Links

ARQUITETURA E DESIGN




Álvaro Siza Vieira.


Álvaro Siza, Casa Carlos Beires, Póvoa de Varzim, 1973-1976. Projecto de Execução, pormenor de carpintaria, sem data, tinta-da-china sobre vegetal, escalas 1:5 e 1:50, 84,0 x 60,0 cm.


Álvaro Siza, Casa Alves dos Santos, Póvoa de Varzim, 1964-1968. Apontamentos para distribuição dos aparelhos de iluminação e projecto de electricidade, sem data, esferográfica e caneta-de-feltro sobre papel, 21,0 x 29,7 cm.


Álvaro Siza, Museu de Serralves, Porto, 1991-1999. Apontamentos para estudo das áreas do programa preliminar, [1991], tinta permanente e lápis sobre papel, 21,0 x 29,7,0 cm.


Vista da exposição.


Casa Maria Margarida Machado, Arcozelo – 1979-1983


Casa Alcino Cardoso, Moledo do Minho – 1971-1973

Outros artigos:

2017-06-30


PASSAGENS DE SERRALVES PELO TERMINAL DE CRUZEIROS DO PORTO DE LEIXÕES


2017-05-30


EVERYTHING IN THE GARDEN IS ROSY: AS PERIFERIAS EM IMAGENS


2017-04-18


“ÁRVORE” (2002), UMA OBRA COM A AUTORIA EM SUSPENSO


2017-03-17


ÁLVARO SIZA : VISÕES DA ALHAMBRA


2017-02-14


“NÃO TOCAR”: O NOVO MUSEU DO DESIGN EM LONDRES


2017-01-17


MAXXI ROMA


2016-12-10


NOTAS SOBRE ESPAÇO E MOVIMENTO


2016-11-15


X BIAU EM SÃO PAULO: JOÃO LUÍS CARRILHO DA GRAÇA À CONVERSA COM PAULO MENDES DA ROCHA E EDUARDO SOUTO DE MOURA


2016-10-11


CENAS PARA UM NOVO PATRIMÓNIO


2016-08-31


DREAM OUT LOUD E O DESIGN SOCIAL NO STEDELIJK MUSEUM


2016-05-28


NA PEGADA DE LE CORBUSIER


2016-04-29


O EFEITO BREUER – PARTE 2


2016-03-24


O EFEITO BREUER - PARTE 1


2016-02-16


GEORGE BEYLERIAN CELEBRA O DESIGN ITALIANO COM LANÇAMENTO DE “DESIGN MEMORABILIA”


2016-01-08


RESOLUÇÕES DE ANO NOVO PARA A ARQUITETURA E DESIGN EM 2016


2015-11-30


BITTE LEBN. POR FAVOR, VIVE.


2015-10-30


A FORMA IDEAL


2015-09-14


DOS FANTASMAS DE SERRALVES AO CLIENTE COMO ARQUITECTO


2015-08-01


“EXTRA ORDINARY” - JOVENS DESIGNERS EXPLORAM MATERIAIS, PRODUTOS E PROCESSOS


2015-06-25


PODE A TIPOGRAFIA AJUDAR-NOS A CRIAR EMPATIA COM OS OUTROS?


2015-05-20


BIJOY JAIN, STUDIO MUMBAI


2015-04-14


O FIM DA ARQUITECTURA


2015-03-12


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE II/II)


2015-02-11


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE I/II)


