Links

ARQUITETURA E DESIGN




Vista da exposição. Fotografia: Eduardo Sousa Ribeiro


Vista da exposição. Fotografia: Eduardo Sousa Ribeiro


Vista da exposição. Fotografia: Eduardo Sousa Ribeiro


Vista da exposição. Fotografia: Eduardo Sousa Ribeiro


Vista da exposição. Fotografia: Eduardo Sousa Ribeiro


Vista da exposição. Fotografia: Eduardo Sousa Ribeiro


Fotografia: Eduardo Sousa Ribeiro

Outros artigos:

2017-10-14


O TEATRO CARLOS ALBERTO DIALOGA COM A CIDADE: PELA MÃO DE NUNO LACERDA LOPES


2017-09-10


“VINTE E TRÊS”. AUSÊNCIAS E APARIÇÕES NUMA MOSTRA DE JOALHARIA IBEROAMERICANA PELA PIN ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE JOALHARIA CONTEMPORÂNEA


2017-06-30


PASSAGENS DE SERRALVES PELO TERMINAL DE CRUZEIROS DO PORTO DE LEIXÕES


2017-05-30


EVERYTHING IN THE GARDEN IS ROSY: AS PERIFERIAS EM IMAGENS


2017-04-18


“ÁRVORE” (2002), UMA OBRA COM A AUTORIA EM SUSPENSO


2017-03-17


ÁLVARO SIZA : VISÕES DA ALHAMBRA


2017-02-14


“NÃO TOCAR”: O NOVO MUSEU DO DESIGN EM LONDRES


2017-01-17


MAXXI ROMA


2016-12-10


NOTAS SOBRE ESPAÇO E MOVIMENTO


2016-11-15


X BIAU EM SÃO PAULO: JOÃO LUÍS CARRILHO DA GRAÇA À CONVERSA COM PAULO MENDES DA ROCHA E EDUARDO SOUTO DE MOURA


2016-10-11


CENAS PARA UM NOVO PATRIMÓNIO


2016-08-31


DREAM OUT LOUD E O DESIGN SOCIAL NO STEDELIJK MUSEUM


2016-06-24


MATÉRIA-PRIMA. UM OLHAR SOBRE O ARQUIVO DE ÁLVARO SIZA


2016-05-28


NA PEGADA DE LE CORBUSIER


2016-04-29


O EFEITO BREUER – PARTE 2


2016-03-24


O EFEITO BREUER - PARTE 1


2016-02-16


GEORGE BEYLERIAN CELEBRA O DESIGN ITALIANO COM LANÇAMENTO DE “DESIGN MEMORABILIA”


2016-01-08


RESOLUÇÕES DE ANO NOVO PARA A ARQUITETURA E DESIGN EM 2016


2015-11-30


BITTE LEBN. POR FAVOR, VIVE.


2015-10-30


A FORMA IDEAL


2015-09-14


DOS FANTASMAS DE SERRALVES AO CLIENTE COMO ARQUITECTO


2015-08-01


“EXTRA ORDINARY” - JOVENS DESIGNERS EXPLORAM MATERIAIS, PRODUTOS E PROCESSOS


2015-06-25


PODE A TIPOGRAFIA AJUDAR-NOS A CRIAR EMPATIA COM OS OUTROS?


2015-05-20


BIJOY JAIN, STUDIO MUMBAI


2015-04-14


O FIM DA ARQUITECTURA


2015-03-12


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE II/II)


2015-02-11


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE I/II)


2015-01-11


ESPECTADOR


2014-12-09


ARQUITECTAS: ENSAIO PARA UM MANUAL REVOLUCIONÁRIO


2014-11-10


A MARCA QUE TEM O MEU NOME


2014-10-04


NEWS FROM VENICE


2014-09-08


A INCONSCIÊNCIA DE ZENO. MÁQUINAS DE SUBJECTIVIDADE NO SUPERSTUDIO*


2014-07-30


ENTREVISTA A JOSÉ ANTÓNIO PINTO


2014-06-17


ÍNDICES, LISTAGENS E DIAGRAMAS: the world is all there is the case


2014-05-15


FILME COMO ARQUITECTURA, ARQUITECTURA COMO AUTOBIOGRAFIA


2014-04-14


O MUNDO NA MÃO


2014-03-13


A CASA DA PORTA DO MAR


2014-02-13


O VERNACULAR CONTEMPORÂNEO


2014-01-07


PÓS-TRIENAL 2013 [RELAÇÕES INSTÁVEIS ENTRE EVENTOS, ARQUITECTURAS E CIDADES]


