Links

ENTREVISTA


Nicolas Galley

Outras entrevistas:

VIRGINIA TORRENTE, JACOBO CASTELLANO E NOÉ SENDAS



PENELOPE CURTIS



EUGÉNIA MUSSA E CRISTIANA TEJO



RUI CHAFES



PAULO RIBEIRO



KERRY JAMES MARSHALL



CÍNTIA GIL



NOÉ SENDAS



FELIX MULA



ALEX KATZ



PEDRO TUDELA



SANDRO RESENDE



ANA JOTTA



ROSELEE GOLDBERG



MARTA MESTRE



NICOLAS BOURRIAUD



SOLANGE FARKAS



JOÃO FERREIRA



POGO TEATRO



JOSÉ BARRIAS



JORGE MOLDER



RUI POÇAS



JACK HALBERSTAM



JORGE GASPAR e ANA MARIN



GIULIANA BRUNO



IRINA POPOVA



CAMILLE MORINEAU



MIGUEL WANDSCHNEIDER



ÂNGELA M. FERREIRA



BRIAN GRIFFIN



DELFIM SARDO



ÂNGELA FERREIRA



PEDRO CABRAL SANTO



CARLA OLIVEIRA



NUNO FARIA



EUGENIO LOPEZ



JOÃO PEDRO RODRIGUES E JOÃO RUI GUERRA DA MATA



ISABEL CARLOS



TEIXEIRA COELHO



PEDRO COSTA



AUGUSTO CANEDO - BIENAL DE CERVEIRA



LUCAS CIMINO, GALERISTA



NEVILLE D’ALMEIDA



MICHAEL PETRY - Diretor do MOCA London



PAULO HERKENHOFF



CHUS MARTÍNEZ



MASSIMILIANO GIONI



MÁRIO TEIXEIRA DA SILVA ::: MÓDULO - CENTRO DIFUSOR DE ARTE



ANTON VIDOKLE



TOBI MAIER



ELIZABETH DE PORTZAMPARC



DOCLISBOA’ 12



PEDRO LAPA



CUAUHTÉMOC MEDINA



ANNA RAMOS (RÀDIO WEB MACBA)



CATARINA MARTINS



GABRIELA VAZ-PINHEIRO



BARTOMEU MARÍ



MARTINE ROBIN - Château de Servières



BABETTE MANGOLTE
Entrevista de Luciana Fina



RUI PRATA - Encontros da Imagem



BETTINA FUNCKE, editora de 100 NOTES – 100 THOUGHTS / dOCUMENTA (13)



