Links

ENTREVISTA


Felix Mula recebe o prémio NOVO BANCO Photo 2016. Cortesia Museu Colecção Berardo.


Félix Mula, Idas e Voltas, 2016. Cortesia Museu Coleção Berardo. Vistas de exposição: David Rato


Félix Mula, Idas e Voltas, 2016. Cortesia Museu Coleção Berardo. Vistas de exposição: David Rato


Félix Mula, Idas e Voltas, 2016. Cortesia do artista e Museu Coleção Berardo.


Félix Mula, Idas e Voltas, 2016. Cortesia do artista e Museu Coleção Berardo.


Félix Mula, Idas e Voltas, 2016. Cortesia do artista e Museu Coleção Berardo.


Félix Mula, Idas e Voltas, 2016. Cortesia do artista e Museu Coleção Berardo.


Félix Mula, Idas e Voltas, 2016. Cortesia do artista e Museu Coleção Berardo.

Outras entrevistas:

PENELOPE CURTIS



EUGÉNIA MUSSA E CRISTIANA TEJO



RUI CHAFES



PAULO RIBEIRO



KERRY JAMES MARSHALL



CÍNTIA GIL



NOÉ SENDAS



ALEX KATZ



PEDRO TUDELA



SANDRO RESENDE



ANA JOTTA



ROSELEE GOLDBERG



MARTA MESTRE



NICOLAS BOURRIAUD



SOLANGE FARKAS



JOÃO FERREIRA



POGO TEATRO



JOSÉ BARRIAS



JORGE MOLDER



RUI POÇAS



JACK HALBERSTAM



JORGE GASPAR e ANA MARIN



GIULIANA BRUNO



IRINA POPOVA



CAMILLE MORINEAU



MIGUEL WANDSCHNEIDER



ÂNGELA M. FERREIRA



BRIAN GRIFFIN



DELFIM SARDO



ÂNGELA FERREIRA



PEDRO CABRAL SANTO



CARLA OLIVEIRA



NUNO FARIA



EUGENIO LOPEZ



JOÃO PEDRO RODRIGUES E JOÃO RUI GUERRA DA MATA



ISABEL CARLOS



TEIXEIRA COELHO



PEDRO COSTA



AUGUSTO CANEDO - BIENAL DE CERVEIRA



LUCAS CIMINO, GALERISTA



NEVILLE D’ALMEIDA



MICHAEL PETRY - Diretor do MOCA London



PAULO HERKENHOFF



CHUS MARTÍNEZ



MASSIMILIANO GIONI



MÁRIO TEIXEIRA DA SILVA ::: MÓDULO - CENTRO DIFUSOR DE ARTE



ANTON VIDOKLE



TOBI MAIER



ELIZABETH DE PORTZAMPARC



DOCLISBOA’ 12



PEDRO LAPA



CUAUHTÉMOC MEDINA



ANNA RAMOS (RÀDIO WEB MACBA)



CATARINA MARTINS



NICOLAS GALLEY



GABRIELA VAZ-PINHEIRO



BARTOMEU MARÍ



MARTINE ROBIN - Château de Servières



BABETTE MANGOLTE
Entrevista de Luciana Fina



RUI PRATA - Encontros da Imagem



BETTINA FUNCKE, editora de 100 NOTES – 100 THOUGHTS / dOCUMENTA (13)



