Links

PERSPETIVA ATUAL


Hong Kong Convention and Exhibition Centre, Wan-Chai. Foto: Sandra Lourenço


Cartaz de divulgação da feira. Zhang Ding, “Great Era”, 2007, fotografia. Foto: Sandra Lourenço


Vista parcial da feira. Foto: Sandra Lourenço


Projecto específico: Crossing The Persian Gulf. Foto: Sandra Lourenço


Scai The Bathhouse (Tóquio). Kowei Nawa, “Pixcell Model-Leopard”, 2008, mixed media. Foto: Sandra Lourenço


Chi-Wen (Taipé). Wei-Li Yeh, “Emperor Go in the City-The Dreamer # 2/7”, 2005. Cortesia Chi-Wen Gallery


Chi-Wen (Taipé). Wei-Li Yeh, “Emperor Go in the City-Rose Hill # 3/7”, 2007. Cortesia Chi-Wen Gallery


Hanart TZ (Hong Kong). Qiu Jie, Gopfudammi, 2008. Foto: Sandra Lourenço


Kukje (Seoul). Ki-Bong Rhee, “Wet Psyche Forest”, 2008. Foto: Sandra Lourenço


Green Cardamom (Londres). Nasgol Ansarinia, “Untitled 1 - Patterns series”, 2007. Cortesia Green Cardamom


Backroom Conversations_Museum Focus: Participation, Collaboration and the Everyday. Foto: Sandra Lourenço


Backroom Conversations_Heritage Sites: the answer to Hong Kong`s arts needs. Foto: Sandra Lourenço

Outros artigos:

