Links

ENTREVISTA


Matías Rossi, Anna Ramos e Mark Gergis durante a gravação da série de Ràdio Web MACBA “Memorabilia. Colecionando sons com…”. Foto: Gemma Planell.

Outras entrevistas:

IRINA POPOVA



CAMILLE MORINEAU



MIGUEL WANDSCHNEIDER



ÂNGELA M. FERREIRA



BRIAN GRIFFIN



DELFIM SARDO



ÂNGELA FERREIRA



PEDRO CABRAL SANTO



CARLA OLIVEIRA



NUNO FARIA



EUGENIO LOPEZ



JOÃO PEDRO RODRIGUES E JOÃO RUI GUERRA DA MATA



ISABEL CARLOS



TEIXEIRA COELHO



PEDRO COSTA



AUGUSTO CANEDO - BIENAL DE CERVEIRA



LUCAS CIMINO, GALERISTA



NEVILLE D’ALMEIDA



MICHAEL PETRY - Diretor do MOCA London



PAULO HERKENHOFF



CHUS MARTÍNEZ



MASSIMILIANO GIONI



MÁRIO TEIXEIRA DA SILVA ::: MÓDULO - CENTRO DIFUSOR DE ARTE



ANTON VIDOKLE



TOBI MAIER



ELIZABETH DE PORTZAMPARC



DOCLISBOA’ 12



PEDRO LAPA



CUAUHTÉMOC MEDINA



CATARINA MARTINS



NICOLAS GALLEY



GABRIELA VAZ-PINHEIRO



BARTOMEU MARÍ



MARTINE ROBIN - Château de Servières



BABETTE MANGOLTE
Entrevista de Luciana Fina



RUI PRATA - Encontros da Imagem



BETTINA FUNCKE, editora de 100 NOTES – 100 THOUGHTS / dOCUMENTA (13)



JOSÉ ROCA - 8ª Bienal do Mercosul



LUÍS SILVA - Kunsthalle Lissabon



GERARDO MOSQUERA - PHotoEspaña



GIULIETTA SPERANZA



RUTH ADDISON



BÁRBARA COUTINHO



CARLOS URROZ



SUSANA GOMES DA SILVA



CAROLYN CHRISTOV-BAKARGIEV



HELENA BARRANHA



MARTA GILI



MOACIR DOS ANJOS



HELENA DE FREITAS



JOSÉ MAIA



CHRISTINE BUCI-GLUCKSMANN



ALOÑA INTXAURRANDIETA



TIAGO HESPANHA



TINY DOMINGOS



DAVID SANTOS



EDUARDO GARCÍA NIETO



VALERIE KABOV



ANTÓNIO PINTO RIBEIRO



PAULO REIS



GERARDO MOSQUERA



EUGENE TAN



PAULO CUNHA E SILVA



NICOLAS BOURRIAUD



JOSÉ ANTÓNIO FERNANDES DIAS



PEDRO GADANHO



GABRIEL ABRANTES



HU FANG



IVO MESQUITA



ANTHONY HUBERMAN



MAGDA DANYSZ



SÉRGIO MAH



ANDREW HOWARD



ALEXANDRE POMAR



CATHERINE MILLET



JOÃO PINHARANDA



LISETTE LAGNADO



NATASA PETRESIN



PABLO LEÓN DE LA BARRA



ESRA SARIGEDIK



FERNANDO ALVIM



ANNETTE MESSAGER



RAQUEL HENRIQUES DA SILVA



JEAN-FRANÇOIS CHOUGNET



MARC-OLIVIER WAHLER



JORGE DIAS



GEORG SCHÖLLHAMMER



JOÃO RIBAS



LUÍS SERPA



JOSÉ AMARAL LOPES



LUÍS SÁRAGGA LEAL



ANTOINE DE GALBERT



JORGE MOLDER



MANUEL J. BORJA-VILLEL



MIGUEL VON HAFE PÉREZ



JOÃO RENDEIRO



MARGARIDA VEIGA



share |

ANNA RAMOS (RÀDIO WEB MACBA)


Este mês entrevistamos Anna Ramos, responsável pela Ràdio Web MACBA que nos fala sobre este projecto inovador. A rádio online, que foi vencedora do Museums and the Web Best of the Web 2009 Podcast Award, começou por ser um espaço de divulgação para as exposições e atividades do Museu de Arte Contemporânea de Barcelona - um gerador de conteúdos para projetos específicos, com foco na exploração da arte sonora, rádio-arte e música experimental – e é agora um projeto que produz o seu próprio conteúdo como base para a construção de pontes entre a produção radiofónica e outras linhas de trabalho.