JOSÉ ROCA - 8ª Bienal do Mercosul



LUÍS SILVA - Kunsthalle Lissabon



GERARDO MOSQUERA - PHotoEspaña



GIULIETTA SPERANZA



RUTH ADDISON



BÁRBARA COUTINHO



CARLOS URROZ



SUSANA GOMES DA SILVA



CAROLYN CHRISTOV-BAKARGIEV



HELENA BARRANHA



MARTA GILI



MOACIR DOS ANJOS



HELENA DE FREITAS



JOSÉ MAIA



CHRISTINE BUCI-GLUCKSMANN



ALOÑA INTXAURRANDIETA



TIAGO HESPANHA



TINY DOMINGOS



DAVID SANTOS



EDUARDO GARCÍA NIETO



VALERIE KABOV



ANTÓNIO PINTO RIBEIRO



PAULO REIS



GERARDO MOSQUERA



EUGENE TAN



PAULO CUNHA E SILVA



NICOLAS BOURRIAUD



JOSÉ ANTÓNIO FERNANDES DIAS



PEDRO GADANHO



GABRIEL ABRANTES



HU FANG



IVO MESQUITA



ANTHONY HUBERMAN



MAGDA DANYSZ



SÉRGIO MAH



ANDREW HOWARD



ALEXANDRE POMAR



CATHERINE MILLET



JOÃO PINHARANDA



LISETTE LAGNADO



NATASA PETRESIN



PABLO LEÓN DE LA BARRA



ESRA SARIGEDIK



FERNANDO ALVIM



ANNETTE MESSAGER



RAQUEL HENRIQUES DA SILVA



JEAN-FRANÇOIS CHOUGNET



MARC-OLIVIER WAHLER



JORGE DIAS



GEORG SCHÖLLHAMMER



JOÃO RIBAS



LUÍS SERPA



JOSÉ AMARAL LOPES



LUÍS SÁRAGGA LEAL



ANTOINE DE GALBERT



JORGE MOLDER



MANUEL J. BORJA-VILLEL



MIGUEL VON HAFE PÉREZ



JOÃO RENDEIRO



MARGARIDA VEIGA



share |

FELIX MULA



Felix Mula venceu o último prémio NOVO BANCO Photo, com o projecto “Idas e Voltas”, um trabalho onde as memórias individuais, o património colonial, o choque entre o rural e o urbano convivem. Filho de um fotógrafo de estúdio de Maputo, diz que escolheu o próprio caminho, num meio artístico onde o fotojornalismo era a grande influência na área da fotografia. Felix Mula conversa com a Artecapital sobre o seu percurso de vida, as suas referências e a sua situação actual como docente em Moçambique.


Por Victor Pinto da Fonseca e Liz Vahia


>>>

 

VPF: Foi muito bom teres ganho este prémio do Novo Banco Photo 2016. Gostava que falasses um bocado do teu percurso.

 

FM: Depois deste prémio o pessoal de casa começou a mandar-me emails. Souberam pela internet. O meu tio já me ligou e disse “Há uma coisa que tu não disseste e que eu não gostei”, e eu respondi “O que é que eu não disse?”, e ele “Não disseste que desde miúdo tu já eras um artista. Tu sabes isso e eu também sei.” Acho que o meu percurso no mundo das artes começa nesse momento que o meu tio me recordou. Eu sabia, mas nunca tinha feito uma ligação consciente. Quando era criança eu andava a apanhar objectos tudo o que eu achava interessante: um relógio estragado, chaves... tudo o que via no chão eu apanhava e metia tudo numa pasta. Mas depois ficava irritado, porque era muita coisa e tinha que deitar fora algumas. Então deitava tudo para o chão e escolhia o que me interessava. Mas o que acontecia é que muitas vezes metia tudo de novo.

VPF: Já nessa altura tinhas um espírito crítico, selecionavas o que te interessava.

FM: Eu cresci com pessoas mais velhas. Com 14 anos já saía de casa e não dizia nada a ninguém. E gostava de desenhar, sempre gostei de desenhar e sonhava ter aulas de desenho na escola e nunca tive. Estive depois 5 anos sem estudar e nesse intervalo fui para a África do Sul trabalhar. Quando voltei à escola em 1999 aí sim, tive desenho.

VPF: Isso passa-se em Maputo?

FM: Em Maputo. Nessa altura eu tinha relações com um amigo da escola de artes visuais, com quem me dava muito bem. E perguntava-lhe “Como é que tu desenhas tão bem?” e ele dizia que tinha desenho na escola. “Mas há desenho nas escolas aqui?”, perguntava eu, e ele dizia “Sim, na escola de artes”. Fui lá perguntar “Como é que faço para entrar aqui?”, mas disseram-me que tinha que ter a décima classe feita e eu só tinha a sétima. Fui acabar as classes, mas depois disseram-me que já tinha demasiada idade para aquele curso. Entretanto a escola introduziu um novo curso que era Artes Visuais, que não tinha nada a ver com idades, só com as classes e eu como já tinha a décima fui para lá.

A minha relação com a imagem começa com a fotografia. O meu pai era fotógrafo de estúdio e eu sempre tinha a fotografia na minha cabeça. Mas não era uma fotografia do campo das artes, porque ele fazia fotografia de estúdio, fotografia de memória, retratos, fotos de amigos... Depois fora do estúdio fazia casamentos, festas, e precisava de alguém para o ajudar. Eu fui essa pessoa. Por isso agora tenho problemas sérios em fotografar pessoas, fiquei como que traumatizado! Porque fotografei muitas pessoas! O que eu gosto é o que me leva às pessoas, às histórias.

VPF: Em alguma altura desse processo ou depois tomaste consciência de que há de facto uma tradição em Moçambique de fotografia?