2015-01-11


ESPECTADOR


2014-12-09


ARQUITECTAS: ENSAIO PARA UM MANUAL REVOLUCIONÁRIO


2014-11-10


A MARCA QUE TEM O MEU NOME


2014-10-04


NEWS FROM VENICE


2014-09-08


A INCONSCIÊNCIA DE ZENO. MÁQUINAS DE SUBJECTIVIDADE NO SUPERSTUDIO*


2014-07-30


ENTREVISTA A JOSÉ ANTÓNIO PINTO


2014-06-17


ÍNDICES, LISTAGENS E DIAGRAMAS: the world is all there is the case


2014-05-15


FILME COMO ARQUITECTURA, ARQUITECTURA COMO AUTOBIOGRAFIA


2014-04-14


O MUNDO NA MÃO


2014-03-13


A CASA DA PORTA DO MAR


2014-02-13


O VERNACULAR CONTEMPORÂNEO


2014-01-07


PÓS-TRIENAL 2013 [RELAÇÕES INSTÁVEIS ENTRE EVENTOS, ARQUITECTURAS E CIDADES]


2013-11-12


UMA SUBTIL INTERFERÊNCIA: A MONTAGEM DA EXPOSIÇÃO “FERNANDO TÁVORA: MODERNIDADE PERMANENTE” EM GUIMARÃES OU UMA EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA NUMA ESCOLA EM PLENO FUNCIONAMENTO


2013-09-24


DESIGN E DELITO


2013-08-12


“NADA MUDAR PARA QUE TUDO SEJA DIFERENTE”: CONVERSA COM BEYOND ENTROPY


2013-08-11


“CHANGING NOTHING SO THAT EVERYTHING IS DIFFERENT”: CONVERSATION WITH BEYOND ENTROPY


2013-07-04


CORTA MATO. Design industrial do ponto de vista do utilizador


2013-05-20


VÍTOR FIGUEIREDO: A MISÉRIA DO SUPÉRFLUO


2013-04-02


O DESIGNER SOCIAL


2013-03-11


DRESS SEXY AT MY FUNERAL: PARA QUE SERVE A BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA?


2013-02-08


O CONSUMIDOR EMANCIPADO


2013-01-08


SOBRE-QUALIFICAÇÃO E REBUSCO


2012-10-29


“REGIONALISM REDIVIVUS”: UM OUTRO OLHAR SOBRE UM TEMA PERSISTENTE


2012-10-08


LEVINA VALENTIM E JOAQUIM PAULO NOGUEIRA


2012-10-07


HOMENAGEM A ROBIN FIOR (1935-2012)


2012-09-08


A PROMESSA DA ARQUITECTURA. CONSIDERAÇÕES SOBRE A GERAÇÃO POR VIR


2012-07-01


ENTREVISTA | ANDRÉ TAVARES


2012-06-10


O DESIGN DA HISTÓRIA DO DESIGN


2012-05-07


O SER URBANO: UMA EXPOSIÇÃO COMO OBRA ABERTA. NO CAMINHO DOS CAMINHOS DE NUNO PORTAS


2012-04-05


UM OBJECTO DE RONAN E ERWAN BOUROULLEC


2012-03-05


DEZ ANOS DE NUDEZ


2012-02-13


ENCONTROS DE DESIGN DE LISBOA ::: DESIGN, CRISE E DEPOIS


2012-01-06


ARCHIZINES – QUAL O TAMANHO DA PEQUENÊS?


2011-12-02


STUDIO ASTOLFI


2011-11-01


TRAMA E EMOÇÃO – TRÊS DISCURSOS


2011-09-07


COMO COMPOR A CONTEMPLAÇÃO? – UMA HISTÓRIA SOBRE O PAVILHÃO TEMPORÁRIO DA SERPENTINE GALLERY E O PROCESSO CRIATIVO DE PETER ZUMTHOR


2011-07-18


EDUARDO SOUTO DE MOURA – PRITZKER 2011. UMA SISTEMATIZAÇÃO A PROPÓSITO DA VISITA DE JUHANI PALLASMAA


2011-06-03


JAHARA STUDIO


2011-05-05


FALEMOS DE 1 MILHÃO DE CASAS. NOTAS SOBRE O CONCURSO E EXPOSIÇÃO “A HOUSE IN LUANDA: PATIO AND PAVILLION”


