Links

ARQUITETURA E DESIGN




Les glaneuses (Jean-François Millet). Le but d’une enciclopédie contributive, coopérative, n’est-il pas de glaner un nombre infini d’informations sourcées, vérifiées et accessibles à tous? [imagem e legenda publicadas no dicionário Larousse electrónico, 01/09/2009]

Outros artigos:

2017-09-10


“VINTE E TRÊS”. AUSÊNCIAS E APARIÇÕES NUMA MOSTRA DE JOALHARIA IBEROAMERICANA PELA PIN ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE JOALHARIA CONTEMPORÂNEA


2017-08-01


23 – JOALHARIA CONTEMPORÂNEA NA IBERO-AMÉRICA


2017-06-30


PASSAGENS DE SERRALVES PELO TERMINAL DE CRUZEIROS DO PORTO DE LEIXÕES


2017-05-30


EVERYTHING IN THE GARDEN IS ROSY: AS PERIFERIAS EM IMAGENS


2017-04-18


“ÁRVORE” (2002), UMA OBRA COM A AUTORIA EM SUSPENSO


2017-03-17


ÁLVARO SIZA : VISÕES DA ALHAMBRA


2017-02-14


“NÃO TOCAR”: O NOVO MUSEU DO DESIGN EM LONDRES


2017-01-17


MAXXI ROMA


2016-12-10


NOTAS SOBRE ESPAÇO E MOVIMENTO


2016-11-15


X BIAU EM SÃO PAULO: JOÃO LUÍS CARRILHO DA GRAÇA À CONVERSA COM PAULO MENDES DA ROCHA E EDUARDO SOUTO DE MOURA


2016-10-11


CENAS PARA UM NOVO PATRIMÓNIO


2016-08-31


DREAM OUT LOUD E O DESIGN SOCIAL NO STEDELIJK MUSEUM


2016-06-24


MATÉRIA-PRIMA. UM OLHAR SOBRE O ARQUIVO DE ÁLVARO SIZA


2016-05-28


NA PEGADA DE LE CORBUSIER


2016-04-29


O EFEITO BREUER – PARTE 2


2016-03-24


O EFEITO BREUER - PARTE 1


2016-02-16


GEORGE BEYLERIAN CELEBRA O DESIGN ITALIANO COM LANÇAMENTO DE “DESIGN MEMORABILIA”


2016-01-08


RESOLUÇÕES DE ANO NOVO PARA A ARQUITETURA E DESIGN EM 2016


2015-11-30


BITTE LEBN. POR FAVOR, VIVE.


2015-10-30


A FORMA IDEAL


2015-09-14


DOS FANTASMAS DE SERRALVES AO CLIENTE COMO ARQUITECTO


2015-08-01


“EXTRA ORDINARY” - JOVENS DESIGNERS EXPLORAM MATERIAIS, PRODUTOS E PROCESSOS


2015-06-25


PODE A TIPOGRAFIA AJUDAR-NOS A CRIAR EMPATIA COM OS OUTROS?


2015-05-20


BIJOY JAIN, STUDIO MUMBAI


2015-04-14


O FIM DA ARQUITECTURA


2015-03-12


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE II/II)


2015-02-11


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE I/II)


2015-01-11


ESPECTADOR


2014-12-09


ARQUITECTAS: ENSAIO PARA UM MANUAL REVOLUCIONÁRIO


2014-11-10


A MARCA QUE TEM O MEU NOME


2014-10-04


NEWS FROM VENICE


2014-09-08


A INCONSCIÊNCIA DE ZENO. MÁQUINAS DE SUBJECTIVIDADE NO SUPERSTUDIO*


2014-07-30


ENTREVISTA A JOSÉ ANTÓNIO PINTO


2014-06-17


ÍNDICES, LISTAGENS E DIAGRAMAS: the world is all there is the case


2014-05-15


FILME COMO ARQUITECTURA, ARQUITECTURA COMO AUTOBIOGRAFIA


2014-04-14


O MUNDO NA MÃO


2014-03-13


A CASA DA PORTA DO MAR


2014-02-13


O VERNACULAR CONTEMPORÂNEO


2014-01-07


PÓS-TRIENAL 2013 [RELAÇÕES INSTÁVEIS ENTRE EVENTOS, ARQUITECTURAS E CIDADES]


