Links

ARQUITETURA E DESIGN




A criação de Adão por Michelangelo Buonarotti


Tim Berners-Lee, autor do código HTML, aberto ao mundo em 1991. Fotografia de Donna Coveney, MIT.


Primeira página da World Wide Web, alojada no CERN em 1991.


Praystation, 2002Joshua Davis. Caixa de CD com uma compilação de documentos Flash em código aberto. O alien foi o primeiro logotipo da Praystation. Link: http://www.joshuadavis.com/


Logotipo da Presstube de James Patterson. Link: http://www.presstube.com/


3-D Sex and Zen: Extreme Ecstasy, 2011.

Outros artigos:

2017-06-30


PASSAGENS DE SERRALVES PELO TERMINAL DE CRUZEIROS DO PORTO DE LEIXÕES


2017-05-30


EVERYTHING IN THE GARDEN IS ROSY: AS PERIFERIAS EM IMAGENS


2017-04-18


“ÁRVORE” (2002), UMA OBRA COM A AUTORIA EM SUSPENSO


2017-03-17


ÁLVARO SIZA : VISÕES DA ALHAMBRA


2017-02-14


“NÃO TOCAR”: O NOVO MUSEU DO DESIGN EM LONDRES


2017-01-17


MAXXI ROMA


2016-12-10


NOTAS SOBRE ESPAÇO E MOVIMENTO


2016-11-15


X BIAU EM SÃO PAULO: JOÃO LUÍS CARRILHO DA GRAÇA À CONVERSA COM PAULO MENDES DA ROCHA E EDUARDO SOUTO DE MOURA


2016-10-11


CENAS PARA UM NOVO PATRIMÓNIO


2016-08-31


DREAM OUT LOUD E O DESIGN SOCIAL NO STEDELIJK MUSEUM


2016-06-24


MATÉRIA-PRIMA. UM OLHAR SOBRE O ARQUIVO DE ÁLVARO SIZA


2016-05-28


NA PEGADA DE LE CORBUSIER


2016-04-29


O EFEITO BREUER – PARTE 2


2016-03-24


O EFEITO BREUER - PARTE 1


2016-02-16


GEORGE BEYLERIAN CELEBRA O DESIGN ITALIANO COM LANÇAMENTO DE “DESIGN MEMORABILIA”


2016-01-08


RESOLUÇÕES DE ANO NOVO PARA A ARQUITETURA E DESIGN EM 2016


2015-11-30


BITTE LEBN. POR FAVOR, VIVE.


2015-10-30


A FORMA IDEAL


2015-09-14


DOS FANTASMAS DE SERRALVES AO CLIENTE COMO ARQUITECTO


2015-08-01


“EXTRA ORDINARY” - JOVENS DESIGNERS EXPLORAM MATERIAIS, PRODUTOS E PROCESSOS


2015-06-25


PODE A TIPOGRAFIA AJUDAR-NOS A CRIAR EMPATIA COM OS OUTROS?


2015-05-20


BIJOY JAIN, STUDIO MUMBAI


2015-04-14


O FIM DA ARQUITECTURA


2015-03-12


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE II/II)


2015-02-11


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE I/II)


2015-01-11


ESPECTADOR


2014-12-09


ARQUITECTAS: ENSAIO PARA UM MANUAL REVOLUCIONÁRIO


2014-11-10


A MARCA QUE TEM O MEU NOME


2014-10-04


NEWS FROM VENICE


2014-09-08


A INCONSCIÊNCIA DE ZENO. MÁQUINAS DE SUBJECTIVIDADE NO SUPERSTUDIO*


2014-07-30


ENTREVISTA A JOSÉ ANTÓNIO PINTO


2014-06-17


ÍNDICES, LISTAGENS E DIAGRAMAS: the world is all there is the case


2014-05-15


FILME COMO ARQUITECTURA, ARQUITECTURA COMO AUTOBIOGRAFIA


2014-03-13


A CASA DA PORTA DO MAR


2014-02-13


O VERNACULAR CONTEMPORÂNEO


2014-01-07


PÓS-TRIENAL 2013 [RELAÇÕES INSTÁVEIS ENTRE EVENTOS, ARQUITECTURAS E CIDADES]


2013-11-12


UMA SUBTIL INTERFERÊNCIA: A MONTAGEM DA EXPOSIÇÃO “FERNANDO TÁVORA: MODERNIDADE PERMANENTE” EM GUIMARÃES OU UMA EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA NUMA ESCOLA EM PLENO FUNCIONAMENTO


2013-09-24


DESIGN E DELITO


2013-08-12


“NADA MUDAR PARA QUE TUDO SEJA DIFERENTE”: CONVERSA COM BEYOND ENTROPY


2013-08-11


“CHANGING NOTHING SO THAT EVERYTHING IS DIFFERENT”: CONVERSATION WITH BEYOND ENTROPY


2013-07-04


CORTA MATO. Design industrial do ponto de vista do utilizador


2013-05-20


VÍTOR FIGUEIREDO: A MISÉRIA DO SUPÉRFLUO


2013-04-02


O DESIGNER SOCIAL


2013-03-11


DRESS SEXY AT MY FUNERAL: PARA QUE SERVE A BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA?