FM: Isso descobri mais tarde. Eu agora costumo dizer que em Moçambique houve de tudo. Moçambique em si é uma escola de fotografia, há muitos autodidactas. Eu próprio parti de uma coisa ensinada mas depois escolhi o meu próprio caminho. Porque a fotografia em Moçambique está muito ligada às pessoas, mas a minha fotografia não... A fotografia em Moçambique actualmente está num ponto aceitável, mas do que se fala mais é do fotojornalismo. Eu recordo-me de uma altura em que quase todos os fotógrafos trabalhavam para o World Press Photo.

VPF: Aquele trabalho que me mostraste que é uma caminhada, isso pareceu-me muito conceptual e artístico, mas na altura em que o fizeste a tua intenção até era outra. Mas tinhas já esse interesse e essa vontade, não era?

FM: Eu fiz essa caminhada por várias razões.

LV: Falas na entrevista do catálogo do NOVO BANCO Photo que o teu avô tinha caminhado 800km...

FM: Eu quando fiz essa caminhada não me recordava da história do meu avô. Quando saí de Maputo para a África do Sul eu também caminhei muito e refiz o que eles faziam: caminhavam e encontravam um sítio para trabalhar e continuavam depois e trabalhavam... Agora, quando eu saio de Maputo em direcção à terra em que o meu avô nasceu e foi sepultado, aquela caminhada já era uma coisa muito mais radical, bruta, porque não tinha paragens, eu só parava à noite. Aquilo cansou-me muito. Quando fiz 98km estava partido e não conseguia mais levantar-me. Dizia que queria voltar de ambulância!
O facto de ser o único artista na família converte-me na pessoa mais maluca da casa. Às vezes sou o bom exemplo, outras vezes sou o mau exemplo.

Todos os meus projectos são formas de eu viver e questionar as coisas. No projecto da caminhada eu coleccionava objectos com a máquina fotográfica. Tudo o que me interessava durante o trajecto eu fotografava.

VPF: O que me interessou quando contaste o projecto foi o facto de ainda não teres visionado uma exposição.

FM: Não, só queria viver o momento, ter aquela experiência toda e depois guardar essa história. Não tinha um interesse expositivo, mas quando os amigos viram as fotos disseram que eram muito boas. Essas fotos, no entanto, não podem substituir o que eu vivi. Digamos que a parte expositiva do projecto é muito individualizada, porque de cada vez que mostro as fotografias a alguém é uma exposição. São exposições sem a parte comercial.

VPF: Antes de ser um projecto de arte é de vida.

FM: Exacto. É uma história que eu conto. É um tipo de estar no campo das artes.
Tenho tido períodos em que faço trabalhos que não têm muito a ver comigo, mas a forma que lhes dou dá para perceber que são as minhas questões. O meu redor tem tanta coisa interessante! Se eu tenho uma história interessante que posso trabalhar, porque é que hei-de largá-la e procurar a história dos outros?

LV: Interessam-te essas histórias individuais que estão ligadas a acontecimentos históricos, como a que tens na exposição?

FM: Acho que sim. A mim não me interessa falar da História. O global é feito de partículas e eu gosto de perceber a partícula que forma o global. Eu adoro histórias individualizadas. Agora estou nesta fase! Alguém dizia “todo o mundo não é ninguém, mas alguém pode ser todo o mundo”. Interessa-me mesmo as famílias que me contam a sua história, e que pode ser o espelho da história de todas as famílias.

LV: A história oral também está presente junto a estas fotografias que expuseste.

FM: Eu não sabia qual era a memória que essas pessoas guardavam desses espaços. Não sabia mesmo. Para isso procurei pessoas específicas e outras viajaram comigo.
Sou um bocadinho nostálgico e não vejo nenhum mal nisso. Mas ainda temos uma relação difícil com os espaços que outros projectaram. Vês uma cantina abandonada em ruína e ao lado as pessoas com as suas banquinhas. Não ocuparam esses espaços.
Fala-se muito da questão do património e do respeito pelo mesmo, mas eu pergunto “património de quem e para quem?”. Quem projectou esses edifícios consegue ver a sua importância, mas quem não sabe de onde surgem aquilo não é património, não é nada. Em Moçambique as pessoas têm muito mais respeito pelo património imaterial.

VPF: Tens relações de amizade com outros artistas de Moçambique?

FM: Comecei com uma relação muito difícil com os artistas de Moçambique. Eu não era bem vindo, eles não gostavam de mim e eu não gostava deles. A arte em Moçambique estava muito ligada ao autodidactismo. A maior parte não tinham estado numa escola e quando me formei eles tinham um problema comigo. Para mim são escolhas, entre estudar ou não. Pouco a pouco começaram a aproximar-se.