2013-11-12


UMA SUBTIL INTERFERÊNCIA: A MONTAGEM DA EXPOSIÇÃO “FERNANDO TÁVORA: MODERNIDADE PERMANENTE” EM GUIMARÃES OU UMA EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA NUMA ESCOLA EM PLENO FUNCIONAMENTO


2013-09-24


DESIGN E DELITO


2013-08-12


“NADA MUDAR PARA QUE TUDO SEJA DIFERENTE”: CONVERSA COM BEYOND ENTROPY


2013-08-11


“CHANGING NOTHING SO THAT EVERYTHING IS DIFFERENT”: CONVERSATION WITH BEYOND ENTROPY


2013-07-04


CORTA MATO. Design industrial do ponto de vista do utilizador


2013-05-20


VÍTOR FIGUEIREDO: A MISÉRIA DO SUPÉRFLUO


2013-04-02


O DESIGNER SOCIAL


2013-03-11


DRESS SEXY AT MY FUNERAL: PARA QUE SERVE A BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA?


2013-02-08


O CONSUMIDOR EMANCIPADO


2012-10-29


“REGIONALISM REDIVIVUS”: UM OUTRO OLHAR SOBRE UM TEMA PERSISTENTE


2012-10-08


LEVINA VALENTIM E JOAQUIM PAULO NOGUEIRA


2012-10-07


HOMENAGEM A ROBIN FIOR (1935-2012)


2012-09-08


A PROMESSA DA ARQUITECTURA. CONSIDERAÇÕES SOBRE A GERAÇÃO POR VIR


2012-07-01


ENTREVISTA | ANDRÉ TAVARES


2012-06-10


O DESIGN DA HISTÓRIA DO DESIGN


2012-05-07


O SER URBANO: UMA EXPOSIÇÃO COMO OBRA ABERTA. NO CAMINHO DOS CAMINHOS DE NUNO PORTAS


2012-04-05


UM OBJECTO DE RONAN E ERWAN BOUROULLEC


2012-03-05


DEZ ANOS DE NUDEZ


2012-02-13


ENCONTROS DE DESIGN DE LISBOA ::: DESIGN, CRISE E DEPOIS


2012-01-06


ARCHIZINES – QUAL O TAMANHO DA PEQUENÊS?


2011-12-02


STUDIO ASTOLFI


2011-11-01


TRAMA E EMOÇÃO – TRÊS DISCURSOS


2011-09-07


COMO COMPOR A CONTEMPLAÇÃO? – UMA HISTÓRIA SOBRE O PAVILHÃO TEMPORÁRIO DA SERPENTINE GALLERY E O PROCESSO CRIATIVO DE PETER ZUMTHOR


2011-07-18


EDUARDO SOUTO DE MOURA – PRITZKER 2011. UMA SISTEMATIZAÇÃO A PROPÓSITO DA VISITA DE JUHANI PALLASMAA


2011-06-03


JAHARA STUDIO


2011-05-05


FALEMOS DE 1 MILHÃO DE CASAS. NOTAS SOBRE O CONCURSO E EXPOSIÇÃO “A HOUSE IN LUANDA: PATIO AND PAVILLION”


2011-04-04


A PROPÓSITO DA CONFERÊNCIA “ARQUITECTURA [IN] ]OUT[ POLÍTICA”: UMA LEITURA DISCIPLINAR SOBRE A MEDIAÇÃO E A ESPECIFICIDADE


2011-03-09


HUGO MADUREIRA: O ARTISTA-JOALHEIRO


2011-02-07


O QUE MUDOU, O QUE NÃO MUDOU E O QUE PRECISA MUDAR


2011-01-11


nada


2010-12-02


PEQUENO ELOGIO DO ARCAICO


2010-11-02


CABRACEGA


2010-10-01


12ª BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA — “PEOPLE MEET IN ARCHITECTURE”


2010-08-02


ENTREVISTA | FILIPA GUERREIRO E TIAGO CORREIA


2010-07-09


ATYPYK PRODUCTS ARE NOT MADE IN CHINA


2010-06-03


OS PRÓXIMOS 20 ANOS. NOTAS SOBRE OS “DISCURSOS (RE)VISITADOS”


2010-05-07


OBJECTOS SEM MEDO


2010-04-01


O POTENCIAL TRANSFORMADOR DO EFÉMERO: A PROPÓSITO DO PAVILHÃO SERPENTINE EM LONDRES


2010-03-04


PEDRO + RITA = PEDRITA


2010-02-03


PARA UMA ARQUITECTURA SWISSPORT


2009-12-12


SOU FUJIMOTO


2009-11-10


THE HOME PROJECT


2009-10-01


ESTRATÉGIA PARA HABITAÇÃO EVOLUTIVA – ÍNDIA


2009-09-01


NA MANGA DE LIDIJA KOLOVRAT


2009-07-24


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR (Parte II)


2009-06-16


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR


2009-05-19


O QUE É QUE SE SEGUE?