2017-09-05


PAULA PINTO


2017-07-26


NATÁLIA VILARINHO


2017-07-17


ANA RITO


2017-07-11


PEDRO POUSADA


2017-06-30


PEDRO POUSADA


2017-05-31


CONSTANÇA BABO


2017-04-26


MARC LENOT


2017-03-28


ALEXANDRA BALONA


2017-02-10


CONSTANÇA BABO


2017-01-06


CONSTANÇA BABO


2016-12-13


CONSTANÇA BABO


2016-11-08


ADRIANO MIXINGE


2016-10-20


ALBERTO MORENO


2016-10-07


ALBERTO MORENO


2016-08-29


NATÁLIA VILARINHO


2016-06-28


VICTOR PINTO DA FONSECA


2016-05-25


DIOGO DA CRUZ


2016-04-16


NAMALIMBA COELHO


2016-03-17


FILIPE AFONSO


2016-02-15


ANA BARROSO


2016-01-08


TAL R EM CONVERSA COM FABRICE HERGOTT


2015-11-28


MARTA RODRIGUES


2015-10-17


ANA BARROSO


2015-09-17


ALBERTO MORENO


2015-07-21


JOANA BRAGA, JOANA PESTANA E INÊS VEIGA


2015-06-20


PATRÍCIA PRIOR


2015-05-19


JOÃO CARLOS DE ALMEIDA E SILVA


2015-04-13


Natália Vilarinho


2015-03-17


Liz Vahia


2015-02-09


Lara Torres


2015-01-07


JOSÉ RAPOSO


2014-12-09


Sara Castelo Branco


2014-11-11


Natália Vilarinho


2014-10-07


Clara Gomes


2014-08-21


Paula Pinto


2014-07-15


Juliana de Moraes Monteiro


2014-06-13


Catarina Cabral


2014-05-14


Alexandra Balona


2014-04-17


Ana Barroso


2014-03-18


Filipa Coimbra


2014-01-30


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2013-12-09


SOFIA NUNES


2013-10-18


ISADORA H. PITELLA


2013-09-24


SANDRA VIEIRA JÜRGENS


2013-08-12


ISADORA H. PITELLA


2013-06-27


SOFIA NUNES


2013-06-04


MARIA JOÃO GUERREIRO


2013-05-13


ROSANA SANCIN


2013-04-02


MILENA FÉRNANDEZ


2013-03-12


FERNANDO BRUNO


2013-02-09


ARTECAPITAL


2013-01-02


ZARA SOARES


2012-12-10


ISABEL NOGUEIRA


2012-11-05


ANA SENA


2012-10-08


ZARA SOARES


2012-09-21


ZARA SOARES


2012-09-10


JOÃO LAIA


2012-08-31


ARTECAPITAL


2012-08-24


ARTECAPITAL


2012-08-06


JOÃO LAIA


2012-07-16


ROSANA SANCIN


2012-06-25


VIRGINIA TORRENTE


2012-06-14


A ART BASEL


2012-06-05


dOCUMENTA (13)


2012-04-26


PATRÍCIA ROSAS


2012-03-18


SABRINA MOURA


2012-02-02


ROSANA SANCIN


2012-01-02


PATRÍCIA TRINDADE


2011-11-02


PATRÍCIA ROSAS


2011-10-18


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-09-23


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-07-28


PATRÍCIA ROSAS


2011-06-21


SÍLVIA GUERRA


2011-05-02


CARLOS ALCOBIA


2011-04-13


SÓNIA BORGES


2011-03-21


ARTECAPITAL


2011-03-16


ARTECAPITAL


2011-02-18


MANUEL BORJA-VILLEL


2011-02-01


ARTECAPITAL


2011-01-12


ATLAS - COMO LEVAR O MUNDO ÀS COSTAS?