2011-04-04


A PROPÓSITO DA CONFERÊNCIA “ARQUITECTURA [IN] ]OUT[ POLÍTICA”: UMA LEITURA DISCIPLINAR SOBRE A MEDIAÇÃO E A ESPECIFICIDADE


2011-03-09


HUGO MADUREIRA: O ARTISTA-JOALHEIRO


2011-02-07


O QUE MUDOU, O QUE NÃO MUDOU E O QUE PRECISA MUDAR


2011-01-11


nada


2010-12-02


PEQUENO ELOGIO DO ARCAICO


2010-11-02


CABRACEGA


2010-10-01


12ª BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA — “PEOPLE MEET IN ARCHITECTURE”


2010-08-02


ENTREVISTA | FILIPA GUERREIRO E TIAGO CORREIA


2010-07-09


ATYPYK PRODUCTS ARE NOT MADE IN CHINA


2010-06-03


OS PRÓXIMOS 20 ANOS. NOTAS SOBRE OS “DISCURSOS (RE)VISITADOS”


2010-05-07


OBJECTOS SEM MEDO


2010-04-01


O POTENCIAL TRANSFORMADOR DO EFÉMERO: A PROPÓSITO DO PAVILHÃO SERPENTINE EM LONDRES


2010-03-04


PEDRO + RITA = PEDRITA


2010-02-03


PARA UMA ARQUITECTURA SWISSPORT


2009-12-12


SOU FUJIMOTO


2009-11-10


THE HOME PROJECT


2009-10-01


ESTRATÉGIA PARA HABITAÇÃO EVOLUTIVA – ÍNDIA


2009-09-01


NA MANGA DE LIDIJA KOLOVRAT


2009-07-24


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR (Parte II)


2009-06-16


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR


2009-05-19


O QUE É QUE SE SEGUE?


2009-04-17


À MESA COM SAM BARON


2009-03-24


HISTÓRIAS DE UMA MALA


2009-02-18


NOTAS SOBRE PROJECTOS, ESPAÇOS, VIVÊNCIAS


2009-01-26


OUTONO ESCALDANTE OU LAPSO CRÍTICO? 90 DIAS DE DEBATE DE IDEIAS NA ARQUITECTURA PORTUENSE


2009-01-16


APRENDER COM A PASTELARIA SEMI-INDUSTRIAL PORTUGUESA OU PORQUE É QUE SÓ HÁ UMA RECEITA NO LIVRO FABRICO PRÓPRIO


2008-11-20


ÁLVARO SIZA E O BRASIL


2008-10-21


A FORMA BONITA – PETER ZUMTHOR EM LISBOA


2008-09-18


“DELIRIOUS NEW YORK” EXPLICADO ÀS CRIANÇAS


2008-08-15


A ROOM WITH A VIEW


2008-07-16


DEBATER CRIATIVAMENTE A CIDADE: A EXPERIÊNCIA PORTO REDUX


2008-06-17


FOTOGRAFIA DE ARQUITECTURA, DEFEITO E FEITIO


2008-05-14


A PROPÓSITO DA DEMOLIÇÃO DO ROBIN HOOD GARDENS


2008-04-08


INTERFACES URBANOS: O CASO DE MACAU


2008-03-01


AS CORES DA COR


2008-02-02


Notas sobre a produção arquitectónica portuguesa e sua cartografia na Architectural Association


2008-01-03


TARZANS OF THE MEDIA JUNGLE


2007-12-04


MÚSICA INTERIOR


2007-11-04


O CIRURGIÃO INGLÊS


2007-10-02


NÓS E OS CARROS


2007-09-01


Considerações sobre Tempo e Limite na produção e recepção da Arquitectura


2007-08-01


A SUBLIMAÇÃO DA CONTEMPORANEIDADE


2007-07-01


UMA MITOLOGIA DE CARNE E OSSO


2007-06-01


O LUGAR COMO ARMADILHA


2007-05-02


ESPAÇOS DE FILMAR


2007-04-02


ARTES DO ESPAÇO: ARQUITECTURA/CENOGRAFIA


2007-03-01


TERRAIN VAGUE – Notas de Investigação para uma Identidade


2007-02-02


ERRARE HUMANUM EST…


2007-01-02


QUANDO A CIDADE É TELA PARA ARTE CONTEMPORÂNEA


2006-12-02


ARQUITECTURA: ESPAÇO E RITUAL


2006-11-02


IN SUSTENTÁVEL ( I )