2009-04-17


À MESA COM SAM BARON


2009-03-24


HISTÓRIAS DE UMA MALA


2009-02-18


NOTAS SOBRE PROJECTOS, ESPAÇOS, VIVÊNCIAS


2009-01-26


OUTONO ESCALDANTE OU LAPSO CRÍTICO? 90 DIAS DE DEBATE DE IDEIAS NA ARQUITECTURA PORTUENSE


2009-01-16


APRENDER COM A PASTELARIA SEMI-INDUSTRIAL PORTUGUESA OU PORQUE É QUE SÓ HÁ UMA RECEITA NO LIVRO FABRICO PRÓPRIO


2008-11-20


ÁLVARO SIZA E O BRASIL


2008-10-21


A FORMA BONITA – PETER ZUMTHOR EM LISBOA


2008-09-18


“DELIRIOUS NEW YORK” EXPLICADO ÀS CRIANÇAS


2008-08-15


A ROOM WITH A VIEW


2008-07-16


DEBATER CRIATIVAMENTE A CIDADE: A EXPERIÊNCIA PORTO REDUX


2008-06-17


FOTOGRAFIA DE ARQUITECTURA, DEFEITO E FEITIO


2008-05-14


A PROPÓSITO DA DEMOLIÇÃO DO ROBIN HOOD GARDENS


2008-04-08


INTERFACES URBANOS: O CASO DE MACAU


2008-03-01


AS CORES DA COR


2008-02-02


Notas sobre a produção arquitectónica portuguesa e sua cartografia na Architectural Association


2008-01-03


TARZANS OF THE MEDIA JUNGLE


2007-12-04


MÚSICA INTERIOR


2007-11-04


O CIRURGIÃO INGLÊS


2007-10-02


NÓS E OS CARROS


2007-09-01


Considerações sobre Tempo e Limite na produção e recepção da Arquitectura


2007-08-01


A SUBLIMAÇÃO DA CONTEMPORANEIDADE


2007-07-01


UMA MITOLOGIA DE CARNE E OSSO


2007-06-01


O LUGAR COMO ARMADILHA


2007-05-02


ESPAÇOS DE FILMAR


2007-04-02


ARTES DO ESPAÇO: ARQUITECTURA/CENOGRAFIA


2007-03-01


TERRAIN VAGUE – Notas de Investigação para uma Identidade


2007-02-02


ERRARE HUMANUM EST…


2007-01-02


QUANDO A CIDADE É TELA PARA ARTE CONTEMPORÂNEA


2006-12-02


ARQUITECTURA: ESPAÇO E RITUAL


2006-11-02


IN SUSTENTÁVEL ( I )


2006-10-01


VISÕES DO FUTURO - AS NOVAS CIDADES ASIÁTICAS


2006-09-03


NOTAS SOLTAS SOBRE ARQUITECTURA E TECNOLOGIA


2006-07-30


O BANAL E A ARQUITECTURA


2006-07-01


NOVAS MORFOLOGIAS NO PORTO INDUSTRIAL DE LISBOA


2006-06-02


SOBRE O ESPAÇO DE REPRESENTAÇÃO MODERNO


2006-04-27


MODOS DE “VER” O ESPAÇO - A PROPÓSITO DE MONTAGENS FOTOGRÁFICAS


share |

SOBRE-QUALIFICAÇÃO E REBUSCO

JOAQUIM MORENO


[texto da comunicação realizada a 10 de Novembro de 2012 na primeira edição da CPAM – Concentração Portuguesa de Arquitectos em Mação – www.cpam2012.blogspot.pt]