2013-02-08


O CONSUMIDOR EMANCIPADO


2013-01-08


SOBRE-QUALIFICAÇÃO E REBUSCO


2012-10-29


“REGIONALISM REDIVIVUS”: UM OUTRO OLHAR SOBRE UM TEMA PERSISTENTE


2012-10-08


LEVINA VALENTIM E JOAQUIM PAULO NOGUEIRA


2012-10-07


HOMENAGEM A ROBIN FIOR (1935-2012)


2012-09-08


A PROMESSA DA ARQUITECTURA. CONSIDERAÇÕES SOBRE A GERAÇÃO POR VIR


2012-07-01


ENTREVISTA | ANDRÉ TAVARES


2012-06-10


O DESIGN DA HISTÓRIA DO DESIGN


2012-05-07


O SER URBANO: UMA EXPOSIÇÃO COMO OBRA ABERTA. NO CAMINHO DOS CAMINHOS DE NUNO PORTAS


2012-04-05


UM OBJECTO DE RONAN E ERWAN BOUROULLEC


2012-03-05


DEZ ANOS DE NUDEZ


2012-02-13


ENCONTROS DE DESIGN DE LISBOA ::: DESIGN, CRISE E DEPOIS


2012-01-06


ARCHIZINES – QUAL O TAMANHO DA PEQUENÊS?


2011-12-02


STUDIO ASTOLFI


2011-11-01


TRAMA E EMOÇÃO – TRÊS DISCURSOS


2011-09-07


COMO COMPOR A CONTEMPLAÇÃO? – UMA HISTÓRIA SOBRE O PAVILHÃO TEMPORÁRIO DA SERPENTINE GALLERY E O PROCESSO CRIATIVO DE PETER ZUMTHOR


2011-07-18


EDUARDO SOUTO DE MOURA – PRITZKER 2011. UMA SISTEMATIZAÇÃO A PROPÓSITO DA VISITA DE JUHANI PALLASMAA


2011-06-03


JAHARA STUDIO


2011-05-05


FALEMOS DE 1 MILHÃO DE CASAS. NOTAS SOBRE O CONCURSO E EXPOSIÇÃO “A HOUSE IN LUANDA: PATIO AND PAVILLION”


2011-04-04


A PROPÓSITO DA CONFERÊNCIA “ARQUITECTURA [IN] ]OUT[ POLÍTICA”: UMA LEITURA DISCIPLINAR SOBRE A MEDIAÇÃO E A ESPECIFICIDADE


2011-03-09


HUGO MADUREIRA: O ARTISTA-JOALHEIRO


2011-02-07


O QUE MUDOU, O QUE NÃO MUDOU E O QUE PRECISA MUDAR


2011-01-11


nada


2010-12-02


PEQUENO ELOGIO DO ARCAICO


2010-11-02


CABRACEGA


2010-10-01


12ª BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA — “PEOPLE MEET IN ARCHITECTURE”


2010-08-02


ENTREVISTA | FILIPA GUERREIRO E TIAGO CORREIA


2010-07-09


ATYPYK PRODUCTS ARE NOT MADE IN CHINA


2010-06-03


OS PRÓXIMOS 20 ANOS. NOTAS SOBRE OS “DISCURSOS (RE)VISITADOS”


2010-05-07


OBJECTOS SEM MEDO


2010-04-01


O POTENCIAL TRANSFORMADOR DO EFÉMERO: A PROPÓSITO DO PAVILHÃO SERPENTINE EM LONDRES


2010-03-04


PEDRO + RITA = PEDRITA


2010-02-03


PARA UMA ARQUITECTURA SWISSPORT


2009-12-12


SOU FUJIMOTO


2009-11-10


THE HOME PROJECT


2009-10-01


ESTRATÉGIA PARA HABITAÇÃO EVOLUTIVA – ÍNDIA


2009-09-01


NA MANGA DE LIDIJA KOLOVRAT


2009-07-24


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR (Parte II)


2009-06-16


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR


2009-05-19


O QUE É QUE SE SEGUE?