2006-10-01


VISÕES DO FUTURO - AS NOVAS CIDADES ASIÁTICAS


2006-09-03


NOTAS SOLTAS SOBRE ARQUITECTURA E TECNOLOGIA


2006-07-30


O BANAL E A ARQUITECTURA


2006-07-01


NOVAS MORFOLOGIAS NO PORTO INDUSTRIAL DE LISBOA


2006-06-02


SOBRE O ESPAÇO DE REPRESENTAÇÃO MODERNO


2006-04-27


MODOS DE “VER” O ESPAÇO - A PROPÓSITO DE MONTAGENS FOTOGRÁFICAS


share |

MATÉRIA-PRIMA. UM OLHAR SOBRE O ARQUIVO DE ÁLVARO SIZA

CONSTANÇA BABO


 

 

Ana Pinho, na visita de imprensa, reconhece que o Museu de Serralves e Álvaro Siza estão para sempre ligados. O edifício do museu, criação do arquiteto, tem o conceito da sucessão de salas, onde cada divisão introduz a sua particularidade em termos arquitetónicos, havendo um singular dinamismo na estrutura de paredes brancas, comum à maioria das instituições de exposição de arte. A capacidade de incluir um traço pessoal numa aparentemente estabelecida forma é uma característica presente em toda a obra do arquiteto. Nela existe uma recorrente estética formal forte, equilibrada e harmoniosa, onde surgem elementos surpresa. No caso do edifício do museu, Álvaro Siza deparou-se ainda com o desafio de se relacionar com os grandes jardins e com a Casa de Serralves, com uma arquitetura arte déco dos anos 30. Foi através deste projeto que nasceu a relação entre o arquiteto e a Fundação de Serralves, hoje solidificada com o projeto da casa de cinema Manuel de Oliveira.

 

Assim, faz todo o sentido organizar uma exposição no Museu que enalteça este mundialmente reconhecido arquiteto. Trata-se da primeira grande mostra de trabalhos que expõe 27 projetos de Siza, parte dos 40 doados em 2015 e que pertencem a Serralves. A exposição apresenta cronologicamente os documentos e alguma matéria-prima, e o próprio arquiteto admira a intenção do museu em incluir, no seu depósito, trabalhos de arquitetura, algo que seria impensável no passado. Os 27 arquivos apresentam projetos que se concentram entre 1950 e a primeira década de 2000, realizados na região norte de Portugal. Álvaro Siza, com enorme relevância a nível internacional, tem a maioria dos seus arquivos em Portugal, grande parte destes dividindo-se entre Porto e Lisboa, de acordo com a localização dos próprios projetos. O espólio hoje reunido e apresentado nasce da parceria entre a Fundação de Serralves, o Canadian Centre for Architecture, em Montreal, e a Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa. Suzanne Cotter explica que este espólio encontra-se arquivado de um modo semelhante ao das obras de arte, estabelecendo-se, no campo da arquitetura, como modelo pioneiro. Ana Pinho anuncia a vontade de realizar, futuramente, mais exposições, debates e eventos que deem valor tanto a este arquiteto como à arquitetura realizada em Portugal.