O inimigo que me tocou combater era um duplo insulto: a sobre-qualificação. Se falas da questão relativamente aos outros, é sobranceiro e arrogante. Se falas porque devias saber do assunto, tens que reflectir sobre uma forma de incompetência que deu muito trabalho a conquistar, para a qual trabalhaste muito – o que deixa o orador na chamada posição de merda. Trabalhei muito para ser incompetente por excesso, deu-me muito trabalho perder competência. Recapitulando, achei que me convidaram para estar algures entre o arrogante e o idiota. Muito obrigado. Mas depois de escrever esta introdução achei que podia fazer outra coisa com este convite. Podia fazer uma coisa que os papa-livros, os que trabalharam muito para se tornarem incompetentes fazem: achei que podia levar uma ideia a dar um passeio e assim contribuir para um re-imaginar do presente, para pensar a transformação para que ela possa acontecer.

Passei a maior parte da década passada à procura de ligações materiais e substantivas entre o discurso e a cidade, ligações entre as páginas publicadas e o espaço público; procurando momentos em que as ideias se movem através de contextos e substâncias, são partilhadas por um colectivo e se tornam actos políticos. O meu trabalho mais recente procurou relacionar a Arquitecturas Bis – entendida como uma “revistinha” com uma precisa estratégia cultural: ser a revista lida pelos que escrevem as outras – com a renovação dispersa, catalítica, pontual e essencialmente bidimensional do espaço público de Barcelona no início dos anos 80 do século passado. E se aceitarmos que a estratégia da revistinha foi instrumental para os consensos políticos e sociais que tornaram o novo espaço público possível, se aceitarmos a sua eficácia, esta feliz interferência entre o espaço publicado e o espaço público, podemos hipotisar uma inversão da ordem dos eventos, hipotisar que uma nova perspectiva sobre os efeitos poderá transformar as causas e os agentes, forçando um feedback capaz de fazer repensar o papel da narrativa histórica na transformação da cidade. Na continuidade deste trabalho, deste acreditar na capacidade transformadora das ideias, aquilo a que me proponho aqui é derivar com uma ideia.

À procura do companheiro ideal para este passeio com uma ideia fui dar uma volta àqueles velhos recreios das ideias chamados enciclopédias e testei a ideia respigando dicionários e enciclopédias em vários idiomas. Gleaning é a palavra inglesa para a ideia que procurava. Em castelhano é rebuscar ou respigar, em francês é glaner ou grapiller, em italiano é respigolare ou respollare, e em português é respigar, rabiscar ou rebuscar. Grosso modo, respigar é colher depois da colheita, é recolher os restos, é juntar pacientemente o que foi considerado sem valor, fora do padrão ou incorrecto. No contexto actual, em que o sentido cíclico da crise se desvanece e acordamos para a consciência que as coisas não voltarão a ser como dantes, que não vamos gozar as benesses das gerações imediatamente anteriores, que nos vamos reformar mais tarde e vamos trabalhar mais tempo, e paradoxalmente menos e com menos segurança e estabilidade, talvez pensar no direito aos restos, pensar naqueles que calcorreiam os campos depois da colheita, possa ser uma maneira de nos questionarmos e de reorganizarmos as nossas estratégias de sobrevivência. Ou seja, pensarmo-nos depois da colheita, na urgência de reinventar e re-significar a terra aparentemente desolada.

Vamos lá então…

A primeira paragem é a enciclopédia francesa, tanto porque presumo não ser o único fascinado com o filme de Agnès Varda: Os respigadores e a respigadora (2000), como porque esta é a enciclopédia original e eu precisava de uma casa de partida.

Glaner, sinónimo de grapiller, é a actividade das pessoas que visitam os campos depois da colheita, que percorrem a vinha depois da vindima. A ideia está associada a práticas agrícolas e a alimentos muito simbólicos: cereal e vinho. A versão inglesa, tomada do Oxford English Dictionary, expande o conceito para colheitas do novo mundo, como o milho. O dicionário simples do meu computador inclui uma citação que caracteriza a razão social do rebusco: as condições de vida dos trabalhadores agrícolas (cerca de 1890) tornaram o rebusco essencial. A descrição em inglês aponta ainda para a quantidade, para a recolha de pequenas quantidades, para juntar ou recolher com parcimónia. E desloca ainda a ideia para uma dimensão mais contemporânea que é provavelmente mais próxima dos nossos interesses: o respigar de informação, o juntar recortes de imprensa, o amalgamar, o consolidar de informação a que nos habituámos. Rebuscar pode então ser entendido como outra forma de recolher informação: pedaço a pedaço, juntando fragmentos estranhos, restos, informação que saiu do mapa, que já não pertence ao discurso mais normativo e dominante.