2013-11-12


UMA SUBTIL INTERFERÊNCIA: A MONTAGEM DA EXPOSIÇÃO “FERNANDO TÁVORA: MODERNIDADE PERMANENTE” EM GUIMARÃES OU UMA EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA NUMA ESCOLA EM PLENO FUNCIONAMENTO


2013-09-24


DESIGN E DELITO


2013-08-12


“NADA MUDAR PARA QUE TUDO SEJA DIFERENTE”: CONVERSA COM BEYOND ENTROPY


2013-08-11


“CHANGING NOTHING SO THAT EVERYTHING IS DIFFERENT”: CONVERSATION WITH BEYOND ENTROPY


2013-07-04


CORTA MATO. Design industrial do ponto de vista do utilizador


2013-05-20


VÍTOR FIGUEIREDO: A MISÉRIA DO SUPÉRFLUO


2013-04-02


O DESIGNER SOCIAL


2013-03-11


DRESS SEXY AT MY FUNERAL: PARA QUE SERVE A BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA?


2013-02-08


O CONSUMIDOR EMANCIPADO


2013-01-08


SOBRE-QUALIFICAÇÃO E REBUSCO


2012-10-29


“REGIONALISM REDIVIVUS”: UM OUTRO OLHAR SOBRE UM TEMA PERSISTENTE


2012-10-08


LEVINA VALENTIM E JOAQUIM PAULO NOGUEIRA


2012-10-07


HOMENAGEM A ROBIN FIOR (1935-2012)


2012-09-08


A PROMESSA DA ARQUITECTURA. CONSIDERAÇÕES SOBRE A GERAÇÃO POR VIR


2012-07-01


ENTREVISTA | ANDRÉ TAVARES


2012-06-10


O DESIGN DA HISTÓRIA DO DESIGN


2012-05-07


O SER URBANO: UMA EXPOSIÇÃO COMO OBRA ABERTA. NO CAMINHO DOS CAMINHOS DE NUNO PORTAS


2012-04-05


UM OBJECTO DE RONAN E ERWAN BOUROULLEC


2012-03-05


DEZ ANOS DE NUDEZ


2012-02-13


ENCONTROS DE DESIGN DE LISBOA ::: DESIGN, CRISE E DEPOIS


2012-01-06


ARCHIZINES – QUAL O TAMANHO DA PEQUENÊS?


2011-12-02


STUDIO ASTOLFI


2011-11-01


TRAMA E EMOÇÃO – TRÊS DISCURSOS


2011-09-07


COMO COMPOR A CONTEMPLAÇÃO? – UMA HISTÓRIA SOBRE O PAVILHÃO TEMPORÁRIO DA SERPENTINE GALLERY E O PROCESSO CRIATIVO DE PETER ZUMTHOR


2011-07-18


EDUARDO SOUTO DE MOURA – PRITZKER 2011. UMA SISTEMATIZAÇÃO A PROPÓSITO DA VISITA DE JUHANI PALLASMAA


2011-06-03


JAHARA STUDIO


2011-05-05


FALEMOS DE 1 MILHÃO DE CASAS. NOTAS SOBRE O CONCURSO E EXPOSIÇÃO “A HOUSE IN LUANDA: PATIO AND PAVILLION”


2011-04-04


A PROPÓSITO DA CONFERÊNCIA “ARQUITECTURA [IN] ]OUT[ POLÍTICA”: UMA LEITURA DISCIPLINAR SOBRE A MEDIAÇÃO E A ESPECIFICIDADE


2011-03-09


HUGO MADUREIRA: O ARTISTA-JOALHEIRO


2011-02-07


O QUE MUDOU, O QUE NÃO MUDOU E O QUE PRECISA MUDAR


2011-01-11


nada


2010-12-02


PEQUENO ELOGIO DO ARCAICO


2010-11-02


CABRACEGA


2010-10-01


12ª BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA — “PEOPLE MEET IN ARCHITECTURE”


2010-08-02


ENTREVISTA | FILIPA GUERREIRO E TIAGO CORREIA


2010-07-09


ATYPYK PRODUCTS ARE NOT MADE IN CHINA


2010-06-03


OS PRÓXIMOS 20 ANOS. NOTAS SOBRE OS “DISCURSOS (RE)VISITADOS”


2010-05-07


OBJECTOS SEM MEDO


2010-04-01


O POTENCIAL TRANSFORMADOR DO EFÉMERO: A PROPÓSITO DO PAVILHÃO SERPENTINE EM LONDRES


2010-03-04


PEDRO + RITA = PEDRITA


2010-02-03


PARA UMA ARQUITECTURA SWISSPORT


2009-12-12


SOU FUJIMOTO


2009-11-10


THE HOME PROJECT


2009-10-01


ESTRATÉGIA PARA HABITAÇÃO EVOLUTIVA – ÍNDIA


2009-09-01


NA MANGA DE LIDIJA KOLOVRAT


2009-07-24


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR (Parte II)


2009-06-16


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR


2009-05-19


O QUE É QUE SE SEGUE?