2010-12-21


BRUNO LEITÃO


2010-11-29


SÍLVIA GUERRA


2010-10-26


SÍLVIA GUERRA


2010-09-30


ANDRÉ NOGUEIRA


2010-09-22


EL CULTURAL


2010-07-28


ROSANA SANCIN


2010-06-20


ART 41 BASEL


2010-05-11


ROSANA SANCIN


2010-04-15


FABIO CYPRIANO - Folha de S.Paulo


2010-03-19


ALEXANDRA BELEZA MOREIRA


2010-03-01


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-02-17


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-01-26


SUSANA MOUZINHO


2009-12-16


ROSANA SANCIN


2009-11-10


PEDRO NEVES MARQUES


2009-10-20


SÍLVIA GUERRA


2009-10-05


PEDRO NEVES MARQUES


2009-09-21


MARTA MESTRE


2009-09-13


LUÍSA SANTOS


2009-08-22


TERESA CASTRO


2009-07-24


PEDRO DOS REIS


2009-06-15


SÍLVIA GUERRA


2009-06-11


SANDRA LOURENÇO


2009-06-10


SÍLVIA GUERRA


2009-05-28


LUÍSA SANTOS


2009-05-04


SÍLVIA GUERRA


2009-04-13


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2009-03-23


PEDRO DOS REIS


2009-03-03


EMANUEL CAMEIRA


2009-02-13


SÍLVIA GUERRA


2009-01-26


ANA CARDOSO


2009-01-13


ISABEL NOGUEIRA


2008-12-16


MARTA LANÇA


2008-11-25


SÍLVIA GUERRA


2008-11-08


PEDRO DOS REIS


2008-11-01


ANA CARDOSO


2008-10-27


SÍLVIA GUERRA


2008-10-18


SÍLVIA GUERRA


2008-09-30


ARTECAPITAL


2008-09-15


ARTECAPITAL


2008-08-31


ARTECAPITAL


2008-08-11


INÊS MOREIRA


2008-07-25


ANA CARDOSO


2008-07-07


SANDRA LOURENÇO


2008-06-25


IVO MESQUITA


2008-06-09


SÍLVIA GUERRA


2008-06-05


SÍLVIA GUERRA


2008-05-14


FILIPA RAMOS


2008-05-04


PEDRO DOS REIS


2008-04-09


ANA CARDOSO


2008-04-03


ANA CARDOSO


2008-03-12


NUNO LOURENÇO


2008-02-25


ANA CARDOSO


2008-02-12


MIGUEL CAISSOTTI


2008-02-04


DANIELA LABRA


2008-01-07


SÍLVIA GUERRA


2007-12-17


ANA CARDOSO


2007-12-02


NUNO LOURENÇO


2007-11-18


ANA CARDOSO


2007-11-17


SÍLVIA GUERRA


2007-11-14


LÍGIA AFONSO


2007-11-08


SÍLVIA GUERRA


2007-11-02


AIDA CASTRO


2007-10-25


SÍLVIA GUERRA


2007-10-20


SÍLVIA GUERRA


2007-10-01


TERESA CASTRO


2007-09-20


LÍGIA AFONSO


2007-08-30


JOANA BÉRTHOLO


2007-08-21


LÍGIA AFONSO


2007-08-06


CRISTINA CAMPOS


2007-07-15


JOANA LUCAS


2007-07-02


ANTÓNIO PRETO


2007-06-21


ANA CARDOSO


2007-06-12


TERESA CASTRO


2007-06-06


ALICE GEIRINHAS / ISABEL RIBEIRO


2007-05-22


ANA CARDOSO


2007-05-12


AIDA CASTRO


2007-04-24


SÍLVIA GUERRA


2007-04-13


ANA CARDOSO


2007-03-26


INÊS MOREIRA


2007-03-07


ANA CARDOSO


2007-03-01


FILIPA RAMOS


2007-02-21


SANDRA VIEIRA JURGENS


2007-01-28


TERESA CASTRO


2007-01-16


SÍLVIA GUERRA


2006-12-15


CRISTINA CAMPOS


2006-12-07


ANA CARDOSO


2006-12-04


SÍLVIA GUERRA


2006-11-28


SÍLVIA GUERRA


2006-11-13


ARTECAPITAL


2006-11-07


ANA CARDOSO


2006-10-30


SÍLVIA GUERRA


2006-10-29


SÍLVIA GUERRA


2006-10-27


SÍLVIA GUERRA


2006-10-11


ANA CARDOSO


2006-09-25


TERESA CASTRO


2006-09-03


ANTÓNIO PRETO


2006-08-17


JOSÉ BÁRTOLO


2006-07-24


ANTÓNIO PRETO


2006-07-06


MIGUEL CAISSOTTI


2006-06-14


ALICE GEIRINHAS


2006-06-07


JOSÉ ROSEIRA


2006-05-24


INÊS MOREIRA


2006-05-10


AIDA E. DE CASTRO


2006-04-20


JORGE DIAS


2006-04-05


SANDRA VIEIRA JURGENS


share |

UMA PERSPECTIVA SOBRE ART HONG KONG 09



SANDRA LOURENÇO

2009-06-11




O Hong Kong Convention and Exhibition Centre, um edifício multifuncional onde se realizou a cerimónia da passagem para a China, acolheu entre os dias 13 e 17 de Maio o segundo ano da feira internacional de arte contemporânea. Após uma primeira edição mais conservadora no que diz respeito à qualidade das obras e com um menor número de galerias – um ano experimental que seguramente não incentivou a organização da feira a arriscar mais – a segunda edição está longe de ter sido um evento local e conservador. O reforço em termos de qualidade e diversidade produziram mudanças significativas no evento. Art Hong Kong 09 correspondeu, em certa medida, às expectativas locais relativamente ao seu internacionalismo pela presença de coleccionadores e de um maior número de galerias internacionais, mas, sobretudo, pela qualidade da sua organização, satisfazendo assim muitos intervenientes culturais que acreditaram nessa capacidade de afirmação internacional.


Nas vésperas da abertura, o director da feira, Maguns Renfrew comunicava à imprensa que, com a vinda de mais galerias e coleccionadores, o evento poderá funcionar como um catalisador do panorama artístico local. Primando por uma excelente organização, a inauguração da feira teve o seu ponto alto entre as 19 e as 21h, com uma multidão entusiasta, coleccionadores, curadores, artistas e galeristas que especulavam como seriam os próximos dias. A maioria dos visitantes concentrou-se durante o fim-de-semana, e a sua diversidade indiciava a presença de pessoas que não estavam necessariamente ligadas ao mundo da arte. Tal como acontece noutras cidades, ocorreram vários eventos paralelos, inaugurações simultâneas e dois leilões de arte organizados pelas leiloeiras asiáticas Seoul Auction e Asian Auction Week.