2009-04-17


À MESA COM SAM BARON


2009-03-24


HISTÓRIAS DE UMA MALA


2009-02-18


NOTAS SOBRE PROJECTOS, ESPAÇOS, VIVÊNCIAS


2009-01-26


OUTONO ESCALDANTE OU LAPSO CRÍTICO? 90 DIAS DE DEBATE DE IDEIAS NA ARQUITECTURA PORTUENSE


2009-01-16


APRENDER COM A PASTELARIA SEMI-INDUSTRIAL PORTUGUESA OU PORQUE É QUE SÓ HÁ UMA RECEITA NO LIVRO FABRICO PRÓPRIO


2008-11-20


ÁLVARO SIZA E O BRASIL


2008-10-21


A FORMA BONITA – PETER ZUMTHOR EM LISBOA


2008-09-18


“DELIRIOUS NEW YORK” EXPLICADO ÀS CRIANÇAS


2008-08-15


A ROOM WITH A VIEW


2008-07-16


DEBATER CRIATIVAMENTE A CIDADE: A EXPERIÊNCIA PORTO REDUX


2008-06-17


FOTOGRAFIA DE ARQUITECTURA, DEFEITO E FEITIO


2008-05-14


A PROPÓSITO DA DEMOLIÇÃO DO ROBIN HOOD GARDENS


2008-04-08


INTERFACES URBANOS: O CASO DE MACAU


2008-03-01


AS CORES DA COR


2008-02-02


Notas sobre a produção arquitectónica portuguesa e sua cartografia na Architectural Association


2008-01-03


TARZANS OF THE MEDIA JUNGLE


2007-12-04


MÚSICA INTERIOR


2007-11-04


O CIRURGIÃO INGLÊS


2007-10-02


NÓS E OS CARROS


2007-09-01


Considerações sobre Tempo e Limite na produção e recepção da Arquitectura


2007-08-01


A SUBLIMAÇÃO DA CONTEMPORANEIDADE


2007-07-01


UMA MITOLOGIA DE CARNE E OSSO


2007-06-01


O LUGAR COMO ARMADILHA


2007-05-02


ESPAÇOS DE FILMAR


2007-04-02


ARTES DO ESPAÇO: ARQUITECTURA/CENOGRAFIA


2007-03-01


TERRAIN VAGUE – Notas de Investigação para uma Identidade


2007-02-02


ERRARE HUMANUM EST…


2007-01-02


QUANDO A CIDADE É TELA PARA ARTE CONTEMPORÂNEA


2006-12-02


ARQUITECTURA: ESPAÇO E RITUAL


2006-11-02


IN SUSTENTÁVEL ( I )


2006-10-01


VISÕES DO FUTURO - AS NOVAS CIDADES ASIÁTICAS


2006-09-03


NOTAS SOLTAS SOBRE ARQUITECTURA E TECNOLOGIA


2006-07-30


O BANAL E A ARQUITECTURA


2006-07-01


NOVAS MORFOLOGIAS NO PORTO INDUSTRIAL DE LISBOA


2006-06-02


SOBRE O ESPAÇO DE REPRESENTAÇÃO MODERNO


2006-04-27


MODOS DE “VER” O ESPAÇO - A PROPÓSITO DE MONTAGENS FOTOGRÁFICAS


share |

O MUNDO NA MÃO

ANTÓNIO COXITO



Não sinto o teu corpo que toco, não sinto este teclado, sinto apenas as pontas dos meus dedos.
A fenomenologia encerrou-nos neste paradigma, a tecnologia tem-lhe dado razão.
Neste mundo onde o hedonismo ganhou o estatuto de direito adquirido e sendo a sua via eminentemente carnal, o designer vê-se na contingência de ter de dominar outros sentidos para além do da visão, a começar pelo tacto, para comunicar. Não me refiro aqui à percepção das texturas dos materiais em design de equipamento mas à interactividade virtual táctil (imaterial mas não intangível), que requer alguns conhecimentos de programação informática.
Esta tecnologia encontra-se presente nos monitores de tablets e de smartphones mas, mesmo estes, dentro em pouco se desfarão no ar fino, deixando-nos apenas as pontas dos dedos para confirmarmos a existência das coisas.