 

Encontra-se nesta exposição, na biblioteca de Serralves, não só o processo do arquivo, como o de todo o projeto arquitetónico. Observam-se, sob várias formas, os trabalhos de Álvaro Siza desde os esboços livres e desenhos mais estruturados às plantas de edifícios, das fotografias das maquetes às dos projetos em fase de construção ou, até, de alguns resultados finais. As fotografias ocupam e preenchem a biblioteca numa linha contínua em quase três paredes completas do espaço da exposição e têm a sua função particular: por serem mais ilustrativas dão enquadramento ao projeto, sendo mais acessíveis ao público em geral do que os desenhos ou textos, estes últimos apenas inteiramente compreendidos pelos especialistas da área. A grande maioria das imagens não é dos produtos finais mas sim da construção, tratando-se de registos fotográficos de escritório com momentos do processo para serem descobertos pela primeira vez.

 

André Tavares, comissário da exposição, confessou que foi movido por uma curiosidade em conhecer o mais recente legado de Siza que tinha entrado recentemente na coleção de Serralves. Explicou que "olhar as obras não nos conta toda a arquitetura" e que, para verdadeiramente a conhecer, é necessário ver o processo de criação e produção tal como acontece para compreender qualquer obra de arte. A arquitetura e a sua proximidade com as artes é, por vezes, esquecida, mas convém relembrar que ambas são criadas e fruto da mão de um autor. E, este último, torna-se um autêntico artista quando se apresenta com um trabalho como Álvaro Siza: inovador e de uma estética marcante e identificável.

 

Siza considera que se devem mostrar os caminhos e as razões da arquitetura, inclusivamente para explicar e reconhecer que esta nasce de um trabalho de equipa, não só dos que se envolvem fisicamente com o projeto, mas também o dono da obra. Com este, o que encomenda a obra, é necessária uma relação de parceria e de empenho e compromisso para que o trabalho se realize da melhor forma. Siza entende que este elemento é de tal forma indispensável que o considera o primeiro arquiteto.

 

É na ocasião da atual exposição de Serralves que se fica também a conhecer uma triste realidade para o arquiteto: por volta de 70% a 80% dos projetos não são concretizados, tornando-se, assim, eternos arquivos. Estes continuam, contudo e em conjunto com os restantes trabalhos, a fazer parte da sua obra. É precisamente num sentido global, como um todo, que Álvaro Siza compreende o seu trabalho. Explica que se trata de uma mesma pesquisa e de um mesmo projeto, movidos pela força de uma mesma pessoa. E, por isso mesmo, apesar das peças se apresentarem sob variadíssimas formas, denota-se uma linguagem própria, característica do arquiteto que permanece consistente nos seus projetos.

 

Mesmo identificando maior importância cultural em alguns projetos em relação a outros, toda a obra tem, para Álvaro Siza, um determinado valor e uma mesma função: a de prestar serviço à comunidade. Todo o trabalho é movido pelo que o arquiteto chama de "mão que pensa", referindo-se à complementaridade entre a mão, o gesto e a mente. Por isso mesmo, apesar de reconhecer os benefícios das novas tecnologias e suas facilidades na produção de qualquer projeto, Siza prefere o desenho manual e explica que o tempo de criar à mão permite penetrar e avançar mais na procura, dando uma maior profundidade ao projeto. Dos projetos que se encontram estudados digitalmente destaca-se o do museu de Serralves.

 

Numa grande proximidade, tal como a de Álvaro Siza no estirador do seu atelier, há, agora, a oportunidade de encontrar, disposta por mesas, a matéria-prima que serve de base para o trabalho do autor. É deste modo que é fortalecido o contacto do espetador com a arquitetura, permitindo que todo o trabalho do arquiteto, mesmo o que ficou por realizar, possa ser aproveitado pelo público, prolongando a capacidade de função de cada edifício. Fragmento de uma obra valiosa, este arquivo deixa-se descobrir pelo público até dia 18 de Setembro. É uma oportunidade de conhecer, o processo criativo e produtivo de Siza, já tão familiar e, ao mesmo tempo, ainda por descobrir.

 

 

 

Constança Babo