Mesmo sob o espectro da crise global, segundo o South China Morning Post do dia 20 de Maio, houve um aumento de público e as vendas superaram as do ano passado, lideradas por algumas galerias ocidentais, de Hong Kong e japonesas – embora os resultados tenham ficado aquém das expectativas dos galeristas. Esta notícia sobre as escassas vendas das galerias chinesas não deixa de surpreender; é, no entanto, reveladora da saturação quanto à especulação comercial dos últimos anos. Por outro lado, exceptuando a Grotto Fine Art, as galerias de Hong Kong não representam apenas artistas locais, incluem também outros artistas asiáticos, nomeadamente chineses, o que suscita duvidas quanto à precisão dessas vendas. Dos artistas ocidentais que melhor venderam destacam-se Tracey Emin, Damien Hirst e Gilbert and George (White Cube) – os últimos adquiridos por um coleccionador asiático. Entre os artistas asiáticos, contam-se o japonês Kowei Nawa e o chinês Fang Shao Hua.


Uma das novidades introduzidas este ano foi a criação de uma secção designada de SCMP/ART FUTURES, que subsidiou a participação de galerias com menos de 5 anos que operem segundo uma programação mais experimental. O projecto pretendia garantir a participação de galerias que trabalham com artistas emergentes que ainda não têm sustentabilidade económica e cujo valor das obras é mais acessível, atraindo dessa forma novos compradores que procuram precisamente essas condições. O South China Morning Post, parceiro da feira neste projecto, financiou o prémio do artista seleccionado. Uma outra vantagem relativamente às galerias participantes consistiu no facto de não terem pago qualquer imposto (tax free) – o mesmo aconteceu na Art Dubai, em Março último. Estas decisões em benefício das galerias permitem, sem dúvida, a rentabilização da sua participação e são também uma forma de firmar o evento a nível local e internacional.


Um dos projectos específicos sob o título, Crossing The Persian Gulf, focou-se, tal como o nome indica, nos países do Golfo Pérsico – Arábia Saudita, Bahrein, Emirados Árabes Unidos, Irão, Iraque, Kuwait, Oman e Qatar. No texto de introdução, o curador Charles Merewether contextualiza cada panorama sobre a sua posição em relação ao desenvolvimento da cultura contemporânea, realçando as diferenças que sobressaem entre cada um deles. Nesta abordagem menciona especificamente os contextos conturbados do Iraque e do Irão que, por razões políticas e sociais, têm negligenciado a produção artística contemporânea. Com uma maior abertura e actuando como mediador neutral entre os países daquela região, os Emirados Árabes Unidos têm tido um papel relevante no desenvolvimento de um ambiente propício à difusão da arte contemporânea através de galerias e de eventos como a Art Dubai e a bienal de Sharjah. Alguns desses estados árabes apresentam-se mesmo como uma opção para os artistas trabalharem, dadas as condições internas do seu país de origem. Apesar dessa contribuição, a atmosfera continua tendencialmente comercial e prevalece claramente face à actividade cultural.


Segundo Merewether, os artistas presentes destacam-se pela capacidade de experimentação que ultrapassa questões nacionais ou realidades opressoras que condicionam o futuro de muitas vidas. São artistas que nos proporcionam uma oportunidade para reflectirmos sobre os mundos em que vivem e a que aspiram. Assim, estiveram presentes três galerias neste evento, a XVA, Third Line e B21, e obras dos iranianos Farideh Lashai, Mahmoud Hamadani e Rokni Haerizadeh, dos Emirados Árabes Unidos o artista Ebtisam Abdul Aziz, e ainda o palestiniano Tarek Al-Ghoussein e o iraquiano Halim al Karim, ambos a viverem também nos Emirados Árabes.