JOSÉ ROCA - 8ª Bienal do Mercosul



LUÍS SILVA - Kunsthalle Lissabon



GERARDO MOSQUERA - PHotoEspaña



GIULIETTA SPERANZA



RUTH ADDISON



BÁRBARA COUTINHO



CARLOS URROZ



SUSANA GOMES DA SILVA



CAROLYN CHRISTOV-BAKARGIEV



HELENA BARRANHA



MARTA GILI



MOACIR DOS ANJOS



HELENA DE FREITAS



JOSÉ MAIA



CHRISTINE BUCI-GLUCKSMANN



ALOÑA INTXAURRANDIETA



TIAGO HESPANHA



TINY DOMINGOS



DAVID SANTOS



EDUARDO GARCÍA NIETO



VALERIE KABOV



ANTÓNIO PINTO RIBEIRO



PAULO REIS



GERARDO MOSQUERA



EUGENE TAN



PAULO CUNHA E SILVA



NICOLAS BOURRIAUD



JOSÉ ANTÓNIO FERNANDES DIAS



PEDRO GADANHO



GABRIEL ABRANTES



HU FANG



IVO MESQUITA



ANTHONY HUBERMAN



MAGDA DANYSZ



SÉRGIO MAH



ANDREW HOWARD



ALEXANDRE POMAR



CATHERINE MILLET



JOÃO PINHARANDA



LISETTE LAGNADO



NATASA PETRESIN



PABLO LEÓN DE LA BARRA



ESRA SARIGEDIK



FERNANDO ALVIM



ANNETTE MESSAGER



RAQUEL HENRIQUES DA SILVA



JEAN-FRANÇOIS CHOUGNET



MARC-OLIVIER WAHLER



JORGE DIAS



GEORG SCHÖLLHAMMER



JOÃO RIBAS



LUÍS SERPA



JOSÉ AMARAL LOPES



LUÍS SÁRAGGA LEAL



ANTOINE DE GALBERT



JORGE MOLDER



MANUEL J. BORJA-VILLEL



MIGUEL VON HAFE PÉREZ



JOÃO RENDEIRO



MARGARIDA VEIGA



share |

NICOLAS GALLEY


Este mês publicamos uma entrevista a Nicolas Galley, historiador de arte, suíço, de 35 anos, que dirige o Mestrado de Estudos Avançados em Art Market Studies (Estudos dos Mercados de Arte) na Universidade de Zurique. Conduzida por Rodrigo Carrizo Couto, a entrevista foi publicada originalmente no suplemento Babelia, do El País, de 11 de fevereiro de 2012.

>>>>>>>>>


Nicolas Galley dirige um dos poucos mestrados internacionais em mercado de arte. Este professor suíço considera que as galerias devem assumir riscos e mudar a mentalidade dos seus colecionadores. Para ele, a ARCO foi uma oportunidade perdida.

O professor Nicolas Galley identificou um problema no exigente mercado da arte internacional: as formações tradicionais não preparam profissionais competitivos num negócio que exige cada vez mais conhecimentos. Para preencher este vazio, Galley criou o Mestrado de Estudos Avançados em Art Market Studies (Estudos dos Mercados de Arte) na Universidade de Zurique. “Nos Estados Unidos, mais de 60% dos profissionais do mercado de arte não têm formação específica”, afirma este historiador de arte, suíço, de 35 anos. Nesta conversa, Galley analisa algumas das chaves do mercado de arte atual e observa as realidades de Espanha, China ou América Latina.



P: A crise atual afeta todas as esferas da vida, mas parece não tocar no mercado de arte. Como se explica isto?

R: O assombro desta crise generalizada é que há sectores que não se vêm afetados. São a arte e o luxo. A crise toca as classes médias e trabalhadoras, mas as pessoas com fortunas parecem imunes aos problemas.

P: Porquê?

R: Porque a arte é uma alternativa estabilizadora perante um mercado financeiro imprevisível. Dado que as grandes fortunas não se vêm afetadas pela crise atual, muitos grandes investidores diversificam a sua carteira no mercado de arte. Mas as vendas, apesar de tudo, não são tão boas como em 2006. Obviamente, isto não se aplica às obras de primeira qualidade, mas este tipo de peças é muito raro no mercado. Os seus proprietários são reticentes ao vender os seus tesouros.

P: O público interessa-se pelos números das vendas milionárias.

R: Certo, mas é importante entender que a maioria das obras que se vendem varia entre os 5.000 e os 10.000 euros. As operações de venda por 10 ou 20 milhões não se vêem todos os dias, mas chamam a atenção mediática.

P: Qual é o retrato robot do colecionador do nosso tempo?

R: Esclareçamos que há colecionadores, e gente que compra arte. Não são o mesmo. O colecionador não é um especulador, vê a sua iniciativa como um investimento a longo prazo. O colecionador tem uma ideia precisa do que faz e procura um sentido no seu colecionismo. É alguém muito consciente das suas eleições. As suas motivações passam pelo prestígio social, a satisfação intelectual, a vontade de posse ou de criar. Costumam ser pessoas entre os 40 e os 70 anos.

P: E que retrato faz do visitante da ARCO Madrid?

R: A ARCO foi muito importante, e em termos de visitantes continua sendo. O seu potencial foi grande, mas perdeu quase toda a sua influência e o apoio das grandes galerias. A ARCO Madrid perdeu a sua oportunidade histórica de se posicionar como a referência para a América Latina. Esse lugar já o ocupou Art Basel Miami Beach e duvido que o vá deixar a médio prazo.

P: E o colecionador espanhol?

R: Lamentavelmente em Espanha não há uma grande tradição de colecionadores. Quase todo o mercado vive da esfera institucional, e com o Estado espanhol atualmente quase em quebra, pergunto-me quem irá comprar.

P: O que podemos fazer para fortalecer o mercado espanhol? Continuamos a apostar neste mercado dependente do Estado ou vamos em direção a um modelo misto?

R: A Suíça é um bom modelo, pois soubemos desenvolver uma excelente network entre instituições que formam jovens capazes de competir no mercado globalizado, galerias, feiras e mercado. Há que apostar em galerias que assumam riscos. Mas apenas injetar dinheiro não é a resposta. Há que lutar para mudar as mentalidades através de ideias inovadoras. Também se devem dar incentivos fiscais sérios a quem aposte pela compra de arte emergente espanhola.