Maio de 2012
Por Ana Sena


>>>>>>>>>


P: De onde surgiu a ideia da RÁDIO WEB MACBA (RWM) e como se tem desenvolvido?

R: O projeto surgiu em 2006 e acaba de celebrar seis anos de vida. Seis anos durante os quais construímos um património sonoro de mais de 250 podcasts e inúmera documentação com eles relacionada, em forma de ensaios, bibliografia, etc. Atualmente temos cinco linhas de programação radiofónica, uma secção de publicações digitais (www.rwm.macba.cat/es/quaderns-audio) e uma secção que contém e permite visualizar documentação e processos de investigação (www.rwm.macba.cat/es/extra). Toda a programação está disponível gratuitamente para escuta online ou por subscrição através de podcast.

A Rádio Web MACBA começou como uma experiência com o formato podcast. Com a prática diária e o empenhamento dos nossos colaboradores transformou-se num repositório de podcasts que estende e expande as linhas discursivas e de investigação do MACBA, tendo o áudio e o sonoro como matéria-prima. O projeto nasceu como um altifalante da programação de atividades e exposições do Museu, mas assim que começámos a trabalhar com artistas sonoros, músicos e entusiastas de rádio no desenvolvimento das nossas séries radiofónicas, transcendemos esta condição e começámos a ver-nos cada vez mais numa terra de ninguém, a meio caminho entre a arte radiofónica e o ensaio sonoro. A natureza web do projeto permitiu-nos assim dar visibilidade aos processos e transformar a plataforma num projeto híbrido entre o arquivo e a rádio online.


P: A rádio é uma forma de ultrapassar as barreiras físicas do museu?

R: É uma forma de estender as linhas discursivas do MACBA a um local com uma arquitetura espácio-temporal alternativa, com regras e possibilidades distintas das salas e de outros espaços do Museu. A rádio permitiu-nos gerar, articular e partilhar online um património que não só captura o fluxo constante de cérebros (filósofos, comissários, artistas…) que passam pelo Museu, como nos proporciona a observação e estudo da nossa matéria-prima: o sonoro. Deste modo, partimos das ideias e conceitos desenvolvidos in situ para desenvolver uma narrativa própria, que complementa o que ocorre no Museu com entrevistas de fundo (como na série sobre os artistas da Coleção MACBA - www.rwm.macba.cat/es/fons_audio_tag - ou tudo o que fazemos na nossa secção de Especiais (www.rwm.macba.cat/es/especials). Também desenvolvemos linhas de investigação próprias. Partindo de conceitos-chave, estamos a explorar cenários e contextos musicais tão diversos como o colecionismo sonoro, a música generativa, a apropriação sonora, a produção experimental underground na Europa de Leste ou, sem ir tão longe, a vanguarda sonora no Estado Espanhol (um cenário até então, tão interessante como pouco documentado). Para destacar alguns. Há muitos mais.


P: Quais são as diferentes áreas da RWM e em que consistem?

R: Quando imaginámos o projeto, concebemos diferentes espaços, alguns relacionados com a programação expositiva e de atividades e outros que olhem para fora, com a ideia de explorar a arte sonora, a música experimental e o pensamento contemporâneo. A ideia era traçar uma linha de investigação (www.rwm.macba.cat/es/investigacion) e outra comissariada (www.rwm.macba.cat/es/curatorial). Mas cedo nos deparámos com a arbitrariedade destes compartimentos. Na hiper-completa historiografia de Jon Leidecker sobre a apropriação sonora (uma série de escuta obrigatória www.rwm.macba.cat/es/variaciones_tag) existe tanto de ensaio sonoro como de exercício de comissariado. Colaborar com artistas sonoros ajudou-nos a conviver com esta arbitrariedade e sobretudo, incentivou-nos a trabalhar de forma rizomática. Faz parte da magia do projeto: acabar de ouvir uma mistura de library music de Jonny Trunk da mais obscura quando a intenção inicial era ouvir um podcast sobre colecionismo sonoro. Seguindo relações mais ou menos visíveis, mas existentes, temos explorado a relação entre a matemática e a música, a psicoacústica, a cena distópica do movimento alemão Kassettentäter, paisagens radiofónicas do Magreb, a prolífica cena experimental de improv da California dos anos oitenta, etc.


P: Como é que a RWM complementa as exposições e programas públicos do Museu? Como se relacionam?