2009-04-17


À MESA COM SAM BARON


2009-03-24


HISTÓRIAS DE UMA MALA


2009-02-18


NOTAS SOBRE PROJECTOS, ESPAÇOS, VIVÊNCIAS


2009-01-26


OUTONO ESCALDANTE OU LAPSO CRÍTICO? 90 DIAS DE DEBATE DE IDEIAS NA ARQUITECTURA PORTUENSE


2009-01-16


APRENDER COM A PASTELARIA SEMI-INDUSTRIAL PORTUGUESA OU PORQUE É QUE SÓ HÁ UMA RECEITA NO LIVRO FABRICO PRÓPRIO


2008-11-20


ÁLVARO SIZA E O BRASIL


2008-10-21


A FORMA BONITA – PETER ZUMTHOR EM LISBOA


2008-09-18


“DELIRIOUS NEW YORK” EXPLICADO ÀS CRIANÇAS


2008-08-15


A ROOM WITH A VIEW


2008-07-16


DEBATER CRIATIVAMENTE A CIDADE: A EXPERIÊNCIA PORTO REDUX


2008-06-17


FOTOGRAFIA DE ARQUITECTURA, DEFEITO E FEITIO


2008-05-14


A PROPÓSITO DA DEMOLIÇÃO DO ROBIN HOOD GARDENS


2008-04-08


INTERFACES URBANOS: O CASO DE MACAU


2008-03-01


AS CORES DA COR


2008-02-02


Notas sobre a produção arquitectónica portuguesa e sua cartografia na Architectural Association


2008-01-03


TARZANS OF THE MEDIA JUNGLE


2007-12-04


MÚSICA INTERIOR


2007-11-04


O CIRURGIÃO INGLÊS


2007-10-02


NÓS E OS CARROS


2007-09-01


Considerações sobre Tempo e Limite na produção e recepção da Arquitectura


2007-08-01


A SUBLIMAÇÃO DA CONTEMPORANEIDADE


2007-07-01


UMA MITOLOGIA DE CARNE E OSSO


2007-06-01


O LUGAR COMO ARMADILHA


2007-05-02


ESPAÇOS DE FILMAR


2007-04-02


ARTES DO ESPAÇO: ARQUITECTURA/CENOGRAFIA


2007-03-01


TERRAIN VAGUE – Notas de Investigação para uma Identidade


2007-02-02


ERRARE HUMANUM EST…


2007-01-02


QUANDO A CIDADE É TELA PARA ARTE CONTEMPORÂNEA


2006-12-02


ARQUITECTURA: ESPAÇO E RITUAL


2006-11-02


IN SUSTENTÁVEL ( I )


2006-10-01


VISÕES DO FUTURO - AS NOVAS CIDADES ASIÁTICAS


2006-09-03


NOTAS SOLTAS SOBRE ARQUITECTURA E TECNOLOGIA


2006-07-30


O BANAL E A ARQUITECTURA


2006-07-01


NOVAS MORFOLOGIAS NO PORTO INDUSTRIAL DE LISBOA


2006-06-02


SOBRE O ESPAÇO DE REPRESENTAÇÃO MODERNO


2006-04-27


MODOS DE “VER” O ESPAÇO - A PROPÓSITO DE MONTAGENS FOTOGRÁFICAS


share |

23 – JOALHARIA CONTEMPORÂNEA NA IBERO-AMÉRICA

CRISTINA FILIPE


 
Vinte e três é o número de cidades que integram a UCCI - União de Cidades Capitais Ibero-americanas. Na exposição “23 – Joalharia Contemporânea na Ibero-América”, o desenho expositivo de Fernando Brizio traz para o salão nobre da SNBA, em sentido metafórico, a ideia geográfica de meridianos, ao longo dos quais a Ibero-América está representada, tanto pela presença de artistas que a representam, como pela sua ausência. A ausência, que, por vezes, se mostra em alguns deste meridianos, deixa-nos em suspenso, constitui um não lugar de acolhimento que aguarda a chegada a qualquer momento de uma desejada presença.