Houve realmente um aumento de galerias ocidentais (principalmente do Centro e Norte da Europa), galerias do Golfo Pérsico, Paquistão, Síria, mas a maioria veio sobretudo do Sudeste Asiático e da Ásia-Pacífico, com um núcleo forte de galerias chinesas, coreanas e japonesas. As galerias japonesas e coreanas apresentaram obras que assentam nitidamente em duas vertentes estéticas: uma vertente conceptual, minimalista e depurada à qual se contrapõe uma outra vertente pop (por vezes kitsch) que, no caso do Japão, está profundamente enraizada no imaginário da banda-desenhada e da manga. A Scai The Bathhouse de Tóquio mostrou um conjunto de obras conceptuais de artistas japoneses, entre os quais se destacam, Kowei Nawa, Lee Ufan, Tatsuo Miyajima, e ainda obras de Apichatpong Weerasethakul, Daniel Buren e Jenny Holzer. A Hyundai e a Kukje, ambas de Seul, mostraram obras de artistas coreanos, sendo que a segunda não prescindiu também de nomes ocidentais como Candida Höfer, Bill Viola, Anish Kapoor. Entre os artistas coreanos que apresentou, destacam-se Kwang-Ho Lee, Yeondoo Jung e Ki-Bong Rhee.


A 140sqm de Xangai e a Chi-Wen de Taipé são duas das galerias presentes que trabalham com fotografia. Da última destaca-se um conjunto de fotografias de Wei-Li Yeh da série “Emperor Go in the City”. Baseando-se numa história de folclore local (Taiwan), o fotógrafo encena uma outra história a partir do quadro do Imperador Go Jian, encontrado num campo militar e transferido pelo próprio artista para um complexo de casas em Taipé que será destruído. Wei-Li Yeh justapõe histórias reais e ficcionadas para reflectir sobre o tempo e a degradação dos lugares.


A 10 chancery Lane (Hong Kong e Xangai) mostrou um leque de artistas chineses, italianos e vietnamitas, a Osage (Hong Kong, China, Singapura) apostou em artistas de Hong Kong, chineses e tailandeses, e a Grotto mostrou exclusivamente artistas de HK. A Green Cardamom (Londres) trabalha exclusivamente com artistas iranianos, indianos e paquistaneses, tendo dado especial destaque à obra de Nasgol Ansarinia, cujo processo de trabalho explora os sistemas e padrões de certos ambientes e a forma como o subconsciente é anestesiado pelas rotinas do quotidiano.


Os eventos da feira incluíram workshops, visitas guiadas, filmes e uma série de conversas com artistas, curadores e outros agentes culturais asiáticos e ocidentais. As visitas guiadas estiveram a cargo do espaço alternativo Parasite, enquanto que a organização dos restantes eventos foi da responsabilidade do Asia Art Archive de Hong Kong (AAA), uma instituição sem fins lucrativos que vive de apoios privados. Como centro de pesquisa, o AAA tem desenvolvido um excelente trabalho de investigação e divulgação da arte asiática um pouco por todo o mundo, estabelecendo uma ponte com instituições asiáticas e internacionais. Para além de se centrar na área da pesquisa artística, outras áreas do AAA incluem a organização de conferências, eventos e de residências artísticas – um dos últimos colectivos de artistas em residência foram os Raqs Media Colective de Nova Delhi.


Os painéis das conversas organizados pelo AAA centraram-se em 4 temas. O primeiro painel, Reinvesting in Contemporary Chinese Art reuniu o escritor e director artístico Hu Fang, Johnson Chang, curador e director da Hanart TZ, o artista Qiu Anxiong, a curadora independente Pauline J. Yao e o coleccionador Uli Sigg, com a moderação de Philip Tinari, crítico, curador, fundador da artforum.com.cn e profundo conhecedor do panorama artístico chinês. Os efeitos da actual recessão global no mercado artístico e as estratégias que se procuram para repensar essa situação foram os temas debatidos neste painel. Muitos acreditam que este é o momento oportuno para reflectir e contribuir com ideias que possam atenuar a voracidade comercial.