P: Fazemo-lo através de duas linhas de programação, o SON[I]A e os Especiais. Em SON[I]A (www.rwm.macba.cat/es/sonia) trabalhamos com um formato muito radiofónico, baseado em entrevistas in situ. O objectivo é partilhar as ideias ou a trajetória pessoal dos comissários, filósofos, artistas e críticos que circulam pelo Museu, criando programas que, na medida do possível, tenham um interesse que vá além da atividade ou exposição. Tentamos não perder de vista a utilização remota dos nossos conteúdos e a ideia de produzir cápsulas que sobrevivam o melhor possível ao passar do tempo. Ou pelo menos, que capturem os sinais do tempo da forma mais fiel e transcendente possível.

Em Especiais (www.rwm.macba.cat/es/especials) tentamos ir um pouco mais além. Partindo das exposições, seminários e outras atividades, pretendemos expandir ideias que fazem parte da sua narrativa, mas que não são necessariamente o seu foco ou tese central, com o intuito de documentar e complementar as linhas discursivas a partir de uma perspetiva diferente do que se expõe. E sobretudo, tirar proveito da rádio, o meio no qual nos movemos.

Com exemplos compreende-se melhor. A propósito da exposição de John Cage - A anarquia do silêncio - em 2010, elaborámos dois especiais: um sobre a relação de John Cage com a rádio (como instrumento, como espaço de experimentação, como meio de difusão das suas hörspiels ou rádio dramas) e outro sobre Fluxus, um coletivo vanguardista e muito prolífico do qual fez parte. Ambos eram temas que apareciam mencionados no discurso da exposição, mas que para nós tinham um interesse especial. E isto deu lugar a dois podcasts maravilhosos: Fluxradio, a cargo de Joe Gilmore e Rhiannon Silver (www.tinyurl.com/clovzn5); e John Cage. Apontamentos para uma releitura do “Roaratorio”, a cargo de José Manuel Berenguer e Carlos Gómez: (www.rwm.macba.cat/es/especials/cage_jose_manuel_berenguer-_carlos_gomez/capsula). Outro exemplo é aquele em que estamos atualmente a trabalhar: estamos a preparar um especial sobre a filosofia orientada ao objeto, com entrevistas aos filósofos Graham Harman e Luciana Parisi, e o ponto de partida foi um seminário sobre coreografia expandida, que teve lugar no passado mês de abril.


P: A secção Extra é um arquivo da vossa investigação e trabalho. Como surgiu a ideia de incorporar esta secção?

R: Um dos privilégios de um projeto destas características é que permite aprofundar os temas que tratamos sem as restrições de tempo do meio radiofónico, sujeito a horários de programação, anúncios publicitários, etc. Paralelamente, o formato online permite-nos a acumulação e a conceção do nosso património como arquivo.

Dito isto, a ideia surgiu de uma forma muito natural: simplesmente apercebemo-nos que nos nossos processos de investigação e realização de projetos acumulávamos materiais muito interessantes que ficavam nos nossos discos rígidos mas que se podiam partilhar, ajudando a aprofundar e complementar as diferentes linhas de programação. Trata-se de material muito diverso, desde cenas eliminadas, que surgem das extensas entrevistas que realizamos e que por diversas razões são descartadas do programa final mas que podem ter interesse por si só (www.rwm.macba.cat/es/escenas_eliminadas), até às transcrições dos podcasts (www.rwm.macba.cat/es/transcripcion_tag), que podem acompanhar a escuta e propiciam a reflexão e assimilação de conceitos e ideias. Nesta secção também publicamos conversas com artistas, comissários e colecionadores que realizamos nos nossos processos de investigação. Conceitos como documentação e processos fazem parte do ADN do MACBA, de modo que poder partilhá-los na rádio faz também parte da nossa lógica interna.


P: Há programas que reúnem não só o áudio mas também textos e desenhos. Fale-nos sobre esta combinação.

R: Referes-te com certeza ao maravilhoso Caderno de Yokohama de Llorenç Barber (www.rwm.macba.cat/es/quaderns-audio/qa_yokohama_llorenc_barber/capsula). Foi um puro acaso, um achado inesperado e fantástico. É o que comentava antes... à medida que trabalhamos e investigamos, deparamo-nos com materiais que sabíamos que existiam e que é um luxo e privilégio poder partilhar. Estas partituras gráficas do compositor valenciano Llorenç Barber estavam no seu estúdio, dentro de um envelope manchado, quando fomos vê-lo para uma entrevista. Mostrou-nos as partituras e, apesar de acreditar mais na aleatoriedade do que no destino, a conexão foi imediata: a nossa linha de ensaios digitais tinha exatamente o formato do caderno no qual as desenhou, a modo de passatempo, quando esteve em Yokohama. Llorenç é de uma generosidade imensa e não só nos cedeu as partituras, como escreveu uns pequenos poemas para a publicação.