Desde 1991, ano da primeira página da World Wide Web no CERN, que a componente gráfica deste design evoluiu mas também os seus conceitos, objectivos e influência sobre a leitura do mundo.
A crueza do layout devia-se principalmente à elementaridade das ferramentas (HTML) e à velocidade de transferência (na altura, um modem de 56k era topo de gama) que limitava o peso dos documentos.
Durante a primeira década deste século o Flash veio trazer animação à web, permitindo construir uma interactividade mais rica e com movimento, sem a limitação dos tipos de letra a serif, sansserif e monospace, sugerindo que o HTML era uma linguagem elementar demais para seduzir. Apesar da grande evolução das fontes Post Script nesta altura, a sua aplicação limitava-se ao print. Houve, durante esse período, grandes autores de new media que conjugavam a sua formação gráfica com fortes conhecimentos de programação. Foi o caso de Joshua Davis e a Praystation ou de James Patterson e a Presstube.
Uma das características dos documentos em Flash era a de ocultarem o código (mesmo o documento que se colocava online, o .swf, era uma compilação do código escrito no documento de edição, o .fla) o que, na altura, lhes conferia um ar sofisticado.
Um factor que veio encurtar a vida ao Flash foi a decisão de Steve Jobs de dificultar a sua leitura pelos touch devices da Apple (IPhone e IPad). Apresentou como razões o peso dos documentos mas principalmente a sua capacidade para transportarem dentro de si informação que poderia ser danosa para o utilizador. Ainda hoje, se tivermos as configurações de segurança elevadas, ao abrir um documento gerado por Flash (.swf, .flv, .f4v) que tenha sido descarregado da web, aparece o aviso de que se trata de uma aplicação.
Actualmente, apesar de ainda se escreverem websites em Flash, esta tecnologia encontra-se mais presente em banners animados ou, no canto oposto, em aplicações sofisticadas como jogos, que tiram partido da potente linguagem ActionScript.

Outra razão que levou à perca de terreno por parte do Flash foi a sua maior dificuldade de entrosamento com as Bases de Dados (BDs). Este tema das BDs, que era um tema apenas para programadores e de utilização restrita há duas décadas, confunde-se hoje com o próprio significado de informação e é de domínio mais acessível para os designers. A principal razão para esta abertura da tecnologia foi a procura. Tudo usa BDs. Tudo está em BDs. Já poucas situações fazem sentido se forem apenas estáticas.
Desde as simples BDs implícitas num query de PHP até à gestão de notícias ou de stocks por mySQL, tudo isto são ferramentas do webdesigner, sem as quais o seu trabalho online não passará de uma página solta com pouca ligação ao resto do mundo. Mas ainda assim, é necessário ter algumas bases de programação.
Como tal, o HTML regressou em força (apesar de nunca ter deixado de ser a base de todas as páginas web) pela sua fácil conexão com BDs. Mas agora com ferramentas que lhe conferem outro dinamismo, como o CSS3 e Javascripts incorporados no HTML5. No CSS3, particularmente com a introdução dos módulos transform associado ao módulo transition, o dinamismo de uma página HTML nada fica a dever aos produtos flashy da década passada, mantendo a sua crueza característica que é agora o novo sinónimo de sofisticação.

Todos nós aprendemos na escola primária as bases desta programação: aprendemos um código extremamente complexo (a língua portuguesa) e aprendemos o sentido de somar, subtrair, multiplicar e dividir. Depois aprendemos a reunir e a interseccionar. Aos poucos fomos aprendendo a criar prioridades. Programar é apenas isto. Organizar numa linguagem simples o sentido de uma questão. A sua sintaxe é ao nível do SMS, e cada ideia cabe num tweet. Não se trata, portanto, de algo restrito a nerds e nos antípodas do trabalho criativo.
Não é possível desenhar para o espaço virtual/interactivo/táctil apenas fornecendo os desenhos, sem conhecer o seu ritmo. Longe vai o tempo em que o designer entregava ao webdesigner uma sequência de quadros em PDF para este os plasmar em HTML ou em Flash. A aplicação do design a um suporte interactivo não é apenas a sua digitalização ou modelação 3D para inserção em páginas virtuais, como se de um catálogo em papel se tratasse. Apesar das facilidades que os interfaces WYSIWYG (What You See Is What You Get) entretanto conferiram, construir para a web é definitivamente uma forma específica de reflectir e de montar.
Tudo aquilo que hoje é desenhado tem de considerar (pelo menos) duas novas dimensões.
1) o tempo (tal como num filme, há sequências que introduzem uma narração)
2) a interactividade (o tempo em várias direcções)
A única forma de o fazer é com novos códigos libertos da tirania do discurso linear: são os códigos para a web. O movimento, que reflecte o tempo e o cinema. A interactividade, que importa ao comportamento. A tecnologia táctil, que introduz a coreografia no espaço virtual com a ponta dos dedos.



António Coxito
Arquitecto pela UAL. Encontra-se a desenvolver doutoramento na Universidade de Évora nos moldes research by design, através da construção efectiva de uma utopia em Vila Velha de Ródão.


::::::


[o autor escreve de acordo com a antiga ortografia]