Destacam-se as intervenções de Hu Fang e Qiu Anxiong que se fixaram precisamente nesse lado alternativo, com uma posição mais crítica face ao mercado artístico. Hu Fang questionou a excessiva preocupação com esse sector e tudo o que isso implica, frisando que a arte tem uma energia própria e não deve estar totalmente dependente dessas questões. Qiu Anxiong comentou sobretudo a tendência para o facilitismo despertado justamente pelo mercado, como algo que terá certamente de ser repensado. Pauline Yao sublinhou que a valorização da arte contemporânea chinesa pelo mercado teve alguns aspectos positivos, nomeadamente chamar a atenção do sistema político chinês para o panorama interno da arte contemporânea, acrescentando que essa especulação foi praticamente construída no Ocidente porque o mercado interno é ainda relativamente pequeno. Na realidade, todos os intervenientes concentraram-se apenas nos efeitos do mercado na arte contemporânea chinesa do continente, furtando-se às observações desses efeitos noutras regiões como Hong Kong e Taiwan. Tal questão só foi aflorada quando se interveio publicamente, questionando, precisamente, qual a posição das outras comunidades chinesas face a esse sucesso.


Dos 3 restantes painéis, Museum Focus (I): Art + Design, Museum Focus (cont.): Participation, Collaboration and the Everyday e Heritage Sites: the answer to Hong Kong’s arts needs, destacamos o segundo painel que reuniu Daravuth Ly, director do Reyum Institute of Arts and Culture, Phnom Penh (Cambodja), Frances Morris que está à frente das colecções da Tate Modern (Londres), Hammad Nasar, curador, escritor e co-fundador do espaço Green Cardamom (Londres), Leung Mee-ping, artista de Hong Kong cujo trabalho se centra no espaço urbano e o artista Rirkrit Tiravanija que trabalha entre Nova Iorque, Berlim e Chiang Mai, com a moderação de Vasif Kortun, curador e director da Plataforma Garanti Contemporary Art Center (Istambul). Na conversa em torno do tema Museum Focus (cont.): Participation, Collaboration and the Everyday, abordou-se a importância de projectos e curadorias que se realizam fora do contexto museológico, quer como eventos complementares, quer como alternativos àquele – neste último caso, se as estruturas são inexistentes ou não se harmonizam com as perspectivas das comunidades artísticas. Segundo as palavras de Daravuth Ly, o contexto artístico de Phonm Penh, por exemplo, enquadra-se nesta situação de negligência das estruturas estatais. A instituição não-governamental da qual é director subsiste apenas graças aos apoios privados e as actividades artísticas centram-se muito no trabalho de pesquisa, arquivo e ligação com a comunidade. Francis Morris realçou algumas obras adquiridas pela Tate Modern cujo processo ocorreu no espaço público, realçando que a fruição destas obras se faz através de um arquivo de documentação e da memória.


Uma feira de arte é sempre mais uma entre muitas. O que as distingue do sucesso ou fracasso, para além da conjuntura, é a capacidade de organização e mobilização de intervenientes culturais que contribuam para a dinâmica do evento. A posição, o panorama cultural e as condições estruturais da cidade são, obviamente, outro factor importante, que deverá ser levado em conta. A feira de Hong Kong reuniu condições para se estabelecer como a principal feira de arte asiática, uma alternativa ao conservadorismo da feira de arte de Pequim localmente criticada. Terá de competir, no entanto, com a feira de Xangai que este ano investe numa nova organização. Esta competição acaba por funcionar como um estímulo à melhoria de cada evento.


Sandra Lourenço
Hong Kong




LINKS

ART HK 09: Hong Kong International Art Fair
www.hongkongartfair.com

ASIA ART ARCHIVE, Hong Kong (AAA)
www.aaa.org.hk