Fast-forward: há uns meses, recebemos a alegre notícia de que o compositor norte-americano Joel Peterson as ia interpretar em Detroit, razão pela qual mantivemos com ele uma conversa por email sobre o objetivo da interpretação da anotação gráfica, uma das perguntas que nos surgiu quando as publicámos: podem ser interpretadas mais além do que um poema visual? Joel Peterson respondeu-nos: www.rwm.macba.cat/es/extra/conversation_joel_peterson/capsula. Outro momento mágico do acaso...


P: A rádio é mais que um arquivo. É também um espaço expositivo para a arte sonora?

R: Assim como com a prática, apercebemo-nos que a nossa condição de repositório de podcasts online nos tornou num arquivo, e seria um equívoco afirmar que a Ràdio Web MACBA é um espaço expositivo para a arte sonora. A arte sonora e a música merecem espaços nos quais a escuta esteja especificamente desenhada para o seu desfrute e nos quais o artista tome as decisões pertinentes segundo a sua visão. Dito isto, ao trabalhar com artistas sonoros e músicos, encontramo-nos frequentemente com resultados que transcendem o formato radiofónico e situamo-nos num território de ninguém no qual coexistem a arte sonora, o ensaio sonoro e a rádio-arte. Esta foi sem dúvida uma das surpresas mais gratificantes do projeto.


P: Os programas da rádio foram já inseridos numa exposição? Como?

R: Não exatamente. O que nos ocorreu foi que, do mesmo modo que a rádio documenta o fluxo de ideias que circulam no MACBA, abriu-se um vaso comunicante na outra direção: da rádio ao Museu.
Em 2008 realizou-se a exposição Possibilidade de ação. A vida da partitura (www.macba.cat/es/expo-posibilidad-de-accion) e o gérmen desta foi a série de Barbara Held e Pilar Subirà, Linhas de visão (www.rwm.macba.cat/en/linesofsight-tag), que explorava conceitos como transmissão e interpretação no terreno da música, da arte sonora e da rádio-arte. Assim, estamos a levar a cabo uma série de conferências/audições sobre colecionismo sonoro, a partir das quais articulamos a série Memorabilia. Colecionando sons com… Mas temos de deixar claro que o nosso objetivo não é levar a rádio às salas do Museu, mas sim gerar sinergias e facilitar o contexto na qual esta interação faça sentido. A escuta radiofónica requer condições ambientais determinadas, que não se reúnem necessariamente nas salas. Para quê forçar a situação no Museu se se pode consumir tranquilamente em casa, no escritório, no trânsito ou no momento que seja mais conveniente?


P: Qual é o feedback e a aceitação do público em relação à rádio?

R: Através do Twitter da Rádio Web MACBA @Radio_Web_MACBA recebemos feedback constante dos nossos usuários de todos os cantos do mundo. Desta forma, a utilização remota dos nossos conteúdos transcende as ondas hertzianas e a rádio tradicional, com colaborações de diversa índole com estações de rádio à volta do mundo, do México à Nova Zelândia, passando por Nova Iorque e Sydney. Isto é algo que não esperávamos mas que nos enche de alegria.

Paralelamente, vemo-nos cada vez mais reconhecidos não só pelos meios tradicionais como por instituições, criadores e outros agentes que respeitamos, desde Ars Acustica a Kenneth Goldsmith da UbuWeb, Galen Joseph-Hunter de free103point9 ou Vicki Bennett, que recentemente produziu a maravilhosa Radio Boredcast. A nível local também se está a criar uma rede de iniciativas paralelas (RRS, SONM, etc.) muito interessante e cada vez mais ativa.


P: Quais são os objetivos da RWM para o futuro? Como é que esta pode evoluir?

R: Queremos redesenhar o nosso interface e melhorar a sua navegação web e móvel adaptando-a à complexa estrutura rizomática dos seus conteúdos. Não há campos estanques no projeto. Gosto de pensar nas perspetivas impossíveis de M.C. Escher, nas quais todos os caminhos se interligam entre si.


::::::::::::::::::::