São lugares e não lugares em trânsito, como todos estes trabalhos que transitaram de alguns destes 23 países. Os artistas sugeridos por uma comissão consultiva especializada e diversa foram selecionados segundo um critério de disparidades e afinidades. Procurámos “mesclar” artistas, cujo percurso estivesse enraizado no país natal, com artistas que se transferiram de um lugar para outro, e, muitos deles, já nem sequer vivem no seu lugar de origem. São estes, mas muitos outros também aqui poderiam estar. A escolha não está fechada e dependeu de muitas condicionantes. A própria estrutura expositiva sofreu percalços e alterações, mas tudo no seu conjunto nos traz até aqui, aquilo que hoje e agora a comissão executiva da PIN conseguiu reunir e apresentar como a joalharia contemporânea na Ibero-América.

A proposta expositiva assenta no desafio lançado ao público de indagar quem é quem, lançando assim os dados de um jogo sem rede, tal como as tiras em acetato, que suspendem as joias e as translocam para lugares por descobrir, pertencem de facto a um lugar. Partiram dele e é esse o repto: Qual o lugar de partida deste grupo de pessoas que reunimos em cada lugar suspenso? E, ao apostarmos no lugar, que diálogo conseguiremos estabelecer com ele, de que modo cada jóia nos traz essa identidade e/ou nos retrata esse lugar?

Se calhar não. Se calhar nada nos diz nada, tudo é uma amálgama de sentidos, de sonhos, de impressões, tudo pode ser tudo. A subjetividade inerente a essa aposta intrigou-nos. Perceber que validade tem hoje a identidade de uma jóia sobre a sua cultura e a sua época, estimulou esta paisagem extraordinária construída ao sabor das nossas dúvidas, das nossas tensões, paragens, desistências, desesperos. Seguimos em frente, nesta nave espacial transparente que nos leva a nós e às jóias nela presentes a uma travessia a todo o lado e a lugar nenhum.

Que lugares são estes, será que conhecemos bem a Ibero-América? Será que cada uma destas obras nos vai ajudar a pensar melhor sobre ela? O detalhe. Sim, o segredo está no pormenor. E o corpo, que importância tem o corpo? Talvez seja nesta dialética tripartida, entre a grandeza do espaço expositivo, a respiração da paisagem inerente e a minúcia de cada cultura, que o corpo encontra o seu lugar.

Por último, as bandeiras e o 23 em múltiplos letterings sobrepostos enfatizam diferenças e semelhanças entre cada um dos que o constitui. A identidade de cada país. Quinhentas pessoas serão requeridas para interagir com o espaço e pro- curar encontrar a nação de cada um dos vinte e três espaços demarcados. No final, junto de cada um, vamos ter 500 apostas dispostas numa matriz alinhada; vamos perceber que impressão cada visitante tem de cada lugar que elegeu. Como cada lugar o impressionou. Que diálogo estabeleceu, o que comunicou. Vamos talvez entender se tudo foi um enorme falhanço, ou se de facto se construiu uma possível reflexão sobre a joalharia contemporânea na Ibero-América.

Agradecemos aos artistas que confiaram neste projeto e investiram no envio das suas peças, que trabalharam especificamente para esta mostra, ou não, que partilharam experiências, arriscaram. À comissão consultiva [1]1 que com a sua experiência e generosidade ajudou a tecer esta rede densa e complexa e a estabelecer sinergias e diálogos. Ao Fernando Brizio que nos escutou, entendeu e construiu esta embarcação suspensa que sustenta esta conturbada viagem. Ao Arne Kaiser que paciente e habilmente nos atendeu e elaborou a imagem gráfica desta exposição. À SNBA que, pela segunda vez, confiou num nosso desafio e nos cedeu este magnífico salão. À CML por ter estimulado a PIN e permitido que esta grande travessia se iniciasse, abrindo assim uma “brecha” que permite entremostrar o que a exposição presente nos propõe. Continuamos.

 

 

 

Cristina Filipe
Co-curadora da exposição 23 – Joalharia Contemporânea na Ibero-América, que esteve patente de 27 de Junho a 22 de Julho de 2017 na Sociedade Nacional de Belas Artes.

 

:::

Notas


[1] Lúcia Abdenur, Eva Burton, Titi Berrio, Pamela de la Fuente, Holinka Escudero, Catalina Gibert, Carolina Gimeno, Francisca Kweitel, Klimt02 (Leo Caballero e Amador Bertomeu), Jorge Manilla, Natalia Olarte, Clara del Papa, Renata Porto, Ramón Puig Cuyàs, Andreina Rodriguez-Seijas, Estela Sàez, Alberto Soarez Chang, Andrea Tello, Valeria Vallarta Siemelink, Manuel Vilhena, WALKA.