tendo a mesma lógica de encaixe revelando-se útil. Projetou, ainda, cada estrutura com uma determinada forma e material, o que contribuiu para uma maior individualidade e dinamismo do projeto. Construiu uma zona de vidro do lado da frente do edifício, onde hoje se encontra uma área utilizada para variados propósitos, e um outro volume, nas traseiras, onde ficou acomodada a sala de ensaios e os escritórios.

Ao mesmo tempo, o arquiteto decidiu manter a intencional aproximação das classes sociais, tão característica e definidora deste edifício e, como tal, em oposição à habitual diferenciação das mesmas, como se vê no teatro à italiana, não incluiu camarotes ou qualquer outra zona de assentos para além da plateia e apenas dispôs duas portas para a sala, uma em cada extremidade. Este conceito de aproximação das pessoas estendeu-se também na conceção do edifício como um espaço aberto com corredores e escadas que facilmente conduzem da sala ao bar e as zonas mais privadas.

Em relação ao espaço do palco, relativamente pequeno, de acordo com a sala, também ela despretensiosa, foi com inteligência que Nuno Lacerda Lopes construiu uma plataforma amovível que permite adicionar um maior avançado de cena, encurtando as filas de cadeiras. Este é acompanhado por uma extensão da teia, estrutura acima dos palcos que comporta os mecanismos de operação, as varas que seguram cortinas, pernas, bambolinas, projetores de luz e cenários. Possibilita-se, assim, uma certa polivalência do espaço, importante, por exemplo, para realizar um espetáculo de maiores dimensões.

Para Nuno Lacerda Lopes a arquitetura é uma área da qual, tal como no teatro, deve resultar um espaço tão vivo quando vivido. Com este intuito, procurou criar experiências e afastar-se das formas geométricas mais rigorosas, lineares e simétricas. A arquitetura, principalmente quando se relaciona com o teatro e com as outras artes, tem a capacidade de se manifestar para além da sua função prática e apresentar resultados verdadeiramente inovadores e criativos.

Foi numa visita guiada, organizada também no âmbito do aniversário do TeCA, que o arquiteto deu a conhecer este complexo e fascinante processo de projeção do TeCA, tão próximo do público quanto dos encenadores, atores e artistas do nosso país. Na ocasião, explicou como este projeto resulta da intersecção entre o seu conhecimento profissional no vasto domínio da arquitetura e a sua entrada na vida do teatro. Em relação a esta última, contam-se alguns momentos como ator, mas destaca-se principalmente a cenografia de espetáculos, na qual Nuno Lacerda Lopes considera confluírem as duas áreas, do teatro e da arquitetura. Acredita que a segunda pode existir como arte cénica quando o espaço cenográfico é o objeto do arquiteto. Para tal, liberta-se da ideia de fazer para fora, para o público, e procura, antes, uma cenografia que se desenha a partir de dentro, para aqueles que pisam o palco. Utiliza materiais e objetos reais, concebendo cenários que existem para além da esfera da ilusão, estendendo a magia da arte cénica a maior uma autenticidade através da força da arquitetura. E, um dos melhores palcos para este momento é, sem dúvida, o deste Teatro Carlos Alberto e o do Teatro Nacional São João.

 

 

Constança Babo