O dicionário Larousse electrónico propõe uma ilustração fantástica deste trânsito entre agricultura e informação: a imagem mais conhecida do respigar, a pintura de Millet, é legendada com uma definição que propõe rebuscar como a estratégia operativa da Wikipedia: “Não será o objectivo de uma enciclopédia feita de contribuições, feita cooperativamente, o respigar infinito de informação cuidadosamente referenciada, verificada e acessível a todos?” Rebuscar pode assim ser também interpretado como a produção colectiva de novas ideias.

No entanto, a Wikipedia em si propõe o rebusco como uma forma arcaica de estado assistencial, o tal estado que não vamos ter. A voz da Wikipedia cita o Velho Testamento para indagar as origens morais do rebusco, como um preceito da colheita que deixava algo no campo para alimentar os pobres, os estrangeiros, as viúvas e os órfãos. As oliveiras deviam ser poupadas a sucessivos varejamentos de modo a deixar alguma coisa para os rebuscadores. Esta é a parte mais complicada da ideia, mais estranha, a que implica uma forma de exílio para beneficiar de algo que é quase definido com um direito; a que implica que os restos são para os marginalizados. Só aqueles que não participam inteiramente da cidadania podem rebuscar aquilo a que a sociedade não consegue atribuir valor. Paradoxalmente, esta zona cinzenta e turva da cidadania é um dos territórios emergentes de uma nova geração. Pensar nos despojos urbanos como um direito dos prisioneiros do espaço público, dos que não têm privacidade, ou espaço privado, dos que são sem abrigo, pode ajudar a compreender os mapas contemporâneos da exclusão urbana, as relações tensas entre a casa e o que a rodeia, o habitat a que chamamos cidade. Por mais paradoxal que possa parecer, é importante reconhecer que para uma geração recente a materialização da arquitectura é de facto um resíduo complexo da participação cívica, alguma dela aprendida com rebuscadores, apanhadores de lixo ou ocupas.

As definições em português e castelhano acrescentam um sentido de repetição, de cuidado especial, e também de produtos defeituosos ou danificados: é rebusco. Rebuscar também é procurar, investigar, re-search, com excessivo cuidado. Rebuscado, ou em francês: recherché, pode significar pretensioso ou excessivo, pensamentos que “ao mesmo tempo que não são naturais, revelam a intenção de parecerem originais, de serem mais graciosos, profundos e engenhosos que o comum.” Exactamente o que este texto está a tentar fazer, imagino.

Correndo o risco de ser outra vez pretensioso, eu propunha até esta definição como uma via de fuga viável à ordem “natural” e à eficácia, ao fantasma da sobre-qualificação com que me assustaram. E há com certeza coisas piores que demasiada atenção e cuidado.

Finalmente, o sentido português de respigar, de recolher as espigas deixadas no campo depois da ceifa, pode ainda significar, em sentido figurado, a compilação das “melhores” partes de textos literários, isto é: escolher pérolas de informação e estilo e juntá-las num reportório, o que é paradoxalmente uma marca do nosso tempo de informação descontextualizada e simplificada.

O que tentei propor aqui foi um ponto de vista marginal e instável, pequenino e complicado, mas um que espero contribua para lidar com os afloramentos e as urgências do território em que a jovem arquitectura emerge. Depois deste passeio ainda estou curioso acerca deste movimento lento e sincopado que re-significa as coisas humildes que recolhe através do campo depois da colheita. A abundância não se colhe, inventa-se, rebusca-se…


::::

[o autor escreve de acordo com a antiga ortografia]

::::

Joaquim Moreno
(Luanda 1973) Arquitecto pela FAUP, Master pela Escuela Técnica Superior de Arquitectura de Barcelona - UPC e Doutor pela School of Architecture da Princeton University. Foi director, com Pedro Bandeira e Paula Pinto, da revista In Si(s)tu, curador com Alberto Carneiro da exposição Desenho Projecto de Desenho, sobre desenho e arquitectura no séc. XX Português e com José Gil comissariou a representação portuguesa na Bienal de Arquitectura de Veneza em 2008. Actualmente, desenvolve actividade docente no Departamento de Arquitectura da Universidade Autónoma.