P: Como vê a arte latino-americana de hoje?

R: A América Latina está rapidamente a tomar as posições que a Espanha perde. Em particular, o Brasil sabe apostar com muita força e com muita coerência na nova criação nacional. Assim como na Suíça, as relações entre instituições, galerias e artistas funcionam muito bem.

P: A pintura continua a dominar o mercado? E os restantes formatos?

R: A pintura volta com muita força após um relativo desaparecimento nos anos noventa. A fotografia perde interesse após o boom da Escola de Düsseldorf. O vídeo continua a ser muito difícil de digerir pelo mercado. É aceite, mas não existe um colecionismo real. No ano 2000 toda a gente se pôs a fazer vídeo, mas hoje os artistas voltam aos suportes tradicionais. Igualmente os criadores distanciam-se cada vez mais da arte conceptual, ainda que o mercado o tenha integrado depois de uma longa travessia no deserto. Com efeito, o mercado de arte não rejeita nada. Tudo pode ser integrado de uma ou de outra forma. O mercado demonstrou ser capaz de suster todas as vanguardas do século XX.

É sustentável a atual proliferação de feiras? É válido que cada cidade de 50.000 habitantes queira dispor de uma bienal ou um museu?

P: Não. É absolutamente insustentável. Não há lugar para mais feiras de arte. Mas o que realmente conta é a qualidade das feiras satélites que crescem à sombra dos grandes eventos. Um bom exemplo é Art Basel e Liste. Alimentaram-se mutuamente: a fama de uma reverte para a outra.

P: Sempre a referência a Art Basel.

R: É que a Art Basel faz com que cada galeria faça o máximo de esforço e traga o melhor do melhor. Outras feiras baseiam-se na novidade ou numa arte determinada, mas a Basileia só vem a nata da arte mundial. Apesar de que há feiras menores, com Artissima, em Turim, que me parecem valiosas. É uma feira de altíssima qualidade, onde todas as galerias são jovens e assumem riscos.

P: Falando consigo, parece que no mercado de arte só há lugar para gigantes.

R: Não. Mas aqui falamos do grande mercado de arte internacional. Mas, obviamente, existe espaço para galerias e artistas de pequena escala, que se movem entre os 5.000 e os 10.000 euros. O que ocorre é que estes artistas dificilmente farão parte de coleções de primeiro nível, nem serão validados pelos grandes museus.

P: Porquê?

R: Porque um artista é considerado um peso pesado se a sua obra chega a superar os 100.000 e não tem ainda 35 anos. Mas o interessante é que no mercado de arte não há saldos. Se um artista chega a um certo nível de preços, não marcha atrás. Em vez de baixar o seu preço, os galeristas preferem fazê-lo desaparecer do mercado. Não o expõem durante vários meses e o artista em questão, simplesmente evapora-se. Além disso, um desconto seria um mau gesto perante um colecionador que tenha pago por uma peça 20. Como lhe explicar que outro pague 10 pelo mesmo artista?

P: Que lugar há para artistas jovens e emergentes? O mercado continua a apostar no último jovem exótico saído da Saint Martin’s de Londres?

P: Há sempre lugar para novos artistas. Ainda que a juventude não é em absoluto garantia de inovação, mas o mercado adora a novidade pela novidade em si. Mas o certo é que há uma sobreabundância de gente que tenta penetrar no mercado de arte. Agora qualquer um improvisa como curador ou galerista e vai pelo mundo com uma pasta dos seus artistas debaixo do braço.

P: E os artistas não se fabricam? Quem os cria? O tempo?

R: Os fazedores de artistas são um grupo seleto de curadores, galerias e museus. Eles decidem o que é e o que não é arte. Em todo o mundo há umas 200 galerias que fabricam artistas. E entre essas 200 galerias há 30 que o decidem no mercado de arte globalizado. Mais de 30% dos artistas representados na Art Unlimited (na feira Art Basel) vêm das mesmas oito galerias, o que dá uma ideia do seu poder.

P: Frequentemente oiço que o comércio de arte é o único negócio seguro, que permite retirar benefícios de 200%. É fantasia?

R: Nem todos ganham! Há muitos perdedores neste grande jogo. E não nos esqueçamos que muitos artistas desaparecem após uma década. A imensa maioria de artistas que se expõem hoje, não passará a prova do tempo.